Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

HIV/Aids em 2020: Epidemiologia, Fisiopatologia,Tratamento e Prevenção

126 Aufrufe

Veröffentlicht am

Palestra do Prof. Dr. Alexandre Naime Barbosa para o evento #codigoz20 – LINEP (UniFTC) em Set/2020

Veröffentlicht in: Gesundheit & Medizin
  • Als Erste(r) kommentieren

  • Gehören Sie zu den Ersten, denen das gefällt!

HIV/Aids em 2020: Epidemiologia, Fisiopatologia,Tratamento e Prevenção

  1. 1. HIV/Aids em 2020 Epidemiologia, Fisiopatologia, Tratamento e Prevenção Alexandre Naime Barbosa MD, PhD Professor Doutor - Infectologia #codigoz20 – LINEP (UniFTC) Set/2020 - Evento On-Line
  2. 2. Vínculos e Conflitos de Interesse (CFM e ANVISA) Vínculos: - UNESP/Medicina: Professor Doutor MD PhD, Chefe do Departamento de Infectologia - HC FMB Botucatu: Chefe da Infectologia e Infectologista Público e Privado - SAE Infectologia Botucatu: Diretor Clínico e Responsável por HIV, VHB, VHC e HTLV - Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI): Especialista e Membro Titular - SBI: Membro da Comissão do Título de Especialista - Ministério da Saúde - Médico de Referência em Genotipagem do HIV - HC FMB Botucatu: Coordenador do Grupo Técnico Médico da COVID-19 Sem Potenciais Conflitos de Interesse nessa Apresentação
  3. 3. Declaração de Conteúdo e de Uso da Apresentação O material que se segue faz parte do projeto didático do Prof. Dr. Alexandre Naime Barbosa Objetivos 1. Ensino: Treinamento de Estudantes e Profissionais da Área de Saúde; 2. Extensão: Facilitar o Contato da População em Geral com Conceitos Científicos; 3. Científico: Fomentar a Discussão Científica e Compartilhar Material Didático. Autoria e Cessão 1. Conteúdo: Os dados contidos estão referenciados, em respeito ao autor original; 2. Uso: Está permitido o uso do material, desde que citada a fonte; 3. Contato: fale com o autor e conheça o seu projeto didático em:
  4. 4. HIV/Aids: Cenário Mundial Unaids - Aids Epidemic Update, 2018 1981-2017: > 75 milhões de casos 1981-2017: ± 40 milhões de mortes 2017: 36,9 milhões de PVHA 2017: 1,8 milhões de casos novos 2017: 940.000 mortes 2017: 21,1 milhões de PVHA em TARV
  5. 5. HIV/Aids: Cenário Mundial Unaids - Aids Epidemic Update, 2018
  6. 6. HIV/Aids: Cenário Mundial Unaids - Aids Epidemic Update, 2018
  7. 7. HIV/Aids: Cenário Nacional Boletim Epidemiológico HIV/Aids, 2018 1981-2017: 926.742 casos de aids 1981-2017: ? milhões de mortes 2017: 866.000 PVHA (0,4% prev.) 2017: 42.420 casos novos 2017: 11.463 mortes 2017: 585.000 de PVHA em TARV
  8. 8. HIV/Aids: Dados de Botucatu (SP) Boletim Epidemiológico HIV/Aids, 2017
  9. 9. HIV/Aids: ↑ da Incidência entre Jovens no Brasil Boletim Epidemiológico HIV/Aids, 2017
  10. 10. HIV/Aids: ↑ da Incidência entre Jovens no Brasil
  11. 11. HIV/Aids: Populações Chave no Brasil Boletim Epidemiológico HIV/Aids, 2017
  12. 12. HIV/Aids: Populações Chave no Brasil - Epidemia presente em todas as segmentos - Concentrada em populações vulneráveis Boletim Epidemiológico HIV/Aids, 2017
  13. 13. HIV/Aids: Populações em Risco A JH K I G F E D C B
  14. 14. HIV/Aids: Populações em Risco
  15. 15. HIV/Aids: Órgãos de Transmissão Sexual  Mucosa ou Epitélio  Vascularização  Rede Linfática  Área de Exposição  DSTs ou Lesões de Órgãos
  16. 16. HIV/Aids: Tipos de Relação Sexual  Lesões por Atrito  Lubrificação  Retenção fluídos  Fluídos Sexuais  Muco anal  Sangue
  17. 17. HIV/Aids: Fatores Contribuintes  Uso de Drogas  Uso de Álcool
  18. 18. HIV/Aids: Risco de Transmissão
  19. 19. HIV/Aids: Comportamentos de Maior Risco  Festas Barebacking  Saunas e Casas de Banho  Casas de Swing  Gang Bang, Roleta Russa  Transmissão Intencional
  20. 20. HIV/Aids: Falta de Percepção de Risco
  21. 21. HIV/Aids: Não Uso do Preservativo Brasil, Ministério da Saúde - Pesquisa de Conhecimentos, Atitudes e Práticas na População Brasileira (PCAP), 2014
  22. 22. HIV/Aids: Como lidar com essa situação?
