Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

We open governments: liberdade de informação e dinâmicas ciberativistas na era do protocolo

O tema deste artigo é a Wikileaks na perspectiva do ciberativismo na era do protocolo (Galloway, 2004). Frente a isso, o objetivo é situar a Wikileaks no plano do ciberativismo, a partir das conceituações de Manuel Castells (2001) para movimentos sociais e de David de Ugarte (2008) para ciberativismo. Na medida em que se procede por essas classificações, rela-ciona-se a Wikileaks e o próprio ciberativismo com a esfera pública interconectada (Benkler, 2006) na era protocolar.

  • Loggen Sie sich ein, um Kommentare anzuzeigen.

  • Gehören Sie zu den Ersten, denen das gefällt!

We open governments: liberdade de informação e dinâmicas ciberativistas na era do protocolo

  1. 1. SBPJor – Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo 9º. Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo (Rio de Janeiro, ECO- Universidade Federal do Rio de Janeiro), novembro de 2011:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: “We open governments”: liberdade de informação e dinâmicas ciberativistas na Era do Protocolo Willian Fernandes Araújo 1Resumo: O tema deste artigo é a Wikileaks na perspectiva do ciberativismo na era do protocolo(Galloway, 2004). Frente a isso, o objetivo é situar a Wikileaks no plano do ciberativismo, apartir das conceituações de Manuel Castells (2001) para movimentos sociais e de David deUgarte (2008) para ciberativismo. Na medida em que se procede por essas classificações, rela-ciona-se a Wikileaks e o próprio ciberativismo com a esfera pública interconectada (Benkler,2006) na era protocolar.Palavras-chave Wikileaks; Ciberativismo; Protocolo; liberdade de informação; internet. 1. Introdução Com uma repercussão midiática estrondosa, a Wikileaks lançou questões impor-tantes sobre a pesquisa das novas dinâmicas sociais diante do controle e nas perspecti-vas futuras de elementos importantes dessa economia da informação em rede (BEN-KLER, 2006), onde o controle se estabelece através do protocolo, mas que, ao mesmotempo, possibilita aos indivíduos serem agentes de poder na estrutura distributiva darede. Dessa maneira, torna-se fundamental entender como o ciberativismo movimenta-se como prática inerente à Internet, símbolo das novas formas de controle após a des-centralização. Ao buscar a compreensão dos aspectos estruturais que sustentam uma dimensãosocial onde ocorrem as disputas de poder em rede, entende-se o ciberativismo como1 Jornalista, mestrando em Processos e Manifestações Culturais (bolsista Prosup/CAPES Cursos novos),na Universidade Feevale, Novo Hamburgo, Brasil. E-mail: contato@willianaraujo.com
  2. 2. SBPJor – Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo 9º. Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo (Rio de Janeiro, ECO- Universidade Federal do Rio de Janeiro), novembro de 2011::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::prática intrínseca à contradição do protocolo (GALLOWAY, 2004). Busca-se entendercomo suas práticas agem adentro do campo protocolar, mobilizando interagentes eaproveitando-se da estrutura distributiva. Dessa maneira, partindo do conceito de esferapública interconectada de Benkler (2006), busca-se compreender como o controle seexerce no novo fluxo comunicacional elementar formado pelas redes. Ao refletir sobre o conceito de ciberativismo, buscamos definições de ManuelCastells (2001) sobre a tipologia dos movimentos sociais na sociedade em rede, alémdos estudos de David de Ugarte (2008), que aponta como ciberativismo se desenvolveem um ambiente de redes distribuídas. Então, ao problematizar tais conceitos, pretende-se aplicá-los no caso Wikileaks, como fenômeno atual de reconfiguração de for-ças/poderes na rede. Assim, torna-se relevante mapear as estratégias ativistas e, dessamaneira, identificar como se manifestam no contexto de uma esfera pública interconectae na era protocolar.1. Economia da informação em rede: liberdade e práticas discursivas A esfera pública, conceito cunhado pelo sociólogo alemão Jürgen Habermas(2003), constitui-se em um campo social comunicativo onde disputas por visibilidade epoder são travadas. Neste ambiente, estruturado como uma rede de fluxos comunicacio-nais, os conteúdos são filtrados e sintetizados, condensando opiniões compartilhadasque se estabelecem. Como um fenômeno social elementar, a esfera pública não pode serentendida como uma instituição ou organização, já que não tem uma estrutura normati-va. Ela é, na verdade, uma rede adequada para comunicação de conteúdos e opiniões. Éneste ambiente que se forma a influência social e, simultaneamente, a disputa por ela(HABERMAS, 2003). No caso, as estruturas comunicativas das mídias de massa formam uma esferapública bastante hierarquizada, em que poucos têm o poder da fala, e a disputa para seter o poder de voz, ou mesmo a visibilidade advinda da comunicação, é intensa. Assim,a estratificação da comunicação, proposta por Habermas (2003), privilegiaria as elitescom o poder de voz. Este é o pensamento de Yochai Benkler, que no livro The wealth ofnetworks (2006) fala sobre a nova economia da informação, agora em rede, em que estepoder seria revisto no surgimento de uma esfera pública interconectada. Para Benkler
