SlideShare ist ein Scribd-Unternehmen logo
1 von 114
Downloaden Sie, um offline zu lesen
COMUNICAÇÃO

DIGITAL
CRP-0420
AULA 05: BIG DATA, ÉTICA
E LIVRE ARBÍTRIO
NA AULA PASSADA…
CONTEÚDOS E DEBATES
TRABALHO FINAL:
MELHORAR O MUNDO.
QUESTÕES
• NSA: O QUE VOCÊ FARIA?
• IMPEACHMENT: ELE JÁ OCORREU?
• AQUECIMENTO GLOBAL: O QUE FAZER?
• REFUGIADOS: E SE VOCÊ FOSSE A HUNGRIA?
• ROBÔS COLABORATIVOS: COMO MANTER EMPREGOS?
• BIG DATA ANALYTICS: COMO FICA O LIVRE-ARBÍTRIO?
PALESTRAS TED:
• ALESSANDRO ACQUISTI: WHAT WILL A FUTURE WITHOUT
SECRETS LOOK LIKE?
• JOEL SELANIKIO: THE SURPRISING SEEDS OF A BIG-DATA
REVOLUTION IN HEALTHCARE
• JESSICA DONOHUE: THE UP-SIDE OF DATA
• CHRISTOPHER SOGHOIAN: GOVERNMENT SURVEILLANCE
• JEAN-BAPTISTE MICHEL: THE MATHEMATICS OF HISTORY
• ANNE MILGRAM: SMART STATISTICS, KEY TO FIGHTING CRIME
• MALTE SPITZ: YOUR PHONE COMPANY IS WATCHING
FICÇÃO
GATTACA
MINORITY REPORT
ENEMY OF THE STATE
MR. ROBOT - S01E01
DOCUMENTÁRIOS:
HORIZON: THE AGE OF BIG DATA
THE HUMAN FACE OF BIG DATA
WALL STREET CODE - BIT.LY/CD04-3
862 BILHÕES DE DÓLARES EVAPORARAM…
LEITURAS
DATABASE NATION - CAPS 2, 8, 11
TAMING BIG DATA TIDAL WAVE - CAPS 3 E 4
BIG DATA NOW - CAPS 2 E 5
DATACLYSM - CAPS 13, 14
SOCIAL PHYSICS - CAPS 1, 3, 10
PRIVACY IN THE AGE OF BIG DATA - CAPS 1 E 5
BIGA DATA: A REVOLUTION - CAPS 2, 3 E 9
PENSADOR DO TEMA:
SANDY PENTLAND - BIT.LY/CD04-1
STEPHEN WOLFRAM - BIT.LY/CD04-2
PROGRAMA:
6/8 - CONTEXTO
13/8 - A COISA
20/8 - IDENTIDADE
27/8 - NADA (LDOC)
3/9 - BIG DATA
10/9 - SEMPÁTRIA
17/9 - BIG DATA

E LIVRE ARBÍTRIO
24/9 - EDUCAÇÃO
1/10 - COLABORAÇÃO
8/10 - CIBERATIVISMO,
HACKING E EXCLUSÃO
15/10 - GAMES
22/10 - VR, AI
29/10 - IOT, SMART CITIES
5/11 - NEURO E BIO
12/11 - CÓDIGO
19/11 - FABRICAÇÃO
26/11 - TENDÊNCIAS
3/12 - PECHA KUCHA 1+2
BIG DATAPRIVACIDADE, ÉTICA E LIVRE-ARBÍTRIO
VANTAGENS
VANTAGENS
• DETECÇÃO DE FRAUDES - ANALISA TRANSAÇÕES
EM TEMPO REAL, IDENTIFICANDO PADRÕES DE
COMPORTAMENTO ANÔMALO
• ANÁLISE DE REGISTRO DE CHAMADAS DE SUPORTE
TELEFÔNICO – REGISTROS E DADOS DE
RASTREAMENTO PODEM SER BEM APROVEITADOS,
IDENTIFICANDO OPORTUNIDADES DE OTIMIZAÇÃO
DE DESEMPENHO INCREMENTAL;
• SEGMENTAÇÃO – PARA ENTENDER MELHOR OS
CLIENTES, COMPORTAMENTOS E PREFERÊNCIAS.
AS EMPRESAS OS UTILIZAM PARA EXPANDIR
BANCOS DE DADOS COM DADOS DE MÍDIA SOCIAL.
VANTAGENS
• CRIAÇÃO DE MODELOS PREDITIVOS – GOVERNOS E
EMPRESAS OTIMIZAM CAMPANHAS UTILIZANDO
ANÁLISE DE BIG DATA;
• COMPREENSÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS –
OTIMIZAR VAREJO E DESCOBRIR TENDÊNCIAS, DE
MARKETING A LOGÍSTICA
• QUANTIFICAÇÃO PESSOAL – DE RELÓGIOS A
PRIVADAS, SENSORES PODEM DAR A SEUS
USUÁRIOS RICOS INSIGHTS. MAS O VALOR REAL
ESTÁ NA ANÁLISE DOS DADOS COLETIVOS.
SERVIÇOS DE RELACIONAMENTO ONLINE APLICAM
FERRAMENTAS DE BIG DATA E ALGORITMOS PARA
ENCONTRAR OS PARES MAIS ADEQUADOS.
DESVANTAGENS
http://www.google.com.br/url?
=i&rct=j&q=&esrc=s&source=images&cd=&docid=_drQP5Vo8ilLpM
d=4ioKWlxpf3DKaM:&ved=0CAUQjRw&url=http%3A%2F
%2F981theriver.com%2Fhand-picked
%2F&ei=4zbZU8i8JpHgsASRy4HgDA&bvm=bv.
778758,d.cWc&psig=AFQjCNHdbi0P8BkMh3YNi9xamMBcSFReWA
=1406830683992231
CEGUEIRA SISTÊMICA:
A ILUSÃO DA
COMPREENSÃO.
O que é correlação?
O que é coincidência?
O que é erro estatístico?
99,9% NÃO É 100%
NÚMEROS SÃO MAIS FALÍVEIS DO QUE
APARENTAM. DADOS NÃO REPRESENTAM A
VERDADE, SOMENTE UMA AMOSTRA ESTATÍSTICA.
MENSURAÇÃO
E ANÁLISE DE DADOS
SÃO ÓTIMAS. SEM ELAS É QUASE IMPOSSÍVEL
PROGREDIR. MAS É PRECISO CAUTELA NO USO.
A IGNORÂNCIA NUNCA É UMA BÊNÇÃO. OS
BENEFÍCIOS DO CONHECIMENTO SÃO ÓBVIOS.
NÃO BASTA

COLETAR OS DADOS
DEVE-SE REFLETIR E PLANEJAR NOVAS METAS
PERIODICAMENTE, IDENTIFICANDO PADRÕES DE
COMPORTAMENTO NOCIVOS E RECORRENTES NA
BASE DE DADOS E NO PESQUISADOR.
PROBLEMAS
• REUTILIZAÇÃO DE DADOS
• RECOMBINAÇÃO DE DADOS
• PUNIÇÃO PREVENTIVA (PROFILING)
• SEGREGAÇÃO E PRECONCEITO
• PESSOAS VERSUS PREVISÕESDITADURA DE DADOS
(FETICHE)
• RISCOS DE PRIVACIDADE E SEGURANÇA
• PRIVACIDADE VS. PRESTAÇÃO DE CONTAS
• CORRELAÇÃO NÃO É CAUSALIDADE. 
DATACRACIA
• BIG DATA PODE ÚTIL PARA A TOMADA DE DECISÕES
RACIONAIS. USADA DE FORMA IMPRUDENTE, PODE
SE TORNAR UM INSTRUMENTO DE REPRESSÃO,
CONTROLE OU RETALIAÇÃO.
• DECISÕES ESTRATÉGICAS SÃO TIRADAS DE DADOS
VÁLIDOS EM UM CONTEXTO VÁLIDO. QUANDO
ALGUMA DESSAS CONDIÇÕES NÃO É VERDADEIRA
OU NÃO PODE SER VERIFICADA, O RESULTADO PODE
SER, NO MÍNIMO, IRRELEVANTE. OU PIOR, PERIGOSO.
QUESTÃO ÉTICA
COMO FICA A
DE BIG DATA?
DADOS:

FONTE DE RENDA
QUANDO VOCÊ NÃO PAGA PELO
PRODUTO VOCÊ É O PRODUTO.
QUANDO PAGA TAMBÉM É.
DATA BROKERS
FACEBOOK E GOOGLE SÃO BONZINHOS.
SÃO OS CORRETORES DE DADOS
QUE OS COLETAM DADOS DE VÁRIAS
FONTES, EM GRANDE PARTE SEM
CONHECIMENTO DE QUEM OS FORNECE.
DATA BROKERS
COMBINAM DADOS ONLINE E OFF-LINE.
• COMBINAM E ANALISAM DADOS PARA FAZER
INFERÊNCIAS, INCLUINDO RELAÇÕES
POTENCIALMENTE SENSÍVEIS.
• ALEGAM TER:
• INFORMAÇÕES SOBRE 1,4 BILHÃO DE TRANSAÇÕES
REALIZADAS E MAIS DE 700 BILHÕES ELEMENTOS DE
DADOS AGREGADOS
• UM TRILHÃO DE DÓLARES EM TRANSAÇÕES DE CONSUMO;
• TRÊS BILHÕES DE NOVOS REGISTROS POR MÊS A SEUS
BANCOS DE DADOS;
• CERCA DE 3000 REGISTROS DE DADOS PARA QUASE
TODOS OS CONSUMIDORES DOS ESTADOS UNIDOS;
ACXIOM
FATURAMENTO ENTRE 800 MILHÕES

