Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Die SlideShare-Präsentation wird heruntergeladen. ×

Experience Design

Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Nächste SlideShare
Inove, Crie e Lidere!
Inove, Crie e Lidere!
Wird geladen in …3
×

Hier ansehen

1 von 45 Anzeige

Weitere Verwandte Inhalte

Diashows für Sie (20)

Ähnlich wie Experience Design (20)

Anzeige

Weitere von Robson Santos (20)

Experience Design

  1. 1. LUCIANO COSSICH Especialista em Design de Interfaces Projetar para a Experiência: Um Novo Desafio para o Design de Interfaces Experience Design: A New Deal for Interface Design ROBSON SANTOS Mestre em Design, Doutorando em Design
  2. 2. <ul><li>A atuação do designer está relacionada à construção de práticas sociais , de símbolos e de preferências . </li></ul><ul><li>O desenvolvimento de produto centrado no ser humano é o processo que se inicia com os usuários e com suas necessidades . </li></ul>motivação
  3. 3. <ul><li>analisar a natureza cambiante do design na era pós-industrial </li></ul><ul><li>pesquisar a resposta dos movimentos contemporâneos às necessidades do usuário </li></ul><ul><li>revisar o desenvolvimento dos processos e métodos de design que direcionam explicitamente as necessidades do usuário </li></ul><ul><li>estudar abordagens de projeto sensíveis ao usuário </li></ul><ul><li>redefinir o design em termos de experiência do usuário e não apenas de forma física </li></ul>Mitchell (1993) assevera que é necessário:
  4. 4. <ul><li>MODERNISMO </li></ul><ul><li>Ao invés de projetar para as pessoas como elas são, buscava-se “melhorar”, “elevar” ou “reeducar” o homem. </li></ul>(Mitchell, 1993) PÓS-MODERNISMO O pós-modernismo não foi longe o suficiente no que se refere ao conhecimento dos desejos dos usuários . MODERNISMO TARDIO A arquitetura teria uma obrigação “moral” somente consigo própria – não com os usuários.
  5. 5. <ul><li>PROJETAR PARA A EXPERIÊNCIA DO USUÁRIO </li></ul><ul><li>As filosofias e abordagens de projeto desde a industrialização acabaram por sucumbir diante da demanda do público consumidor e diante de um cenário de alta competitividade entre as organizações que visam o lucro. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>O QUE É UMA EXPERIÊNCIA ? </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Todas as situações vividas pelas pessoas colaboram para formar experiências. </li></ul><ul><li>Desta forma, de um ponto de vista técnico, tudo é uma experiência em algum sentido . </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Há alguns elementos que contribuem para experiências que são reconhecíveis e reprodutíveis, desta forma, são também projetáveis . </li></ul><ul><li>(Shedroff, 2001) </li></ul>
  9. 9. <ul><li>No ano de 2001 , a AIGA divulgou um documento com a definição e o papel da área recém criada e denominada Experience Design . </li></ul>
  10. 11. <ul><li>Projetar para a experiência é uma abordagem que possui limites mais amplos que o design tradicional e que se esforça para criar experiências , ao invés de simples produtos ou serviços. </li></ul><ul><li>Outro aspecto desta abordagem é a criação do relacionamento com o indivíduo , ao invés do relacionamento com um mercado de massa. </li></ul>
  11. 12. <ul><li>Toda experiência é composta por 3 estágios bem definidos: </li></ul>
  12. 13. <ul><li>A ATRAÇÃO é necessária para iniciar a experiência. </li></ul>O ENGAJAMENTO é a experiência em si. A CONCLUSÃO deve apresentar alguma resolução.
  13. 14. <ul><li>Também, é possível que haja uma EXTENSÃO da experiência. </li></ul>
  14. 16. <ul><li>Projetar para a experiência significa criar para o usuário um contexto integrado de mídias e de situações onde ele possa ter contato com o tema tratado. </li></ul><ul><li>É importante compreender que um projeto de experiência deve envolver elementos que atuem como competidores pela atenção dos participantes. </li></ul>
  15. 17. <ul><li>Projetar para a experiência implica </li></ul><ul><li>reconhecer que qualquer mídia digital, seja um CD-ROM, um DVD, ou um website, precisa ser tão interessante, instigante e útil quanto a experiência tradicional. </li></ul><ul><li>Desta forma, a mídia digital bem-sucedida será a que oferecer recursos singulares para o meio e competirem com a mídia tradicional em termos de utilidade e de satisfação. </li></ul>
  16. 19. Experiência do usuário: como o produto se comporta e é usado no mundo real.
  17. 20. Experiência do usuário trata de como um produto funciona por fora, onde uma pessoa entra em contato com ele e com ele realiza um trabalho.
  18. 21. <ul><li>What is the Matrix? </li></ul>
  19. 27. <ul><li>Tríade </li></ul>
  20. 32. <ul><li>Jogos mortais </li></ul><ul><li>experiência para a experiência </li></ul>
  21. 37. Outras experiências
  22. 41. Para concluir...
  23. 42. <ul><li>Experiências são participativas . </li></ul><ul><li>Experiências são imersivas . </li></ul><ul><li>Experiências explicitam estados de humor . </li></ul><ul><li>Deve-se projetar experiências , ao invés de produtos. </li></ul><ul><li>Tudo deve ser projetado, e não deixado ao acaso. </li></ul><ul><li>Levantamento de requisitos de usuários deve ser feito sob nova abordagem. </li></ul>
  24. 43. <ul><li>Projetar para a experiência representa uma nova fronteira a ser atingida pelos projetistas de mídia digital. </li></ul><ul><li>É necessária a integração de diversas áreas como o marketing, o design, a psicologia, a ergonomia e tantas quantas forem necessárias para a criação de experiências positivas . </li></ul>
  25. 44. <ul><li>Para o designer, compreender que todos reagimos ao significado das coisas, ao invés de a suas qualidades físicas, amplia suas possibilidades de atuação, e, conseqüentemente, aumentam suas responsabilidades como agente na criação de artefatos carregados de significados . </li></ul>
  26. 45. <ul><li>www. ROBSON SANTOS .com </li></ul><ul><li>[email_address] </li></ul><ul><li>Visitem meu blog: interfaceando.blogspot.com </li></ul>Obrigado!

×