  3. 3. SBPJor – Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo 9º. Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo (Rio de Janeiro, ECO- Universidade Federal do Rio de Janeiro), novembro de 2011::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::(2006), com a popularização da Internet, tivemos uma mudança da economia da infor-mação. Com o amadurecimento da Web 2.0, os polos de emissão de opinião são demo-cratizados. Através de ferramentas simples de publicação e por meio do crescente ad-vento das mídias sociais, fomenta-se a produção fora do sistema de mercado nos setoresde informação e de cultura, formando um padrão descentralizado de produção, contrárioao modelo estabelecido na maioria do século XX (BENKLER, 2006). Benkler (2006) considera que o ponto principal do que chama de economia dainformação em rede é a descentralização da ação individual, possibilitando ações coope-rativas coordenadas por mecanismos distribuídos e fora do sistema de mercado. Essemodelo de ação cooperativa por meio de redes distribuídas é base do ciberativismo se-gundo Ugarte (2009). Em outras palavras, para Benkler (2006), essa potencialização daação individual faz com que se expanda um modelo de produção e consumo de infor-mação extra-mercado. O autor caracteriza três pontos da capacidade prática dos indiví-duos que são melhorados pela economia de informação em rede. The networked information economy improves the practical capacities of individuals along three dimensions: (1) it improves their capacity to do more for and by them- selves; (2) it enhances their capacity to do more in loose commonality with others, without being constrained to organize their relationship through a price system or in traditional hierarchical models of social and economic organization; and (3) it im- proves the capacity of individuals to do more in formal organizations that operate outside the market sphere. (BENKLER, 2006, p.8). O que o autor chama de esfera pública interconectada, em analogia ao termo cu-nhado por Habermas (2003), é a outra grande conseqüência da mudança para economiada informação em rede. Essa mudança é atribuída à crescente liberdade desfrutada pe-los indivíduos na criação de informação e conhecimento. Benkler (2006) acrescenta queesta nova esfera pública tem a possibilidade de emergir ao lado do mercado da mídia demassa comercial, a única detentora da emissão de opinião até a popularização da Inter-net. Com a massificação da conexão e a consequente libertação do polo de emissãono ciberespaço (LEMOS, 2002), surge um novo fenômeno social elementar, formadopela infinidade de interagentes que discutem e realizam suas manifestações, formandoum campo comunicacional semelhante ao modelo de Esfera pública de Habermas
  4. 4. SBPJor – Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo 9º. Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo (Rio de Janeiro, ECO- Universidade Federal do Rio de Janeiro), novembro de 2011::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::(2003). A esfera pública interconectada de Benkler (2006) tem como principal diferen-ça, em relação à esfera pública dos meios de comunicação de massa, o baixo custo paratornar alguém um falante e sua arquitetura informacional distribuída (SILVEIRA,2009). Logo, a esfera pública interconectada se torna um campo mais diversificado eaberto em relação aos meios de comunicação de massa. Neste campo comunicacionalem redes digitais, mais flexível em relação à mídia horizontal, o discurso ciberativistaencontra um ambiente de legitimação de suas práticas. É neste espaço que firmará odiscurso, balizando práticas e inserindo-se na busca por visibilidade. Esta legitimaçãodo discurso em rede é fundamental para a mobilização das práticas do ciberativismo. Para Ugarte (2008), o discurso é uma das três hastes de sustentação do ciberati-vismo, junto com as ferramentas e a visibilidade, formando o mantra do empoderamen-to das pessoas. O autor enfatiza que o discurso é agente essencial na formação de umaidentidade do movimento. Nas palavras do autor: Por isso, toda essa lírica discursiva traz implícito um forte componente identitário que facilita, por sua vez, a comunicação entre pares desconhecidos sem que seja ne- cessária a mediação de um “centro”, ou seja, assegura o caráter distribuído da rede e, portanto, sua robustez de conjunto. (UGARTE, 2008, p. 57). O verdadeiro poder da rede apontado por Benkler (2006) é a distribuição da li-berdade de produção e compartilhamento. É esta liberdade que permite o surgimento daesfera pública interconectada e a posterior circulação do discurso ciberativista comouma forma de “hacking social” (UGARTE, 2008). Entretanto, qual o tamanho destaliberdade de ação no ciberespaço caracterizada por Benkler na economia de informaçãoem rede? O quanto esta informação em rede, criada colaborativamente e fora do alcanceda ‘mídia hegemônica’, não representa a apropriação por outras grandes corporações? Vivemos uma sociedade em rede (CASTELLS, 1999), onde indivíduos ou gru-pos até então sem expressão perante a sociedade aproveitam-se da conexão escala mun-dial para dar visibilidade a causas pouco abordadas ou ignoradas pela mídia tradicional,ou mesmo caladas por governos ditatoriais. Nos últimos anos, essa utilização das redestem ganhado ainda maior visibilidade inclusive nos grandes conglomerados de mídia domundo: a própria Wikileaks é um exemplo de utilização contra-hegemônica da rede que
