SlideShare ist ein Scribd-Unternehmen logo
1 von 18
Downloaden Sie, um offline zu lesen
Colégio Estadual São José  Tipos de Poesias Equipe:Socorro,Everlandia,Gardênia e Lidiane. Série: 1ºD Profª Mirla
Tipos de Poesias Haicaí Soneto Balada Rondó Vilancete Cordel
Haicaí Haicai é um poema de origem japonesa, que chegou ao  Brasil  no inicio do século 20 e hoje conta com muitos praticantes e estudiosos brasileiros. No Japão, e na maioria dos paises do mundo, é conhecido como  haiku . Segundo Harold G. Henderson, em  Haiku in English , o haicai classico japones obedece a quatro regras:  Consiste em 17 silabas japonesas, divididas em três versos de 5,6 e 7silabas ; Conta com alguma referência a natureza (diferente da natureza humana); Refere-se a um evento particular (ou seja, não é uma generalização); Apresenta tal evento como "acontecendo agora", e não no passado.
Exemplo de Haicaí SÓ UM MOMENTO A  parede nem marrom nem laranja o som da frigideira à noite um poema incompreensível de Pessoa eu uso fugaz esse é o meu narcótico mais ou menos como uma pedra de crack de haikai um samba do crioulo  out um não me importo que eu já volto
o conde de montecristo e sua vida tão difícil o nado errado que dá dor nas costas o mapa da lua que não servia pra nada eu me dou minha quota em momentos momento é coisa das estampas de mim mesmo aqui-agora e realidade não tem nada a ver com momento por que momento é muito mais simples e mais legal e: é.
Soneto O soneto é uma composição de forma fixa,com 14 versos,dispostos em 4 estrofes(ou estâncias),sendo dois quartetos e dois tercetos.De origem controversa,o soneto teve em Petrarca(1304-1374),a organização do conteúdo em forma fixa,que serviu de modelo em toda a Europa.
Amor é fogo que arde sem se ver É ferida que dói e não se sente É um contentamento descontente  É dor que desatina sem doer  É um querer mais que bem querer  É solitário andar por entre a gente É nunca contentar-se de contente  É cuidar que se ganha em se perder  É querer estar preso por vontade  Exemplo de Soneto
É servir a quem vence, o vencedor É ter com quem nos mata lealdade; Mas como causar pode seu favor, nos corações humanos amizade,  Se tão contràrio a si é o mesmo amor? LUIS DE CAMÕES
Balada •   O termo vem do Francês  ballade  que por sua vez originou-se do Baixo Latim  ballare,  significando  dançar.  Como termo literário, ballade surgiu no século XIII, com o poeta Adam de La Hall. A balada envolve duas formas líricas convergentes e distintas que é preciso diferenciar.
Exemplo de Balada Amanhã talvez Amanhã talvez o sol volte a brilhar, meus lábios passem a sorrir, meu olhar se torne mais doce, meu coração passe a brilhar mais. Amanhã talvez eu consiga voltar a olhar em frente, ganhar forças, coragem para lutar e poder voar. No hoje, restam-me simplesmente as fraquezas do ontem. Amanhã talvez eu consiga caminhar em frente. Amanhã talvez eu consiga  esquecer o hoje, o ontem, o passado; e voltar a fortalecer minhas asas já cansadas, para poder voltar a voar ao vento, ao frio, ao calor, ao sofrimento.
Rondó É um poema de treze versos, distribuídos em três estrofes, sendo  duas quadras seguidas de uma quintilha , de forma que os dois primeiros versos da primeira quadra se repetem no final da segunda, e o primeiro verso da quadra inicial repete no fecho da quintilha, assim: ABab|abAB|abbaA. As maiúsculas representam os versos que são repetidos como estribilho. O rondel não obedece a esquema fixo de rimas nem de metro; entretanto utiliza, de preferência, versos de sete ou oito sílabas. Como exemplo, Bilac e as duas primeiras estrofes de  Marinha  (com uma ligeira variante na rima da segunda baAB):•  Rondó  vem do francês arcaico  rondel, ronde  que, por sua vez, originou-se do Latim  rotundu , e significa redondo, em forma de roda. Foi Inventado ao mesmo tempo em que o rondó e, por isso mesmo, por ele confundido, sobretudo, no século XVI. Serve aos galanteios amorosos e aos sentimentos delicados.  •
Exemplo de Rondó No calor da madrugada Quando chegar a madrugada E o meu corpo em ti buscar o amor Vou desenhar-me na tua pele E antes que a manhã se revele Sorverei o teu sabor Seremos além de amantes Comandados comandantes A caça e o caçador Quando chegar a madrugada Vou salpicar de estrelas Teu suor sobre o lençol E em suave melodia No encontro da noite com o dia
Vilancete Vilancete (ou Vilancico) era uma forma poética  comum na Península Ibérica, na época da  Renascença. Os vilancetes podiam  também ser adaptados para música: muitos  compositores ibéricos dos séculos XV e XVI,  como Juan del Encina ou o português  Pedro de Escobar compuseram vilancetes musicais. Este tipo de poema tem um mote - o início do poema  que, na música, funciona como refrão - seguido de  uma ou mais estrofes - as voltas, coplas ou glosas  - cada uma com 7 versos. A diferença entre o vilancete e a cantiga depende  do número de versos no mote: se houver 2 ou 3  é um vilancete, se houver 4 ou mais é uma cantiga. Cada verso de um vilancete está normalmente  dividido em cinco ou sete sílabas métricas  ("medida velha").Se o último verso do mote  se repetir no fim da estrofe, diz-se que o  vilancete é perfeito.
EXEMPLO DE  VILANCETE Mote:) Enforquei minha Esperança;  Mas Amor foi tão madraço,  Que lhe cortou o baraço.  (Volta:) Foi a Esperança julgada  Por setença da Ventura  Que, pois me teve à pendura,  Que fosse dependurada:  Vem Cupido com a espada,  Corta-lhe cerce o baraço.  Cupido, foste madraço.  LUIS DE CAMÕES
Cordel ,[object Object],[object Object],[object Object]
Exemplo de Cordel ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Obrigado pela atenção de todos!

