Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Die SlideShare-Präsentation wird heruntergeladen. ×

Inglês instrumental 2

Ad

UNPBFPB
  Laureate International Universities




   INGLÊS INSTRUMENTAL
                 Slide 2




Gregório Pereira de ...

Ad

PRÁTICAS DE LEITURA

Ad

Contexto




       Construção de sentidos

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Nächste SlideShare
Inglês instrumental 1
Inglês instrumental 1
Wird geladen in …3
×

Hier ansehen

1 von 39 Anzeige
1 von 39 Anzeige
Anzeige

Weitere Verwandte Inhalte

Anzeige

Inglês instrumental 2

  1. 1. UNPBFPB Laureate International Universities INGLÊS INSTRUMENTAL Slide 2 Gregório Pereira de Vasconcelos
  2. 2. PRÁTICAS DE LEITURA
  3. 3. Contexto Construção de sentidos
  4. 4. Contexto Significado Texto
  5. 5. O contexto social Graças a este vínculo concreto com a situação, a comunicação verbal é sempre acompanhada por atos sociais de caráter não verbal, dos quais ela é muitas vezes apenas o complemento, desempenhando um papel meramente auxiliar.
  6. 6. • Um texto não é constituído de sentenças e palavras, mas de significados.
  7. 7. • O leitor não deve ser um sujeito passivo, que lê apenas para decodificar/identificar a palavra escrita (código da linguagem) • Ler para compreender e refletir sobre significados
  8. 8. DIMENSÕES ORAL E ESCRITA DA LINGUAGEM
  9. 9. Fala e escrita - Concepção equivocada: uso individual da língua (sistema linguístico) para expressão do pensamento.
  10. 10. BAKHTIN ([1929] 2010, p. 111) A enunciação realizada é como uma ilha emergindo de um oceano sem limites, o discurso interior. As dimensões e as formas dessa ilha são determinadas pela situação da enunciação e por seu auditório.
  11. 11. Com isso, durante a leitura de textos é essencial questionar sobre: O que... Quando... Por que... Como... e Para quem o texto é dirigido.
  12. 12. Assim, a FALA e a ESCRITA são práticas sócio-interativas contextualizadas, pois se situam em um espaço-tempo e, naturalmente, textuais, pois se materializam em textos orais ou escritos. Mas, afinal, qual fenômeno possibilita a estruturação adequada e compreensão dos significados expressos nos textos em Língua Inglesa?
  13. 13. TEXTUALIDADE
  14. 14. O que é textualidade? - Conjunto de características que fazem com que um texto seja considerado como tal, e não apenas uma sequência de palavras e frases.
  15. 15. O que é textualidade? a) O meu quarto tem tudo o que preciso: tv, computador e aparelho de som. Na janela que fica para oeste, não coloquei cortina porque adoro ver o nascer do sol e contemplar o céu azul.
  16. 16. O que é textualidade? b) Há anos que meu irmão foi morar em outra cidade. Minha mãe, que não recebeu notícias dele desde a sua partida, pede a ele que volte a morar conosco sempre que se encontram.
  17. 17. Quais fatores semânticos são responsáveis pela textualidade de qualquer discurso?
  18. 18. COESÃO E COERÊNCIA
  19. 19. O que é coerência? - Envolve aspectos lógicos, semânticos e cognitivos - Depende do partilhar de conhecimento entre os interlocutores - Permite que o sentido do texto construído pelo autor seja compreendido pelo leitor
  20. 20. O que é coesão? - Fenômeno que diz respeito ao modo como os elementos linguísticos presentes na superfície textual se encontram interligados entre si, por meio de recursos também linguísticos, formando sequências veiculadoras de sentidos. (KOCH, 2010, p.45). Como a coesão se manifesta nos textos em Língua Inglesa?
  21. 21. USO DOS ELEMENTOS DE COESÃO NA LÍNGUA INGLESA
  22. 22. Mecanismos de coesão (HALLIDAY; HASAN, 1976) - Referência; - Substituição; - Elipse; - Conjunção; - Coesão lexical.
  23. 23. REFERÊNCIA situacional textual exófora endófora ao que ao que se precede segue anáfora catáfora
  24. 24. Referência exófora - Why are you so disappointed? Did you expect something different? (Por que você está tão desapontado? Esperava algo diferente?)
  25. 25. Referência anafórica - Paul and Joseph are excellent lawyers. They studied at the same institution. (Paul e Joseph são advogados excelentes. Eles estudaram na mesma instituição.)
  26. 26. Referência catafórica - When he arrived, John noticed that the door was open. (Quando ele chegou, John percebeu que a porta estava aberta.)
  27. 27. Substituição • Relação interna ao texto, onde o autor coloca um item em lugar de outro(s) elemento(s): - The artist started to sing. Everybody did the same. (O artista começou a cantar. Todos fizeram o mesmo.) - Peter bought a red t-shirt, but I preferred a green one. (Peter comprou uma camisa vermelha, mas eu preferi uma verde.)
  28. 28. Elipse • Omissão de um item lexical de fácil recuperação pelo contexto da enunciação: - He had three cars: he drove the cheaper ø every day, the most beautiful ø every Saturday, and the most expensive ø once a month. (Ele tinha três carros: ele dirigia o ø mais barato todo dia, o ø mais bonito todo Sábado, e o ø mais caro uma vez por mês.)
  29. 29. Conjunção • Elemento que permite estabelecer relações de sentido entre palavras ou orações do texto por meio de marcadores do discurso. - Zimmerman left Germany. After that, he changed his name. (Zimmerman deixou a Alemanha. Depois disso, ele trocou de nome.)
  30. 30. Coesão lexical • Obtida por meio da reiteração e colocação. - A child came to me. The girl seemed to be scarred. (Uma criança veio até mim. A garota parecia estar assustada). - There was a big road traffic accident. Lots of ambulances were taking the victims to the hospital. (Houve um grande acidente na estrada. Muitas ambulâncias estavam levando as vítimas ao hospital).
  31. 31. Ademais, vale ressaltar que as formas de uso da linguagem sempre estão relacionadas ao contexto social mais amplo onde ocorre interação verbal entre sujeitos.
  32. 32. De aorcdo com uma peqsiusa de uma uinrvesriddae ignlsea, não ipomtra em qaul odrem as Lteras de uma plravaa etãso, a úncia csioa iprotmatne é que a piremria e útmlia Lteras etejasm no lgaur crteo. O rseto pdoe ser uma bçguana ttaol, que vcoê anida pdoe ler sem pobrlmea. Itso é poqrue nós não lmeos cdaa Ltera isladoa, mas a plravaa cmoo um tdoo. Sohw de bloa.

×