  5. 5. SBPJor – Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo 9º. Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo (Rio de Janeiro, ECO- Universidade Federal do Rio de Janeiro), novembro de 2011::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::obteve notoriedade mundial. Como afirmam Antoun e Malini (2009), atuação social,mobilização e engajamento são valores da organização comunicacional em rede. Porém,é importante entender os limites desta liberdade, ou seja, compreender que a rede, por sisó, não é um instrumento de liberdade, mas realmente um ambiente de disputas sob aégide do protocolo, como demonstra a obra de Galloway (2004). A liberdade emerge nas formas de utilização do poder em rede, e não pela redeem si, que também pode ser utilizada como forma de cerceamento da liberdade. Dessamaneira, encaramos liberdade em rede como conceituado por Antoun e Malini: “enten-de-se aí os mecanismos e atos autônomos de cooperação social que permitem o exercí-cio do poder (e contrapoder), a produção social e a ativação psicológica de afetos”(ANTOUN; MALINI, 2009, p.2). Outra questão importante a ser discutida sobre a economia da informação em re-de é a da propriedade da informação. Os principais sites onde o compartilhamento deinformações é fomentado têm severos termos de uso que garantem a posse dessas in-formações. Isto faz com que, em última análise, boa parte do que é produzido colabora-tivamente e pela na economia da rede seja de propriedade das grandes corporações daInternet. Como afirma Lessig (2005), o mercado interage com a tecnologia para aumen-tar os poderes do copyright, ou melhor, para criar a “mais intensa forma de controle dacultura que nossa sociedade liberal já conheceu” (LESSIG, 2005. p. 180). Recentemen-te, o Facebook2 admitiu ter vendido dados de seus usuários para anunciantes da plata-forma3 por uma falha em seu sistema. As corporações que muitas vezes têm o poder dedar a voz na rede, também podem usar suas capacidades para cerceá-la. A Wikileaks,após os vazamentos de correspondências diplomáticas americanas, em novembro de2010, deixou de ter seu site hospedado pela Amazon4. Segundo a empresa, a atitude foitomada após um pedido do Comitê de Segurança e Assuntos Governamentais do Sena-do americano.2 Disponível em:http://www.facebook.com/3 Disponível em:http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2010/11/facebook-admite-que-dados-de-usuarios-foram-vendidos.html4 Disponível em:http://www.amazon.com/
  6. 6. SBPJor – Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo 9º. Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo (Rio de Janeiro, ECO- Universidade Federal do Rio de Janeiro), novembro de 2011:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Ao refletir sobre o anonimato, Silveira (2009) considera que a distribuição de fa-cilidades na rede pelo ‘Mercado’ já representa uma operação de controle socialmenteestabelecida na nova economia da informação. O conforto, as facilidades, as tecnologias amigáveis vão se tornando importantes constituintes da sociedade do controle. Acima da privacidade e do não-controle de nossos fluxos está o ideal do conforto, da velocidade de atualização do virtual, da extrema funcionalidade e amigabilidade. Esses termos vão assumindo a mesma im- portância social que o direito ao íntimo, a autonomia e a não-intrusão em nossa co- municação cotidiana. (SILVEIRA, 2009, p. 12). Conforme o autor (2009), a popularização do confortável e do divertido confir-ma o biopoder, uma evolução da definição de Michel Foucault, em que a forma de ma-nutenção desse poder se difere de uma força que apenas diz não, mas sim em uma redeprodutiva que atravessa o corpo social, “que de fato ele permeia, produz coisas, induzao prazer, forma saber, produz discurso” (FOUCAULT, 2007. p. 8). Nessa perspectiva foucaultiana de poder exercido, principalmente, pelo Merca-do, Antoun e Malini consideram que emerge uma “ideologia de liberdade desregulada,quando, na prática, é subsumida a arquiteturas e protocolos” (ANTOUN; MALINI,2009, p. 5). Segundo os mesmos autores, tal exercício do biopoder é capaz de estimulara criação de subjetividades em rede. Antoun e Malini (2009) ainda refletem sobre oconceito de biopolítica, em contraposição ao de biopoder, apontando a reinvenção doconceito de Michel Foucault por Antonio Negri e o seu aprimoramento por autores pos-teriores (Cocco, Hardt, Antoun, Lazaratto, Pelbart, Bifo, Marazzi, Moulier-Boutang,Bentes, Szanieck). Assim, a biopolítica configura-se na capacidade da vida governar-se. essa biopolítica da rede se ativa como uma liberdade positiva, no sentido que essa atividade dos usuários, de construírem de forma singular, e nem por isso disputado, conflitivo e contraditório, um campo mais extenso dos significados dos aconteci- mentos sociais, em que entrelaçam narrativas que esmiúçam fatos, ideias dados, imagens, que ampliam a capacidade da rede de revelar sentidos que até então se re- primia na lógica gatekeeper dos mídias online tradicionais. (ANTOUN E MALINI, 2009, p.6). Dessa maneira, a biopolítica da rede constitui-se como a forma pela qual mani-festações autônomas conseguem exceder os controles e bloqueios da rede (ANTOUN EMALINI, 2009). Em outras palavras, a biopolítica consiste em fazer uma utilização ati-vista da rede, colocando as contradições do protocolo a seu favor.