  23. 23. HIV/Aids: Cascata Cuidado Contínuo Boletim Epidemiológico HIV/Aids, 2017
  24. 24. HIV/Aids: Diagnóstico Tardio Boletim Epidemiológico HIV/Aids, 2017
  25. 25. HIV/Aids: Importância da Testagem
  26. 26. HIV/Aids: Fases Iniciais
  27. 27. HIV/Aids: Testagem Convencional
  28. 28. HIV/Aids: Teste Rápido
  29. 29. HIV/Aids: Cascata Cuidado Contínuo Boletim Epidemiológico HIV/Aids, 2017
  30. 30. TARV HIV: Quando Iniciar e Quando Postergar TARV HIV: CV Indetectável (virgens ou não)  CV Indetectável = ↓ Mortalidade: ↑ Expectativa Vida  CV Indetectável = ↓ Morbidades: ↓ Custo a Longo Prazo  CV Indetectável = Intransmissível: ↓ Número Casos Novos  CV Indetectável = ↓ Inflamação Crônica HIV: ↓ Morbidade e Mortalidade  CV Indetectável = ↓ Reservatório Pró-Viral: ↑ Chance de “Cura” no futuro  Outros...
  31. 31. TARV HIV: Quando Iniciar e Quando Postergar TARV HIV: CV Indetectável (virgens ou não)  CV Indetectável = ↓ Mortalidade: ↑ Expectativa Vida  CV Indetectável = ↓ Morbidades: ↓ Custo a Longo Prazo  CV Indetectável = Intransmissível: ↓ Número Casos Novos  CV Indetectável = ↓ Inflamação Crônica HIV: ↓ Morbidade e Mortalidade  CV Indetectável = ↓ Reservatório Pró-Viral: ↑ Chance de “Cura” no futuro  Outros...
