Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Die SlideShare-Präsentation wird heruntergeladen. ×

Nervosmotoresoculares 130428080512-phpapp02

Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Nächste SlideShare
Nervos motores oculares
Nervos motores oculares
Wird geladen in …3
×

Hier ansehen

1 von 46 Anzeige

Weitere Verwandte Inhalte

Diashows für Sie (20)

Ähnlich wie Nervosmotoresoculares 130428080512-phpapp02 (20)

Anzeige

Weitere von Shirlei De Sousa Oliveira Shirlei (12)

Aktuellste (20)

Anzeige

Nervosmotoresoculares 130428080512-phpapp02

  1. 1. Nervos Motores Oculares Lucas Duarte Sena
  2. 2. Introdução  Os nervos: oculomotor, troclear e abducente são responsáveis pela regulação dos movimentos dos olhos e são examinados juntos;  São nervos motores que penetram na órbita pela fissura orbital superior, distribuindo-se aos músculos extrínsecos do bulbo ocular, que são os seguintes:  elevador da pálpebra superior;  reto superior;  reto inferior;  reto medial;  reto lateral;  oblíquo superior;  e oblíquo inferior.  Todos estes músculos são inervados pelo oculomotor, com exceção do reto lateral e do oblíquo superior, inervados, respectivamente, pelos nervos abducente e troclear. Anatomia e Fisiologia
  3. 3. Introdução  A porção cervical da divisão do simpático toracolombar funciona com o oculomotor na inervação do globo ocular e da pupila;  O Anel de Zinn; pelo centro do anel passam o II, III e VI nervos, artéria central da retina e, os 4 músculos retos, originam- se do seu anel. Anatomia e Fisiologia
  4. 4. Músculos Extraoculares Anatomia e Fisiologia
  5. 5. Músculo Inervação Origem Inserção Posição Neutra Adução Abdução Reto Superior Oculomotor (Porção Superior) Anel de Zinn Olho (anterior, superfície superior) Elevação Intorção Elevação Inciclotorção Adução Adução Elevação Reto Inferior Oculomotor (Porção Inferior) Anel de Zinn Olho (anterior, superfície inferior) Depressão Extorsão Depressão Extorsão Adução Adução Depressão Reto Lateral Abducente Anel de Zinn Olho (anterior, superfície lateral) Abdução Reto Medial Oculomotor (Porção Inferior) Anel de Zinn Olho (anterior, superfície medial) Adução Oblíquo Superior Troclear Anel de Zinn Olho (posterior, superior, superfície lateral) Intorção Depressão Intorção Depressão Abdução Abdução Abdução Intorção Depressão Oblíquo Inferior Oculomotor (Porção Inferior) Osso Maxilar Olho (posterior, inferior, superfície lateral) Extorsão Elevação Extorsão Elevação Abdução Abdução Abdução Extorsão Elevação Levantador Superior da Pálpebra Nervo oculomotor Osso Esfenoide Tarso da pálpebra Retraído elevando as pálpebras Anatomia e Fisiologia
  6. 6. Músculos envolvido em cada movimento Anatomia e Fisiologia
  7. 7. Nervo Oculomotor – III NC  O nervo oculomotor origina-se no complexo nuclear oculomotor e leva fibras motoras aos músculos extraoculares, além de fibras parassimpáticas à pupila e ao corpo ciliado.  O III nervo é dividido em:  Porção superior: supre o músculo elevador da pálpebra e reto superior;  Porção inferior: supre a pupila; e também o reto medial, reto inferior e oblíquo inferior todos homolateral. Anatomia e Fisiologia
  8. 8. Nervo Oculomotor – III NC Anatomia e Fisiologia
  9. 9. Nervo Troclear – IV NC  É o mais fino nervo craniano, origina-se no núcleo troclear, contém neurônios motores somáticos.  O único a sair do tronco cerebral posteriormente e por isso mesmo o mais longo. Anatomia e Fisiologia
  10. 10. Nervo Troclear – IV NC Anatomia e Fisiologia
  11. 11. Nervo Abducente – VI NC  O núcleo do abducente se situa na ponte média a inferior, constituído por neurônios somáticos;  Entra pela fissura orbital e pelo anel de Zinn e inerva o obliquo reto lateral. Anatomia e Fisiologia
  12. 12. Nervo Abducente – VI NC Anatomia e Fisiologia
  13. 13. Controle Supranuclear do Olhar  Os mecanismos supranucleares que controlam o olhar são para garantir que a fóvea mantenha a fixação no alvo de interesse independente do movimento dele, dos olhos ou da cabeça. Anatomia e Fisiologia
  14. 14.  Esquema do controle cortical do olhar: A.Lobo occipital. B.Centro oculógiro occipital. C.Fibras occipitomesencefálicas. D.Fibras associativas fronto-occipitais. E.Centro oculógiro frontal. F. Fibras córticonucleares. G.Colículo superior. H.Área cinzenta periaquedutal. I.Aqueduto de Sílvio. L.Núcleo de Edinger Westphal M.Centro coordenador supranuclear convergência. N. Núcleo rubro. O.Substância negra. P.Pé do pedúnculo. Q.Nervo óculomotor comum. R.Fibra do III para o reto interno. S.Músculo reto interno. T.Gânglio ciliar. U.Fibras para acomodação. V. Fibras à iridoconstricção. Anatomia e Fisiologia
