Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro – IFTM
Campus Ituiutaba
Curso Técnico em Informát...
2
Introdução
Nessa época se fazia restrição ao desenvolvimento de atividades industriais no
Brasil. Apenas uma pequena ind...
3
A madeira tinha mercado certo na Europa onde era muito apreciada como tintura
para tecidos. Portugal começou a usar a ti...
4
Bahia, dezoito, e São Vicente, apenas dois. A lavoura da cana-de-açúcar era próspera e,
meio século depois, a distribuiç...
5
transporte do açúcar de Portugal à Holanda, pelo refino e pela colocação do produto no
mercado. Com isso, os holandeses ...
6
 Quinto: estabelecia que 20% do ouro extraído na Colônia e fundido nas casas de
fundição deveriam pertencer ao rei de P...
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×
Nächste SlideShare
Industrialização do brasil
Weiter
Herunterladen, um offline zu lesen und im Vollbildmodus anzuzeigen.

3

Teilen

Herunterladen, um offline zu lesen

Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)

Herunterladen, um offline zu lesen

Nessa época se fazia restrição ao desenvolvimento de atividades industriais no Brasil. Apenas uma pequena indústria para consumo interno era permitida, devido às distâncias entre a metrópole e a colônia.

Ähnliche Bücher

Kostenlos mit einer 30-tägigen Testversion von Scribd

Alle anzeigen

Ähnliche Hörbücher

Kostenlos mit einer 30-tägigen Testversion von Scribd

Alle anzeigen

Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)