  32. 32. HIV/Aids: Indetectável = Intransmissível
  33. 33. HIV/Aids: Virologia  RNA: 2 moléculas  Capsídeo Protéico (p17, p24)  Envelope (gp41, gp120)  Enzimas: TR, PT, IT, RNAse  Células Alvo: Receptores CD4 (LT)  Co-receptores: CCR5, CXCR4
  34. 34. HIV/Aids: Infecção Inicial < 72h, chance de impedir a formação de pró-vírus, ARVs impedem a perpetuação da infecção Infecção crônica pelo HIV, ARVs controlam replicação, mas não esterilizam as células
  35. 35. HIV/Aids: Imunologia Linfócito T CD4
  36. 36. HIV/Aids: História Natural
  37. 37. HIV/Aids: Tipos de Evolução
  38. 38. HIV/Aids: Sintomas ou não Teste HIV pode ser negativo Elevada Carga Viral
  39. 39. HIV/Aids: História Natural CD4: 500 - 350 Mild symptoms Less frequency CD4: 350 - 200 Moderate symptoms More frequency
  40. 40. HIV/Aids: História Natural CD4: 500 - 350 Mild symptoms Less frequency CD4: 350 - 200 Moderate symptoms More frequency CD4 Imunodeficiência > 500 Ausente 500 - 350 Leve 350 - 200 Moderada < 200 Grave
  41. 41. TARV HIV: Histórico da TARV Carl W. Dieffenbach, 2013 Limite de Detecção
  42. 42. TARV HIV: Histórico da TARV Carl W. Dieffenbach, 2013 Limite de Detecção
  43. 43. TARV HIV: Linha do Tempo dos Objetivos 2009 - 20191987 - 1994 1994 - 2004 2004 - 2009 Aumentar Sobrevida Sustentabilidade da CV Indetectável à longo prazo, ↓ EAs CV Indetectável, mesmo com ↑ EAs Resgate dos Falhados 1ª e 2ª Era
  44. 44. TARV HIV: Arsenal Terapêutico 2020 Classe Drogas Chemokine receptor antagonists (CCR5 antagonists) Maraviroc Entry inhibitors (CD4-directed post- attachement inhibitors) Ibalizumab Fusion inhibitors (FIs) Enfuvertide Nucleoside reverse transcriptase inhibitors (NRTIs) Abacavir, Emtricitabine, Lamivudine, Tenofovir Disoproxil Fumarate, Tenofovir Alafenamida, Zidovudine Non-nucleoside reverse transcriptase inhibitors (NNRTIs) Efavirenz, Etravirine, Nevirapine, Rlpivirine Nucleoside reverse transcriptase translocation inhibitor (NRTTI) Islatravir Integrase inhibitors (INSTIs) Dolutegravir, Raltegravir, Bictegravir, Elvitegravir Protease inhibitors (PIs) Atazanavir, Darunavir, Ritonavir, Tipranavir 8 Classes > 20 Drogas
  45. 45. TARV HIV: Ciclo Replicativo e as Classes de ARVs NRTTI
  46. 46. TARV HIV: Como escolher?
  47. 47. TARV HIV: Um esquema único serve para todos?
  48. 48. TARV HIV: Como escolher? Características das Drogas 1. Eficácia 2. Segurança 3. Barreira Genética 4. Resistência Transmitida 5. Frequência de Dose 6. Número de Comprimidos 7. Tamanho dos Comprimidos Fatores do Indivíduo 1. CD4 e CV Basais 2. Resistência HIV Pré-Tratamento 3. HLA-B*5701 4. Comorbidades 5. Comedicações 6. Preferência do Paciente
  49. 49. TARV HIV: Quando Iniciar?
  50. 50. HIV/Aids: Tratamento como Prevenção
  51. 51. TARV HIV: Quando Iniciar e Quando Postergar Quando Postergar Slide cedido por Paulo Abraão
  52. 52. TARV HIV: Quando Postergar?