E 1,1 BILHÃO DE DÓLARES POR ANO,

O QUE REPRESENTA MAIS DE 12% DO
SETOR DE MARKETING E SERVIÇOS
DIRETOS NOS EUA.
SERASA
É UM DOS MAIORES CORRETORES DE
DADOS FINANCEIROS NO BRASIL.
COMPRADO PELA IRLANDESA
EXPERIAN EM 2007.
EM 2014, A RECEITA DA FILIAL
BRASILEIRA US$ 819 MILHÕES, 17% DO
FATURAMENTO GLOBAL DA EMPRESA.
DADOS COLETADOS
• DADOS DE IDENTIFICAÇÃO:
• NOME ANTERIOR, HISTÓRICO DE ENDEREÇO, TELEFONE, IDENTIFICAÇÃO
GOVERNAMENTAL, DATA DE NASCIMENTO DE CADA MEMBRO DA FAMÍLIA
• DADOS DEMOGRÁFICOS:
• RAÇA E ETNIA, PAÍS DE ORIGEM, RELIGIÃO, LÍNGUA FALADA, PAI IDOSO,
CRIANÇAS, ESCOLARIDADE, LAÇOS FAMILIARES, DEMOGRAFIA DOS MEMBROS
DA FAMÍLIA EM CASA, NÚMERO DE SOBRENOMES EM CASA, CHEFE DE FAMÍLIA
HISPÂNICO OU LATINO, EMPREGO E OCUPAÇÃO DE CADA MEMBRO DA FAMÍLIA,
DURAÇÃO DA POSSE OU ALUGUEL DA RESIDÊNCIA, DISTRITO ELEITORAL,
FAMÍLIAS SOMENTE COM PAI OU MÃE, FILIAÇÕES RELIGIOSAS OU ÉTNICAS
• DADOS JURÍDICOS:
• FALÊNCIAS, INFRAÇÕES PENAIS E CONDENAÇÕES, JULGAMENTOS, REGISTROS,
LICENÇAS (CAÇA OU PROFISSIONAL), IDENTIFICAÇÃO PARTIDÁRIA;
• DADOS DE TECNOLOGIA E MÍDIAS SOCIAIS:
• COMPRAS DE ELETRÔNICOS, AMIGOS E CONEXÕES, TIPO DE CONEXÃO,
PROVEDOR DE ACESSO, NÍVEL DE USO E EXPERIÊNCIA, PARTICIPAÇÃO EM REDES
SOCIAIS, MEMBRO DE MAIS DE 5 REDES SOCIAIS, INFLUENCIADOR ON-LINE,
SISTEMA OPERACIONAL, COMPRAS DE SOFTWARE, TIPO DE MÍDIA PUBLICADA
DADOS COLETADOS
• DADOS RESIDENCIAIS E DE VIZINHANÇA:
• MORADIA PÚBLICA OU GOVERNAMENTAL, TIPO DE HABITAÇÃO, AQUECIMENTO E
REFRIGERAÇÃO, VALOR DA RESIDÊNCIA, HIPOTECA E JUROS, TAMANHO DA CASA,
CRIMINALIDADE NO BAIRRO, NÚMERO DE CÔMODOS, ANO DE CONSTRUÇÃO
• DADOS DE INTERESSE GERAL:
• PREFERÊNCIAS DE VESTUÁRIO, PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS ESPORTIVOS,
DOAÇÕES, HÁBITO DE JOGO - CASINOS, LOTERIAS, ACONTECIMENTOS DA VIDA
(APOSENTADORIA, CASAMENTO, GRAVIDEZ), ASSINATURAS DE REVISTAS, CANAIS
DE TV ASSISTIDOS, ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO, INCLINAÇÕES POLÍTICAS,
CELEBRIDADES DE PREFERÊNCIA, GÊNEROS DE FILME E MÚSICA PREDILETOS,
HOBBIES, ESTILO DE VIDA (MOTOCICLISMO, OUTDOOR / CAÇA E TIRO, NATIVO,
NEW AGE / ORGÂNICO), MEMBRO DE MAIS DE 5 SITES DE COMPRAS, DADOS
FINANCEIROS, INADIMPLÊNCIA, CATEGORIA DE CRÉDITO DO CARTÃO,
DIFICULDADES FINANCEIRAS, NÍVEL DE RENDA, CRÉDITO ATIVO
• DADOS DO VEÍCULO:
• PREFERÊNCIAS DE MARCA, RENOVAÇÃO DO SEGURO, MARCA E MODELO,
NÚMEROS DE IDENTIFICAÇÃO DE CADA VEÍCULO DE PROPRIEDADE, PROPENSÃO
À COMPRA DE VEÍCULO NOVO OU USADO, PROPRIETÁRIO DE MOTOCICLETA,
DATA DE AQUISIÇÃO, INFORMAÇÕES DE COMPRA, INTENÇÃO DE COMPRA
DADOS COLETADOS
• DADOS DE VIAGENS:
• PREÇO MAIS ALTO PAGO POR UMA VIAGEM, DATA DA ÚLTIMA VIAGEM,
PASSAGEIRO FREQUENTE, PROPRIEDADE DE FÉRIAS, TIPO DE FÉRIAS (CASINO,
TIME SHARE, CRUZEIROS), DESTINO PREFERIDO, COMPANHIA AÉREA PREFERIDA
• DADOS DE COMPORTAMENTO DE COMPRA:
• MONTANTE GASTO EM BENS, FORMA DE PAGAMENTO PREFERIDO, CANAL DE
PREFERÊNCIA (INTERNET, CORREIO, TELEFONE), TIPO DE ENTRETENIMENTO
COMPRADO, TIPO DE ALIMENTOS ADQUIRIDOS, MÉDIA DE DIAS ENTRE COMPRAS,
ÚLTIMA COMPRA (ON-LINE E OFF-LINE), COMPRAS EM CATÁLOGOS POPULARES E
ENCOMENDAS EM CATÁLOGOS DE ALTO PADRÃO, TAMANHOS DAS ROUPAS,
VOLUME E TIPO DE LIVROS COMPRADOS
• DADOS DE SAÚDE:
• PROPENSÃO A BUSCA POR DADOS DE SAÚDE, DOENÇAS E PRESCRIÇÕES ONLINE,
FUMANTE EM CASA, SUPRIMENTOS GERIÁTRICOS, USO DE LENTES CORRETIVAS,
ALERGIAS, PLANO DE SAÚDE INDIVIDUAL, USUÁRIO DE SAÚDE PÚBLICA, MARCA
MAIS USADA DE REMÉDIO, PERDA DE PESO E SUPLEMENTOS, COMPRAS EM
TÓPICOS DE SAÚDE INCLUINDO: ALERGIAS, ARTRITE, COLESTEROL, DIABETES,
DIETA, FISICULTURISMO, MEDICINA ALTERNATIVA, PRODUTOS DE BELEZA,
REMÉDIOS HOMEOPÁTICOS, ORTOPEDIA ETC
FONTE: GOVERNO
• A. GOVERNO FEDERAL
• CENSO: DEMOGRAFIAS DE BAIRROS, COMO A ETNIA, IDADE, NÍVEL DE
ESCOLARIDADE, COMPOSIÇÃO FAMILIAR, RENDA, OCUPAÇÕES, E O TEMPO DE
DESLOCAMENTO. ESTRADAS, ENDEREÇOS, DISTRITOS ELEITORAIS E LIMITES DAS
CIDADES, MUNICÍPIOS, SUBDIVISÕES, E DISTRITOS DE VOTO
• ADMINISTRAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL: NOMES DE CONSUMIDORES,
REGISTROS FEDERAIS (EQUIVALENTES A CPFS) E DATAS DE ÓBITO
• SERVIÇO POSTAL: ENDEREÇO E MUDANÇAS
• FBI E SERVIÇO SECRETO: LISTAS DE TERRORISTAS E CRIMINOSOS PROCURADOS;
• AGÊNCIAS FEDERAIS E INTERNACIONAIS: INDIVÍDUOS INELEGÍVEIS PARA
RECEBER CONTRATOS COM O GOVERNO OU OUTROS BENEFÍCIOS
• TRIBUNAIS FEDERAIS FORNECEM INFORMAÇÕES SOBRE FALÊNCIAS
FONTE: GOVERNO
• B.  GOVERNOS ESTADUAIS E MUNICIPAIS:
• LICENÇAS PROFISSIONAIS (PILOTOS, MÉDICOS, ADVOGADOS, ARQUITETOS)
• LICENÇAS RECREATIVAS (CAÇA E PESCA)
• IMÓVEIS E REGISTROS: IMPOSTOS, PATRIMÔNIO, DÉBITOS, HIPOTECAS,
INFORMAÇÕES SOBRE PROPRIEDADES (ÁREA, CÔMODOS, BENEFÍCIOS)
• INFORMAÇÕES ELEITORAIS (NOME, ENDEREÇO, E FILIAÇÃO PARTIDÁRIA);
• REGISTROS: DE VEÍCULOS, JUDICIAIS, CRIMINAIS, AÇÕES CÍVEIS E JUÍZOS,
CERTIDÕES DE NASCIMENTO, CASAMENTO, DIVÓRCIO E ÓBITO.
• NA MAIOR PARTE DAS VEZES OS CORRETORES DE DADOS
CONTRATAM PESSOAS PARA VISITAR REGISTROS LOCAIS E
COMPILAR A INFORMAÇÃO. 
FONTE: COMERCIAL
• DADOS ESPECÍFICOS DE TRANSAÇÕES DETALHADAS SOBRE
COMPRAS DIRETO DE VAREJISTAS. POR EXEMPLO:
• SAPATOS DE LUXO, ALIMENTOS NATURAIS, CREME DENTAL, ITENS
RELACIONADOS A DEFICIÊNCIAS OU PROBLEMAS ORTOPÉDICOS), O VALOR DA
COMPRA, A DATA E O TIPO DE PAGAMENTO UTILIZADO. VÁRIOS DOS
CORRETORES DE DADOS TAMBÉM OBTER INFORMAÇÕES DE EDITORAS DE
REVISTAS SOBRE OS TIPOS DE ASSINATURAS VENDIDAS.
• OUTRAS FONTES:
• LISTAS DE CLIENTES DE SITES DE VAREJO, NOTÍCIAS E VIAGENS, COMPRAS
RELACIONADAS À SAÚDE
• EMPRESAS DE TELEFONIA
• EMPRESAS DE SERVIÇOS BANCÁRIOS
• CONCESSIONÁRIAS DE VEÍCULOS E CORRETORES DE IMÓVEIS
• GRANDES VAREJISTAS
• PESQUISAS DE MARKETING, REGISTROS DE GARANTIA, CONCURSOS.
AXCIOM VS. NSA
QUAL É PIOR?
VIESES E
HEURÍSTICAS
DANIEL KAHNEMAN:
• DOIS MODOS DE PENSAMENTO:
• SUBCONSCIENTE, RÁPIDO, EMOCIONAL,
AUTOMÁTICO, FREQUENTE, INSTINTIVO E
ESTEREOTÍPICO; E 

• CONSCIENTE, MAIS LENTO, DELIBERATIVO,
CALCULADO, LÓGICO E POUCO FREQUENTE.
HEURÍSTICAS:
ATALHOS MENTAIS
INFERIMOS RESULTADOS A PARTIR

DA EXPERIÊNCIA VIVIDA.
VIESES:
ERROS NOS ATALHOS
NEM SEMPRE

O CAMINHO MAIS RÁPIDO É O MELHOR
VIESES:
• ANCORAGEM
• O CÉREBRO HUMANO BUSCA POR COMPARAÇÕES. PONTOS DE REFERÊNCIA PARA
DEFINIR TAMANHOS, PESOS, PREÇOS, CONFORTO, VIABILIDADE ETC. PREÇOS
MUITO ALTOS EM UM CARDÁPIO, PODEM LEVAR SEUS CLIENTES A CONSIDERAR OS
VALORES MENORES COMO OPORTUNIDADES
• DISPONIBILIDADE
• JULGAMOS A PROBABILIDADE DE EVENTOS DE ACORDO COM A FACILIDADE DE
IMAGINÁ-LOS."SE ALGO PODE SER IMAGINADO, DEVE SER IMPORTANTE." A
PERCEPÇÃO DAS CONSEQUÊNCIAS ASSOCIADAS A UMA AÇÃO ESTÁ DIRETAMENTE
RELACIONADA À PERCEPÇÃO DE SUA MAGNITUDE
• SUBSTITUIÇÃO
• SUBSTITUIR UMA IDEIA OU QUESTÃO DIFÍCIL POR OUTRA MAIS SIMPLES. 
JULGAMENTO INTUITIVO AUTOMÁTICO, EM VEZ DO REFLEXIVO.
• OTIMISMO E AVERSÃO À PERDA
• O VIÉS OTIMISTA GERA A ILUSÃO DE CONTROLE, QUE PODE TER UMA UTILIDADE
NA ADAPTAÇÃO DA ESPÉCIE AOS DIFERENTES AMBIENTES. O OTIMISMO PROTEGE
O INDIVÍDUO DA AVERSÃO À PERDA, A TENDÊNCIA DE TEMER A PERDA MAIS DO
QUE SE VALORIZA OS GANHOS.
VIESES:
• ENQUADRAMENTO (FRAMING)
• AS PESSOAS REAGEM A UMA ESCOLHA DE ACORDO COM O CONTEXTO EM QUE
ELA É APRESENTADA
• CUSTOS IRRECUPERÁVEIS
• QUANDO UMA DESPESA JÁ FOI REALIZADA E NÃO PODERÁ SER RECUPERADA, A
MAIORIA CONTINUA A INVESTIR EM VEZ DE RECONSIDERAR. NÃO É
SURPREENDENTE QUE O MERCADO TENHA DIFICULDADES EM SE COMPORTAR DE
MANEIRA QUE OS ECONOMISTAS CONSIDERARIAM "RACIONAL".
• VIESES COGNITIVOS
• “ATALHOS” DE PENSAMENTO, COMO EXCESSO DE CONFIANÇA; PESSIMISMO;
EFEITO PLACEBO; RACIONALIZAÇÃO PÓS-COMPRA; PROCRASTINAÇÃO;
RECIPROCIDADE; E ESTEREÓTIPOS.
VIESES COGNITIVOS:
• APOIO À ESCOLHA
• TENDÊNCIA A SE SENTIR BEM APÓS UMA TOMADA DE DECISÃO POR TER RESOLVIDO
UM CONFLITO
• AVESTRUZ
• AVERSÃO A FATOS PERIGOSOS OU NEGATIVOS
• CLUSTERING
• BUSCAR PADRÕES EM EVENTOS ALEATÓRIOS
• CONFIRMAÇÃO
• ESCUTAR SOMENTE A INFORMAÇÃO QUE CONFIRMA CERTEZAS E PRECONCEITOS
• CONFORMIDADE
• ADAPTAÇÃO AO GRUPO
• CONSERVADORISMO
• DAR PREFERÊNCIA A FATOS ANTERIORES DO QUE A ELEMENTOS QUE OS CONTESTEM
VIESES COGNITIVOS:
• DESCOMPASSO DE EMPATIA
• QUEM ESTÁ EM UM ESTADO DE ESPÍRITO NÃO CONSEGUE ENTENDER QUEM ESTÁ
EM OUTRO ESTADO DE ESPÍRITO
• DISPONIBILIDADE HEURÍSTICA
• SUPERESTIMAR A IMPORTÂNCIA DA INFORMAÇÃO DISPONÍVEL
• EXPECTATIVA
• INFLUENCIA INCONSCIENTEMENTE A PERCEPÇÃO DE UM RESULTADO
• FREQUÊNCIA
• PALAVRA, PESSOA OU OBJETO QUE SE ACABOU DE APRENDER PARECE ESTAR
EM TODOS OS LUGARES
• HALO
• UM ATRIBUTO POSITIVO DE ALGUÉM É ASSOCIADO COM A PESSOA COMO UM
TODO
• MANADA
• ADOTAR UMA CRENÇA COM BASE EM SUA POPULARIDADE
VIESES COGNITIVOS:
• NEGAÇÃO DE DURAÇÃO
• A DURAÇÃO DE UM EVENTO TRAUMÁTICO É MENOSPREZADA
• NEGATIVIDADE
• COLOCAR MAIS ÊNFASE EM EXPERIÊNCIAS NEGATIVAS DO QUE
POSITIVASPERCEPÇÃO SELETIVA
• EXPECTATIVAS INFLUENCIAM A VISÃO DE MUNDO
• PONTO CEGO
• DEIXAR DE RECONHECER VIESES COGNITIVOS
• RESULTADO
• JULGAR DECISÕES COM BASE EM SEUS RESULTADOS, MESMO QUE TENHAM SIDO
EFEITO DE SORTE A PARTIR DE DECISÕES IMPRUDENTES, TÍPICOS DE HISTÓRIAS
VISTAS EM RETROSPECTO
• RETORNO IMEDIATO
• PARECE MAIS INTERESSANTE DO QUE UM GANHO MAIOR NO FUTURO;
BARRY SCHWARTZ
PARADOXO DA ESCOLHA
• AUTONOMIA E LIBERDADE DE ESCOLHA SÃO
FUNDAMENTAIS PARA O BEM-ESTAR SOCIAL

• ESCOLHA É FUNDAMENTAL PARA A AUTONOMIA. 

