Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Brasil República

4.516 Aufrufe

Veröffentlicht am

Apresentação em ppoint sobre Brasil República, incluindo República Velha, Era Vargas, Populismo Democrático, Ditadura Civil-militar e Nova República.

  • Loggen Sie sich ein, um Kommentare anzuzeigen.

Brasil República

  1. 1. República Velha (1889 – 1930)
  2. 2. Governo Provisório <ul><li>O Brasil mudava a forma de governo sem revolucionar a sociedade. </li></ul><ul><li>Nas primeiras deliberações o gov. prov. revelou seu caráter conservador – sua pcp missão era manter a Ordem pública e o Direito de propriedade. </li></ul><ul><li>Para acalmar outros países, o gov. comprometeu-se em assumir as dívidas da monarquia. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Primeiras medidas: </li></ul><ul><li>Federalismo: províncias = Estados-membros c/ maior autonomia. </li></ul><ul><li>Separação entre Igreja e Estado – fim do padroado. </li></ul><ul><li>Passamos a ter o casamento e registro de nascimento civil. </li></ul><ul><li>Grande naturalização. </li></ul><ul><li>Bandeira. </li></ul><ul><li>Assembléia Constituinte - elaborar a 1ª constituição da República. </li></ul>
  4. 4. Encilhamento – 01/1890 <ul><li>Medida de XG impacto tomada e executada por Rui Barbosa – obj.: incentivar a industrialização brasileira. </li></ul><ul><li>Vamos ter XXGG emissão de $ - aumentar a moeda circulante, facilitar o crédito. </li></ul><ul><li>Resultado: XXXGGG inflação, empresas fantasmas, especulação n bolsa do RJ, desorganização econômica. </li></ul><ul><li>Cafeicultores = pressão, pois querem uma política que valorize o Café. </li></ul>
  5. 5. 1ª Const. Republicana (1891) <ul><li>Forma de Governo: República </li></ul><ul><li>Forma de Estado: Federalismo </li></ul><ul><li>Sistema de Governo: Presidencialismo </li></ul><ul><li>Divisão dos poderes: os 3 normais </li></ul><ul><li>Voto: brasileiros maiores de 21 exceto analfabetos, mendigos, soldados e mulheres. </li></ul><ul><li>Voto aberto – pressão na votação. </li></ul>
  6. 6. Gov. Const. De Deodoro (1891) <ul><li>Congresso nacional elegeu o 1° presidente, Deodoro que tinha apoio dos militares. </li></ul><ul><li>O vice eleito era Floriano, vice da outra chapa, com apoio dos cafeicultores. </li></ul><ul><li>Ou seja, Deodoro não tem apoio político suficiente para governar, nem o vice é seu aliado. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Oposição no Congresso (cafeicultores); </li></ul><ul><li>Congresso tenta aprovar a Lei das Responsabilidades – culpar o presidente pela crise econômica; </li></ul><ul><li>Deodoro fecha o congresso; </li></ul><ul><li>Brasil a beira de uma guerra civil – encilhamento; </li></ul><ul><li>Deodoro abandona o poder. </li></ul><ul><li>Essa república já começou mal!!! </li></ul>
  8. 8. Gov. de F. Peixoto (1891 – 1894) <ul><li>Vai enfrentar e vencer as revoltas; </li></ul><ul><li>Consolidar a República no Brasil; </li></ul><ul><li>Apoio do Congresso; </li></ul><ul><li>Oposição  inconstitucionalidade do governo, pois Peixoto era vice. </li></ul><ul><li>Política de Conciliação, voltada para a elite, classe média e popular: agroexportação, crédito, baixa os aluguéis, pescado e sistema de casa própria. </li></ul>
  9. 9. Revoltas que F. Peixoto enfrenta <ul><li>Revolta da Armada (1893): </li></ul><ul><li>RJ – tentativa da marinha tomar o poder com o Alm. Custódio de Melo. </li></ul><ul><li>Bombardeiam o RJ e se juntam com os revoltosos do Sul. </li></ul><ul><li>Revolução Federalista (1893 – 1895) </li></ul><ul><li>Disputa entre duas facções políticas no RS; </li></ul><ul><li>Pica-paus X Maragatos; </li></ul><ul><li>Centralização X Federalismo; </li></ul><ul><li>Júlio de Castilhos X Gaspar Silveira Martins. </li></ul>
  10. 10. República Oligárquica (1894 – 1930) <ul><li>Política do Café com Leite – troca de favores; </li></ul><ul><li>Política dos Governadores – troca de favores; </li></ul><ul><li>Coronelismo – troca de favores; </li></ul><ul><li>Voto de Cabresto – eleições fraudulentas; </li></ul><ul><li>Comissão Verificadora – aprovar os nomes dos eleitos; </li></ul><ul><li>Política de Valorização do Café – 1906 – Acordo de Taubaté. </li></ul>