Weitere ähnliche Inhalte

Was ist angesagt?

poema de camoes
poema de camoespoema de camoes
poema de camoesactualgest
 
Oficina interdisciplinarizando com o cordel na sala de aula
Oficina interdisciplinarizando com o cordel na sala de aulaOficina interdisciplinarizando com o cordel na sala de aula
Oficina interdisciplinarizando com o cordel na sala de aulajapquimica
 
Gênero lírico - Profª Vivian Trombini
Gênero lírico - Profª Vivian TrombiniGênero lírico - Profª Vivian Trombini
Gênero lírico - Profª Vivian TrombiniVIVIAN TROMBINI
 
I - Juca Pirama
I - Juca Pirama I - Juca Pirama
I - Juca Pirama luanaand
 
Plano de aula prosa e poesia (4° bimestre)
Plano de aula prosa e poesia (4° bimestre) Plano de aula prosa e poesia (4° bimestre)
Plano de aula prosa e poesia (4° bimestre) JH COSTA
 
Introdução texto poético
Introdução texto poéticoIntrodução texto poético
Introdução texto poéticoarmindaalmeida
 
Analise de poemas
Analise de poemasAnalise de poemas
Analise de poemasPaula CAA
 
AntóNio GedeãO (ExposiçãO Pelo 9 º Ano De 2006 2007)
AntóNio GedeãO (ExposiçãO Pelo 9 º Ano De 2006 2007)AntóNio GedeãO (ExposiçãO Pelo 9 º Ano De 2006 2007)
AntóNio GedeãO (ExposiçãO Pelo 9 º Ano De 2006 2007)luisprista
 
A Poesia Visual
A  Poesia  VisualA  Poesia  Visual
A Poesia Visualtita
 
Análise de meus poemas preferidos, de manuel bandeira
Análise de meus poemas preferidos, de manuel bandeiraAnálise de meus poemas preferidos, de manuel bandeira
Análise de meus poemas preferidos, de manuel bandeirama.no.el.ne.ves
 
Versificação
VersificaçãoVersificação
Versificaçãovinivs
 
Apresentação de Sofia de Mello Breyner Andresen
Apresentação  de  Sofia de Mello Breyner AndresenApresentação  de  Sofia de Mello Breyner Andresen
Apresentação de Sofia de Mello Breyner AndresenMaria Costa
 
Análise comparativa
Análise comparativaAnálise comparativa
Análise comparativaJosi Leão
 

Was ist angesagt? (20)

poema de camoes
poema de camoespoema de camoes
poema de camoes
 
Análise de textos poéticos
Análise de textos poéticosAnálise de textos poéticos
Análise de textos poéticos
 