  7. 7. SBPJor – Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo 9º. Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo (Rio de Janeiro, ECO- Universidade Federal do Rio de Janeiro), novembro de 2011::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::2. Controle e contradição: a era do protocolo Para Galloway (2004), a Internet é a mídia mais controlada conhecida até agora.Isso se deve, segundo o autor (2004), ao Protocolo, princípio de organização nativo paracomputadores em redes distribuídas que facilita relações peer-to-peer entre entidadesautônomas. Os protocolos que governam a Internet são um conjunto de recomendaçõese regras que seguem os padrões técnicos específicos e que governam um conjunto depadrões de comportamentos possíveis em um sistema heterogêneo (GALLOWAY,2004). Estes padrões técnicos que definem as interações entre computadores na Internetsão definidos pela Internet Engineering Task Force (IETF) e são aplicados desde a cons-trução de hardwares e softwares com especificações comuns. IETF é afiliada a InternetSociety, que tem por finalidade “assegurar o desenvolvimento aberto, evolução e uso daInternet para benefício de todas as pessoas do mundo” (GALLOWAY, 2004). Galloway (2004) parte da lógica técnica dos protocolos que regulam a comuni-cação em rede, para compreender como o controle, em uma perspectiva foucaultiana,expressa-se após a descentralização. Assim, o autor caracteriza o protocolo como umtipo de controle lógico que opera largamente por fora do poder institucional, governa-mental e corporativo, pois sua definição se dá, a princípio, em uma esfera eminentemen-te técnica, como a IETF. Por isso, a resistência não deve se dar contra o protocolo, masdentro do campo protocolar. Para Galloway (2004), o que faz do protocolo o mais eficiente sistema de con-trole e, ao mesmo tempo, uma tecnologia emancipatória, possibilitando a mobilizaçãopelas redes distribuídas, é que sua estrutura é baseada em uma contradição entre duasmáquinas opostas: uma distribui o controle em locais autônomos (TCP/IP)5 e a outrafoca o controle em hierarquias rigidamente definidas (DNS)6. What contributes to this misconception (that the Internet is chaotic rather than high- ly controlled), I suggest, is that protocol is based on a contradiction between two opposing machines: One machine radically distributes control into autonomous lo- cales, the other machine focuses control into rigidly defined hierarchies. The tension between these two machines - a dialectical tension - creates a hospitable climate for protocological control. (GALLOWAY, 2004, p. 8).5 TCP significa Transmission Control Protocol e IP é Internet Protocol6 DNS significa Domain Name System
  8. 8. SBPJor – Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo 9º. Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo (Rio de Janeiro, ECO- Universidade Federal do Rio de Janeiro), novembro de 2011:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Os protocolos TCP/IP estabelecem conexões entre computadores para transfe-rência de pacotes de informação. É uma tecnologia distribuída, assemelhando-se a umamalha ou rizoma. Já o DNS é um protocolo responsável por traduzir endereços da Inter-net de nome em números. É o grande banco de dados descentralizado que mapeia ende-reços das redes.Toda a informação DNS é controlada em uma estrutura hierárquica, deárvore invertida(GALLOWAY, 2004). No topo dessa árvore invertida, há os servidoresraízes: mais de uma dúzia espalhados pelo Japão, Europa e EUA. Três servidores raiztêm absoluto controle sobre todos os processos (e não sobre conteúdo) que aconteceabaixo deles. Por isso, é possível eliminar todo um país da Internet em até 24 horas. Assim, todo o tráfego de informação Web deve ser submetido à estrutura hierár-quica para ter acesso à estrutura anárquica e radicalmente horizontal da Internet. Então,por vias técnicas e sociais, Alexander Galloway (2004) busca contrapor o discurso liber-tário recorrente de que a Internet, em sua totalidade, é rizomática, sem organização cen-tral e circunscrita fora do controle. Na realidade, a Internet, como uma rede de redesinterconectadas, tem uma estrutura vertical (DNS) e horizontal (TCP/IP) (GAL-LOWAY, 2004. p. 53). Dessa maneira, a partir da compreensão das ideias de Galloway, é possível afir-mar que o discurso que caracteriza a Internet como um ambiente anárquico, como umrizoma em que cada indivíduo detém o mesmo poder, parece ignorar os aspectos técni-cos que a compõe. Assim, diante da perspectiva protocolar, Galloway (2004) afirma quea tendência das disputas de poder deve se constituir em confronto entre as redes.3. Ciberativismo: Ao buscar a compreensão dos aspectos estruturais que sustentam uma dimensãosocial, em que ocorrem as disputas de poder em rede, busca-se compreender como ociberativismo se dá como prática intrínseca à contradição do protocolo. A ambiguidadeprotocolar da rede é explorada por forças sociais que buscam algum tipo de mudança:ao mesmo tempo em que se cria a mídia mais controlada da história da humanidade,abrem-se canais de contrapoder. Dessa maneira, torna-se relevante compreender comoas práticas de ativismo em rede se constituem como forma de utilização dos poderesindividuais espraiados pela rede distributiva.
