Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

realismo e naturalismo na europa

20.664 Aufrufe

Veröffentlicht am

  • Als Erste(r) kommentieren

realismo e naturalismo na europa

  1. 1. Realismo na Europa "uma base filosófica para todas as concepções de espírito - uma lei, uma carta de guia, um roteiro do pensamento humano, na eterna região do belo, do bom e do justo,(...)é a crítica do Homem,(...)para condenar o que houver de mau na nossa sociedade.(...)É não simplesmente o expôr (o real) minudente, trivial, fotográfico,(...)mas sim partir dele para a análise do Homem e sociedade.“ Eça de Queirós
  2. 2. Contexto histórico • Europa : O Realismo foi um reflexo do materialismo e do cientificismo presentes na segunda metade do século passado: a glorificação da ciência.
  3. 3. CARACTERÍSTICAS • Impessoalidade; • Oposição ao Romantismo; • Os escritores realistas não fogem à realidade, antes, buscam mostrar os defeitos da sociedade. • Verossimilhança: procura apresentar a verdade, retratando o real na descrição dos personagens que são indivíduos e concretos, conhecidos, tipos particulares. •
  4. 4. CARACTERÍSTICAS • Psicologismo: análise do espírito, do mundo exterior, da vida social. • Objetivismo: a vida é encarada objetivamente em todos os seus aspectos. O autor não intromete no andamento das ações, deixando que personagens e circunstâncias atuem uns sobre os outros, na busca da solução. • Retrato da vida contemporânea: Interessa-lhe o fato presente, o homem, seu tempo, ao contrário dos românticos, que amavam o passado.
  5. 5. • Interpretação da vida: Através da percepção, da observação e da análise apurada de fatos e coisas, denuncia o adultério, a inveja, a corrupção, a miséria do comportamento moral da sociedade. • A narrativa move-se lentamente: O Realismo apresenta, durante a narrativa, detalhes, aparentemente insignificantes, porém, reunidos e harmonizados, levam-nos ao descortinar da realidade. • Linguagem simples: O realista procura utilizar a linguagem mais próxima da realidade, principalmete a dos personagens que deve aproximar-se da fala coloquial e retratar os diversos níveis pessoais.
  6. 6. • Personagens femininas descritas de forma irônica, sem idealizações, mostradas com suas virtudes e defeitos; • A mulher, por vezes, é descrita como materialista e adúltera; • No Realismo, os romances são denunciadores da realidade.
  7. 7. Questão Coimbrã Já havia alguns anos, os meios literários portugueses tinham como principal expressão o consagrado Antônio Feliciano de Castilho, poeta árcade, idoso e cego, respeitado por sua vasta cultura e profundo conhecimento dos clássicos. Castilho, representante do academicismo e do tradicionalismo literários, reunia em torno de si jovens escritores a quem protegia e por quem era tido como mestre. A Questão Coimbrã tem início quando Castilho, ao posfácio elogioso ao livro Poema da mocidade, de seu protegido Pinheiro Chagas, aproveita para criticar um grupo de poetas de Coimbrã, a quem acusa de exibicionistas e obscurantistas. São citados no posfácio os escritores Teófilo Braga e Antero de Quental, que acabara de publicar obra Odes modernas. Antero responde a Castilho com uma carta aberta, em forma de panfleto, intitulada Bom senso e bom gosto.
  8. 8. Para Antero de Quental, a agressão sofrida não se limitava ao plano estritamente literário ou pessoal; era, na verdade, uma reação do velho contra o novo, do conservadorismo contra o progresso, da literatura de salão contra a literatura viva e atuante exigida pelos novos tempos. Antero de Quental desejava modernizar o país colocando-o ao lado das nações européias mais desenvolvidas. Na carta ao velho mestre, Quental procura demonstrar que o atraso em que se encontrava Portugal podia ser creditado, em parte, à veneração tipicamente romântica do passado. A Questão Coimbrã durou todo o segundo semestre de 1865,com publicações e ataques de ambos os lados.Também participaram dela, entre outros, Teófilo Braga, Ramalho Ortigão e Pinheiro Chagas. Eça de Queirós, embora fizesse parte do grupo coimbrão, não interveio na polêmica.