  11. 11. Coronelismo <ul><li>Economia fundamentalmente agrícola – 70% da população esta no campo (1920). </li></ul><ul><li>Sociedade agrícola – Coronéis – XG poder. </li></ul><ul><li>Empregam muitos por salários miseráveis que p/ sobreviver dependiam dos favores dos coronéis -- $ emprestado, auxílio na educação e saúde, etc. </li></ul>
  12. 12. Voto de cabresto <ul><li>Em troca dos favores: </li></ul><ul><li>O coronel exigia que as pessoas votassem nos seus candidatos. </li></ul><ul><li>Quem desobedecesse perdia seus favores e estava sujeito a ação dos jagunços e capangas. </li></ul><ul><li>Voto aberto – sob pressão – voto de cabresto. </li></ul><ul><li>Temos ainda as fraudes – documentos falsificados, urnas violadas e votos adulterados. </li></ul>
  13. 13. Política dos Governadores <ul><li>Criada por Campos Sales (1898 – 1902), o idealizador das alianças entre o Gov. Federal e Estadual. </li></ul><ul><li>Presidente: respeita e apóia as decisões do Gov. Estadual. </li></ul><ul><li>Governador: ajuda a eleger p/ o Congresso, deputados simpáticos ao presidente. </li></ul><ul><li>Ou seja, uma troca de favores. </li></ul>
  14. 14. <ul><li>A Política dos governadores reproduzia a nível federal a rede de compromissos que ligavam coronéis e governo dentro do estado. </li></ul><ul><li>Havia no Congresso a Comissão Verificadora – deveria julgar os resultados eleitorais. </li></ul><ul><li>Aprovava candidatos da situação e não reconheci os nomes eleitos da oposição. </li></ul><ul><li>A eliminação dos nomes – Degola. </li></ul>
  15. 15. Política do Café com Leite <ul><li>Através das alianças e favores as Oligarquias agrárias controlaram o poder durante a Rep. Velha – organizadas em dois partidos – PRP e PRM. </li></ul><ul><li>Faziam coligações com oligarquias de outros estados. </li></ul><ul><li>Quase todos os presidentes foram eleitos com o apoio dos paulistas e mineiros. </li></ul><ul><li>SP = café MG = 2° em café e destaque p/ o leite </li></ul><ul><li>Aliança entre PRP e PRM = Café c/ Leite </li></ul>
  16. 16. Economia da República Velha <ul><li>Café: líder das exportações </li></ul><ul><li>Representava mais de 50% das exportações, Brasil atendeu 2/3 do consumo mundial. </li></ul><ul><li>Condições favoráveis p/ o plantio. </li></ul><ul><li>Utilização dos imigrantes – contribuíram para aumentar a capacidade de produção. </li></ul><ul><li>Houve lucro - + investimentos nas fazendas, logo a produção ultrapassa o consumo. </li></ul><ul><li>Início do XX – crises de superprodução. </li></ul><ul><li>Queda nos preços; </li></ul><ul><li>Acúmulo de estoques invendáveis – 1905 – 11 milhões de sacas de 60kg – 70% do consumo mundial em um ano. </li></ul>
  17. 17. Convênio de Taubaté (1906) <ul><li>Reunião de cafeicultores – soluções para a superprodução. </li></ul><ul><li>Governo comprasse o que ultrapassasse a procura do mercado p/ depois ser vendido quando os preços se normalizassem. </li></ul><ul><li>P/ comprar o governo fazia empréstimos. </li></ul><ul><li>Estoques crescem. </li></ul><ul><li>Preços mantidos artificialmente. </li></ul><ul><li>Cafeicultores continuam tendo lucros e aumentando a produção do café. </li></ul>
  18. 18. <ul><li>Açúcar: mercado interno – concorrência internacional. </li></ul><ul><li>Algodão: concorrência com os EUA – auge 1861 – 1870. Após temos decadência. Passa para o mercado interno. </li></ul><ul><li>Borracha: 1840 – intensa procura dos países industrializados. Brasil passa a suprir praticamente toda a demanda mundial. Mas a produção é insuficiente. Ing e Hol investem na Malásia, Ceilão e Indonésia. 1920 – decadência. </li></ul><ul><li>Cacau: semelhante a borracha – Ing investe na Costa do Ouro – XG exportador. </li></ul>
  19. 19. Indústria <ul><li>Crescimento das Indústrias ganhou novo impulso – SP. Onde estavam os + importantes cafeicultores. </li></ul><ul><li>Crises de superprodução – muitos fazendeiros invistam parte os lucros na indústria. </li></ul><ul><li>Muitos imigrantes desiludidos com o campo – vão para a cidade – mão de obra ns fábricas. </li></ul><ul><li>Passo a passo a indústria conquista sua parcela no mercado interno. </li></ul><ul><li>Aos poucos a indústria modifica a estrutura socioeconômica do Brasil – setores urbanos, classe média e proletariado passam a exigir maior participação política. </li></ul>
