Filosofia Contemporânea
Estruturação: Prof. Gilberto Cotrim
Fundamentos da Filosofia
História e grandes temas
No século XX, os fundamentos do mundo
sofreram contínuos abalos. E a coisa mais
penosa dessa época é que só os tolos exibe...
No século XX, os fundamentos do mundo
sofreram contínuos abalos. E a coisa mais
penosa dessa época é que só os tolos exibe...
Século XX: Era de incertezas
Ao mesclar destruição e violência com uma
estupendo progresso
técnino-científico, desenvolveu...
Século XX: Era de incertezas
Ao mesclar destruição e violência com uma
estupendo progresso
técnino-científico, desenvolveu...
O Existencialismo
O existencialismo busca falar sobre a
existência humana.
A relação do homem consigo mesmo, com
outros se...
O Existencialismo
Apresenta uma visão dramática
da condição humana.
Albert Camus (1913 – 1960):
a única questão séria
é o ...
Concepções e Características
do Existencialismo
Ser Humano
É entendido como uma realidade imperfeita,
aberta e inacabada, que foi “lançada” ao
mundo e vive sob riscos e a...
Liberdade Humana
Não é plena, mas condicionada às
circunstância históricas da existência. Nesse
sentido, querer não se ide...
Vida Humana
É marcada por situações de sofrimento, como
doença, dor, injustiça, luta pela sobrevivência,
fracassos, velhic...
Vida Humana
É marcada por situações de sofrimento, como
doença, dor, injustiça, luta pela sobrevivência,
fracassos, velhic...
Filósofos Preexistencialistas:
Schopenhauer, Kierkegaard,
Nietzsche e Husserl.
Filósofos Preexistencialistas:
Schopenhauer, Kierkegaard,
Nietzsche e Husserl.
Edvard Munch, 1893
“Passeava com dois amigos ao pôr do sol quando o
céu ficou de súbito vermelho-sangue.
Eu parei, exausto, e inclinei-me sob...
Schpenhauer:
vontade e representação
“É mais feliz aquele que consegue viver sem
grandes sofrimentos do que o outro que vi...
Schpenhauer:
vontade e representação
Sua filosofia se caracteriza por uma visão
pessimista do homem e da vida. Para ele, o...
Schpenhauer:
vontade e representação
Sua filosofia se caracteriza por uma visão
pessimista do homem e da vida. Para ele, o...
Schpenhauer:
vontade e representação
Para Schopenhauer, apenas pela arte e
ascese, ou seja, abandono de si, pode o
homem s...
Kierkegaard:
a experiência única da vida
O pensador dinamarquês, como pensador
cristão, defendeu o conhecimento que se
ori...
Kierkegaard:
a dimensão estética
Na qual se procura o prazer.
Kierkegaard:
a dimensão ética
Na qual se vivencia o problema da liberdade e
da contradição entre
o prazer e o dever.
Kierkegaard:
a dimensão religiosa
Marcada pela fé.
De acordo com Kierkegaard, cabe ao homem
escolher em que dimensão ele quer viver, já
que se trata de dimensões que se excl...
Kierkegaard:
A relação do homem com o mundo - outros
seres humanos e a natureza – é dominada
pela angústia.
A angústia é e...
Kierkegaard:
A relação do homem consigo mesmo é
marcada pela inquietação e pelo desespero.
Motivos: ausência de satisfação...
Kierkegaard:
A relação do homem com Deus seria talvez a
única via para a superação da angústia e do
desespero. Contudo, é ...
Nietzsche:
humano, demasiado humano.
“Não há fatos, só interpretações.”
Nietzsche:
Apolíneo e dionisíaco
Em sua obra, Nietzsche critica a tradição da
filosofia ocidental a partir de Sócrates, a ...
Nietzsche:
Apolíneo e dionisíaco
Apolo:
deus da razão, da clareza, da ordem.
Dionísio:
deus da aventura, da música, da fan...
Nietzsche:
Genealogia da moral
Desenvolveu uma crítica intensa dos valores
morais, propondo uma nova abordagem: a
genealog...
Nietzsche:
Genealogia da moral
Conclusão: não existem noções
absolutas de bem e de mal.
Ou seja, são produtos histórico-cu...
Nietzsche:
Genealogia da moral
Assim, podemos compreender que os valores,
sendo humanos, podem ter seu valor
questionado.
...
Nietzsche:
Niilismo
Definição simples: negação de todo o princípio
religioso, político e social.
Quando o cristianismo dei...
Nietzsche:
Niilismo
“Deus está morto!”
Rejeição à crença num ser absoluto e
transcendental, capaz de traçar para todos os
...
Nietzsche:
Niilismo
“Ouse conquistar a si mesmo”
Orientação de Nietzsche àqueles que buscam
viver a “liberdade da razão”, ...
Husserl:
a fenomenologia e o retorno
às próprias coisas.
“Consciência é intencionalidade.
É sempre consciência de alguma c...
Husserl:
a fenomenologia e o retorno
às próprias coisas.
“Consciência é intencionalidade.
É sempre consciência de alguma c...
Husserl:
a fenomenologia e o retorno
às próprias coisas.
Formulou um método de investigação filosófica
conhecido como feno...
Husserl:
a fenomenologia e o retorno
às próprias coisas.
Dessa maneira, busca-se analisar como se
forma, para nós, o campo...
Husserl:
a fenomenologia e o retorno
às próprias coisas.
O método fenomenológico consiste,
basicamente, na observação e de...
Sartre:
a responsabilidade por
aquilo que fazemos.
Paris, França 1905 -1980
Sartre:
a responsabilidade por
aquilo que fazemos.
Paris, França 1905 -1980
Sartre:
a responsabilidade por
aquilo que fazemos.
“A liberdade é o fundamento de todos
os valores. O homem é aquilo que e...
Sartre:
a responsabilidade por
aquilo que fazemos.
“A liberdade é o fundamento de todos
os valores. O homem é aquilo que e...
Sartre:
a responsabilidade por
aquilo que fazemos.
“A liberdade é o fundamento de todos
os valores. O homem é aquilo que e...
Sartre:
a responsabilidade por
aquilo que fazemos.
“A liberdade é o fundamento de todos
os valores. O homem é aquilo que e...
Sartre:
a responsabilidade por
aquilo que fazemos.
A existência precede a essência.
A existência precede a essência.
Ponto 1: os objetos não possuem uma essência
anterior e que devemos nos concentrar nas
su...
A existência precede a essência.
Ponto 2: o homem também não tem uma
essência predeterminada, ou seja, antes de
existir o ...
A existência precede a essência.
Ponto 2: o homem também não tem uma
essência predeterminada, ou seja, antes de
existir o ...
Desse modo, o existencialismo, indica que o
modo como o sujeito vive sua própria vida
determinará o que ele é.
O existencialismo de Sartre é ateu, pois afirma
que o homem não possui elementos que
indiquem uma natureza prévia, ou uma
...
A consciência da liberdade é o que Sartre
denomina angústia.
Liberdade e Situação:
Não há nenhuma razão que justifique como o
mundo é. Essa absoluta contingência do
mundo é o que diss...
Liberdade e Situação:
Na vida de um presidiário, nenhuma ação tira a
liberdade do preso, apenas a coloca sob
determinada s...
Sem obstáculos não há liberdade.
Gandhi (1869-1948)
O existencialismo e a ética:
a escolha universal
Angustia moral é a enorme responsabilidade
que temos perante toda a human...
“Se vocês procuram por um culpado, basta
olhar no espelho.”
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×

Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea

477 Aufrufe

Veröffentlicht am

Slides para roteiro de aula. Organização: Rafael Lucas de Oliveira.

Veröffentlicht in: Bildung

Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea

  1. 1. Filosofia Contemporânea Estruturação: Prof. Gilberto Cotrim Fundamentos da Filosofia História e grandes temas
  2. 2. No século XX, os fundamentos do mundo sofreram contínuos abalos. E a coisa mais penosa dessa época é que só os tolos exibem convicções e certezas, enquanto os que possuem imaginação e raciocínio vivem repletos de dúvidas e indecisões. Bertrand Russel
  3. 3. No século XX, os fundamentos do mundo sofreram contínuos abalos. E a coisa mais penosa dessa época é que só os tolos exibem convicções e certezas, enquanto os que possuem imaginação e raciocínio vivem repletos de dúvidas e indecisões. Bertrand Russel
  4. 4. Século XX: Era de incertezas Ao mesclar destruição e violência com uma estupendo progresso técnino-científico, desenvolveu-se no século XX uma mentalidade menos arrogante quanto aos benefícios infalíveis da racionalidade científica.
  5. 5. Século XX: Era de incertezas Ao mesclar destruição e violência com uma estupendo progresso técnino-científico, desenvolveu-se no século XX uma mentalidade menos arrogante quanto aos benefícios infalíveis da racionalidade científica.
  6. 6. O Existencialismo O existencialismo busca falar sobre a existência humana. A relação do homem consigo mesmo, com outros seres humanos, com os objetos culturais e com a natureza.
  7. 7. O Existencialismo Apresenta uma visão dramática da condição humana. Albert Camus (1913 – 1960): a única questão séria é o suicídio.
  8. 8. Concepções e Características do Existencialismo
  9. 9. Ser Humano É entendido como uma realidade imperfeita, aberta e inacabada, que foi “lançada” ao mundo e vive sob riscos e ameaças.
  10. 10. Liberdade Humana Não é plena, mas condicionada às circunstância históricas da existência. Nesse sentido, querer não se identifica com poder. Homens e mulheres agem no mundo superando ou não os obstáculos que se lhes apresentam.
  11. 11. Vida Humana É marcada por situações de sofrimento, como doença, dor, injustiça, luta pela sobrevivência, fracassos, velhice e morte. É preciso considerar esses aspectos adversos da vida e encará-los de frente.
  12. 12. Vida Humana É marcada por situações de sofrimento, como doença, dor, injustiça, luta pela sobrevivência, fracassos, velhice e morte. É preciso considerar esses aspectos adversos da vida e encará-los de frente.
  13. 13. Filósofos Preexistencialistas: Schopenhauer, Kierkegaard, Nietzsche e Husserl.
  14. 14. Filósofos Preexistencialistas: Schopenhauer, Kierkegaard, Nietzsche e Husserl.
  15. 15. Edvard Munch, 1893
  16. 16. “Passeava com dois amigos ao pôr do sol quando o céu ficou de súbito vermelho-sangue. Eu parei, exausto, e inclinei-me sobre a vedação. Havia sangue e línguas de fogo sobre o azul-escuro do fiorde e sobre a cidade. Os meus amigos continuaram, mas eu fiquei ali a tremer de ansiedade e senti o grito infinito da Natureza.” Edvard Munch
  17. 17. Schpenhauer: vontade e representação “É mais feliz aquele que consegue viver sem grandes sofrimentos do que o outro que vive cercado de alegrias e prazeres.” “O tolo vive perseguindo a alegria da vida e acaba ludibriado, enquanto o sábio procura evitar o mal.”
  18. 18. Schpenhauer: vontade e representação Sua filosofia se caracteriza por uma visão pessimista do homem e da vida. Para ele, o ser humano seria essencialmente vontade, o que o levaria a desejar sempre mais, produzindo uma insatisfação constante.
  19. 19. Schpenhauer: vontade e representação Sua filosofia se caracteriza por uma visão pessimista do homem e da vida. Para ele, o ser humano seria essencialmente vontade, o que o levaria a desejar sempre mais, produzindo uma insatisfação constante.
  20. 20. Schpenhauer: vontade e representação Para Schopenhauer, apenas pela arte e ascese, ou seja, abandono de si, pode o homem se libertar da dor.
  21. 21. Kierkegaard: a experiência única da vida O pensador dinamarquês, como pensador cristão, defendeu o conhecimento que se origina da fé. Afirmava que a existência humana possui três dimensões: a dimensão estética, a dimensão ética e a dimensão religiosa.
  22. 22. Kierkegaard: a dimensão estética Na qual se procura o prazer.
  23. 23. Kierkegaard: a dimensão ética Na qual se vivencia o problema da liberdade e da contradição entre o prazer e o dever.
  24. 24. Kierkegaard: a dimensão religiosa Marcada pela fé.
  25. 25. De acordo com Kierkegaard, cabe ao homem escolher em que dimensão ele quer viver, já que se trata de dimensões que se excluem entre si. Essas dimensões podem ser entendidas, também, como etapas pelas quais o homem passa durante a sua existência: primeiro viria a estética, depois a ética e, por último, a religiosa.
  26. 26. Kierkegaard: A relação do homem com o mundo - outros seres humanos e a natureza – é dominada pela angústia. A angústia é entendida como o sentimento profundo que temos ao perceber a instabilidade de viver num mundo de acontecimentos possíveis, sem garantia de que nossas expectativas sejam realizadas.
  27. 27. Kierkegaard: A relação do homem consigo mesmo é marcada pela inquietação e pelo desespero. Motivos: ausência de satisfação plena ou impossibilidade de realizar aquilo que pretendia.
