SlideShare ist ein Scribd-Unternehmen logo
1 von 93
Downloaden Sie, um offline zu lesen
TEORIA DA
COMUNICAÇÃO
ELEMENTOS DE
COMUNICAÇÃO
O homem, na comunicação, utiliza-se de
sinais devidamente organizados,
emitindo-os a uma outra pessoa. A
palavra falada, a palavra escrita, os
desenhos, os sinais de trânsito são
alguns exemplos de comunicação, em
que alguém transmite uma mensagem
a outra pessoa. Há, então, um emissor
e um receptor da mensagem. A
mensagem é emitida a partir de
diversos códigos de comunicação
(palavras, gestos, desenhos, sinais de
• São, então, os seguintes elementos da
comunicação:
•
Emissor: o que emite a mensagem;
•
Receptor: o que recebe a mensagem;
•
Mensagem: o conjunto de informações
transmitidas;
Código: a combinação de signos
utilizados na transmissão de uma
mensagem. A comunicação só se
concretizará, se o receptor souber
decodificar a mensagem;
Canal de Comunicação / Veículo:
por onde a mensagem é transmitida:
TV, rádio, jornal, revista, cordas vocais,
ar...;
Contexto: a situação a que a
Na linguagem coloquial, ou seja, usamos
as palavras conforme as situações que
nos são apresentadas. Por exemplo,
quando alguém diz a frase "Isso é um
castelo de areia", pode estar
atribuindo a ela sentido denotativo ou
conotativo. Denotativamente significa
"construção feita na areia da praia em
forma de castelo"; conotativamente
significa "ocorrência incerta, sem
solidez".
Temos, portanto, o seguinte:
Denotação: É o uso do signo em
seu sentido real.
Conotação: É o uso do signo em
sentido figurado, simbólico.
Um mesmo signo pode apresentar
significados diversos, conforme o contexto
em que os empregamos. O significado de
uma palavra não é somente aquele dado no
dicionário; a palavra adquire sentidos
diferentes quando inserida em novos
contextos. A essa pluralidade de
significados dá-se o nome de
polissemia.
SEMÂNTICA
A semântica (do grego σημαντικός, derivado de
sema, sinal) refere-se ao estudo do significado, em
todos os sentidos do termo. A semântica opõe-se
com frequência à sintaxe, caso em que a primeira
se ocupa do que algo significa, enquanto a
segunda se debruça sobre as estruturas ou padrões
formais do modo como esse algo é expresso (por
exemplo, escritos ou falados). Dependendo da
concepção de significado que se tenha, tem-se
diferentes semânticas. A semântica formal, a
COESÃO E COERÊNCIA TEXTUAIS
São dois conceitos importantes para uma
melhor compreensão do texto, além de
serem bastante cobrados em provas de
concursos.
COESÃO - harmonia interna entre as partes de um
texto. É garantida por ligações, de natureza
gramatical e lexical, entre os elementos de uma
frase ou de um texto.
COERÊNCIA - relação lógica entre idéias,
situações ou acontecimentos. Pode apoiar-se em
mecanismos formais, de natureza gramatical ou
lexical, e no conhecimento partilhado entre os
usuários da língua.
Para que seja cumprida a função social da
linguagem no processo de
comunicação, há necessidade de que as
palavras tenham um significado, ou
seja, que cada palavra represente um
conceito. Essa combinação de conceito
e palavra é chamada de signo. O signo
lingüístico une um elemento concreto,
material, perceptível (um som ou letras
impressas) chamado significante, a
um elemento inteligível (o conceito) ou
imagem mental, chamado significado.
Signo = significante + significado.
Significado = idéia ou conceito
(inteligível).
Funções da Linguagem:
O emissor, ao transmitir uma
mensagem, sempre tem um objetivo:
informar algo, ou demonstrar seus
sentimentos, ou convencer alguém a
fazer algo, entre outros;
conseqüentemente, a linguagem passa
a ter uma função, que são as seguintes:
 Função Referencial
 Função Conativa
 Função Emotiva
 Função Metalingüística
 Função Fática
 Função Poética
Obs.: Em um mesmo contexto, duas
ou mais funções podem ocorrer
simultaneamente: uma poesia em
que o autor discorra sobre o que
ele sente ao escrever poesias tem
as linguagens poética, emotiva e
metalingüística ao mesmo tempo.
Função Referencial
Quando o objetivo do emissor é
informar, ocorre a função referencial,
também chamada de denotativa ou de
informativa. São exemplos de função
denotativa a linguagem jornalística e a
científica.
Ex.: Numa cesta de vime temos um
cacho de uvas, duas laranjas, dois
limões, uma maçã verde, uma
maçã vermelha e uma pêra.
Função Conativa
Ocorre a função conativa, ou apelativa,
quando o emissor tenta convencer o
receptor a praticar determinada ação. É
comum o uso do verbo no Imperativo,
como "Compre aqui e concorra a
este lindo carro".
"Compre aqui..." é a tentativa do
emissor de convencer o receptor a
praticar a ação de comprar ali.
Função Emotiva
Quando o emissor demonstra seus
sentimentos ou emite suas opiniões ou
sensações a respeito de algum assunto
ou pessoa, acontece a função emotiva,
também chamada de expressiva.
Ex.: Nós o amamos muito, Romário!!
Função Metalingüística
É a utilização do código para falar dele
mesmo: uma pessoa falando do ato de
falar, outra escrevendo sobre o ato de
escrever, palavras que explicam o
significado de outra palavra.
Ex.: Escrevo porque gosto de escrever.
Ao passar as idéias para o papel, sinto-
me realizada...
Função Fática
A função fática ocorre, quando o
emissor testa o canal de comunicação,
a fim de observar se está sendo
entendido pelo receptor, ou seja,
quando o emissor quebra a linearidade
contida na comunicação. São perguntas
como "não é mesmo?", "você está
entendendo?", "cê tá ligado?",
"ouviram?", ou frases como "alô!", "oi".
Ex.: Alô Houston! A missão foi
cumprida, ok? Devo voltar à nave?
Alguém me ouve? Alô!!
Função Poética
É a linguagem das obras literárias,
principalmente das poesias, em
que as palavras são escolhidas e
dispostas de maneira que se
tornem singulares.
CLÍMAX
No peito a mata
aperta o pranto
do olhar do louco
pra meia-lua.
O clímax da noite,
escorrendo orvalho como estrelas,
refletindo nas águas
Pronto. A teoria da comunicação
está totalmente estudada.
ESTILÍSTICA