• PAÍSES RICOS TEM MAIS OPÇÕES DO QUE
QUALQUER OUTRO POVO OU ÉPOCA E, PORTANTO,
MAIOR LIBERDADE E AUTONOMIA PRESUMIDAS,
MUITOS NÃO PARECEM SE BENEFICIAR
PSICOLOGICAMENTE DELA.
PARADOXO
DA ESCOLHA
• A FELICIDADE É AFETADA PELO SUCESSO OU FRACASSO DA
REALIZAÇÃO DO OBJETIVO. AS PRINCIPAIS QUESTÕES SÃO:
• ESCOLHA E FELICIDADE. A ABUNDÂNCIA DE ESCOLHA MUITAS VEZES LEVA À
DEPRESSÃO E SOLIDÃO. O TECIDO SOCIAL JÁ NÃO É UM DIREITO DE NASCENÇA,
MAS UMA SÉRIE DE ESCOLHAS DELIBERADAS E CUSTOSAS
• DECISÕES DE SEGUNDA CLASSE. VIVER "PELAS REGRAS" DE UMA DISCIPLINA,
COSTUME OU PRÁTICA ELIMINA INÚMERAS DECISÕES INCÔMODAS NA VIDA
DIÁRIA. SCHWARTZ MOSTRA QUE ESSAS DECISÕES DE SEGUNDA CLASSE PODEM
SER DIVIDIDAS EM PRESUNÇÕES, PADRÕES E CÓDIGOS CULTURAIS. 
• OPORTUNIDADES PERDIDAS.  QUANDO HÁ A NECESSIDADE DE ESCOLHER UMA
OPÇÃO ENTRE MUITAS DESEJÁVEIS, NATURALMENTE SE CONSIDERAM AS PERDAS
HIPOTÉTICAS. AS OPÇÕES SÃO AVALIADAS EM TERMOS DE OPORTUNIDADES
PERDIDAS EM VEZ DO POTENCIAL DA ESCOLHA. 
RESPONSABILIDADE
A “LIBERDADE DE ESCOLHA”
OFERECIDA PELA INTERNET SE TORNA
MAIS PRÓXIMA DE UMA
DO QUE DE LIBERDADE.
OBSTÁCULOS DIFICULTAM A
REALIZAÇÃO DE TAREFAS.
LIVRE ARBÍTRIO
O QUE É NECESSÁRIO PARA TER
DE VERDADE? ABSOLUTO?
LIVRE ARBÍTRIO
PARA TER REAL
SERIA PRECISO ESTAR CIENTE DE
TODOS OS FATORES QUE DETERMINAM
OS PENSAMENTOS E AÇÕES, E TER
CONTROLE COMPLETO SOBRE ELES.
INFLUÊNCIAS?
MAS O QUE INFLUENCIA AS
NENHUM ESTADO MENTAL É
VERDADEIRAMENTE O INDIVÍDUO.
VOCÊ NÃO CONTROLA A TEMPESTADE,
NEM ESTÁ PERDIDO NELA. 
VOCÊ É A TEMPESTADE.
JOHN SEARLE
• NA LITERATURA FILOSÓFICA SÃO ENCONTRADAS
QUATRO ABORDAGENS PARA A QUESTÃO DO
LIVRE ARBÍTRIO:
• DETERMINISMO RADICAL (INCOMPATIBILISMO)
• INDETERMINISMO
• DETERMINISMO MODERADO (COMPATIBILISMO)
• LIBERTARISMO.
DETERMINISMO
RADICAL
• ACONTECIMENTOS, INCLUSIVE OPÇÕES HUMANAS,
SÃO CAUSADOS POR EVENTOS PRÉVIOS.
• EM UM MUNDO REGIDO POR LEIS
DETERMINÍSTICAS, AÇÕES E OS ACONTECIMENTOS
SUCEDEM-SE EM CADEIAS CAUSAIS.
• NÃO SE PODE INTERFERIR NESSAS OCORRÊNCIAS,
MESMO QUE SE TENHA CONSCIÊNCIA DELAS.
• AS LEIS QUE AS REGEM NÃO ESTÃO SOB O
CONTROLE HUMANO, PORTANTO A EXISTÊNCIA DE
LIVRE-ARBÍTRIO É INCOMPATÍVEL COM ELE.
INDETERMINISMO
• A FÍSICA QUÂNTICA CONSIDERA IMPOSSÍVEL
PREVER O COMPORTAMENTO DAS PARTÍCULAS.
ELAS SE COMPORTAM DE MODO DIFERENTE A
CADA MOMENTO SEGUINTE, SEM QUE SE POSSA
ENCONTRAR A CAUSA DESSA MUDANÇA.
• O INDETERMINISMO QUE REGE O MUNDO
NANOSCÓPICO DAS PARTÍCULAS TAMBÉM SE
APLICARIA À VONTADE HUMANA.
• UMA VEZ QUE HÁ INDETERMINISMO NA NATUREZA,
O INDETERMINISMO DEFENDE QUE AS AÇÕES
HUMANAS NÃO PODERIAM SER DETERMINADAS.
DETERMINISMO
MODERADO
• PARTE DO CONCEITO DE LIBERDADE E ACEITA A
CONVICÇÃO DE QUE TODOS PODERIAM TER FEITO
OUTRA COISA SE A TIVESSEM ESCOLHIDO.
• TODOS OS FENÔMENOS DE UM SISTEMA TEM
RELAÇÃO DE CAUSALIDADE.
• A VONTADE HUMANA, DETERMINADA, É LIVRE
QUANDO NÃO FOR COAGIDA A ESCOLHER.
• DEFENDE A COMPATIBILIDADE ENTRE
DETERMINISMO E LIBERDADE.
LIBERTARISMO
• AÇÕES HUMANAS NÃO SÃO DETERMINADAS NEM
ALEATÓRIAS, MAS DUALISTAS.
• MATÉRIA E VONTADE SERIAM ENTIDADES DE
NATUREZA DIFERENTE. OS FENÔMENOS MENTAIS,
POR NÃO SEREM FÍSICOS, SÃO REGIDOS POR LEIS
DIFERENTES.
• AS AÇÕES HUMANAS RESULTARIAM DE
DELIBERAÇÕES RACIONAIS E PODERIAM SER
ALTERADAS CONFORME O CURSO DOS
ACONTECIMENTOS NO MUNDO.
JOHN SEARLELIVRE-ARBÍTRIO: COMPATÍVEL COM DETERMINISMO
• A CONSTITUIÇÃO FÍSICA DO CÉREBRO IMPEDE QUE
A VONTADE HUMANA SEJA LIVRE.
• A IDEIA DE “LIBERDADE HUMANA”, A CERTEZA DE
QUE HAJA ESCOLHA, É PRODUTO DA EXPERIÊNCIA.
• A QUESTÃO REAL NÃO É SABER SE HÁ OU NÃO
RAZÕES PSICOLÓGICAS OU COMPULSÕES, MAS
SABER SE ELAS LEVARIAM A AÇÕES INEVITÁVEIS.
• CONTESTA A VISÃO DUALISTA DE DESCARTES QUE
“ALMA” E CORPO SERIAM DIFERENTES.
• ELES SEGUEM ESTRATÉGIAS DISTINTAS, MAS
TERIAM A MESMA ORIGEM.
EMERGENTE
O COMPORTAMENTO É
DA ESTRUTURA FÍSICA.
90% DAS CÉLULAS DO CORPO SÃO
MICRÓBIOS, EXECUTANDO FUNÇÕES
QUE NÃO SE IDENTIFICAM COM A
PESSOA A QUE PERTENCEM.
INCONSCIENTES
COMO SE PODE SER “LIVRE" SE TUDO
QUE SE CONSIDERA “INTENÇÃO”
É CAUSADO POR EVENTOS
(E INDEPENDENTES) NO CÉREBRO?
SENTIMOS QUE SOMOS AUTORES

DOS PENSAMENTOS E AÇÕES,

POR ISSO CREMOS NO LIVRE ARBÍTRIO.
IMPORTEM. 
O FATO DAS NOSSAS ESCOLHAS
DEPENDEREM DE CAUSAS ANTERIORES
NÃO SIGNIFICA QUE NÃO
ESTADOS CAUSAIS
DECISÕES, INTENÇÕES, ESFORÇOS,
OBJETIVOS, FORÇA DE VONTADE SÃO
DO CÉREBRO.
ELES LEVAM A COMPORTAMENTOS,
QUE LEVAM A RESULTADOS. 
A ESCOLHA HUMANA É IMPORTANTE.
ELA SÓ NÃO É INDEPENDENTE.
HISTÓRIAS
CONTAMOS
PARA DAR SENTIDO À ENXURRADA

DE INFORMAÇÕES DO MUNDO FÍSICO QUE
FLUI ATRAVÉS DOS SENTIDOS.
PASSADO
FATOS SÃO COMPARADOS COM O
E ANALISADOS

PARA TOMAR DECISÕES FUTURAS.
CRIAR,
ESTAMOS ANSIOSOS PARA
NÃO APENAS RECORDAR, CENÁRIOS
CONCORRENTES EM TEMPOS VARIADOS.
COMPARADO
CADA CENÁRIO É
COM OS OUTROS DE ACORDO COM AS
EMOÇÕES GERADAS E SEU EFEITO.
REINVENTAMOS A NOSSA HISTÓRIA
O TEMPO TODO.
INCONSCIENTES
 A ESCOLHA É FEITA NOS CENTROS
DO CÉREBRO E OCORRE ALGUNS
SEGUNDOS ANTES DE CHEGAR

À PARTE CONSCIENTE.
CONFABULAÇÃO.
A VIDA MENTAL CONSCIENTE É
CONSTRUÍDA INTEIRAMENTE POR
ELA CONSISTE DE UMA AVALIAÇÃO
CONSTANTE DE HISTÓRIAS VIVIDAS NO
PASSADO E PREVISÕES PARA O FUTURO.
ABSTRAÇÕES,
ALGUMAS MEMÓRIAS SÃO ALTERADAS EM
METÁFORAS, VALORES E MITOS, QUE
AUMENTAM A VELOCIDADE E EFICÁCIA
DO PROCESSO DE CONSCIÊNCIA.
DETECTÁVEL,
A IDENTIDADE É
MAS NÃO É FÍSICA. ELA É UMA DE
FICÇÃO CONVENIENTE, CENTRO DE
GRAVIDADE, FORMA DE RESOLVER
PROBLEMAS, MESMO QUE NÃO
CORRESPONDA A NADA TANGÍVEL.
2 PREMISSAS FALSAS:
• EU PODERIA TER ME COMPORTADO DE FORMA
DIFERENTE DO QUE FIZ NO PASSADO, E

• EU SOU A FONTE CONSCIENTE DA MAIORIA DOS
NOSSOS PENSAMENTOS E AÇÕES NO PRESENTE. 
FATO SUBJETIVO
O LIVRE ARBÍTRIO NEM SEQUER
CORRESPONDE A UM
A RESPEITO DO INDIVÍDUO.
ATOS VOLUNTÁRIOS SURGEM
ESPONTANEAMENTE E NÃO PODEM
SER ATRIBUÍDOS A UM PONTO DE
ORIGEM NA MENTE CONSCIENTE. 
SIMULACRO:
GILLES DELEUZE PROPÕE O
FENÔMENOS SÃO APARÊNCIAS,