Oficina interdisciplinarizando com o cordel na sala de aula
Oficina interdisciplinarizando com o cordel na sala de aulaOficina interdisciplinarizando com o cordel na sala de aula
Oficina interdisciplinarizando com o cordel na sala de aula
 
O gênero lírico
O gênero líricoO gênero lírico
O gênero lírico
 
Gênero lírico - Profª Vivian Trombini
Gênero lírico - Profª Vivian TrombiniGênero lírico - Profª Vivian Trombini
Gênero lírico - Profª Vivian Trombini
 
I - Juca Pirama
I - Juca Pirama I - Juca Pirama
I - Juca Pirama
 
Análise de poemas
Análise de poemasAnálise de poemas
Análise de poemas
 
Plano de aula prosa e poesia (4° bimestre)
Plano de aula prosa e poesia (4° bimestre) Plano de aula prosa e poesia (4° bimestre)
Plano de aula prosa e poesia (4° bimestre)
 
Introdução texto poético
Introdução texto poéticoIntrodução texto poético
Introdução texto poético
 
Prosa e Poesia
Prosa e PoesiaProsa e Poesia
Prosa e Poesia
 
I Juca Pirama - Gonçalves Dias
I   Juca Pirama - Gonçalves DiasI   Juca Pirama - Gonçalves Dias
I Juca Pirama - Gonçalves Dias
 
Analise de poemas
Analise de poemasAnalise de poemas
Analise de poemas
 
Gênero lírico
Gênero líricoGênero lírico
Gênero lírico
 
AntóNio GedeãO (ExposiçãO Pelo 9 º Ano De 2006 2007)
AntóNio GedeãO (ExposiçãO Pelo 9 º Ano De 2006 2007)AntóNio GedeãO (ExposiçãO Pelo 9 º Ano De 2006 2007)
AntóNio GedeãO (ExposiçãO Pelo 9 º Ano De 2006 2007)
 
A Poesia Visual
A  Poesia  VisualA  Poesia  Visual
A Poesia Visual
 
Análise de meus poemas preferidos, de manuel bandeira
Análise de meus poemas preferidos, de manuel bandeiraAnálise de meus poemas preferidos, de manuel bandeira
Análise de meus poemas preferidos, de manuel bandeira
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
 
Versificação
VersificaçãoVersificação
Versificação
 
Apresentação de Sofia de Mello Breyner Andresen
Apresentação  de  Sofia de Mello Breyner AndresenApresentação  de  Sofia de Mello Breyner Andresen
Apresentação de Sofia de Mello Breyner Andresen
 
Análise comparativa
Análise comparativaAnálise comparativa
Análise comparativa
 

Andere mochten auch

Projeto jovens poetas
Projeto jovens poetasProjeto jovens poetas
Projeto jovens poetaspcopmaze
 
Patativa do Assaré
Patativa do AssaréPatativa do Assaré
Patativa do Assaréklauddia
 
Patativa Do Assaré
Patativa Do AssaréPatativa Do Assaré
Patativa Do Assaréklauddia
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lurdes Augusto
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Dina Baptista
 

Andere mochten auch (7)

A poesia e a música
A poesia e a músicaA poesia e a música
A poesia e a música
 
Projeto jovens poetas
Projeto jovens poetasProjeto jovens poetas
Projeto jovens poetas
 
Patativa do Assaré
Patativa do AssaréPatativa do Assaré
Patativa do Assaré
 
Patativa Do Assaré
Patativa Do AssaréPatativa Do Assaré
Patativa Do Assaré
 
Camões Lírico
Camões LíricoCamões Lírico
Camões Lírico
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
 

Ähnlich wie Tipos de Poesias

Ähnlich wie Tipos de Poesias (20)

Construção de poemas
Construção de poemasConstrução de poemas
Construção de poemas
 
literatura_trovadorismo.ppt
literatura_trovadorismo.pptliteratura_trovadorismo.ppt
literatura_trovadorismo.ppt
 
literatura_trovadorismo.ppt
literatura_trovadorismo.pptliteratura_trovadorismo.ppt
literatura_trovadorismo.ppt
 
Língua Portuguesa - O que é literatura
Língua Portuguesa - O que é literaturaLíngua Portuguesa - O que é literatura
Língua Portuguesa - O que é literatura
 
