Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Direito e moral

1.001 Aufrufe

Veröffentlicht am

Filosofia do Direito

Veröffentlicht in: Recht
  • Als Erste(r) kommentieren

  • Gehören Sie zu den Ersten, denen das gefällt!

Direito e moral

  1. 1.  O Direito é forma, e que esta forma se apropria das experiências gerais da sociedade, incluída as experiências morais dos grupos, as reflexões religiosas, os imperativos políticos, etc.  Há, na realidade uma retroalimentação entre o universo dos valores sociais e o universo dos valores jurídicos-normativos.
  2. 2.  A experiência e a norma moral, em aspectos cronológicos, são anteriores à norma legal.  A norma moral é interior, não há necessidade de nenhum impulso exterior, diferentemente do fenômeno jurídico.  A norma moral não é cogente, pois não tem contra si qualquer ato punitivo de uma autoridade pública, recorrendo-se, tão somente, a “sanções” diferenciadas, como “peso na consciência”, rejeição moral, vergonha, etc.  A norma moral não é sancionada nem promulgada, diferentemente da norma jurídica que são regulamentadas em procedimento formal, complexo e rígido.
  3. 3. O Direito pode caminhar em consonância com os ditames morais de uma sociedade, assim como andar em dissonância com os mesmos. Direito moral – É válido, possui sentido, encontrando reforço de manutenção, durabilidade, constância e obediência no consentimento popular. Direito imoral – Também é válido, no entanto contraria os sentidos valorativos de uma sociedade, é desprovido de sentido, o que leva a considerar como mero instrumento de poder e autoridade, destituído de algo que o enobreça como atividade prudencial.
  4. 4.  “A diferença essencial entre o Direito e a Moral, está em que o Direito têm por objeto as relações entre pessoas, enquanto que a Moral recai sobre o homem como indivíduo. Os deveres jurídicos são simples deveres de um sujeito de Direito com o outro” (Radbruch, Introdução à filosofia do direito, 1993). - Conclui-se, assim, que o Direito considera que as obrigações jurídicas partem da comunidade para o indivíduo, o desrespeito aos comandos jurídicos pode ter como modo de repulsa, a aplicação de sanções, ou até mesmo sob a força física, posto que o Estado monopoliza a violência. - A Moral, de outro giro, se qualifica como unilateral, incoercível e autônoma: - “A qual dessas categorias pertencerá a moral? Podemos dizer que a moral é o mundo da conduta espontânea, do comportamento que encontra em si próprio a sua razão de existir. O ato imoral implica a adesão do espirito ao conteúdo da regra.” ( Miguel Reale, Liçoes premiminares de direito, 1999)
  5. 5.  A dívida de jogo, como obrigação natural, não é obrigatória pela dinâmica do Direito posto. (art. 814 do CC)  O incesto não é considerado crime, mas é moralmente condenável.  Os negócios jurídicos e os tratos comerciais valorizam a boa-fé como presunção de vários atos (art. 164 do CC).  O mau proceder dos pais , do ponto de vista moral, pode acarretar efeitos jurídicos sobre o poder familiar (art. 1638 do CC).  A aplicação dos costumes no caso de lacunas da lei (art. 4° LICC).
  6. 6.  Na persecução histórica, a filosofia se orientou por diversos conceitos de justiça:  Platão – Justiça é virtude suprema:  “(...) Dissemos que todas as leis devem sempre visar um único objetivo, o qual, segundo nosso consenso, é denominado virtude com absoluta propriedade.”  Aristóteles – Justiça é igualdade /proporcionalidade:  Distributiva – A mais alta ocupação da justiça e mais sensível. (leva em consideração a distribuição de riquezas, benefícios e honrarias, sempre ponderando a questão do mérito e da proporcionalidade.) / Corretiva ou diortótica – Tenta compensar um quinhão que foi voluntariamente ou involuntariamente retirado. Nesse caso há uma proporcionalidade buscando uma mera reparação numérica direta./Reciprocidade - A ligação mais profunda, até então, entre direito e economia. Nesse tipo de justiça, busca-se equivaler valores desproporcionais com uma medida comum, no caso, o dinheiro.
  7. 7.  Justiça tomista, dar a cada um o que é seu, ou seja, a justa medida entre algo por excesso e outro algo por carência:  “Ora, a igualdade da justiça nós a constituímos fazendo o bem, isto é, dando a outrem que lhe é devido; conservamos a igualdade da justiça já constituída desviando-nos do mal, isto é, não causando nenhum dano ao próximo”. - O positivismo vê a justiça como realidade metafísica e impossível de ser conceituada.
  8. 8.  O Direito, se desprovido de essência e de finalidade, serve a qualquer objetivo, independente de qualquer valor, podendo ser importante ingrediente de utilidade para dominação e interesse de minorias.  O Direito deve abraçar a ideia teleológica de justiça como norma moral, por esta não ser coercível e considerada autônoma.  As normas jurídicas absorvem conteúdos de normas de justiça, funcionam como forma de compelir coercitivamente comportamentos injustos, de proscrevê-los socialmente, mas não há que se negar a natureza da justiça como norma moral e não jurídica.  Como contraponto à ideia positivista, o valor da justiça deve se destacar na sua efetivação.
  9. 9.  O Estado de Direito tem como dever mais básico o de respeitar a liberdade do cidadão, o qual garante a fruição dos demais direitos, sendo uma prestação negativa, ou seja, obrigação de não fazer.  Diferente do Estado de Direito, o Estado Absolutista não têm cidadão, mas súditos, com um único dever, a obediência:  “O Estado absoluto coloca-se como a encarnação mais perfeita da soberania entendida como poder que não reconhece ninguém superior”(Bobbio, Direito e Estado no pensamento de Kant). - Com a Revolução Francesa, passa a existir a soberania popular, saindo o súdito e entrando o cidadão. - A liberdade definida na Revolução Francesa apresenta duas perspectivas, uma limitando a liberdade de ação do Estado e outra garantindo a liberdade do cidadão, de forma interdependente.
  10. 10.  O respeito a lei é, para Reale, a pedra angular de toda a construção do moderno Estado de Direito:  “A exclusão dos atos de violência é, em suma, um dado básico e intocável do Estado de Direito, sem o que não haveria garantia de um ordenamento jurídico estável, sempre sob a ameaça de se obter pela força o que não se logra alcançar pelo voto.” (Miguel Reale, O estado democrático de direito e o conflito das ideologias). .
  11. 11.  O art. 5°, inciso II da CF de 88, utiliza a lei como parâmetro para limitação da liberdade do cidadão, ou seja, apenas ela determina obriga a fazer ou não fazer, o que se presume que em um Estado de Direito nada pode ser arbitrário:  “ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa, senão em virtude da lei.”  A perspectiva Revolução Francesa limitando a liberdade de ação do Estado e garantindo a liberdade do cidadão, de forma interdependentes pode ser comparada no tratamento dado ao Direito Administrativo e ao Direito Civil,  Tendo em vista que no Direito Administrativo vigora o princípio da supremacia do interesse público, e o Direito Civil é regido pelo princípio da autonomia da vontade, a administração só pode fazer o que a lei determina, e o cidadão só não pode fazer o que a lei proíbe.

×