Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Cobertura de destaque do Jornal Exclusivo sobre o Azimute 720

473 Aufrufe

Veröffentlicht am

Veröffentlicht in: Business
  • Als Erste(r) kommentieren

  • Gehören Sie zu den Ersten, denen das gefällt!

Cobertura de destaque do Jornal Exclusivo sobre o Azimute 720

  1. 1. 08/09 ESPECIAL  MERCADO  05 a 11/05/2014 Elas compram menos calçados e q Azimute720 objetiva balizar estratégias da indústria e varejo nacionais de calçados Carina Locks Q ue o momento não é dos melhores pa- ra o setor calçadis- ta brasileiro, quem acom- panha o mercado está cansado de saber. A crise econômica e a retração do consumo de forma ge- ral parecem ter afetado negativamente o segmen- to. Confirmando tal cená- rio, a pesquisa Azimute720, da Focal Pesquisas (Porto Alegre/RS), mostra que as mulheres, que for- mam o principal nicho de consumo de sapatos no País, estão comprando menos calçados. Para o responsável pelo estudo, Gustavo Campos, a situa- ção representa um desafio para a indústria nacio- nal. Como dica, ele aler- ta as fábricas para que apostem no posiciona- mento das marcas e para que invistam em qualidade. “Preço baixo não vence na crise”, argumenta o analista de Inteligência da empresa, acrescentando que o estu- do mostrou, também, que há espaço para marcas bem consolidadas no mercado. Embora a Azimute720 compile números de 2013, ela só foi apresentada recentemente devido à grande quantidade de in- formações, que precisou ser registrada e avaliada. A pes- quisa mostra que, em 2013, as mulheres compraram, em média, 5,7 pares de cal- çados. Em 2011, quando foi feito o estudo anterior, a média era de 7,05 pares ao ano. É inegável que a que- da, que gira em torno dos 20%, foi sentida pela in- dústria. Contraponto EmboraaAssociaçãoBra- sileira das Indústrias de Cal- çados (Abicalçados) aponte crescimento no consumo de calçados de 2011 para 2012 - os do ano passado ainda não foram contabilizados -, a re- alidade é distinta por reunir todos os segmentos (femini- A situação representa um desafio para a indústria nacional. As fábricas devem apostar no posicionamento das marcas e investir em qualidade. Há espaço para marcas bem consolidadas no mercado. no, masculino, infantil e es- portivos). Já a Azimute720 refere-se apenas ao público feminino. Da mesma forma, embo- ra números da Abicalçados apontem crescimento na pro- dução nacional, que foi de 819 milhões em 2011 e a es- timativa é que tenha sido de 900 milhões em 2013, a enti- dade vem declarando que o aumento refere-se à produ- ção de modelos injetados, de fabricação simples. Preço Em relação ao preço, po- rém, os números apurados pelo estudo da Focal Pesqui- sas mostraram-se mais ani- madores. Em 2013, o pú- blico feminino pagou, em média, R$ 127,00 por um escarpim básico. Em 2011, elas pagaram R$ 106,84   A Azimute720 é reconheci- da pelo mercado como a mais completapesquisasobreocon- sumo de calçados femininos no Brasil, tanto que esta se- gunda edição, que apresenta números de 2013, contou com patrocínio exclusivo da Asso- ciaçãoBrasileiradasIndústrias de Calçados (Abicalçados). Para o presidente-executi- vo da entidade, Heitor Klein, o estudo tem como objetivo balizar as estratégias da indús- triaevarejodecalçadosatravés do comportamento de consu- modecalçadosfemininos,seg- mento que responde por mais de 56% do total de calçados produzidos no País - 490 mi- lhões de pares de um total de 864 milhões. “A pesquisa ser- ve como um guia para o setor calçadista,quevivediasdifíceis comaconcorrênciadeslealdos produtosasiáticoseproblemas estruturaisjáconhecidoseque fazempartedochamadoCusto Brasil”, diz. Consumidor ConformeoanalistadeIn- teligência da Focal Pesquisas, Gustavo Campos, o levanta- mento visa trazer o consumi- dorparaoâmbitodadiscussão sobreovarejodecalçados.Em um universo de 2.429 questio- nários respondidos por mu- lheres com idade média de 34 anosnasseisprincipaiscapitais doBrasil(BeloHorizonte,Bra- sília, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro e São Paulo), o es- tudo mostra dados relevantes e que podem orientar estraté- gias comerciais da indústria e do varejo calçadista. Pesquisa que mapeia o comportamento de compra das brasileiras mostra, ainda, que elas estão pagando mais pelo mesmo modelo. Já por umpardesandálias,asconsu- midoras desembolsaram, em média, R$ 99,30 em 2013, an- te R$ 86,46 em 2011. Para Campos, os valores pagosmostramquea brasilei- ravalorizamaisumescarpim, que registrou maior aumento no preço médio pago, do que uma sandália, embo- ra, muitas vezes, os mo- delos abertos sejam maisdifíceisdeproduzir.“Ob- serva-sequeelaencontramais utilidadeemumescarpim,que pode ser usado em qual- quer clima, em várias oca- siões e até mesmo se não estiver com as unhas feitas”, exemplifica ele. A q
