Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.
Recife, 27 de Abril  de 2009 VALDECI MONTEIRO DOS SANTOS Presidente do Conselho Regional de Economia -PE Professor Adjunto...
ROTEIRO <ul><li>PARTE A – A CRISE FINANCEIRA MUNDIAL </li></ul><ul><li>ORIGEM E CONSEQUÊNCIAS GLOBAIS  </li></ul><ul><li>P...
PARTE A – A CRISE FINANCEIRA MUNDIAL 1. ORIGENS E CONSEQUÊNCIAS GLOBAIS
DINÂMICA DO CAPITALISMO x CRISES SEC. XVI  COMERCIAL PRODUTIVA FINANCEIRA MOVIMENTO CÍCLICO TENDÊNCIA  ESTRUTURAL CRISE
Ambiente da crise atual: AMPLIAÇÃO DESREGULADA DA ESFERA FINANCEIRA   ESFERA FINANCEIRA Bolsa de Valores, Mercado de Câmbi...
CRONOLOGIA DA CRISE ATUAL <ul><li>Crise do Subprime </li></ul><ul><li>Estouro da  “ bolha imobiliária”  </li></ul><ul><li>...
A CRISE na GLOBALIZAÇÃO: CONTAMINAÇÃO GENERALIZADA   <ul><li>A crise na esfera financeira  contaminou economia real   mund...
DIMENSÃO DO ROMBO : ainda há dúvidas  <ul><li>GOVERNO AMERICANO  – Injetou U$ 2 Tri.  Prevê injetar U$ 3 a 4 Trilhões adic...
Fonte: Bloomberg - Elaboração: Min. da Fazenda Prejuízos dos Bancos já contabilizados  US$ 792 bi (FMI) Perdas potenciais ...
REDUÇÃO DO PIB INDUSTRIAL E DO  COMÉRCIO MUNDIAL Fonte: FMI, WEO Update (Jan/09)  Elaboração: MF/SPE
MAIOR QUEDA DO COMÉRCIO
IMPACTO MAIOR NO MUNDO DITO DESENVOLVIDO   Fonte: OECD  Economic Outlook. March,  2009 Variação Anual do PIB Área 2006 200...
PRINCIPAIS INCERTEZAS   <ul><li>QUAL O PADRÃO DE FINANCIAMENTO QUE PREVALECERÁ ?  </li></ul><ul><li>QUAL O MODELO DE PRODU...
PARTE B – O BRASIL FACE À CRISE FINANCEIRA   1. ECONOMIA BRASILEIRA: QUADRO RECENTE E IMPACTOS DA CRISE
BRASIL NA CRISE   <ul><li>Brasil reúne condições mais favoráveis para enfrentar crise que em outros momentos </li></ul><ul...
AMBIENTE BRASILEIRO <ul><li>Condicionantes Negativos Exógenos </li></ul><ul><li>RETRAÇÃO NO CRÉDITO </li></ul><ul><li>QUED...
BRASIL: REDUÇÃO GRADUAL DA DESIGUALDADE SOCIAL ( RENDA)
BRASIL: AUMENTO DO CONSUMO DAS CLASSES MÉDIAS Elaboração : MACROPLAN
BR: RENDA do TRABALHO CRESCENDO MAIS NA BASE DA PIRÂMIDE  Potencial  : consumo insatisfeito  (+ crédito) Fonte: IBGE/PNAD ...
EVOLUÇÃO DA RELAÇÃO CRÉDITO / PIB 2003 - 2009 FONTE: BACEN ELABORAÇÃO: BRADESCO
Outra novidade :  Nordeste e Norte lideram o Crescimento do Consumo no País   Variação % das vendas do comércio varejista,...
BR : BAIXO PESO DO FINANCIAMENTO EXTERNO NO TOTAL DO CRÉDITO BANCÁRIO DOMÉSTICO  -  2008 FONTE: BLOMBERG, BIS E BCB ELABOR...
BR: TEVE QUEDA NA CAPTAÇÃO EXTERNA EM 2008
BR: COMPOSIÇÃO DA OFERTA TOTAL DE CREDITO
BRASIL: TAXA de INVESTIMENTO maior que a do PIB ( 2004-2008)   Fonte:Dados Básicos  IBGE.Apresentação de Luciano Coutinho/...
BR: BAIXO GRAU DE ABERTURA
BR: MUDANÇA NO DESTINO DAS EXPORTAÇÕES 2008
SINTOMAS DA CRISE
BR: CRISE ATINGIU A BOLSA
BR: INDÚSTRIA É QUEM MAIS ESTÁ SOFRENDO
FONTE: BACEN ELABORAÇÃO: BRADESCO INADIMPLÊNCIA PESSOA FISÍCA – ACIMA DE 90 DIAS - 2004-2009
FONTE: BACEN ELABORAÇÃO: BRADESCO INADIMPLÊNCIA PESSOA JURÍDICA – ACIMA DE 90 DIAS - 2004-2009
<ul><li>Nas crises anteriores, o ambiente macroeconômico era portador de maior vulnerabilidade e na crise: </li></ul><ul><...
PRINCIPAIS MEDIDAS DE COMBATE A CRISE <ul><ul><li>Redução de compulsório </li></ul></ul><ul><ul><li>Financiamento das expo...
<ul><li>Alteração das alíquotas do Imposto de Renda  </li></ul><ul><li>Redução IPI veículos , material de construção e alg...