  53. 53. TARV HIV: Guidelines Vigentes em 2020 Preferidos Alternativos Não recomendados/ Não disponíveis GUIDELINES Dupla ITRNs ITRNNs INIs IPs ABC/3TC AZT/3TC TAF/FTC TDF/XTC EFV RPV DOR BTG DTG EVG RAL ATV DRV IAS (2018) DHHS (2019) EACS (2019) WHO (2019) Brasil (2018)
  54. 54. TARV HIV: PCDT Brasil Vigente Brasil, Ministério da Saúde - 2018
  55. 55. TARV HIV: PCDT Brasil 2020 - Esquemas Preferenciais Brasil, Ministério da Saúde - 2020
  56. 56. TARV HIV: PCDT Brasil 2020 - Coinfecção Tb Brasil, Ministério da Saúde - 2020
  57. 57. TARV HIV: PCDT Brasil 2020: Uso dos ITRNN Brasil, Ministério da Saúde - 2020
  58. 58. TARV HIV: PCDT Brasil 2020 - Simplificação Brasil, Ministério da Saúde - 2020
  59. 59. TARV HIV: PCDT Brasil 2020 - Simplificação Brasil, Ministério da Saúde - 2020
  60. 60. TARV HIV: PCDT Brasil 2020 - Simplificação Brasil, Ministério da Saúde - 2020
  61. 61. TARV HIV: Esquemas Alternativos Brasil Brasil, Ministério da Saúde - 2018
  62. 62. TARV HIV: PCDT Brasil Gestantes Brasil, Ministério da Saúde - 2019
  63. 63. HIV/Aids: Importância da CV Indetectável  Objetivo da TARV: CV indetectável  Supressão em virgens ou experimentados  Expectativa de Vida (quase) Normal  Indetectável = Intransmissível Objetivo da TARV Tempo Carga Viral 4 - 6 semanas ↓ 1 log 4 meses ↓ 2 log 6 meses Indetectável À longo prazo Indetectável
  64. 64. HIV/Aids: Inflamação Crônica  Doença Cardiovascular (IAM, AVE)  Câncer (Não-Aids)  Osteopenias e Fraturas  Disfunção Ventricular Esquerda  Insuficiência Hepática  Insuficiência Renal  Distúrbios Neuro-Cognitivos  “Síndrome da Fragilidade”  Imunossenescência Weber et al. HIV Med 2013; 14:195
  65. 65. TARV HIV: Um esquema único serve para todos?
  66. 66. TARV HIV: Toxicidades Mais Importantes Toxicidade Renal Efeitos Psiquiátricos Risco CárdioVascular Lipodistrofia Interações Medicamentosas Toxicidade Hepática Efeitos Metabólicos Toxicidade Óssea Hipersensibilidade Efeitos Neurológicos
  67. 67. TARV HIV: Simplificação (Racional) TDF: Toxicidade Renal e Óssea ABC: Hipersensibilidade, ↑ IAM AZT: Toxicidade Mitocondrial, Lipodistrofia -> Opção: Simplificação = Desintensificação PVHA em TARV + CV < 50 (6/12m): 3TC + DRV/r (ou DTG) Simplificação ≠ Terapia Dupla Inicial! *Simplificação ainda não está prevista no PCDT Brasil
  68. 68. TARV HIV: Eficácia da Simplificação Gulick, IAS - 2019
  69. 69. TARV HIV: Eficácia da Simplificação Gulick, IAS - 2019
  70. 70. TARV HIV: Racional da Simplificação Benefícios 1. Mitigar toxicidade ITRNs 2. Melhor Tolerabilidade 3. Melhora de Posologia 4. Diminuir Interações 5. Reduzir Custo Cuidados 1. CV Pré: Indetectável (6 a 12 m) 2. Usar 3TC + DRV/r ou 3TC + DTG 3. Monoterapia IP/r ou DTG
  71. 71. Nº Pacientes: 25 Sexo: 64% Feminino Idade (Mediana): 56 anos Seguimento: 24 Meses (6 - 96 Meses) Esquema Simplificado 1. 3TC + DRV/r: 96% 2. DRV/r (Monoterapia): 4% Razões: 1. Dano Renal TDF: 48% 2. Fim do ddI: 24% 3. Dano Ósseo TDF: 8% 4. Outros: 20% CV Indetectável 6 Meses Após Simplificação Estabilidade ou Melhora da eTFG: 92% TARV HIV: Simplificação em Vida Real 8 Anos (UNESP) Barbosa, AN - Congresso Brasileiro de Infectologia 2019
  72. 72. TARV HIV: Potência vs Barreira Genética Shafer, RW. Infect Genet Evol. 2016 Dec; 46: 292–307
  73. 73. TARV HIV: Um único esquema funciona para todos? Brasil, Ministério da Saúde - 2017
  74. 74. TARV HIV: Necessidade de Individualizar Uma única opção muitas vezes não cai bem para todos...
