Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Revolução 25 de abril

10.026 Aufrufe

Veröffentlicht am

Veröffentlicht in: Reisen

Revolução 25 de abril

  1. 1. Portugal: do Autoritarismo à Democracia <ul><li>O Autoritarismo </li></ul><ul><li>A Democracia </li></ul>
  2. 2. Questões orientadoras: <ul><li>1-Como reagiu a oposição ao regime de Salazar? </li></ul><ul><li>Por que razão Salazar não concedeu a independência às colónias? </li></ul><ul><li>Quais foram as consequências da guerra colonial? </li></ul>Video
  3. 3. Art.º 8 - § 2.º - Leis especiais regularão o exercício da liberdade de expressão do pensamento, de ensino, de reunião e de associação devendo quanto à primeira, impedir, preventiva ou repressivamente, a perversão da opinião pública (…). Excerto da Constituição de 1933 .
  4. 4. <ul><li>Censura </li></ul>Em 1926 foi instaurada a censura à imprensa. Com a ditadura militar foi-se estendendo a outros meios de comunicação, como o teatro, a rádio, a televisão, e o cinema. Evitando, qualquer crítica ao Estado Novo, o que impedia uma opinião própria. O centro de censura chamava-se Lápis Azul.
  5. 5. <ul><li>A Polícia Política </li></ul>A Polícia política foi criada em 1933, chamada Polícia de Vigilância e Defesa do Estado, a partir de 1945 passou a chamar-se Polícia Internacional da Defesa do Estado. Essa polícia política utilizava tortura física e psicológica. Enviou para prisões políticas (como a de Peniche) e campos de deportação (como o do Tarrafal em Cabo Verde), fazendo assim várias vítimas mortais e milhares de prisioneiros.
  6. 8. <ul><li>“ Quem vem para o Tarrafal, vem para morrer!” </li></ul>
  7. 9. Lê a página 188 do teu manual
  8. 10. A recusa da democratização - a oposição política <ul><li>Formou-se o Movimento de Unidade Democrática (MUD) que nas eleições presidenciais apresentou a candidatura de Norton de Matos </li></ul><ul><li>Este candidato acabou por desistir das eleições, vencendo o candidato do regime ( general Carmona ) ) </li></ul>
  9. 11. Candidatura de Humberto Delgado <ul><li>Em 1958, a oposição apresentou outro candidato às eleições, Humberto Delgado </li></ul><ul><li>Durante a campanha este conseguiu uma grande adesão popular </li></ul>
  10. 12. Fraude eleitoral <ul><li>Apesar de todo o apoio popular, venceu as eleições o candidato do regime, Américo Tomás </li></ul><ul><li>A oposição acusa o governo de fraude eleitoral </li></ul><ul><li>Humberto Delgado fugiu para o exílio no Brasil e, mais tarde foi assassinado por elementos da PIDE </li></ul>
  11. 13. 1-Como reagiu a oposição ao regime de Salazar? <ul><li>Formação do MUD (Movimento de Unidade Democrática) que era um movimento de oposição ao regime que pretendia concorrer às eleições </li></ul><ul><li>Apresentação às eleições presidenciais pela oposição do candidato Norton de Matos e de Humberto Delgado </li></ul>
  12. 15. Lê o doc. 3 da página 193
  13. 16. GUINÉ ANGOLA MOÇAMBIQUE OS TERRITÓRIOS EM GUERRA
  14. 17. “ Para Angola, rapidamente e em força” <ul><li>Face a este clima de revolta nas colónias, Salazar optou pela sua defesa. </li></ul><ul><li>Ordenou que o exército avançasse “para Angola, rapidamente e em força ” embarcando milhares de soldados para as colónias. </li></ul><ul><li>Iniciava-se a longa Guerra colonial (1961-1974). </li></ul>