PARTE C:  A CRISE E PERNAMBUCO    1.   PRIMEIROS IMPACTOS DA CRISE
2009: INDÚSTRIA de PE SENTE A CRISE <ul><li>Em fevereiro /2009(x fev/o8) a indústria de transformação de PE cai 24% lidera...
PE:  comércio sente a crise   <ul><li>No primeiro bimestre de 2009, as vendas no comércio varejista caíram 3,77% ( x igual...
Governo em alerta: ICMS GANHAVA PESO no PIB e deve diminuir (mas há colchão) Fonte: SEFAZ DEVE-SE OBSERVAR MODESTA QUEDA D...
PARTE C:  A CRISE E PERNAMBUCO    2 .PRINCIPAIS ÂNCORAS ANTI-CRISE
PE : EVOLUÇÃO RECENTE do PIB2002-2006 CRISE E PERNAMBUCO <ul><li>A dinâmica recente – crescimento superior ao do Brasil – ...
PE : COMPOSIÇÃO do  VAB – 1985/1995/2005 PE: O BAIXO PESO da IND. de TRANSF.
PE segura melhor o crescimento   do PIB <ul><li>No quarto trimestre de 2008/ mesmo trimestre do ano anterior (pós estouro ...
CRISE AINDA POUPOU A INDÚSTRIA de PE, em 2008   <ul><li>No acumulado jan/dez de 2008 comparado com igual período de 2007 a...
CRISE E PERNAMBUCO <ul><li>Pernambuco não está imune a crise, mas vai se ancorar no  BLOCO de INVESTIMENTOS  em curso  </l...
PE: EMPREGO ainda RESISTE   <ul><li>Segundo MTb/Caged, e m FEV/09, acumulando os últimos 12 meses, o nível de emprego form...
PE: EMPREGO ainda RESISTE <ul><li>Segundo a PED/DIEESE, em fev/09, na comparação com fevereiro de 2008, o  nível de ocupaç...
CRISE E PERNAMBUCO <ul><ul><li>A ÂNCORA DO MERCADO INTERNO  :  </li></ul></ul><ul><ul><li>PERNAMBUCO VENDE MAIS PARA O MER...
PERNAMBUCO: PRINCIPAIS DESTINO DAS EXPORTAÇÕES Fonte: MDIC-Secex PERNAMBUCO VINHA AUMENTANDO SUAS EXPORTAÇÕES PARA O MERCO...
CRISE E PERNAMBUCO <ul><ul><ul><ul><li>A ÂNCORA DAS POLÍTICAS SOCIAIS  :  </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Per...
PARTE D:  PARA ALÉM DA CRISE FINANCEIRA     1. MUDANÇA DE PARADIGMAS: OUTRAS CRISES 2. BRASIL PARA ALÉM DA CRISE
NOVOS PARADIGMAS: OUTRAS “CRISES” <ul><li>NOVO CONCEITO DE DESENVOLVIMENTO </li></ul><ul><li>( Crise do conceito de Desenv...
NOVOS PARADIGMAS: OUTRAS “CRISES” <ul><li>NOVO PADRÃO ENERGÉTICO </li></ul><ul><li>( Crise  do petróleo )  </li></ul><ul><...
PROVÁVEL AMBIENTE MUNDIAL  PÓS-CRISE  Quadro recessivo perdura nos anos de 2009 e 2010 e sucede-se retomada gradual da eco...
PROVÁVEL AMBIENTE MUNDIAL  PÓS-CRISE Reorganização da estrutura de poder mundial  deverá sinalizar nova  composição de for...
BRASIL:  PARA ALÉM DA CRISE
BR: DIFERENCIAIS DO PAÍS <ul><li>MATRIZ ENERGÉTICA DIVERSIFICADA  E  GRANDES POTENCIAIS PARA PRODUZIR  PETRÓLEO, GÁS e BIO...
BR: DIFERENCIAIS DO PAÍS <ul><li>MERCADO INTERNO AMPLO e INTEGRADO </li></ul><ul><li>BASE INDUSTRIAL GRANDE, MODERNA E DIV...
BR:  PROBLEMAS ESTRUTURAIS <ul><li>BAIXA ESCOLARIDADE DA MAIORIA  DA  POPULAÇÃO  </li></ul><ul><li>IMPORTANTES GARGALOS NA...
PRINCIPAIS INCERTEZAS <ul><li>DURAÇÃO E IMPACTOS DA CRISE </li></ul><ul><li>RAPIDEZ DA CONSOLIDAÇÃO DOS NOVOS RUMOS MUNDIA...
FONTE: GOLDMAN SACHS BRASIL: ENTRE AS MAIORES  POTÊNCIAS ECONÔMICAS EM 2050
CONSIDERAÇÕES FINAIS   <ul><li>PARA ENFRENTAR A  CRISE MUNDIAL É PRECISO OLHAR AS MACRO TENDÊNCIAS DE LONGO PRAZO  </li></...
PARA ALÉM DA CRISE – Stiglitz (*) <ul><li>“ A desaceleração global vai estimular o  debate econômico em âmbito mundial,  o...