  9. 9. SBPJor – Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo 9º. Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo (Rio de Janeiro, ECO- Universidade Federal do Rio de Janeiro), novembro de 2011:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Ao analisar a mobilização social em rede, Manuel Castells (2001) considera queo monopólio do uso da violência é contestado por redes sem vinculação com o Estado:“poder de sufocar rebeliões vai sendo comprometido pelo comunalismo e tribalismo”(CASTELLS, 2001. p. 352). Em sua obra “O poder da identidade”, Castells aponta ca-racterísticas dos movimentos sociais na sociedade em rede. Para o autor, neste panora-ma pós-moderno de enfraquecimento das identidades nacionais, a suplantação das fron-teiras geográficas, a aceleração do tempo histórico e a conexão em escala mundial, esta-riam desintegrando os mecanismos de controle social. Na realidade, esse enfraqueci-mento de instituições como o Estado, se dá na passagem de um período de instituiçõessólidas, assim como identidades sólidas, para um momento posterior de liquefação des-tas ‘pedras fundamentais’ do modernismo, dando origem ao que Bauman (2001) vaichamar de modernidade líquida. Nesse momento, ao invés de desaparecerem, as formasde controle apenas se liquefazem, e como afirma Bauman, são exercidas por uma elitenômade e extraterritorial (BAUMAN, 2001. p.20). O próprio ângulo do protocolo, co-mo objetiva Galloway (2004), lembra que as novas maneiras de comunicação represen-tam uma mudança das formas de controle e não uma ausência absoluta dele. Para melhor compreender os movimentos sociais, Castells (2001) considera queeles devem ser entendidos segundo suas próprias práticas e discursos, evitando a inter-pretação da consciência do movimento. Dessa forma, como metodologia para análise demovimentos sociais em rede, Castells utiliza-se das categorias clássicas do francês AlainTouraine que define os movimentos de acordo com três princípios: identidade, adversá-rio e meta societal (CASTELLS, 2001. p. 95). Essa maneira de abordar os movimentos sociais que utilizam a rede para realizarsuas práticas dá ênfase à criação identitária do movimento. O próprio Castells (1999),em obra anterior, considera que as sociedades informacionais são caracterizadas pelaimportância da identidade como fonte de significado. Ugarte (2008), como apontamos anteriormente, coloca o discurso, as ferramen-tas e a visibilidade como as três práticas do ciberativismo. Para o autor, diante dessaideia de escolha individual para formação do coletivo, o ciberativismo não é uma técni-ca e sim “uma estratégia para formar coalizões temporais de pessoas que utilizando fer-
  10. 10. SBPJor – Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo 9º. Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo (Rio de Janeiro, ECO- Universidade Federal do Rio de Janeiro), novembro de 2011::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::ramentas dessa rede, geram a massa crítica suficiente de informação e debate, para queeste debate transcenda à blogosfera e saia à rua” (UGARTE, 2008, p. 111). O conceito de ciberativismo de Ugarte (2008) é baseado na utilização da redecomo forma de legitimação de um discurso em busca de um agendamento das discus-sões e mudanças propostas pelos movimentos. Podemos dizer, então, que esta definiçãode ciberativismo busca a influência na esfera pública interconectada (BENKLER, 2006)para alcançar as disputas travadas em outros campos, utilizando-se da descentralizaçãode produção de conteúdo na nova economia da rede. Ugarte (2008) considera que a Internet é uma rede distribuída, ou seja, um ambi-ente rizomático onde cada nó tem o mesmo poder de ação sobre si mesmo, mas nãosobre os demais. O autor baseia-se na definição de rede distribuída de Alexander Bard eJan Söderqvist. Dessa maneira, “alguém propõe e soma-se a ele quem quer. A dimensãoda ação dependerá das simpatias e do grau de acordo que suscite a proposta” (UGAR-TE, 2008. p. 35). Este modelo é chamado pelo autor de pluriarquia. Entretanto, sabemosque a Internet, como um todo, não é uma rede distribuída, mas sim um arranjo de diver-sas redes. Como afirma Galloway, para se chegar ao plano distribuído da rede é neces-sário passar por estruturas hierárquicas, como modelo de uma árvore invertida (GAL-LOWAY, 2004). Considerando suas definições sobre o ativismo em rede, Ugarte (2008) determi-na dois tipos de atuação do ciberativismo. Assim, duas formas de utilização desta estra-tégia. A primeira tem a lógica de campanha, com um centro, com ações organizadaspara difusão de uma ideia. O segundo tipo é a mobilização em busca da criação de umgrande debate social distribuído e, segundo Ugarte (2008), sem previsão das conseqüên-cias. Estes dois tipos de ciberativismo, observando as repercussões na esfera públicainterconectada, não parecem ser dissociáveis, quando as práticas ciberativistas são pos-tas em circulação , as apropriações podem ocorrer das mais variadas maneiras possí-veis. Segundo este ponto de vista, Silveira (2011) caracteriza a Internet como ambien-te de rastreamento, mas com antídotos ao controle político: a manifestação da ambigui-dade do protocolo como arma do ciberativismo. Nesse contexto de hipertrofia de con-