  15. 19. Portugal mobilizou para a guerra colonial mais de 800 mil jovens , teve 8 mil mortos, 112.205 feridos e doentes, 4 mil deficientes físicos e estima-se que cerca de 100 mil doentes de stress de guerra.
  16. 20. Por que razão Salazar não concedeu a independência às colónias? <ul><li>Salazar considerava as colónias portuguesas uma parte integrante do nosso país ( províncias ultramarinas) e assim não se justificava a sua independência. </li></ul>
  17. 21. Quais foram as consequências da guerra colonial? <ul><li>As consequências foram: </li></ul><ul><li>elevado número de mortos e inválidos </li></ul><ul><li>Diminuição da mão de obra </li></ul><ul><li>Elevadas despesas com os gastos militares </li></ul><ul><li>Isolamento do país a nível internacional </li></ul><ul><li>Graves traumas psicológicos </li></ul>
  18. 23. Questões orientadoras : <ul><li>1-Que medidas tomou Marcelo Caetano? </li></ul><ul><li>2-Como é que a Ditadura foi derrubada? </li></ul><ul><li>3-Quais as medidas tomadas pela Junta de Salvação Nacional? </li></ul>
  19. 24. Leitura da pág, 194
  20. 25. <ul><li>Em 1968, Salazar ficou incapacitado fisicamente e, foi substituído na chefia do governo por Marcelo Caetano </li></ul><ul><li>Este tomou algumas medidas: </li></ul><ul><li>Abrandamento da acção da censura e da PIDE </li></ul><ul><li>-Regresso de alguns exilados políticos </li></ul><ul><li>Mas, a liberalização fracassou: </li></ul><ul><li>-continuou a existir fraude eleitoral </li></ul><ul><li>- O atraso económico permaneceu </li></ul><ul><li>- Continuou a repressão exercida pela nova polícia política (DGS) </li></ul><ul><li>Manteve-se a guerra colonia l </li></ul>
  21. 26. 1-Que medidas tomou Marcelo Caetano? Marcelo Caetano tentou liberalizar a economia e a sociedade , mas as suas medidas fracassaram. A censura permaneceu( Exame prévio), a PIDE, passou a designar-se por DGS e a guerra colonial continuou.
  22. 27. O MFA <ul><li>A recusa em acabar com a guerra colonial levou à formação do Movimento das Forças Armadas (MFA), também conhecido por movimento dos capitães </li></ul><ul><li>O MFA planeou um golpe de Estado para a madrugada de 25 de Abril de 1974 </li></ul>
  23. 28. <ul><li>O MFA sob a direcção do major Otelo de Saraiva e, contando com o apoio de militares de todo o país , levou a cabo uma revolução cujo objectivo era pôr fim ao regime do Estado Novo </li></ul>
  24. 29. Às 4h.26m da madrugada de 25 de Abril de 1974, a Rádio Clube Português emite o 1ª comunicado do MFA A mesma rádio passou de seguida o Hino Nacional e continuou a transmitir os vários comunicados à população portuguesa <ul><li>1º Comunicado : Apelo à calma e à classe médica </li></ul><ul><li>2º Comunicado : pede-se prudência e explica-se a inutilidade da resistência </li></ul><ul><li>3º comunicado : reforça os primeiros, pede-se à população para recolher a casa e manter a calma </li></ul><ul><li>4º Comunicado : clarifica-se os objectivos do movimento </li></ul><ul><li>5º Comunicado : demonstra-se confiança no apoio popular e na vitória do movimento </li></ul>Salgueiro Maia
  25. 30. A noite que nos fez acordar livres <ul><li>Plano de operações: </li></ul><ul><li>Ocupação de pontos vitais: </li></ul><ul><li>-Cristo - Rei </li></ul><ul><li>Aeroporto de Lisboa </li></ul><ul><li>-Terreiro do Paço </li></ul><ul><li>-Estúdios do Rádio Clube Português </li></ul><ul><li>-Rádio Marconi </li></ul><ul><li>-Estúdios da Televisão </li></ul><ul><li>-Banco de Portugal </li></ul>