  20. 20. Lutas Operárias <ul><li>Péssimas condições de trabalho: </li></ul><ul><li>Seg a Sab – 15 horas/dia; </li></ul><ul><li>Salários baixos; </li></ul><ul><li>Sem férias, horas extras e demais direitos trabalhistas; </li></ul><ul><li>Instalações fabris precárias – freqüentes acidentes. </li></ul><ul><li>Protestos e reivindicações – primeiros sindicatos – ANARQUISMO. </li></ul>
  21. 21. 1922 – Fundação do PCB <ul><li>Inspirado na vitória comunista na Rússia – no Brasil foi bem recebido pelos líderes operários. </li></ul><ul><li>Logo após sua fundação foi posto na clandestinidade: Por quê? </li></ul><ul><li>Comandado pelo estrangeiro; </li></ul><ul><li>Contrário a ordem pública do país. </li></ul>
  22. 22. Greve geral de 1917 <ul><li>07/1917 – Org. em SP – 1ª greve geral da história do Brasil. </li></ul><ul><li>Estopim: morte de operário em confronto com a polícia. </li></ul><ul><li>Paralisação atinge toda a cidade de SP e outras regiões do país – conflitos entre trabalhadores e polícia. </li></ul><ul><li>Movimento assusta patrões – negociar. Prometem melhores salários e condições de trabalho (também não punir grevistas). </li></ul><ul><li>Concessões provisórias: Washington Luis = “questão social é caso de polícia”. Revolta de trabalhadores devia ser contida na cacetada. </li></ul>
  23. 23. Revoltas da República Velha <ul><li>Revoltas Messiânicas: </li></ul><ul><li>Revolta de Canudos (1893 – 1897): </li></ul><ul><li>Mov. Messiânico; </li></ul><ul><li>Miséria da região; </li></ul><ul><li>Beato: Antonio Conselheiro que funda no Arraial de Canudos a cidade de Santa de Belo Monte. Monarquia Celestial, busca a igualdade entre as classes; </li></ul><ul><li>Questiona a República. </li></ul>
  24. 24. <ul><li>Guerra do Contestado (1912 – 1916) </li></ul><ul><li>Disputa de terras entre SC e PR; </li></ul><ul><li>Movimento Messiânico; </li></ul><ul><li>No séc. XIX devido a exploração dos caboclos – surge um beato – João Maria; </li></ul><ul><li>No início do XX a exploração é também por empresas estrangeiras – clima de miséria; </li></ul><ul><li>Surge um novo beato – José Maria que busca por uma sociedade igualitária, Monarquia Celestial – semelhante a Canudos, não obedecia as ordens da Rep. Velha. </li></ul><ul><li>Foram violentamente perseguidos pelos coronéis, donos das empresas estrangeiras e pelo exército. </li></ul>
  25. 25. <ul><li>Revolta da Vacina (1904) </li></ul><ul><li>Reação popular nas ruas do Rio de Janeiro, uma cidade com graves problemas urbanos e sociais; </li></ul><ul><li>Havia o desejo de transformar o Rio no cartão postal da República. Com isso tivemos o inicio de obras de modernização. </li></ul><ul><li>Para as epidemias, Osvaldo Cruz – Lei da vacina Obrigatória. </li></ul><ul><li>População reage: agressão física e moral da vacina. </li></ul><ul><li>Pobreza da população é outro motivo. </li></ul>
  26. 26. <ul><li>Revolta da Chibata (1910) </li></ul><ul><li>Causas: maus tratos na Marinha, péssima alimentação, baixos soldos, falta de promoções (academia militar só recebia brancos ricos); </li></ul><ul><li>Líder: João Cândido </li></ul><ul><li>Governo promete mas depois reprime. </li></ul><ul><li>Novo levante: O Alm. Negro é preso mas acaba com a chibata na marinha. É absolvido em 1912. </li></ul>
  27. 27. <ul><li>Cangaço – violência no sertão. </li></ul><ul><li>Situação: miséria, injustiça dos coronéis, fome e seca. </li></ul><ul><li>A situação contribui para a formação de bandos armados – cangaceiros. </li></ul><ul><li>Forma pura e simples de banditismo e criminalidade? </li></ul><ul><li>Forma de banditismo social – revolta contra a opressão e miséria dos nordestinos? </li></ul><ul><li>+ importantes: Antônio Silvino (1900) e Virgulino Ferreira (1920). </li></ul><ul><li>Após o massacre do bando de Lampião em 1939 pela polícia, o cangaço praticamente desapareceu do nordeste. </li></ul>
