Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Hipótese e Produtos: um visão geral sobre como formular uma hipótese

2.635 Aufrufe

Veröffentlicht am

Uma visão sobre o que é e como proceder para falsear uma hipótese, e como podemos evoluir em um ciclo de validação e criação de valor

Veröffentlicht in: Technologie

Hipótese e Produtos: um visão geral sobre como formular uma hipótese

  1. 1. Workshop de Hipóteses Chapter de Agilidade
  2. 2. Agenda O que é uma hipótese Como se valida uma hipótese A diferença do Discover and Deliver Ferramentas para Hipóteses
  3. 3. O que é uma hipótese Do grego... Uma hipótese (do grego antigo ὑπόθεσις, transl. hypóthesis, composto de hypo, 'sob', 'abaixo de', e thésis, 'posição') suposição ou especulação é uma formulação provisória, com intenções de ser posteriormente demonstrada ou verificada, constituindo uma suposição admissível.
  4. 4. Ok, mas como é uma hipótese Em resumo, uma hipótese de trabalho deve ser: uma afirmação; simples; sujeita à negação. Afirmação: uma hipótese não é uma pergunta, uma hipótese é uma afirmação sobre algo. Simples: uma boa hipótese é escrita em linguagem simples de maneira a expressar exatamente o que está em jogo. Sujeita à negação: uma hipótese deve poder ser negada. Caso seja impossível estabelecer a sua negação dificilmente será considerada uma hipótese.
  5. 5. Chegando lá Hipótese Básica é a afirmação escolhida por você como a principal resposta ao problema proposto - a hipótese básica pode adquirir diferentes formas, tais como: ● afirma, em dada situação, a presença ou ausência de certos fenômenos ● se refere à natureza ou característica de dados fenômenos, em uma situação específica ● aponta ou não a existência de determinadas relações entre fenômenos ● prevê variação concomitante, direta ou inversa, entre fenômenos
  6. 6. Hipótese Nula Em Estatística, a hipótese nula, representada por H0, é uma hipótese que é apresentada sobre determinados fatos estatísticos e cuja falsidade se tenta provar através dum adequado teste de hipóteses. Uma hipótese nula geralmente afirma que não existe relação entre dois fenômenos medidos. Exemplo: Em pesquisa de mercado: "um aumento de 5% no preço de um determinado produto não afetará adversamente as vendas dele". Conclusões possíveis sobre a hipótese nula Como foi referido, num teste de hipóteses tenta provar-se a falsidade da hipótese nula. Assim, apenas duas decisões podem ser tomadas: ● rejeitar a hipótese nula; ● não rejeitar a hipótese nula.
  7. 7. Perigos da Hipótese Nula Não rejeitar a hipótese nula significa apenas que não se conseguiu, através dos dados disponíveis, demonstrar a sua falsidade, o que difere completamente de provar a sua veracidade. Fazendo uma analogia com os processos judiciais, a hipótese nula é que o réu é inocente. Durante o julgamento tenta-se provar a falsidade desta hipótese, ou seja, que o réu é culpado. Mas no caso de não se conseguir provar a culpa, isso não significa que o réu seja inocente; significa apenas que não foram encontradas provas suficientes. É completamente diferente portanto, não rejeitar uma hipótese ou aceitar uma hipótese. O fato de não se poder aceitar a hipótese nula, mas apenas não a rejeitar, tem a ver com os erros que podem ser cometidos ao rejeitar ou não rejeitar a hipótese. erro do tipo I consiste em, num testes de hipóteses, rejeitar a hipótese nula quando ela é verdadeira.[1] Por outras palavras, comete-se um erro do tipo I quando se chega a um resultado que tem significância estatística quando na verdade ele aconteceu por acaso. Erro do tipo II, é o erro que ocorre quando a análise estatística dos dados não consegue rejeitar uma hipótese, no caso desta hipótese ser falsa.
  8. 8. Direcionada e Não direcionada TESTES UNILATERAIS (uni-caudal) Quando a hipótese é direcionada. Exemplo: Os professores satisfeitos com o seu trabalho terão uma percepção mais negativa da aposentadoria que os insatisfeitos. TESTES BILATERAIS (bicaudal) Quando se sabe que vai ter um efeito (p.ex. diferença), mas não se sabe para que lado. Exemplo: Haverá diferença entre professores insatisfeitos e satisfeitos no trabalho com relação à aposentadoria.
