Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro – IFTM 
Campus Ituiutaba 
Curso Técnico em Inform...
1 
Contexto Histórico 
As independências dos territórios africanos durante o século XX só foram possíveis devido a uma seq...
2 
2. Consolidação Territorial Efetiva: 
Iniciado em 1926 e concretizado em 1933, o regime ditatorial instaurado em Portug...
3 
5. Independência: 
Devido a fatores internos (Revolução dos Cravos, em 1974), Portugal retira seus exércitos do territó...
4 
Moçambique. Estes movimentos afirmavam que as políticas e planos de desenvolvimento desenvolvidos por autoridades do go...
5 
Referências 
Wikipédia - Angola: 
Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Angola 
Acesso: 16 de Agosto, 2014. 
Port...
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×

2

Teilen

Herunterladen, um offline zu lesen

Independência - Angola e Moçambique

Herunterladen, um offline zu lesen

Processo de independência das ex-colônias portuguesas no século XX: Angola e Moçambique.

Ähnliche Bücher

Kostenlos mit einer 30-tägigen Testversion von Scribd

Alle anzeigen

Ähnliche Hörbücher

Kostenlos mit einer 30-tägigen Testversion von Scribd

Alle anzeigen

Independência - Angola e Moçambique

  1. 1. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro – IFTM Campus Ituiutaba Curso Técnico em Informática Integrado ao 3° ano do Ensino Médio Disciplina: História Alexandre de Araújo Barreto Filho Daruick Fagundes da Silva Cunha Gabriel Resende Miranda Pedro Henrique Chagas Alves Tainara Gabriel Costa Thales Divino Vilela da Silva Lemes Professora: Patrícia Paes Leme Ituiutaba (MG) Agosto – 2014 Independência – Angola e Moçambique
  2. 2. 1 Contexto Histórico As independências dos territórios africanos durante o século XX só foram possíveis devido a uma sequência casual de acontecimentos históricos que possibilitaram as organizações populares a adquirirem soberania e autonomia sobre seus próprios territórios. Os principais fatores responsáveis pelas independências de Angola e Moçambique incluem:  Imperialismo: que, a partir do século XIX, possibilitou que as potências europeias pudessem invadir territórios africanos e os dividirem de acordo com seus próprios interesses; processo esse que foi consolidado durante a chamada Conferência de Berlim;  Segunda Guerra Mundial: com o fim da II Grande Guerra, as metrópoles europeias se encontravam em situações deploráveis no que tange assuntos econômicos e administrativos. A diminuição da influência bélica nas colônias, portanto, passam a se acentuarem cada vez mais;  Pan-Africanismo: O discurso de libertação na África em muito bebeu da tradição de pensamento do pan-africanismo que, iniciada nos Estados Unidos em meados do século XIX, foi apropriada e reconstruída pelos africanos, principalmente após a Segunda Guerra Mundial;  Independência da Argélia (1954 – 1962): O processo argelino foi o primeiro a buscar a independência por meio da luta armada. Diante da recusa francesa em ceder diplomaticamente, a Frente de Libertação Nacional (FLN) argelina passou a atacar o sistema colonial por meio de guerrilha urbana e, principalmente, rural. Era inaugurada a via armada na Independência africana. A FLN daria apoio logístico e estratégico à guerrilha em Angola e Moçambique;  Guerra Fria: a bipolaridade mundial afetará diretamente o andamento das independências africanas. Cada um dos núcleos (EUA e URSS) passarão a financiar partidos políticos que compartilhem de seus respectivos ideais. Angola 1. Localização: Oficialmente República de Angola, é um país da costa ocidental de África cujo território principal é limitado a norte e a nordeste pela República Democrática do Congo, a leste pela Zâmbia, a sul pela Namíbia e a oeste pelo Oceano Atlântico. Sua atual capital é Luanda.
