Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Aula 4 Medicina

9.905 Aufrufe

Veröffentlicht am

Veröffentlicht in: Bildung, Technologie, Seele & Geist

Aula 4 Medicina

  1. 1. Farmacodinâmica 2 Aspectos moleculares da ação farmacológica
  2. 2. História do conceito de sítio de ação (“receptor”) <ul><li>John Locke (1690): “Se soubéssemos as afecções mecânicas entre as partículas de ruibarbo (...) ópio e um homem (...) deveríamos ser capazes de prever de antemão que o ruibarbo irá purgar, e o ópio irá fazer com que o homem durma (...)” </li></ul><ul><li>1865: Kekulé hipotetiza a estrutura do anel benzênico. </li></ul><ul><li>1878: John Langley enuncia a existência de uma substância com a qual a pilocarpina e a atropina formam “compostos”. </li></ul><ul><li>1905: Langley usa o termo “substância receptiva” para explicar as ações da nicotina e do curare no músculo esquelético. </li></ul><ul><li>1909: A. V. Hill enuncia o conceito quantitativo de receptor em termos de uma reação que segue a lei da ação das massas </li></ul>
  3. 3. A. V. Hill (1909) <ul><li>Foca-se no curso temporal da contração do músculo reto abdominal do sapo, produzida pela nicotina. </li></ul><ul><li>Demonstra que a curva concentração-efeito, no equilíbrio, é descrita pela equação </li></ul><ul><li>“ Essa é a exata forma (...) e é forte evidência em favor de uma combinação entre a nicotina e algum constituinte do músculo”. </li></ul>
  4. 4. Paul Ehrlich <ul><li>Enuncia o conceito moderno de receptor (“Corpora non agunt nisi fixata”), a partir de seu interesse na imunologia e quimioterapia de doenças infecciosas. </li></ul><ul><li>1909: descobre o Salvarsan, primeiro tratamento efetivo da sífilis. </li></ul>
  5. 5. Alvos para a ação dos fármacos <ul><li>Receptores </li></ul><ul><ul><li>Receptores ligados a canais iônicos (alosterismo) </li></ul></ul><ul><ul><li>Receptores de membrana </li></ul></ul><ul><ul><li>Receptores ligados à tirosina quinase </li></ul></ul><ul><ul><li>Receptores nucleares </li></ul></ul><ul><li>Canais iônicos </li></ul><ul><li>Enzimas </li></ul><ul><li>Moléculas transportadoras </li></ul>
  6. 6. Receptores Agonista Classe Efeito Abertura/fechamento canais iônicos Antagonista Bloqueio dos mediadores Ex.: Nicotina (Agonista nAChRs) Ex.: Danazol (Bloqueador rcpt estrogênio) Ativação / inibição enzimática Ex.: THC (Agonista CB 1 ) Modulação de canais iônicos Ex.: Diazepam (Ligante BZD) Expressão gênica Ex.: Etinilestradiol (Ligante rcpt estrogênio)
  7. 7. Superfamílias de receptores
  8. 8. Receptor 5-HT 3 Peters et al., 1993
  9. 9. Receptor GABA A Bicuculina Clordiazepóxido Berezhnoy et al., 2007
  10. 10. Receptores ligados a proteínas G heterotriméricas Free et al., 2007
  11. 11. Famílias de proteínas G heterotriméticas <ul><li>G i/o </li></ul><ul><ul><li>G α s </li></ul></ul><ul><ul><li>G α olf </li></ul></ul><ul><ul><li>G α 1,2,3 </li></ul></ul><ul><ul><li>G α oA,B </li></ul></ul><ul><ul><li>G α t1,2 </li></ul></ul><ul><ul><li>G α z </li></ul></ul><ul><li>G β </li></ul><ul><ul><li>β 1- β 4, </li></ul></ul><ul><ul><li>β 6 </li></ul></ul><ul><ul><li>β 5 </li></ul></ul><ul><li>Gq </li></ul><ul><ul><li>G α q </li></ul></ul><ul><ul><li>G α 11 </li></ul></ul><ul><ul><li>G α 14 </li></ul></ul><ul><ul><li>G α 15 </li></ul></ul><ul><ul><li>G α 16 </li></ul></ul><ul><li>G 12 </li></ul><ul><ul><li>G α 12 </li></ul></ul><ul><ul><li>G α 13 </li></ul></ul><ul><li>G γ </li></ul> AC ↓ AC  K + ↓ Ca 2+  PDE6 ↓ cGMP ↓ AC  PLC β 1 Troca do ρ GTP
  12. 12. Proteínas G monoméricas Lodish et al., 2005