AS FIGURAS DE LINGUAGEM
O uso de figuras de linguagem é um dos recursos
empregados pra valorizar o texto, tornando a
linguagem mais expressiva. É um recurso
lingüístico para expressar de formas diferentes
experiências comuns, conferindo originalidade,
emotividade ou poeticidade ao discurso.
A utilização de figuras revela muito da sensibilidade
de quem as produz, traduzindo particularidades
estilísticas do autor.
Quando a palavra é empregada em sentido figurado,
não denotativo, ela passa a pertencer a outro
campo de significação, mais amplo e criativo, ou
seja, no sentido conotativo.
FIGURAS DE SINTAXE
As figuras de sintaxe ou de construção dizem
respeito a desvios em relação à
concordância entre os termos da oração, sua
ordem, possíveis repetições ou omissões.
As figuras de sintaxe podem ser construídas
por:
1. omissão: assíndeto, elipse e zeugma;
2. repetição: anáfora, pleonasmo e
polissíndeto;
3. inversão: hipérbato;
4. ruptura: anacoluto;
5. concordância ideológica: silepse
ASSÍNDETO
Ocorre assíndeto quando orações ou palavras
que deveriam vir ligadas por conjunções
coordenativas aparecem justapostas ou
separadas por vírgulas
“Fere, mata, derriba denodado...” (Camões)
“Clara passeava no jardim com as crianças.
O céu era verde sobre o gramado,
a água era dourada sob as pontes,
outros elementos eram azuis, róseos, alaranjados,
o guarda-civil sorria, passavam bicicletas,
a menina pisou a relva para pegar um pássaro,
o mundo inteiro, a Alemanha, a China, tudo era
tranqüilo ao redor de Clara.”
(Carlos Drummond de Andrade)
“Não nos movemos, as mãos é que se
estenderam pouco a pouco, todas quatro,
pegando-se, apartando-se, fundindo-se.”
(Machado de Assis)
ELIPSE
Ocorre elipse quando omitimos um termo ou
oração que facilmente podemos identificar
ou subentender no contexto. Pode ocorrer
na supressão de pronomes, conjunções,
preposições ou verbos.
“Veio sem pinturas, em vestido leve, sandálias
coloridas.” (Rubem Braga)
Elipse do pronome ela (Ela veio) e da preposição
de (de sandálias).
“Sentei-me na cama, uma dor aguda no peito, o
coração desordenado.” (Antônio Olavo Pereira)
ZEUGMA
Ocorre zeugma quando um termo já expresso
na frase é suprimido, ficando subentendida
sua repetição.
“Foi saqueada a vila, e assassinados os
partidários dos Filipes.”
(Camilo Castelo Branco)
ANÁFORA
Ocorre anáfora quando há repetição
intencional de palavras no início de um
período, frase ou verso.
“Grande no pensamento, grande na ação,
grande na glória, grande no infortúnio, ele
morreu desconhecido e só.” (Rocha Lima)
“Eu quase não saio
Eu quase não tenho amigo
Eu quase não consigo
Ficar na cidade sem viver contrariado.”
(Gilberto Gil)
PLEONASMO
Ocorre pleonasmo quando há repetição da
mesma idéia, isto é, redundância de
significado.
a) PLEONASMO LITERÁRIO
É o uso de palavras redundantes para reforçar
uma idéia, tanto do ponto de vista
semântico quanto do ponto de vista
sintático. É um recurso estilístico que
enriquece a expressão, dando ênfase à
mensagem.
“Morrerás morte vil na mão de um forte.”
(Gonçalves Dias)
“Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal”
(Fernando Pessoa)
b) PLEONASMO VICIOSO
É o desdobramento de idéias que lá estavam
implícitas em palavras anteriormente expressas.
Pleonasmos viciosos devem ser evitados, pois não
têm valor de reforço de uma idéia, sendo apenas
fruto do descobrimento do sentido real das
palavras.
subir para cima
hemorragia de sangue
entrar para dentro
monopólio exclusivo
repetir de novo
breve alocução
ouvir com os ouvidos
principal protagonista
POLISSÍNDETO
Ocorre POLISSÍNDETO quando há
repetição enfática de uma conjunção
coordenativa mais vezes do que exige a
norma gramatical (geralmente a conjunção
e).
“Vão chegando as burguesinhas pobres,
e as criadas das burguesinhas ricas
e as mulheres do povo, e as lavadeiras da
redondeza.”
(Manuel Bandeira)
“O quinhão que me coube é humilde, pior
do que isto: nulo.
Nem glória, nem amores, nem santidade,
nem heroísmo.”
(Otto Lara Resende)
ANACOLUTO
Ocorre anacoluto quando há interrupção do
plano sintático com que se inicia a frase,
alterando-lhe a seqüência lógica. A
construção do período deixa um ou mais
termos desprendidos dos demais e sem
função sintática definida.
“Essas empregadas de hoje, não se pode
confiar nelas” (Alcântara Machado)
“Umas carabinas que guardava atrás do
guarda-roupa, a gente brincava com elas de
tão imprestáveis.”
(José Lins do Rego)
SILEPSE
Ocorre silepse quando a concordância não é
feita com as palavras, mas com a idéia a
elas associada.
a) SILEPSE DE GÊNERO
Ocorre quando há discordância entre os
gêneros gramaticais (feminino ou
masculino)
“Admitindo a idéia de que eu fosse capaz de
semelhante vilania, Sua Majestade foi
cruelmente injusto para comigo”
(Alexandre Herculano)
b) SILEPSE DE NÚMERO
Ocorre quando há discordância envolvendo o
número gramatical (singular ou plural).
“Esta gente está furiosa e com medo; por
conseqüência, capazes de tudo.” (Garret)
“Corria gente de todos lados, e gritavam.” (Mário
Barreto)
“A gente não sabemos escolher presidente
A gente não sabemos tomar conta da
gente.”
(Roger Rocha Moreira)
“Ambos recusamos praticar este ato.”
(Alexandre Herculano)
FIGURAS DE PENSAMENTO
As figuras de pensamento são recursos de
linguagem que se referem ao significado
das palavras, ao seu aspecto semântico.
ANTÍTESE
Ocorre antítese quando há aproximação de
palavras ou expressões de sentidos opostos.
“Amigos e inimigos estão, amiúde, em
posições trocadas. Uns nos querem mal, e
fazem-nos bem. Outros nos almejam o bem,
e nos trazem o mal.” (Rui Barbosa)
“Onde queres prazer sou o que dói
E onde queres tortura, mansidão
Onde queres um lar, revolução
E onde queres bandido sou herói”
(Caetano Veloso)
EUFEMISMO
Ocorre eufemismo quando uma palavra ou
expressão é empregada para atenuar uma
verdade tida como penosa, desagradável ou
chocante.
“Si alguma cunhatã se aproximava dele para
fazer festinha,
Macunaíma punha a mão nas graças dela,
