SlideShare ist ein Scribd-Unternehmen logo
1 von 58
Downloaden Sie, um offline zu lesen
NÃO DARÁS
FALSO TESTEMUNHO
1º Trimestre de 2015
Lição 11
Pr. Moisés Sampaio de Paula
TEXTO ÁUREO
Pr.MoisésSampaiodePaula
2
"Não admitirás falso rumor e não
porás a tua mão com o ímpio, para
seres testemunha falsa."
(Êx 23.1)
VERDADE PRÁTICA
Pr.MoisésSampaiodePaula
3
O nono mandamento proíbe a
mentira, o mexerico e o testemunho
falso contra o próximo tanto no dia
a dia como nos tribunais.
OBJETIVO GERAL
• Apresentar o nono mandamento,
ressaltando que Deus proíbe a
mentira, o mexerico e o testemunho
falso contra o próximo, tanto no dia a
dia como nos tribunais.
Pr.MoisésSampaiodePaula
4
OBJETIVOS
Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
• Tratar a abrangência e o objetivo do nono
mandamento.
• Mostrar o que a legislação mosaica diz a
respeito do falso testemunho.
• Ressaltar que o Deus verdadeiro deseja
tão somente a verdade.
• Enfatizar o cuidado que devemos ter com
relação à mentira
Pr.MoisésSampaiodePaula
5
II. O PROCESSO
1. Responder em juízo.
2. Falso testemunho.
3. O próximo
Esboço da Lição
Pr.MoisésSampaiodePaula
6
I. O NONO MANDAMENTO
1. Abrangências
2. Objetivo
3. O contexto
III. A VERDADE
1. O antigo testamento.
2. O novo testamento.
3. O que é a verdade?
IV. O CUIDADO COM A MENTIRA
1. As testemunhas.
2. Os danos.
3. O pecado da mentira.
PONTO CENTRAL
•A mentira e a falsidade
aborrecem a Deus e
prejudicam o próximo.
Pr.MoisésSampaiodePaula
7
Pr.MoisésSampaiodePaula
8
INTRODUÇÃO
• O nono mandamento se aproxima do
terceiro, pois envolve a questão da
mentira.
• "Não dirás falso testemunho contra o
teu próximo" não se refere apenas ao
depoimento num tribunal, mas
também ao relacionamento diário com
aqueles à nossa volta.
Pr.MoisésSampaiodePaula
9
INTRODUÇÃO
• Aqui temos uma lição para os que
agem, ainda que inconscientemente,
como se o pecado se restringisse a
assassinato, adultério e furto.
• Ninguém deve pensar que a mentira e o
falso testemunho são menos graves que
os demais pecados citados no Decálogo.
A Bíblia coloca no mesmo nível todo
aquele que tem a mentira como estilo
de vida.
Pr.MoisésSampaiodePaula
10
I. O NONO MANDAMENTO
• 1. Abrangências
• 2. Objetivo
• 3. O contexto
Pr.MoisésSampaiodePaula
11
I. O NONO MANDAMENTO
Pr.MoisésSampaiodePaula
12
1. Abrangências
• O mandamento não se
restringe apenas ao campo
do processo legal;
• Há implicações vinculadas às
atividades da vida diária (Dt
17.13; Lv 19.16).
I. O NONO MANDAMENTO
Pr.MoisésSampaiodePaula
13
1. Abrangências
• A ruptura desse
mandamento podia solapar
a característica básica da
aliança, a fidelidade de Deus
para com o homem, do
homem para com Deus e do
homem para com o seu
próximo.
I. O NONO MANDAMENTO
Pr.MoisésSampaiodePaula
14
2. Objetivo
• O objetivo é duplo, em
defesa da honra e da fé.
• Trata-se da proteção da
honra e da boa reputação
no campo social.
I. O NONO MANDAMENTO
Pr.MoisésSampaiodePaula
15
2. Objetivo
• O propósito divino neste
mandamento é erradicar a
1. Mentira,
2. A calúnia e
3. A falsidade do meio do
povo (v.20; Dt 17.13).
4. promover o bem-estar
social e a fraternidade
entre os seres humanos.
I. O NONO MANDAMENTO
Pr.MoisésSampaiodePaula
16
2. Objetivo
• No tocante à doutrina, o
mandamento torna-se uma
muralha de proteção contra
os falsos ensinos teológicos
(2 Co 13.9)
I. O NONO MANDAMENTO