  28. 28. Tenentismo <ul><li>Movimento das camadas médias militares: </li></ul><ul><li>Participação política; </li></ul><ul><li>Voto secreto; </li></ul><ul><li>Voto para todos; </li></ul><ul><li>Melhorias na educação; </li></ul><ul><li>Busca da melhoria social; </li></ul><ul><li>Criação de uma Justiça Eleitoral; </li></ul><ul><li>Combate ao Latifúndio; </li></ul><ul><li>Política econômica nacionalista e industrializante. </li></ul><ul><li>Condenavam: </li></ul><ul><li>Voto de Cabresto; </li></ul><ul><li>Corrupção eleitoral; </li></ul><ul><li>Coronelismo; </li></ul><ul><li>Política dos Governadores; </li></ul><ul><li>Política do Café com Leite. </li></ul>
  29. 29. <ul><li>1922 – Levante do Forte de Copacabana: </li></ul><ul><li>Querem impedir a posse de Artur Bernardes; </li></ul><ul><li>Imediata reação do governo; </li></ul><ul><li>Rebeldes saem a rua lutar contra uma brutal superioridade das forças governamentais; </li></ul><ul><li>Ficou conhecida como Os 18 do Forte. </li></ul><ul><li>Revolta de 1924: </li></ul><ul><li>Revolucionários ocupam locais estratégicos em São Paulo; </li></ul><ul><li>Gov. paulista foge para reorganizar a reação. </li></ul><ul><li>Não havendo condições de resistir, o General Isidoro Dias Lopes forma a Coluna Paulista que tinha como objetivo continuar a luta contra o governo levando a revolução para outros Estados. </li></ul>
  30. 30. Coluna Prestes (1925 – 1927) <ul><li>Líder: Luis Carlos Prestes; </li></ul><ul><li>Busca a ampliação da luta tenentista; </li></ul><ul><li>Nasce no RS, une-se a Coluna Paulista no PR, vai até o Nordeste e se dissolve na Bolívia; </li></ul><ul><li>Movimento tenta ganhar simpatizantes para o tenentismo com a finalidade de formar um movimento forte para derrubar a Oligarquia; </li></ul><ul><li>Falta unidade, movimento passa a ser somente contra Artur Bernardes. </li></ul>
  31. 31. Semana de Arte Moderna - 1922 <ul><li>Rebelião cultural; </li></ul><ul><li>Busca do abrasileiramento do Brasil – um padrão cultural nacional; </li></ul><ul><li>Questiona a republica Oligárquica; </li></ul><ul><li>Romper com o padrão estético cultural externo; </li></ul><ul><li>Forte reação dos setores conservadores, mas com o tempo as obras e idéias novas conseguiram se impor na cultura brasileira; </li></ul><ul><li>“ Tupi or not Tupi, that is the question” – Manifesto Antropofágico. </li></ul>
  32. 32. Enquanto isso no mundo: Crise de 29 <ul><li>Caracterizou-se como uma crise de superprodução; </li></ul><ul><li>Falta de opções para aplicação de capitais; </li></ul><ul><li>Queda dos lucros; </li></ul><ul><li>Retração geral da produção industrial; </li></ul><ul><li>Paralisação do comércio; </li></ul><ul><li>Culminou com o Crack da Bolsa de Nova Iorque 10/1929 – Quinta feira negra. </li></ul><ul><li>Crise repercutiu praticamente no mundo todo, exceto na Rússia que vinha desenvolvendo sua economia sem muita dependência das finanças externas. </li></ul>
  33. 33. Agonia da República Velha <ul><li>Crise de 29 – Desestruturação da Oligarquia cafeeira; </li></ul><ul><li>Rompimento da Política do Café com Leite. Indicação do paulista Júlio Prestes; </li></ul><ul><li>Formação da Aliança Liberal – Oligarquia dissidente cuja plataforma de compromisso têm: nacionalização, projetos trabalhistas, melhoria de vida social dos trabalhadores em geral; </li></ul><ul><li>Eleições de 1930 – vence Júlio Prestes – fraudes; </li></ul><ul><li>Morte de João Pessoa – vice da Aliança liberal, o estopim do movimento. </li></ul>
  34. 34. Era Vargas (1930 – 1945) <ul><li>Populismo; </li></ul><ul><li>Nacionalismo; </li></ul><ul><li>Líder carismático; </li></ul><ul><li>Paternalista; </li></ul><ul><li>Unipartidarismo; </li></ul><ul><li>K não dependente; </li></ul><ul><li>Anti-comunismo; </li></ul><ul><li>Ambíguo: elite ou povo </li></ul><ul><li>“ Um populista ama o povo mas acima de tudo ama o poder.” </li></ul>
  35. 35. Governo Provisório (1930 – 1934) <ul><li>Vargas mostra suas garras; </li></ul><ul><li>Fecha o Congresso (cafeicultores); </li></ul><ul><li>Interventores nos Estados (aliados); </li></ul><ul><li>Vargas com amplos poderes; </li></ul><ul><li>Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio; </li></ul><ul><li>Ministério da Educação e Saúde Pública; </li></ul><ul><li>Conselho Nacional do Café (substitui o Convênio de Taubaté); </li></ul>
