Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca

14.453 Aufrufe

Veröffentlicht am

Seminário apresentado pela R2 de Enfermagem em Cardiologia, Gabriela Freire

Veröffentlicht in: Bildung
  • Loggen Sie sich ein, um Kommentare anzuzeigen.

Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca

  1. 1. Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca R2 Enf. Gabriela Freire UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO PROGRAMA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM EM CARDIOLOGIA NA MODALIDADE RESIDÊNCIA Agosto, 2015.
  2. 2. Objetivos • Abordar as fases do pós-operatório; • Conhecer a atuação de enfermagem em situações de pós- operatório; • Conhecer os cuidados de enfermagem no Pós-operatório imediato e mediato de cirurgia cardíaca, e possíveis Diagnósticos e Intervenções de Enfermagem; • Apresentar as principais complicações que envolvem o pós-operatório de cirurgia cardíaca;
  3. 3. Introdução • A cirurgia cardíaca trata-se de um procedimento complexo que tem repercussões orgânicas e altera de diversas formas os mecanismos fisiológicos. • Redução da morbimortalidade; • Encaminhamento à Unidade de Terapia Intensiva para cuidados pós-operatórios; Fonte: Woods, 2005; Ribeiro, 2015
  4. 4. Introdução • O período pós-operatório compreende: PO Imediato Período crítico que se inicia ao final da cirurgia e até as primeiras 24 horas. PO Mediato Período após as primeiras 24 horas e até completar 7 dias. PO Tardio Após os primeiros 7 dias. Fonte: Smeltzer & Bare, 2012
  5. 5. Unidade pós-operatória • Unidade de alta complexidade • Monitorar a recuperação e possíveis complicações decorrentes do ato cirúrgico; • Observação contínua e intervenções imediatas e precisas da equipe multiprofissional; • Atendimento de enfermagem especializado; Fonte: Ribeiro et al, 2015; Santos et el, 2015
  6. 6. Atuação de Enfermagem “... a Portaria nº 1.1169/GM, de 15 de junho de 2004, institui a Política Nacional de Atenção Cardiovascular de Alta Complexidade, que tem como um dos seus princípios atender integralmente aos portadores de patologias cardiovasculares no Sistema Único de Saúde (SUS)...” Fonte: Ribeiro et al, 2015 “No campo de atuação do enfermeiro, as doenças cardíacas correspondem a importante demanda de cuidados, justificando um olhar sistematizado para esse grupo de agravos, na perspectiva da integralidade da atenção.”
  7. 7. - Posição do TOT - Cateteres venosos - Tubos de soro e suas conexões - Drenos mediastinais e torácicos - Monitorização cardiológica - Fornecimento de O2 - Reserva do elevador (s/n) - Comunicar à UTI ROTINA NO PÓS-OPERATÓRIO Transporte Atentar para o sítio de incisão, alterações vasculares potenciais e exposição. Fonte: Woods et al, 2005
  8. 8. Paciente em pós-operatório de cirurgia cardíaca Fonte: Smeltzer & Bare, 2012
  9. 9. - Equipe multidisciplinar; - Leito previamente preparado; - Ventilador Mecânico devidamente testado; - Monitor multiparamétrico pronto para uso; - Bombas de infusão ligadas à rede; - Medicações e líquidos para infusão intravenosa disponíveis; ROTINA NO PÓS-OPERATÓRIO Admissão na UTI Fonte: Woods et al, 2005
  10. 10. • Equipe Multidisciplinar: - Tipo de cirurgia: Com ou sem CEC, hemoderivados transfundidos; - Indicação cirúrgica e alergias medicamentosas; - Tempo de cirurgia e tempo de CEC; - Volume de diurese; - Volume de hemoderivados; - Intercorrências transoperatórias; - DVA; - Dificuldade de intubação; ROTINA NO PÓS-OPERATÓRIO Fonte: Tallo et al, 2012
  11. 11. ROTINA DO POI • Cuidados de Enfermagem: Monitorização Contínua com ECG Medida da pressão arterial pela PAI e PVC Oximetria de pulso Medida da temperatura Posicionamento no leito Garantir assistência ventilatória Fonte: Tallo et al, 2012; Ribeiro et al 2015
  12. 12. ROTINA DO POI • Cuidados de Enfermagem: Acessos vasculares para infusão de hidratação e drogas Posicionar drenos, desfazendo pinçamento e marcando selo d’água Posicionar coletor da SVD Estado neurológico e exame físico geral Aquecer o paciente Exames laboratoriais e de imagem Fonte: Tallo et al, 2012; Ribeiro et al 2015