  13. 13. Famílias de proteínas G monoméricas <ul><li>Ras: Associadas à MAPK; ativadas nas cascatas de rcpts ligados a TRK. </li></ul><ul><li>Rho: Associadas à via JNK e p160MAPK; Ativadas por GEFs. </li></ul><ul><li>ARF: Fatores de ribosilação; associados à ribosilação das proteínas G s heterotriméricas (cólera). </li></ul><ul><li>Rab: Facilitam a formação de complexos SNARE. </li></ul><ul><li>Ran: Associadas ao tráfego de proteína e RNA para e do núcleo; ativadas por GEFs como a RCC1. </li></ul>
  14. 14. Transdução de sinal e proteínas G
  15. 15. Adenilato ciclase S Free et al., 2007 Sildenafil Teofilina Cafeína
  16. 16. Adenilato ciclase Lodish et al., 2005
  17. 17. S G α s AC9 S Ca 2+ -CaM S G α s AC8 PKC: S S G α s S G βγ (cond. atv. G α s) AC7 I Ca 2+ PKA: I PKC: I S G α s I G βγ I G α i AC6 I Ca 2+ PKA: I PKAC G α , ς S G α s I G βγ I G α i AC5 PKC: I S G α s S G βγ (cond. atv. G α s) AC4 S Ca 2+ -CaM PKC: S fraca CaMKII: I S G α s AC3 PKC: S S G α s S G βγ (cond. atv. G α s) AC2 S pela I de Ca 2+ -CaM PKC: S fraca CAMKIV: I S G α s I G βγ I G α o AC1 Cálcio Proteínoquinases Proteína G Isoforma
  18. 18. Alvos do AMPc <ul><li>PKA (proteínoquinase dependente do AMPc): Quinase direcionada a serina/treonina </li></ul><ul><li>CNG (canais ligados a nucleotídeos cíclicos) no epitélio olfatório e nodo sinoatrial. </li></ul>
  19. 19. PKA
  20. 21. Canais iônicos ligados nucleotídeos cíclicos Free et al., 2007
  21. 22. Fosfolipase C Free et al., 2007
  22. 24. Proteínoquinase C <ul><li>Quinase direcionada a serina/treonina. </li></ul><ul><li>É ativada na presença de altas [Ca 2+ ] i </li></ul><ul><li>Ativação prolongada na presença de ésteres de forbol. </li></ul><ul><li>PKC α , γ , β I & β II: S por DAG, fosfatidilserina (PS) e Ca 2+ </li></ul><ul><li>PKC δ , ε , η , θ : Estimuladas por DAG e PS. </li></ul><ul><li>PKC ς , ι / λ : Estimuladas por PS. </li></ul><ul><li>Associadas à liberação de trmtr, regulação de canais iônics, controle do crescimento e diferenciação, e modificação da plasticidade neural. </li></ul>
  23. 25. PKC Lodish et al., 2005
  24. 26. Lodish et al., 2005
  25. 27. Cálcio como sinalizador <ul><li>Células em repouso apresentam [Ca 2+ ] i de ~100 nM. </li></ul><ul><li>Fontes externas: Canais de Ca 2+ operados por voltagem, canais de Ca 2+ operados por ligantes. </li></ul><ul><li>Fontes internas: canais de Ca 2+ operados por depósitos  IP 3 R e rcpt de rianodina. </li></ul><ul><li>Tampões citosólicos: Parvalbumina, calbindina, calretinina  regulam a forma e a duração do sinal e limitam-no espacialmente. </li></ul>
  26. 28. Ca 2+ -calmodulina <ul><li>Sensor de cálcio que medeia a ligação do cálcio e a atv. bioquímica. </li></ul><ul><li>Regula a contração da musculatura lisa (ligação a MLC), interação entre vias de sinalização, transcrição gênica, modificação de canais iônicos, e metabolismo. </li></ul><ul><li>Diversas enzimas ativadas pela Ca 2+ /CaM são fosforilases. </li></ul>
  27. 29. Lodish et al., 2005
  28. 30. Tráfego de agonistas
  29. 31. Tráfego de agonistas
  30. 32. β arr, dessensibilização e eficácia colateral Lodish et al., 2005
  31. 33. Fosforilação de proteínas <ul><li>Processo proeminente de diversas vias de sinalização. </li></ul><ul><li>Associado a proteínoquinases e proteínofosfatases. </li></ul><ul><li>PKs: Divididas em dois grupos, em função do aminoácido que fosforilam (serina/treonina e tirosina). </li></ul>
  32. 34. Fosforilação como via de regulação
  33. 35. Fosforilação como via de regulação
  34. 36. Resumo: Rcpts ligados a proteínas G <ul><li>Ligantes: Aminas biogênicas, glucagon, vasopressina, ACTH, adenosina. </li></ul><ul><li>Receptores: Receptores 7TM; domínio citosólico associado a uma prot. G heterotrimérica. </li></ul><ul><li>Transdução de sinal: Segundos-mensageiros envolvendo AMPc, IP 3 /DAG ou GMPc. </li></ul>
  35. 37. Tirosina quinases <ul><li>Catalizam a transferência de um fosfato para um resíduo tirosina em um polipeptídeo. </li></ul><ul><li>Dividem-se em quinases receptoras e não-receptoras. </li></ul>