  1. 1. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro – IFTM Campus Ituiutaba Curso Técnico em Informática Integrado ao 3° ano do Ensino Médio Disciplina: Geografia Industrialização no Brasil: Primeiro Período (1500 – 1808): Proibição Anelise Castro Queiroz Gabriel Resende Miranda Gustavo Souza Oliveira Jeniffer da Silva Alencar Letícia Finholdt Borges Lucca Alvarenga Manzi Furtado Thaís Ferreira de Menezes Professor: Leonardo Rocha Ituiutaba (MG) Março – 2014
  2. 2. 2 Introdução Nessa época se fazia restrição ao desenvolvimento de atividades industriais no Brasil. Apenas uma pequena indústria para consumo interno era permitida, devido às distâncias entre a metrópole e a colônia. Essas classificavam-se, principalmente, como de fiação, de calçados, ou de vasilhames. A partir da segunda metade do século XVIII, algumas indústrias começaram a crescer em território brasileiro, como é o caso das responsáveis pela fabricação de mármore e as indústrias têxteis. Portugal já era pioneira em tais áreas, e enxergou o desenvolvimento do Brasil como uma concorrência direta ao comércio da corte, além de que essa relação poderia compilar a independência econômica da colônia que, mais tarde, poderia ajudar em eventuais processos de independência política. Tendo em vista essa situação, em 5 de janeiro de 1785, D. Maria I assinou um alvará, extinguindo todas as manufaturas têxteis da colônia, exceto a dos panos grossos para uso dos escravos e trabalhadores. O Pacto Colonial imposto por Portugal estabelecia que o Brasil (Colônia) só podia fazer comércio com a Metrópole, não devendo concorrer com produtos produzidos lá. Logo, o Brasil não podia produzir nada que a Metrópole já produzisse. Desta forma foi estabelecido um monopólio comercial. Esse foi, de certa forma, imposto pelo governo da Inglaterra à Portugal, com o objetivo de garantir mercado aos comerciantes ingleses. Portugal nunca chegou a ter uma indústria significativa e desta forma dependia das manufaturas inglesas. Portugal se beneficiava do monopólio, mas o país era dependente da Inglaterra. O marco final dessa “proibição industrial” se dá em 1808 com a Abertura dos Portos, onde D. João VI (ao chegar no Brasil juntamente com toda a família real portuguesa) revogou o alvará, abriu os portos ao comércio exterior e fixou taxa de 24% para produtos importados, exceto para os portugueses que foram taxados em 16%. Período Pré-Colonial (1500 - 1530) Ciclo do Pau-Brasil Por quase meio século depois do descobrimento, a "árvore de tinturaria" foi o único interesse português no Brasil. A existência do Pau-Brasil despertou de imediato os exploradores e a localização das árvores, bastante acessíveis no litoral, dispensavam perigosas expedições ao interior.
  3. 3. 3 A madeira tinha mercado certo na Europa onde era muito apreciada como tintura para tecidos. Portugal começou a usar a tintura no século XV mas, desde o século IX, os árabes já comercializavam o chamado "pau de tinta" vindo da Índia. Não demorou muito para a primeira riqueza do país chegar perto da extinção. A exploração aliada à ocupação do litoral colocou em risco a existência do Pau-Brasil. A extração da madeira brasileira foi arrendada a negociantes de Lisboa. Em 1502, um consórcio privado começou a explorar pau-brasil e escravizar índios. A Coroa recebia percentuais crescentes sobre o total arrendado e os negociantes obrigavam-se a continuar explorando o litoral, construindo e guarnecendo a fortaleza. A segunda expedição de reconhecimento das novas terras retornou a Portugal em 1503 com uma carga de pau-brasil e escravos índios. A terceira expedição (1503-1504), da qual participou Américo Vespúcio, construiu uma fortaleza no porto hoje conhecido como Cabo Frio(RJ), de onde era feito o chamado resgate (carregamento) da madeira por navios europeus. Mais tarde surgiram pontos de resgate também em Pernambuco e na Baia de Todos os Santos (BA). As árvores eram cortadas por índios e os exploradores chegaram a carregar 20 mil toras de pau-brasil só da feitoria de Cabo Frio. Esta intensa atividade de exploração não formou núcleos de povoamento mas foi registrada na documentação portuguesa e nas obras de artistas que retrataram os primeiros anos do Brasil. Em 1832, com a notícia das primeiras descobertas de corantes artificiais, o mercado do pau-brasil para tintura começou a diminuir até 1875 quando D. Pedro II extinguiu o imposto especial cobrado sobre a exportação do pau-brasil que passou a receber a mesma taxação das outras madeiras. No entanto, uma nova etapa de exploração já estava iniciada. Em 1780, um artesão francês mudou a curvatura dos arcos de violino em busca de uma sonoridade mais limpa e descobriu que a densidade da madeira de pau-brasil dá o timbre perfeito, obsessão e busca de muitos músicos. Hoje as grandes orquestras sinfônicas só utilizam pau-brasil na feitura dos arcos de seus violinos e violoncelos dando preferência ao "pernambucowood" e a madeiras cujas árvores de origem tenham mais de 150 anos de idade. Período Colonial (1530 - 1808) Ciclo da Cana-de-Açúcar  Características: O ciclo da cana-de-açúcar, a primeira grande riqueza agrícola e industrial do Brasil, teve início quando foi simultaneamente introduzida nas suas três capitanias: Pernambuco, Bahia e São Paulo. Em 1549, Pernambuco já possuía trinta engenhos, a