  11. 11. SBPJor – Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo 9º. Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo (Rio de Janeiro, ECO- Universidade Federal do Rio de Janeiro), novembro de 2011::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::trole e de poder individual, o ciberativismo se legitima como estratégia de contrapoderem rede. Para isso, utiliza-se de maneira radical de possibilidades como as redes distri-buídas, o anonimato, e mesmo a visibilidade que a esfera pública interconectada podeproporcionar, para buscar algum tipo de mudança. Então, diante das características apresentadas sobre os movimentos sociais emrede, para a melhor compreensão do objeto de estudo deste artigo, usaremos as tipologi-as clássicas de Alain Touraine, com as adaptações de Castells (2001), que são identida-de, adversário e meta societal. Para sistematizar as práticas da Wikileaks, usaremos astrês bases do ciberativismo para Ugarte (2008): discurso, ferramentas e visibilidade.Podemos observar que as tipologias de identidade do movimento e discurso poderiamentrecruzar-se. No entanto, neste estudo identidade será observada como a autodefiniçãofeita pela Wikileaks e o discurso como a construção ideária que circula na esfera públicainterconectada como um “hacking social” (UGARTE, 2008). Ou seja, o discurso é afunção prática da identidade do ciberativismo, na busca de visibilidade e legitimação deferramentas.4. Wikileaks: “We open governments” A origem da organização sem fins lucrativos Wikileaks está baseada na figurado ativista australiano Julian Assange. Em 2007, Assange colocou o site no ar com aproposta de ser um instrumento de mídia independente onde documentos censuradospor governos ou grandes corporações seriam publicados sem a revelação da fonte deorigem. Os primeiros textos disponíveis no site da organização mostravam que o objeti-vo inicial era ser uma enciclopédia de documentos censurados, onde todos seriam edito-res, ao estilo consagrado pela Wikipedia: “Wikileaks Will provide a forum for the entireglobal community to examine any document for credibility, plausibility, veracity andfalsifiability” (WIKILEAKS, 2007). Todo o material recebido pela Wikileaks seria va-zado e a avaliação da veracidade seria feita por qualquer um que se interessasse pelainiciativa, colaborativamente. Na prática, o modelo de colaboração aberto da Wikileaksnunca funcionou. Assim, atualmente, a Wikileaks define-se com uma organização de mídia inde-pendente utiliza a combinação de profundos conhecimentos técnicos, com os princípios
  12. 12. SBPJor – Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo 9º. Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo (Rio de Janeiro, ECO- Universidade Federal do Rio de Janeiro), novembro de 2011::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::do jornalismo investigativo, para vazar dados sigilosos que apontem ações consideradasantiéticas praticadas por governos, grandes corporações ou instituições. Para isso, ga-rante o anonimato de fontes e dos consumidores de seus dados. Os adversários são, especialmente, os governos. Em sua descrição no Twitter7, aorganização utiliza apenas a frase “We open governments”. No seu princípio, Wikileaksdefinia como principal objetivo servir como ferramenta contra governos opressores: Our primary interests are oppressive regimes in Asia, the former Soviet bloc, Sub- Saharan Africa and the Middle East, but we also expect to be of assistance to those in the west who wish to reveal unethical behavior in their own governments and corporations. (WIKILEAKS, 2007). Assim, a Wikileaks tem como meta societal a busca da transparência e em nomeda liberdade de imprensa para o bem comum. Os vazamentos são encarados como areposição do direito público de conhecer materiais e registros com significado político,diplomático, ético e histórico, mudando o curso da história para melhor. Garantindo total anonimato às fontes e aos leitores do site, a Wikileaks constru-iu-se sobre um discurso de liberdade de informação. Para isso, a organização utilizacomo ferramenta a criptografia, buscando a manutenção do anonimato, evitando queseja possível rastrear o caminho dos vazamentos até o site da Wikileaks. Segundo a or-ganização, nem mesmo as pessoas responsáveis pela apuração dos materiais recebidossabem a sua origem. Tal iniciativa deve garantir a certeza de anonimato, independente-mente da pressão política que possa ser exercida. Além de uma ferramenta técnica, oanonimato é um ponto chave no discurso da organização. Dessa maneira, o discursocomo arma ativista, segundo Ugarte (2008), une-se com ferramentas e visibilidade. Asubmissão de documentos pelas fontes à Wikileaks, em ferramenta que caracteriza aorganização e que estava disposta no seu site, já não está disponível desde o início destapesquisa, por volta de dezembro de 2010. A justificativa seria o melhoramento da tecno-logia, para dar maior proteção às potenciais fontes. Outra ferramenta importante na estratégia da Wikileaks são os Espelhos, queaproveitam a ação individual proporcionada pela parte distributiva da Internet. São sitesque apenas repetem os conteúdos da organização mantidos por colaboradores em todasas partes do mundo. Isso torna praticamente impossível eliminar completamente os do-7 Disponível em: http://www.twitter.com/wikileaks.