Pr.MoisésSampaiodePaula
17
3. Contexto
• O nono mandamento
com suas normas na
legislação mosaica
mostra a administração
da justiça em israel.
I. O NONO MANDAMENTO
Pr.MoisésSampaiodePaula
18
3. Contexto
• O termo “juizes”, em
hebraico, shophet, “juiz,
árbitro, conselheiro jurídico,
governante” (Dt 19.17), é
há-Elohim, literalmente,
“Deus”, na passagem
paralela (Ex 22.8,9).
I. O NONO MANDAMENTO
Pr.MoisésSampaiodePaula
19
3. Contexto
• A tradução literal seria
“perante Deus” como
parece na Septuaginta e na
Vulgata latina.
• Este uso é padrão para o
verdadeiro Deus no antigo
testamento e não deve ser
traduzido como “deuses”
por causa do artigo.
I. O NONO MANDAMENTO
Pr.MoisésSampaiodePaula
20
3. Contexto
• O emprego de juízes aqui é
legitimo e ninguém
questiona essa tradução.
• As versões rabínicas
empregam “perante a
corte”.
• Os juízes respeitavam o
Deus de Israel nos
julgamentos.
SINOPSE DO TÓPICO (1)
Pr.MoisésSampaiodePaula
21
A finalidade do nono
mandamento é erradicar a
mentira, a calúnia e a
falsidade.
SUBSÍDIO DIDÁTICO
• Professor, faça a seguinte indagação: "O que
significa reputação?" Incentive a participação de
todos e ouça os alunos. Explique que reputação
é "o conceito, estima, renome que alguém tem
num determinado grupo". Diga que a finalidade
do nono mandamento era justamente proteger a
reputação do próximo. Em seguida, faça outra
indagação: "Como podemos cuidar da reputação
do nosso próximo?" Ouça os alunos e diga que
uma das maneiras é não mentir ou fazer
comentários maldosos a respeito dos irmãos..
Pr.MoisésSampaiodePaula
22
Uma pergunta
•"O que significa reputação?"
Pr.MoisésSampaiodePaula
23
Uma pergunta
•"Como podemos cuidar da
reputação do nosso próximo?"
Pr.MoisésSampaiodePaula
24
II. O PROCESSO
• 1. Responder em juízo.
• 2. Falso testemunho.
• 3. O próximo
Pr.MoisésSampaiodePaula
25
II. O PROCESSO
• O mandamento "Não dirás
falso testemunho contra o
teu próximo" (Êx 20.16; Dt
5.20) reflete o aspecto legal
e isso é conhecido pelos
termos usados e por sua
regulamentação na lei.
Pr.MoisésSampaiodePaula
26
1. Responder em juízo.
II. O PROCESSO
• O verbo "dizer", anah, em
hebraico, "responder",
abrange amplo significado.
• É usado para indicar o ato
de declarar solenemente
(Gn 41.16; Dt 27.14), de
testemunhar a favor (Gn
30.33) ou contra (2 Sm
1.16).
Pr.MoisésSampaiodePaula
27
1. Responder em juízo.
II. O PROCESSO
• A resposta, aqui, diz respeito
aos interrogatórios na corte.
Essa característica forense
aparece na legislação sobre
o tema (Êx 23.2; Dt 19.16-
19).
Pr.MoisésSampaiodePaula
28
1. Responder em juízo.
II. O PROCESSO
• O termo hebraico ed,
"testemunho", emedshaw,
literalmente "testemunho
vão" (Dt 5.20), ou edshaqer,
"falso testemunho" (Êx
20.16), diz respeito a uma
mentira, a uma declaração
conscientemente falsificada.
Pr.MoisésSampaiodePaula
29
2. Falso testemunho.
II. O PROCESSO
• O termo hebraico shaw, "vão,
inutilmente, à toa" (veja lição
5), indica algo sem valor, irreal
no aspecto material e moral.
• Aqui se trata de alguém que fala
em vão, sem fundamento, que
faz acusação sem validade e
sem consistência, portanto
falso.
Pr.MoisésSampaiodePaula
30
2. Falso testemunho.
II. O PROCESSO
• A tradução de Deuteronômio
5.20, na Septuaginta,
acrescenta "com testemunho
falso", assim: "Não
testemunharás falsamente
contra o teu próximo com
testemunho falso".