  3. 3. 2 2. Consolidação Territorial Efetiva: Iniciado em 1926 e concretizado em 1933, o regime ditatorial instaurado em Portugal por António de Oliveira Salazar foi responsável pela consolidação de um estado colonial concreto em Angola. Foram reforçadas fronteiras territoriais e a distribuição de cargos administrativos a fim de gerir todos os processos existentes na colônia. O Salazarismo foi responsável por migrar centenas de portugueses para os centros populacionais angolanos com o intuito de disseminar indústrias e elevar a economia local, todavia, apesar de ter alcançado o desejado, lançou milhares de angolanos à condições deploráveis devido a imposição da venda de força de trabalho por salários baixíssimos (além de rebaixa-los à condição de não-cidadãos). 3. Movimentos Populares: Nos anos 1950 começou a articular-se uma resistência multipartidária contra a dominação colonial, impulsionada pela descolonização que se havia iniciado no continente africano depois do fim da Segunda Guerra Mundial, em 1945. O combate entre Angola e a metrópole Portugal teve 3 principais protagonistas: • o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), que tinha laços com partidos comunistas em Portugal e países pertencentes ao então Pacto de Varsóvia; • a Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA), que possuía fortes vínculos com o governo dos Estados Unidos e com o regime de Mobutu Sese Seko no Zaire; • e a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), beneficiária de algum apoio por parte da China. Em 4 de Fevereiro de 1961, toda a resistência se rebela contra o governo de Portugal, dando início aos conflitos. 4. Combate Armado: O Exército Português manteve controle dos grandes centros populacionais (incluindo a capital nacional) durante a maior parte do conflito, deixando apenas as periferias territoriais sob o domínio das guerrilhas. Grande parte da população angolana não se via motivada a lutar contra a metrópole. Tentando apaziguar a situação, Portugal lança o Estatuto do Indigenato, que devolve a cidadania aos angolanos nativos, eleva a colônia ao status de Estado de Angola e promove a disseminação de empregos e educação; o governo salazarista queria que o território continuasse a fazer parte da metrópole. Todas as propostas foram negadas pelos revolucionários, que pretendiam seguir em frente com as guerrilhas e com o processo de independência.
  4. 4. 3 5. Independência: Devido a fatores internos (Revolução dos Cravos, em 1974), Portugal retira seus exércitos do território angolano. A tríade partidária (MPLA, FNLA e UNITA), então, passa a disputar entre si a dominação efetiva para a construção de um novo estado. Nesse momento, cada um dos movimentos busca auxílio bélico de seu respectivo núcleo governamental e idealista; dessa forma, o combate “Comunismo x Capitalismo” se torna evidente no território, visto que intervenções dos EUA e da URSS se iniciam. O MPLA, financiado pela União Soviética, vence a disputa e se declara soberano, instaurando um governo socialista em Angola a partir de 11 de Novembro de 1975, nomeando como presidente o membro Agostinho Neto. Os demais partidos (não somente a FNLA e a UNITA) não ficaram satisfeitos com o ocorrido, iniciando, dessa forma, uma guerra civil que perdurou até 2002. Moçambique 1. Localização: Moçambique, oficialmente República de Moçambique, é um país localizado no sudeste da África, banhado pelo Oceano Índico a leste e que faz fronteira com a Tanzânia ao norte; Malawi e Zâmbia a noroeste; Zimbabwe a oeste e Suazilândia e África do Sul a sudoeste. A capital e a maior cidade do país é Maputo (chamada de Lourenço Marques durante o domínio português). 2. Antecedentes Históricos: Desde o fim do século XIX e início do século XX, Moçambique foi tomada por empresas privadas (principalmente britânicas) que eram responsáveis por toda a construção civil/urbana do território; tais empresas obrigavam a população nativa a realizar intensos trabalhos com salários absurdamente baixos, mas que serviam para o sustento familiar. Com a instauração do regime salazarista em Portugal, as empresas estrangeiras foram retiradas do território, lançando centenas de moçambicanos (agora, não-cidadãos) à miséria. 3. Contexto Social: Com ideologias comunistas e anticoloniais espalhando-se por toda a África, muitos movimentos políticos clandestinos foram estabelecidos em favor da independência de