  4. 4. 4 Bahia, dezoito, e São Vicente, apenas dois. A lavoura da cana-de-açúcar era próspera e, meio século depois, a distribuição dos engenhos perfazia um total de 256. Representou um dos momentos de maior desenvolvimento econômico do Brasil Colônia. Foi, durante muito tempo, a base da economia colonial. Tinha como objetivo principal a venda do açúcar para o mercado europeu. Além do açúcar destacou-se também a produção de tabaco e algodão:  Fumo (tabaco): embora tenha ocupado uma posição secundária na economia colonial, sua plantação e exportação partiam do Nordeste e era utilizado como produto para troca pelo escravo na África, juntamente com a aguardente.  Algodão: desenvolveu-se no Nordeste, em especial no Maranhão. Progrediu por culpa da crise nos Estados Unidos (devido à sua independência) e por ser matéria prima da indústria têxtil na Inglaterra. Apesar de todas essas características, a escolha da cana-de-açúcar como sendo o principal produto a ser investido em territórios coloniais se deu porque Portugal já tinha experiência do cultivo da planta nas ilhas do Oceano Atlântico; além disso, o açúcar era um produto de grande aceitação no mercado europeu por ser um artigo raro e de muita procura. As plantações ocorriam no sistema de plantation, ou seja, eram grandes fazendas produtoras de um único produto, utilizando mão de obra escrava e visando o comércio exterior.  Organização social dos Engenhos de Açúcar: Além de escravista, era rural e patriarcal. A sociedade colonial açucareira possuía dois grupos sociais básicos e opostos entre si: o grupo dos senhores (constituído pelo proprietário das terras, dos engenhos, do gado e dos trabalhadores) e o grupo dos escravos (tanto indígenas quanto africanos, eram comprados, vendidos, alugados e trocados; não possuíam absolutamente nada, e não eram donos nem de si mesmos). Haviam, também, os trabalhadores livres e assalariados (como feitores, mestres do açúcar, purgadores e carpinteiros) e os agregados, que faziam todo tipo de serviço em troca de comida e moradia.  O capital: Devido à falta de recursos para manter a indústria açucareira no Brasil, Portugal manteve uma espécie de “sociedade” com os holandeses nas Ilhas Atlânticas: a Metrópole ficaria encarregada de produzir e transportar o açúcar da Colônia até sua capital, e os holandeses ficariam responsáveis pelo financiamento dos engenhos, pelo
  5. 5. 5 transporte do açúcar de Portugal à Holanda, pelo refino e pela colocação do produto no mercado. Com isso, os holandeses ficariam com os maiores lucros da indústria açucareira.  Mão-de-Obra: A economia açucareira exigia vasta mão-de-obra. Diante disso, Portugal passou a trazer escravos negros do continente africano, adquiridos em forma de escambo. No último quartel do século XVI, foram trazidos 50 mil escravos principalmente para Pernambuco e Bahia, vinha em sua maioria da Guiné e África Ocidental. A partir de 1600, passou a vir 8 mil escravos por ano para a colônia. Eram trazidos, principalmente, da Angola e do Reino do Congo e integravam dois grandes grupos: os bantos e sudaneses. Ao chegarem ao Brasil, os escravos eram enviados aos armazéns onde eram negociados para trabalharem na plantação da cana-de-açúcar. Nos engenhos os escravos trabalhavam até 18 horas por dia e alimentavam-se de comida de péssima qualidade. A média de vida de um escravo chegava a 10 anos, e em 2 anos o proprietário retirava a despesa de sua compra, o restante era lucro. Ciclo do Ouro Iniciou-se no fim do século XVII quando o açúcar já não era tão importante devido ao seu investimento que estava sendo feito na América Central; sendo assim, foi necessário buscar uma outra forma de se obter uma economia rentável. Portugal aproveitou que as primeiras minas de ouro em solo brasileiro (nas regiões onde hoje ficam Minas Gerais e Goiás) estavam completamente “virgens”, e iniciou seu processo de exploração. Foi grande o fluxo de pessoas que se instalaram próximas às minas, interessadas em trabalhar na região. Esvaziaram muitas cidades, vilas e até mesmo diversos engenhos do Nordeste. A exploração do ouro e diamante foram responsáveis pelos rumos da Colônia no que se refere à interiorização e ao desenvolvimento urbano, através do surgimento de vilas e povoados nas regiões mineradoras, provocando a diversificação profissional no local. Tal processo foi tão importante que o governo português decidiu mudar a capital de Salvador para o Rio de Janeiro, pois estava mais próximo das minas de ouro. O Governo de Portugal passou a regulamentar a exploração do ouro, proporcionando a concentração do metal nas mãos de poucas pessoas. A Metrópole também criou alguns impostos acerca do metal, destacando-se o quinto, a capitação e a derrama.
  6. 6. 6  Quinto: estabelecia que 20% do ouro extraído na Colônia e fundido nas casas de fundição deveriam pertencer ao rei de Portugal;  Capitação: estabelecia uma taxa a se pagar à coroa por cada escravo na exploração das minas;  Derrama: estabelecia que a colônia deveria arrecadar 1.500kg de ouro por ano. A exploração, e as diversas taxas cobradas pela Coroa Portuguesa foram motivos para muitas revoltas que ocorreram nessa época. Por fim, o esgotamento das jazidas, associada à inexistência de técnicas apropriadas de mineração, foram os responsáveis pela decadência do ouro no final do século XVIII. Seu ciclo permaneceu até o ano de 1785. Referências Wikipédia: Brasil Colônia. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Brasil_Colônia Acesso: 23 de Março, 2014. Socio-História: Brasil Colônia, de 1500 à 1808. Disponível em: http://sociohistoria2011.blogspot.com.br/2012/02/brasil-colonia-1500- 1808.html Acesso: 23 de Março, 2014. Wikipédia: História da Industrialização no Brasil. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/História_da_industrialização_no_Brasil Acesso: 25 de Março, 2014. Brasil Colônia. Disponível em: http://brasil-colonia.info/mos/view/Economia/ Acesso: 25 de Março, 2014. Tribuna da Bahia. Disponível em: http://www.tribunadabahia.com.br/2012/11/21/transferencia-da-capital- para-rio-de-janeiro Acesso: 26 de Março, 2014.
  • AndressaBusch2

    Feb. 25, 2020
  • paulotefode

    Sep. 2, 2017
  • joseanar1

    Oct. 15, 2015

Nessa época se fazia restrição ao desenvolvimento de atividades industriais no Brasil. Apenas uma pequena indústria para consumo interno era permitida, devido às distâncias entre a metrópole e a colônia.

Aufrufe

Aufrufe insgesamt

6.569

Auf Slideshare

0

Aus Einbettungen

0

Anzahl der Einbettungen

2

Befehle

Downloads

25

Geteilt

0

Kommentare

0

Likes

3

×