Pr.MoisésSampaiodePaula
31
2. Falso testemunho.
II. O PROCESSO
• É a primeira vez que o termo
aparece no Decálogo.
• O próximo, em hebraico, rea,
indica outra pessoa, vizinho,
amigo, parceiro.
• Essa palavra se refere aos
israelitas (Lv 19.18).
Pr.MoisésSampaiodePaula
32
3. O próximo.
II. O PROCESSO
• O Senhor Jesus a aplicou a
todas as pessoas em seu
pronunciamento sobre o
segundo e grande
mandamento (Mt 22.39).
• Todavia, a lei já contemplava
nessa palavra os estrangeiros
(Lv 19.34).
Pr.MoisésSampaiodePaula
33
3. O próximo.
II. O PROCESSO
• Assim, nosso próximo é
qualquer pessoa ou eu
mesmo, pois devo também
ser um próximo, isso está
claro quando Jesus manda o
judeu e doutor da lei imitar o
samaritano (Lc 10.36,37).
Pr.MoisésSampaiodePaula
34
3. O próximo.
SINOPSE DO TÓPICO (2)
Pr.MoisésSampaiodePaula
35
O falso testemunho fere
não somente o próximo
mas principalmente a Deus.
III. A VERDADE
• 1. O antigo testamento.
• 2. O novo testamento.
• 3. O que é a verdade?
Pr.MoisésSampaiodePaula
36
III. A VERDADE
• Verdade é aquilo que
corresponde aos fatos, em
contraste com qualquer
coisa enganosa, a mentira
(Dt13.14; 17.4; Is 43.9).
• O termo hebraico, emet,
significa “verdade,
fidelidade, firmeza,
veracidade”.
Pr.MoisésSampaiodePaula
37
1. O antigo testamento.
III. A VERDADE
• Daí derivam as palavras
emunah. “fé, fidelidade,
firmeza” (Hc 2.4).
• E amen, “ amén,
verdadeiramente, de fato,
assim seja”.
Pr.MoisésSampaiodePaula
38
1. O antigo testamento.
III. A VERDADE
• É também um atributo
divino: o “Deus da verdade”
(Sl 31.5).
• O próprio Deus é a verdade
absoluta (Dt 32.4). O Deus
verdadeiro espera que seu
povo também o seja, pois a
ética é a imitação de Deus
(Mt 5.48; 1 Co 11.1).
Pr.MoisésSampaiodePaula
39
1. O antigo testamento.
III. A VERDADE
• Emprega aletheia, “verdade”, e
seus derivados. O termo vem do
grego, lanthano/letho, “ocultar
ou encobrir algo a alguém”.
• O prefixo “a” indica negação.
Assim, para os gregos, aletheia
significa “não oculto, não
escondido”.
Pr.MoisésSampaiodePaula
40
2. O novo testamento.
III. A VERDADE
• É aquilo que corresponde aos
fatos e permanece em oposição
à falsidade (At 26.24; Rm
1.25;9.1).
• Nisto se alinha com as Escrituras
hebraicas. Esta é a verdade
como parte da ética.
Pr.MoisésSampaiodePaula
41
2. O novo testamento.
III. A VERDADE
• Mas as palavras “como está a
verdade em Cristo” (Ef 4.21),
dizem respeito a “toda plenitude
e extensão, encarnada nele; Ele
é a perfeita expressão da
verdade”. Isso está de acordo
com sua própria afirmação (Jo
14.6).
Pr.MoisésSampaiodePaula
42
2. O novo testamento.
III. A VERDADE
• Foi a pergunta que Pilatos
fez a Jesus, mas não esperou
pela resposta (Jo 18.37,38).
• Será que ele estava
convencido de que não
havia resposta, ou não se
interessou de modo algum
pelo retorno que Jesus
poderia dar?
Pr.MoisésSampaiodePaula
43
3. O que é a verdade?
III. A VERDADE
• Para os romanos, “verdade”,
veritas em latim, significa
“precisão, rigor, exatidão em
um relato”.
• Talvez Pilatos estivesse
destoado do contexto.
Pr.MoisésSampaiodePaula
44
3. O que é a verdade?
SINOPSE DO TÓPICO (3)
Pr.MoisésSampaiodePaula
45
O Deus da verdade exige
tão somente a verdade.
IV. O CUIDADO COM A
MENTIRA
• 1. As testemunhas.
• 2. Os danos.
• 3. O pecado da mentira.
Pr.MoisésSampaiodePaula
46
IV. O CUIDADO COM A MENTIRA
• Ninguém podia ser acusado