[email_address] OBRIGADO
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×

A Crise Econômica e as Alternativas para o Brasil - Valdeci Monteiro.pps

5.704 Aufrufe

Veröffentlicht am

Professor Valdecir monteiro fala da Crise Econômica e as Alternativas para o Brasil em seminário de mesmo nome promovido pelo Deputado Federal Paulo Rubem

Veröffentlicht in: Wirtschaft & Finanzen, Business
  • DOWNLOAD THAT BOOKS INTO AVAILABLE FORMAT (2019 Update) ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... Download Full PDF EBOOK here { http://bit.ly/2m6jJ5M } ......................................................................................................................... Download Full EPUB Ebook here { http://bit.ly/2m6jJ5M } ......................................................................................................................... Download Full doc Ebook here { http://bit.ly/2m6jJ5M } ......................................................................................................................... Download PDF EBOOK here { http://bit.ly/2m6jJ5M } ......................................................................................................................... Download EPUB Ebook here { http://bit.ly/2m6jJ5M } ......................................................................................................................... Download doc Ebook here { http://bit.ly/2m6jJ5M } ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... ................................................................................................................................... eBook is an electronic version of a traditional print book that can be read by using a personal computer or by using an eBook reader. (An eBook reader can be a software application for use on a computer such as Microsoft's free Reader application, or a book-sized computer that is used solely as a reading device such as Nuvomedia's Rocket eBook.) Users can purchase an eBook on diskette or CD, but the most popular method of getting an eBook is to purchase a downloadable file of the eBook (or other reading material) from a Web site (such as Barnes and Noble) to be read from the user's computer or reading device. Generally, an eBook can be downloaded in five minutes or less ......................................................................................................................... .............. Browse by Genre Available eBooks .............................................................................................................................. Art, Biography, Business, Chick Lit, Children's, Christian, Classics, Comics, Contemporary, Cookbooks, Manga, Memoir, Music, Mystery, Non Fiction, Paranormal, Philosophy, Poetry, Psychology, Religion, Romance, Science, Science Fiction, Self Help, Suspense, Spirituality, Sports, Thriller, Travel, Young Adult, Crime, Ebooks, Fantasy, Fiction, Graphic Novels, Historical Fiction, History, Horror, Humor And Comedy, ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... .....BEST SELLER FOR EBOOK RECOMMEND............................................................. ......................................................................................................................... Blowout: Corrupted Democracy, Rogue State Russia, and the Richest, Most Destructive Industry on Earth,-- The Ride of a Lifetime: Lessons Learned from 15 Years as CEO of the Walt Disney Company,-- Call Sign Chaos: Learning to Lead,-- StrengthsFinder 2.0,-- Stillness Is the Key,-- She Said: Breaking the Sexual Harassment Story That Helped Ignite a Movement,-- Atomic Habits: An Easy &amp; Proven Way to Build Good Habits &amp; Break Bad Ones,-- Everything Is Figureoutable,-- What It Takes: Lessons in the Pursuit of Excellence,-- Rich Dad Poor Dad: What the Rich Teach Their Kids About Money That the Poor and Middle Class Do Not!,-- The Total Money Makeover: Classic Edition: A Proven Plan for Financial Fitness,-- Shut Up and Listen!: Hard Business Truths that Will Help You Succeed, ......................................................................................................................... .........................................................................................................................