  9. 9. Variável Variáveis são elementos constitutivos de uma hipótese O enunciado de uma hipótese contém conceitos e possíveis relações entre eles Conceitos utilizados nas hipóteses precisam ser definidos em termos de variáveis geralmente são - classificação ou medida - quantidade que varia
  10. 10. Relações entre variáveis Simétrica: Nenhuma das variáveis exerce ação sobre outra Ex: estudantes com bons resultados em matemática também têm bons resultados em testes verbais Recíproca: Não é possível determinar a variável causal (independente) e qual a que corresponde ao efeito (dependente) Ex: aumento no desemprego x diminuição de vendas Assimétrica: Uma variável (independente) é “responsável” por outra Ex: se descobre uma relação entre fumar e maior incidência de câncer de pulmão. Evidente que a doença não leva ao vício
  11. 11. Variáveis independentes e dependentes Variável independente (X): Influencia, determina ou afeta outra variável Variável dependente (Y): Valores a serem explicados, descobertos, observados, medidos! Se dermos uma pancada no tendão patelar do joelho dobrado de um indivíduo, sua perna esticará X = pancada no tendão patelar do joelho dobrado de um indivíduo Y= o esticar da perna, ou o quanto a perna estica!
  12. 12. Escrevendo de vez Exemplo: Usuários compram seguros quando uma ferramenta permite visualizar possibilidades de combinações de produtos e exibir o preço Usuários necessitam de uma cobertura específica que permita proteção a determinada necessidade/oportunidade Usuários compram seguros que custam até determinado valor dado que este valor representa um custo baixo mediante ao ganho médio de uma pessoa em determinado local, idade e estado civíl
  13. 13. Outros exemplos Se X então Y Se permitir a visibilidade de combos de produtos, então usuários tendem a comprar o serviço Se for proposto um serviço e precificação com base no local da residência, então o usuário tende a comprar o serviço Se for permitido ao usuário efetuar acionamento via interface interativa digital, então será diminuído o número de chamadas a central de atendimento
  14. 14. Tema, problema e Hipótese Toda hipótese nasce de um Tema, que é problematizado, a fim de chegar em uma pergunta que direciona a hipótese. Tema: Conversão de leads Life Problematizando: Pergunta: `Porque um lead não contrata o seguro Life?` ou `Porque tivemos queda de conversão nos últimos 4 meses?` Suposição: A conversão caiu porque o preço do produto aumentou Hipótese: `Quando aumentamos o preço do produto, a conversão cai` Variável independente: `preço do produto`, variável dependente: `taxa de conversão`
  15. 15. Validando uma Hipótese
  16. 16. Validando uma Hipótese Parece que há problemas com o tempo do lead... Se diminuir esse tempo, pode gerar um aumento nas vendas
  17. 17. Validando uma Hipótese Estamos mesmo perdendo dinheiro com o sistema atual, sendo afetado pela demora nos leads?
  18. 18. Validando uma Hipótese Se o tempo de resposta com o lead for menor, venderemos mais
  19. 19. Validando uma Hipótese Em um determinado tempo, acompanharemos a geração do lead, a informação enviada, o tempo de respostas e a porcentagens das vendas
  20. 20. Validando uma Hipótese Realmente perdemos muito tempo desde o interesse até um contato. Existem muitas duvidas e fontes para as informações. O sistema impõe severas restrições de usabilidade.
  21. 21. Validando uma Hipótese O acesso a informação está ok. Comparando o tempo de resposta entre sucesso e falha, não há desvio significante.
  22. 22. Descobrir e Entregar Existem muitas maneiras para isso, vamos entender e ver algumas delas A ideia é saber o que queremos descobrir Descobrir da maneira mais rápida Descobrir da forma mais barata Não abrir mão de qualidade
  23. 23. Meios de Descobrir e Entregar Concierge Execute manualmente tarefas relacionadas ao fornecimento do valor de seu produto ou serviço. Eventualmente você irá automatizar e otimizar o processo que você executa manualmente, mas é provável que você vai se mover mais rápido simplesmente executando tarefas manualmente. Exemplo: P-2-P Plataforma de pagamentos (o nome é confidencial). A equipe fundadora criou um fluxo de trabalho de pagamento peer-to-peer através de um aplicativo "responsivo" na web, onde o usuário pode solicitar pagamentos de amigos e familiares. Este fluxo de trabalho foi apresentado ao usuário como site funcional. Na realidade, a equipe fundadora processou manualmente todos os pedidos manualmente, o que significa que eles enviaram notificações de e-mail manualmente, solicitações de pagamento rastreadas e informações de faturamento capturadas.