  36. 36. Revolução Constitucionalista de 32 <ul><li>Tenentes depois de dois anos rompem com Vargas, percebem suas manobras políticas para ficar no poder; </li></ul><ul><li>1932 – Revolução Constitucionalista de São Paulo: Movimento reacionário da oligarquia paulista. Houve derrota militar mas suas reivindicações foram atendidas. </li></ul><ul><li>Constituição de 1934: liberal e centralizadora. Voto secreto, Direitos trabalhistas e Nacionalismo econômico; </li></ul><ul><li>Voto feminino, leis trabalhistas, representação classista no Poder Legislativo,... </li></ul>
  37. 37. Governo Constitucional (1934 –1937) <ul><li>Ação Integralista Brasileira: </li></ul><ul><li>Combate ao comunismo; </li></ul><ul><li>Nacionalismo exacerbado; </li></ul><ul><li>Estado todo-poderoso; </li></ul><ul><li>Disciplina e Hierarquia na sociedade; </li></ul><ul><li>Censura às atividades artísticas; </li></ul><ul><li>Entrega do poder a um único chefe integralista; </li></ul><ul><li>Plínio Salgado. </li></ul><ul><li>Aliança Nacional Libertadora: </li></ul><ul><li>Várias tendências, a principal era a comunista; </li></ul><ul><li>Nacionalização das empresas estrangeiras; </li></ul><ul><li>Não pagamento da dívida externa brasileira; </li></ul><ul><li>Reforma agrária distribuindo terra e combatendo o latifúndio; </li></ul><ul><li>Luis Carlos Prestes. </li></ul>Polarização ideológica:
  38. 38. <ul><li>1935 Vargas coloca a ANL na ilegalidade – “movimento controlado por perigosos comunistas”; </li></ul><ul><li>Alguns tenentes simpáticos a causa socialista fazem revoltas em alguns quartéis no RS, PE e RN; </li></ul><ul><li>Todos prontamente dominados pelas forças governamentais; </li></ul><ul><li>Serviu de pretexto para o governo se tornar ainda mais autoritário. Em nome do “perigo comunista” fora presos diversos sindicalistas, militares e intelectuais acusados de atividades subversivas. </li></ul>Intentona Comunista - 1935 Pesquisas recentes revelam os estreitos laços entre os comunistas brasileiros e a Internacional Comunista. Mostram a ação, no Rio de Janeiro, da primeira filial dos serviços secretos de Moscou, da qual faria parte Olga Benário. A partir de informações retorcidas, transmitidas por Prestes a Internacional autorizou o levante que fracassou.
  39. 39. Estado Novo (1937 – 1945) <ul><li>Ditadura civil de Vargas; </li></ul><ul><li>Constituição de 1937 – “polaca” de tendência fascista cujo mentor foi Francisco Campos, “Chico ciência”; </li></ul><ul><li>Fecha o congresso; </li></ul><ul><li>Coloca interventores nos Estados (pessoas de sua confiança); </li></ul><ul><li>Institucionalização da ditadura de Vargas - constituição </li></ul><ul><li>Para garantir o Estada forte: </li></ul><ul><li>DASP: Departamento Administrativo do Serviço Público – Fiscais dos gov. estaduais; </li></ul><ul><li>DIP: Departamento de Imprensa e Propaganda – Censura e Voz do Brasil; </li></ul><ul><li>UNE: Vigiar os estudantes; </li></ul><ul><li>Polícia Secreta: Filinto Muller - Vigia, prende, pune e mata. </li></ul>
  40. 40. Estado Novo na Segunda Guerra Mundial <ul><li>Vargas no princípio mantém a Neutralidade; </li></ul><ul><li>No seu governo havia simpatizantes do Eixo (Francisco Campos) e dos Aliados (Oswaldo Aranha). </li></ul><ul><li>A partir de 1941 Vargas passa a apoiar os Aliados e em troca recebe financiamento para a Usina de Volta Redonda; </li></ul><ul><li>Brasil passa a fornecer borracha e ferro e permite a instalação de bases no Nordeste; </li></ul><ul><li>Alemanha reage – torpedeamento de navios; </li></ul><ul><li>31/08/1942 Vargas declara guerra ao Eixo; </li></ul><ul><li>1944 a FEB vai a luta na Itália – Monte Castelo, Castelnuovo, Collechio e Fornovo. </li></ul>
  41. 41. Política Econômica do Estado Novo <ul><li>Vargas procura estabilizar cafeicultura; </li></ul><ul><li>Diversificar a produção agrícola; </li></ul><ul><li>Estimular o desenvolvimento industrial – substituir as importações. </li></ul>Trabalhismo <ul><li>Atrelamento sindical – pelegos; </li></ul><ul><li>1943 as leis trabalhistas criadas são reunidas na CLT </li></ul>