  9. 9. As conferências do Cassino e a geração de 70 Por volta de 1870, e tendo já concluído os estudos universitários em Coimbra, o grupo de amigos se reencontra em Lisboa e passa a travar debates acerca da renovação cultural portuguesa. A volta de Antero de Quental, que estivera na França, na América e na ilha de São Miguel, dinamiza essas reuniões, que passam a contar com leituras sistematizadas e a ter um objetivo definido. Como resultado desse esforço, nasce a iniciativa ambiciosa das Conferências Democráticas, que visavam à reforma da sociedade portuguesa. Essas conferências eram realizadas no Cassino Lisbonense, provocando escândalo. Depois de proferidas cinco conferências - duas de Antero de Quental e uma de Eça de Querós - , o governo proíbe a continuidade do ciclo, alegando que os oradores suscitavam “doutrinas e proposições que atacavam a religião e as instituições do Estado”. Apesar da censura, o Realismo já era vitorioso em Portugal, e a partir de então se colheriam seus melhores frutos.
  10. 10. O barco desaparecido (1890), de José Júlio Sousa Pinto.
  11. 11. A carruagem de terceira classe(1863-65) Daumier, Honoré (1808-1879)
  12. 12. 13 José Maria Eça de Queirós (1845 – 1900)
  13. 13. Realismo teve início efetivo no país em 1875, quando Eça de Queirós lançou O Crime do Padre Amaro, primeira obra com características realistas.
  14. 14. O Crime do Padre Amaro (1875); O Primo Basílio (1878); O Mandarim (1879); Os Maias (1888); A Ilustre Casa de Ramires (1900); A Cidade e as Serras (1901)entre outras.
  15. 15. Características literárias de sua obra • Cenas “grotescas” com linguagem “polida”; • Ironia: A ironia utilizada em seus romances desmascara o comportamento hipócrita e ocioso da burguesia lisboeta . • Descritivismo e detalhismo; • Determinismo. • A crítica literária costuma identificar três fases distintas na obra de Eça de Queirós .
  16. 16. O CRIME DO PADRE AMARO
  17. 17. CARACTERIZAÇÃO DE AMARO: PSICOLÓGICA • A educação de Amaro é feita sem a presença da figura paterna, deturpada por um mundo feminino. • É isolado do mundo exterior, apenas convivendo com as filhas da Marquesa que têm uma vivência religiosa muito particular: é uma forma de ocupar o tempo livre porque “ elas enfastiavam-se” e como “Deus era o seu luxo de verão” conseguem conciliar o inconciliável: religião e moda. • É neste processo que Amaro cresce: uma fé falsa e superficialidade religiosa. • Marquesa e filhas= educação moral • Criadas= descoberta da carne e desejos sexuais. • O sacerdócio como “um libertamento”
  18. 18. CARACTERIZAÇÃO PSICOLÓGICA E FÍSICA • Narrativa em analepse, que mostra quais os vetores responsáveis pela personalidade de Amaro. Dá-nos o determinismo inicial que originará o crime, que a intriga se encarregará de demonstrar. • No seminário tinha uma debilidade física, embora um rosto bonito, porém, sua estadia na serra, se tornou um homem bonito e viril. • A impressão do povo de Leria é que o novo páraco é “uma boa figura de homem”. • Numa auto-lamentação, sente que lhe cortaram a sua virilidade e vê-se inferior aos outros homens, porque “Era padre! Fora aquela infernal praga da Marquesa de Alegros!” e o que limitava “ao espiritual, sem direito sobre o corpo, a vida e a riqueza dos homens”. • Amaro tem raciocínio falseado, a mentira, a hipocrisia, que o leva rumo à degradação, ao crime.