TROVADORISMO EM PORTUGAL MOVIMENTO LITERÁRIO DO SÉCULO XII
TROVADORISMO EM PORTUGAL MOVIMENTO LITERÁRIO DO SÉCULO XIITROVADORISMO EM PORTUGAL MOVIMENTO LITERÁRIO DO SÉCULO XII
TROVADORISMO EM PORTUGAL MOVIMENTO LITERÁRIO DO SÉCULO XII
 
Poster projecto galaico português
Poster projecto galaico portuguêsPoster projecto galaico português
Poster projecto galaico português
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Raimundo Correia
Raimundo CorreiaRaimundo Correia
Raimundo Correia
 
Nota iii escansão poemas
Nota iii escansão poemasNota iii escansão poemas
Nota iii escansão poemas
 
Teste Luis de Camões
Teste Luis de CamõesTeste Luis de Camões
Teste Luis de Camões
 
Primeira geração da poesia romântica
Primeira geração da poesia românticaPrimeira geração da poesia romântica
Primeira geração da poesia romântica
 
Apoesiatrovadoresca.pdf
Apoesiatrovadoresca.pdfApoesiatrovadoresca.pdf
Apoesiatrovadoresca.pdf
 
Atividades cordel (1)
Atividades cordel (1)Atividades cordel (1)
Atividades cordel (1)
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
A métrica e a rima
A métrica e a rimaA métrica e a rima
A métrica e a rima
 
O Gênero Lírico
O Gênero LíricoO Gênero Lírico
O Gênero Lírico
 
P.point texto poético
P.point texto poéticoP.point texto poético
P.point texto poético
 
Versificação
VersificaçãoVersificação
Versificação
 

Mehr von klauddia

Projeto Inforcesj - Resultado Final
Projeto Inforcesj - Resultado FinalProjeto Inforcesj - Resultado Final
Projeto Inforcesj - Resultado Finalklauddia
 
Ações LEC
Ações LECAções LEC
Ações LECklauddia
 
Normas do LEI
Normas do LEINormas do LEI
Normas do LEIklauddia
 
Inforcesj 1 fase
Inforcesj 1 faseInforcesj 1 fase
Inforcesj 1 faseklauddia
 
Parazinho - Granja/Ce
Parazinho - Granja/CeParazinho - Granja/Ce
Parazinho - Granja/Ceklauddia
 
Trabalho de Historia - Granja
Trabalho de Historia - GranjaTrabalho de Historia - Granja
Trabalho de Historia - Granjaklauddia
 
Origem de Granja
Origem de GranjaOrigem de Granja
Origem de Granjaklauddia
 
Atividade Interdisciplinar
Atividade InterdisciplinarAtividade Interdisciplinar
Atividade Interdisciplinarklauddia
 
Projeto Reciclagem De Papel
Projeto Reciclagem De PapelProjeto Reciclagem De Papel
Projeto Reciclagem De Papelklauddia
 
Influências Africanas na Culinária Brasileira
Influências Africanas na Culinária BrasileiraInfluências Africanas na Culinária Brasileira
Influências Africanas na Culinária Brasileiraklauddia
 
Cidade de Granja - CE
Cidade de Granja - CECidade de Granja - CE
Cidade de Granja - CEklauddia
 
Negros Que Fizeram Historia Na Antiguidade
Negros Que Fizeram Historia Na AntiguidadeNegros Que Fizeram Historia Na Antiguidade
Negros Que Fizeram Historia Na Antiguidadeklauddia
 
Movimentos Negros
Movimentos NegrosMovimentos Negros
Movimentos Negrosklauddia
 
Forum Escolar Gremio Estudantil
Forum Escolar Gremio EstudantilForum Escolar Gremio Estudantil
Forum Escolar Gremio Estudantilklauddia
 
Projeto Afro
Projeto Afro Projeto Afro
Projeto Afro klauddia
 
Anorexia, bulimia e obesidade
Anorexia, bulimia e obesidadeAnorexia, bulimia e obesidade
Anorexia, bulimia e obesidadeklauddia
 
Patativa do Assaré
Patativa do AssaréPatativa do Assaré
Patativa do Assaréklauddia
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordelklauddia
 
Tipos de poesias
Tipos de poesiasTipos de poesias
Tipos de poesiasklauddia
 
Projeto Emprego E Desemprego
Projeto Emprego E DesempregoProjeto Emprego E Desemprego
Projeto Emprego E Desempregoklauddia
 

