Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Cultura e interacao paciente-profissional

1.054 Aufrufe

Veröffentlicht am

Disciplina ‘Cultura, Saúde e Doença’;
Programa de Pós em Saúde da Família;
UFC-Sobral, CE

Veröffentlicht in: Gesundheit & Medizin
  • Loggen Sie sich ein, um Kommentare anzuzeigen.

Cultura e interacao paciente-profissional

  1. 1. Luís Fernando TófoliPrograma de Pós-Graduação em Saúde da Família UFC-Sobral
  2. 2.  O que aconteceu? Por que aconteceu? Por que comigo? Por que agora? O que acontecerá se eu não fizer nada a respeito? Qual o efeito nas outras pessoas? A quem devo pedir ajuda? 2
  3. 3.  Dão sentido à experiência de mal-estar Costumam ser pessoais, porém expressas de modo culturalmente específico São influenciadas pela família e o entorno 3
  4. 4.  O agente de cura negocia sua visão com a da narrativa de seu cliente O objetivo primário é uma busca de sentido A narrativa linear da biomedicina ocidental se choca com a multiplicidade de algumas narrativas (‘história pobre’) 4
  5. 5.  Em sociedades mais tradicionais:  O cliente não faz tanta questão de ser ouvido  Parte da competência do curador é fiada na sua ‘rapidez em diagnosticar’  Isso não pode ser desculpa para não ouvir pacientes – o contexto de cada caso importa Narrativas não-verbais 5
  6. 6.  Pouca correlação entre gravidade e busca de ajuda ‘Caminhos para o Médico’ (Zola)  A disponibilidade de cuidados médicos  Recursos financeiros  Fracasso/sucesso no setor informal/popular  Percepção do paciente sobre o problema  Percepção das pessoas ao redor 6
  7. 7.  Determinados sintomas podem ser considerados ‘normais’ (cansaço, por exemplo) A maioria está mais interessado em encontrar explicação do que tratamento Queixas generalizantes x restritivas 7
  8. 8.  Crise interpessoal Problemas nos relacionamentos pessoais Um terceiro assume a responsabilidade Problemas no funcionamento laboral/físico Critérios (‘se eu não melhorar em três dias...) 8
  9. 9.  Quem tem medo do diagnóstico pode demorar mais a procurar auxílio Homens demoram mais do que mulheres Pode acontecer busca de mais de um setor (ex.: explicação com o curandeiro e alívio de sintomas com o médico) 9
  10. 10.  Vários componentes  Verbal/não-verbal  Somática/psicológico  Culturalmente determinados O profissional deve estar atento sob o risco de rótular e tratar erroneamente o paciente 10
  11. 11.  Definição de “paciente” como um ser individual e não coletivo Interpretação errônea das linguagens de sofrimento Incompatibilidades de modelos explanatórios 11
  12. 12.  Doença sem adoecimento (disease sem illness) Adoecimento sem doença (illness sem disease) Problemas de terminologia (ex.: hipertensão) Problemas do tratamento (divergência no conceito de sucesso) 12
  13. 13. 13

×