  5. 5. 4 Moçambique. Estes movimentos afirmavam que as políticas e planos de desenvolvimento desenvolvidos por autoridades do governo eram voltadas apenas para o benefício da população portuguesa que vivia em Moçambique. 4. Independência: O contexto ao qual Moçambique estava lançada possibilitou a organização de diversos movimentos sociais que lutavam para maior autonomia de seu território; o principal deles foi a FRELIMO - Frente de Libertação de Moçambique (financiada pela URSS), que em Setembro de 1964 iniciou um conflito armado contra o Exército Português através de estratégicas táticas de guerrilha. Durante quase 10 anos, a disputa de poder se manteve a favor da metrópole, que dominava os principais centros populacionais. Todavia, como já citado, em 1974 ocorreu a Revolução dos Cravos em Portugal, que, então, assume a postura de retirar seus exércitos dos territórios coloniais. Esse fator, combinado com a assinatura dos Acordos de Lusaka, foi responsável pelo reconhecimento oficial da soberania do movimento FRELIMO no território bem como a sua autonomia nacional. Logo, em 25 de Junho de 1975, Moçambique é declarada independente de sua metrópole, possuindo como primeiro presidente um dos participantes ativos do movimento soberano, Samora Machel. Em contrapartida, um novo movimento passa a ganhar destaque nacional: o RENAMO – Resistência Nacional Moçambicana (apoiada por aliados dos EUA), que estava descontente com o governo socialista implantado. Inicia-se, então, uma guerra civil entre ativistas de ambos partidos, que só foi finalizada em Outubro de 1982. Conclusão As independências africanas, especificadamente as das ex-colônias portuguesas, foram motivadas pelos mesmos fatores históricos que se acumularam desde a chegada da metrópole no século XV até datas próximas ao fim da Segunda Guerra Mundial: uma população desolada e explorada que soube se aproveitar das oportunidades vigentes e, com muita dificuldade, conseguiu alcançar a independência de seus respectivos países. O decaimento de poder expansionista de Portugal devido à Revolução dos Cravos foi essencial para a conquista do território por parte dos nativos de ambos países, visto que as tropas de Salazar foram obrigadas a deixarem tanto Moçambique quando Angola. As influências dos EUA e da URSS no que tange apoio financeiro e ideal para os movimentos sociais responsáveis pela autonomia de seus estados marca, evidentemente, a total influência da Guerra Fria durante os processos de descolonização no continente africano (assim como ocorreu na Ásia).
  6. 6. 5 Referências Wikipédia - Angola: Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Angola Acesso: 16 de Agosto, 2014. Portal Oficial do Governo de Angola: Disponível em: http://www.governo.gov.ao/Historia.aspx Acesso: 16 de Agosto, 2014. Wikipédia - Guerra de Independência de Angola: Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Guerra_de_Independência_de_Angola Acesso: 16 de Agosto, 2014. Petrinus - Independência de Angola: Disponível em: http://petrinus.com.sapo.pt/independencia.htm Acesso: 17 de Março, 2014. Wikipédia - Moçambique: Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Moçambique Acesso: 17 de Agosto, 2014. Portal Oficial do Governo de Moçambique: Disponível em: http://www.portaldogoverno.gov.mz/Mozambique/resHistorico Acesso: 17 de Agosto, 2014.
  • EverthonIanCaprioliGoulart

    Nov. 6, 2019
  • Rafa_PradoG

    Nov. 8, 2015

Processo de independência das ex-colônias portuguesas no século XX: Angola e Moçambique.

Aufrufe

Aufrufe insgesamt

9.959

Auf Slideshare

0

Aus Einbettungen

0

Anzahl der Einbettungen

2

Befehle

Downloads

29

Geteilt

0

Kommentare

0

Likes

2

×