Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Pedrógão: antecipar em vez de reagir

Artigo publicado na edição online de 5/9/2018 do Jornal i. Crónica da responsabilidade do Observatório de economia e gestão de fraude.

  • Als Erste(r) kommentieren

Pedrógão: antecipar em vez de reagir

  1. 1. OBSERVATÓRIO CONTRA A FRAUDE Pedrógão: antecipar em vez de reagir Passado mais de um ano sobre a fa- tídica tragédia que ficará na história com o incêndio de Pedrógão o tema corrente de conversa, para além das visitas do Presidente da República às zonas afetadas, tem sido a aplica- ção de fundos e de apoios que foram dados para os “supostos” afetados pelos incêndios. Se enquanto há um ano o quase unanimismo na soli- dariedade era rei, hoje passado um mês dos incêndios de Monchique é visível que o tema das contas de so- lidariedade entrou num fracasso tal que caíram em desuso pelo que tal situação merece esta reflexão. A situação de supostas fraudes que hoje são tema debatido em praça pública pela, pelo menos discutível, priorização na utilização de dinhei- ros públicos e de verbas recolhidas em eventos solidários marcam a atualidade, com o próprio Presi- dente da República a pedir cabal esclarecimento. A questão é tão mais grave pois não só não se conseguiu evitar os ter- ríveis acontecimentos do ano pas- sado, como também não se anteci- pou e não se preparou a distribuição de verbas e subsídios. Na falta de melhor reage-se agora com ações de fiscalização a posteriori, as quais, para além de não serem eficazes na correção de todas as situações, não evitam o sentimento de desconfi- ança que se instalou na sociedade em geral. O Verão ainda não acabou e a onda de solidariedade outrora vigente Filipe Pontes não será mais hoje tema possível de ocorrer e perguntam porquê? Pois a urgência e o atabalhoamento no ataque ao fogo foram estendidos no período posterior ao seu rescaldo e continua a não ser possível, não só, evitar que ele vote a ocorrer, como garantir a correta distribuição de apoios. Antecipar este tipo de situação ca- recia de uma prévia existência de planos e critérios que não são claros e que a pressão mediática e política cede constantemente, caindo em processos de reação por vezes des- proporcionais e de cosmética. Antecipar é sempre melhor que re- agir! Publicado no Jornal i Online no dia 05/09/2018 As ações de fiscalização a posteriori não são eficazes na correção de todas as situações e não evitam o sentimento de desconfiança que se instalou na sociedade em geral.

×