Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Mito 7 - Marcos Bagno

21.166 Aufrufe

Veröffentlicht am

Mito 7 de Preconceito Linguístico - Marcos Bagno

Veröffentlicht in: Bildung

Mito 7 - Marcos Bagno

  1. 1. <ul><li>Fernanda Lima | France Tatiana </li></ul><ul><li>Ivana Marins | Lidiana Almeida </li></ul><ul><li>Mariana Viana | Nilcea de Jesus </li></ul>UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA – UFBA Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Milton Santos – IHAC BACHARELADO INTERDISCIPLINAR EM SAÚDE | Diurno DISCIPLINA: Língua Portuguesa, Poder e Diversidade Cultural - LETE43 Prof a Lanuza Lima Salvador, Ba Maio 2010
  2. 2. <ul><li>PRECONCEITO LINGUÍSTICO </li></ul><ul><li>Marcos Bagno </li></ul><ul><li>www.marcosbagno.com.br </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Mito n° 7 </li></ul><ul><li>“ É preciso saber gramática para falar e escrever bem” </li></ul>
  4. 4. <ul><li>QUEM NÃO CONCORDA COM ESSA DECLARAÇÃO? </li></ul><ul><li>Para Cipro e Infante: </li></ul><ul><li>“ A Gramática é instrumento fundamental para o domínio do padrão culto da língua” </li></ul><ul><li>MITO OU VERDADE?!?!?! </li></ul>
  5. 5. <ul><li>É muito comum pais de alunos: </li></ul><ul><li>Cobrarem de professores ensino dos “pontos” de gramática tal como aprenderam na escola. </li></ul><ul><li>Protestarem contra professores e escolas que tentam adotar uma prática de ensino da língua menos conservadora </li></ul><ul><li>Tirarem seus filhos da escola que não adota livro didático que contenha coisas “indispensáveis” como “antônimos”, “coletivos” e “análise sintática”... </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Por que aquela declaração é um mito? </li></ul><ul><li>Como diz Mário Perini, “não existe um grão de evidência em favor disso; toda a evidência disponível é em contrário ”. Afinal, se fosse assim, todos os gramáticos seriam grandes escritores e os bons escritores seriam especialistas em gramática. </li></ul><ul><li>Os escritores são os primeiros a dizer que gramática não é com eles. Rubem Braga escreveu “Nascer no Cairo, ser fêmea de cupim”. </li></ul><ul><li>Carlos Drummond de Andrade: Testemunho de perturbação diante do “mistério” das “figuras de gramática, esquipáticas (extravagantes)”, “o amazonas de minha ignorância” </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Machado de Assis: </li></ul><ul><li>Ao abrir a gramática de um sobrinho, se espantou com sua própria “ignorância” por “não ter entendido nada” </li></ul><ul><li>Celso Pedro Luft: </li></ul><ul><li>“ Um ensino gramaticalista abafa justamente os talentos naturais, incute insegurança na linguagem, gera aversão ao estudo do idioma, medo à expressão livre e autêntica de si mesmo”. </li></ul><ul><li>Mário Perini: </li></ul><ul><li>Quando justificamos o ensino de gramática dizendo que é para que os alunos venham a escrever (ou ler, ou falar) melhor, estamos prometendo uma mercadoria que não podemos entregar. Os alunos percebem isso com bastante clareza, embora talvez não o possam explicitar; e esse é um dos fatores do descrédito da disciplina entre eles. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Sirio Possenti: </li></ul><ul><li>A Grécia, antes mesmo de elaborar as primeiras gramáticas do Ocidente, já possuía uma literatura ampla e diversificada (século II a. C.) </li></ul><ul><li>Homero - A Ilíada e a Odisséia : século VI a. C. </li></ul><ul><li>Platão escreveu seus diálogos entre os séculos V e IV a. C, mesma época do dramaturgo Ésquilo : não consultaram nenhuma gramática e escreviam e falavam muito bem a sua língua. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Ao longo do tempo: inversão da realidade histórica. Gramáticas feitas para descrever e fixar manifestações lingüísticas de escritores como “regras” e “padrões”. A gramática normativa: decorrente, subordinada e dependente da língua. </li></ul><ul><li>A gramática: instrumento de poder e de controle. Concepção de que os falantes e escritores da língua é que precisam da gramática (fonte mística invisível que produz a língua “bonita”, “correta” e “pura”). </li></ul><ul><li>A língua: subordinada e dependente da gramática. O que não está na gramática normativa “não é português”. </li></ul>
  10. 10. <ul><li>Não se pode confiar em gramáticas como a de Cegalla: “E ste livro pretende ser uma Gramática Normativa da Língua Portuguesa do Brasil, conforme a falam e escrevem as pessoas cultas na época atual”. </li></ul>Cipro e Infante: A Gramática normativa estabelece a norma culta, ou seja, o padrão lingüístico que socialmente é considerado modelar [...] As línguas que têm forma escrita, como é o caso do português, necessitam da Gramática normativa para que se garanta a existência de um padrão lingüístico uniforme [...]. Gramática normativa não “estabelece” a norma culta, pois esta existe como tal. Tarefa de uma gramática: definir, identificar e localizar os falantes cultos, coletar a língua usada por eles e descrever essa língua de forma clara, objetiva e com critérios teóricos e metodológicos coerentes.
  11. 11. <ul><li>Necessitamos hoje no Brasil da descrição detalhada e realista da norma culta objetiva, fruto de coletas confiáveis para que ela sirva de base ao ensino/aprendizagem na escola, e não uma norma inspirada num ideal lingüístico baseado no uso literário, artístico, particular e exclusivo dos grandes escritores . </li></ul><ul><li>Um professor de português quer formar bons usuários da língua escrita e falada , e não prováveis candidatos ao Prêmio Nobel de literatura! </li></ul><ul><li>A gramática normativa não vai “garantir a existência de um padrão lingüístico uniforme”, que pode chegar a uma certa uniformidade, mas nunca total, pois é usado por pessoas que nunca serão física, psicológica e socialmente idênticas). Ele existe na sociedade, independentemente de haver ou não livros que o descrevam . </li></ul>
  12. 12. <ul><li>Esse mito está ligado à milenar confusão que se faz entre língua e gramática normativa. Confunde-se o todo com a parte. </li></ul><ul><li>Luiz Carlos Cagliari: </li></ul><ul><li>A gramática normativa foi num primeiro momento uma gramática descritiva de um dialeto de uma língua. Depois a sociedade fez dela um corpo de leis para reger o uso da linguagem. Por sua própria natureza, uma gramática normativa está condenada ao fracasso, já que a linguagem é um fenômeno dinâmico e as línguas mudam com o tempo; e, para continuar sendo a expressão do poder social demonstrado por um dialeto, a gramática normativa deveria mudar. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>Se não é o ensino/estudo da gramática que vai garantir a formação de bons usuários da língua, o que vai garanti-la? </li></ul><ul><li>Lingüistas e pedagogos são praticamente unânimes em combater esse mito. </li></ul><ul><li>Recomendações de Bagno: </li></ul><ul><li>Sofrendo a gramática, de Mário Perini </li></ul><ul><li>Por que (não) ensinar gramática na escola, de Sírio Possenti, </li></ul><ul><li>Língua e liberdade, de Celso Pedro Luft </li></ul><ul><li>Linguagem, língua e fala, de Ernani Terra </li></ul><ul><li>Contradições no ensino de português, de Rosa Virgínia Mattos e Silva </li></ul><ul><li>Gramática na escola, de Maria Helena de Moura Neves </li></ul>

×