cunhatã se afastava.”
(Mário de Andrade)
“E pela paz derradeira que enfim vai nos redimir
Deus lhe pague.” (Chico Buarque)
HIPÉRBOLE
Ocorre hipérbole quando há exagero de uma
idéia, a fim de proporcionar uma imagem
emocionante e de impacto.
“Rios te correrão dos olhos, se chorares!”
(Olavo Bilac)
“Um quarteirão de peruca para Clodovil
Pereira.”
(José Cândido Carvalho)
IRONIA
Ocorre ironia quando, pelo contexto, pela
entonação, pela contradição de termos,
sugere-se o contrário do que as palavras ou
orações parecem exprimir. A intenção é
depreciativa ou sarcástica.
“As moças entrebeijam-se porque não podem
morder-se umas às outras. O beijo deles é a
evolução da dentada da pré-avó.” (Monteiro
Lobato)
“Moça linda, bem tratada, três séculos de
família, burra como uma porta: um amor.”
( Mário de Andrade)
PROSOPOPÉIA
Ocorre prosopopéia quando se atribui
movimento, ação, fala, sentimento, enfim,
caracteres próprios de seres animados a
seres inanimados ou imaginários.
“... a Lua
tal qual a dona do bordel
pedia a cada estela fria
um brilho de aluguel” (João Bosco &
Aldir Blanc)
FIGURAS DE PALAVRA
As figuras de palavras consistem no emprego
de um termo com sentido diferente daquele
convencionalmente empregado, a fim de se
conseguir um efeito mais expressivo na
comunicação.
METÁFORA
Ocorre metáfora quando um termo substitui outro
através de uma relação de semelhança resultante
da subjetividade de quem a cria. A metáfora
também pode ser entendida como uma
comparação abreviada, em que o conectivo não
está expresso, mas subentendido.
“O tempo é uma cadeira ao sol, e nada mais.”
(Carlos Drummond de Andrade)
“Supondo o espírito humano uma vasta concha, o
meu fim, Sr. Soares, é ver se posso extrair pérolas,
que é a razão.”
(Machado de Assis)
“O Pão de Açúcar era um teorema geométrico.”
(Oswald de Andrade)
METONÍMIA
Ocorre metonímia quando há substituição de
uma palavra por outra, havendo, entre
ambas, grau de semelhança, relação,
proximidade de sentido, ou implicação
mútua. Tal substituição realiza-se de
inúmeros modos:
O continente pelo conteúdo e vice-versa
Antes de sair, tomamos um cálice de licor.
A causa pelo efeito e vice-versa
“E assim o operário ia
Com suor e com cimento
Erguendo uma casa aqui
Adiante um apartamento.”(Vinícius de Morais)
(Com trabalho)
Sou alérgico a cigarro.
(A fumaça.)
O lugar de origem ou de produção pelo
produto
Comprei uma garrafa do legítimo porto.
(O vinho da cidade do Porto.)
Ofereceu-me um havana.
(Um charuto produzido em Havana.)
autor pela obra
Ela aprecia ler Jorge Amado.
(A obra de Jorge Amado.)
Compre um Portinari.
(Um quadro do pintor Cândido Portinari.)
O abstrato pelo concreto e vice-versa:
Não devemos contar com o seu coração.
(Sentimento, sensibilidade)
A velhice deve ser respeitada.
(As pessoas idosas.)
O símbolo pela coisa simbolizada:
A coroa foi disputada pelos
revolucionários.
(O poder.)
Não te afastes da cruz.
(O cristianismo.)
A matéria pelo produto e vice-versa:
Lento, o bronze soa.
(O sino.)
Joguei duas pratas no chapéu do mendigo.
(Moedas de prata.)
o inventor pelo invento:
Edson ilumina o mundo.
(A energia elétrica.)
A coisa pelo lugar:
Vou à Prefeitura.
(Ao edifício da Prefeitura.)
O instrumento pela pessoa que o utiliza:
Ele é um bom garfo.
( Guloso, glutão)
CATACRESE
A catacrese é um tipo especial de metáfora, “é uma
espécie de metáfora desgastada, em que já não se
sente nenhum vestígio de inovação, de criação
individual e pitoresca. É a metáfora tornada hábito
lingüístico, já fora do âmbito estilístico” (OTHON
MOACIR GARCIA).
folhas de livro
pé de mesa
dente de alho
braço do rio
céu da boa
leito do rio
barriga da perna
asas do nariz
PRODUÇÃO TEXTUAL
Narração
A Narração é um relato centrado num fato ou
acontecimento; há personagem (ns) atuando e um
narrador que relata a ação. A narração é um tipo de
texto marcado pela temporalidade. Ou seja, como
seu material é o fato e a ação que envolve
personagens, a progressão temporal é essencial
para seu desenrolar: as ações direcionam-se para
um conflito que requer uma solução, o que nos
permite concluir que chegaremos a uma situação
nova. Portanto, a sucessão de acontecimentos que
leva a uma transformação, a uma mudança, e a
trama que se constrói com os elementos do
Esquematizando, teríamos: a personagem A
vive um conflito X que se resolve assim;
após o conflito, o personagem A não será o
mesmo do início da narrativa.
Os elementos da narrativa são: Narrador,
enredo, personagens, ambiente e tempo.
Descrição
Na descrição não há sucessão de
acontecimentos no tempo, de sorte que não
haverá transformações de estado da pessoa,
coisa ou ambiente que está sendo descrito
diferentemente da narração, mas sim a
apresentação pura e simples do estado do
ser descrito em um determinado momento.
A descrição se caracteriza por ser o retrato de
pessoas, objetos ou cenas. Para produzir o retrato
de um ser, de um objeto ou de uma cena, podemos
utilizar a linguagem não-verbal, como no caso das
fotos, pinturas e gravuras, ou a linguagem verbal
(oral ou escrita). A utilização de uma dessas
linguagens não exclui necessariamente a outra:
pense, por exemplo, nas fotos ou ilustrações com
legendas, em que a linguagem verbal é utilizada
como complemento da linguagem não-verbal.
Pense também num anúncio de animal de
estimação perdido em que, ao lado da descrição
Dissertação
A todo instante nos deparamos com situações
que exigem a exposição de idéias,
argumentos e pontos de vista, muitas vezes
precisamos expor aquilo que pensamos
sobre determinado assunto.
Em muitas situações somos induzidos a
organizar nossos pensamentos e idéias e
utilizar a linguagem para dissertar.
Dissertar é, através da organização de
palavras, frases e textos, apresentar idéias,
desenvolver raciocínio, analisar contextos,
dados e fatos. Neste momento temos a
oportunidade de discutir, argumentar e
defender o que pensamos através da
fundamentação, justificação, explicação,
persuasão e de provas.