  36. 38. Receptores ligados à tirosina quinase (RTKs) Lodish et al., 2005
  37. 39. RTKs Lodish et al., 2005
  38. 40. Receptores de citocinas Lodish et al., 2005
  39. 41. Epidermal growth factors (EGFs) e proteínas G monoméricas Lodish et al., 2005
  40. 42. Epidermal growth factors (EGFs) e proteínas G monoméricas Lodish et al., 2005
  41. 43. Epidermal growth factors (EGFs) e proteínas G monoméricas Lodish et al., 2005
  42. 44. PI-3 quinase Lodish et al., 2005
  43. 45. Guanilil ciclases Sítio de ligação do transmissor (ANP ou BNP) Atv <ul><li>Produção de NO </li></ul><ul><li>Relaxa// mus. liso </li></ul><ul><li>Vasodilatação </li></ul><ul><li>Agr. plaquet. </li></ul><ul><li>Trans. sínáptica </li></ul><ul><li>Natriurese </li></ul><ul><li> PA </li></ul>Free et al., 2007
  44. 46. Alvos do GMPc <ul><li>PKG (proteínoquinase dependente do GMPc): Quinase direcionada a serina/treonina  vasodilatação, regulação da pressão arterial, modulação da liberação de cálcio, modulação de receptores NMDA, regulação da apoptose e sobrevivência de nrns. </li></ul><ul><li>CNGs: Fotorreceptores e epitélio olfativo. </li></ul><ul><li>Fosfodiesterases: Regulação da atividade do AMPc. </li></ul>
  45. 47. Nitratos orgânicos como vasodilatadores <ul><li>Os nitratos orgânicos reduzem o tônus da musculatura lisa vascular ativando a guanilato ciclase e elevando os níveis intracelulares de GMPc </li></ul><ul><li>O agente causativo desse processo é o NO gerado a partir do nitrato orgânico. </li></ul><ul><li>A geração de NO a partir do nitrato (via uma aldeído desidrogenase mitocondrial) depende de uma fonte de grupos sulfidrila livres. </li></ul>Lüllmann et al., 2005
  46. 48. TNF Lodish et al., 2005
  47. 49. Antagonistas do TNF Salfeld & Kupper, 2007
  48. 50. Resumo: Rcpts com atv. enzimática intrínseca <ul><li>Rcps RTK </li></ul><ul><ul><li>Ligantes: Insulina, EGF, fator de crescimento de fibroblastos (FGF), neurotrofinas, outros fatores de crescimento. </li></ul></ul><ul><ul><li>Receptores: α -hélice transmembranar única; atv. tirosina quinase intrínseca no domínio citosólico. </li></ul></ul><ul><ul><li>Transdução de sinal: Via Ras-MAPK; via IP 3 /DAG; via PI-3 quinase. </li></ul></ul><ul><li>Rcpts citocinas </li></ul><ul><ul><li>Ligantes: Interferonas, eritropoietina, hormônio de crescimento, algumas interleucinas, outras citocinas. </li></ul></ul><ul><ul><li>Receptores: α -hélice transmembranar única; folha β conservada no domínio extracelular; JAK quinase associada com domínio intracelular. </li></ul></ul><ul><ul><li>Transdução de sinal: Ativação direta de fatores de transcrição STAT; via PI-3 quinase; via IP 3 /DAG; via Ras-MAPK. </li></ul></ul><ul><li>GCs </li></ul><ul><ul><li>Ligantes: Pleiotrofinas, hormônios. </li></ul></ul><ul><ul><li>Receptores: α -hélice transmembranar única; atv. guanilato ciclase intrínseca no domínio citosólico. </li></ul></ul><ul><ul><li>Transdução de sinal: Geração de GMPc. </li></ul></ul><ul><li>Vias NF- κ B </li></ul><ul><ul><li>Ligantes: Fator de necrose tumoral α , interleucina 1, antagonistas da TNF- α . </li></ul></ul><ul><ul><li>Receptores: Toll. </li></ul></ul><ul><ul><li>Transdução de sinal: Degradação dependente de fosforilação de proteína inibitória com liberação do fator de transcrição NF- κ B no citosol. </li></ul></ul>
  49. 51. Receptores nucleares Lodish et al., 2005