  13. 13. ROTINA DO POI • Cuidados de Enfermagem: Dieta zero até 4 horas após extubação Antibiótico profilático Drogas vasoativas Realizar ECG Realizar controle glicêmico Fonte: Tallo et al, 2012; Ribeiro et al 2015
  14. 14. ROTINA DO POI • Cuidados de Enfermagem: Evolução de enfermagem Registros para balando hídrico Aliviar a dor e desconforto Inspeção da pele, coloração, perfusão dos MM Pacientes estáveis, sem complicações = “fast track”!!! Fonte: Tallo et al, 2012; Ribeiro et al 2015
  15. 15. Exames laboratoriais e de imagem Fonte: Tallo et al, 2012
  16. 16. Complicações no POI • Bradicardia sinusal ou ritmo juncional: • Bloqueio cardíaco = plastia ou TV; • Hipertensão sistólica leve; • Hipotensão; FC < 70 batimentos/min = marca-passo 48% a 55% nas primeiras 4 a 6 horas Primeiras 12 horas Fonte: Pedrosa, 2011; Woods, 2005
  17. 17. Complicações no POI • Hipovolemia: • Mantido no ventilador nas primeiras horas do pós- operatório, até que seja revertido o efeito da anestesia; • Profilaxia com antibióticos; Expansores de volume cristalóide ou colóide , concentrado de células vermelhas ou sangue total Fonte: Pedrosa, 2011
  18. 18. ROTINA DO PÓS-OPERATÓRIO MEDIATO • Avaliação contínua da evolução do paciente; • Realização do banho no leito; • Realização da troca diária de curativo; • Monitorização das Complicações; Nível de consciência, avaliação cardiovascular, respiratória, renal, hidroeletrolítica, dor. Fonte: Ribeiro et al 2015
  19. 19. Administração de medicamentos Medicamento Antibiótico Profilático Cefalosporina de primeira geração ou vancomicina, no trans e pós-operatório AAS A partir do 1º DPO, 200mg/dia Anticoagulante oral Prótese metálica, uso contínuo. Prótese biológica. Heparina de baixo peso molecular 1º DPO, profilaxia de TVP, TEP. Até a alta. Nitratos Para controle da PA , diminuição de RVP e consumo de O2.
  20. 20. Diagnósticos e Intervenções de Enfermagem • Débito cardíaco diminuído relacionado com a perda de sangue e comprometimento da função miocárdica - Monitorar o estado cardiovascular; - Observar ocorrência de sangramento; - Observar mucosa bucal, leito ungueais; - Examinar pele, temperatura e coloração; Fonte: Smeltzer & Bare, 2012
  21. 21. Diagnósticos e Intervenções de Enfermagem • Troca gasosa prejudicada relacionado com a cirurgia torácica - Monitorar gasometria arterial; - Auscultar tórax avaliando presença de ruídos adventícios; - Auxiliar no desmame e extubação; - Promover orientações após extubação: tosse, respiração profunda; Fonte: Smeltzer & Bare, 2012
  22. 22. Diagnósticos e Intervenções de Enfermagem • Risco de desequilíbrio do volume de líquido e dos eletrólitos, relacionado com as alterações do volume sanguíneo - Registro rigoroso do balanço hídrico; - Estar alerta para alterações nos níveis dos eletrólitos; Fonte: Smeltzer & Bare, 2012
  23. 23. Fonte: Ribeiro et al, 2015
  24. 24. Complicações Cirúrgicas • Hipotensão / Hipertensão • Complicações respiratórias • Arritmias • Complicações neurológicas • Sangramento anormal (500ml na 1º hora) • Complicações renais • Distúrbio hidroeletrolítico • Infecção de F.O. • Tamponamento cardíaco • Depressão miocárdica Fonte: Pedrosa, 2011
  25. 25. Referências • PEDROSA, L.C. Doença do coração: diagnóstico e tratamento / editores, Levi da Cunha Pedrosa, Wilson Alves de Oliveira Jr. – São Paulo: Revinter, 2011; • RIBEIRO CP, SILVEIRA CO, BENETTI ERR, GOMES JS, STUMM EMF. Diagnósticos de enfermagem em pacientes no pós-operatório de cirurgia cardíaca. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste. 2015 mar-abr; 16(2):159-67. • SANTOS APA, LAUS AM, CAMELO SHN. O trabalho da enfermagem no pós-operatório de cirurgia cardíaca: uma revisão integrativa. ABCS Health Science, 2015; 40(1):45-52. • SMELTZER, S.C; BARE, B. G. Brunner & Suddarth, tratado de enfermagem médico-cirúrgica. 12º ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2012; • TALLO, F.S; GUIMARAES, H.P; CARMONA, M.J.C; BIANCO, A.C.M; LOPES, R.D.; TELE, J.M.M. Manual de perioperatório de cirurgia cardíaca da AMIB. São Paulo: editora Atheneu, 2012. • WOODS, S.L; FROELICHER, E.S.S; MOTZER, S.U. Enfermagem em cardiologia. 4º edição, Recife, 2005;

×