Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 01 - Período Colonial

5.082 Aufrufe

Veröffentlicht am

Estudos para o CACD - Missão Diplomática
História do Brasil

missaodiplomatica..blogspot.com.br

Veröffentlicht in: Bildung
  • Als Erste(r) kommentieren

Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 01 - Período Colonial

  1. 1. História do Brasil Aula 01: O período colonial 16.12.2013
  2. 2. Aula 01 – O Período colonial 1 O sentido da colonização 2 A sociedade colonial 3 Escravidão e trabalho compulsório 4 Colonização do interior 5 Alexandre de Gusmão e o Tratado de Madrid 6 O período minerador 7Os levantes coloniais
  3. 3. Aula 01 – O Período colonial
  4. 4. Aula 01 – O Período colonial
  5. 5. Aula 01 – O Período colonial
  6. 6. Aula 01 – O Período colonial
  7. 7. 1 O Sentido da Colonização - Mercantilismo e colonização . No modelo feudal, os gastos com a burocracia e administração eram responsabilidade dos senhores feudais (principalmente forças armadas) . Na transição do modelo feudal para o Mercantilismo, os Estados encontraram no colonialismo a forma para sustentar estes novos gastos com a administração . O principal sentido da colonização é o Mercantilismo . No caso do Brasil, inicialmente o principal sentido foi geopolítico – manutenção do Atlântico (o “mar português”) . O primeiro modelo de colonização no Brasil foi o de capitanias hereditárias – replicando modelo feudal português . O Mercantilismo é a expressão econômica e o Absolutismo é a expressão política dos monopólios assumidos pelos Estados ao final do período feudal Aula 01 – O Período colonial
  8. 8. 2 A Sociedade colonial – Colonizador, Colono, Colonizado . Na hierarquia medieval, o senhor de terras era nobre e o comerciante era um pária da sociedade . Na colônia esta lógica se invertia e o comerciante era o representante do rei, tendo mais poderes do que os senhores de terras . Os senhores coloniais (colonos) dependiam dos comerciantes (colonizadores) para o abastecimento de escravos e para o escoamento da produção . No entanto os senhores coloniais mantinham a presunção de nobreza e o preconceito contra os comerciantes . Na colônia as terras eram abundantes, e o fator de produção mais importante era a posse de escravos . Quanto mais longe dos centros urbanos, mais difuso o poder da metrópole . Hierarquia colonial: Colonizadores >> Colonos >> Colonizados . Trabalho visto como castigo: brancos sem posses, escravos alforriados, e escravos forçados a trabalhar não tinham perspectivas de mudanças sociais Aula 01 – O Período colonial
  9. 9. Aula 01 – O Período colonial
  10. 10. 3 Escravidão e trabalho compulsório . Terra abundante e mão de obra escassa: valorização escravos como principal fator de produção . “Brecha camponesa”: escravos autorizados a cultivar sua própria roça aos domingos – senhor se eximia da responsabilidade da subsistência e melhorava cardápio dos seus escravos . “Espaços de liberdade” nas cidades – escravos libertos (principalmente pelo declínio da mineração) . Leis racistas para controlar acesso dos índios e do africanos a certas profissões e posições sociais – medo da população branca/burguesia . Tráfico negreiro intensificado pelo ciclo de mineração no séc. XVIII . Índios monopolizados pelos jesuítas . Sec. XVII caracterizado pela vidas nômade e Sec. XVIII caracterizado pela vida sedentária com organização do trabalho Aula 01 – O Período colonial
  11. 11. 4 Colonização do interior . 4 eixos: a) Bandeirantes (captura de índios para lavoura) b) Extrativismo na Amazônia (especiarias americanas) c) Mineração d) Pecuária . Papel fundamental dos grandes rios (Amazonas, Prata) . Colonização do Norte (Setentrional): - Extrativismo na Amazônia - Colônia de Belém - 1616 (após expulsão de holandeses) - Processo “manso e pacífico” - priorização da coroa portuguesa e pouco interesse dos demais europeus . Colonização do Sul (Meridional): - Colônia de Sacramento 1680 - interesse geopolítico Portugal manter acesso a margem do Prata (Uruguai) - Disputas freqüentes com Espanha – invasões a Sacramento em 1680, 1704, 1762 e 1776 - Tratado de Madrid Aula 01 – O Período colonial
