Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

SÉCULO XX - ANOS 50 E 60

Fim da opressão de duas grandes guerras, hora da mulher resgatar sua feminilidade, Dior promove o "New Look" - Os anos dourados chegaram e com eles a força do american way life, o mundo dos adultos esta com seus dias contados pois a rebeldia dos adolescentes ganha lugar e voz com o Roch'n Roll... Let's go baby!...

  • Als Erste(r) kommentieren

SÉCULO XX - ANOS 50 E 60

  1. 1. HISTÓRIA DA INDUMENTÁRIA E MODA SÉCULO XX – 1950 / 1960 MODA E COMPORTAMENTO PROF. ODAIR TUONO
  2. 2. INTRODUÇÃO Os anos 50 representaram um re-torno aos valores relacionados a fa-mília e ao bem estar. Os adultos ditavam as regras, mas este cenário ganharia outros contor-nos com a rebeldia das novas gera-ções. Românticos, rebeldes, psicodélicos, frenéticos, retrógrados ou excessi-vos, muitos adjetivos podem nomi-nar as décadas que antecedem o Século XXI. O mundo respirou emoção e desejo de se renovar constantemente an-tes do final do milênio.
  3. 3. ANOS 50 A silhueta da mulher resgatou os traços de feminilidade com os om-bros delineados, cintura afunilada e saia rodada, influência do New Look (1947) de Christian Dior. A moda desta década era de ex-trema sofisticação, luxo e glamour marcando este período dos “anos dourados”, onde a Alta-Costura te-ve seus momentos de esplendor. Cores vivas e estampas florais, a moda procurava traduzir alegria e romantismo da época. A cintura marcada por saias roda-das era designada como “cintura de vespa”, conferida pelo uso de uma cinta muito apertada.
  4. 4. ANOS 50 Os sapatos utilizados eram os “scarpins” de salto alto e bico fino, os chapéu da abas grandes e as luvas indispensáveis até para o dia, as bijuterias ganham destaque por-que imitavam as jóias. O estilo feminino americano era aquele de uma mulher ligada à vida familiar com requinte, à televisão passava a influenciar a moda. O casamento perfeito, a vida repleta de eletrodomésticos e frivolidades faziam parte de um cotidiano artifi-cial, criado para vender ao mundo o sonho americano.
  5. 5. ANOS 50 Na década de 50 o jornal alemão Bild criou Lili – “Bild Lili” – uma personagem de histórias em quadri-nhos para representar uma nova imagem feminina nos anos de reconstrução da Alemanha no pós-guerra. Em 1955, foi criada uma boneca de plástico, segundo a imagem de Lili que passava a ser um exemplo de manequim, atuando em diversas profissões e sempre bem vestida. A boneca apresentava estilos de roupa e acessório diferentes para cada ocasião.
  6. 6. ANOS 50 A repercussão do sucesso de Lili fez com que a empresa Mattel com-prasse os direitos de produzir a boneca para os Estado Unidos. As meninas começaram a se iden-tificar com um modelo feminino dife-rente do modelo mãe e filho. Em 1959 surgiria a boneca Barbie com sua figura exageradamente feminina – seios grandes, cintura de vespa e pernas longas – para o desconforto dos tradicionalistas e alegria das crianças e jovens. Barbie passou a ser um padrão estético admirado em todo mundo. Cindy Jackson Sarah Burge
  7. 7. ANOS 50 As jovens norte-americanas come-çaram a buscar uma identidade própria para sua moda, utilizavam cardigãs de tricot, saias rodadas, sapatos baixos, meias soquetes e rabo-de-cavalo fazendo o estilo college. As cigarretes, calças compridas, eram justas e curtas à altura dos tornozelos utilizadas com sapati-lhas. Os jovens preferiam as calças jeans com a barra virada e camiseta de malha (t-shirts), cabelos com bri-lhantina, topetes e costeletas faziam parte do visual, os rapazes eram influenciados pela música e cinema, o prenúncio dos anos rebeldes.
  8. 8. ANOS 50 O prêt-á-porter dos franceses re-presentavam a elegância da nova geração elitista. Surgia o shopping center, nos Estados Unidos, com a missão de atender aos consumidores que passaram a morar nos subúrbios e precisavam de novos centros de compras. As mães aconselhavam as moças sobre o risco de se tornar uma “per-dida”, ou seja, de perder a virgin-dade antes do casamento. A sociedade tentava idealizar a vida com perfeição, algo não próprio da natureza humana.
  9. 9. ANOS 50 1951 – Era inaugurada oficialmente a TV Tupi, a primeira estação de televisão brasileira. 1952 – Willen Kolff cria o coração artificial. 1953 – Os biólogos Watson e Crick decifram a estrutura do DNA, molé-cula responsável pela transmissão dos caracteres hereditários. 1956 – Elvis Presley surge como novo ídolo do rock, em 58 foi con-vocado para servir o exército ame-ricano numa base na Alemanha. 1959 – O elastano e o microchip são inventados.