  15. 15. Fascículo Longitudinal Medial  Os núcleos do III nervo estão situados um abaixo um do outro mais ou menos em uma coluna no tronco cerebral. Unidos pela ação conjugada e coordenada do fascículo longitudinal medial (FLM), um extensivo e proeminente trato que desce na linha média pelo tegumento posterior do tronco cerebral até a medula torácica superior.  Sua função primária é para coordenar o olhar lateral, conectando o núcleo do VI nervo de um lado com os do III e IV do lado oposto, para permitir o movimento sincrônico de ambos os olhos Anatomia e Fisiologia
  16. 16. Inervação Simpática Anatomia e Fisiologia
  17. 17.  Os nervos simpáticos cervicais inervam o músculo dilatador da pupila e também suprem o músculo do tarso, músculo liso da pálpebra superior e inferior; o músculo orbital de Müller situa-se na pálpebra superior que é mais organizada do que na inferior . Inervação Simpática Anatomia e Fisiologia
  18. 18. Exame Clínico e transtornos da função dos nervos motores oculares e do sistema simpático cervical
  19. 19. Exoftalmia e Enoftalmia  Exoftalmia Bilateral  Doença ocular Tireóidea  Oftalmopatia de graves Exame clínico e Transtornos
  20. 20.  Exoftalmia Unilateral  Doença ocular Tireóidea  Psudotumor orbital Exoftalmia e Enoftalmia Exame clínico e Transtornos
  21. 21.  Pseudoproptose  Miopia Exoftalmia e Enoftalmia Exame clínico e Transtornos
  22. 22.  Enoftalmia Síndrome de Horner Exoftalmia e Enoftalmia Exame clínico e Transtornos
  23. 23. Pálpebras  Ptose  Completa  Parcial  Bilateral assimétrica Exame clínico e Transtornos
  24. 24.  Retração  Unilateral  Bilateral Pálpebras Exame clínico e Transtornos
  25. 25. Exame clínico e Transtornos
  26. 26. Pupilas  Tamanho  Determinada pela iluminação e pelo foco.  Forma  Redonda uniforme e regular.  Igualdade  Geralmente tamanho igual, com tolerância de 2mm de diferença. Exame clínico e Transtornos
  27. 27. Reflexos Pupilares  A principal resposta é à luz, acomodação e convergência, e à dor, mas outros também são importantes.  Reflexo à luz  Reflexo de acomodação  Outros reflexos (cutâneos, oculossensorial). Exame clínico e Transtornos
  28. 28. Transtornos das Pupilas  Pupilas grandes, paralisia do III NC e pupila tônica de Adie.  Pupilas pequenas, idosos, anticolinérgicos, síndrome de Horner e neurossífilis.  Pupilas de Argyll Robertson  Síndrome de Horner: Ptose, miose e anidrose. Exame clínico e Transtornos
  29. 29. Exame clínico e Transtornos
  30. 30. Exame clínico e Transtornos Transtornos das Pupilas
  31. 31.  Outros transtornos:  Ruptura de arcos reflexos pupilares, ou doença dos centros de controle pupilar do tronco cerebral;  Traumas da íris;  Secção de nervo optico. Transtornos das Pupilas Exame clínico e Transtornos
  32. 32. Exame dos Movimentos Oculares  Primeiramente avaliar acuidade visual e a posição do paciente;  Fixação;  Avaliar as posições básicas do olhar; Exame clínico e Transtornos
  33. 33. Exame clínico e Transtornos
  34. 34. • Paralisia do VI NC à direita Exame clínico e Transtornos
  35. 35. Avaliação dos Desvios do Alinhamento Ocular  Testes subjetivos  Teste da lente vermelha e bastão de maddox  Testes objetivos  Teste de Hirschberg Exame clínico e Transtornos
  36. 36. Transtornos da Motilidade Ocular  Podem decorrer de processos que envolvem a órbita e causam limitação mecânica do movimento ocular ou de miopatias oculares, transtornos da transmissão neuromuscular ou paralisa de um nervo motor ocular individual
  37. 37. Lesões do Nervo Oculomotor  Paralisia do III NC produz graus e combinações variáveis de fraqueza nos músculos extraoculares, ptose e envolvimento pupilar.  Oftalmoplegia interna, externa e completa. Exame clínico e Transtornos
  38. 38. Exame clínico e Transtornos • Paralisia do III NC à direita
  39. 39. Lesão do Nervo Troclear  Geralmente por traumatismo cranioencefálico  Nem sempre diplopia, mas sim vista turva ou alguns problemas vagos ao olhar para baixo (ex: descer escadas) Exame clínico e Transtornos
  40. 40. Lesão do Nervo Abducente  São comuns e muitas vezes sem explicação.  O olho não consegue realizar abdução. Exame clínico e Transtornos
  41. 41. Lesão do Nervo Abducente Exame clínico e Transtornos
  42. 42. Transtornos Centrais da Motilidade Ocular
  43. 43. Oftalmoplegia Internuclear  A lesão do Fascículo Longitudinal Medial leva a Oftalmoplegia internuclear;  Um olho realiza abdução não apanhada da adução do outro olho;  O olho em abdução apresenta nistagmo. Transtornos Centrais da Motilidade Ocular
  44. 44. Síndrome de Parinaud  Os pacientes são incapazes de olhar para cima em decorrência de uma massa tumoral envolvendo a região posterior do terceiro ventrículo e o mesencéfalo dorsal superior. Transtornos Centrais da Motilidade Ocular
  45. 45. Nistagmo e outras Oscilações Oculares  Nistagmo Não neuropatológico  Nistagmo fisiológico  Nistagmo voluntário  Nistagmo induzido por drogas  Nistagmo congênito Transtornos Centrais da Motilidade Ocular
  46. 46. Bibliografia  DeJong O Exame Neurologico, 6ª edn K. A. Jellinger Article first published online: 23 JUN 2006 DOI: 10.1111/j.1468- 1331.2006.01276.x

×