  19. 19. CARACTERIZAÇÃO DA AMÉLIA • Sua infância é marcada fortemente pela ausência do pai( idêntico ao Amaro), A substituição desta referência ausente é a presença dos padres. • Amélia uma mulher romântica: Influência do Bovarismo de Flaubert: Também Madame Bovary lia muitos livros românticos e a frustração da realidade leva-a a cometer o adultério. Também em Amélia estas histórias excitam sua imaginação. • Sempre que sofre uma desilusão amorosa refugia-se na religião. • O ambiente que Amélia cresce é um ambiente onde Deus e o padre se confundem, onde se privilegia o aspecto físico e material dos padres • Deus era como um castigador, e para aplacar a sua ira divina é preciso “minar os padres”
  20. 20. PROBLEMÁTICAS E PRINCIPAIS TEMAS • Sem dúvida, encontramos na presente obra o início da mais forte ironia queirosiana, bem como algumas de suas mais contundentes críticas à sociedade lusitana. O anticlericalismo fica evidente através de pinceladas de pura ironia, que desnudam o sacerdócio sem vocação e a educação religiosa que procura elevar o padre a uma figura divina e irreal. Assim, podemos elencar os principais temas apresentados: • Crítica à decadência moral da sociedade. • A hipocrisia do clero e da sociedade. • Censura e desconformidade entre os atos e os ideias. • A hipocrisia religiosa. • O culto das aparências / O convencionalismo social • Crítica à beatice doentia.
  21. 21. O PRIMO BASÍLIO
  22. 22. LUÍSA JORGE PRIMO BASÍLIO AÇÃO = ADULTÉRIO (triângulo)
  23. 23. ESTUDO DAS PERSONAGENS LUÍSA • Oriunda de uma burguesia decadente, é inculta, devotada a um cristianismo de fachada. Tem caráter instável: ora atacada por um sentimento de medo indecifrável — teme perder o status que adquiriu com o casamento com Jorge — ora entregue às carícias do amante Basílio. Representa bem a estrutura cultural, moral e religiosa da parcela burguesa de Lisboa.
  24. 24. • JORGE • Casado com Luísa é engenheiro. Carrega concepções de superioridade hierárquica no casamento, embora leve vida ambígua: tem diversas relações amorosas furtivas, apoiadas nas frequentes viagens que faz, por força da profissão. Assim, representa o que há de falso moralismo e arrogância na sociedade. • JULIANA • É a criada. Subjugada pela condição social, vive o inferno da inveja. É malévola, desonesta e não perde oportunidade para explorar, roubar e exigir sob ameaça. Guarda como relíquia tudo que possa ser arma contra a família para quem trabalha.
  25. 25. • CONSELHEIRO ACÁCIO • Representa a pseudoformalidade das relações sociais: político dado à corrupção, de fala convincente e amante dos provérbios e frases de efeito, adota um comportamento populista, a fim de se beneficiar. • SEBASTIÃO • Aparentado de Jorge, revela-se prestativo, o “ombro amigo” e seguro. Mostra ser bom caráter. • LEOPOLDINA • Outra burguesa de maus hábitos, maritalmente desonesta e amiga de Luísa, à revelia do falso- moralista Jorge.
  26. 26. • DONA FELICIDADE • É o protótipo da beata ignorante. Pratica uma religiosidade impura, eivada de superstições. Representa a parcela da sociedade estúpida, devota a uma religião inócua. • ERNESTINHO • Representante do insucesso profissional: é escritor frustrado, voltado para o “ultra- romantismo” decadente. • BASÍLIO • O mau-caráter, representa o burguês de prosperidade duvidosa, pronto a se aproveitar de toda e qualquer situação. Reveste-se de uma maldade inescrupulosa e irônica, usando um falar característico de sua dissimulação.
  27. 27. • LINGUAGEM E ESTILO • Eça depura a linguagem, tira-lhe as rebarbas, os excessos. Valoriza a carga semântica. Dá à palavra a exata medida de seu conteúdo. • ESPAÇO • LISBOA: séc. XIX Alentejo (rouba Jorge) Paris (devolve Basílio)
  28. 28. • FOCO NARRATIVO • Um narrador em terceira pessoa, onisciente, é o recurso utilizado por Eça para a expressão do ponto de vista. Tal recurso permite um certo distanciamento entre o leitor e as personagens, o que concede àquele um vislumbre do caráter destas. http://mais.uol.com.br/view/kyxgsudzcayb/trailer--primo-basilio- 0402C0B143A6?types=A Trailer do filme:
  29. 29. ANTERO DE QUENTAL (1842 – 1891)
  30. 30. Características literárias de sua obra A poesia de Antero de Quental apresenta três faces distintas: • A das experiências juvenis, em que coexistem diversas tendências • A da poesia militante, empenhada em agir como “voz da revolução” • E a da poesia de tom metafísico, voltada para a expressão da angustia de quem busca um sentido para a existência. A oscilação entre uma poesia de combate, dedicada ao elogio da ação e da capacidade humana, e uma poesia intimista, direcionada para a análise de uma individualidade angustiada, parece ter sido constante na obra madura de Antero, abandonando a posição que costumava enxergar uma seqüência cronológica de três fases.