  42. 42. Esgotamento do Estado Novo <ul><li>Manifesto dos Mineiros: </li></ul><ul><li>Movimento da classe média intelectualizada (advogados, professores, jornalistas...) que pregam a democratização do Brasil sem Vargas; </li></ul><ul><li>Reação: QUERENISMO. Campanha pró-Vargas; </li></ul><ul><li>Mas renuncia em 10/1945, depois de promover a reorganização democrática, com a regulamentação eleitoral e abertura partidária. </li></ul><ul><li>Obs.: Vargas não abandona a política, é eleito senador pelo RS. </li></ul>
  43. 43. Governo Dutra (1946 – 1951) <ul><li>Constituição de 1946 – Liberal e democrática; </li></ul><ul><li>Plano Salte (Saúde, Alimentação, Transporte e Energia) – setores prioritários; </li></ul><ul><li>Política econômica liberal, abandona o nacionalismo econômico de Vargas, abre o país para os interesses estrangeiros; </li></ul><ul><li>Alinhamento com os EUA, rompe com a URSS (1946) e coloca na ilegalidade o PCB (1947) – Clima de Guerra Fria. </li></ul>
  44. 44. Nos braços do povo (1951 – 1954) <ul><li>Pai dos pobres – volta do Populismo, Nacionalismo e o Trabalhismo; </li></ul><ul><li>Campanha o “Petróleo é Nosso” – criação da Petrobrás; </li></ul><ul><li>Incentivo ao ensino e pesquisa – CAPES; </li></ul><ul><li>Remete ao congresso uma lei que impedia a remessa de lucros excessivos para o exterior </li></ul><ul><li>Ministro João Goulart aumenta o salário em 100%; </li></ul><ul><li>Clima de agitação a vista!!! </li></ul>
  45. 45. <ul><li>Oposição ao governo de Vargas: UDN, militares, multinacionais, empresários, classe média, Carlos Lacerda...e EUA; </li></ul><ul><li>Havia o medo da formação de uma “República Sindicalista” com Vargas; </li></ul><ul><li>Atentado da rua Toneleiros 5/08/1954; </li></ul><ul><li>Manifestações pedem o afastamento de Vargas que se recusa a abandonar o poder; </li></ul><ul><li>Isolado suicidou-se com um tiro no coração. </li></ul>
  46. 46. 17 meses se passam... <ul><li>João Café Filho – vice eleito de Vargas, sai por razões de saúde; </li></ul><ul><li>Carlos Coimbra da Luz – presidente da câmara dos deputados, toma um golpe e é retirado do governo; </li></ul><ul><li>Nereu Ramos – presidente do senado, depois dele só o JK!! </li></ul>
  47. 47. Juscelino Kubitschek (1956–1961) <ul><li>Governo jovem, com muitos sonhos, quer governar o Brasil rumo a modernidade; </li></ul><ul><li>50 anos em 5 de governo; </li></ul><ul><li>Substitui o Nacionalismo de Vargas pelo desenvolvimentismo; </li></ul><ul><li>Sua política econômica estava estabelecida no Plano de Metas: Energia, Transporte, Alimentação, Indústria de Base e Educação. </li></ul>
  48. 48. <ul><li>Planos audaciosos que necessitam de muito dinheiro; </li></ul><ul><li>Construção de Brasília; </li></ul><ul><li>Cria a SUDENE – queria a modernização do Nordeste (com o Sarney é p/ a seca dos coronéis); </li></ul><ul><li>Abertura do K às empresas estrangeiras – automobilísticas pois representam modernidade; </li></ul><ul><li>Aumento considerável de empréstimos; </li></ul>
  49. 49. <ul><li>O modelo Desenvolvimentistas de JK pagou um alto preço: abertura ao K estrangeiro, submissão à hegemonia dos EUA; </li></ul><ul><li>O resultado disso foi um descontrole inflacionário que pesou sobre a população; </li></ul><ul><li>JK rompe com o FMI e tente retornar a um nacionalismo, ms é tarde demais... </li></ul><ul><li>A UDN se fortalece, apóia um candidato que “felomenal”!!!! </li></ul>
  50. 50. Jânio Quadros (1961) <ul><li>Governa apenas 8 meses; </li></ul><ul><li>Austeridade econômica; </li></ul><ul><li>Política externa independente; </li></ul><ul><li>Combater os fantasmas do serviço público; </li></ul><ul><li>Bilhetava para tudo – tinha força de decretos; </li></ul><ul><li>Autoritário, isola-se dos políticos a da política; </li></ul><ul><li>Reata relações com a URSS; </li></ul>
  51. 52. Onze dias que abalaram o Brasil <ul><li>Ministros militares vislumbram um momento propício para tomar o poder e passam a exigir o afastamento de Jango; </li></ul><ul><li>Forças legalistas erguem-se no país; </li></ul><ul><li>No RS Brizola + III Exército + BM lançam a Legalidade; </li></ul><ul><li>Problema resolvido na diplomacia de T. Neves. </li></ul>