       Antworten 
    Sind Sie sicher, dass Sie …  Ja  Nein
    Ihre Nachricht erscheint hier

A Crise Econômica e as Alternativas para o Brasil - Valdeci Monteiro.pps

  1. 1. Recife, 27 de Abril de 2009 VALDECI MONTEIRO DOS SANTOS Presidente do Conselho Regional de Economia -PE Professor Adjunto Economia/UNICAP Sócio-Diretor da CEPLAN Consultoria SEMINÁRIO: “A CRISE ECONÔMICA E AS ALTERNATIVAS PARA O BRASIL”
  2. 2. ROTEIRO <ul><li>PARTE A – A CRISE FINANCEIRA MUNDIAL </li></ul><ul><li>ORIGEM E CONSEQUÊNCIAS GLOBAIS </li></ul><ul><li>PARTE B – O BRASIL FACE À CRISE FINANCEIRA </li></ul><ul><li>ECONOMIA BRASILEIRA: TENDÊNCIAS RECENTES </li></ul><ul><li>BRASIL: IMPACTOS DA CRISE E MEDIDAS DE PROTEÇÃO </li></ul><ul><li>PARTE C - PERNAMBUCO FACE À CRISE </li></ul><ul><li>PE : PRIMEIROS IMPACTOS DA CRISE </li></ul><ul><li>AS PRINCIPAIS ÂNCORAS ANTI-CRISE </li></ul><ul><li>PARTE D – PARA ALÉM DA CRISE FINANCEIRA </li></ul><ul><li>MUDANÇA DE PARADIGMAS: OUTRAS CRISES </li></ul><ul><li>BRASIL PARA ALÉM DA CRISE </li></ul>
  3. 3. PARTE A – A CRISE FINANCEIRA MUNDIAL 1. ORIGENS E CONSEQUÊNCIAS GLOBAIS
  4. 4. DINÂMICA DO CAPITALISMO x CRISES SEC. XVI COMERCIAL PRODUTIVA FINANCEIRA MOVIMENTO CÍCLICO TENDÊNCIA ESTRUTURAL CRISE
  5. 5. Ambiente da crise atual: AMPLIAÇÃO DESREGULADA DA ESFERA FINANCEIRA ESFERA FINANCEIRA Bolsa de Valores, Mercado de Câmbio, Mercado de Títulos ... ESFERA PRODUTIVA Indústrias, Fazendas, Estabelec. Comerciais , ... TRANSAÇÕES FINANCEIRAS: com moedas, com ações , com com títulos públicos..  Patrimônio Financeiro TRANSAÇÕES PRODUTIVAS : com bens e serviços  Patrimônio Material
  6. 6. CRONOLOGIA DA CRISE ATUAL <ul><li>Crise do Subprime </li></ul><ul><li>Estouro da “ bolha imobiliária” </li></ul><ul><li>Crise Financeira </li></ul><ul><li>Desvalorização dos ativos financeiros </li></ul><ul><li>Balanços corporativos negativos </li></ul><ul><li>Reconhecimento de perdas </li></ul><ul><li>Processo de desalavancagem dos bancos </li></ul><ul><li>Crise Econômica e </li></ul><ul><li>Social </li></ul><ul><li>Recessão econômica </li></ul><ul><li>Crise do setor automobilístico e do mercado imobiliário ( USA) </li></ul><ul><li>Queda do consumo e do comércio mundial </li></ul><ul><li>Desemprego </li></ul><ul><li>Crise social </li></ul>‘ Ressaca’ da Crise <ul><li>Remontagem do sistema financeiro mundial </li></ul><ul><li>Retorno da confiança </li></ul><ul><li>Medidas mais profundas de reorganização econômica </li></ul>1ª Fase 2ª Fase 3ª Fase Pós 2010... ESTAMOS AQUI
  7. 7. A CRISE na GLOBALIZAÇÃO: CONTAMINAÇÃO GENERALIZADA <ul><li>A crise na esfera financeira contaminou economia real mundo a fora e vai resultar em: </li></ul><ul><ul><li>recessão nos EUA, Europa e Japão </li></ul></ul><ul><ul><li>redução do crescimento no BRIC ( nível alto, especialmente na China) </li></ul></ul><ul><li>Previsão sobre Duração da fase aguda : pelo menos 2 anos </li></ul>
  8. 8. DIMENSÃO DO ROMBO : ainda há dúvidas <ul><li>GOVERNO AMERICANO – Injetou U$ 2 Tri. Prevê injetar U$ 3 a 4 Trilhões adicionais. </li></ul><ul><li>FMI – Prevê injeção entre U$ 1,4 a U$ 2,2 Tri nos EUA e mais € 500 milhões na Europa </li></ul>Perdas Estimadas no Sistemas Bancários Americano e Europeu ESTIMATIVA DE DESVALORIZAÇÃO DE ATIVOS FINANCEIROS : US$ 10 TRILHÕES ( ¼ do PIB MUNDIAL) Nouriel ROUBINI
