Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.
Design Crítico: origem e
descolonização brasileira
Frederick van Amstel @usabilidoido
DADIN - UTFPR
O design contemporâneo prioriza a função sobre a forma.
Existe um imaginário de que design deve ser conceitualmente
transparente em relação à função ou conteúdo.
Designers não dizem nada
através do design porque não
têm nada a dizer… será???
Praticamente todo lançamento de produto da Apple conta com
um vídeo de Jony Ive explicando o projeto.
Produtos Apple dizem algumas coisas através do design, porém,
carecem de densidade cultural.
Densidade cultural
• Intertextualidade (referenciar outros textos)
• Palimpsesto (ter várias camadas de interpretação)
• P...
Compare produtos Apple com O Cavaleiro das Trevas (2008).
Será que design pode ter a
mesma densidade cultural que
um filme?
Design Crítico
• Uma atitude e não um
método
• Todo design é ideológico
• Podemos criticar qualquer
design, porém, podemos...
Evidence Dolls, bonecos para guardar o DNA de homens com
quem uma mulher dormiu (Dunne & Raby, 2005).
Huggable Atomic Mushrooms (2004), para pessoas que tem
medo da aniquilação nuclear se acostumarem com este medo.
Nipple Chair, uma cadeira com mamilos para descarregar a
eletricidade estática do corpo (Dunne & Raby, 2001).
"O desafio é borrar as fronteiras entre o
real e o ficcional, para que o visionário se
torne mais real e o real seja visto...
United Micro Kingdons (2014), um país geograficamente dividido
pela ideologia política.
Ciclistas modificados geneticamente para trabalhar no
transporte público dos Anarco-evolucionistas.
Carros autônomos que protegem e isolam os Digitarianos.
Trem movido a energia nuclear que carrega toda a comunidade
dos Comunistas-nucleares.
Carros orgânicos customizados movidos a biodigestores.
Isso é arte, não é design.
Porque não é arte
• São produtos e não obras
• Podem ser usados no cotidiano
• Projeto técnico viabiliza produção em escal...
Programa Design Interactions no Royal College of Art
(2005-2015).
Prazeres Complicados
• Projetos que visam satisfazer desejos e não
necessidades
• Desejos não são tão direcionados como
ne...
BioSpy, um robô para hipocondríacos
(Alexandra Daisy Ginsberg, 2007)
Afterlife, uma pilha feita de substâncias químicas emanadas de
cadáveres humanos (James Auger e Jimmy Loizeau, 2009)
Familiar Estranho
• O contexto do projeto é parecido com o cotidiano
• Tudo no projeto faz sentido com o contexto
• A form...
White Lies, uma balança que mostra o seu peso para outras pessoas
(Alice Wang, 2008).
Para-funcionalidade
• Subversão da funcionalidade
• O produto funciona, mas os valores gerados são
perturbadores
• O conte...
Menstruation Machine (Sputniko!, 2010)
Design para Debate
• Toda controvérsia possui múltiplos pontos de vista,
porém, nem todos pontos de vista são
considerados...
Audio Tooth Implant, um fone de ouvido implantado no dente
(James Auger e Jimmy Loizeau, 2000).
Presentes Alternativos
• A dimensão do futuro é frequentemente explorada
pelo Design Crítico para demonstrar que mudanças
...
Radiance Resort, um spa para tratamento de doenças com
radiação nuclear controlada (Rachel Harding).
Resumindo
• Design Crítico é uma prática reflexiva que produz
objetos complexos e narrativas densas
• A crítica que antes ...
Manifesto A/B: (A) Design Afirmativo e (B) Design Crítico
(Dunne & Raby, 2009).
Descolonização do Design Crítico
• UTFPR - Grupo Xuê (2009-atual)
• Instituto Faber-Ludens (2008-2012)
• PUCPR (2012-atual...
Manifesto A/B/C (Grupo Xuê, 2015).
Instalação Orkuticídio (Instituto Faber-Ludens, 2008).
Anos de Chumbo, um jogo para Nintendo Wii
(Instituto Faber-Ludens, 2010).
Igreja do Divino Desígnio (Faber-Ludens, 2010).
Máscara Power, para consumo de memórias armazenadas em
cigarros KMC-55 (PUCPR, 2016).
Voxel, um assistente digital que previne e incentiva a
procastinação (Juliana Saito, PUCPR, 2016).
Projeto Hera, acessórios de cabeça inspirados nas pautas
ecofeministas (Maria Cecília Westphalen, 2018).
Every Breath You Take: combinando imaginários urbanos
distópicos (Firmino, Van Amstel e Gonzatto, PUCPR, 2018).
Crítica de Luiza Prado a omissão do Design Crítico sobre
opressões históricas (machismo, racismo, etc) http://a-pare.de.
Oniria é um projeto participativo sobre a possível proibição do
uso de contraceptivos (Luiza Prado e Pedro Oliveira, 2017).
Brasil, July 2038 é uma especulação sobre um país governado
pela extrema direita (Luiza Prado e Pedro Oliveira, 2014).
Obrigado!
Frederick van Amstel @usabilidoido
DADIN - UTFPR
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×