  31. 31. Obra • Sonetos de Antero, 1861, • Raios de extinta luz 1892 • Primaveras românticas, 1872 • Odes modernas, 1865 (na origem da polemica Questão Coimbrã) • Sonetos, 1886. • Prosas
  32. 32. Hino à Razão Razão, irmã do Amor e da Justiça, Mais uma vez escuta a minha prece. É a voz dum coração que te apetece, Duma alma livre só a ti submissa. Por ti é que a poeira movediça De astros, sóis e mundos permanece; E é por ti que a virtude prevalece, E a flor do heroísmo medra e viça. Por ti, na arena trágica, as nações buscam a liberdade entre clarões; e os que olham o futuro e cismam, mudos, Por ti podem sofrer e não se abatem, Mãe de filhos robustos que combatem Tendo o teu nome escrito em seus escudos! Antero de Quental
  33. 33. O Que Diz A Morte Deixai-os vir a mim, os que lidaram; Deixai-os vir a mim, os que padecem; E os que cheios de mágoa e tédio encaram As próprias obras vãs, de que escarnecem... Em mim, os Sofrimentos que não saram, Paixão, Dúvida e Mal, se desvanecem. As torrentes da Dor, que nunca param, Como num mar, em mim desaparecem. Assim a Morte diz. Verbo velado, Silencioso intérprete sagrado Das cousas invisíveis, muda e fria, É, na sua mudez, mais retumbante Que o clamoroso mar; mais rutilante, Na sua noite, do que a luz do dia. Antero de Quental
  34. 34. 36 CESÁRIO VERDE
  35. 35. 37 Características realistas: • Supremacia do mundo externo, da materialidade dos objetos; impõe o real concreto à sua poesia. • Predomínio do cenário urbano (o favorito dos escritores realistas e naturalistas). • Situa espaço-temporalmente as cenas apresentadas (ex: Num Bairro Moderno – “dez horas da manhã”). • Atenção ao pormenor, ao detalhe. • A seleção temática: a dureza do trabalho (Cristalizações e Num Bairro Moderno); a doença e a injustiça social (Contrariedades); a imoralidade das “impuras”, a desonestidade do “ratoneiro” e a “miséria do velho professor” em O Sentimento dum Ocidental. • A presença do real histórico: a referência a Camões e o contexto sócio-políticos em O Sentimento dum Ocidental. • A linguagem burguesa, popular, coloquial, rica em termos concretos. • Pelo fato da sua poesia ser estimulada pelo real, que inspira o poeta, que se deixa absorver pelas formas materiais e concretas.
  36. 36. 38 Características temáticas: • A questão da inviabilidade do Amor na cidade. • A humilhação (sentimental, estética, social). • A preocupação com as injustiças sociais. • O sentimento antiburguês. • O perpétuo fluir do tempo, que só trará esperança para as gerações futuras. • Presença obsessiva da figura feminina.
  37. 37. 39 Obra • O Livro de Cesário Verde é a edição póstuma da coletânea dos poemas do poeta português Cesário Verde, feita por seu amigo Silva Pinto em 1887, reunindo os poemas editados em periódicos
  38. 38. AVE-MARIAS Nas nossas ruas, ao anoitecer, Há tal soturnidade, há tal melancolia, Que as sombras, o bulício, o Tejo, a maresia Despertam-me um desejo absurdo de sofrer. O céu parece baixo e de neblina, O gás extravasado enjoa-me, perturba-me; E os edifícios, com as chaminés, e a turba Toldam-se duma cor monótona e londrina. Cesário Verde
  39. 39. 41 Outros autores • Júlio Dinis, pseudônimo de Joaquim Guilherme Gomes Coelho (1839 - 1871). É por muitos considerado como um escritor de transição entre o fim do Romantismo e o princípio do Realismo. Principal Obra: • As Pupilas Do Senhor Reitor (1867)
  40. 40. Naturalismo 42 “para os naturalistas, o homem é visto como um “caso” a ser cientificamente analisado.”
