Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.
Amor de Carnaval... Quem foi que disse que não existe?
http://www.nitportalsocial.com.br/2015/02/nit-portal-social-artigo-...
Ana Porto/Sergio Honorato
Gestores
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×

Amores de Carnaval... Quem foi que disse que não existe?

199 Aufrufe

Veröffentlicht am

Bonito mesmo é quando a Colombina encontra seu Pierrot. Ou seu Arlequim. Afinal, ela gostava de um, mas os dois gostavam dela. Pelo menos é o que diz o clássico da comedia dell’arte italiana. O emocionante do carnaval é quando vingam as histórias de amor depois da folia. Apesar de o mundo dizer o contrário nessa época do ano. Uma vez romântica, sempre romântica, fazer o quê?

Veröffentlicht in: Lifestyle
  • Als Erste(r) kommentieren

  • Gehören Sie zu den Ersten, denen das gefällt!

Amores de Carnaval... Quem foi que disse que não existe?

  1. 1. Amor de Carnaval... Quem foi que disse que não existe? http://www.nitportalsocial.com.br/2015/02/nit-portal-social-artigo-amor-de.html Bonito mesmo é quando a Colombina encontra seu Pierrot. Ou seu Arlequim. Afinal, ela gostava de um, mas os dois gostavam dela. Pelo menos é o que diz o clássico da comedia dell’arte italiana. O emocionante do carnaval é quando vingam as histórias de amor depois da folia. Apesar de o mundo dizer o contrário nessa época do ano. Uma vez romântica, sempre romântica, fazer o quê? Convenhamos. A ideia de que “ninguém é de ninguém” já começa um pouquinho antes dos dias de festa. O clima eufórico está presente nas semanas quentes de verão regadas a caipirinha e samba alto. É só sobre o hedonismo que escutamos quando os blocos saem e a cachaça, o suor e a serpentina tomam conta das ruas. É carnaval. Subtexto? “Amor sem compromisso.” Mas é preciso dizer que, entre o “vem ni mim que eu to facinho” e a ressaca dos confetes, há sempre um momento em que uma Colombina ou um Pierrot pensa: “Hum… daqui poderia nascer algo a mais”. Ou não? Existe espaço para um amor no carnaval? Ou relacionamentos duradouros só começam com as águas de março? Chico Buarque matou a charada nos versos de Noite dos Mascarados. Ele fala sobre como o anonimato é promessa de liberdade efêmera: “Mas é carnaval/ Não me diga mais quem é você/ Amanhã tudo volta ao normal/ Deixa a festa acabar/ Deixa o barco correr/ Deixa o dia raiar, que hoje eu sou/ Da maneira que você me quer/ O que você pedir eu lhe dou/ Seja você quem for/ Seja o que Deus quiser!” Cada um, escondido em seus adereços e fantasias, deixa sair o bufão que existe dentro de si. No bloco na Vila Madalena, mulheres adultas brincavam de atirar água e espuma, umas nas outras, como se fossem crianças. Leves e alegres. Será que, como Chico disse, as pessoas “desatinam” quando a brincadeira acaba e “toda cidade anda esquecida da falsa vida da avenida”? Não sei. Mas que é bonito quando um amor vinga no carnaval, é. Conheço um casal muito lindo e querido que se conheceu no meio da folia. Ela dizia “imagina que ele vai me ligar”; e ele pensou “imagina que ela vai se lembrar de mim”. Aí… que ele ligou. E ela se lembrou. E, este ano, eles levaram a Isabela, de 6 meses de idade, a seu primeiro bloco de carnaval. As batidas do bloco de samba ou batuque de axé viraram uma macia bossa-nova. As fantasias estão no porta-retrato na sala de estar. A bebedeira e a intensidade daquele carnaval deram espaço para a calmaria. Os dois mascarados viraram namorados. E a história, mesmo sem Chico Buarque, é bonita de contar. Marilia Neustein
  2. 2. Ana Porto/Sergio Honorato Gestores

×