Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Saúde E Cultura Aula 2

Aula saúde e cultura da Disciplina da UFF Medicina Saúde e Cultura (2008, 2do semestre). Não deu para incluir os filminhos.

  • Loggen Sie sich ein, um Kommentare anzuzeigen.

Saúde E Cultura Aula 2

  1. 1. 1 10/23/08
  2. 2. 2 10/23/08
  3. 3. 3 Saúde e Cultura Medicinas / Ciências / Culturas Julio Alberto Wong Un Universidade Federal Fluminense Agosto de 2008 10/23/08
  4. 4. Esta Aula 1.  Conversas a partir das entrevistas; 4 2.  A idéia (complicada) de saúde; 3.  Idéias sobre as Ciências; 4.  As Medicinas como Culturas; 5.  A filosofia do Doutor House. 10/23/08
  5. 5. 5 10/23/08
  6. 6. 6 As entrevistas: saúde  Não ter nada de  Estado completo de doença harmonia em todas as  Gozar a vida em funções do organismo; plenitude;  Saúde é tudo;  Uma coisa essencial;  O mais importante da  Aptidão Física – Estabilidade Vida; Emocional e Mental –  Se sentir bem; Utilidade Social;  Estar “disposto”  Todo o comando da  Uma homeostase do vida; individuo com o meio 10/23/08
  7. 7. 7 As entrevistas: saúde  É a direção da vida;  É tudo;  É a miséria, epidemias, violência;  Bem-estar coletivo; 10/23/08
  8. 8. 8 As entrevistas: doença  Acometimento de  Doenças que qualquer natureza que convivem com a limite o físico e “Saúde” – sensação; intelectual;  Rompimento de  Um contratempo; equilibro de funções vitais;  Não poder fazer nada;  Condição que  O que deixa mal, para incomoda e mata; baixo, até sem vontade de viver.  Desequilibro de fatores 10/23/08
  9. 9. 9 As entrevistas: doença  É a parte mais inferior  Estado mórbido; (?)  Desequilibro orgânico;  A quebra dos critérios de saúde;  Não se encontrar na plenitude; 10/23/08
  10. 10. As entrevistas: as razões 10 da doença  Abalos, traumas  Exposição a psicológicos; microorganismo s;  O abuso da  Estilo de Vida; saúde;  Falta de cuidado –  Alimentação; hábitos de  Sedentarismo; higiene,alimentaç  Tabagismo; ão precária, não se prevenir;  Excesso de trabalho;  Fatores variados; 10/23/08
  11. 11. As entrevistas: as razões 11 da doença  É o remédio quando  Agentes físicos, o médico acerta; químicos, ambientais,  Não visitar o endógenos e médico; remédios biológicos; para  Tudo deriva da falta de recursos e da emagrecimento; falta de informação;  Tudo;  Disfunções Fisiológicas  desequilíbrios psicológicos e Falta de Acesso a Boas Condições de Vida;  Desregramento do Modo de Vida. 10/23/08
  12. 12. As entrevistas: as razões da 12 doença  A falta de condições sociais básicas. Não só o biológico mas o estresse, a angústia, a tristeza, e a preocupação; 10/23/08
  13. 13. As entrevistas: as razões da 13 cura  Médicos  Seguir competentes, orientações do remédios, terapias, médico; fé em Deus;  Aceitação da  Medicamentos; condição de doente;  Força de Vontade do Paciente;  Ter força de  Apoio Familiar; vontade  Um apoio, um  Fé em Deus; consolo o palavra amiga;  Depende dos recursos do paciente; 10/23/08
  14. 14. As entrevistas: as razões 14 da cura  Ser atendido quando  Ter acesso a um precisar; diagnóstico preciso;  Acompanhamento médico ou psicológico;  Acesso a melhores condições de vida;  Mais importante é a prevenção.  Medidas Higiênico- dietéticas. 10/23/08
  15. 15. Uma confusão chamada saúde
  16. 16. 16 A vastidão atual da Saúde  Hoje TUDO é saúde;  Quase todo aspecto da vida está sujeito a ser julgado “anormal” ou “errado”;  A nossa responsabilidade (de profissionais / de médicos) cresceu desmedidamente;  Quais são os limites, as fronteiras? 10/23/08
  17. 17. 17 A vastidão atual da Saúde  O papel – insistente, obsessivo – da mídia;  Evidencia, faz esquecer de outras coisas, cria necessidades, direciona rumos, domestica e maquia, despolitiza;  A saúde como bem de consumo – investimento, gasto, geração saúde;  O que, afinal, nos faz bem? 10/23/08
  18. 18. 18 10/23/08
  19. 19. 19 10/23/08
  20. 20. Medicina e Ciência O pequeno pedaço que restou
  21. 21. 21 10/23/08
  22. 22. As ciências Do mundo das ilusões ao deserto do Real
  23. 23. 23 A ciência:  Atividade humana que produz conhecimento científico  definição circular;  Se baseia em:   Experiência (Observação);   Razão (intelecto - raciocínio);   Senso Comum – Bom Senso;   Fé – Crença – Confiança – Palpite – Intuição  A ciência é o método... 10/23/08
  24. 24. 24 Ciência realmente existente  O cotidiano da ciência:  observar, estudar, experimentar, testar, errar, procurar alternativas;  O carisma / Os heróis da ciência;  Os grupos de pesquisa, os heróis ignorados ou invisíveis; 10/23/08
  25. 25. 25 Ciência realmente existente  As rivalidades / O Roubo de Idéias e de Descobertas / Espionagem;  Perversidade das Corporações de Biotecnologia e Medicamentos;  Direcionamento das Pesquisas e Descobertas. 10/23/08
  26. 26. 26 Esperanças frustradas da Ciência:  Não é saber absoluto nem superior;  A verdade muda rapidamente;  Há informações que são conflituosas;  A mídia exerce muitas vezes um papel direcionador, manipulador, de divulgação tendenciosa;  Muitas verdades são criadas pelas corporações; 10/23/08
  27. 27. 27 Esperanças frustradas da Ciência:  Não há mais leis fixas, imutáveis;  A ciência depende muito de paradigmas que são decididos por grupos de cientistas – ao mudar o grupo, muda o paradigma e a verdade;  É quase impossível separar Sujeito de Objeto; 10/23/08
  28. 28. 28 10/23/08
  29. 29. 29 10/23/08
  30. 30. As dimensões culturais
  31. 31. 31 10/23/08
  32. 32. Cultura e Medicina  O que é cultura ?  Que relação têm a saúde e a cultura ? 32  Que relação têm a medicina e a cultura ?  Os saberes sobre saúde, doença, tratamentos, cura, cuidado, diferem entre profissionais de saúde e leigos?  Essas diferenças podem afetar a prática médica? 10/23/08
  33. 33. 33 10/23/08
  34. 34. 34 Muitos significados da cultura  Materialidade – As Coisas;  Escolaridade (?);  Poder econômico – Grana;  Os significados que as pessoas atribuem a fenômenos e objetos;  Etc. 10/23/08
  35. 35. 35  Muito além das doenças e da cura ou cuidado das doenças;  Grande, longa e complexa cadeia de situações e processos relacionados ao bem-estar amplo das pessoas;  Tudo aquilo que é significativo para as pessoas (profissionais e leigos) para manter saúde, curar e cuidar da saúde 10/23/08 10/23/08