  41. 41. Naturalismo • O Naturalismo foi um movimento cultural relacionado às artes plásticas, literatura e teatro. Surgiu na França, na segunda metade do século XIX. Este movimento foi uma radicalização do Realismo. • Émile Zola: principal representante do Naturalismo
  42. 42. • Entusiasmado com as descobertas das ciências naturais e da medicina, o escritor Émile Zola, representante máximo do Naturalismo na França, produziu romances com personagens doentias, dominadas pelos apelos da carne, do sangue e pela herança transmitida por seus ancestrais. • Com Thérèse Raquin, Zola inaugurou, em 1867, o Naturalismo. Esse "romance experimental" tinha como objetivo confirmar o que na época era tido como verdade científica: heranças biológicas, condições do meio ambiente e momento histórico determinavam o caráter, a psicologia e o comportamento do ser humano. •
  43. 43. Raspando o assoalho (1875) de Gustave Caillebotte.
  44. 44. Características • A principal característica do Naturalismo é o cientificismo exagerado que transformou o homem e a sociedade em objetos de experiências. • Descrições minuciosas e linguagem simples • Preferência por temas como miséria, adultério, crimes, problemas sociais, taras sexuais e etc. A exploração de temas patológicos traduz a vontade de analisar todas as podridões sociais e humanas sem se preocupar com a reação do público.
  45. 45. Charles Darwin, o cientista inglês, em 1859 deu início a uma profunda evolução na história da ciência ao publicar sua obra fundamental denominada Sobre a origem das espécies, cujas principais ideias são: Evolucionismo: a “luta pela sobrevivência” e a “seleção natural”.
  46. 46. Hippolyte Taine defende que o comportamento humano é determinado por três fatores: Determinismo: o meio, a raça e o momento histórico.
  47. 47. Também denominado socialismo marxista, o socialismo científico foi desenvolvido no século XIX por Karl Marx e Friedrich Engels. Socialismo científico: “A religião é o ópio do povo”.
  48. 48. Positivismo O positivismo defende a idéia de que o conhecimento científico é a única forma de conhecimento verdadeiro. De acordo com os positivistas somente pode-se afirmar que uma teoria é correta se ela foi comprovada através de métodos científicos válidos.
  49. 49. Diferenças entre o Realismo e o Naturalismo • Todo naturalista é realista, mas nem todo realista é naturalista. • O Naturalismo “é” uma tendência dentro do Realismo. • O Naturalismo é o Realismo levado às últimas consequências. A distinção entre os dois estilos nem sempre é muito nítida.
  50. 50. PERSONAGENS • Condicionada a um destino contra o qual não pode lutar. • Sua vida interior é reduzida a quase nada. • Seu comportamento aproxima-se do comportamento animal, é movido pelo instinto.
  51. 51. •Ênfase na hereditariedade física e psicológica como fator determinante do comportamento das personagens. •O desequilíbrio das personagens aparece quando o ambiente físico e social favorece sua manifestação. • As condições para a manifestação do conflito dramático da personagem naturalista são herança biológica e ambiente. •Os espaços miseráveis evidenciam os desequilíbrios que o escritor pretende denunciar.
  52. 52. • O autor tem intenção combativa;, ou seja, pretende provocar a reflexão sobre a realidade social da época. • O autor é objetivo, tem compromisso com a realidade. • A visão apresentada é imparcial e impessoal. • Há uma interpretação da vida através métodos científicos. • Há preocupação com o momento histórico. • Não há idealização.
  53. 53. • Condicionamento das personagens ao meio físico e social: - Fatores naturais (temperamento, raça) - Fatores sócio culturais (ambiente, educação) • Apresentam relação de causa e efeito. • Explicação lógica e racional. • Descrição minuciosa do espaço e da personagem. • Linguagem mais simples que a dos românticos. • Preferência por períodos curtos e de compreensão imediata.

×