  10. 10. ANOS 60 Os anos 60 foram o grande mo-mento para o consolidação do prêt-à- porter na moda influenciando a elite européia e americana que ad-quiria produtos em butiques. O psicodelismo transparecia em es-tampas multicoloridas de padrão geométrico e orgânico em tecidos de fibras sintéticas, além da utiliza-ção de novos materiais como plás-tico e acrílico. Artistas dos movimentos Pop Art e Op Art como Andy Warhol, Roy Lichtenstein e Victor Vassarely in-fluenciaram na ornamentação das roupas através da estamparia.
  11. 11. ANOS 60 Os jovens influenciam na criação de um novo guarda roupa com carac-terísticas informais e descontraídas, o padrão mini era evidente em saias e vestidos. No clima da paz, amor e pílulas anticoncepcionais, os jovens solta-vam as amarras e faziam sexo sem pensar em casamento. A modelo Twiggy personificava um estilo ingênuo e ambíguo com as-pecto de menina com cabelos cur-tos e olhos maquiados com rímel ou cílios postiços, impondo uma estéti-ca de corpo magérrimo como pa-drão de beleza.
  12. 12. ANOS 60 A moda masculina renovou seu guarda-roupa entre jaquetas com zíper, golas altas, tecidos sintéticos, botas, calças mais estreitas em conjunto com camisas coloridas ou estampadas, uma grande contribui-ção para esta mudança visual foi o surgimento da moda unissex. Caubói (cowboy) – Moda baseada nas roupas de trabalho dos vaque-iros e pioneiros americanos, que incluíam camisas de algodão xa-drez, lenços, jeans ou bombachas e botas de salto grosso. Ponchos e paletós de couro com franjas também eram usados. O estilo popularizou-se entre as déca-das de 60 e 70.
  13. 13. ANOS 60 A Guerra do Vietnã foi o mais lon-go conflito militar que ocorreu de-pois da II Guerra Mundial, esten-deu- se por dois períodos distintos. No primeiro, as forças nacionalistas vietnamitas, sob orientação do Viet-minh (a liga vietnamita), lutaram contra os colonialistas franceses, entre 1946 a 1954. No segundo, uma frente de nacio-nalistas e comunistas - o Vietcong - enfrentaram as tropas de interven-ção norte-americanas, entre 1964 e 1975. Com um pequeno intervalo entre os finais dos anos 50 e início dos 60, a guerra durou quase 20 anos. 1,2 milhão de mortos
  14. 14. ANOS 60 Os hippies faziam parte de uma ge-ração jovem dos Estados Unidos que desejavam contestar o sistema vigente e o estilo de vida de seus pais, as roupas tinham detalhes ar-tesanais, patchwork, bordados, apli-cações e bijuterias populares, saias longas de crepe indiano, calça “bo-ca- de-sino” ou “pata-de-elefante”. Os cabelos eram longos e despen-teados, o visual resgatava certo na-turalismo e conforto na forma de vestir, batas com efeito desbotado, calças desgastadas propositalmen-te, sandálias de couro, lenços ou chapéus de aba mole completavam uma variedade de roupas criadas pelos jovens.
  15. 15. ANOS 60 Em 1968 esses jovens pacifistas realizavam passeata em Washing-ton contra a guerra do Vietnã, du-rante a manifestação flores eram colocadas nos canos das armas do policiais que acompanhavam o ma-nifesto difundindo assim os ideais do movimento “Flower Power”. Outros slogans fizeram parte desta geração emblemática como “Peace and Love” – “Make Love, Not War” e o mais polêmico deles era “Sex, Drugs and Rock’n Roll”. Em paralelo, Betty Friedan liderava o movimento feminista que exigia a liberação do aborto, a emancipação da mulher casada e o direto ao di-vórcio.
  16. 16. ANOS 60 Kitsch – Termo usado pela crítica para descrever obras pretensiosas, rebuscadas, feias ou sentimentais. Podem representar um clichê barato ou conter elementos decorativos desvinculados de uma função prá-tica no uso cotidiano. O estilo floresceu desde a rejeição do modernismo por alguns desig-ners na década de 60. Entre o apelo afetivo e o gosto duvidoso os produtos kitsch prolife-ram aos montes invadindo as casas de forma inocente.
  17. 17. ANOS 60 1960 – Inaugurada Brasília, a nova capital do Brasil. 1961 – O russo Yuri Gagárin é o primeiro homem a ir ao espaço. 1962 – Surge a Anistia Internacional para combater as violações dos direitos humanos no mundo. 1964 – Maurício de Souza cria Mônica e Cebolinha. 1965 – Malcolm X e Martin Luther King foram precursores dos movi-mentos contra discriminação racial. 1969 – Woodstock foi realizado em uma fazenda nos arredores de Nova Iorque. O homem chegava à Lua.
  18. 18. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BAUDOT, François. Moda do Século. São Paulo: Cosac Naify, 2005. BRAGA, João. História da Moda: uma narrativa. São Paulo: Editora Anhembi Morumbi, 2004. JONES, Sue Jenkyn. Fashion design – manual do estilista. São Paulo: Cosac Naify, 2005. LEHNERT, Gertrud. História da Moda do Século XX. Colónia: Könemann, 2001. MENDES, Valerie e HAYE, Amy de la. A Moda do Século XX. São Paulo: Martins fontes, 2003. PEACOCK, John. The Chronicle of Western Costume. Londres: Thames and Hudson Ltd., 1991. ROBERTS, J. M. O Livro de Ouro da História do Mundo – da Pré-História à Idade Contemporânea. Rio de Janeiro: Ediouro, 2000.

×