Mehr von klauddia (20)

Projeto Inforcesj - Resultado Final
Projeto Inforcesj - Resultado FinalProjeto Inforcesj - Resultado Final
Projeto Inforcesj - Resultado Final
 
Ações LEC
Ações LECAções LEC
Ações LEC
 
Normas do LEI
Normas do LEINormas do LEI
Normas do LEI
 
Inforcesj 1 fase
Inforcesj 1 faseInforcesj 1 fase
Inforcesj 1 fase
 
Parazinho - Granja/Ce
Parazinho - Granja/CeParazinho - Granja/Ce
Parazinho - Granja/Ce
 
Trabalho de Historia - Granja
Trabalho de Historia - GranjaTrabalho de Historia - Granja
Trabalho de Historia - Granja
 
Origem de Granja
Origem de GranjaOrigem de Granja
Origem de Granja
 
Atividade Interdisciplinar
Atividade InterdisciplinarAtividade Interdisciplinar
Atividade Interdisciplinar
 
Projeto Reciclagem De Papel
Projeto Reciclagem De PapelProjeto Reciclagem De Papel
Projeto Reciclagem De Papel
 
Influências Africanas na Culinária Brasileira
Influências Africanas na Culinária BrasileiraInfluências Africanas na Culinária Brasileira
Influências Africanas na Culinária Brasileira
 
Cidade de Granja - CE
Cidade de Granja - CECidade de Granja - CE
Cidade de Granja - CE
 
Negros Que Fizeram Historia Na Antiguidade
Negros Que Fizeram Historia Na AntiguidadeNegros Que Fizeram Historia Na Antiguidade
Negros Que Fizeram Historia Na Antiguidade
 
Movimentos Negros
Movimentos NegrosMovimentos Negros
Movimentos Negros
 
Forum Escolar Gremio Estudantil
Forum Escolar Gremio EstudantilForum Escolar Gremio Estudantil
Forum Escolar Gremio Estudantil
 
Projeto Afro
Projeto Afro Projeto Afro
Projeto Afro
 
Anorexia, bulimia e obesidade
Anorexia, bulimia e obesidadeAnorexia, bulimia e obesidade
Anorexia, bulimia e obesidade
 
Patativa do Assaré
Patativa do AssaréPatativa do Assaré
Patativa do Assaré
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
 
Tipos de poesias
Tipos de poesiasTipos de poesias
Tipos de poesias
 
Projeto Emprego E Desemprego
Projeto Emprego E DesempregoProjeto Emprego E Desemprego
Projeto Emprego E Desemprego
 

Kürzlich hochgeladen

A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...DominiqueFaria2
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceRonisHolanda
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 

Kürzlich hochgeladen (20)