por uma só testemunha,
pois a lei exige duas ou três
testemunhas (Dt 19.15-20).
• Era a garantia de um
julgamento justo. Mas nem
sempre isso era possível.
Pr.MoisésSampaiodePaula
47
1. As testemunhas.
IV. O CUIDADO COM A MENTIRA
• Nabote foi acusado, julgado e condenado
conforme a lei, mas era inocente, pois as
testemunhas eram falsas (1 Rs 21.13).
• O Senhor Jesus foi vítima de testemunhas
falsas (Mc 14.56), da mesma forma que
Estêvão (At 6.13).
• Mesmo com todo o rigor da lei, nunca
faltou na história quem se dispusesse a
testemunhar falsamente.
Pr.MoisésSampaiodePaula
48
1. As testemunhas.
IV. O CUIDADO COM A MENTIRA
• A violação do nono
mandamento é um
atentado contra a
honra e pode
destruir a
reputação e o bom
nome que alguém
levou uma vida
inteira para
construir.
Pr.MoisésSampaiodePaula
49
2. Os danos.
IV. O CUIDADO COM A MENTIRA
• Seus efeitos maléficos podem
ainda levar a pessoa à morte
ou à prisão, destruir
casamentos e arruinar
famílias.
• É um pecado grave do qual
muitos ainda não se deram
conta.
Pr.MoisésSampaiodePaula
50
2. Os danos.
IV. O CUIDADO COM A MENTIRA
• A pena contra a falsa testemunha
em Israel era a morte; tal pessoa
receberá o mesmo que ela tentou
fazer ao seu próximo: "será
condenado, e o castigo dele será
o mesmo que ele queria para o
outro" (Dt 19.19, NTLH). Será
aplicada a lei de talião (Êx 21.23-
25).
Pr.MoisésSampaiodePaula
51
2. Os danos.
IV. O CUIDADO COM A MENTIRA
• A Bíblia trata o assunto com
seriedade, pois quem se
converteu a Cristo precisa
deixar a mentira e falar a
verdade (Ef 4.25; Cl 3.9).
Pr.MoisésSampaiodePaula
52
3. O pecado da mentira.
Quem já viu um irmão ser disciplinado ou cortado
da comunhão da Igreja pelo pecado de mentira?
IV. O CUIDADO COM A MENTIRA
• Os mentirosos constam da
lista dos incrédulos,
homicidas, fornicadores,
feiticeiros, idólatras, dentre
outros (Ap 21.8; 22.15).
Pr.MoisésSampaiodePaula
53
3. O pecado da mentira.
IV. O CUIDADO COM A MENTIRA
• Na graça, o tema é tratado
com profundidade
implicando a vida eterna, e
não envolvendo tribunais
como no sistema mosaico.
• É desejo, portanto, de todo
cristão se parecer com Jesus
e é isso o que Deus espera
de todos nós (1 Pe 1.15,16).
Pr.MoisésSampaiodePaula
54
3. O pecado da mentira.
SINOPSE DO TÓPICO (4)
Pr.MoisésSampaiodePaula
55
O cristão verdadeiro não
coaduna com a fofoca ou
mentira.
Conclusão
• Deus se interessa pelo bem-estar de
todos os seus filhos e filhas.
• O desrespeito pelo próximo afronta a
Deus. O Senhor Jesus nos ensinou a
tratar as pessoas da mesma maneira
que gostaríamos de ser tratados (Mt
7.12).
• Que Deus nos ajude e nos guarde para
que possamos viver uma vida
irrepreensível.
Pr.MoisésSampaiodePaula
56
Sobre o nono mandamento:
• Contra quem eu não devo mentir?
• Não devemos mentir contra ninguém. A Bíblia
declara que a mentira é pecado e que o Diabo é
o pai da mentira.
• Quais prejuízos um falso testemunho acarretará
contra uma pessoa?
• Os prejuízos são incontáveis. A reputação de
uma pessoa pode ser destruída, lares desfeitos,
carreira profissional arruinada, devido a um falso
testemunho.
• O que é a verdade para você?
Pr.MoisésSampaiodePaula
57
Pr. Moisés Sampaio
Pr.MoisésSampaiodePaula
58
• Pastor auxiliar da Igreja Assembleia de
Deus em Rio Branco, AC, Brasil.
• Palestrante de seminários e pregador
no Brasil e exterior.
• Contato