Design Crítico: origem e descolonização brasileira

252 Aufrufe

Veröffentlicht am

Design Crítico é uma atitude e não um método. A atitude consiste em, por um lado, prestar atenção às intenções, valores e discursos que dão origem e sustentam o mundo projetado. Por outro lado, ela nos impele a desenvolver projetos que coloquem em evidência ideologias materializadas, seja para criticá-las, seja para enaltecê-las.

Vídeos:
RCA Design Interactions Tour https://www.youtube.com/watch?v=jfnVwvSk3cM
Menstruation Machine https://www.youtube.com/watch?v=gnb-rdGbm6s
Radiance Resort https://vimeo.com/7124330
Voxel https://www.youtube.com/watch?v=Flc3MysCFC4

Veröffentlicht in: Design
  • Als Erste(r) kommentieren

  • Gehören Sie zu den Ersten, denen das gefällt!

Design Crítico: origem e descolonização brasileira

  1. 1. Design Crítico: origem e descolonização brasileira Frederick van Amstel @usabilidoido DADIN - UTFPR
  2. 2. O design contemporâneo prioriza a função sobre a forma.
  3. 3. Existe um imaginário de que design deve ser conceitualmente transparente em relação à função ou conteúdo.
  4. 4. Designers não dizem nada através do design porque não têm nada a dizer… será???
  5. 5. Praticamente todo lançamento de produto da Apple conta com um vídeo de Jony Ive explicando o projeto.
  6. 6. Produtos Apple dizem algumas coisas através do design, porém, carecem de densidade cultural.
  7. 7. Densidade cultural • Intertextualidade (referenciar outros textos) • Palimpsesto (ter várias camadas de interpretação) • Polifonia (apresentar múltiplas perspectivas) • Hibridismo (misturar elementos) • Contradição (a realidade está cindida)
  8. 8. Compare produtos Apple com O Cavaleiro das Trevas (2008).
  9. 9. Será que design pode ter a mesma densidade cultural que um filme?
  10. 10. Design Crítico • Uma atitude e não um método • Todo design é ideológico • Podemos criticar qualquer design, porém, podemos também fazer críticas através do design • Design Crítico materializa valores ideológicos e contra-ideológicos Anthony Dunne & Fiona Raby
  11. 11. Evidence Dolls, bonecos para guardar o DNA de homens com quem uma mulher dormiu (Dunne & Raby, 2005).
  12. 12. Huggable Atomic Mushrooms (2004), para pessoas que tem medo da aniquilação nuclear se acostumarem com este medo.
  13. 13. Nipple Chair, uma cadeira com mamilos para descarregar a eletricidade estática do corpo (Dunne & Raby, 2001).
  14. 14. "O desafio é borrar as fronteiras entre o real e o ficcional, para que o visionário se torne mais real e o real seja visto como uma possibilidade limitada, como um produto da ideologia mantida pelo design acrítico de um excesso de produtos de consumo.” (Dunne & Raby, 2001)
  15. 15. United Micro Kingdons (2014), um país geograficamente dividido pela ideologia política.
  16. 16. Ciclistas modificados geneticamente para trabalhar no transporte público dos Anarco-evolucionistas.
  17. 17. Carros autônomos que protegem e isolam os Digitarianos.
  18. 18. Trem movido a energia nuclear que carrega toda a comunidade dos Comunistas-nucleares.
  19. 19. Carros orgânicos customizados movidos a biodigestores.
  20. 20. Isso é arte, não é design.
  21. 21. Porque não é arte • São produtos e não obras • Podem ser usados no cotidiano • Projeto técnico viabiliza produção em escala • Buscam o diálogo com outros produtos de design e não com outras obras de arte • A rejeição ao circuito comercial do design não transforma necessariamente design em arte
  22. 22. Programa Design Interactions no Royal College of Art (2005-2015).