SEM ORIGEM QUE OS FUNDAMENTE.
NÃO EXISTE NADA ALÉM DE

UM ENXAME DE APARÊNCIAS,
ORGANIZADAS PELA MENTE.
HISTÓRIAS
PARA ALIMENTAR ESSA FICÇÃO O
CÉREBRO CRIA
PARA CONTEXTUALIZAR
E ATRIBUIR SIGNIFICADO. 
OBSTÁCULOS DIGITAIS
• “PARADOXO DA ESCOLHA”
• VIESES E HEURÍSTICAS DO PENSAMENTO
• EXCESSO DE INFORMAÇÃO SEM GATEKEEPERS
• LIMITAÇÕES DA PERCEPÇÃO
• TÉCNICAS DE PERSUASÃO IMPLÍCITAS
• REDES SOCIAIS E ISOLAMENTO IDEOLÓGICO
• BOLHAS DE FILTRO
PAGERANK
• COMPUTA O NÚMERO E A QUALIDADE DOS LINKS
QUE UMA PÁGINA RECEBE PARA DETERMINAR UMA
ESTIMATIVA APROXIMADA DE SUA IMPORTÂNCIA.
• OS SITES MAIS IMPORTANTES SÃO SUSCEPTÍVEIS
DE RECEBER MAIS LINKS DE OUTROS SITES.
EDGERANK
• QUATRO VARIÁVEIS PRINCIPAIS DO ALGORITMO:
• EDGE (E) É O USUÁRIO QUE ACESSA A INFORMAÇÃO;
• AFFINITY SCORE (U) INDICA QUANTO CADA USUÁRIO ESTÁ CONECTADO COM O
EDGE. SEU VALOR É CALCULADO PELA FORÇA DA RELAÇÃO; PROXIMIDADE DO
USUÁRIO; E TEMPO DESDE A ÚLTIMA INTERAÇÃO;
• EDGE WEIGHT (W) INDICA A INTENSIDADE DA RELAÇÃO (COMENTÁRIOS EM
PUBLICAÇÕES, POR EXEMPLO, VALEM MAIS DO QUE “CURTIDAS”); E
• TIME DECAY (D) CONSIDERA O TEMPO EM QUE A HISTÓRIA FOI PUBLICADA. À
MEDIDA QUE UMA HISTÓRIA FICA MAIS VELHA, ELA PERDE PONTOS. 

• A FÓRMULA CONSIDERA A SOMATÓRIA DAS TRÊS ÚLTIMAS
VARIÁVEIS COM RELAÇÃO À PRIMEIRA, MAS NÃO REVELA SEUS
PESOS RELATIVOS NEM A MANEIRA COMO SÃO CALCULADAS.
FIM
TAREFAS:
PALESTRAS TED:
DAN ARIELY: ARE WE IN CONTROL OF OUR DECISIONS?
HANS ROSLING: LET MY DATASET CHANGE YOUR MINDSET
DAVE DEBRONKART: MEET E-PATIENT DAVE
DANIEL KAHNEMAN: EXPERIENCE VS. MEMORY
JOHN SEARLE: OUR SHARED CONDITION - CONSCIOUSNESS
FICÇÃO
THE MATRIX
THE TRUMAN SHOW
SYNECDOCHE, NEW YORK
DOCUMENTÁRIOS:
WORMHOLE - DO WE LIVE IN THE MATRIX?
HORIZON - TOMORROW’S WORLD
FUTURE OF DATA SCIENCE: BIT.LY/CD05-2
LEITURAS
SIMULACRA & SIMULATION - CAPS 1, 13, 18
THE INTELLIGENT WEB - CAP 5
SEEING THINGS AS THEY ARE - CAP 1
THE SIGNAL AND THE NOISE - CAPS 1, 13
THINKING, FAST AND SLOW - CAPS 2,5,38
PENSADOR DO TEMA:
DANIEL KAHNEMAN: BIT.LY/1L8WI1N

Weitere ähnliche Inhalte

Was ist angesagt?

Oficina I: Internet e Marketing 2.0: o que muda na prática? - Ciclo Comunicac...
Oficina I: Internet e Marketing 2.0: o que muda na prática? - Ciclo Comunicac...Oficina I: Internet e Marketing 2.0: o que muda na prática? - Ciclo Comunicac...
Oficina I: Internet e Marketing 2.0: o que muda na prática? - Ciclo Comunicac...Pedro Cordier
 
Design, projeto e produto na era pós-PC
Design, projeto e produto na era pós-PCDesign, projeto e produto na era pós-PC
Design, projeto e produto na era pós-PCMichel Lent Schwartzman
 
8 abciber aline corso
8 abciber aline corso8 abciber aline corso
8 abciber aline corsoAline Corso
 
Design, projeto e produto na era pós-PC
Design, projeto e produto na era pós-PCDesign, projeto e produto na era pós-PC
Design, projeto e produto na era pós-PCMichel Lent Schwartzman
 
O consumidor é o rei na era da mobilidade
O consumidor é o rei na era da mobilidadeO consumidor é o rei na era da mobilidade
O consumidor é o rei na era da mobilidadeMichel Lent Schwartzman
 
Cenários futuros de uma sociedade participante
Cenários futuros de uma sociedade participanteCenários futuros de uma sociedade participante
Cenários futuros de uma sociedade participanteDawison Calheiros
 
Palestra de Inovação Digital - Gil Giardelli
Palestra de Inovação Digital - Gil GiardelliPalestra de Inovação Digital - Gil Giardelli
Palestra de Inovação Digital - Gil GiardelliRodrigo Vassari
 
Tic’s na educação profa. suzy dayse cópia
Tic’s na educação profa. suzy dayse   cópiaTic’s na educação profa. suzy dayse   cópia
Tic’s na educação profa. suzy dayse cópiaIgor Rezende Santos
 

Was ist angesagt? (20)

Aula CRP-0420-2016-04: Big Data 2
Aula CRP-0420-2016-04: Big Data 2Aula CRP-0420-2016-04: Big Data 2
Aula CRP-0420-2016-04: Big Data 2
 
Aula CRP-0420-2016-07: VR, AR, INTERFACES
Aula CRP-0420-2016-07: VR, AR, INTERFACESAula CRP-0420-2016-07: VR, AR, INTERFACES
Aula CRP-0420-2016-07: VR, AR, INTERFACES
 
CRP5215-2017-01 contexto e redes
CRP5215-2017-01 contexto e redesCRP5215-2017-01 contexto e redes
CRP5215-2017-01 contexto e redes
 
Aula CRP-0420-2015-03
Aula CRP-0420-2015-03Aula CRP-0420-2015-03
Aula CRP-0420-2015-03
 
Aula CRP-0420-2015-02
 Aula CRP-0420-2015-02 Aula CRP-0420-2015-02
Aula CRP-0420-2015-02
 
Aula CRP-0420-2016-10-DATACRACIA
Aula CRP-0420-2016-10-DATACRACIAAula CRP-0420-2016-10-DATACRACIA
Aula CRP-0420-2016-10-DATACRACIA
 
Aula CRP-0420-2016-11-BIOHACKING
Aula CRP-0420-2016-11-BIOHACKINGAula CRP-0420-2016-11-BIOHACKING
Aula CRP-0420-2016-11-BIOHACKING
 
Aula CRP-0420-2015-PECHA-KUCHA-1
Aula CRP-0420-2015-PECHA-KUCHA-1Aula CRP-0420-2015-PECHA-KUCHA-1
Aula CRP-0420-2015-PECHA-KUCHA-1
 
Aula CRP-0420-2015-12
Aula CRP-0420-2015-12Aula CRP-0420-2015-12
Aula CRP-0420-2015-12
 
Aula CRP-0420-2015-06
 Aula CRP-0420-2015-06 Aula CRP-0420-2015-06
Aula CRP-0420-2015-06
 
Oficina I: Internet e Marketing 2.0: o que muda na prática? - Ciclo Comunicac...
Oficina I: Internet e Marketing 2.0: o que muda na prática? - Ciclo Comunicac...Oficina I: Internet e Marketing 2.0: o que muda na prática? - Ciclo Comunicac...
Oficina I: Internet e Marketing 2.0: o que muda na prática? - Ciclo Comunicac...
 
XXI Curso Abril de Jornalismo
XXI Curso Abril de JornalismoXXI Curso Abril de Jornalismo
XXI Curso Abril de Jornalismo
 
Design, projeto e produto na era pós-PC
Design, projeto e produto na era pós-PCDesign, projeto e produto na era pós-PC
Design, projeto e produto na era pós-PC
 
8 abciber aline corso
8 abciber aline corso8 abciber aline corso
8 abciber aline corso
 
Design, projeto e produto na era pós-PC
Design, projeto e produto na era pós-PCDesign, projeto e produto na era pós-PC
Design, projeto e produto na era pós-PC
 
O consumidor é o rei na era da mobilidade
O consumidor é o rei na era da mobilidadeO consumidor é o rei na era da mobilidade
O consumidor é o rei na era da mobilidade
 
Base De Clientes Valiosa Futuro Crescimento
Base De Clientes Valiosa Futuro CrescimentoBase De Clientes Valiosa Futuro Crescimento
Base De Clientes Valiosa Futuro Crescimento
 
Cenários futuros de uma sociedade participante
Cenários futuros de uma sociedade participanteCenários futuros de uma sociedade participante
Cenários futuros de uma sociedade participante
 
Palestra de Inovação Digital - Gil Giardelli
Palestra de Inovação Digital - Gil GiardelliPalestra de Inovação Digital - Gil Giardelli
Palestra de Inovação Digital - Gil Giardelli
 
Tic’s na educação profa. suzy dayse cópia
Tic’s na educação profa. suzy dayse   cópiaTic’s na educação profa. suzy dayse   cópia
Tic’s na educação profa. suzy dayse cópia
 

Andere mochten auch (16)

CRP0357-2014-09
CRP0357-2014-09CRP0357-2014-09
CRP0357-2014-09
 
CRP-5215-0420-2014-11
CRP-5215-0420-2014-11CRP-5215-0420-2014-11
CRP-5215-0420-2014-11
 
CRP0357-2016-01
CRP0357-2016-01CRP0357-2016-01
CRP0357-2016-01
 
Aula CRP-0420-2015-08
 Aula CRP-0420-2015-08 Aula CRP-0420-2015-08
Aula CRP-0420-2015-08
 
CRP-5215-2014-01
CRP-5215-2014-01CRP-5215-2014-01
CRP-5215-2014-01
 
Aula CRP-0420-2016-08-UX (1)
 Aula CRP-0420-2016-08-UX (1) Aula CRP-0420-2016-08-UX (1)
Aula CRP-0420-2016-08-UX (1)
 
CRP-422-2016-08
CRP-422-2016-08CRP-422-2016-08
CRP-422-2016-08
 
CRP0357-2014-14
CRP0357-2014-14CRP0357-2014-14
CRP0357-2014-14
 
Aula CRP-0420-2015-07
 Aula CRP-0420-2015-07 Aula CRP-0420-2015-07
Aula CRP-0420-2015-07
 
CRP-5215-0420-2014-09
CRP-5215-0420-2014-09CRP-5215-0420-2014-09
CRP-5215-0420-2014-09
 
CRP-0420-5215-2014-02
CRP-0420-5215-2014-02CRP-0420-5215-2014-02
CRP-0420-5215-2014-02
 
CRP-420-2014-01
CRP-420-2014-01CRP-420-2014-01
CRP-420-2014-01
 
CRP-5215-0420-2014-10
CRP-5215-0420-2014-10CRP-5215-0420-2014-10
CRP-5215-0420-2014-10
 
CRP-422-2014-04
CRP-422-2014-04CRP-422-2014-04
CRP-422-2014-04
 
CRP-5215-0420-2014-08
CRP-5215-0420-2014-08CRP-5215-0420-2014-08
CRP-5215-0420-2014-08
 
CRP-422-2016-05
CRP-422-2016-05CRP-422-2016-05
CRP-422-2016-05
 

Ähnlich wie Aula CRP-0420-2015-05

Palestra no Mesha - Big Data e Mídias Sociais
Palestra no Mesha - Big Data e Mídias SociaisPalestra no Mesha - Big Data e Mídias Sociais
Palestra no Mesha - Big Data e Mídias SociaisRaquel Camargo
 
Considerações sobre Ética Empresarial
Considerações sobre Ética Empresarial Considerações sobre Ética Empresarial
Considerações sobre Ética Empresarial Tarás Antônio Dilay
 
Virada Politica (BH) - Workshop sobre Open Data (Dados abertos)
Virada Politica (BH) - Workshop sobre Open Data (Dados abertos)Virada Politica (BH) - Workshop sobre Open Data (Dados abertos)
Virada Politica (BH) - Workshop sobre Open Data (Dados abertos)Raquel Camargo
 
3 Aplicações práticas de Social Big Data para fazer hoje.
3 Aplicações práticas de Social Big Data para fazer hoje.3 Aplicações práticas de Social Big Data para fazer hoje.
3 Aplicações práticas de Social Big Data para fazer hoje.E.LIFE
 