  13. 13. SBPJor – Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo 9º. Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo (Rio de Janeiro, ECO- Universidade Federal do Rio de Janeiro), novembro de 2011::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::cumentos vazados pela organização. Trata-se de uma salvaguarda característica da am-biguidade do protocolo, baseada no poder individual dos usuários. Silveira consideraque “as tentativas do governo mais poderoso do planeta de eliminar o site do Wikileaksfracassaram diante da rede distribuída” (SILVEIRA, 2011, p. 13). Além dos próprios vazamentos como forma de busca da visibilidade e influênciana opinião pública, a Wikileaks mantém parcerias com meios de comunicação estabele-cidos, entre os principais estão o New York Times, The Guardian e Der Spiegel. A van-tagem dos parceiros da Wikileaks na divulgação dos conteúdos é grande: além de teremacesso com antecedência aos materiais que serão divulgados, os meios discutem as for-mas e datas de divulgação. Essa aproximação dos meios tem papel de dar legitimidade emaior repercussão ao que é publicado pelo site da organização. Segundo DanielDomsheit-Berg (2011), a busca por visibilidade também é encarada como uma forma deangariar fundos para organização: “Vazamentos bem-sucedidos sobre os quais houveampla divulgação na mídia ficaram visíveis em nossas contas” (DOMSHEIT-BERG,2011, p. 61). Segundo o autor, quando a organização publicou o vídeo intitulado “Colla-teral Murder”8, recebeu cerca de US$ 100 mil em doações. A construção de um discurso libertário/ativista pela organização, potencializadopela grande visibilidade midiática alcançada tanto pelos vazamentos quanto pela colabo-ração com a mídia, faz com que a organização seja sinônimo de liberdade contra censu-ra, sendo idealizada como inimigo número um dos detentores do poder. Essa construçãofaz com que redes de ativistas, sem ligação com a organização, pratiquem ações ‘emdefesa’ como ataques a MasterCard , Visa e a justiça sueca. Silveira (2011), na tentativa de identificar o que há de novo no fenômeno Wiki-leaks, afirma que os vazamentos de documentos sigilosos, assim como o uso de avança-das criptografias para garantir o anonimato não representam novas práticas. Para o au-tor, o que realmente consiste em novidade no caso Wikileaks, foi o evidente confrontoentre redes de ciberativistas e redes políticas compostas por Estados, grandes corpora-ções e mobilizações conservadoras: “a união entre hackers e cidadãos comuns que pude-ram participar do hacktivismo sem serem hackers e alertaram o mundo sobre a gravida-de do controle privado” (SILVEIRA, 2011, p. 17).8 Disponível em: http://www.collateralmurder.com/
  14. 14. SBPJor – Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo 9º. Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo (Rio de Janeiro, ECO- Universidade Federal do Rio de Janeiro), novembro de 2011::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::Considerações finais Ao alcançar tamanha repercussão, garantindo uma cobertura midiática mundial,além da já grande reputação na esfera pública interconectada, a Wikileaks constituiu-seem uma identidade do ciberespaço, que representa a liberdade de ação, desafiando opoder estabelecido de governos e grandes corporações. Tal construção identitária é tãocoesa que garante eficiente aporte colaborativo através da rede distributiva. Dessa ma-neira, autonomamente, criam-se mobilizações de apoiadores da Wikileaks contra os‘inimigos’ da organização. Tais mobilizações, como afirma Silveira (2011), também sãocombatidas por redes de estados ou de ação conservadora. Isto comprova que, diante de uma estrutura distributiva, onde cada nó detém osmesmos poderes, a construção de um discurso forte garante força à mobilização. Entre-tanto, é sempre importante lembrar que tais redes distributivas estão sempre submetidasà hierarquia do protocolo. Esta assertiva comprova-se plenamente no caso da Wikileaks.A organização praticamente já não articula nenhuma ação no ciberespaço além de colo-car à disposição os vazamentos em seu site após a divulgação dos meios de comunica-ção parceiros. O próprio envio de documentos, ferramenta que caracteriza o modelopopularizado pela organização, já não está à disposição das fontes. Em contrapartida,cada vez mais sites de apoio a organização surgem pela rede, fazendo com