  36. 36. 36   Alimentação, dieta e   O gênero – A reprodução; nutrição;   Aspectos culturais da dor;   Estilos de vida, moda, identidade cultural;   Medicamentos e cultura;   Muitas formas e atores   Rituais, magia, sorte, do cuidado e da cura; infortúnio;   As relações entre o   Saúde mental em várias médico e seus pacientes; culturas;   O médico como parte de   Estresse e cultura; equipes profissionais e grupos organizados;   Cultura e comportamento das doenças 10/23/08 10/23/08

  37. 37. 37 10/23/08
  38. 38. 38 10/23/08
  39. 39. 39 10/23/08
  40. 40. 40 10/23/08
  41. 41. 41 10/23/08
  42. 42. Mil e uma utilidades Compreender a complexidade e riqueza da(s) culturas serve diretamente para...
  43. 43. 43 10/23/08
  44. 44. 44 10/23/08
  45. 45. 45 10/23/08
  46. 46. 46 10/23/08
  47. 47. 47 10/23/08
  48. 48. 48 10/23/08
  49. 49. A doença: novas / velhas 49 habilidades  Cuidar;  Acompanhar;  Aproximar-se – além do faz de contas;  Promover mudanças profundas;  Cumplicidade;  Amizade. 10/23/08
  50. 50. 50 A doença para o paciente  Como o paciente vive sua doença?  A experiência da dor, da iminência da morte, das reviravoltas no mundo pessoal e familiar;  O mundo interior;  Os medos;  As adaptações;  A coragem, a esperança.  Onde fica o médico nesse turbilhão de emoções? 10/23/08
  51. 51. As caras da medicina Das idéias oficiais às vidas reais
  52. 52. 52 A medicina:  É ciência?  É – também – ciência?  É – acima de tudo – ciência?  É – para bem e para mal – ciência? 10/23/08
  53. 53. 53 A medicina:  Gostaríamos que fosse só ciência?  O que significa que a medicina seja ciência?  Como operam os interesses dos laboratórios e das empresas de tecnologia médica nesse campo ? 10/23/08
  54. 54. Medicina? COMO SE COME?
  55. 55. 55 A medicina está muito além:  Uma intuição;  Um humanismo;  Um encontro profundo;  Uma experiência transformativa; 10/23/08
  56. 56. 56  Uma arte;  Um exercício paciente de conhecer a Natureza Humana;  Uma tentativa de ser divino – negar a morte. 10/23/08
  57. 57. 57 A medicina como cultura  A medicina é produzida em uma realidade cultural;  Quer dizer que as formas de entender e de fazer relacionadas à saúde e à doença são diversas --- pacientes – profissionais – empresas – agentes populares de cura – planos de saúde. 10/23/08
  58. 58. As culturas médicas como 58 realidade:  Distintos estilos médicos de acordo à tradição nacional (USA / França / Alemanha / Inglaterra / Terceiro Mundo);  Variam as formas de razoar, decidir, intervir, classificar, limites entre bem- estar e mal-estar, critérios de alta, critérios de “incurável”;  Variam os Papeis Sociais do Médico e a Auto-imagem destes; 10/23/08
  59. 59. the end 59 10/23/08
  60. 60. Para Lembrar  Hoje, a medicina se baseia principalmente na ciência; mas... 60  As verdades científicas mudam a uma velocidade estonteante;  Nem sempre podemos confiar- nos nas ciências;  “(Sempre) se vê melhor com o coração” (?) – acrescentar “Quase” 10/23/08
  61. 61. E a medicina?  Em parte Ciência;  Em parte Prática Social;  Em parte Arte; 61  Em parte Determinada pela Cultura;  Em parte Produto Singular de Pessoas;  Em parte Técnica;  Em parte Intuição, Espírito, Fé. 10/23/08
  62. 62. 62 10/23/08

×