  2. 2. querem conforto s pelo produto e compram mesmo sem necessidade real Variedade e atendimento são prioridade no ponto de venda   Quando o assunto é ponto de venda, as lojas multimar- cascontinuamsendoasprefe- ridas das consumidoras. Para 65% delas, conforme a Azi- mute720, este é o local mais adequadoparacomprar.Are- presentatividadedonúmero é explicada por Campos tendo em vista o comportamento padrão feminino. “Nas mul- timarcas, ela tem o poder de decisão que tanto a fascina”, avalia o pesquisador, acres- centando que a escolha por estetipodecomérciotambém pode ser fundamentada pela questão da praticidade. Ao contrário, as lojas mo- nomarcaobtiverampercentu- al pouco representativo (veja tabela abaixo), com 5,9% da preferência. Segundo Cam- pos, este foi o tipo de negócio que mais caiu na avaliação da pesquisa em comparação à edição anterior, perdendo es- paço para as lojas de depar- tamento, porque dispõem de menos opções de modelos à consumidora. Para ele, as lo- jas de departamento devem conquistaraindamaisaprefe- rência das mulheres, pela pra- ticidade que oferecem. “Elas podem, inclusive, tirar espa- ço das multimarcas”, prevê o analista. Já as compras pela inter- net, embora ainda pouco re- presentativas no ranking ge- ral,merecemdestaqueporque foi o modelo de compra que mais cresceu em percentual em relação à pesquisa reali- zada em 2011. Atendimento Ainda avaliando o pon- to de venda, as mulheres res- Além de bem-estar, as mulheres querem design, materiais e preço Para 63,8% das consumido- ras brasileiras, calce e conforto são as características mais im- portantes em um sapato. Na sequência, design/estilo, mate- riais empregados e preço/con- dições de pagamento também merecem destaque (veja abai- xo). Neste aspecto, Campos é enfático em destacar que esta- mos vivendo a década do con- forto e que se ele estiver au- sente em um modelo, isso irá atrapalhar a venda. “Se a mu- lher não consegue usar o calça- do o dia todo, ela volta na loja e devolve o produto”, resume. Se há alguns anos o design ti- nha grande importância para as brasileiras, hoje o confor- to tomou a liderança. No en- tanto, elas não estão dispostas abrir mão do estilo e buscam sapatos que unam as duas ca- racterísticas. Outro aspecto destacado por Campos é que, a partir das respostas, é possível concluir que coleções muito comerciais podem ser perigosas para as marcas. Seria uma armadilha que, se fizer a empresa abando- nar o diferencial que a fez che- gar a determinado patamar de aceitação – a qualidade -, pode fazer a empresa mergulhar em uma situação irreversível. “Em um momento de baixa no con- sumo, é fundamental sustentar a imagem que a marca tanto trabalhou para criar”, orienta o analista de Inteligência. Consumo A pesquisa tam- bém mostrou que mais da metade das mulheres com- pram sapatos mes- mo quando não pre- cisam. A informação indica um caminho a ser explorado tanto pela indústria, quanto pelo varejo, que podem criar ne- cessidades de consumo. Outro nú- mero interessante é que, para um terço das entrevistadas, o sapato é mais impor- tante do que roupa que elas vestem. ponderam que o atendimen- to é o que mais pesa na hora de escolher uma loja, com 62,1% da preferência. Logo em seguida vem preço/condi- ções de pagamento, com 62% dos votos. Outros quesitos aponta- dos por elas para decidirondecom- prar foram Varie- dade (45,7%), Marca dos calça- dos (31,9%), Vi- trine (25,5%), Ambiente de loja (19,3%), Localização (18%),Confiança/credibilida- de(15,1%),Crediário(10,4%) e Nome da loja (7,9%). Em relação à própria per- sonalidade, as pesquisadas classificaram-se como vaido- sa, prática, moderna, discreta, extrovertida,calma,sonhado- ra, agitada, casual, modesta, descolada,dócil,clássica,con- servadora, expansiva, arroja- da, introvertida e agressiva, nesta ordem. “Nas multimarcas, ela tem o poder de decisão que tanto a fascina”, avalia o pesquisador Imagens:Fotolia.com

×