Weitere ähnliche Inhalte

Ähnlich wie TEORIA-DA-COMUNICAÇÃO.ppt

COMUNICACÃO VERBAL E NÃO VERBAL
COMUNICACÃO VERBAL E NÃO VERBALCOMUNICACÃO VERBAL E NÃO VERBAL
COMUNICACÃO VERBAL E NÃO VERBALJohn Joseph
 
Figuras de linguagem apresentação
Figuras de linguagem   apresentaçãoFiguras de linguagem   apresentação
Figuras de linguagem apresentaçãoZenia Ferreira
 
Trabalho LPL
Trabalho LPLTrabalho LPL
Trabalho LPLTaissccp
 
Funções da linguagem - Professor Jason lima
Funções da linguagem - Professor Jason limaFunções da linguagem - Professor Jason lima
Funções da linguagem - Professor Jason limajasonrplima
 
Elementos da comunicação
Elementos da comunicaçãoElementos da comunicação
Elementos da comunicaçãoHena Meira
 
Elementos da Comunicação e Funções da linguagem.pptx
Elementos da Comunicação e Funções da linguagem.pptxElementos da Comunicação e Funções da linguagem.pptx
Elementos da Comunicação e Funções da linguagem.pptxCaroline Assis
 
Figuras de-linguagem
Figuras de-linguagemFiguras de-linguagem
Figuras de-linguagemSadrak Silva
 
Figuras de linguagem - Profª. Zenia Ferreira
Figuras de linguagem - Profª. Zenia FerreiraFiguras de linguagem - Profª. Zenia Ferreira
Figuras de linguagem - Profª. Zenia FerreiraAntonio Luiz
 
Tecnico em edificações senai matéria para prova resumão português
Tecnico em edificações senai matéria para prova resumão portuguêsTecnico em edificações senai matéria para prova resumão português
Tecnico em edificações senai matéria para prova resumão portuguêsMil Pereira
 
Gênese da pragmática sayonara
Gênese da pragmática sayonaraGênese da pragmática sayonara
Gênese da pragmática sayonaraSayonara Costa
 
ADMINISTRAÇÃO_LOGISTICA - MÓDULO I - PORTUGUÊS INSTRUMENTAL (3).pptx
ADMINISTRAÇÃO_LOGISTICA - MÓDULO I - PORTUGUÊS INSTRUMENTAL (3).pptxADMINISTRAÇÃO_LOGISTICA - MÓDULO I - PORTUGUÊS INSTRUMENTAL (3).pptx
ADMINISTRAÇÃO_LOGISTICA - MÓDULO I - PORTUGUÊS INSTRUMENTAL (3).pptxcarminhadc38
 

Ähnlich wie TEORIA-DA-COMUNICAÇÃO.ppt (20)

COMUNICACÃO VERBAL E NÃO VERBAL
COMUNICACÃO VERBAL E NÃO VERBALCOMUNICACÃO VERBAL E NÃO VERBAL
COMUNICACÃO VERBAL E NÃO VERBAL
 
O Processo de Comunicação
O Processo de ComunicaçãoO Processo de Comunicação
O Processo de Comunicação
 
Linguagem e língua 97
Linguagem e língua 97Linguagem e língua 97
Linguagem e língua 97
 
Figuras de linguagem apresentação
Figuras de linguagem   apresentaçãoFiguras de linguagem   apresentação
Figuras de linguagem apresentação
 
Apostila português-2014-patrícia
Apostila português-2014-patríciaApostila português-2014-patrícia
Apostila português-2014-patrícia
 
