Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Fenomenologia para filosofia

8.357 Aufrufe

Veröffentlicht am

Veröffentlicht in: Bildung
  • Loggen Sie sich ein, um Kommentare anzuzeigen.

Fenomenologia para filosofia

  1. 1. FENOMENOLOGIA
  2. 2. CONCEITO: Fenomenologia – (do grego phainesthai – significa aquilo que se apresenta ou que se mostra, e logos – significa explicação, estudo). Afirma a importância dos fenômenos da consciência os quais devem ser estudados em si mesmos – tudo que podemos saber do mundo resume-se a esses fenômenos, a esses objetos ideais que existem na mente, cada um designado por uma palavra que representa a sua essência.
  3. 3. Isto significa dizer que a Fenomenologia é o estudo da consciência e dos objetos da consciência ou também chamados de experiências de consciência ou ainda chamados de vivências. Esses objetos, experiências ou vivências podem ser assim caracterizados:
  4. 4. Coisas; Imagens; Fantasias; Atos; Relações; Pensamentos; Eventos; Memórias; Sentimentos; Etc.
  5. 5. Partindo deste princípio pode-se dizer que tudo o que envolve a Fenomenologia está relacionado ao chamado processo de Intencionalidade, isto é, tudo parte de uma intenção, de uma vontade, de um desejo, onde é representado por um objeto real, ou seja, é uma investigação que busca a essência inerente da aparência. É claro que o termo aparência assume duas concepções simetricamente opostas: 1ª) Ato de ocultar a realidade; 2º) Manifestação ou revelação da mesma realidade, isto é, o que manifesta ou revela a própria realidade, de modo que esta encontra na realidade a sua verdade, a sua revelação.
  6. 6. Sendo assim, aparência é qualquer coisa de que se tem consciência. Qualquer coisa que apareça à consciência é uma área legítima da investigação filosófica. Além do mais, aparência é uma manifestação da essência daquilo de que é a aparência. Logo, a Fenomenologia nasceu, grosso modo, como um questionamento no modo científico de pensar, ela nos faz reformular o entendimento a respeito das coisas mais básicas, tais como nossa compreensão de homem e de mundo.
  7. 7. Isto significa que a Fenomenologia aborda questões que envolvem além da intencionalidade para qual foi feito e realizado alguma coisa, alguma “experiência”, envolve e também visa a sua utilidade, praticidade e especificidade de acordo com a utilização de tal “coisa”, mediante várias possibilidades de interpretações e percepções.
  8. 8. Pode-se dizer então que a Fenomenologia nada mais é que o fato de usar o conhecimento objetivo, o mundo real, materializado para tentar explicar e resultar numa compreensão mais clara, objetiva e real daquilo que a priori faz parte da nossa mente, sendo que de acordo com o grau de acuidade, percepção e contexto histórico de cada indivíduo, aliado à sua total individualidade tem-se como resultado final várias possibilidades de interpretações, intuições, significações e percepções, onde culminarão em apenas um foco, isto é, no objeto em questão que pode ser “qualquer coisa”.
  9. 9. EDMUND HUSSERL
  10. 10. BIOGRAFIA: Edmund Gustav Albrecht Husserl (Prossnitz, 8 de Abril de 1849 — Friburgo, 26 de Abril de 1938) foi um filósofo alemão, matemático e lógico e professor em Göttingen e Freiburg em Breisgau. Conhecido como fundador da fenomenologia. Nascido numa família judaica numa pequena localidade da Morávia. Tem como um de seus mestres, Franz Brentano.
  11. 11. IDÉIAS: Estudou a mente em si e não o mundo exterior das coisas e os eventos que a mente percebe. A consciência é adequadamente estudada através da mente, de acordo com Hurssel. Isto significa que a mente pode pensar em coisas que não existem.
  12. 12. Sendo assim, ele definiu a essência da consciência como intencionalidade, onde o pensamento e a coisa são inextrincavelmente ligados. Pensar e repensar sobre as coisas em nossa mente, descrevendo-as para nós mesmos e olhá-las de perspectivas diferentes é um aspecto da criatividade.
  13. 13. OBRAS: Die Idee der Phänomenologie (A idéia da Fenomenologia); Logische Untersuchungen (Investigações lógicas – 1900 – coletânea em vários volumes).
  14. 14. MERLEAU-PONTY
  15. 15. BIOGRAFIA: – foi escritor e filósofo Líder do pensamento fenomenológico na França, e nasceu em 14 de março de 1908, em Rochefort, e faleceu em 4 de maio de 1961, em Paris.estudou na Écóle Normale Supérieure em Paris, graduando-se em filosofia em 1931. Lecionou em vários liceus antes da II Guerra Mundial, durante a qual serviu como oficial do exército francês. Em 1945 foi nomeado professor de filosofia da Universidade de Lyon e em 1949 foi chamado a lecionar na Sorbonne, em Paris. Em 1952 ganhou a cadeira de filosofia no Collège de France. De 1945 a 1952 foi co-editor (Jean-Paul Sartre) do jornal Les Temps Modernes. Maurice Merleau-Ponty
