Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.
ESCLEROSE MÚLTIPLA
ESCLEROSE MÚLTIPLA <ul><li>EQUIPE </li></ul><ul><li>ROBERVÂNIA </li></ul><ul><li>MARINALVA </li></ul><ul><li>ELBA </li></u...
DEFINIÇÃO <ul><li>A Esclerose Múltipla é uma doença inflamatória crônica, desmielinizante e degenerativa, do sistema nervo...
DEFINIÇÃO <ul><li>A perda de bainha de mielina que envolve o nervo origina vários  sintomas , porque a transmissão dos imp...
DEFINIÇÃO <ul><li>POR QUE DENOMINA-SE </li></ul><ul><li>ESCLEROSE MÚLTIPLA  ? </li></ul>
DEFINIÇÃO <ul><li>TIPOS DE ESCLEROSE MÚLTIPLA  </li></ul><ul><li>Recorrente Remissiva -   manifestação clínica de surtos ,...
ASPECTO HISTÓRICO <ul><li>1280 -  Lidwina van Schiedam. A freira alemã descrita por Medaer,  </li></ul><ul><li>como o prim...
EPIDEMIOLOGIA <ul><li>A maioria dos casos é diagnosticada em adultos jovens, sendo raros os diagnósticos em pessoas com ma...
EPIDEMIOLOGIA <ul><li>Estima-se que mais de  2.5 milhões  de pessoas sejam afetadas pela esclerose múltipla no mundo todo....
ETIOLOGIA <ul><li>A Esclerose Múltipla continua a ser um dos mistérios da medicina, não é uma doença evitável ou curável, ...
ETIOLOGIA <ul><li>CAUSAS  </li></ul><ul><li>Fatores Ambientais e Genéticos </li></ul><ul><li>Vírus </li></ul><ul><li>Aspec...
CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS <ul><li>LESÕES NO CERÉBRO </li></ul><ul><li>Visão dupla </li></ul><ul><li>Falta de força e de sen...
CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS <ul><li>LESÕES NA MEDULA ESPINHAL </li></ul><ul><li>Entorpecimento e fraqueza dos membros </li></...
DIAGNÓSTICO <ul><li>Observação dos sinais clínicos  </li></ul><ul><li>IRM (Imagens por Ressonância Magnética) </li></ul><u...
TRATAMENTO <ul><li>MEDICAMENTOS </li></ul><ul><li>Relaxantes Musculares </li></ul><ul><li>Imunossupressores </li></ul><ul>...
TRATAMENTO <ul><li>Fisioterapia </li></ul><ul><li>Hidroterapia  </li></ul><ul><li>Terapia Corporal </li></ul><ul><li>Psico...
PROGNÓSTICO e PREVENÇÃO <ul><li>Doença  </li></ul><ul><li>Progressiva </li></ul><ul><li>Incurável  </li></ul><ul><li>Contr...
PAPEL DO PSICÓLOGO <ul><li>Conscientização </li></ul><ul><li>Psicologia positiva </li></ul><ul><li>Adaptação psicossocial ...
CONCLUSÃO <ul><li>“  Esta é uma outra vida para mim –  não a que eu imaginava, mas ela é bela.&quot; </li></ul><ul><li>Luc...
CONCLUSÃO <ul><li>“ Esta doença não me impedirá de fazer  tudo </li></ul><ul><li>o que eu tenho que fazer.  Se alguma cois...
CONCLUSÃO <ul><li>“  Precisamos fazer com que todos entendam a ação desta doença e como ela nos afeta, e aprender a pedir ...
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA <ul><li>Esclerose Múltipla – manual para pacientes e suas famílias – Roberto Melaragno Filho </li...
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×