Trabalho LPL
Trabalho LPLTrabalho LPL
Trabalho LPL
 
Funções da linguagem - Professor Jason lima
Funções da linguagem - Professor Jason limaFunções da linguagem - Professor Jason lima
Funções da linguagem - Professor Jason lima
 
Elementos da comunicação
Elementos da comunicaçãoElementos da comunicação
Elementos da comunicação
 
Elementos da Comunicação e Funções da linguagem.pptx
Elementos da Comunicação e Funções da linguagem.pptxElementos da Comunicação e Funções da linguagem.pptx
Elementos da Comunicação e Funções da linguagem.pptx
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Apostila jurídica
Apostila jurídicaApostila jurídica
Apostila jurídica
 
Figuras de-linguagem
Figuras de-linguagemFiguras de-linguagem
Figuras de-linguagem
 
Figuras de linguagem - Profª. Zenia Ferreira
Figuras de linguagem - Profª. Zenia FerreiraFiguras de linguagem - Profª. Zenia Ferreira
Figuras de linguagem - Profª. Zenia Ferreira
 
Propaganda
PropagandaPropaganda
Propaganda
 
Comunicação
ComunicaçãoComunicação
Comunicação
 
Tecnico em edificações senai matéria para prova resumão português
Tecnico em edificações senai matéria para prova resumão portuguêsTecnico em edificações senai matéria para prova resumão português
Tecnico em edificações senai matéria para prova resumão português
 
Gênese da pragmática sayonara
Gênese da pragmática sayonaraGênese da pragmática sayonara
Gênese da pragmática sayonara
 
ADMINISTRAÇÃO_LOGISTICA - MÓDULO I - PORTUGUÊS INSTRUMENTAL (3).pptx
ADMINISTRAÇÃO_LOGISTICA - MÓDULO I - PORTUGUÊS INSTRUMENTAL (3).pptxADMINISTRAÇÃO_LOGISTICA - MÓDULO I - PORTUGUÊS INSTRUMENTAL (3).pptx
ADMINISTRAÇÃO_LOGISTICA - MÓDULO I - PORTUGUÊS INSTRUMENTAL (3).pptx
 

Mehr von evandro163685

Mehr von evandro163685 (10)

Grasp Patterns.ppt
Grasp Patterns.pptGrasp Patterns.ppt
Grasp Patterns.ppt
 
verbos modais.ppt
verbos modais.pptverbos modais.ppt
verbos modais.ppt
 
2301.ppt
2301.ppt2301.ppt
2301.ppt
 
###modal_verbs.ppt
###modal_verbs.ppt###modal_verbs.ppt
###modal_verbs.ppt
 
IN+4.ppt
IN+4.pptIN+4.ppt
IN+4.ppt
 
compreensao_textual.ppt
compreensao_textual.pptcompreensao_textual.ppt
compreensao_textual.ppt
 
Redação-aula-2-1.pdf
Redação-aula-2-1.pdfRedação-aula-2-1.pdf
Redação-aula-2-1.pdf
 
38566.pdf
38566.pdf38566.pdf
38566.pdf
 
SLIDES-Tipo-textual-DISSERTATIVO.pdf
SLIDES-Tipo-textual-DISSERTATIVO.pdfSLIDES-Tipo-textual-DISSERTATIVO.pdf
SLIDES-Tipo-textual-DISSERTATIVO.pdf
 
Degrees of Adjectives.ppt
Degrees of Adjectives.pptDegrees of Adjectives.ppt
Degrees of Adjectives.ppt
 

Kürzlich hochgeladen

LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadodanieligomes4
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzAlexandrePereira818171
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 

Kürzlich hochgeladen (20)

LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 

TEORIA-DA-COMUNICAÇÃO.ppt

  • 2. O homem, na comunicação, utiliza-se de sinais devidamente organizados, emitindo-os a uma outra pessoa. A palavra falada, a palavra escrita, os desenhos, os sinais de trânsito são alguns exemplos de comunicação, em que alguém transmite uma mensagem a outra pessoa. Há, então, um emissor e um receptor da mensagem. A mensagem é emitida a partir de diversos códigos de comunicação (palavras, gestos, desenhos, sinais de
  • 3. • São, então, os seguintes elementos da comunicação: • Emissor: o que emite a mensagem; • Receptor: o que recebe a mensagem; • Mensagem: o conjunto de informações transmitidas;
  • 4. Código: a combinação de signos utilizados na transmissão de uma mensagem. A comunicação só se concretizará, se o receptor souber decodificar a mensagem; Canal de Comunicação / Veículo: por onde a mensagem é transmitida: TV, rádio, jornal, revista, cordas vocais, ar...; Contexto: a situação a que a
  • 5. Na linguagem coloquial, ou seja, usamos as palavras conforme as situações que nos são apresentadas. Por exemplo, quando alguém diz a frase "Isso é um castelo de areia", pode estar atribuindo a ela sentido denotativo ou conotativo. Denotativamente significa "construção feita na areia da praia em forma de castelo"; conotativamente significa "ocorrência incerta, sem solidez".
  • 6. Temos, portanto, o seguinte: Denotação: É o uso do signo em seu sentido real. Conotação: É o uso do signo em sentido figurado, simbólico.
  • 7. Um mesmo signo pode apresentar significados diversos, conforme o contexto em que os empregamos. O significado de uma palavra não é somente aquele dado no dicionário; a palavra adquire sentidos diferentes quando inserida em novos contextos. A essa pluralidade de significados dá-se o nome de polissemia.
  • 8. SEMÂNTICA A semântica (do grego σημαντικός, derivado de sema, sinal) refere-se ao estudo do significado, em todos os sentidos do termo. A semântica opõe-se com frequência à sintaxe, caso em que a primeira se ocupa do que algo significa, enquanto a segunda se debruça sobre as estruturas ou padrões formais do modo como esse algo é expresso (por exemplo, escritos ou falados). Dependendo da concepção de significado que se tenha, tem-se diferentes semânticas. A semântica formal, a
  • 9. COESÃO E COERÊNCIA TEXTUAIS São dois conceitos importantes para uma melhor compreensão do texto, além de serem bastante cobrados em provas de concursos.
  • 10. COESÃO - harmonia interna entre as partes de um texto. É garantida por ligações, de natureza gramatical e lexical, entre os elementos de uma frase ou de um texto. COERÊNCIA - relação lógica entre idéias, situações ou acontecimentos. Pode apoiar-se em mecanismos formais, de natureza gramatical ou lexical, e no conhecimento partilhado entre os usuários da língua.
  • 11. Para que seja cumprida a função social da linguagem no processo de comunicação, há necessidade de que as palavras tenham um significado, ou seja, que cada palavra represente um conceito. Essa combinação de conceito e palavra é chamada de signo. O signo lingüístico une um elemento concreto, material, perceptível (um som ou letras impressas) chamado significante, a um elemento inteligível (o conceito) ou imagem mental, chamado significado.
  • 12. Signo = significante + significado. Significado = idéia ou conceito (inteligível).
  • 13. Funções da Linguagem: O emissor, ao transmitir uma mensagem, sempre tem um objetivo: informar algo, ou demonstrar seus sentimentos, ou convencer alguém a fazer algo, entre outros; conseqüentemente, a linguagem passa a ter uma função, que são as seguintes:
  • 14.  Função Referencial  Função Conativa  Função Emotiva  Função Metalingüística  Função Fática  Função Poética
  • 15. Obs.: Em um mesmo contexto, duas ou mais funções podem ocorrer simultaneamente: uma poesia em que o autor discorra sobre o que ele sente ao escrever poesias tem as linguagens poética, emotiva e metalingüística ao mesmo tempo.
  • 16. Função Referencial Quando o objetivo do emissor é informar, ocorre a função referencial, também chamada de denotativa ou de informativa. São exemplos de função denotativa a linguagem jornalística e a científica.
  • 17. Ex.: Numa cesta de vime temos um cacho de uvas, duas laranjas, dois limões, uma maçã verde, uma maçã vermelha e uma pêra.
  • 18. Função Conativa Ocorre a função conativa, ou apelativa, quando o emissor tenta convencer o receptor a praticar determinada ação. É comum o uso do verbo no Imperativo, como "Compre aqui e concorra a este lindo carro".
  • 19. "Compre aqui..." é a tentativa do emissor de convencer o receptor a praticar a ação de comprar ali.
  • 20. Função Emotiva Quando o emissor demonstra seus sentimentos ou emite suas opiniões ou sensações a respeito de algum assunto ou pessoa, acontece a função emotiva, também chamada de expressiva. Ex.: Nós o amamos muito, Romário!!
  • 21. Função Metalingüística É a utilização do código para falar dele mesmo: uma pessoa falando do ato de falar, outra escrevendo sobre o ato de escrever, palavras que explicam o significado de outra palavra. Ex.: Escrevo porque gosto de escrever. Ao passar as idéias para o papel, sinto- me realizada...
  • 22. Função Fática A função fática ocorre, quando o emissor testa o canal de comunicação, a fim de observar se está sendo entendido pelo receptor, ou seja, quando o emissor quebra a linearidade contida na comunicação. São perguntas como "não é mesmo?", "você está entendendo?", "cê tá ligado?", "ouviram?", ou frases como "alô!", "oi".
  • 23. Ex.: Alô Houston! A missão foi cumprida, ok? Devo voltar à nave? Alguém me ouve? Alô!!
  • 24. Função Poética É a linguagem das obras literárias, principalmente das poesias, em que as palavras são escolhidas e dispostas de maneira que se tornem singulares.
  • 25. CLÍMAX No peito a mata aperta o pranto do olhar do louco pra meia-lua. O clímax da noite, escorrendo orvalho como estrelas, refletindo nas águas
  • 26. Pronto. A teoria da comunicação está totalmente estudada.