que seja im-provável que qualquer um consiga eliminar os conteúdos colocados em circulação. Ao mesmo tempo, outra característica das redes distributivas ajuda a manter aWikileaks: as doações. Até o momento de conclusão do presente artigo, a única formade interação direta com a organização era pela doação em dinheiro. De doação por cor-respondência à compra de camisetas da Wikileaks, a organização disponibiliza diversasformas para que seus apoiadores contribuam com dinheiro e assim “mantenha-os forte,mantendo governos abertos”. Dessa maneira, a Wikileaks é, atualmente, uma identidadede ativismo em que rede, que é apropriada pelos usuários como forma de mobilização.Bibliografia:
  15. 15. SBPJor – Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo 9º. Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo (Rio de Janeiro, ECO- Universidade Federal do Rio de Janeiro), novembro de 2011::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::ANTOUN, H.; MALINI, F., Ontologia da liberdade na rede: as multi-mídias e os dilemasda narrativa coletiva dos acontecimentos, In: XIX Encontro da Compôs, Rio de Janeiro. Riode Janeiro, RJ, 2010BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro, RJ: Zahar, 2001. 258 p.BENKLER, Yochai. The wealth of networks: how social production transforms marketsand freedom. New Haven: Yale University, 2006.BRUNO, Fernanda. Monitoramento, classificação e controle nos dispositivos de vigilânciadigital. Revista Famecos: mídia, cultura e tecnologia, Porto Alegre/RS, v. 36, n. 2, 2008, p. 10-16CASTELLS, Manuel. A Sociedade em rede. São Paulo, SP: Paz e Terra, 1999. 617 p._________________. O Poder da identidade. 3. ed. São Paulo, SP: Paz e Terra, 2001. 530 p._________________. A galáxia da internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a soci-edade. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar, 2003. 243 p._________________. A ciberguerra do Wikileaks. 2010. Disponível em<http://www.observatoriodaimprensa.com.br/artigos.asp?cod=620IMQ020>. Acesso em:18/12/10.DOMSCHEIT-BERG, Daniel. Os bastidores da Wikileaks: a história do site mais contro-verso dos últimos tempos escrita pelo seu ex-porta-voz. Rio de Janeiro, RJ: Elsevier, 2011.267 p.FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 24. ed. Rio de Janeiro, RJ: Graal, 2007. 295 p.GALLOWAY, A. Protocol. How control exists after decentralization. Boston: MIT, 2004.HABERMAS, Jurgen. Direito e democracia: entre facticidade e validade. 2. ed. Tempo Bra-sileiro, Rio de Janeiro: 2003.GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. 1. ed. Rio de Janeiro, RJ: LTC, 2008. 213 p.HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 3. ed. Rio de Janeiro: DP&A,1999. 102 p.HIMANEN, Pekka. The Hacker Ethic and the Spirit of the Information Age. Nova York:Random House, 2001LEMOS, André. Cibercultura, tecnologia e vida social na cultura contemporânea. PortoAlegre, RS: Sulina Universitária, 2002. 320 p.LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informáti-ca. 1. ed. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.___________. Cibercultura. 2. ed. São Paulo, SP: Editora 34, 2001. 260 p.
  16. 16. SBPJor – Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo 9º. Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo (Rio de Janeiro, ECO- Universidade Federal do Rio de Janeiro), novembro de 2011::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::LESSIG, Lawrence. Cultura livre: como a grande mídia usa a tecnologia e a lei para blo-quear a cultura e controlar a criatividade. São Paulo, SP: Trama Universitário, 2005. 339 p.RÜDIGER, Francisco. Introdução às teorias da cibercultura: perspectivas do pensamentotecnológico contemporâneo. Porto Alegre, RS: Sulina Universitária, 2004. 151 p.SILVEIRA, Sérgio Amadeu.Redes cibernéticas e tecnologias do anonimato: confrontos nasociedade do controle In: XVIII COMPÓS, 2009, Belo Horizonte.___________. O fenômeno Wikileaks e as redes de poder. Trabalho apresentado ao Grupo deTrabalho: Internet e Política, do IV Encontro da Compolítica, na Universidade do Estado do Riode Janeiro, Rio de Janeiro, 13 a 15 de 2011.UGARTE, David de. O poder das redes. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008.WIKILEAKS. Wikileaks.org. 2007. Disponível em:<http://web.archive.org/web/20070114162346/http://www.wikileaks.org/index.html>. Acessoem: 4 abril 2011, 16:30:30.

×