Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Acidentes e Complicações em Cirurgia BMF

Acidentes e Complicações em Cirurgia BMF

Ähnliche Bücher

Kostenlos mit einer 30-tägigen Testversion von Scribd

Alle anzeigen

Ähnliche Hörbücher

Kostenlos mit einer 30-tägigen Testversion von Scribd

Alle anzeigen
  • Als Erste(r) kommentieren

Acidentes e Complicações em Cirurgia BMF

  1. 1. Prof. Guilherme Terra Disciplina de CBMF
  2. 2. Acidentes e complicações A melhor maneira de lidar é a prevenção. Planejamento é fundamental para evitar a ocorrência de complicações. Realize as cirurgias para as quais você está preparado. Reconheça seus limites. Terra, G.
  3. 3. Prevenção de acidentes e complicações Realizar o histórico médico adequadamente. Estar sempre em posse do exame Imaginológico adequado. Realizar os princípios cirúrgicos básicos adequadamente. Explicar corretamente ao paciente as recomendações pós-operatórias. Terra, G.
  4. 4. Complicações trans-operatóriasLesões de tecido mole: Laceração do retalho (Suturar). Perfuração tecidual pela broca (não sutura). Abrasão (não sutura). Terra, G.
  5. 5. Complicações trans-operatórias Lesões das estruturas ósseas: Fratura de tábua óssea (remover caso o fragmento não estiver aderido ao periósteo). Fratura de Túber. Fratura de mandíbula (Raro – Tem que ser TIGRÃO) Comunicação Buco-sinusal. Terra, G.
  6. 6. Comunicação Buco-sinusal Pode evoluir para uma sinusite crônica e fístula Buco- Sinusal crônica. Em comunicações pequenas suturar bem e recomendar ao paciente que evite realizar pressão negativa. Em comunicações maiores utilizar retalho de palatino rodado, ou ocluir a comunicação com a corpo adiposo da face. Terra, G.
  7. 7. Comunicação Buco-sinusal Em qualquer um dos casos prescrever associação de antibióticos. Amoxicilina + Clavulanato de potássio + Metronidazol. Prescrever também algum descongestionante nasal. Terra, G.
  8. 8. Complicações trans-operatóriasLesões de dentes adjacentes: Fratura de restauração de dentes adjacentes. Fratura de dentes adjacentes. Luxação do dente ao lado (imobilização). Extração do elemento errado (MUITO TIGRÃO). Terra, G.
  9. 9. Complicações trans-operatóriasLesões do dente em questão: Fratura radicular (janela lateral – Via alveolar ou não). Deslocamento de fragmentos radiculares para seio maxilar (remover) ou para fossa infra-temporal e/ou espaço sub-mandibular (proservar). Terra, G.
  10. 10. Complicações trans-operatóriasLesões do dente em questão:  Acidente mais comum e freqüente em exodontias.  Inadequada aplicação dos fórceps;  Utilização do fórceps errado;  Cáries extensas;  Curvaturas radiculares;  Excesso de força; Terra, G.
  11. 11. Complicações trans-operatóriasLesões de nervos adjacentes: Caso ocorra perda de sensibilidade aguardar para voltar. Normalmente entre dois meses a dois anos. Caso tenha ocorrido a secção parcial ou completa do nervo (Neurotmese), encaminhar ao cirurgião BMF para a realização da ligadura do nervo. Terra, G.
  12. 12. Hemorragia trans-operatóriasHemorragia arterial (Pinçar a artéria e aguardar cerca de dez minutos ou cera de abelha para osso). Hemorragia venosa (tipo lençol). Terra, G.
  13. 13. Hemorragia venosa Tamponamento com gaze por 5 minutos. Esponja de fibrina absorvível (GelFoam®), ou celulose oxidada regenerada (Surgicel®) ou cera de abelha para osso. Sutura oclusiva em massa. Fármacos Anti-fibrinolíticos. Terra, G.
  14. 14. Terra, G.
  15. 15. Fármacos Anti-fibrinolíticos Ácido tranexâmico 250 Mg (TRANSAMIN®). Em caso de emergência ministrar 1 ampola de 5 ml, mantendo por via oral 2 comprimidos a cada 8 horas, por dois dias. A injeção por via endovenosa deverá ser o mais lenta possível, cerca de 1 ml por minuto. Terra, G.
  16. 16. Complicações pós-operatórias Hemorragia pós-operatória: Normalmente venosa. Anestesiar e curetar, removendo todo o coágulo antigo. Proceder com os mesmos procedimentos da hemorragia trans-operatória. Terra, G.
  17. 17. Complicações pós-operatórias Equimose: Sangramento entre as fascias musculares. Comum em idosos. Difícil de evitar, mas não há perigo. Tendo certeza de não ser um processo infeccioso, proceder terapia com calor.  Após, no mínimo, 48 horas. Terra, G.
  18. 18. Complicações pós-operatórias Processos infecciosos: Alveolite seca; Alveolite úmida; Deiscência da ferida cirúrgica; Abscesso odontogênico; Abscesso cerebral; Angina de Ludwig; Terra, G.
  19. 19. Alveolite seca Perda do coágulo, alvéolo vazio com exposição óssea. Dor intensa a partir do terceiro ou quarto dia do P.O. Odor e gosto desagradável.Tratamento: Anestesia à distância, irrigação com água fenolada aquecida e curativo com Alveolsan® ou Alveolex® (Eugenol e Benzocaína). Não curetar. Terra, G.
  20. 20. Terra, G.
  21. 21. Alveolite úmida Presença do coágulo em desaranjo, alvéolo com corpos estranhos. Dor moderada a intensa além de odor e gosto desagradável.Tratamento: Anestesia à distância, curetagem, preenchimento do alvéolo com sangue e sutura. Terra, G.
  22. 22. Deiscência da ferida cirúrgica Dor intensa a partir do terceiro ou quarto dia do P.O. Odor e gosto desagradável.Tratamento: Anestesia à distância, curetagem e raspagem do osso necrótico, abundante lavagem com oro fisiológico e sutura. Terra, G.
  23. 23. Abscesso odontogênico Muito raro hoje em dia. Drenagem via alvéolo se possível. Drenagem intra ou extra-oral. Antibioticoterapia por 7 dias. Terra, G.
  24. 24. Abscesso cerebral Complicação mais comum por via ascendente. Encaminhar ao serviço médico com extrema urgência. Se demorado a tratar, grande chance de evoluir ao óbito. Terra, G.
  25. 25. Angina de Ludwig Complicação mais comum por via descendente. Acometimento dos espaços submandibulares e sublinguais bilateralmente. Encaminhar ao serviço médico com extrema urgência. Se demorado a tratar, grande chance de evoluir ao óbito. Terra, G.
  26. 26. Mediastinite descendente necrosante Quando não tratado e o paciente não vai a óbito, a angina de Ludwig pode evoluir para uma Mediastinite descendente necrosante. A taxa de mortalidade da Mediastinite é de 40%. Terra, G.

×