  • 27. ESTILÍSTICA AS FIGURAS DE LINGUAGEM O uso de figuras de linguagem é um dos recursos empregados pra valorizar o texto, tornando a linguagem mais expressiva. É um recurso lingüístico para expressar de formas diferentes experiências comuns, conferindo originalidade, emotividade ou poeticidade ao discurso.
  • 28. A utilização de figuras revela muito da sensibilidade de quem as produz, traduzindo particularidades estilísticas do autor. Quando a palavra é empregada em sentido figurado, não denotativo, ela passa a pertencer a outro campo de significação, mais amplo e criativo, ou seja, no sentido conotativo.
  • 29. FIGURAS DE SINTAXE As figuras de sintaxe ou de construção dizem respeito a desvios em relação à concordância entre os termos da oração, sua ordem, possíveis repetições ou omissões. As figuras de sintaxe podem ser construídas por:
  • 30. 1. omissão: assíndeto, elipse e zeugma; 2. repetição: anáfora, pleonasmo e polissíndeto; 3. inversão: hipérbato; 4. ruptura: anacoluto; 5. concordância ideológica: silepse
  • 31. ASSÍNDETO Ocorre assíndeto quando orações ou palavras que deveriam vir ligadas por conjunções coordenativas aparecem justapostas ou separadas por vírgulas
  • 32. “Fere, mata, derriba denodado...” (Camões)
  • 33. “Clara passeava no jardim com as crianças. O céu era verde sobre o gramado, a água era dourada sob as pontes, outros elementos eram azuis, róseos, alaranjados, o guarda-civil sorria, passavam bicicletas, a menina pisou a relva para pegar um pássaro, o mundo inteiro, a Alemanha, a China, tudo era tranqüilo ao redor de Clara.” (Carlos Drummond de Andrade)
  • 34. “Não nos movemos, as mãos é que se estenderam pouco a pouco, todas quatro, pegando-se, apartando-se, fundindo-se.” (Machado de Assis)
  • 35. ELIPSE Ocorre elipse quando omitimos um termo ou oração que facilmente podemos identificar ou subentender no contexto. Pode ocorrer na supressão de pronomes, conjunções, preposições ou verbos.
  • 36. “Veio sem pinturas, em vestido leve, sandálias coloridas.” (Rubem Braga) Elipse do pronome ela (Ela veio) e da preposição de (de sandálias). “Sentei-me na cama, uma dor aguda no peito, o coração desordenado.” (Antônio Olavo Pereira)
  • 37. ZEUGMA Ocorre zeugma quando um termo já expresso na frase é suprimido, ficando subentendida sua repetição.
  • 38. “Foi saqueada a vila, e assassinados os partidários dos Filipes.” (Camilo Castelo Branco)
  • 39. ANÁFORA Ocorre anáfora quando há repetição intencional de palavras no início de um período, frase ou verso.
  • 40. “Grande no pensamento, grande na ação, grande na glória, grande no infortúnio, ele morreu desconhecido e só.” (Rocha Lima)
  • 41. “Eu quase não saio Eu quase não tenho amigo Eu quase não consigo Ficar na cidade sem viver contrariado.” (Gilberto Gil)
  • 42. PLEONASMO Ocorre pleonasmo quando há repetição da mesma idéia, isto é, redundância de significado.
  • 43. a) PLEONASMO LITERÁRIO É o uso de palavras redundantes para reforçar uma idéia, tanto do ponto de vista semântico quanto do ponto de vista sintático. É um recurso estilístico que enriquece a expressão, dando ênfase à mensagem.
  • 44. “Morrerás morte vil na mão de um forte.” (Gonçalves Dias) “Ó mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal” (Fernando Pessoa)
  • 45. b) PLEONASMO VICIOSO É o desdobramento de idéias que lá estavam implícitas em palavras anteriormente expressas. Pleonasmos viciosos devem ser evitados, pois não têm valor de reforço de uma idéia, sendo apenas fruto do descobrimento do sentido real das palavras.
  • 46. subir para cima hemorragia de sangue entrar para dentro monopólio exclusivo repetir de novo breve alocução ouvir com os ouvidos principal protagonista
  • 47. POLISSÍNDETO Ocorre POLISSÍNDETO quando há repetição enfática de uma conjunção coordenativa mais vezes do que exige a norma gramatical (geralmente a conjunção e).
  • 48. “Vão chegando as burguesinhas pobres, e as criadas das burguesinhas ricas e as mulheres do povo, e as lavadeiras da redondeza.” (Manuel Bandeira)
  • 49. “O quinhão que me coube é humilde, pior do que isto: nulo. Nem glória, nem amores, nem santidade, nem heroísmo.” (Otto Lara Resende)
  • 50. ANACOLUTO Ocorre anacoluto quando há interrupção do plano sintático com que se inicia a frase, alterando-lhe a seqüência lógica. A construção do período deixa um ou mais termos desprendidos dos demais e sem função sintática definida.
  • 51. “Essas empregadas de hoje, não se pode confiar nelas” (Alcântara Machado) “Umas carabinas que guardava atrás do guarda-roupa, a gente brincava com elas de tão imprestáveis.” (José Lins do Rego)
  • 52. SILEPSE Ocorre silepse quando a concordância não é feita com as palavras, mas com a idéia a elas associada.
  • 53. a) SILEPSE DE GÊNERO Ocorre quando há discordância entre os gêneros gramaticais (feminino ou masculino)
  • 54. “Admitindo a idéia de que eu fosse capaz de semelhante vilania, Sua Majestade foi cruelmente injusto para comigo” (Alexandre Herculano)
  • 55. b) SILEPSE DE NÚMERO Ocorre quando há discordância envolvendo o número gramatical (singular ou plural). “Esta gente está furiosa e com medo; por conseqüência, capazes de tudo.” (Garret) “Corria gente de todos lados, e gritavam.” (Mário Barreto)
  • 56. “A gente não sabemos escolher presidente A gente não sabemos tomar conta da gente.” (Roger Rocha Moreira) “Ambos recusamos praticar este ato.” (Alexandre Herculano)
  • 57. FIGURAS DE PENSAMENTO As figuras de pensamento são recursos de linguagem que se referem ao significado das palavras, ao seu aspecto semântico.
  • 58. ANTÍTESE Ocorre antítese quando há aproximação de palavras ou expressões de sentidos opostos.
  • 59. “Amigos e inimigos estão, amiúde, em posições trocadas. Uns nos querem mal, e fazem-nos bem. Outros nos almejam o bem, e nos trazem o mal.” (Rui Barbosa)
  • 60. “Onde queres prazer sou o que dói E onde queres tortura, mansidão Onde queres um lar, revolução E onde queres bandido sou herói” (Caetano Veloso)
  • 61. EUFEMISMO Ocorre eufemismo quando uma palavra ou expressão é empregada para atenuar uma verdade tida como penosa, desagradável ou chocante.