100 coisas que todo candidato deveria saber final
100 coisas que todo candidato deveria saber final100 coisas que todo candidato deveria saber final
100 coisas que todo candidato deveria saber finalLp8 Consulting
 
Atualidades e Tendências nas Redes Sociais
Atualidades e Tendências nas Redes SociaisAtualidades e Tendências nas Redes Sociais
Atualidades e Tendências nas Redes SociaisThiago Costa
 
Apresentação comunicação na era da transformação digital
Apresentação comunicação na era da transformação digitalApresentação comunicação na era da transformação digital
Apresentação comunicação na era da transformação digitalDaniel Rimoli
 
Scup - Webinário Gestão de Imagens nas Redes Sociais, com Patrícia Peck
Scup - Webinário Gestão de Imagens nas Redes Sociais, com Patrícia PeckScup - Webinário Gestão de Imagens nas Redes Sociais, com Patrícia Peck
Scup - Webinário Gestão de Imagens nas Redes Sociais, com Patrícia PeckScup
 
Proposição de realização da Desconferência sobre Dados Abertos nos Tribunais ...
Proposição de realização da Desconferência sobre Dados Abertos nos Tribunais ...Proposição de realização da Desconferência sobre Dados Abertos nos Tribunais ...
Proposição de realização da Desconferência sobre Dados Abertos nos Tribunais ...Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais
 
Embratel Lives | Soluções inteligentes para avaliar crédito e risco de client...
Embratel Lives | Soluções inteligentes para avaliar crédito e risco de client...Embratel Lives | Soluções inteligentes para avaliar crédito e risco de client...
Embratel Lives | Soluções inteligentes para avaliar crédito e risco de client...Embratel
 
Monitoramento, Dados e Informação Online
Monitoramento, Dados e Informação OnlineMonitoramento, Dados e Informação Online
Monitoramento, Dados e Informação OnlineTarcízio Silva
 
Ouvir, Pensar e Agir. O Agronegócio nas Mídias Sociais.
Ouvir, Pensar e Agir. O Agronegócio nas Mídias Sociais.Ouvir, Pensar e Agir. O Agronegócio nas Mídias Sociais.
Ouvir, Pensar e Agir. O Agronegócio nas Mídias Sociais.Rodrigo Mesquita
 
2ª Desconferência | O Nascimento da Bloom Digital Research por Felipe Attílio
2ª Desconferência | O Nascimento da Bloom Digital Research por Felipe Attílio2ª Desconferência | O Nascimento da Bloom Digital Research por Felipe Attílio
2ª Desconferência | O Nascimento da Bloom Digital Research por Felipe AttílioStartups Rio Preto
 
LGPD - Lei Geral de Protecao de Dados Pessoais
LGPD - Lei Geral de Protecao de Dados PessoaisLGPD - Lei Geral de Protecao de Dados Pessoais
LGPD - Lei Geral de Protecao de Dados PessoaisEliézer Zarpelão
 
Idec_Privacidade Google Camara_11abr12
Idec_Privacidade Google Camara_11abr12Idec_Privacidade Google Camara_11abr12
Idec_Privacidade Google Camara_11abr12Guilherme Varella
 
“Como elevar as vendas do seu e-commerce”
“Como elevar as vendas do seu e-commerce” “Como elevar as vendas do seu e-commerce”
“Como elevar as vendas do seu e-commerce” Impacta Eventos
 
O queo facebook faz com minhas fotos??? E o que o BigData tem haver com isso ???
O queo facebook faz com minhas fotos??? E o que o BigData tem haver com isso ???O queo facebook faz com minhas fotos??? E o que o BigData tem haver com isso ???
O queo facebook faz com minhas fotos??? E o que o BigData tem haver com isso ???Alessandro Binhara
 
Big data muito alem dos dados
Big data muito alem dos dadosBig data muito alem dos dados
Big data muito alem dos dadoscardoso80
 
Marketing digital como instrumento de controle
Marketing digital como instrumento de controleMarketing digital como instrumento de controle
Marketing digital como instrumento de controleLuiz Agner
 

Ähnlich wie Aula CRP-0420-2015-05 (20)

Palestra no Mesha - Big Data e Mídias Sociais
Palestra no Mesha - Big Data e Mídias SociaisPalestra no Mesha - Big Data e Mídias Sociais
Palestra no Mesha - Big Data e Mídias Sociais
 
Considerações sobre Ética Empresarial
Considerações sobre Ética Empresarial Considerações sobre Ética Empresarial
Considerações sobre Ética Empresarial
 
Virada Politica (BH) - Workshop sobre Open Data (Dados abertos)
Virada Politica (BH) - Workshop sobre Open Data (Dados abertos)Virada Politica (BH) - Workshop sobre Open Data (Dados abertos)
Virada Politica (BH) - Workshop sobre Open Data (Dados abertos)
 
3 Aplicações práticas de Social Big Data para fazer hoje.
3 Aplicações práticas de Social Big Data para fazer hoje.3 Aplicações práticas de Social Big Data para fazer hoje.
3 Aplicações práticas de Social Big Data para fazer hoje.
 
100 coisas que todo candidato deveria saber final
100 coisas que todo candidato deveria saber final100 coisas que todo candidato deveria saber final
100 coisas que todo candidato deveria saber final
 
Atualidades e Tendências nas Redes Sociais
Atualidades e Tendências nas Redes SociaisAtualidades e Tendências nas Redes Sociais
Atualidades e Tendências nas Redes Sociais
 
Apresentação comunicação na era da transformação digital
Apresentação comunicação na era da transformação digitalApresentação comunicação na era da transformação digital
Apresentação comunicação na era da transformação digital
 
Scup - Webinário Gestão de Imagens nas Redes Sociais, com Patrícia Peck
Scup - Webinário Gestão de Imagens nas Redes Sociais, com Patrícia PeckScup - Webinário Gestão de Imagens nas Redes Sociais, com Patrícia Peck
Scup - Webinário Gestão de Imagens nas Redes Sociais, com Patrícia Peck
 
Proposição de realização da Desconferência sobre Dados Abertos nos Tribunais ...
Proposição de realização da Desconferência sobre Dados Abertos nos Tribunais ...Proposição de realização da Desconferência sobre Dados Abertos nos Tribunais ...
Proposição de realização da Desconferência sobre Dados Abertos nos Tribunais ...
 
Embratel Lives | Soluções inteligentes para avaliar crédito e risco de client...
Embratel Lives | Soluções inteligentes para avaliar crédito e risco de client...Embratel Lives | Soluções inteligentes para avaliar crédito e risco de client...
Embratel Lives | Soluções inteligentes para avaliar crédito e risco de client...
 
Monitoramento, Dados e Informação Online
Monitoramento, Dados e Informação OnlineMonitoramento, Dados e Informação Online
Monitoramento, Dados e Informação Online
 
Ouvir, Pensar e Agir. O Agronegócio nas Mídias Sociais.
Ouvir, Pensar e Agir. O Agronegócio nas Mídias Sociais.Ouvir, Pensar e Agir. O Agronegócio nas Mídias Sociais.
Ouvir, Pensar e Agir. O Agronegócio nas Mídias Sociais.
 
2ª Desconferência | O Nascimento da Bloom Digital Research por Felipe Attílio
2ª Desconferência | O Nascimento da Bloom Digital Research por Felipe Attílio2ª Desconferência | O Nascimento da Bloom Digital Research por Felipe Attílio
2ª Desconferência | O Nascimento da Bloom Digital Research por Felipe Attílio
 
LGPD - Lei Geral de Protecao de Dados Pessoais
LGPD - Lei Geral de Protecao de Dados PessoaisLGPD - Lei Geral de Protecao de Dados Pessoais
LGPD - Lei Geral de Protecao de Dados Pessoais
 
Idec_Privacidade Google Camara_11abr12
Idec_Privacidade Google Camara_11abr12Idec_Privacidade Google Camara_11abr12
Idec_Privacidade Google Camara_11abr12
 
Tecnologias de gestao_tema6
Tecnologias de gestao_tema6Tecnologias de gestao_tema6
Tecnologias de gestao_tema6
 
“Como elevar as vendas do seu e-commerce”
“Como elevar as vendas do seu e-commerce” “Como elevar as vendas do seu e-commerce”
“Como elevar as vendas do seu e-commerce”
 
O queo facebook faz com minhas fotos??? E o que o BigData tem haver com isso ???
O queo facebook faz com minhas fotos??? E o que o BigData tem haver com isso ???O queo facebook faz com minhas fotos??? E o que o BigData tem haver com isso ???
O queo facebook faz com minhas fotos??? E o que o BigData tem haver com isso ???
 
Big data muito alem dos dados
Big data muito alem dos dadosBig data muito alem dos dados
Big data muito alem dos dados
 
Marketing digital como instrumento de controle
Marketing digital como instrumento de controleMarketing digital como instrumento de controle
Marketing digital como instrumento de controle
 

Mehr von Aulas LULI: CRP-0357, CRP-0422 e CRP-0420 (9)

2019 CRP-0422 - AULA 3
2019 CRP-0422 - AULA 32019 CRP-0422 - AULA 3
2019 CRP-0422 - AULA 3
 
2019 CRP-0422 - AULA 2
2019 CRP-0422 - AULA 22019 CRP-0422 - AULA 2
2019 CRP-0422 - AULA 2
 
2019 CRP-0422 - AULA 1
2019 CRP-0422 - AULA 12019 CRP-0422 - AULA 1
2019 CRP-0422 - AULA 1
 
Aula CRP-0420-2016-09-UX (2)
Aula CRP-0420-2016-09-UX (2)Aula CRP-0420-2016-09-UX (2)
Aula CRP-0420-2016-09-UX (2)
 
Aula 10 de Fotografia - Lightroom
Aula 10 de Fotografia - LightroomAula 10 de Fotografia - Lightroom
Aula 10 de Fotografia - Lightroom
 
CRP0357-2016-04
CRP0357-2016-04CRP0357-2016-04
CRP0357-2016-04
 
CRP0357-2016-03
CRP0357-2016-03CRP0357-2016-03
CRP0357-2016-03
 
CRP0357-2016-02
CRP0357-2016-02CRP0357-2016-02
CRP0357-2016-02
 
FOTO 2016-04
FOTO 2016-04FOTO 2016-04
FOTO 2016-04
 

Kürzlich hochgeladen

As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 

Kürzlich hochgeladen (20)