  26. 31. A população saiu para a rua , manifestando o seu apoio ao movimento. No quartel do Carmo, Marcelo Caetano rende-se ao capitão Salgueiro Maia, que acompanhado de uma imensa multidão controlou a tensão gerada pela impaciência popular e a hesitação dos governantes
  27. 38. Quartel do Carmo
  28. 39. o dia 25 de Abril de 1974. 8h00 - Cais das Colunas.
  29. 40. Lisboa, o dia 25 de Abril de 1974. PIDE - Rua António Maria Cardoso.
  30. 42. 2-Como é que a Ditadura foi derrubada? A 25 de Abril e 1974, o Movimento das Forças Armadas (MFA) chefiou um golpe de Estado , derrubando a ditadura.
  31. 43. A Junta de Salvação Nacional <ul><li>O MFA nomeou uma Junta de Salvação Nacional, à qual foram entregues provisoriamente, os poderes do Estado. Dela faziam, parte os generais Spínola e Costa Gomes </li></ul>
  32. 45. O REGRESSO DA LIBERDADE... A Junta de Salvação Nacional, presidi- da pelo General Spínola, governou o pa- ís até à formação de um governo provi- sório. No dia 26 de Abril, o General Spí- nola deu a conhecer o programa do MFA : <ul><li>Destituição do Presidente da República e do Governo; </li></ul><ul><li>Dissolução da Assembleia Na </li></ul><ul><li>cional: </li></ul><ul><li>Extinção imediata da DGS (ex </li></ul><ul><li>PIDE); </li></ul><ul><li>Libertação de todos os pre – </li></ul><ul><li>sos políticos; </li></ul>
  33. 46. <ul><li>Abolição da censura; </li></ul><ul><li>Liberdade de associação: </li></ul><ul><li>Lançamento de uma política ultra- </li></ul><ul><li>marina que conduzisse à paz. </li></ul>A reconquista da liberdade permitiu o regresso dos exilados... ... e o festejo do 1º de Maio...
  34. 47. Lê a Constituição da república Portuguesa de 1976, na pág 201
  35. 48. Constituição democrática - 1976 Liberdades individuais e colectivas, por exemplo: livre expressão de pensamento, livre associação em sindicatos e partidos políticos.
  36. 49. Constituição democrática - 1976 Sufrágio directo e universal para eleger o Presidente da República e os deputados à Assembleia da República Regiões Autónomas dos Açores e Madeira Poder local
  37. 50. Poderes políticos separados
  38. 51. 3-Quais as medidas tomadas pela Junta de Salvação Nacional? <ul><li>O MFA nomeou uma Junta de Salvação Nacional que tomou as seguintes medidas: </li></ul><ul><li>Fim da Ditadura </li></ul><ul><li>Regresso dos exilados políticos </li></ul><ul><li>Libertação dos presos políticos </li></ul><ul><li>Fim da censura e da PIDE/DGS </li></ul><ul><li>Fim da Guerra Colonial </li></ul>
  39. 52. A Constituição defende: <ul><li>Igualdade de todos perante a lei </li></ul><ul><li>Direito à liberdade e segurança </li></ul><ul><li>Liberdade de expressão, informação </li></ul><ul><li>Liberdade sindical e direito à greve </li></ul><ul><li>Direito ao voto </li></ul>
  40. 53.
  41. 54. Novos países independentes Guerras civis Retornados (cerca de 800.000 pessoas) 1974 1975 1975 1975 1975
  42. 55.  
  43. 56. Desenvolvimento económico Adesão à União Europeia (na altura CEE) Construção de infra-estruturas, nomeadamente estradas e auto-estradas, portos e pontes Modernização da agricultura e indústria Ensino básico obrigatório e gratuito
  44. 57.   ?
  45. 58. “ O que Abril representa, não pode ser reduzido a um acto de memória ou a um ritual evocativo. Tem de ser memória do passado e afirmação do futuro.” Edite Estrela
  46. 59. 25 de Abril de 1974

×