  • 62. “Si alguma cunhatã se aproximava dele para fazer festinha, Macunaíma punha a mão nas graças dela, cunhatã se afastava.” (Mário de Andrade) “E pela paz derradeira que enfim vai nos redimir Deus lhe pague.” (Chico Buarque)
  • 63. HIPÉRBOLE Ocorre hipérbole quando há exagero de uma idéia, a fim de proporcionar uma imagem emocionante e de impacto.
  • 64. “Rios te correrão dos olhos, se chorares!” (Olavo Bilac) “Um quarteirão de peruca para Clodovil Pereira.” (José Cândido Carvalho)
  • 65. IRONIA Ocorre ironia quando, pelo contexto, pela entonação, pela contradição de termos, sugere-se o contrário do que as palavras ou orações parecem exprimir. A intenção é depreciativa ou sarcástica.
  • 66. “As moças entrebeijam-se porque não podem morder-se umas às outras. O beijo deles é a evolução da dentada da pré-avó.” (Monteiro Lobato) “Moça linda, bem tratada, três séculos de família, burra como uma porta: um amor.” ( Mário de Andrade)
  • 67. PROSOPOPÉIA Ocorre prosopopéia quando se atribui movimento, ação, fala, sentimento, enfim, caracteres próprios de seres animados a seres inanimados ou imaginários.
  • 68. “... a Lua tal qual a dona do bordel pedia a cada estela fria um brilho de aluguel” (João Bosco & Aldir Blanc)
  • 69. FIGURAS DE PALAVRA As figuras de palavras consistem no emprego de um termo com sentido diferente daquele convencionalmente empregado, a fim de se conseguir um efeito mais expressivo na comunicação.
  • 70. METÁFORA Ocorre metáfora quando um termo substitui outro através de uma relação de semelhança resultante da subjetividade de quem a cria. A metáfora também pode ser entendida como uma comparação abreviada, em que o conectivo não está expresso, mas subentendido.
  • 71. “O tempo é uma cadeira ao sol, e nada mais.” (Carlos Drummond de Andrade) “Supondo o espírito humano uma vasta concha, o meu fim, Sr. Soares, é ver se posso extrair pérolas, que é a razão.” (Machado de Assis) “O Pão de Açúcar era um teorema geométrico.” (Oswald de Andrade)
  • 72. METONÍMIA Ocorre metonímia quando há substituição de uma palavra por outra, havendo, entre ambas, grau de semelhança, relação, proximidade de sentido, ou implicação mútua. Tal substituição realiza-se de inúmeros modos:
  • 73. O continente pelo conteúdo e vice-versa Antes de sair, tomamos um cálice de licor.
  • 74. A causa pelo efeito e vice-versa “E assim o operário ia Com suor e com cimento Erguendo uma casa aqui Adiante um apartamento.”(Vinícius de Morais) (Com trabalho) Sou alérgico a cigarro. (A fumaça.)
  • 75. O lugar de origem ou de produção pelo produto Comprei uma garrafa do legítimo porto. (O vinho da cidade do Porto.) Ofereceu-me um havana. (Um charuto produzido em Havana.)
  • 76. autor pela obra Ela aprecia ler Jorge Amado. (A obra de Jorge Amado.) Compre um Portinari. (Um quadro do pintor Cândido Portinari.)
  • 77. O abstrato pelo concreto e vice-versa: Não devemos contar com o seu coração. (Sentimento, sensibilidade) A velhice deve ser respeitada. (As pessoas idosas.)
  • 78. O símbolo pela coisa simbolizada: A coroa foi disputada pelos revolucionários. (O poder.) Não te afastes da cruz. (O cristianismo.)
  • 79. A matéria pelo produto e vice-versa: Lento, o bronze soa. (O sino.) Joguei duas pratas no chapéu do mendigo. (Moedas de prata.) o inventor pelo invento: Edson ilumina o mundo. (A energia elétrica.)
  • 80. A coisa pelo lugar: Vou à Prefeitura. (Ao edifício da Prefeitura.)
  • 81. O instrumento pela pessoa que o utiliza: Ele é um bom garfo. ( Guloso, glutão)
  • 82. CATACRESE A catacrese é um tipo especial de metáfora, “é uma espécie de metáfora desgastada, em que já não se sente nenhum vestígio de inovação, de criação individual e pitoresca. É a metáfora tornada hábito lingüístico, já fora do âmbito estilístico” (OTHON MOACIR GARCIA).
  • 83. folhas de livro pé de mesa dente de alho braço do rio céu da boa leito do rio barriga da perna asas do nariz
  • 85. A Narração é um relato centrado num fato ou acontecimento; há personagem (ns) atuando e um narrador que relata a ação. A narração é um tipo de texto marcado pela temporalidade. Ou seja, como seu material é o fato e a ação que envolve personagens, a progressão temporal é essencial para seu desenrolar: as ações direcionam-se para um conflito que requer uma solução, o que nos permite concluir que chegaremos a uma situação nova. Portanto, a sucessão de acontecimentos que leva a uma transformação, a uma mudança, e a trama que se constrói com os elementos do
  • 86. Esquematizando, teríamos: a personagem A vive um conflito X que se resolve assim; após o conflito, o personagem A não será o mesmo do início da narrativa. Os elementos da narrativa são: Narrador, enredo, personagens, ambiente e tempo.
  • 88. Na descrição não há sucessão de acontecimentos no tempo, de sorte que não haverá transformações de estado da pessoa, coisa ou ambiente que está sendo descrito diferentemente da narração, mas sim a apresentação pura e simples do estado do ser descrito em um determinado momento.
  • 89. A descrição se caracteriza por ser o retrato de pessoas, objetos ou cenas. Para produzir o retrato de um ser, de um objeto ou de uma cena, podemos utilizar a linguagem não-verbal, como no caso das fotos, pinturas e gravuras, ou a linguagem verbal (oral ou escrita). A utilização de uma dessas linguagens não exclui necessariamente a outra: pense, por exemplo, nas fotos ou ilustrações com legendas, em que a linguagem verbal é utilizada como complemento da linguagem não-verbal. Pense também num anúncio de animal de estimação perdido em que, ao lado da descrição
  • 91. A todo instante nos deparamos com situações que exigem a exposição de idéias, argumentos e pontos de vista, muitas vezes precisamos expor aquilo que pensamos sobre determinado assunto.
  • 92. Em muitas situações somos induzidos a organizar nossos pensamentos e idéias e utilizar a linguagem para dissertar.
  • 93. Dissertar é, através da organização de palavras, frases e textos, apresentar idéias, desenvolver raciocínio, analisar contextos, dados e fatos. Neste momento temos a oportunidade de discutir, argumentar e defender o que pensamos através da fundamentação, justificação, explicação, persuasão e de provas.