  50. 52. Glicocorticóides: Mecanismos de ação <ul><li>Mecanismo de trans-ativação básica: Maquinaria de transcrição opera em nível baixo; o complexo ligante-rcpt liga-se a um ou mais elementos de resposta a glicocorticóides (GREs) ‘positivos’ dentro da seqüência promotora, sobre-regulando a transcrição. </li></ul><ul><li>Mecanismo de trans-repressão básica: Maquinaria de transcrição ativada constitucionalmente por fatores de transcrição (TF); o complexo ligante-rcpt liga-se a um GRE ‘negativo’ (nGRE), deslocando esses fatores e ↓ a expressão gênica. </li></ul><ul><li>Mecanismo de transcrição precoce: A transcrição é conduzida, em altos níveis, pelos fatores de transcrição Jun e Fos , ligados ao sítio regulatório AP-1. Esse efeito é reduzido na presença do GR. </li></ul><ul><li>Mecanismo de fator nuclear kB: Os fatores de transcrição P65 e P50 ligam-se ao sítio NFkB, promovendo a expressão gênica; esse mecanismo é bloqueado na presença do GR, que liga-se aos fatores de transcrição e bloqueia suas ações. </li></ul>
  51. 53. Glicocorticóides: Mecanismos de ação
  52. 54. Resumo: Rcpts nucleares <ul><li>Ligantes: Moléculas lipofílicas, incluindo hormônios esteróides, tiroxina, retinóides e ácidos graxos. </li></ul><ul><li>Receptores: Domínio de ligação ao DNA, domínio de ligação de hormônios, domínio variável. </li></ul><ul><li>Transdução de sinal: Ativação do fator de transcrição pelo complexo ligante-receptor. </li></ul>
  53. 55. Canais iônicos Bloqueadores Classe Efeito Permeabilidade bloqueada Moduladores Aumento ou redução da probabilidade de abertura Ex.: Amilorida (Bloquedora canais Na + ) Ex.: Diidropiridina (Moduladora canais Na+)
  54. 56. Canais iônicos
  55. 57. TRPV1 <ul><li>A ativação desse receptor produz um influxo de cátions por um canal iônico, levando à despolarização de nrns nociceptivos. </li></ul><ul><li>O influxo de cálcio no nrn nociceptivo, através do TRPV1, causa a liberação de substância P e peptídeo relacionado ao gene da calcitonina, um fenômeno chamado de inflamação neurogênica . </li></ul><ul><li>Expressão em um subconjunto de nrns sensoriais pequenos ou médios que projetam-se da raiz dorsal, gânglio trigêmeo e gânglio nodoso para as camadas superficiais da medula e do trato solitário. </li></ul>
  56. 58. Fatores que ativam o TRPV1 <ul><li>Capsaicina </li></ul><ul><li>Prótons </li></ul><ul><li>Calor </li></ul><ul><li>Essa ativação produz correntes de cátions retificadoras, direcionadas para fora, com alta permeabilidade ao cálcio. </li></ul>
  57. 59. Prostaglandinas modulam a atividade do TRPV1
  58. 60. Canais de sódio voltagem-dependentes
  59. 61. Resumo: Receptores ligados a canais iônicos <ul><li>Ligantes: Neurotransmissores, GMPc, estímulos físicos, IP 3 . </li></ul><ul><li>Receptores: 4 ou 5 subunidades com um segmento homólogo em cada subunidade alinhando o canal. </li></ul><ul><li>Transdução de sinal: Mudança localizada no potencial de membrana devido ao influxo de íons; elevação do Ca 2+ citosólico. </li></ul>
  60. 62. Enzimas Inibidores Classe Efeito Inibição da reação normal Substrato falso Produção de metabólito anormal Pró-droga Produção da droga ativa Ex.: Sinvastatina (Inibidora HMG-CoA redutase) Ex.: Metildopa (Substrato falso HMG-CoA redutase) Ex.: Cortisona (Pró-droga p/ hidrocortisona)
  61. 64. Mecanismo de ação do captopril
  62. 65. Moléculas transportadoras Inibidores Classe Efeito Bloqueio do transporte Substrato falso Acúmulo de composto não-natural Ex.: Cocaína (Inibidora recaptação NE) Ex.: Metildopa (Substrato falso Recaptação NE)
  63. 66. Transportadores de glutamato Kanner e Zomot, 2008
  64. 67. Transportador bacterial de leucina
  65. 69. <ul><li>http://www.slideshare.net/caio_maximino/medicina1_aula4 </li></ul><ul><li>Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil. Para ver uma cópia desta licença, visite http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/2.5/br/ ou envie uma carta para Creative Commons, 171 Second Street, Suite 300, San Francisco, California 94105, USA. </li></ul>

×