  23. 23. Prazeres Complicados • Projetos que visam satisfazer desejos e não necessidades • Desejos não são tão direcionados como necessidades • Desejos impelem a ação a partir do inconsciente • Desejos podem ser contraditórios
  24. 24. BioSpy, um robô para hipocondríacos (Alexandra Daisy Ginsberg, 2007)
  25. 25. Afterlife, uma pilha feita de substâncias químicas emanadas de cadáveres humanos (James Auger e Jimmy Loizeau, 2009)
  26. 26. Familiar Estranho • O contexto do projeto é parecido com o cotidiano • Tudo no projeto faz sentido com o contexto • A forma é familiar, a função é estranha • O capricho na apresentação do projeto é fundamental para contar com a suspensão voluntária da descrença
  27. 27. White Lies, uma balança que mostra o seu peso para outras pessoas (Alice Wang, 2008).
  28. 28. Para-funcionalidade • Subversão da funcionalidade • O produto funciona, mas os valores gerados são perturbadores • O contexto do produto é diferente do cotidiano • A proposta é refletir sobre a funcionalização do cotidiano
  29. 29. Menstruation Machine (Sputniko!, 2010)
  30. 30. Design para Debate • Toda controvérsia possui múltiplos pontos de vista, porém, nem todos pontos de vista são considerados • Design costuma representar o consenso e não os pontos de vista • Quando o design representa um ponto de vista marginal, gera polêmica • Polêmica provoca as pessoas a se posicionar politicamente
  31. 31. Audio Tooth Implant, um fone de ouvido implantado no dente (James Auger e Jimmy Loizeau, 2000).
  32. 32. Presentes Alternativos • A dimensão do futuro é frequentemente explorada pelo Design Crítico para demonstrar que mudanças no presente já são possíveis • O futuro costuma ser distópico para sugerir que alguma coisa pode estar errada no presente e se continuar assim ficará pior • A crítica ao presente é para mostrar que ele é só uma das alternativas possíveis
  33. 33. Radiance Resort, um spa para tratamento de doenças com radiação nuclear controlada (Rachel Harding).
  34. 34. Resumindo • Design Crítico é uma prática reflexiva que produz objetos complexos e narrativas densas • A crítica que antes era feita apenas no plano teórico agora pode ser materializada em projetos, ampliando a participação no debate sobre o papel do design na nossa sociedade • O objetivo do Design Crítico é questionar o status- quo
  35. 35. Manifesto A/B: (A) Design Afirmativo e (B) Design Crítico (Dunne & Raby, 2009).
  36. 36. Descolonização do Design Crítico • UTFPR - Grupo Xuê (2009-atual) • Instituto Faber-Ludens (2008-2012) • PUCPR (2012-atual) • A-Parede (2014-atual)
  37. 37. Manifesto A/B/C (Grupo Xuê, 2015).
  38. 38. Instalação Orkuticídio (Instituto Faber-Ludens, 2008).
  39. 39. Anos de Chumbo, um jogo para Nintendo Wii (Instituto Faber-Ludens, 2010).
  40. 40. Igreja do Divino Desígnio (Faber-Ludens, 2010).
  41. 41. Máscara Power, para consumo de memórias armazenadas em cigarros KMC-55 (PUCPR, 2016).
  42. 42. Voxel, um assistente digital que previne e incentiva a procastinação (Juliana Saito, PUCPR, 2016).
  43. 43. Projeto Hera, acessórios de cabeça inspirados nas pautas ecofeministas (Maria Cecília Westphalen, 2018).
  44. 44. Every Breath You Take: combinando imaginários urbanos distópicos (Firmino, Van Amstel e Gonzatto, PUCPR, 2018).
  45. 45. Crítica de Luiza Prado a omissão do Design Crítico sobre opressões históricas (machismo, racismo, etc) http://a-pare.de.
  46. 46. Oniria é um projeto participativo sobre a possível proibição do uso de contraceptivos (Luiza Prado e Pedro Oliveira, 2017).
  47. 47. Brasil, July 2038 é uma especulação sobre um país governado pela extrema direita (Luiza Prado e Pedro Oliveira, 2014).
  48. 48. Obrigado! Frederick van Amstel @usabilidoido DADIN - UTFPR

×