  28. 28. Kierkegaard: A relação do homem com Deus seria talvez a única via para a superação da angústia e do desespero. Contudo, é marcada pelo paradoxo de ter de compreender pela fé o que é incompreensível pela razão.
  29. 29. Nietzsche: humano, demasiado humano. “Não há fatos, só interpretações.”
  30. 30. Nietzsche: Apolíneo e dionisíaco Em sua obra, Nietzsche critica a tradição da filosofia ocidental a partir de Sócrates, a quem acusa de ter negado a intuição criadora da filosofia anterior, a pré-socrática.
  31. 31. Nietzsche: Apolíneo e dionisíaco Apolo: deus da razão, da clareza, da ordem. Dionísio: deus da aventura, da música, da fantasia e da desordem.
  32. 32. Nietzsche: Genealogia da moral Desenvolveu uma crítica intensa dos valores morais, propondo uma nova abordagem: a genealogia da moral, isto é, o estudo da formação histórica dos valores morais.
  33. 33. Nietzsche: Genealogia da moral Conclusão: não existem noções absolutas de bem e de mal. Ou seja, são produtos histórico-culturais. Para o filósofo as religiões impõe esses valores humanos como se fossem divinos.
  34. 34. Nietzsche: Genealogia da moral Assim, podemos compreender que os valores, sendo humanos, podem ter seu valor questionado. Porém, teremos que enfrentar o risco de vivermos por nós mesmos.
  35. 35. Nietzsche: Niilismo Definição simples: negação de todo o princípio religioso, político e social. Quando o cristianismo deixou de ser a “única verdade” para se tornar uma das interpretações possíveis do mundo, toda a civilização ocidental e seus valores absolutos foram postos em xeque.
  36. 36. Nietzsche: Niilismo “Deus está morto!” Rejeição à crença num ser absoluto e transcendental, capaz de traçar para todos os humanos “o caminho, a verdade e a vida.”
  37. 37. Nietzsche: Niilismo “Ouse conquistar a si mesmo” Orientação de Nietzsche àqueles que buscam viver a “liberdade da razão”, sem conformismo, resignação ou submissão.
  38. 38. Husserl: a fenomenologia e o retorno às próprias coisas. “Consciência é intencionalidade. É sempre consciência de alguma coisa.”
  39. 39. Husserl: a fenomenologia e o retorno às próprias coisas. “Consciência é intencionalidade. É sempre consciência de alguma coisa.”
  40. 40. Husserl: a fenomenologia e o retorno às próprias coisas. Formulou um método de investigação filosófica conhecido como fenomenologia.
  41. 41. Husserl: a fenomenologia e o retorno às próprias coisas. Dessa maneira, busca-se analisar como se forma, para nós, o campo de nossa experiência, sem que o sujeito ofereça resistência ao fenômeno estudado nem se desvie dele.
  42. 42. Husserl: a fenomenologia e o retorno às próprias coisas. O método fenomenológico consiste, basicamente, na observação e descrição rigorosa do fenômeno, isto é, daquilo que se manifesta, aparece ou se oferece aos sentidos ou à consciência.
  43. 43. Sartre: a responsabilidade por aquilo que fazemos. Paris, França 1905 -1980
  44. 44. Sartre: a responsabilidade por aquilo que fazemos. Paris, França 1905 -1980
  45. 45. Sartre: a responsabilidade por aquilo que fazemos. “A liberdade é o fundamento de todos os valores. O homem é aquilo que ele faz de si mesmo.”
  46. 46. Sartre: a responsabilidade por aquilo que fazemos. “A liberdade é o fundamento de todos os valores. O homem é aquilo que ele faz de si mesmo.”
  47. 47. Sartre: a responsabilidade por aquilo que fazemos. “A liberdade é o fundamento de todos os valores. O homem é aquilo que ele faz de si mesmo.”
  48. 48. Sartre: a responsabilidade por aquilo que fazemos. “A liberdade é o fundamento de todos os valores. O homem é aquilo que ele faz de si mesmo.”
  49. 49. Sartre: a responsabilidade por aquilo que fazemos. A existência precede a essência.
  50. 50. A existência precede a essência. Ponto 1: os objetos não possuem uma essência anterior e que devemos nos concentrar nas suas manifestações “existenciais” para conhecê-los.
  51. 51. A existência precede a essência. Ponto 2: o homem também não tem uma essência predeterminada, ou seja, antes de existir o home é “nada”.
  52. 52. A existência precede a essência. Ponto 2: o homem também não tem uma essência predeterminada, ou seja, antes de existir o home é “nada”.
  53. 53. Desse modo, o existencialismo, indica que o modo como o sujeito vive sua própria vida determinará o que ele é.
  54. 54. O existencialismo de Sartre é ateu, pois afirma que o homem não possui elementos que indiquem uma natureza prévia, ou uma essência. Resta ao humano assumir sua existência. Portanto, a ausência de uma essência prévia tem como consequência imediata a liberdade.
  55. 55. A consciência da liberdade é o que Sartre denomina angústia.
  56. 56. Liberdade e Situação: Não há nenhuma razão que justifique como o mundo é. Essa absoluta contingência do mundo é o que dissolve as verdades e as fundamentações para a existência humana.
  57. 57. Liberdade e Situação: Na vida de um presidiário, nenhuma ação tira a liberdade do preso, apenas a coloca sob determinada situação.
  58. 58. Sem obstáculos não há liberdade. Gandhi (1869-1948)
  59. 59. O existencialismo e a ética: a escolha universal Angustia moral é a enorme responsabilidade que temos perante toda a humanidade, na medida em que, ao escolhermos quem somos, estamos escolhendo como todos deveriam ser.
  60. 60. “Se vocês procuram por um culpado, basta olhar no espelho.”

×