  52. 53. João Goulart (1961 – 1964) <ul><li>1961 – 1963  Parlamentarismo, Jango com poderes limitados; </li></ul><ul><li>Busca apoio nos partidos, visita os EUA; </li></ul><ul><li>01/1963  Plebiscito = Presidencialismo; </li></ul><ul><li>1963 – Plano Trienal – nacionalista, quer diminuir as desigualdades sociais; </li></ul><ul><li>13/03/1964 – Comício na estrada de ferro Central do Brasil Jango lança as Reformas de Base: </li></ul>
  53. 54. <ul><li>Reforma Agrária = democratizar o acesso à terra; </li></ul><ul><li>Reforma Tributária = menor desigualdade na divisão social dos encargos fiscais; </li></ul><ul><li>Reforma Urbana = combate a pobreza nas cidades; </li></ul><ul><li>Reforma Bancária = acesso ao crédito; </li></ul><ul><li>Reforma Educacional = valorização o ensino público em todos os níveis. </li></ul><ul><li>REAÇÃO: Marcha da Família com Deus pela Liberdade – 400 mil pessoas (donas de casa, freiras, padres) foi a carta branca para que as forças conservadoras civis e militares consolidassem sua organização. </li></ul>
  54. 57. <ul><li>30/03/1964  Discurso no Automóvel Clube Jango reafirma as Reformas de Base e também ataca as forças golpistas, o que precipita os acontecimentos. </li></ul><ul><li>31/03/1964  Golpe Civil-militar onde tropas de Minas marcham para o Rio de Janeiro depondo Jango. </li></ul><ul><li>1/04/1964  Jango vai para POA onde Brizola tenta em vão esboçar uma resistência, 3 dias depois Jango estava exilado no Uruguai. </li></ul>
  55. 58. Ditadura Militar (1964 – 1985) <ul><li>Linha dura = Costa e Silva e Médici; </li></ul><ul><li>Linha Moderada = Castelo Branco, Geisel e Figueiredo; </li></ul><ul><li>Ambas combatem o comunismo </li></ul>
  56. 59. Características da Ditadura: <ul><li>Autoritarismo; </li></ul><ul><li>Centralismo – democracia de fachada; </li></ul><ul><li>Atos institucionais; </li></ul><ul><li>Lei de Imprensa – Censura; </li></ul><ul><li>Lei de Segurança Nacional – Tribunal militar, todos são julgados pelos militares com severas punições; </li></ul><ul><li>Quando a Ordem é Segurança e o Progresso é Desenvolvimento. </li></ul><ul><li>Logo após o golpe quem governa o Brasil é um Tribunal Revolucionário formado pela Marinha, Exército e Aeronáutica. </li></ul><ul><li>AI-1 – preserva a constituição de 1946 com modificações: ELEIÇÕES INDIRETAS E PODER DE CASSAÇÃO PARA PRESIDENTE. </li></ul>
  57. 60. Castelo Branco (1964 – 1967) <ul><li>Centralismo, fortalece o executivo; </li></ul><ul><li>Rompe com a URSS e Cuba; </li></ul><ul><li>Brasil ingressa num modelo econômico de desenvolvimento interno a partir do K externo – modernização conservadora; </li></ul><ul><li>AI- 2 (1965) – extingue os partidos políticos. Ato comp. n. 4 cria o bipartidarismo. </li></ul><ul><li>AI- 3 (1966) – indiretas para governos estaduais e capitais. </li></ul><ul><li>AI- 4 (1966) – estabelece os nomes para nova constituição. </li></ul>
  58. 61. Costa e Silva (1967 – 1969) <ul><li>Linha dura; </li></ul><ul><li>Enfrenta a Frente Ampla – JK, Jango, C. Lacerda,... Buscam a redemocratização do país; </li></ul><ul><li>Ações da UNE: morte de Edson Luis; </li></ul><ul><li>Greves de operários em SP e MG; </li></ul><ul><li>REAÇÃO: criado o CCC, fechado o Congresso e editado o AI- 5. </li></ul>
  59. 62. Médici (1969 – 1974) <ul><li>Campeão ditatorial; </li></ul><ul><li>Adota política de acordo com o K externo – tecnocracia; </li></ul><ul><li>Propaganda ufanista; </li></ul><ul><li>Enfrenta grupos guerrilheiros: MR-8 e Araguaia; </li></ul><ul><li>DOI-CODI funcionou como nunca! </li></ul>
  60. 63. <ul><li>Grandes projetos: Transamazônica, Ponte Rio-Niterói, inicia o projeto nuclear. </li></ul><ul><li>1968 – 1974 = Milagre econômico brasileiro. Crescimento falso que não resiste as crises mundiais com 1973 – Crise do Petróleo, o Milagre acabou! </li></ul><ul><li>Início de uma longa e amarga crise e a Ditadura não garantia o desenvolvimento nem a estabilidade. </li></ul>
  61. 64. Geisel (1974 – 1979) <ul><li>Abertura lenta, gradual e segura; </li></ul><ul><li>Incentivo ao Pró-álcool; </li></ul><ul><li>Diminuição da censura, mas o regime continua fechado e a repressão ainda existe; </li></ul><ul><li>10/1975 – V. Herzog morto no DOI-CODI/SP </li></ul><ul><li>01/1976 – Manuel Fiel Filho morto no DOI-CODI/SP </li></ul>