As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 

Aula CRP-0420-2015-05

  • 1. COMUNICAÇÃO
 DIGITAL CRP-0420 AULA 05: BIG DATA, ÉTICA E LIVRE ARBÍTRIO
  • 4. QUESTÕES • NSA: O QUE VOCÊ FARIA? • IMPEACHMENT: ELE JÁ OCORREU? • AQUECIMENTO GLOBAL: O QUE FAZER? • REFUGIADOS: E SE VOCÊ FOSSE A HUNGRIA? • ROBÔS COLABORATIVOS: COMO MANTER EMPREGOS? • BIG DATA ANALYTICS: COMO FICA O LIVRE-ARBÍTRIO?
  • 5. PALESTRAS TED: • ALESSANDRO ACQUISTI: WHAT WILL A FUTURE WITHOUT SECRETS LOOK LIKE? • JOEL SELANIKIO: THE SURPRISING SEEDS OF A BIG-DATA REVOLUTION IN HEALTHCARE • JESSICA DONOHUE: THE UP-SIDE OF DATA • CHRISTOPHER SOGHOIAN: GOVERNMENT SURVEILLANCE • JEAN-BAPTISTE MICHEL: THE MATHEMATICS OF HISTORY • ANNE MILGRAM: SMART STATISTICS, KEY TO FIGHTING CRIME • MALTE SPITZ: YOUR PHONE COMPANY IS WATCHING
  • 6.
  • 7.
  • 8. FICÇÃO GATTACA MINORITY REPORT ENEMY OF THE STATE MR. ROBOT - S01E01
  • 9.
  • 10. DOCUMENTÁRIOS: HORIZON: THE AGE OF BIG DATA THE HUMAN FACE OF BIG DATA WALL STREET CODE - BIT.LY/CD04-3
  • 11. 862 BILHÕES DE DÓLARES EVAPORARAM…
  • 12.
  • 13.
  • 14. LEITURAS DATABASE NATION - CAPS 2, 8, 11 TAMING BIG DATA TIDAL WAVE - CAPS 3 E 4 BIG DATA NOW - CAPS 2 E 5 DATACLYSM - CAPS 13, 14 SOCIAL PHYSICS - CAPS 1, 3, 10 PRIVACY IN THE AGE OF BIG DATA - CAPS 1 E 5 BIGA DATA: A REVOLUTION - CAPS 2, 3 E 9
  • 15.
  • 16.
  • 17. PENSADOR DO TEMA: SANDY PENTLAND - BIT.LY/CD04-1 STEPHEN WOLFRAM - BIT.LY/CD04-2
  • 18. PROGRAMA: 6/8 - CONTEXTO 13/8 - A COISA 20/8 - IDENTIDADE 27/8 - NADA (LDOC) 3/9 - BIG DATA 10/9 - SEMPÁTRIA 17/9 - BIG DATA
 E LIVRE ARBÍTRIO 24/9 - EDUCAÇÃO 1/10 - COLABORAÇÃO 8/10 - CIBERATIVISMO, HACKING E EXCLUSÃO 15/10 - GAMES 22/10 - VR, AI 29/10 - IOT, SMART CITIES 5/11 - NEURO E BIO 12/11 - CÓDIGO 19/11 - FABRICAÇÃO 26/11 - TENDÊNCIAS 3/12 - PECHA KUCHA 1+2
  • 19. BIG DATAPRIVACIDADE, ÉTICA E LIVRE-ARBÍTRIO
  • 20.
  • 22.
  • 23. VANTAGENS • DETECÇÃO DE FRAUDES - ANALISA TRANSAÇÕES EM TEMPO REAL, IDENTIFICANDO PADRÕES DE COMPORTAMENTO ANÔMALO • ANÁLISE DE REGISTRO DE CHAMADAS DE SUPORTE TELEFÔNICO – REGISTROS E DADOS DE RASTREAMENTO PODEM SER BEM APROVEITADOS, IDENTIFICANDO OPORTUNIDADES DE OTIMIZAÇÃO DE DESEMPENHO INCREMENTAL; • SEGMENTAÇÃO – PARA ENTENDER MELHOR OS CLIENTES, COMPORTAMENTOS E PREFERÊNCIAS. AS EMPRESAS OS UTILIZAM PARA EXPANDIR BANCOS DE DADOS COM DADOS DE MÍDIA SOCIAL.
  • 24. VANTAGENS • CRIAÇÃO DE MODELOS PREDITIVOS – GOVERNOS E EMPRESAS OTIMIZAM CAMPANHAS UTILIZANDO ANÁLISE DE BIG DATA; • COMPREENSÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS – OTIMIZAR VAREJO E DESCOBRIR TENDÊNCIAS, DE MARKETING A LOGÍSTICA • QUANTIFICAÇÃO PESSOAL – DE RELÓGIOS A PRIVADAS, SENSORES PODEM DAR A SEUS USUÁRIOS RICOS INSIGHTS. MAS O VALOR REAL ESTÁ NA ANÁLISE DOS DADOS COLETIVOS. SERVIÇOS DE RELACIONAMENTO ONLINE APLICAM FERRAMENTAS DE BIG DATA E ALGORITMOS PARA ENCONTRAR OS PARES MAIS ADEQUADOS.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 45. 99,9% NÃO É 100% NÚMEROS SÃO MAIS FALÍVEIS DO QUE APARENTAM. DADOS NÃO REPRESENTAM A VERDADE, SOMENTE UMA AMOSTRA ESTATÍSTICA.
  • 46. MENSURAÇÃO E ANÁLISE DE DADOS SÃO ÓTIMAS. SEM ELAS É QUASE IMPOSSÍVEL PROGREDIR. MAS É PRECISO CAUTELA NO USO. A IGNORÂNCIA NUNCA É UMA BÊNÇÃO. OS BENEFÍCIOS DO CONHECIMENTO SÃO ÓBVIOS.
  • 47. NÃO BASTA
 COLETAR OS DADOS DEVE-SE REFLETIR E PLANEJAR NOVAS METAS PERIODICAMENTE, IDENTIFICANDO PADRÕES DE COMPORTAMENTO NOCIVOS E RECORRENTES NA BASE DE DADOS E NO PESQUISADOR.
  • 48. PROBLEMAS • REUTILIZAÇÃO DE DADOS • RECOMBINAÇÃO DE DADOS • PUNIÇÃO PREVENTIVA (PROFILING) • SEGREGAÇÃO E PRECONCEITO • PESSOAS VERSUS PREVISÕESDITADURA DE DADOS (FETICHE) • RISCOS DE PRIVACIDADE E SEGURANÇA • PRIVACIDADE VS. PRESTAÇÃO DE CONTAS • CORRELAÇÃO NÃO É CAUSALIDADE. 
  • 49. DATACRACIA • BIG DATA PODE ÚTIL PARA A TOMADA DE DECISÕES RACIONAIS. USADA DE FORMA IMPRUDENTE, PODE SE TORNAR UM INSTRUMENTO DE REPRESSÃO, CONTROLE OU RETALIAÇÃO. • DECISÕES ESTRATÉGICAS SÃO TIRADAS DE DADOS VÁLIDOS EM UM CONTEXTO VÁLIDO. QUANDO ALGUMA DESSAS CONDIÇÕES NÃO É VERDADEIRA OU NÃO PODE SER VERIFICADA, O RESULTADO PODE SER, NO MÍNIMO, IRRELEVANTE. OU PIOR, PERIGOSO.
  • 50.
  • 51. QUESTÃO ÉTICA COMO FICA A DE BIG DATA?
  • 52.
  • 53. DADOS:
 FONTE DE RENDA QUANDO VOCÊ NÃO PAGA PELO PRODUTO VOCÊ É O PRODUTO. QUANDO PAGA TAMBÉM É.
  • 54. DATA BROKERS FACEBOOK E GOOGLE SÃO BONZINHOS. SÃO OS CORRETORES DE DADOS QUE OS COLETAM DADOS DE VÁRIAS FONTES, EM GRANDE PARTE SEM CONHECIMENTO DE QUEM OS FORNECE.
  • 55. DATA BROKERS COMBINAM DADOS ONLINE E OFF-LINE. • COMBINAM E ANALISAM DADOS PARA FAZER INFERÊNCIAS, INCLUINDO RELAÇÕES POTENCIALMENTE SENSÍVEIS. • ALEGAM TER: • INFORMAÇÕES SOBRE 1,4 BILHÃO DE TRANSAÇÕES REALIZADAS E MAIS DE 700 BILHÕES ELEMENTOS DE DADOS AGREGADOS • UM TRILHÃO DE DÓLARES EM TRANSAÇÕES DE CONSUMO; • TRÊS BILHÕES DE NOVOS REGISTROS POR MÊS A SEUS BANCOS DE DADOS; • CERCA DE 3000 REGISTROS DE DADOS PARA QUASE TODOS OS CONSUMIDORES DOS ESTADOS UNIDOS;
  • 56. ACXIOM FATURAMENTO ENTRE 800 MILHÕES
 E 1,1 BILHÃO DE DÓLARES POR ANO,
 O QUE REPRESENTA MAIS DE 12% DO SETOR DE MARKETING E SERVIÇOS DIRETOS NOS EUA.
  • 57. SERASA É UM DOS MAIORES CORRETORES DE DADOS FINANCEIROS NO BRASIL. COMPRADO PELA IRLANDESA EXPERIAN EM 2007. EM 2014, A RECEITA DA FILIAL BRASILEIRA US$ 819 MILHÕES, 17% DO FATURAMENTO GLOBAL DA EMPRESA.
  • 58. DADOS COLETADOS • DADOS DE IDENTIFICAÇÃO: • NOME ANTERIOR, HISTÓRICO DE ENDEREÇO, TELEFONE, IDENTIFICAÇÃO GOVERNAMENTAL, DATA DE NASCIMENTO DE CADA MEMBRO DA FAMÍLIA • DADOS DEMOGRÁFICOS: • RAÇA E ETNIA, PAÍS DE ORIGEM, RELIGIÃO, LÍNGUA FALADA, PAI IDOSO, CRIANÇAS, ESCOLARIDADE, LAÇOS FAMILIARES, DEMOGRAFIA DOS MEMBROS DA FAMÍLIA EM CASA, NÚMERO DE SOBRENOMES EM CASA, CHEFE DE FAMÍLIA HISPÂNICO OU LATINO, EMPREGO E OCUPAÇÃO DE CADA MEMBRO DA FAMÍLIA, DURAÇÃO DA POSSE OU ALUGUEL DA RESIDÊNCIA, DISTRITO ELEITORAL, FAMÍLIAS SOMENTE COM PAI OU MÃE, FILIAÇÕES RELIGIOSAS OU ÉTNICAS • DADOS JURÍDICOS: • FALÊNCIAS, INFRAÇÕES PENAIS E CONDENAÇÕES, JULGAMENTOS, REGISTROS, LICENÇAS (CAÇA OU PROFISSIONAL), IDENTIFICAÇÃO PARTIDÁRIA; • DADOS DE TECNOLOGIA E MÍDIAS SOCIAIS: • COMPRAS DE ELETRÔNICOS, AMIGOS E CONEXÕES, TIPO DE CONEXÃO, PROVEDOR DE ACESSO, NÍVEL DE USO E EXPERIÊNCIA, PARTICIPAÇÃO EM REDES SOCIAIS, MEMBRO DE MAIS DE 5 REDES SOCIAIS, INFLUENCIADOR ON-LINE, SISTEMA OPERACIONAL, COMPRAS DE SOFTWARE, TIPO DE MÍDIA PUBLICADA
  • 59. DADOS COLETADOS • DADOS RESIDENCIAIS E DE VIZINHANÇA: • MORADIA PÚBLICA OU GOVERNAMENTAL, TIPO DE HABITAÇÃO, AQUECIMENTO E REFRIGERAÇÃO, VALOR DA RESIDÊNCIA, HIPOTECA E JUROS, TAMANHO DA CASA, CRIMINALIDADE NO BAIRRO, NÚMERO DE CÔMODOS, ANO DE CONSTRUÇÃO • DADOS DE INTERESSE GERAL: • PREFERÊNCIAS DE VESTUÁRIO, PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS ESPORTIVOS, DOAÇÕES, HÁBITO DE JOGO - CASINOS, LOTERIAS, ACONTECIMENTOS DA VIDA (APOSENTADORIA, CASAMENTO, GRAVIDEZ), ASSINATURAS DE REVISTAS, CANAIS DE TV ASSISTIDOS, ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO, INCLINAÇÕES POLÍTICAS, CELEBRIDADES DE PREFERÊNCIA, GÊNEROS DE FILME E MÚSICA PREDILETOS, HOBBIES, ESTILO DE VIDA (MOTOCICLISMO, OUTDOOR / CAÇA E TIRO, NATIVO, NEW AGE / ORGÂNICO), MEMBRO DE MAIS DE 5 SITES DE COMPRAS, DADOS FINANCEIROS, INADIMPLÊNCIA, CATEGORIA DE CRÉDITO DO CARTÃO, DIFICULDADES FINANCEIRAS, NÍVEL DE RENDA, CRÉDITO ATIVO • DADOS DO VEÍCULO: • PREFERÊNCIAS DE MARCA, RENOVAÇÃO DO SEGURO, MARCA E MODELO, NÚMEROS DE IDENTIFICAÇÃO DE CADA VEÍCULO DE PROPRIEDADE, PROPENSÃO À COMPRA DE VEÍCULO NOVO OU USADO, PROPRIETÁRIO DE MOTOCICLETA, DATA DE AQUISIÇÃO, INFORMAÇÕES DE COMPRA, INTENÇÃO DE COMPRA