Esclerose múltipla

26.096 Aufrufe

Veröffentlicht am

Esclerose múltipla

Veröffentlicht in: Bildung
  • Als Erste(r) kommentieren

Esclerose múltipla

  1. 1. ESCLEROSE MÚLTIPLA
  2. 2. ESCLEROSE MÚLTIPLA <ul><li>EQUIPE </li></ul><ul><li>ROBERVÂNIA </li></ul><ul><li>MARINALVA </li></ul><ul><li>ELBA </li></ul><ul><li>PATRICIA KARLA </li></ul><ul><li>ADENILDE </li></ul><ul><li>MARCIA CRISTINA </li></ul><ul><li>ARACI </li></ul><ul><li>MARIA APARECIDA </li></ul><ul><li>TÓPICOS </li></ul><ul><li>DEFINIÇÃO </li></ul><ul><li>ASPECTO HISTÓRICO </li></ul><ul><li>EPIDEMIOLOGIA </li></ul><ul><li>ETIOLOGIA </li></ul><ul><li>CARACTERÍSTICAS CLINICA </li></ul><ul><li>TRATAMENTO </li></ul><ul><li>PROGNÓSTICO e PREVENÇÃO </li></ul><ul><li>PAPEL DO PSICÓLOGO </li></ul>
  3. 3. DEFINIÇÃO <ul><li>A Esclerose Múltipla é uma doença inflamatória crônica, desmielinizante e degenerativa, do sistema nervoso central que interfere na capacidade de controlar a visão, a locomoção, a bexiga, o intestino e o equilíbrio. </li></ul>
  4. 4. DEFINIÇÃO <ul><li>A perda de bainha de mielina que envolve o nervo origina vários sintomas , porque a transmissão dos impulsos nervosos é atrasada ou bloqueada, uma vez que tem agora de ser efetuada continuamente ao longo de toda a fibra nervosa. Uma área onde a mielina foi destruída é denominada  lesão  ou  placa . </li></ul>
  5. 5. DEFINIÇÃO <ul><li>POR QUE DENOMINA-SE </li></ul><ul><li>ESCLEROSE MÚLTIPLA ? </li></ul>
  6. 6. DEFINIÇÃO <ul><li>TIPOS DE ESCLEROSE MÚLTIPLA </li></ul><ul><li>Recorrente Remissiva - manifestação clínica de surtos , remissões ou exacerbações - seguidos por períodos de remissão com recuperação completa ou quase completa . </li></ul><ul><li>Secundariamente Progressiva - resulta da evolução da forma anterior Surto/Remissão, por isso se chama secundariamente progressiva, nesta fase, os surtos continuam, mas a recuperação torna-se incompleta.   </li></ul><ul><li>Primariamente Progressiva - Os doentes cuja incapacidade se agrava continuamente sem surtos, remissão ou recuperação, sofrem de Esclerose Múltipla primariamente progressiva. </li></ul>
  7. 7. ASPECTO HISTÓRICO <ul><li>1280 - Lidwina van Schiedam. A freira alemã descrita por Medaer, </li></ul><ul><li>como o primeiro caso documentado de EM. </li></ul><ul><li>1825 - Jean-Martin Charcot sistematiza as manifestações clínicas e </li></ul><ul><li>divulga a EM. </li></ul><ul><li>1835 - Jean Cruveilhier descreve o primeiro estudo patológico. </li></ul><ul><li>1838 - Carswell publica atlas de patologia incluindo e EM. </li></ul><ul><li>1961 - Miller et al. empregam ACTH no tratamento dos surtos. </li></ul><ul><li>1988 - Fundação do GT de Neuroimunologia da Academia Brasileira de </li></ul><ul><li>Neurologia. </li></ul><ul><li>1993 - Johnson et al. publicam o estudo definitivo sobre a eficácia do </li></ul><ul><li>beta-inter-feron 1ª no tratamento. </li></ul><ul><li>1999 - Fundação do BCTRIMS. </li></ul>
  8. 8. EPIDEMIOLOGIA <ul><li>A maioria dos casos é diagnosticada em adultos jovens, sendo raros os diagnósticos em pessoas com mais de 50 anos. Na Europa, os países escandinavos são os mais afetados. A presença da doença em um familiar representa uma possível predisposição genética: a probabilidade de se vir a manifestar a doença é 15 vezes maior, neste caso. </li></ul><ul><li>Estimam-se mais de um milhão de casos mundiais diagnosticados, dos quais 450 mil só na  Europa . No Brasil 10 em cada 100 mil habitantes tem a doença. </li></ul>
  9. 9. EPIDEMIOLOGIA <ul><li>Estima-se que mais de  2.5 milhões  de pessoas sejam afetadas pela esclerose múltipla no mundo todo. </li></ul><ul><li>No Brasil, estima-se que existam cerca de 25 mil pessoas com esclerose múltipla (15 pessoas a cada 100 mil), sendo que a região sudeste apresenta o maior número de casos diagnosticados. </li></ul>