  9. 9. Fonte: Bloomberg - Elaboração: Min. da Fazenda Prejuízos dos Bancos já contabilizados US$ 792 bi (FMI) Perdas potenciais de crédito US$ 2 trilhões ( FMI) PERDA DO VALOR DE MERCADO DOS ATIVOS BANCÁRIOS
  10. 10. REDUÇÃO DO PIB INDUSTRIAL E DO COMÉRCIO MUNDIAL Fonte: FMI, WEO Update (Jan/09) Elaboração: MF/SPE
  11. 11. MAIOR QUEDA DO COMÉRCIO
  12. 12. IMPACTO MAIOR NO MUNDO DITO DESENVOLVIDO Fonte: OECD Economic Outlook. March, 2009 Variação Anual do PIB Área 2006 2007 2008 2009 2010 OECD 3.1 2.7 0.9 -4.3 -0.1 <ul><ul><li>EUA </li></ul></ul>2.8 2.0 1.1 -4.0 0.0 <ul><ul><li>Zona do Euro </li></ul></ul>3.0 2.6 0.7 -4.1 -0.3 <ul><ul><li>Japão </li></ul></ul>2.0 2.4 -0.6 -6.6 -0.5 China 11.6 13.0 9.0 6.3 8.5 Mundo 4.3 4.1 2.2 -2.7 1.2
  13. 13. PRINCIPAIS INCERTEZAS <ul><li>QUAL O PADRÃO DE FINANCIAMENTO QUE PREVALECERÁ ? </li></ul><ul><li>QUAL O MODELO DE PRODUÇÃO E CONSUMO A ADOTAR ? </li></ul><ul><li>QUE GOVERNANÇA GLOBAL ? </li></ul>
  14. 14. PARTE B – O BRASIL FACE À CRISE FINANCEIRA 1. ECONOMIA BRASILEIRA: QUADRO RECENTE E IMPACTOS DA CRISE
  15. 15. BRASIL NA CRISE <ul><li>Brasil reúne condições mais favoráveis para enfrentar crise que em outros momentos </li></ul><ul><li>Medidas do governo têm atenuado os impactos negativos e devem permitir uma saída mais favorável para o Brasil </li></ul>
  16. 16. AMBIENTE BRASILEIRO <ul><li>Condicionantes Negativos Exógenos </li></ul><ul><li>RETRAÇÃO NO CRÉDITO </li></ul><ul><li>QUEDA NO FLUXO DE CAPITAIS </li></ul><ul><li>QUEDA no PIB mundial </li></ul><ul><li>QUEDA no COMÉRCIO EXTERIOR ( e no preço das commodities ) </li></ul><ul><li>MUDANÇA NAS EXPECTATIVAS </li></ul><ul><li>Atenuantes Endógenos </li></ul><ul><li>SISTEMA FINANCEIRO CAPITALIZADO, COM BAIXA ALAVANCAGEM E C/ BANCOS PÚBLICOS FORTES </li></ul><ul><li>RESERVAS ALTAS </li></ul><ul><li>CONSUMO INTERNO E INVESTIMENTOS CRESCENDO </li></ul><ul><li>BAIXA RELAÇÃO X /PIB e DESTINO das X para emergentes </li></ul><ul><li>PETROBRAS (elevados investimentos) </li></ul>CICLO DE CRESCIMENTO DA ECONOMIA BRASILEIRA SUSTENTANDO PELA DEMANDA INTERNA Consumo das Famílias + Investimentos + Gastos do Governo
  17. 17. BRASIL: REDUÇÃO GRADUAL DA DESIGUALDADE SOCIAL ( RENDA)
  18. 18. BRASIL: AUMENTO DO CONSUMO DAS CLASSES MÉDIAS Elaboração : MACROPLAN
  19. 19. BR: RENDA do TRABALHO CRESCENDO MAIS NA BASE DA PIRÂMIDE Potencial : consumo insatisfeito (+ crédito) Fonte: IBGE/PNAD Valores corrigidos pelo IPCA de JUL/ 08 FAIXAS de RENDA JULHO 2002 JULHO 2008 Variação 0 - 2 SM 337,00 369,00 +10% 2 - 4 SM 833,00 889,00 + 7% 4 - 10 SM 1.830,00 1.874,00 + 2% 10 - 20 SM 4.069,00 4.160,00 + 2% + 20 SM 10.815,00 10.904,00 + 1%
  20. 20. EVOLUÇÃO DA RELAÇÃO CRÉDITO / PIB 2003 - 2009 FONTE: BACEN ELABORAÇÃO: BRADESCO
  21. 21. Outra novidade : Nordeste e Norte lideram o Crescimento do Consumo no País Variação % das vendas do comércio varejista, em volume 2007/2003 Fonte: IBGE – Diretoria de Pesquisas, Departamento de Comércio e Serviços.
  22. 22. BR : BAIXO PESO DO FINANCIAMENTO EXTERNO NO TOTAL DO CRÉDITO BANCÁRIO DOMÉSTICO - 2008 FONTE: BLOMBERG, BIS E BCB ELABORAÇÃO: BRADESCO (*) Brasil, dado de jan09 ; inclui ACC, export notes , repasses externos e financiamento de importações.
  23. 23. BR: TEVE QUEDA NA CAPTAÇÃO EXTERNA EM 2008
  24. 24. BR: COMPOSIÇÃO DA OFERTA TOTAL DE CREDITO
  25. 25. BRASIL: TAXA de INVESTIMENTO maior que a do PIB ( 2004-2008) Fonte:Dados Básicos IBGE.Apresentação de Luciano Coutinho/BNDES, no CDES
  26. 26. BR: BAIXO GRAU DE ABERTURA
  27. 27. BR: MUDANÇA NO DESTINO DAS EXPORTAÇÕES 2008
  28. 28. SINTOMAS DA CRISE
  29. 29. BR: CRISE ATINGIU A BOLSA
  30. 30. BR: INDÚSTRIA É QUEM MAIS ESTÁ SOFRENDO
  31. 31. FONTE: BACEN ELABORAÇÃO: BRADESCO INADIMPLÊNCIA PESSOA FISÍCA – ACIMA DE 90 DIAS - 2004-2009
  32. 32. FONTE: BACEN ELABORAÇÃO: BRADESCO INADIMPLÊNCIA PESSOA JURÍDICA – ACIMA DE 90 DIAS - 2004-2009
