Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Direito empresarial

4.257 Aufrufe

Veröffentlicht am

Elder Leite

Veröffentlicht in: Bildung
  • Login to see the comments

Direito empresarial

  1. 1. DIREITO EMPRESARIAL Conceito Conceito; “O Direito Empresarial é o ramo do Direito que tem por objeto a regulamentação da atividade econômica daqueles que atuam na circulação ou produção de bens, bem como na prestação de serviços.” (Elisabete Teixeira Vido dos Santos). ● Autonomia do Direito Empresarial: CF/1988 – art. 22, I. ●
  2. 2. DIREITO EMPRESARIAL Evolução histórica PRIMEIRA FASE: Início na Idade Média – regiões de Ur e Lagash. Florescimento das primeiras cidades (burgos) e o desenvolvimento do comércio marítimo. Participação nas Corporações de ofício. ● SEGUNDA FASE: Centralização do poder-monarca. Teoria dos atos de comércio. ● TERCEIRA FASE: Código Civil italiano 1942 – Teoria da empresa. ●
  3. 3. DIREITO EMPRESARIAL Evolução do Direito Comercial no Brasil Primeira regulamentação: Código Comercial de 1850 – teoria dos atos de comércio. ● Regulamento nº. 737, art. 19 definia os atos de comércio. ● Código Civil de 2002 adotou a teoria da empresa – unificando o direito privado. ● Art. 966 do CC/2002 define o empresário como quem “exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens ou serviços”. ●
  4. 4. 2. ATIVIDADE EMPRESARIAL Conceito de empresa; ● Art. 966 do CC/2002. ● Profissionalismo; ● Atividade de produção, circulação de bens ou prestação de serviços; ● Fim lucrativo; ● Organização de fatores (capital, matéria prima, mão de obra e tecnologia).
  5. 5. ATIVIDADES NÃO EMPRESARIAIS ● ● ● Profissionais liberais que prestem serviços de forma direta e profissionais intelectuais: art. 966, parágrafo único do CC/2002; Empresários rurais não registrados na Junta Comercial: art. 971/2002; Cooperativas: art. 982, parágrafo único; art. 1.093/1.096 do CC/2002.
  6. 6. ATIVIDADES EMPRESARIAIS ATIVIDADE EMPRESARIAL Empresário individual Sociedade empresária O empresário individual não se confunde com os sócios de uma sociedade empresária, que podem ser chamados de empreendedores ou investidores. São incapazes de realizar a atividade empresarial: a) os menores de 18 anos de idade, não emancipados; b) os incapacitados, a partir de um processo de interdição.
  7. 7. ATIVIDADES EMPRESARIAIS Quem exercer a atividade empresarial, estando legalmente impedido, responderá pelas obrigações contraídas (art. 973 do CC/2002). São impedidos de realizar a atividade empresarial: a) falidos, enquanto não tiverem suas obrigações extintas (art. 158, Lei 11.101/2005); b) leiloeiros e corretores; c) Servidores públicos no exercício da atividade pública; d) estrangeiros e sociedades sem sede no Brasil, como a empresa jornalística e de radiodifusão (art. 222/CF); e) devedores do INSS; f) médico, no exercício simultâneo de farmácia.
  8. 8. REGISTRO PÚBLICO DE EMPRESAS Para que a atividade empresarial seja exercida com regularidade, é preciso que o empresário e a sociedade empresarial registrem sua Atividade, de acordo com a Lei 8.934/1994. Departamento Nacional de Registro de Comércio -Departamento Nacional de Registro de Comércio DNRC. . DNRC Juntas Comerciais: a) Matrícula dos leiloeiros, tradutores públicos, intérpretes, trapicheiros e administradores de armazéns gerais. b) Arquivamento dos atos constitutivos do empresário e da sociedade empresária. c) Autenticação da escrituração da empresa.
  9. 9. LIVROS EMPRESARIAIS
  10. 10. ATIVIDADE EMPRESARIAL IRREGULAR A ausência do registro torna a atividade empresarial irregular, Impedindo ao empresário o usufruto dos benefícios ● do empresário regular. a) Não terá legitimidade ativa para requerer falência de seu devedor; b) Poderá ter sua falência requerida e decretada, que será necessariamente fraudulenta, porque a ausência dos livros empresariais autenticados, por si só, constitui crime falimentar; c) Não poderá participar de licitações por falta da inscrição no CNPJ e da ausência de matrícula no INSS.
  11. 11. PREPOSTOS ● Conceito. Vedação à concorrência. - art. 1.169 - CC/2002. - art. 1.170 - CC/2002. ● Responsabilidade do preponente. - art. 1.178 - CC/2002. ●

×