  12. 12. 5 Tratado de Madrid (Alexandre de Gusmão - 1750) . Contexto Europa em 1750: - disputas hegemônicas entre França e Inglaterra - Espanha ligada à França (rei Espanha da família Boubon – sob influência de Paris) - Portugal ligado à Inglaterra (proteção militar em troca de favores comerciais) . Alexandre de Gusmão – brasileiro, conselheiro real – como negociador de Portugal . Tratado de Madrid como substituição de Tordesillas (Portugal D. João V / Espanha D. Fernando VI) . Princípio “uti possidetis” – quem ocupa deve possuir o território . Princípio “fronteiras naturais”- os acidentes geográficos deveriam nortear a demarcação (inclusive as futuras) . Os princípios – amplamente favoráveis à Portugal – foram aceitos pelos seguintes fatores: - Maior poder de pressão da Inglaterra (aliança Portugal e Inglaterra mais pragmático pois envolvia interesses econômicos, Espanha e França ligados p/ fatores familiares/ideológicos e a França não tinha muito interesse nas disputas americanas) - A rainha da Espanha era portuguesa e tinha grande influência sobre o rei Espanhol - Espanha alegava que a ocupação da área do pacífico estava fora da zona definida por Tordesillas – o que dava margem à contrapartida de Portugal - Manipulação do “Mapa das cortes” – amplamente favorável à Portugal - Troca da colônia de Sacramento pelos Sete povos das missões – interesse da Espanha por Sacramento Aula 01 – O Período colonial
  13. 13. 5. Tratado de Madrid (Alexandre de Gusmão - 1750) Aula 01 – O Período colonial
  14. 14. Aula 01 – O Período colonial
  15. 15. 6.1 Período da mineração . “Negociação”da descoberta do ouro pelos paulistas em MG . Afluxo de imigrantes internos para a região do ouro – começo da integração entre as regiões coloniais (“arquipélagos”) . Figuras destacadas de Fernão dias e Borba Gato . Predomínio dos paulistas na primeira década (1700 a 1710) . Acelerado aumento de fluxo de escravos africanos para trabalho nas minas . Grande fluxo de brancos pobres para a colônia (formação de camada média na população) . Guerra dos Emboabas - Fator demográfico – Emboabas se tornam grupo maior do que os paulistas - Fator econômico – mineração demandava mão de obra escrava (controle dos traficantes do Recife, Salvador e RJ) - Emboabas expulsam paulistas . Intervenção de Portugal na mineração . Segunda revolta (Vila Rica 1720) – sufocada com violência por Portugal (Coroa não dependia mais dos colonos para assumir a mineração) Aula 01 – O Período colonial
  16. 16. 6.2 Período da mineração . Bandeirantes desbravam novos garimpos em Mato Grosso e Goiás . Expedições das “monções” – responsáveis pela disseminação da pecuária e da consolidação do MT e GO . Marques de Pombal – ministro português do rei D. José (1750 a 1777) - Grandes mudanças políticas, fiscais, modernidade econômica - influência Inglesa (Tratado de Madrid, Rev. Industrial). - “Meios Iluministas fins Mercantis” - Proibição de universidades na colônia - formação de intelectuais brasileiros em Portugal (que viriam a se tornar futuros revolucionários) . Declínio da mineração no final do século XVIII . Processo gradativo de alforria dos escravos da mineração por motivos econômicos Aula 01 – O Período colonial
  17. 17. 7.1 Levantes coloniais . Amador Bueno (São Paulo -1640) disputas influências Espanholas e portuguesas na colônia . Quilombo dos Palmares (Pernambuco - 1654) reduto de escravos . Revolta de Beckman (Maranhão – 1684) dificuldades econômicas (estanco, tráfico de escravos, crédito) . Guerra dos Emboabas (MG 1708/9) disputa entre paulistas e demais (emboabas) pelos garimpos . Guerra dos Mascates (Recife/Olinda – 1710) disputas entre senhores de Olinda e mascates de Recife p/ poder em Pernambuco . Revolta de Vila Rica (MG – 1720) revoltas em relação às medidas ficais portuguesas Aula 01 – O Período colonial
  18. 18. 7.2 Levantes coloniais . Inconfidência Mineira (MG – 1789) agravamento das tensões econômicas decorrentes do arrocho fiscal, influência das idéias iluministas e da Rev. Americana, primeiras idéias nacionalistas . Conjuração do Rio de Janeiro (RJ – 1794) inspiração nas idéias liberais (movimento mais intelectual do que agressivo) . Conjuração Baiana (BA – 1798) Revolta dos “Alfaiates” contra más condições de vida, a favor do livre comercio na Colônia, abolicionista e republicano (inspiração na Revolução Francesa) . Conspiração Suassunas (PE – 1801) Inspiração no Iluminismo e na Rev. Francesa, movimento intelectual com projeto de independência de Pernambuco (que se tornaria uma república sob a proteção de Napoleão), sintoma da crise do sistema colonial no Brasil . Bispo Azeredo Coutinho e o seminário de Olinda – novo governador de Pernambuco e bispo de Olinda na época da Conspiração Suassunas Aula 01 – O Período colonial

×