  75. 75. Uma única opção muitas vezes não cai bem para todos... ... e nesses casos a individualização pode cobrir as necessidades de forma mais completa! TARV HIV: Necessidade de Individualizar
  76. 76. TARV HIV: Definições de Falha Terapêutica - Supressão Virológica: manutenção da CV HIV abaixo dos limites de detecção - Falha Virológica: Inabilidade em atingir ou manter a supressão da CV HIV abaixo dos limites de detecção - Resposta Virológica Incompleta: duas detecções de CV HIV > 200 cp/ml, após 24 semanas (seis meses), em uso de TARV sem resistência documentada prévia. Em algumas situações, a supressão virológica pode demorar um pouco mais. - Recidiva Virológica: CV HIV > 200 cp/ml confirmada após supressão virológica - Blip Virológico: após a supressão virológica, CV HIV detectável isolada (e baixa), seguida de retorno da CV abaixo dos limites de detecção
  77. 77. TARV HIV: Capacidade Replicativa e Fitness Viral
  78. 78. TARV HIV: Pressão Seletiva de Drogas e IC 50
  79. 79. TARV HIV: Interrupção com Diferentes Meia-Vidas
  80. 80. TARV HIV: Emergência de Resistência e Fitness
  81. 81. TARV HIV: Interpretação da Genotipagem (1) Brasil - Ministério da Saúde - Manual de Genotipagem HIV, 2019
  82. 82. TARV HIV: Interpretação da Genotipagem (2) Brasil - Ministério da Saúde - Manual de Genotipagem HIV, 2019
  83. 83. TARV HIV: Algoritmo Brasileiro
  84. 84. TARV HIV: Algoritmo Stanford
  85. 85. TARV HIV: Considerações sobre Resgate ARV
  86. 86. TARV HIV: Motivos da Falha Terapêutica Vírus resistentes Nível de droga Insuficiente Razões pessoais/sociais Regime Toxicidades Potência inadequada Dose errada Absorção Farmacocinética das drogas Resistência transmitida Interações medicamentosas Adesão inadequada Replicação viral na presença de drogas Madruga V, 2016
  87. 87. TARV HIV: Motivos da Falha Terapêutica
  88. 88. TARV HIV: Importância da Adesão Vasconcelos, L - 2016
  89. 89. TARV HIV: Resistência Transmitida (Primária) Rodrigues C, 2016
  90. 90. TARV HIV: Resistência Transmitida (Primária)
  91. 91. TARV HIV: Genotipagem e Resgate
  92. 92. TARV HIV: Segunda e Terceira Linha Barbosa AN, 2017 IP sem Mutações de Peso IP com Mutações de Peso BO + IP/r + 1 Droga Ativa BO + IP/r + 2 Drogas Ativas
  93. 93. HIV/Aids: Há Cura?
  94. 94. HIV/Aids: Cinética Viral da TARV Stop HAART Carl W. Dieffenbach, 2013
  95. 95. HIV/Aids: Cinética Viral da TARV
  96. 96. HIV/Aids: Cinética Viral da TARV
  97. 97. HIV/Aids: Reservatório Viral
  98. 98. HIV/Aids: Controlador ou Supressor de Elite Diaz, R. - 2018
  99. 99. HIV/Aids: Há Cura?
  100. 100. HIV/Aids: Mutação Delta-32
  101. 101. HIV/Aids: Receptores Celulares
  102. 102. HIV/Aids: Receptores Celulares
  103. 103. HIV/Aids: O Paciente Berlin
  104. 104. HIV/Aids: O Paciente Berlin Hutter G, et al N Engl J Med, 2009.
  105. 105. HIV/Aids: O Paciente Berlin Prova de Conceito que a Cura do HIV é Possível!
  106. 106. HIV/Aids: O Paciente Londres
  107. 107. HIV/Aids: O Paciente Londres
  108. 108. HIV/Aids: O Paciente Düsseldorf
  109. 109. HIV/Aids: Tipos de Cura
  110. 110. HIV/Aids: Cura Esterilizante Muito difícil reproduzir essa proposta em larga escala atualmente, devido ao alto risco de complicações graves do transplante de medula óssea e raridade em se encontrar um doador compatível ao paciente, e que ao mesmo tempo abrigue com a mutação delta-32.