  10. 10. ETIOLOGIA <ul><li>A Esclerose Múltipla continua a ser um dos mistérios da medicina, não é uma doença evitável ou curável, embora já existam medicamentos que, apesar de não curarem, modificam de forma benéfica a sua evolução. </li></ul>
  11. 11. ETIOLOGIA <ul><li>CAUSAS </li></ul><ul><li>Fatores Ambientais e Genéticos </li></ul><ul><li>Vírus </li></ul><ul><li>Aspectos Imunológicos </li></ul>
  12. 12. CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS <ul><li>LESÕES NO CERÉBRO </li></ul><ul><li>Visão dupla </li></ul><ul><li>Falta de força e de sensibilidade nos membros </li></ul><ul><li>Falta de controlo dos movimentos finos das mãos </li></ul><ul><li>Desequilíbrio </li></ul><ul><li>Alterações na memória </li></ul><ul><li>Fadiga </li></ul>
  13. 13. CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS <ul><li>LESÕES NA MEDULA ESPINHAL </li></ul><ul><li>Entorpecimento e fraqueza dos membros </li></ul><ul><li>Perturbações da bexiga </li></ul><ul><li>Espasticidade </li></ul><ul><li>Rigidez e sensação de membros pesados, dormência, dores, comichão </li></ul><ul><li>Dificuldades de locomoção </li></ul>
  14. 14. DIAGNÓSTICO <ul><li>Observação dos sinais clínicos </li></ul><ul><li>IRM (Imagens por Ressonância Magnética) </li></ul><ul><li>Exame de LCR por punção lombar </li></ul>
  15. 15. TRATAMENTO <ul><li>MEDICAMENTOS </li></ul><ul><li>Relaxantes Musculares </li></ul><ul><li>Imunossupressores </li></ul><ul><li>Imunomoduladores </li></ul><ul><li>Quimioterapia </li></ul>
  16. 16. TRATAMENTO <ul><li>Fisioterapia </li></ul><ul><li>Hidroterapia </li></ul><ul><li>Terapia Corporal </li></ul><ul><li>Psicoterapia </li></ul>
  17. 17. PROGNÓSTICO e PREVENÇÃO <ul><li>Doença </li></ul><ul><li>Progressiva </li></ul><ul><li>Incurável </li></ul><ul><li>Controlável com medicamentos e terapias complementares </li></ul>
  18. 18. PAPEL DO PSICÓLOGO <ul><li>Conscientização </li></ul><ul><li>Psicologia positiva </li></ul><ul><li>Adaptação psicossocial </li></ul>
  19. 19. CONCLUSÃO <ul><li>“ Esta é uma outra vida para mim – não a que eu imaginava, mas ela é bela.&quot; </li></ul><ul><li>Lucy   Idade:  44  Cidade em que reside: Cidade do México, México  Aparecimento dos 1ºs sintomas:  1986  Primeiro sintoma constatado:  Sensação de comichão na palma das mãos e na planta dos pés, dormência e problemas de visão Data do diagnóstico:  1992  Início do tratamento:  1995 </li></ul>
  20. 20. CONCLUSÃO <ul><li>“ Esta doença não me impedirá de fazer tudo </li></ul><ul><li>o que eu tenho que fazer. Se alguma coisa </li></ul><ul><li>me acontecer, eu me adaptarei e continuarei </li></ul><ul><li>com minha vida.&quot; </li></ul><ul><li>Tiago   Idade:  25  Cidade em que reside:  Lisboa, Portugal  Aparecimento dos 1ºs sintomas:  2005  Primeiro sintoma constatado:  Perda de audição e tontura  Data do diagnóstico:  2006  Início do tratamento:  2006 </li></ul>
  21. 21. CONCLUSÃO <ul><li>“ Precisamos fazer com que todos entendam a ação desta doença e como ela nos afeta, e aprender a pedir ajuda.&quot; </li></ul><ul><li>Sonia   Idade:  23  Cidade em que reside:  Toledo, Espanha Aparecimento dos 1ºs sintomas:  2003  Primeiro sintoma constatado:  Perda de visão Data do diagnóstico:  2004  Início do tratamento:  2005 </li></ul>
  22. 22. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA <ul><li>Esclerose Múltipla – manual para pacientes e suas famílias – Roberto Melaragno Filho </li></ul><ul><li>Esclerose Múltipla – perguntas e respostas – Rosalind C. Kalb </li></ul><ul><li>www.anem.org </li></ul><ul><li>www.abem.org.br </li></ul><ul><li>www.abcdasaude.com.br </li></ul>

×