Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Caderno 3 aulas 17 e 18

457 Aufrufe

Veröffentlicht am

Socrátes, Platão, Aristóteles, M

Veröffentlicht in: Bildung
  • Als Erste(r) kommentieren

  • Gehören Sie zu den Ersten, denen das gefällt!

Caderno 3 aulas 17 e 18

  1. 1. Filosofia
  2. 2.  Os princípios da política na Antiguidade remetiam a alegria, liberdade e companheirismo.  A Filosofia Política se desenvolveu pela primeira vez na Grécia antiga. Na pólis a prática da política era cotidiana, além disso todos os cidadãos se envolviam nos assuntos de interesse comum.  A ausência de participação do cidadão na política a institucionaliza, além de favorecer a corrupção e o autoritarismo, tornando a política um “mal necessário”.
  3. 3. Não se deve “abrir mão” da política, mas sim, pensá-la como parte integrante da existência do indivíduo e de suas escolhas éticas.
  4. 4.  A finalidade da política é proporcionar ao mesmo tempo justiça e felicidade, sendo um prolongamento da ética.  A justiça depende da consciência do indivíduo. A qualidade das leis da pólis depende das qualidades morais dos cidadãos.  “O Homem é um animal político”, é da natureza humana viver em sociedade. Sendo assim, precisamos um dos outros, ou seja, da amizade, esta se funda no desinteresse.  “Sem amigos, ninguém escolheria viver”.
  5. 5.  O homem aspira à autonomia e à autossuficiência, que seriam alcançadas por meio da vida virtuosa.  O único ser autônomo e autossuficiente é o primeiro motor, é deus.  Os homens podem, no máximo, tentar se aproximar da divindade, o que seria possível na amizade.  Uma vez que os amigos se ajudam mutuamente e sem interesses, forma-se um conjunto mais completo do que é cada indivíduo isolado.  Virtude: disposição verdadeira em praticar o bem, ética e moralmente.
  6. 6.  As formas de governo devem ter como objetivo o bem comum, são elas:  Monarquia - tirania  Aristocracia - oligarquia  Democracia – demagogia  Aristóteles dá preferência a um regime moderado, a politeia, em que o governo estaria nas mãos dos melhores cidadãos, intermediários entre ricos e pobres.
  7. 7.  Para Platão o Estado ideal era semelhante ao corpo humano e compõe-se de três partes: cabeça, peito e ventre. Respectivamente, razão, vontade e desejo.  Razão: sabedoria.  Vontade: coragem.  Moderação: deve ser controlado - moderação.
  8. 8.  Para Platão o Estado perfeito possui três características de cidadãos: 1) Os governantes – filósofos, pois, possuem a sabedoria. 2) Os guerreiros – protegem a cidade e são munidos de coragem. 3) Os trabalhadores - garantem o sustento da cidade.  Uma cidade justa deveria ter: educação para todos, inclusive mulheres, até os 20 anos de idade. A propriedade individual deveria ser extinguida, uma vez que é fonte de cobiça.
  9. 9.  A visão de política em Platão é, sobretudo, ética, uma vez que tem como princípio fazer o bem e depende da virtude dos governantes.
  10. 10.  Principal nome da Filosofia política na época do Renascimento.  Funcionário do governo na cidade de Florença, Itália.  Seus escritos refletem sua experiência política.  Sua principal obra foi o livro “O Príncipe” (1512). Uma espécie de manual sobre como governar com sucesso, como um governante pode assumir o poder e manter-se nele, apesar das adversidades.
  11. 11.  O livro “O Príncipe” transformou-se em referência na época do absolutismo monárquico, na medida em que suas ideias acabaram por justificar o exercício de práticas políticas autoritárias.  O príncipe deve contar com duas forças: a fortuna e a virtude.  A fortuna é instável, não se pode confiar nela todo tempo, mas ela pode ser conquistada pela força, e isso é atributo dos audaciosos: “Estou convencido de que é melhor ser impetuoso do que circunspecto (cauteloso), porque a fortuna é mulher e, para dominá-la é preciso bater-lhe e contrariá-la”.
  12. 12.  A virtude é a capacidade de vencer a instabilidade da fortuna. Diferente de Aristóteles, para Maquiavel a virtude não era a busca do bem, mas uma série de práticas visando a manutenção do poder.  De acordo com essa práticas ou virtudes, a política é um jogo de aparências, o governo não precisa ser bom, mas apenas parecer bom.  Para se manter todo governo tem que ter prudência, esta leva o príncipe a não ser obrigado a cumprir a palavra dada quando isso significar empecilho a seus objetivos.
  13. 13.  Não se deve abrir mão do uso da força, pois “é muito mais seguro ser temido que amado”.  O pensamento de Maquiavel pode ser assim resumido: “os fins justificam os meios”. Ou seja, uma separação entre a esfera política e moral.  Maquiavel rompe com a ideia de que princípios éticos deveriam prevalecer na política, limitando-se a descrever a prática da política como ela realmente é.
  14. 14.  Rousseau (1712 – 1778) ao ler “O Príncipe” sugere que Maquiavel teria sido, irônico, e que, seus conselhos seriam na verdade uma sátira a política de seu tempo.  Em outro livro “Discursos sobre a primeira década de Tito Lívio”, Maquiavel defendeu o regime republicano, ao escrever que as lutas sociais são justas, pois as pessoas jamais arriscariam suas vidas se suas reivindicações não fossem legítimas.

×