  62. 65. <ul><li>Geisel enfrenta a linha dura que não aceita a abertura; </li></ul><ul><li>Lei Falcão (1976): limitava o uso do rádio e TV por candidatos; </li></ul><ul><li>Pacote de Abril (1977): Reformas no judiciário e reformas políticas – Senadores Biônicos; </li></ul><ul><li>Preços do petróleo aumentam e o BR gasta mais da metade da receita das exportações comprando petróleo – DÉFICITS – compensados com empréstimos. </li></ul><ul><li>Para compensar os problemas econômicos Geisel remota a Abertura Política: 10/1978 é extinto o AI-5 </li></ul>
  63. 66. Figueiredo (1979 – 1985) <ul><li>Vou fazer desse país uma democracia! </li></ul><ul><li>Anistia; </li></ul><ul><li>Fim do Bipartidarismo e eleições diretas para os governos estaduais; </li></ul><ul><li>Dívida externa: ciranda sem fim; </li></ul>
  64. 67. <ul><li>Inflação: fim de 1984 – 200% ao ano. XG prejudicado – classe assalariada com  poder aquisitivo; </li></ul><ul><li>Desemprego: falta de investimentos na expansão das empresas – desemprego. </li></ul><ul><li>Insatisfações com o governo = eleições de 1982 com XG n. de oposicionistas para os estados. </li></ul><ul><li>1984 – 1985 = Campanha Diretas-Já. </li></ul><ul><li>Emenda Dante Oliveira é derrubada. </li></ul><ul><li>Tancredo Neves vence de forma indireta. </li></ul>
  65. 68. O presidente que não foi <ul><li>12 horas antes de assumir T. Neves adoece; </li></ul><ul><li>José Sarney assume de forma temporária, após a morte do presidente, de forma plena </li></ul>
  66. 69. José Sarney (1985 – 1990) <ul><li>Transição decepciona as oposições políticas – Sarney fez carreira política apoiando a Ditadura (liderando o PDS derrubou a Emenda Dante de Oliveira); </li></ul><ul><li>Brasileiros sofrem: fome, moradia, saúde. </li></ul><ul><li>Nenhum problema social seria resolvido sem combate a inflação = Planos </li></ul>
  67. 70. Cruzado <ul><li>Nova moeda – Cruzado; </li></ul><ul><li>Congelamento dos preços </li></ul><ul><li>Reajuste automático do salário – Gatilho salarial; </li></ul><ul><li>Produtos somem dos mercado e reapareciam mediante Ágio; </li></ul><ul><li>15/11/1986 – Eleições – maioria que venceu pertencia ao governo o que permite a criação de uma novo plano, o CRUZADO II: reajuste dos preços das mercadorias. </li></ul><ul><li>Inflação volta a subir – novos planos mas todos fracassam. </li></ul><ul><li>Governo não consegue resolver 3 XG problemas: Inflação, Dívida Externa e Interna do governo. </li></ul>
  68. 71. Constituição de 1988 <ul><li>1/02/1987 – instalada uma Assembléia Nacional Constituinte </li></ul><ul><li>Após 20 meses de trabalho é promulgada a nova Carta Magna que marca a redemocratização do Brasil. </li></ul>
  69. 72. Collor (1990 – 1992) <ul><li>15/11/1989 depois de 30 anos os brasileiros vão as urnas </li></ul><ul><li>17/12/1989 2. Turno </li></ul><ul><li>O jovem, atlético, caçador de marajás e preocupado com os descamisados vence. </li></ul><ul><li>Programa de governo: privatizar estatais, abrir o país à concorrência internacional. </li></ul><ul><li>XG problema: Hiperinflação – último ano de Sarney chegou a 1751,34% </li></ul>
  70. 73. Impeachment <ul><li>Instituída uma CPI – desmonta o “esquema PC” – rede de corrupção, sonegação, contas-fantasmas; </li></ul><ul><li>Caras-pintadas tomam as ruas; </li></ul><ul><li>Collor espera os últimos instantes para renunciar. </li></ul><ul><li>Assume seu vice Itamar Franco. </li></ul>
  71. 74. Itamar Franco (1992 - 1994) <ul><li>Coalizão política; </li></ul><ul><li>Plebiscito; </li></ul><ul><li>Plano Real; </li></ul><ul><li>Campanha contra a fome – Betinho </li></ul>
  72. 75. FHC (1994 – 2002) <ul><li>Sustentou seu governo no plano Real; </li></ul><ul><li>Privatizações; </li></ul><ul><li>Conflitos com o MST; </li></ul>
  73. 76. Lula (2002 – 2010) <ul><li>Fome Zero; </li></ul><ul><li>Participação em missões de paz; </li></ul><ul><li>Reformas. </li></ul><ul><li>A GENTE ACREDITOU... </li></ul>
  74. 77. É...a gente acreditou...
  75. 78. SIM!!! NÓS ACREDITAMOS!!! Mas...somos brasileiros e não desistimos nunca!!

×