  111. 111. HIV/Aids: Cura Funcional Nesse modelo o objetivo não é a eliminação permanente do HIV, e sim a supressão virológica sustentada no sangue, sem a necessidade das medicações antirretrovirais atualmente utilizadas (coquetel). As distintas investigações recaem sobre alvos potencialmente vulneráveis na estrutura do vírus, ou no seu ciclo de replicação.
  112. 112. HIV/Aids: Cura Funcional 1. Induzir a ativação e morte dos vírus latentes (reservatório) 2. Eliminar seletivamente linhagens de células infectadas com o vírus oculto; 3. Silenciar o genoma do HIV integrado nas células alvo; 4. Inativar ou suprimir receptores do vírus nas células; 5. Melhorar a resposta imunológica do paciente através de vacinas terapêuticas; 6. Ativar o sistema imune contra os reservatórios virais; 7. Bloquear a recrudescência viral com estímulos imunológicos; 8. Outras linhas de ação.
  113. 113. HIV/Aids: Pesquisa em Cura Funcional/Remissão
  114. 114. HIV/Aids: Pesquisa em Cura Funcional/Remissão
  115. 115. HIV/Aids: Pesquisa em Cura Funcional/Remissão
  116. 116. HIV/Aids: Pesquisa em Cura Funcional/Remissão
  117. 117. HIV/Aids: Pesquisa em Cura Funcional/Remissão
  118. 118. HIV/Aids: Pesquisa em Cura Funcional/Remissão
  119. 119. HIV/Aids: Prevenção Combinada
  120. 120. HIV/Aids: Prevenção Combinada
  121. 121. HIV/Aids: Preservativo
  122. 122. HIV/Aids: Infecção Inicial < 72h, chance de impedir a formação de pró-vírus, ARVs impedem a perpetuação da infecção Infecção crônica pelo HIV, ARVs controlam replicação, mas não esterilizam as células
  123. 123. HIV/Aids: Ação de TDF/FTC nos LT CD4
  124. 124. HIV/Aids: Profilaxia Pré-Exposição PrEP HIV: O que é? - Proteção Pré Exposição de Risco - Populações ↑ Vulnerabilidade - 1 cp, 1 x/dia: TDF/FTC (Truvada) - Altíssima eficácia - Aprovado pela Anvisa - Disponível pelo SUS - Centros em Expansão no Brasil
  125. 125. PrEP HIV: Início do Debate em 2010 https://youtu.be/1bzU-Sytxm4
  126. 126. PrEP HIV: Eficácia depende da Adesão Estudo clínico Participantes Número Droga Eficácia de mITT a na redução da % de infecção por HIV a Eficácia ajustada à adesão com base na detecção de TDF no sangue b % (IC 95%) % (IC 95%) iPrEx HSH 2499 TVDc 42 (18-60) 92 (40-99) PrEP da Partners Casais HIV discordantes 4747 TDF 67 (44-81) 86 (67-94) TVDc 75 (55-87) 90 (58-98) TDF 2 Homens e mulheres heterossexualmente ativos 1200 TVDc 62 (22-83) 84 NS Estudo do Tenofovir em Bangkok UDI 2413 TDF 49 (10-72) 74 (2-91) PROUD* HSH 500 TVDc 86 (58-96) ----- ----- KAISER* HSH 99% 388 pessoas- ano TVD 100 ___ ----- ----- PrEP-Fem Mulheres heterossexualmente ativas 1951 TVDc 6e .59-1,52 < 40% ----- VOICE Mulheres heterossexualmente ativas 5029 TVDc - 4e 0,97-2,3 <30% ----- a. Intenção de tratamento modificada b. Foram excluídos apenas os pacientes inscritos que descobriram estar infectados no momento da randomização e aqueles que não tiveram visita de acompanhamento ou que não realizaram testes para o HIV c. TVD = FTC/TDF d. O regime Sob demanda” constitui: FTC/TDF ou 2 placebos < 24 horas antes da exposição à prática sexual 1 dosagem de FTC/TDF ou placebo 24 horas após a prática sexual, e uma dosagem final 48 horas após a prática sexual e. Não é estatisticamente significativo * Considerado dados “reais”
