Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Melhore: o pequeno manual da propaganda diversa

4.131 Aufrufe

Veröffentlicht am

Este é o “Melhore: o pequeno manual da propaganda
diversa”, um singelo material para esclarecer algumas
dúvidas sobre o universo da diversidade de gênero,
melhorar a qualidade dos nossos processos criativos e,
consequentemente, das nossas campanhas publicitárias.

Veröffentlicht in: Marketing

Melhore: o pequeno manual da propaganda diversa

  1. 1. ME LHO RE.Pequeno manual da propaganda diversa Foto: Peter Hershey | Unsplash
  2. 2. Oi, colegaEste é o “Melhore: o pequeno manual da propaganda diversa”, um singelo material para esclarecer algumas dúvidas sobre o universo da diversidade de gênero, melhorar a qualidade dos nossos processos criativos e, consequentemente, das nossas campanhas publicitárias. Empatia começa com informação. Por isso, para comemorar o Dia do Orgulho LGBTQ, os colaboradores Gabriel Braga, Sosti Reis e Gustavo César elaboraram este guia, com nossas principais dúvidas. Um material para estar sempre à mão, na área de trabalho ou para quando surgir aquela duvidazinha no dia a dia das nossas agências. Vale lembrar que não basta estar afiado na cartilha LGBTQ. As agências, incluindo a nossa, devem estar abertas para receber profissionais diversos, briefings complexos, bancos de imagens com diferentes padrões e multiplicidade de pessoas nos nossos brainstorms. Assim, a gente voa mais alto e mais colorido! Este pequeno manual é apenas o primeiro passo. Não temos a pretensão de dar conta de todos os termos que se referem à diversidade de gênero, mas é importante começar por algum lugar, para depois alçar novos voos. Vamos juntos?
  3. 3. GLOSSÁRIO
  4. 4. O que é DIVER- SIDADE? Diversidade é a possibilidade de existência no planeta onde vivemos, com a infinidade de pessoas, gostos, gestos e expressões que o habitam. Diversidade é isso. Diversidade é baseada também em respeito. E o primeiro passo para o respeito é a INFORMAÇÃO.
  5. 5. O que é Sexo biológico diz respeito aos órgãos e hormônios com que nascemos e/ou produzimos no corpo (homem, mulher, intersex). Isso não necessariamente diz respeito ao que somos. A ciência não dá conta da diversidade das pessoas e sempre procurou enquadrar todos em caixinhas. O fato é que a definição de homem e mulher (binarismo) já não nos cabe mais. SEXO BIOLÓGICO?
  6. 6. O que é Gênero é uma construção social e cultural associada ao sexo biológico. É o que a sociedade espera do que é ser homem ou ser mulher. A gente é o que a gente quiser!GÊNERO?
  7. 7. O que é Diz respeito a como cada pessoa se vê/identifica - como mulher, homem, queer, gênero fluido (gênero em trânsito, podendo ser feminino, masculino ou nenhum dos dois) e não- binário. A pessoa cis é aquela que reivindica ter o mesmo gênero com o qual foi designada ao nascer. Já a pessoa trans é aquela que se reivindica um gênero diferente do que lhe designaram no nascimento. IDENTIDADE DE GÊNERO?
  8. 8. O que é Expressão de gênero ou performance de gênero é como mostramos ao mundo nossa identidade: nosso modo de ser, agir, vestir em relação aos estereótipos relacionados a cada gênero. Durante toda a vida nos ensinaram o que é ser homem e mulher, mas nunca nos perguntaram como gostaríamos de nos expressar. EXPRESSÃO DE GÊNERO?
  9. 9. O que é Orientação sexual diz respeito ao tipo de pessoa que nos atrai sexualmente e/ou afetivamente. Quem sente atração por alguma pessoa de mesma identidade de gênero, tem orientação homossexual. Quem se atrai por uma pessoa com identidade de gênero diferente da sua, é heterosexual. Se a atração for por ORIENTAÇÃO SEXUAL?pessoas de ambas identidades de gênero é bissexual. Agora, se a pessoa não sente atração sexual e/ou afetiva por ninguém, dizemos que é assexual. E não podemos esquecer das pessoas que sentem atração por indivíduos de todas as identidades de gênero, por isso as classificamos como pansexuais.