  16. 16. IDÉIAS: Assim como Hegel propôs uma interpretação da Fenomenologia partindo do pensamento de dissociação, isto é, conteúdo e forma distintamente, onde serão respectivamente significado e significante, contendo por sua vez aspectos distintos, diferenciados e peculiares,
  17. 17. Merleau-Ponty visava a corporeidade, isto é, corresponde um terceiro termo que não é nem sujeito, nem objeto, nem existência, nem idéia, nem a visão que distancia, nem o puro “há”, e sim algo “entre os dois” destes extremos, ou seja, para ele é como tentar dizer que o conteúdo e a forma são indissociáveis, porque uma depende da outra não só para a sua existência como um todo mas para a complementariedade que uma tem para com a outra resultando numa unidade.
  18. 18. Ele acredita que as criações de objetos não podem ser à base de imitação e reprodução, pois a verdade fenomenológica que ela traduz não é objetiva. Isto significa dizer que a subjetividade de uma obra está presente e precisa ser ponderada, ou seja, analisada na sua essência e não em meras suposições e deduções.
  19. 19. Pode-se concluir que Merleau-Ponty visava a deiscência entre o visível e o vidente, ou seja, a obra em si e aquele que percebe,criando com isso uma profundidade que não é objetivamente exibida e que não é regulada e medida pela distância, como a da perspectiva, na qual envolve uma iminência no que diz respeito à forma e seu conteúdo.
  20. 20. PRINCIPAIS OBRAS: La Structure du comportament (1942) e Phénoménologie de la perception (1945).
  21. 21. CONCLUSÃO FINAL: Se obra é antes de mais nada uma “coisa”, significa dizer que toda “coisa” é uma obra de arte, onde a arte é a redescoberta de um mundo em estado nascente. Esse estado nascente vem a ser a investigação que a Fenomenologia se propõe a fazer em busca da essência inerente da aparência, onde a manifestação e ocultação da realidade compõem o foco que irá resultar na percepção ou acuidade, intuição ou conhecimento e a intencionalidade ou desejo, vontade.
  22. 22. Logo, pode-se dizer que a Fenomenologia está relacionado ao Existencialismo, onde é uma corrente filosófica e literária que destaca a liberdade individual, a responsabilidade e a subjetividade. Sendo assim, o Existencialismo considera cada homem como um ser único que é mestre dos seus atos e do seu destino.
  23. 23. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA: HAAR, Michel. A obra de arte ensaio sobre a ontologia das obras. Rio de Janeiro: DIFEL, RJ, 2000.
  24. 24. EXPERIÊNCIA PRÁTICA
  25. 25. A experiência prática consiste na representação da Fenomenologia utilizando um pires, uma xícara, e um bule.
  26. 26. PIRES, XÍCARA E BULE Em que se parecem estas coisas, pode alguém perguntar. A resposta poderia ser a mais simples e objetiva possível: - Em nada! Contudo ao se lançar um olhar reflexivo nesta direção, buscando uma interpretação fenomenológica e até ideológica, poder-se-á extrair destas “coisas” aparentemente tão diferentes, semelhanças tão significativas que certamente coincidirão com o real papel de cada uma delas, cada qual em seu próprio caminho.
  27. 27. Ora, o bule pode ser utilizado até mesmo como peça decorativa. Ele pode apresentar vários significados dependendo do olhar que lhe seja lançado, porém há uma utilidade específica que lhe é atribuída: - a de conter em seu interior algum líquido ao qual foi destinado. Este líquido certamente será consumido por alguém, que através dele por sua vez, será alimentado. O bule pode estar amparado por uma prato ou uma bandeja, que lhe dará suporte e amparo.
  28. 28. Portanto, o bule, amparado por um prato e retendo um líquido que alimenta, pode passar claramente a idéia de transmissor de vida. É como se ele mesmo também tivesse vida. Isto significa dizer que o pires, por exemplo, tanto pode ter a utilidade objetiva, que no caso é o de amparar a xícara ou um alimento qualquer, como também pode assumir a função de decorar ou até mesmo cobrir um outro objeto qualquer, o que sendo assim vale ressaltar que tudo depende da intencionalidade e do contexto histórico em que cada indivíduo individualmente terá em relação ao tal objeto.
  29. 29. A xícara por sua vez, neste caso, tanto pode ter a utilidade objetiva também, que no caso é o de conter algum líquido, como o de também metaforicamente assumir a função de conter o conhecimento adquirido no decorrer da trajetória de cada indivíduo. E o bule, podendo também mostrar sua utilidade objetiva no sentido de conter um líquido, pode assumir conseqüentemente a idéia de conter o conhecimento subjetivo, onde através dele será transmitido ou “despejado” na xícara.
  30. 30. INTERPRETAÇÃO: No sentido acadêmico, essa analogia pode ser assim representada: Pires = Sustentação (base) = Fundamentação Teórica = Preparação Xícara = Sujeito (indivíduo) = Receptor = Aprendizado Bule = Professor = Transmissor = Conhecimento

×