  127. 127. PrEP HIV: Estratégias em Pesquisa
  128. 128. HIV/Aids: Profilaxia Pós-Exposição PEP: O que é? - Proteção Pós Exposição de Risco - Funciona até 72 horas - Exposição Sexual Consentida - Violência Sexual - Exposição Ocupacional - 2 cps, 1 x/dia, por 28 dias - Altíssima Eficácia, Urgência Médica - 451 Locais no Estado de São Paulo: www3.crt.saude.sp.gov.br/profilaxia/hotsite
  129. 129. HIV/Aids: Profilaxia Pós-Exposição
  130. 130. HIV/Aids: Profilaxia Pós-Exposição PEPs SAEI-DAM & HC UNESP (Infectologia FMB-HC UNESP (Jan/2014 - Jun/2015) Categoria de Exposição Nº Acidente Ocupacional 44 Exp. Hetero Ocasional 41 Violência Sexual - Mulher 17 HSH 8 Trabalhador(a) do Sexo 5 Violência Sexual - Criança 5 Outros 4 MSM 1 Violência Sexual - Adolescente 1 Usuário de Drogas 0 Total 126 35% 33% 13% 6% 4% 4% 3% 1% 1% 0% Acidente Ocupacional Exp. Sex. Hetero Ocasional Violência Sexual - Mulher Exp. Sex. HSH Trabalhador(a) do Sexo Violência Sexual - Criança Outros Exp. Sex. MSM Violência Sexual - Adolescente SAEI-DAM, 2015
  131. 131. HIV/Aids: Profilaxia Pós-Exposição PEPs SAEI-DAM & HC UNESP (Infectologia FMB-HC UNESP (Jan/2014 - Jun/2015) SAEI-DAM, 2015 6% 10% 34% 26% 18% 6% Crianças (< 13 anos) 13 - 19 20 - 29 30 - 39 40 - 49 50 ou mais Idade Nº Crianças (< 13 anos) 8 13 - 19 12 20 - 29 43 30 - 39 33 40 - 49 22 50 ou mais 8 Total 126 51%49% Feminino Masculino Sexo Nº Feminino 64 Masculino 62 Total 126
  132. 132. HIV/Aids: Profilaxia Pós-Exposição PEPs SAEI-DAM & HC UNESP (Infectologia FMB-HC UNESP (Jan/2014 - Jun/2015) SAEI-DAM, 2015 0% 20% 40% 60% 80% 100% PEP Completa: Sim PEP Completa: Não Completou PEP Nº PEP Completa: Sim 126 PEP Completa: Não 0 Total 126 0% 20% 40% 60% 80% 100% Transmissão HIV: Sim Transmissão HIV: Não Transmissão HIV Nº Transmissão HIV: Sim 0 Transmissão HIV: Não 126 Total 126
  133. 133. Prevenção HIV 2019: Discussão Final
  134. 134. HIV/Aids: Discussão Final  HIV/Aids: um dos mais graves problemas de saúde global  Brasil: desperdício oportunidades, mais infecções e mortes  Importante otimizar ferramentas disponíveis, sem banalizar  Referenciar sempre que tiver dúvidas  Divulgar em grupos mais vulneráveis  Promover sempre o uso do preservativo  Oferecer sempre a possibilidade de PEP  PrEP: janela de oportunidades  Testar e Tratar Sempre
  135. 135. Obrigado pela Atenção! SAE de Infectologia UNESP HC UNESP Botucatu Faculdade de Medicina UNESP @dr.alexandre.naime.barbosa @drbarbosa Alexandre Naime Barbosa Dr. Alexandre Naime Barbosa

×