  • 60. DADOS COLETADOS • DADOS DE VIAGENS: • PREÇO MAIS ALTO PAGO POR UMA VIAGEM, DATA DA ÚLTIMA VIAGEM, PASSAGEIRO FREQUENTE, PROPRIEDADE DE FÉRIAS, TIPO DE FÉRIAS (CASINO, TIME SHARE, CRUZEIROS), DESTINO PREFERIDO, COMPANHIA AÉREA PREFERIDA • DADOS DE COMPORTAMENTO DE COMPRA: • MONTANTE GASTO EM BENS, FORMA DE PAGAMENTO PREFERIDO, CANAL DE PREFERÊNCIA (INTERNET, CORREIO, TELEFONE), TIPO DE ENTRETENIMENTO COMPRADO, TIPO DE ALIMENTOS ADQUIRIDOS, MÉDIA DE DIAS ENTRE COMPRAS, ÚLTIMA COMPRA (ON-LINE E OFF-LINE), COMPRAS EM CATÁLOGOS POPULARES E ENCOMENDAS EM CATÁLOGOS DE ALTO PADRÃO, TAMANHOS DAS ROUPAS, VOLUME E TIPO DE LIVROS COMPRADOS • DADOS DE SAÚDE: • PROPENSÃO A BUSCA POR DADOS DE SAÚDE, DOENÇAS E PRESCRIÇÕES ONLINE, FUMANTE EM CASA, SUPRIMENTOS GERIÁTRICOS, USO DE LENTES CORRETIVAS, ALERGIAS, PLANO DE SAÚDE INDIVIDUAL, USUÁRIO DE SAÚDE PÚBLICA, MARCA MAIS USADA DE REMÉDIO, PERDA DE PESO E SUPLEMENTOS, COMPRAS EM TÓPICOS DE SAÚDE INCLUINDO: ALERGIAS, ARTRITE, COLESTEROL, DIABETES, DIETA, FISICULTURISMO, MEDICINA ALTERNATIVA, PRODUTOS DE BELEZA, REMÉDIOS HOMEOPÁTICOS, ORTOPEDIA ETC
  • 61. FONTE: GOVERNO • A. GOVERNO FEDERAL • CENSO: DEMOGRAFIAS DE BAIRROS, COMO A ETNIA, IDADE, NÍVEL DE ESCOLARIDADE, COMPOSIÇÃO FAMILIAR, RENDA, OCUPAÇÕES, E O TEMPO DE DESLOCAMENTO. ESTRADAS, ENDEREÇOS, DISTRITOS ELEITORAIS E LIMITES DAS CIDADES, MUNICÍPIOS, SUBDIVISÕES, E DISTRITOS DE VOTO • ADMINISTRAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL: NOMES DE CONSUMIDORES, REGISTROS FEDERAIS (EQUIVALENTES A CPFS) E DATAS DE ÓBITO • SERVIÇO POSTAL: ENDEREÇO E MUDANÇAS • FBI E SERVIÇO SECRETO: LISTAS DE TERRORISTAS E CRIMINOSOS PROCURADOS; • AGÊNCIAS FEDERAIS E INTERNACIONAIS: INDIVÍDUOS INELEGÍVEIS PARA RECEBER CONTRATOS COM O GOVERNO OU OUTROS BENEFÍCIOS • TRIBUNAIS FEDERAIS FORNECEM INFORMAÇÕES SOBRE FALÊNCIAS
  • 62. FONTE: GOVERNO • B.  GOVERNOS ESTADUAIS E MUNICIPAIS: • LICENÇAS PROFISSIONAIS (PILOTOS, MÉDICOS, ADVOGADOS, ARQUITETOS) • LICENÇAS RECREATIVAS (CAÇA E PESCA) • IMÓVEIS E REGISTROS: IMPOSTOS, PATRIMÔNIO, DÉBITOS, HIPOTECAS, INFORMAÇÕES SOBRE PROPRIEDADES (ÁREA, CÔMODOS, BENEFÍCIOS) • INFORMAÇÕES ELEITORAIS (NOME, ENDEREÇO, E FILIAÇÃO PARTIDÁRIA); • REGISTROS: DE VEÍCULOS, JUDICIAIS, CRIMINAIS, AÇÕES CÍVEIS E JUÍZOS, CERTIDÕES DE NASCIMENTO, CASAMENTO, DIVÓRCIO E ÓBITO. • NA MAIOR PARTE DAS VEZES OS CORRETORES DE DADOS CONTRATAM PESSOAS PARA VISITAR REGISTROS LOCAIS E COMPILAR A INFORMAÇÃO. 
  • 63. FONTE: COMERCIAL • DADOS ESPECÍFICOS DE TRANSAÇÕES DETALHADAS SOBRE COMPRAS DIRETO DE VAREJISTAS. POR EXEMPLO: • SAPATOS DE LUXO, ALIMENTOS NATURAIS, CREME DENTAL, ITENS RELACIONADOS A DEFICIÊNCIAS OU PROBLEMAS ORTOPÉDICOS), O VALOR DA COMPRA, A DATA E O TIPO DE PAGAMENTO UTILIZADO. VÁRIOS DOS CORRETORES DE DADOS TAMBÉM OBTER INFORMAÇÕES DE EDITORAS DE REVISTAS SOBRE OS TIPOS DE ASSINATURAS VENDIDAS. • OUTRAS FONTES: • LISTAS DE CLIENTES DE SITES DE VAREJO, NOTÍCIAS E VIAGENS, COMPRAS RELACIONADAS À SAÚDE • EMPRESAS DE TELEFONIA • EMPRESAS DE SERVIÇOS BANCÁRIOS • CONCESSIONÁRIAS DE VEÍCULOS E CORRETORES DE IMÓVEIS • GRANDES VAREJISTAS • PESQUISAS DE MARKETING, REGISTROS DE GARANTIA, CONCURSOS.
  • 66. DANIEL KAHNEMAN: • DOIS MODOS DE PENSAMENTO: • SUBCONSCIENTE, RÁPIDO, EMOCIONAL, AUTOMÁTICO, FREQUENTE, INSTINTIVO E ESTEREOTÍPICO; E 
 • CONSCIENTE, MAIS LENTO, DELIBERATIVO, CALCULADO, LÓGICO E POUCO FREQUENTE.
  • 67. HEURÍSTICAS: ATALHOS MENTAIS INFERIMOS RESULTADOS A PARTIR
 DA EXPERIÊNCIA VIVIDA.
  • 68. VIESES: ERROS NOS ATALHOS NEM SEMPRE
 O CAMINHO MAIS RÁPIDO É O MELHOR
  • 69. VIESES: • ANCORAGEM • O CÉREBRO HUMANO BUSCA POR COMPARAÇÕES. PONTOS DE REFERÊNCIA PARA DEFINIR TAMANHOS, PESOS, PREÇOS, CONFORTO, VIABILIDADE ETC. PREÇOS MUITO ALTOS EM UM CARDÁPIO, PODEM LEVAR SEUS CLIENTES A CONSIDERAR OS VALORES MENORES COMO OPORTUNIDADES • DISPONIBILIDADE • JULGAMOS A PROBABILIDADE DE EVENTOS DE ACORDO COM A FACILIDADE DE IMAGINÁ-LOS."SE ALGO PODE SER IMAGINADO, DEVE SER IMPORTANTE." A PERCEPÇÃO DAS CONSEQUÊNCIAS ASSOCIADAS A UMA AÇÃO ESTÁ DIRETAMENTE RELACIONADA À PERCEPÇÃO DE SUA MAGNITUDE • SUBSTITUIÇÃO • SUBSTITUIR UMA IDEIA OU QUESTÃO DIFÍCIL POR OUTRA MAIS SIMPLES.  JULGAMENTO INTUITIVO AUTOMÁTICO, EM VEZ DO REFLEXIVO. • OTIMISMO E AVERSÃO À PERDA • O VIÉS OTIMISTA GERA A ILUSÃO DE CONTROLE, QUE PODE TER UMA UTILIDADE NA ADAPTAÇÃO DA ESPÉCIE AOS DIFERENTES AMBIENTES. O OTIMISMO PROTEGE O INDIVÍDUO DA AVERSÃO À PERDA, A TENDÊNCIA DE TEMER A PERDA MAIS DO QUE SE VALORIZA OS GANHOS.
  • 70. VIESES: • ENQUADRAMENTO (FRAMING) • AS PESSOAS REAGEM A UMA ESCOLHA DE ACORDO COM O CONTEXTO EM QUE ELA É APRESENTADA • CUSTOS IRRECUPERÁVEIS • QUANDO UMA DESPESA JÁ FOI REALIZADA E NÃO PODERÁ SER RECUPERADA, A MAIORIA CONTINUA A INVESTIR EM VEZ DE RECONSIDERAR. NÃO É SURPREENDENTE QUE O MERCADO TENHA DIFICULDADES EM SE COMPORTAR DE MANEIRA QUE OS ECONOMISTAS CONSIDERARIAM "RACIONAL". • VIESES COGNITIVOS • “ATALHOS” DE PENSAMENTO, COMO EXCESSO DE CONFIANÇA; PESSIMISMO; EFEITO PLACEBO; RACIONALIZAÇÃO PÓS-COMPRA; PROCRASTINAÇÃO; RECIPROCIDADE; E ESTEREÓTIPOS.
  • 71.
  • 72. VIESES COGNITIVOS: • APOIO À ESCOLHA • TENDÊNCIA A SE SENTIR BEM APÓS UMA TOMADA DE DECISÃO POR TER RESOLVIDO UM CONFLITO • AVESTRUZ • AVERSÃO A FATOS PERIGOSOS OU NEGATIVOS • CLUSTERING • BUSCAR PADRÕES EM EVENTOS ALEATÓRIOS • CONFIRMAÇÃO • ESCUTAR SOMENTE A INFORMAÇÃO QUE CONFIRMA CERTEZAS E PRECONCEITOS • CONFORMIDADE • ADAPTAÇÃO AO GRUPO • CONSERVADORISMO • DAR PREFERÊNCIA A FATOS ANTERIORES DO QUE A ELEMENTOS QUE OS CONTESTEM
  • 73. VIESES COGNITIVOS: • DESCOMPASSO DE EMPATIA • QUEM ESTÁ EM UM ESTADO DE ESPÍRITO NÃO CONSEGUE ENTENDER QUEM ESTÁ EM OUTRO ESTADO DE ESPÍRITO • DISPONIBILIDADE HEURÍSTICA • SUPERESTIMAR A IMPORTÂNCIA DA INFORMAÇÃO DISPONÍVEL • EXPECTATIVA • INFLUENCIA INCONSCIENTEMENTE A PERCEPÇÃO DE UM RESULTADO • FREQUÊNCIA • PALAVRA, PESSOA OU OBJETO QUE SE ACABOU DE APRENDER PARECE ESTAR EM TODOS OS LUGARES • HALO • UM ATRIBUTO POSITIVO DE ALGUÉM É ASSOCIADO COM A PESSOA COMO UM TODO • MANADA • ADOTAR UMA CRENÇA COM BASE EM SUA POPULARIDADE
  • 74. VIESES COGNITIVOS: • NEGAÇÃO DE DURAÇÃO • A DURAÇÃO DE UM EVENTO TRAUMÁTICO É MENOSPREZADA • NEGATIVIDADE • COLOCAR MAIS ÊNFASE EM EXPERIÊNCIAS NEGATIVAS DO QUE POSITIVASPERCEPÇÃO SELETIVA • EXPECTATIVAS INFLUENCIAM A VISÃO DE MUNDO • PONTO CEGO • DEIXAR DE RECONHECER VIESES COGNITIVOS • RESULTADO • JULGAR DECISÕES COM BASE EM SEUS RESULTADOS, MESMO QUE TENHAM SIDO EFEITO DE SORTE A PARTIR DE DECISÕES IMPRUDENTES, TÍPICOS DE HISTÓRIAS VISTAS EM RETROSPECTO • RETORNO IMEDIATO • PARECE MAIS INTERESSANTE DO QUE UM GANHO MAIOR NO FUTURO;
  • 75. BARRY SCHWARTZ PARADOXO DA ESCOLHA • AUTONOMIA E LIBERDADE DE ESCOLHA SÃO FUNDAMENTAIS PARA O BEM-ESTAR SOCIAL
 • ESCOLHA É FUNDAMENTAL PARA A AUTONOMIA. 
 • PAÍSES RICOS TEM MAIS OPÇÕES DO QUE QUALQUER OUTRO POVO OU ÉPOCA E, PORTANTO, MAIOR LIBERDADE E AUTONOMIA PRESUMIDAS, MUITOS NÃO PARECEM SE BENEFICIAR PSICOLOGICAMENTE DELA.
  • 76. PARADOXO DA ESCOLHA • A FELICIDADE É AFETADA PELO SUCESSO OU FRACASSO DA REALIZAÇÃO DO OBJETIVO. AS PRINCIPAIS QUESTÕES SÃO: • ESCOLHA E FELICIDADE. A ABUNDÂNCIA DE ESCOLHA MUITAS VEZES LEVA À DEPRESSÃO E SOLIDÃO. O TECIDO SOCIAL JÁ NÃO É UM DIREITO DE NASCENÇA, MAS UMA SÉRIE DE ESCOLHAS DELIBERADAS E CUSTOSAS • DECISÕES DE SEGUNDA CLASSE. VIVER "PELAS REGRAS" DE UMA DISCIPLINA, COSTUME OU PRÁTICA ELIMINA INÚMERAS DECISÕES INCÔMODAS NA VIDA DIÁRIA. SCHWARTZ MOSTRA QUE ESSAS DECISÕES DE SEGUNDA CLASSE PODEM SER DIVIDIDAS EM PRESUNÇÕES, PADRÕES E CÓDIGOS CULTURAIS.  • OPORTUNIDADES PERDIDAS.  QUANDO HÁ A NECESSIDADE DE ESCOLHER UMA OPÇÃO ENTRE MUITAS DESEJÁVEIS, NATURALMENTE SE CONSIDERAM AS PERDAS HIPOTÉTICAS. AS OPÇÕES SÃO AVALIADAS EM TERMOS DE OPORTUNIDADES PERDIDAS EM VEZ DO POTENCIAL DA ESCOLHA. 