A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 

Tipos de Poesias

  • 1. Colégio Estadual São José Tipos de Poesias Equipe:Socorro,Everlandia,Gardênia e Lidiane. Série: 1ºD Profª Mirla
  • 2. Tipos de Poesias Haicaí Soneto Balada Rondó Vilancete Cordel
  • 3. Haicaí Haicai é um poema de origem japonesa, que chegou ao Brasil no inicio do século 20 e hoje conta com muitos praticantes e estudiosos brasileiros. No Japão, e na maioria dos paises do mundo, é conhecido como haiku . Segundo Harold G. Henderson, em Haiku in English , o haicai classico japones obedece a quatro regras: Consiste em 17 silabas japonesas, divididas em três versos de 5,6 e 7silabas ; Conta com alguma referência a natureza (diferente da natureza humana); Refere-se a um evento particular (ou seja, não é uma generalização); Apresenta tal evento como "acontecendo agora", e não no passado.
  • 4. Exemplo de Haicaí SÓ UM MOMENTO A parede nem marrom nem laranja o som da frigideira à noite um poema incompreensível de Pessoa eu uso fugaz esse é o meu narcótico mais ou menos como uma pedra de crack de haikai um samba do crioulo out um não me importo que eu já volto
  • 5. o conde de montecristo e sua vida tão difícil o nado errado que dá dor nas costas o mapa da lua que não servia pra nada eu me dou minha quota em momentos momento é coisa das estampas de mim mesmo aqui-agora e realidade não tem nada a ver com momento por que momento é muito mais simples e mais legal e: é.
  • 6. Soneto O soneto é uma composição de forma fixa,com 14 versos,dispostos em 4 estrofes(ou estâncias),sendo dois quartetos e dois tercetos.De origem controversa,o soneto teve em Petrarca(1304-1374),a organização do conteúdo em forma fixa,que serviu de modelo em toda a Europa.
  • 7. Amor é fogo que arde sem se ver É ferida que dói e não se sente É um contentamento descontente É dor que desatina sem doer É um querer mais que bem querer É solitário andar por entre a gente É nunca contentar-se de contente É cuidar que se ganha em se perder É querer estar preso por vontade Exemplo de Soneto
  • 8. É servir a quem vence, o vencedor É ter com quem nos mata lealdade; Mas como causar pode seu favor, nos corações humanos amizade, Se tão contràrio a si é o mesmo amor? LUIS DE CAMÕES
  • 9. Balada • O termo vem do Francês ballade que por sua vez originou-se do Baixo Latim ballare, significando dançar. Como termo literário, ballade surgiu no século XIII, com o poeta Adam de La Hall. A balada envolve duas formas líricas convergentes e distintas que é preciso diferenciar.
  • 10. Exemplo de Balada Amanhã talvez Amanhã talvez o sol volte a brilhar, meus lábios passem a sorrir, meu olhar se torne mais doce, meu coração passe a brilhar mais. Amanhã talvez eu consiga voltar a olhar em frente, ganhar forças, coragem para lutar e poder voar. No hoje, restam-me simplesmente as fraquezas do ontem. Amanhã talvez eu consiga caminhar em frente. Amanhã talvez eu consiga esquecer o hoje, o ontem, o passado; e voltar a fortalecer minhas asas já cansadas, para poder voltar a voar ao vento, ao frio, ao calor, ao sofrimento.
  • 11. Rondó É um poema de treze versos, distribuídos em três estrofes, sendo duas quadras seguidas de uma quintilha , de forma que os dois primeiros versos da primeira quadra se repetem no final da segunda, e o primeiro verso da quadra inicial repete no fecho da quintilha, assim: ABab|abAB|abbaA. As maiúsculas representam os versos que são repetidos como estribilho. O rondel não obedece a esquema fixo de rimas nem de metro; entretanto utiliza, de preferência, versos de sete ou oito sílabas. Como exemplo, Bilac e as duas primeiras estrofes de Marinha (com uma ligeira variante na rima da segunda baAB):• Rondó vem do francês arcaico rondel, ronde que, por sua vez, originou-se do Latim rotundu , e significa redondo, em forma de roda. Foi Inventado ao mesmo tempo em que o rondó e, por isso mesmo, por ele confundido, sobretudo, no século XVI. Serve aos galanteios amorosos e aos sentimentos delicados. •
  • 12. Exemplo de Rondó No calor da madrugada Quando chegar a madrugada E o meu corpo em ti buscar o amor Vou desenhar-me na tua pele E antes que a manhã se revele Sorverei o teu sabor Seremos além de amantes Comandados comandantes A caça e o caçador Quando chegar a madrugada Vou salpicar de estrelas Teu suor sobre o lençol E em suave melodia No encontro da noite com o dia
  • 13. Vilancete Vilancete (ou Vilancico) era uma forma poética comum na Península Ibérica, na época da Renascença. Os vilancetes podiam também ser adaptados para música: muitos compositores ibéricos dos séculos XV e XVI, como Juan del Encina ou o português Pedro de Escobar compuseram vilancetes musicais. Este tipo de poema tem um mote - o início do poema que, na música, funciona como refrão - seguido de uma ou mais estrofes - as voltas, coplas ou glosas - cada uma com 7 versos. A diferença entre o vilancete e a cantiga depende do número de versos no mote: se houver 2 ou 3 é um vilancete, se houver 4 ou mais é uma cantiga. Cada verso de um vilancete está normalmente dividido em cinco ou sete sílabas métricas ("medida velha").Se o último verso do mote se repetir no fim da estrofe, diz-se que o vilancete é perfeito.
  • 14. EXEMPLO DE VILANCETE Mote:) Enforquei minha Esperança; Mas Amor foi tão madraço, Que lhe cortou o baraço. (Volta:) Foi a Esperança julgada Por setença da Ventura Que, pois me teve à pendura, Que fosse dependurada: Vem Cupido com a espada, Corta-lhe cerce o baraço. Cupido, foste madraço. LUIS DE CAMÕES
  • 15.
  • 16.
  • 17.