  33. 33. <ul><li>Nas crises anteriores, o ambiente macroeconômico era portador de maior vulnerabilidade e na crise: </li></ul><ul><ul><li>os juros subiam </li></ul></ul><ul><ul><li>a dívida pública aumentava </li></ul></ul><ul><ul><li>cortavam-se os investimentos </li></ul></ul><ul><ul><li>havia queda do produto, aumento do desemprego e fragilidade da economia </li></ul></ul><ul><li>Com maior solidez macroeconômica o Brasil pôde adotar medidas anticíclicas, amortecendo o impacto : </li></ul><ul><ul><li>Afrouxamento da política monetária </li></ul></ul><ul><ul><li>Adotando medidas fiscais compensatórias (desoneração e ampliação do investimento público)... </li></ul></ul>BRASIL: MENOS ATINGIDO QUE ANTES
  34. 34. PRINCIPAIS MEDIDAS DE COMBATE A CRISE <ul><ul><li>Redução de compulsório </li></ul></ul><ul><ul><li>Financiamento das exportações e divida externa </li></ul></ul><ul><ul><li>Financiamento a agricultura </li></ul></ul><ul><ul><li>Incentivo à Construção Civil </li></ul></ul><ul><ul><li>Financiamento do Investimento e da Produção (R$ 10bi Fundo da Marinha Mercante) </li></ul></ul><ul><ul><li>Criação da Caixa Banco de Investimento e CAIXAPAR </li></ul></ul><ul><ul><li>Compra do Banco Votorantim pelo Banco do Brasil (MP 443) </li></ul></ul>
  35. 35. <ul><li>Alteração das alíquotas do Imposto de Renda </li></ul><ul><li>Redução IPI veículos , material de construção e alguns bens duráveis e redução do IOF em operações de crédito </li></ul><ul><li>Aporte adicional de R$ 100,0 bi (3,5% do PIB), em 2009, para o BNDES </li></ul><ul><li>BNDES com R$ 168 bi e PETROBRAS aumenta programa de investimentos (US$ 174,4 bi) </li></ul><ul><li>Leilão de dólares pelo BC para ACC e leilões para dívida externa privada </li></ul><ul><li>Novo Programa Habitacional – 1 milhão de moradias </li></ul>MEDIDAS MAIS RECENTES
  36. 36. PARTE C: A CRISE E PERNAMBUCO 1. PRIMEIROS IMPACTOS DA CRISE
  37. 37. 2009: INDÚSTRIA de PE SENTE A CRISE <ul><li>Em fevereiro /2009(x fev/o8) a indústria de transformação de PE cai 24% liderada pela: </li></ul><ul><ul><li>Química ( -51%) – inclui álcool </li></ul></ul><ul><ul><li>Alimentos e bebidas(- 19,4%) - inclui açúcar </li></ul></ul><ul><ul><li>Metalurgia ( -32%) </li></ul></ul><ul><li>Mas a Têxtil cresce 25,8% </li></ul>
  38. 38. PE: comércio sente a crise <ul><li>No primeiro bimestre de 2009, as vendas no comércio varejista caíram 3,77% ( x igual período de 2008) </li></ul><ul><li>O emprego no setor caiu 2,5% , mas a massa salarial cresceu 1% ( gastos com dispensa influem) </li></ul><ul><li>A queda nas vendas foi puxada pelos bens semi-duráveis (-8,7%) * e Duráveis (- 1,7%). Os não duráveis cresceram 4,1% </li></ul>* vestuário, tecido, calçados, livraria/papelaria Fonte: FECOMERCIO
  39. 39. Governo em alerta: ICMS GANHAVA PESO no PIB e deve diminuir (mas há colchão) Fonte: SEFAZ DEVE-SE OBSERVAR MODESTA QUEDA DE PARTICIPAÇÃO NA RELAÇÃO ICMS/PIB, em 2009 <ul><li>A Receita do ICMS está concentrada ( 44%) em: </li></ul><ul><li>Combustíveis (18,5%) </li></ul><ul><li>Comunicação (13%) e </li></ul><ul><li>Energia (12,5%) </li></ul>2008 fechou com superávit de R$ 500 milhões     Valor   ANOS (em R$ milhões) ICMS/PIB*** 1995 1.192,6 6,83% 1996 1.470,6 6,87% 1997 1.616,2 6,90% 1998 1.719,5 6,93% 1999 1.793,5 6,89% 2000 2.143,9 7,36% 2001 2.394,2 7,55% 2002 2.862,7 8,12% 2003 3.181,0 8,09% 2004 3.723,9 8,46% 2005 4.398,8 8,81% 2006 4.929,6 8,88% 2007 5.508,3 8,94% 2008 6.196,6 9,02% 2009 6.853,4 8,79%
  40. 40. PARTE C: A CRISE E PERNAMBUCO 2 .PRINCIPAIS ÂNCORAS ANTI-CRISE
  41. 41. PE : EVOLUÇÃO RECENTE do PIB2002-2006 CRISE E PERNAMBUCO <ul><li>A dinâmica recente – crescimento superior ao do Brasil – será uma âncora a uma entrada mais profunda na crise </li></ul>
  42. 42. PE : COMPOSIÇÃO do VAB – 1985/1995/2005 PE: O BAIXO PESO da IND. de TRANSF.