  10. 10. O que é BINARISMO? Binarismo de gênero é a falsa ideia de que todos os indivíduos devem ser classificados como homens ou mulheres. Esse pensamento seguiu como verdadeiro por muitos anos, mas graças aos estudos de gênero e sociedade, percebeu-se que há uma infinidade muito maior de identidades. BINARISM IS FOR COMPUTERS.
  11. 11. O que é t QUEER? Queer (do inglês “estranho / esquisito”) surgiu como um termo pejorativo para designar os homossexuais nos Estados Unidos. Os próprios LGBTQs se apropriaram do termo e elevaram o verbete para um aspecto positivo. Hoje, o termo é usado para designar pessoas que questionam o binarismo e se expressam com elementos tidos como “femininos”, “masculinos” ou “nenhum dos dois”. O que é Foto: Igor Estulano
  12. 12. O que são FOBIAS DE GÊNERO?Fobias de gênero são agressões/aversões/ violências físicas ou verbais contra indivíduos de identidades de gênero ou orientação sexual fora do binarismo (homem e mulher) e heteronormatividade. Transfobia ocorre quando pessoas trans são agredidas. Quando homossexuais são agredidos, chamamos de homofobia. No caso de violência contra mulheres lésbicas, chamamos de lesbofobia. Bifobia é a agressão sofrida por bissexuais. Essas são as principais fobias de gênero.
  13. 13. O QUE DEU CERTO:
  14. 14. Em 2005, a Unimed Blumenau apresentou o plano “para todo tipo de família”. Um casal de gays estampava peças offline. A campanha foi criada pela agência TAG. https://revistaladoa.com.br/2006/09/noticias/uni- med-elege-campanha-para-publico-gay-melhor-2005/
  15. 15. Em 2015, para o Dia do Beijo, a Sonho de Valsa lançou a campanha “Pense Menos, Ame Mais”, com um texto lindo e que movimentou a internet com a hashtag da ação. https://www.youtube.com/watch?v=HYWyzYJhQyk
  16. 16. Ainda em 2015, a Boticário promoveu a linha com sete fragâncias do perfume Egeo em um vídeo incrível, que causou grande burburinho na época. Um casal de homens e outro de mulheres estão no comercial. A campanha é assinada pela AlmaBBDO. https://www.youtube.com/watch?time_continue=30&v=p4b8BMnolDI
  17. 17. A Lola Cosmetics escolheu a ativista Maria Clara Araújo para estampar campanhas e ser sua influenciadora digital. Ela se tornou a primeira mulher trans/travesti brasileira a ser o rosto de uma marca de uma maquiagem.
  18. 18. Em 2016, na campanha de Dia dos Pais da C&A, uma menina abraça um casal de pais durante o comercial. No vídeo, diferentes tipos de pais marcam presença, valorizando a diversidade. https://www.youtube.com/watch?v=59Sgo7t3waQ
  19. 19. ERROS COMUNS FORMAS CORRETAS • Traveco: é pejorativo • Homossexualismo: (o movimento LGBTQ entende que, neste caso, o sufixo “ismo” está impregnado por uma conotação médica, de doença) • O travesti foi vítima de homofobia • Preferência sexual / Escolha sexual / Opção sexual • Travesti ou mulher trans • Homossexualidade • A travesti foi vítima de transfobia • Orientação sexual COMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNS • Traveco: é pejorativo (o movimento LGBTQ entende que, neste caso, COMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNS • Traveco: é pejorativo• Traveco: é pejorativo• Traveco: é pejorativo COMUNS • Traveco: é pejorativo COMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNS (o movimento LGBTQ entende que, neste caso, COMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNSCOMUNS
  20. 20. “COMO VOCÊ PREFERE QUE EU TE CHAME?” Artigo A - para falar com mulheres trans, travestis e mulheres cis. Artigo O - para falar com homens trans, homens cis. E ou X - para falar com pessoas de gêneros não-binários. Na dúvida, pergunte! Se não tem certeza de qual pronome usar para alguém, pergunte à pessoa como ela prefere ser chamada. Simples assim. Respeite sempre o nome social das pessoas trans e nunca pergunte “qual o seu nome ‘verdadeiro’?”. Isso é indelicado e só causa um constrangimento desnecessário. Respeito é sempre fundamental! ;)
  21. 21. “É DRAG OU TRANS?”
  22. 22. /DRAG QUEEN MULHER TRANS Drag queen é um homem cis que se expressa artisticamente com símbolos do universo “feminino”. Exemplos: Pabllo Vittar, RuPaul. (Existem também mulheres cis que se expressam artisticamente com símbolos do universo “masculino”, e são chamadas de drag kings) Mulher trans é uma pessoa que se identifica com o gênero feminino, embora no nascimento tenha sido designada como do gênero masculino. Exemplos: Roberta Close, Laerte, Linn da Quebrada.
  23. 23. / DRAGDIZ RESPEITO AO QUE VOCÊ FAZ (É UMA PERFORMANCE ARTÍSTICA), TRANSDIZ RESPEITO AO QUE VOCÊ É (É SUA IDENTIDADE). Foto: Benjamin Huseby
  24. 24. “TRANS É UMA PESSOA QUE NASCEU ‘NO CORPO ERRADO’?”
  25. 25. Não existem “corpos errados”: cada pessoa nasce com sua biologia própria. As pessoas trans não se identificam com o gênero que lhes foi designado ao nascer, mas isso não significa que necessariamente estejam insatisfeitas com seus corpos de nascimento. Elas podem ou não querer se submeter a intervenções cirúrgicas que lhes modifiquem o corpo, mas isso é mais uma forma de expressão de gênero, não é o que define sua identidade. Bom lembrar também que modificações corporais não são exclusividade de pessoas trans, isso faz parte da cultura humana há muito tempo: veja quanta gente gente pinta os cabelos, faz tatuagens e piercings, aumenta ou diminui os seios. Isso não torna ninguém menos “normal” que os outros.
  26. 26. COMO SER UMA ALIADA OU ALIADO?
  27. 27. Aliado é uma pessoa que fortalece o movimento LGBTQ e não necessariamente é um LGBTQ. Esse material é o primeiro passo para vermos nossos públicos com um olhar mais diverso. Nós, da Lápis Raro, estamos em construção e nos colocamos no mesmo lugar que os demais colegas de profissão. Afinal, todos estamos aqui para aprender! Na dúvida? Pergunte, informe-se, tire dúvidas, faça amigos e seja um aliado. :) VAMOS JUNTOS?
  28. 28. + QUER SABER MAIS ? Para ler: http://casadamaejoanna.com/eu-sou-intersexo/ https://www.instagram.com/p/BejG3Y7gRFa/?hl=pt-brtaken-by=jonasmariaa https://think-olga.s3.amazonaws.com/pdf/LGBT.pdf https://docgo.net/philosophy-of-money.html?utm_source=para-desaprender-o-queer- dos-tropicos-desmontando-a-caravela-queer-ssex-bbox http://www.naomekahlo.com/single-post/2015/04/18/Cis-Trans-Travesti-o-que-significa Para assistir: https://www.youtube.com/watch?v=mLowZu61eCo https://www.youtube.com/watch?v=C0vzorTTHgw https://www.facebook.com/quebrandootabu/videos/1953219671401077/ https://www.facebook.com/MyTransLife/videos/164889654214102 https://www.youtube.com/channel/UCltspcCSKhWI19wO28rffQw https://www.instagram.com/afrotranscendente/ https://www.netflix.com/br/title/80189623
  29. 29. FICHA TÉCNICA Concepção: Cristina Cortez, Gabriela Silva, Gabriel Braga, Gustavo César, Juliana Sampaio, Márcia Lima, Saulo Guarise e Sosti Reis. Design: Gabriel Braga. Conteúdo: Gustavo César, Juliana Sampaio e Sosti Reis. Direção de Criação: Cristina Cortez e Márcia Lima
  30. 30. Esta licença permite que outros remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho para fins não comerciais, desde que atribuam a você o devido crédito e que licenciem as novas criações sob termos idênticos.

×