  • 77. RESPONSABILIDADE A “LIBERDADE DE ESCOLHA” OFERECIDA PELA INTERNET SE TORNA MAIS PRÓXIMA DE UMA DO QUE DE LIBERDADE. OBSTÁCULOS DIFICULTAM A REALIZAÇÃO DE TAREFAS.
  • 78. LIVRE ARBÍTRIO O QUE É NECESSÁRIO PARA TER DE VERDADE? ABSOLUTO?
  • 79. LIVRE ARBÍTRIO PARA TER REAL SERIA PRECISO ESTAR CIENTE DE TODOS OS FATORES QUE DETERMINAM OS PENSAMENTOS E AÇÕES, E TER CONTROLE COMPLETO SOBRE ELES.
  • 80. INFLUÊNCIAS? MAS O QUE INFLUENCIA AS NENHUM ESTADO MENTAL É VERDADEIRAMENTE O INDIVÍDUO. VOCÊ NÃO CONTROLA A TEMPESTADE, NEM ESTÁ PERDIDO NELA.  VOCÊ É A TEMPESTADE.
  • 81. JOHN SEARLE • NA LITERATURA FILOSÓFICA SÃO ENCONTRADAS QUATRO ABORDAGENS PARA A QUESTÃO DO LIVRE ARBÍTRIO: • DETERMINISMO RADICAL (INCOMPATIBILISMO) • INDETERMINISMO • DETERMINISMO MODERADO (COMPATIBILISMO) • LIBERTARISMO.
  • 82. DETERMINISMO RADICAL • ACONTECIMENTOS, INCLUSIVE OPÇÕES HUMANAS, SÃO CAUSADOS POR EVENTOS PRÉVIOS. • EM UM MUNDO REGIDO POR LEIS DETERMINÍSTICAS, AÇÕES E OS ACONTECIMENTOS SUCEDEM-SE EM CADEIAS CAUSAIS. • NÃO SE PODE INTERFERIR NESSAS OCORRÊNCIAS, MESMO QUE SE TENHA CONSCIÊNCIA DELAS. • AS LEIS QUE AS REGEM NÃO ESTÃO SOB O CONTROLE HUMANO, PORTANTO A EXISTÊNCIA DE LIVRE-ARBÍTRIO É INCOMPATÍVEL COM ELE.
  • 83. INDETERMINISMO • A FÍSICA QUÂNTICA CONSIDERA IMPOSSÍVEL PREVER O COMPORTAMENTO DAS PARTÍCULAS. ELAS SE COMPORTAM DE MODO DIFERENTE A CADA MOMENTO SEGUINTE, SEM QUE SE POSSA ENCONTRAR A CAUSA DESSA MUDANÇA. • O INDETERMINISMO QUE REGE O MUNDO NANOSCÓPICO DAS PARTÍCULAS TAMBÉM SE APLICARIA À VONTADE HUMANA. • UMA VEZ QUE HÁ INDETERMINISMO NA NATUREZA, O INDETERMINISMO DEFENDE QUE AS AÇÕES HUMANAS NÃO PODERIAM SER DETERMINADAS.
  • 84. DETERMINISMO MODERADO • PARTE DO CONCEITO DE LIBERDADE E ACEITA A CONVICÇÃO DE QUE TODOS PODERIAM TER FEITO OUTRA COISA SE A TIVESSEM ESCOLHIDO. • TODOS OS FENÔMENOS DE UM SISTEMA TEM RELAÇÃO DE CAUSALIDADE. • A VONTADE HUMANA, DETERMINADA, É LIVRE QUANDO NÃO FOR COAGIDA A ESCOLHER. • DEFENDE A COMPATIBILIDADE ENTRE DETERMINISMO E LIBERDADE.
  • 85. LIBERTARISMO • AÇÕES HUMANAS NÃO SÃO DETERMINADAS NEM ALEATÓRIAS, MAS DUALISTAS. • MATÉRIA E VONTADE SERIAM ENTIDADES DE NATUREZA DIFERENTE. OS FENÔMENOS MENTAIS, POR NÃO SEREM FÍSICOS, SÃO REGIDOS POR LEIS DIFERENTES. • AS AÇÕES HUMANAS RESULTARIAM DE DELIBERAÇÕES RACIONAIS E PODERIAM SER ALTERADAS CONFORME O CURSO DOS ACONTECIMENTOS NO MUNDO.
  • 86. JOHN SEARLELIVRE-ARBÍTRIO: COMPATÍVEL COM DETERMINISMO • A CONSTITUIÇÃO FÍSICA DO CÉREBRO IMPEDE QUE A VONTADE HUMANA SEJA LIVRE. • A IDEIA DE “LIBERDADE HUMANA”, A CERTEZA DE QUE HAJA ESCOLHA, É PRODUTO DA EXPERIÊNCIA. • A QUESTÃO REAL NÃO É SABER SE HÁ OU NÃO RAZÕES PSICOLÓGICAS OU COMPULSÕES, MAS SABER SE ELAS LEVARIAM A AÇÕES INEVITÁVEIS. • CONTESTA A VISÃO DUALISTA DE DESCARTES QUE “ALMA” E CORPO SERIAM DIFERENTES. • ELES SEGUEM ESTRATÉGIAS DISTINTAS, MAS TERIAM A MESMA ORIGEM.
  • 87. EMERGENTE O COMPORTAMENTO É DA ESTRUTURA FÍSICA. 90% DAS CÉLULAS DO CORPO SÃO MICRÓBIOS, EXECUTANDO FUNÇÕES QUE NÃO SE IDENTIFICAM COM A PESSOA A QUE PERTENCEM.
  • 88. INCONSCIENTES COMO SE PODE SER “LIVRE" SE TUDO QUE SE CONSIDERA “INTENÇÃO” É CAUSADO POR EVENTOS (E INDEPENDENTES) NO CÉREBRO? SENTIMOS QUE SOMOS AUTORES
 DOS PENSAMENTOS E AÇÕES,
 POR ISSO CREMOS NO LIVRE ARBÍTRIO.
  • 89. IMPORTEM.  O FATO DAS NOSSAS ESCOLHAS DEPENDEREM DE CAUSAS ANTERIORES NÃO SIGNIFICA QUE NÃO
  • 90. ESTADOS CAUSAIS DECISÕES, INTENÇÕES, ESFORÇOS, OBJETIVOS, FORÇA DE VONTADE SÃO DO CÉREBRO. ELES LEVAM A COMPORTAMENTOS, QUE LEVAM A RESULTADOS.  A ESCOLHA HUMANA É IMPORTANTE. ELA SÓ NÃO É INDEPENDENTE.
  • 91. HISTÓRIAS CONTAMOS PARA DAR SENTIDO À ENXURRADA
 DE INFORMAÇÕES DO MUNDO FÍSICO QUE FLUI ATRAVÉS DOS SENTIDOS.
  • 92. PASSADO FATOS SÃO COMPARADOS COM O E ANALISADOS
 PARA TOMAR DECISÕES FUTURAS.
  • 93. CRIAR, ESTAMOS ANSIOSOS PARA NÃO APENAS RECORDAR, CENÁRIOS CONCORRENTES EM TEMPOS VARIADOS.
  • 94. COMPARADO CADA CENÁRIO É COM OS OUTROS DE ACORDO COM AS EMOÇÕES GERADAS E SEU EFEITO. REINVENTAMOS A NOSSA HISTÓRIA O TEMPO TODO.
  • 95. INCONSCIENTES  A ESCOLHA É FEITA NOS CENTROS DO CÉREBRO E OCORRE ALGUNS SEGUNDOS ANTES DE CHEGAR
 À PARTE CONSCIENTE.
  • 96. CONFABULAÇÃO. A VIDA MENTAL CONSCIENTE É CONSTRUÍDA INTEIRAMENTE POR ELA CONSISTE DE UMA AVALIAÇÃO CONSTANTE DE HISTÓRIAS VIVIDAS NO PASSADO E PREVISÕES PARA O FUTURO.
  • 97. ABSTRAÇÕES, ALGUMAS MEMÓRIAS SÃO ALTERADAS EM METÁFORAS, VALORES E MITOS, QUE AUMENTAM A VELOCIDADE E EFICÁCIA DO PROCESSO DE CONSCIÊNCIA.
  • 98. DETECTÁVEL, A IDENTIDADE É MAS NÃO É FÍSICA. ELA É UMA DE FICÇÃO CONVENIENTE, CENTRO DE GRAVIDADE, FORMA DE RESOLVER PROBLEMAS, MESMO QUE NÃO CORRESPONDA A NADA TANGÍVEL.
  • 99. 2 PREMISSAS FALSAS: • EU PODERIA TER ME COMPORTADO DE FORMA DIFERENTE DO QUE FIZ NO PASSADO, E
 • EU SOU A FONTE CONSCIENTE DA MAIORIA DOS NOSSOS PENSAMENTOS E AÇÕES NO PRESENTE. 
  • 100. FATO SUBJETIVO O LIVRE ARBÍTRIO NEM SEQUER CORRESPONDE A UM A RESPEITO DO INDIVÍDUO. ATOS VOLUNTÁRIOS SURGEM ESPONTANEAMENTE E NÃO PODEM SER ATRIBUÍDOS A UM PONTO DE ORIGEM NA MENTE CONSCIENTE. 
  • 101. SIMULACRO: GILLES DELEUZE PROPÕE O FENÔMENOS SÃO APARÊNCIAS,
 SEM ORIGEM QUE OS FUNDAMENTE. NÃO EXISTE NADA ALÉM DE
 UM ENXAME DE APARÊNCIAS, ORGANIZADAS PELA MENTE.
  • 102.
  • 103. HISTÓRIAS PARA ALIMENTAR ESSA FICÇÃO O CÉREBRO CRIA PARA CONTEXTUALIZAR E ATRIBUIR SIGNIFICADO. 
  • 104. OBSTÁCULOS DIGITAIS • “PARADOXO DA ESCOLHA” • VIESES E HEURÍSTICAS DO PENSAMENTO • EXCESSO DE INFORMAÇÃO SEM GATEKEEPERS • LIMITAÇÕES DA PERCEPÇÃO • TÉCNICAS DE PERSUASÃO IMPLÍCITAS • REDES SOCIAIS E ISOLAMENTO IDEOLÓGICO • BOLHAS DE FILTRO
  • 105. PAGERANK • COMPUTA O NÚMERO E A QUALIDADE DOS LINKS QUE UMA PÁGINA RECEBE PARA DETERMINAR UMA ESTIMATIVA APROXIMADA DE SUA IMPORTÂNCIA. • OS SITES MAIS IMPORTANTES SÃO SUSCEPTÍVEIS DE RECEBER MAIS LINKS DE OUTROS SITES.
  • 106. EDGERANK • QUATRO VARIÁVEIS PRINCIPAIS DO ALGORITMO: • EDGE (E) É O USUÁRIO QUE ACESSA A INFORMAÇÃO; • AFFINITY SCORE (U) INDICA QUANTO CADA USUÁRIO ESTÁ CONECTADO COM O EDGE. SEU VALOR É CALCULADO PELA FORÇA DA RELAÇÃO; PROXIMIDADE DO USUÁRIO; E TEMPO DESDE A ÚLTIMA INTERAÇÃO; • EDGE WEIGHT (W) INDICA A INTENSIDADE DA RELAÇÃO (COMENTÁRIOS EM PUBLICAÇÕES, POR EXEMPLO, VALEM MAIS DO QUE “CURTIDAS”); E • TIME DECAY (D) CONSIDERA O TEMPO EM QUE A HISTÓRIA FOI PUBLICADA. À MEDIDA QUE UMA HISTÓRIA FICA MAIS VELHA, ELA PERDE PONTOS. 
 • A FÓRMULA CONSIDERA A SOMATÓRIA DAS TRÊS ÚLTIMAS VARIÁVEIS COM RELAÇÃO À PRIMEIRA, MAS NÃO REVELA SEUS PESOS RELATIVOS NEM A MANEIRA COMO SÃO CALCULADAS.
  • 107.
  • 108. FIM
  • 110. PALESTRAS TED: DAN ARIELY: ARE WE IN CONTROL OF OUR DECISIONS? HANS ROSLING: LET MY DATASET CHANGE YOUR MINDSET DAVE DEBRONKART: MEET E-PATIENT DAVE DANIEL KAHNEMAN: EXPERIENCE VS. MEMORY JOHN SEARLE: OUR SHARED CONDITION - CONSCIOUSNESS
  • 111. FICÇÃO THE MATRIX THE TRUMAN SHOW SYNECDOCHE, NEW YORK
  • 112. DOCUMENTÁRIOS: WORMHOLE - DO WE LIVE IN THE MATRIX? HORIZON - TOMORROW’S WORLD FUTURE OF DATA SCIENCE: BIT.LY/CD05-2
  • 113. LEITURAS SIMULACRA & SIMULATION - CAPS 1, 13, 18 THE INTELLIGENT WEB - CAP 5 SEEING THINGS AS THEY ARE - CAP 1 THE SIGNAL AND THE NOISE - CAPS 1, 13 THINKING, FAST AND SLOW - CAPS 2,5,38
  • 114. PENSADOR DO TEMA: DANIEL KAHNEMAN: BIT.LY/1L8WI1N