  24. 24. Meios de Descobrir e Entregar Mechanical Turk / Wizard of Oz - Para ofertas em que um backend complexo é necessário, como bancos de dados, algoritmos ou engenharia complexa, considere a possibilidade de simular este back-end com pessoas reais ou aplicativos existentes. É provável que você possa imitar o "motor" nos bastidores. Mesmo que isso leva mais tempo para o cliente receber uma resposta, você vai evitar desperdiçar tempo precioso recursos de construção que o cliente não quer. Isso é especialmente bom para centros de suporte. Exemplo: Um especialista em determinado contexto utilizando uma macro em excel para gerar cálculos de valores de um orçamento. Uma vez validado o valor, desenvolve-se essa inteligência e automatiza a ação
  25. 25. Meios de Descobrir e Entregar Imposter Judo (Boomerang) Se já existem ideias semelhantes às suas no mercado, você pode usá-las como uma maneira rápida e simples de coletar feedback. Você pode pedir aos clientes para inscrever-se e dar-lhe feedback sobre um site concorrentes, ou reembalar um produto existente. Isso é especialmente eficaz quando se vendem produtos físicos, ou que mostram mockups estáticos iniciais. Exemplo: Nos primeiros dias de Zappos, os fundadores simplesmente compraram sapatos conforme necessário de varejistas de calçados locais, em vez de estocar seu próprio estoque. Isso permitiu Zappos para testar sua idéia rápida e barata, antes de investir ion seu próprio inventário.
  26. 26. Meios de Descobrir e Entregar Dry-Wallet A fim de testar se seus clientes vão realmente comprar seus produtos, e para quanto, você pode implantar uma experiência simulada "compra agora". Isso pode assumir a forma de um simples e-commerce check-out, ou talvez uma carta de intenção pedido. Uma vez que o usuário começa o processo de compra, você pode simplesmente responder com uma mensagem "fora de estoque", ou outra forma elegante de proceder, como simplesmente não faturamento do cliente em tudo. Exemplo: Você encontrará esta estratégia que a equipe projetou um Web site para vender um produto físico baseado subscrição. Para avaliar o interesse, a equipe rapidamente criou um formulário de compra baseado na web simulando o processo de check-out, de modo que o cliente acreditava que eles estavam comprando o produto. No entanto, nenhuma faturação ocorreu uma vez que o formulário não se conectar ao processamento de pagamento ...
  27. 27. Meios de Descobrir e Entregar ● E muito mais: ● Landing pages ● Fake Feature ● Pretend to Own ● Pinocchio ● Provincial ● MVP http://www.startupcommons.org/blog/pretotyping-techniques-for-building-the-right- product
  28. 28. Ligando Lean, Agile e Design Thinking
  29. 29. Design Thinking Conjunto de métodos e processos para abordar problemas, relacionados à aquisição de informações, análise de conhecimento e propostas de soluções. Rolf Faste, professor de Stanford, definiu e popularizou o conceito de “design thinking”[3] como uma forma de ação criativa e foi adaptada a administração por David M. Kelley[4] , colega de Faste em Stanford e fundador da IDEO, empresa de consultoria de design de produtos americana, que apesar de não ter inventado o termo, foi uma das primeiras formadoras de opinião sobre o tema.
  30. 30. Formas do Design Thinking
  31. 31. Formas do Design Thinking
  32. 32. Formas do Design Thinking
  33. 33. Ferramentas Existem muitas ferramentas para ajudar na inspiração, ideia e execução Vamos ver alguma delas
  34. 34. Business Model Canvas
  35. 35. Value Proposition Design
  36. 36. Design Sprint
  37. 37. Impact Mapping
  38. 38. Validation Board
  39. 39. Matriz CSD
  40. 40. Lean Canvas e Pitch Canvas
  41. 41. Product Vision Canvas
  42. 42. Mapa de Empatia
  43. 43. Bebem da fonte
  44. 44. Ciclo de Desenvolvimento do Cliente
  45. 45. Que bebem da fonte
  46. 46. Obrigado Duvidas?

×