  43. 43. PE segura melhor o crescimento do PIB <ul><li>No quarto trimestre de 2008/ mesmo trimestre do ano anterior (pós estouro da “bolha imobiliária americana”) a economia de PE cresceu 4,9% ( contra 1,3% do Brasil) </li></ul><ul><li>De janeiro a dezembro de 2008 cresceu 6,8% contra 5,1% do Brasil </li></ul>Fonte: CONDEPE / FIDEM
  44. 44. CRISE AINDA POUPOU A INDÚSTRIA de PE, em 2008 <ul><li>No acumulado jan/dez de 2008 comparado com igual período de 2007 a agropecuária cresceu (6,7%) a indústria (8,4%) e os serviços( 6,3%) </li></ul><ul><li>No quarto trim/igual período de 2007 a industria desacelerou, mas teve desempenho ainda positivo ( 6,5%), liderada pela CC (17%), com quase estagnação da transformação (0,2%) </li></ul>Fonte: CONDEPE / FIDEM
  45. 45. CRISE E PERNAMBUCO <ul><li>Pernambuco não está imune a crise, mas vai se ancorar no BLOCO de INVESTIMENTOS em curso </li></ul><ul><ul><li>PE está bem situado no PAC Infra-estrutura ( duplicação da BR 101, obras hídricas, ferrovia Transnordestina , etc) </li></ul></ul><ul><ul><li>A fase pior da crise coincide com momento de maturação de grandes investimentos no setor produtivo </li></ul></ul>US$ 20 bilhões (Refinaria; Estaleiro; Fábrica de Resinas Plásticas; Pólo Farmacoquímico; Indústrias de Alimentos, entre outros) até 2012
  46. 46. PE: EMPREGO ainda RESISTE <ul><li>Segundo MTb/Caged, e m FEV/09, acumulando os últimos 12 meses, o nível de emprego formal cresceu 4,4% ( mas em fev/098 crescera 8% ). </li></ul><ul><li>Em 2009 seguram o crescimento: </li></ul><ul><ul><li>Construção Civil </li></ul></ul><ul><ul><li>Serviços às empresas </li></ul></ul><ul><li>Segundo a PME/IBGE, a taxa de desemprego na RMR em fev/09 foi de 9,1% (menor que fev/08 = 11%) </li></ul>
  47. 47. PE: EMPREGO ainda RESISTE <ul><li>Segundo a PED/DIEESE, em fev/09, na comparação com fevereiro de 2008, o nível de ocupação na RMR cresceu 5,3%, </li></ul><ul><ul><li>correspondeu à geração de 71 mil ocupações,e </li></ul></ul><ul><ul><li>- apresentaram desempenho positivo: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>• Serviços (29 mil) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Indústria de Transformação (18 mil) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>• Comércio (14 mil) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>• Construção Civil (12 mil) </li></ul></ul></ul>
  48. 48. CRISE E PERNAMBUCO <ul><ul><li>A ÂNCORA DO MERCADO INTERNO : </li></ul></ul><ul><ul><li>PERNAMBUCO VENDE MAIS PARA O MERCADO DO PAÍS . As EXPORTAÇÕES pesam apenas 3% do PIB estadual </li></ul></ul><ul><ul><li>A queda do comércio mundial será menos traumática em PE do que em estados como MG, PA e ES </li></ul></ul><ul><ul><li>Há problemas na fruticultura e no complexo sucro-alcooleiro, mas não contaminam tanto a economia estadual </li></ul></ul>
  49. 49. PERNAMBUCO: PRINCIPAIS DESTINO DAS EXPORTAÇÕES Fonte: MDIC-Secex PERNAMBUCO VINHA AUMENTANDO SUAS EXPORTAÇÕES PARA O MERCOSUL, AFRICA E OUTROS BLOCOS e DIMINUINDO PARA UNIÃO EUROPÉIA e ESTADOS UNIDOS Ord Descrição 2008 (Jan/Out) 2007 (Jan/Out) Var% US$ F.O.B Part% US$ F.O.B. Part% 08/07 PRINCIPAIS BLOCOS ECONÔMICOS UNIAO EUROPEIA - UE 153.253.505 20,36 183.104.783 25,85 -16,3 MERCADO COMUM DO SUL - MERCOSUL 127.877.678 16,99 94.435.134 13,33 35,4 ESTADOS UNIDOS (INCLUSIVE PORTO RICO) 124.517.382 16,54 163.938.256 23,14 -24,1 AFRICA (EXCLUSIVE ORIENTE MEDIO) 110.553.706 14,69 69.130.600 9,76 59,9 ALADI (EXCLUSIVE MERCOSUL) 65.471.039 8,7 75.129.390 10,6 -12,9 DEMAIS BLOCOS 171.028.389 22,72 122.732.450 17,32 39,4
  50. 50. CRISE E PERNAMBUCO <ul><ul><ul><ul><li>A ÂNCORA DAS POLÍTICAS SOCIAIS : </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Pernambuco está num ambiente de políticas públicas ativas (Bolsa família, Pronaf, Microcrédito ... ) com bom alinhamento entre Governo Federal e Estadual </li></ul></ul></ul></ul>
  51. 51. PARTE D: PARA ALÉM DA CRISE FINANCEIRA 1. MUDANÇA DE PARADIGMAS: OUTRAS CRISES 2. BRASIL PARA ALÉM DA CRISE
  52. 52. NOVOS PARADIGMAS: OUTRAS “CRISES” <ul><li>NOVO CONCEITO DE DESENVOLVIMENTO </li></ul><ul><li>( Crise do conceito de Desenvolvimento) </li></ul><ul><li>NOVOS PARADIGMAS TECNOLÓGICOS </li></ul><ul><li>( Crise do fordismo ) </li></ul><ul><li>NOVO PADRÃO DE CONSUMO </li></ul><ul><li>( Crise do “ american way of life” ) </li></ul><ul><li>AUMENTO DA DEMANDA DE ALIMENTOS </li></ul><ul><li> ( Crise da oferta de alimentos ) </li></ul>
  53. 53. NOVOS PARADIGMAS: OUTRAS “CRISES” <ul><li>NOVO PADRÃO ENERGÉTICO </li></ul><ul><li>( Crise do petróleo ) </li></ul><ul><li>NOVA GEOPOLÍTICA : MUNDO MAIS MULTI-POLAR </li></ul><ul><li>( Crise do império) </li></ul><ul><li>QUEBRA DA ONDA LIBERAL </li></ul><ul><li>( Crise da visão apologética do mercado) </li></ul>
  54. 54. PROVÁVEL AMBIENTE MUNDIAL PÓS-CRISE Quadro recessivo perdura nos anos de 2009 e 2010 e sucede-se retomada gradual da economia, devendo ocorrer ritmo mais acelerado a partir de 2020 Impactos mais fortes da crise ocorrem nos países desenvolvidos, mas efeitos são globais e assumem forma traumática em países mais vulneráveis a contaminações financeiras e dependência do comércio exterior Comércio mundial desacelera mais fortemente que a economia mundial com tendência de queda de preços das commodities. Retomada ocorrerá de forma gradual acompanhando a reanimação da economia mundial Reestabelecimento da liquidez e normalidade do crédito na economia mundial ocorrerá sob novos padrões de financiamento e regulação
  55. 55. PROVÁVEL AMBIENTE MUNDIAL PÓS-CRISE Reorganização da estrutura de poder mundial deverá sinalizar nova composição de forças (mutipolaridade) Participação dos Países Emergentes na Economia Mundial deverá e ampliar,com afirmação da China como grande potência e brecha para maior presença do Brasil Questão Energética deve acelerar o uso de energia limpa, com destaque para biomassa Novo ciclo de desenvolvimento deve se desenhar a partir de 2020, com base em novos padrões de produção e consumo
  56. 56. BRASIL: PARA ALÉM DA CRISE
  57. 57. BR: DIFERENCIAIS DO PAÍS <ul><li>MATRIZ ENERGÉTICA DIVERSIFICADA E GRANDES POTENCIAIS PARA PRODUZIR PETRÓLEO, GÁS e BIOENERGIA </li></ul><ul><li>ELEVADA DISPONIBILIDDE DE ÁGUA </li></ul><ul><li>CERCA DE 100 milhões de ha de TERRAS FÉRTEIS (40% a mais do estoque atual) </li></ul><ul><li>COMPETITIVO em: GRÃOS, CARNES ( bovina e frangos),AÇUCAR, CAFÉ, FRUTAS .... </li></ul><ul><li>COMBINA BEM AGRONEGÓCIO PATRONAL E AGRICULTURA DE BASE FAMILIAR </li></ul><ul><li>POTENCIAL AGROINDUSTRIAL e ENERGÉTICO ( num cenário de demanda crescente) </li></ul>
  58. 58. BR: DIFERENCIAIS DO PAÍS <ul><li>MERCADO INTERNO AMPLO e INTEGRADO </li></ul><ul><li>BASE INDUSTRIAL GRANDE, MODERNA E DIVERSIFICADA ( aviões, celulares, automóveis,produtos siderúrgicos, minérios, pisos e azulejos....) </li></ul><ul><li>SISTEMA FINANCEIRO AMPLO, BEM ESTRUTURADO, MODERNO, SÓLIDO... </li></ul><ul><li>BASE MODERNA DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS </li></ul>POTENCIAL URBANO-INDUSTRIAL
  59. 59. BR: PROBLEMAS ESTRUTURAIS <ul><li>BAIXA ESCOLARIDADE DA MAIORIA DA POPULAÇÃO </li></ul><ul><li>IMPORTANTES GARGALOS NA INFRA- ESTRUTURA ECONÔMICA </li></ul><ul><li>ESTRUTURA FUNDIÁRIA CONCENTRADA </li></ul><ul><li>SISTEMA TRIBUTÁRIO PENALIZA PRODUÇÃO </li></ul><ul><li>SISTEMA de C&T e INOVAÇÃO ainda em formação com baixo crescimento do investimento ( versus China e India) </li></ul><ul><li>INSUFICIENTE CONSCIÊNCIA AMBIENTAL/ BAIXA CAPACIDADE DE FISCALIZAÇÃO </li></ul>
  60. 60. PRINCIPAIS INCERTEZAS <ul><li>DURAÇÃO E IMPACTOS DA CRISE </li></ul><ul><li>RAPIDEZ DA CONSOLIDAÇÃO DOS NOVOS RUMOS MUNDIAIS </li></ul><ul><li>CAPACIDADE BRASILEIRA DE ENFRENTAR SEUS GARGALOS E APROVEITAR SEUS POTENCIAS </li></ul>
  61. 61. FONTE: GOLDMAN SACHS BRASIL: ENTRE AS MAIORES POTÊNCIAS ECONÔMICAS EM 2050
  62. 62. CONSIDERAÇÕES FINAIS <ul><li>PARA ENFRENTAR A CRISE MUNDIAL É PRECISO OLHAR AS MACRO TENDÊNCIAS DE LONGO PRAZO </li></ul><ul><li>HÁ MUDANÇAS EM CURSO QUE NÃO PODEM SER DESCONSIDERADAS E O POTENCIAL DO PAÍS É RECONHECIDO MUNDIALMENTE </li></ul><ul><li>NO BRASIL, O GRANDE DESAFIO CONTINUA SENDO o da REDUÇÃO DAS DESIGUALDADES INTERNAS </li></ul>
  63. 63. PARA ALÉM DA CRISE – Stiglitz (*) <ul><li>“ A desaceleração global vai estimular o debate econômico em âmbito mundial, o que é bom”. </li></ul><ul><li>É preciso que os países enxerguem que o “consenso de Washington” não funcionou e que o redesenho da governança pode encorajar a inovação, por meio da criação de mecanismos regulatórios e da proteção ao consumidor. </li></ul><ul><li>Devem emergir novos padrões de comércio e de fluxo de capitais que trarão oportunidades de crescimento, bem como novas idéias. </li></ul>(*) Nobel de Economia (2001), Conselheiro de Obama, Prof. da Columbia University
  64. 64. [email_address] OBRIGADO

×