Weitere ähnliche Inhalte

Was ist angesagt?

Organização da Missão Calebe (1).pptx
Organização da Missão Calebe (1).pptxOrganização da Missão Calebe (1).pptx
Organização da Missão Calebe (1).pptxPrArnaldoSantos
 
Família, um projeto de Deus (JIN).ppt
Família, um projeto de Deus (JIN).pptFamília, um projeto de Deus (JIN).ppt
Família, um projeto de Deus (JIN).pptJeronimo Nunes
 
Perigos na família moderna
Perigos na família modernaPerigos na família moderna
Perigos na família modernaDaniel M Junior
 
Como posso ser liberto do desânimo # Celso do Rosário Brasil Gonçalves
Como posso ser liberto do desânimo # Celso do Rosário Brasil GonçalvesComo posso ser liberto do desânimo # Celso do Rosário Brasil Gonçalves
Como posso ser liberto do desânimo # Celso do Rosário Brasil GonçalvesCelso do Rozário Brasil Gonçalves
 
O cristão e o namoro
O cristão e o namoroO cristão e o namoro
O cristão e o namoroLuan Almeida
 
apostila_pregacao-material formador-oficial (1).doc
apostila_pregacao-material formador-oficial (1).docapostila_pregacao-material formador-oficial (1).doc
apostila_pregacao-material formador-oficial (1).docitamar2019
 
Palestras o serviço e o discipulado & missão do cristão
Palestras o serviço e o discipulado &  missão do cristãoPalestras o serviço e o discipulado &  missão do cristão
Palestras o serviço e o discipulado & missão do cristãoGulyver Palestras e Treinamentos
 
1 apresentação de uma igreja em celulas
1 apresentação de uma igreja em celulas1 apresentação de uma igreja em celulas
1 apresentação de uma igreja em celulasOtoniel Ferreira
 
2013 1 tri - lição 4 - a família sob ataque
2013   1 tri - lição 4 - a família sob ataque2013   1 tri - lição 4 - a família sob ataque
2013 1 tri - lição 4 - a família sob ataqueNatalino das Neves Neves
 
Modelo carta de transferência
Modelo   carta de transferênciaModelo   carta de transferência
Modelo carta de transferênciapibfsa
 

Was ist angesagt? (20)

Organização da Missão Calebe (1).pptx
Organização da Missão Calebe (1).pptxOrganização da Missão Calebe (1).pptx
Organização da Missão Calebe (1).pptx
 
Como atrair novos membros para a célula
Como atrair novos membros para a célulaComo atrair novos membros para a célula
Como atrair novos membros para a célula
 
Escala de cultos
Escala de cultos Escala de cultos
Escala de cultos
 
O líder de célula
O líder de célula O líder de célula
O líder de célula
 
Família, um projeto de Deus (JIN).ppt
Família, um projeto de Deus (JIN).pptFamília, um projeto de Deus (JIN).ppt
Família, um projeto de Deus (JIN).ppt
 
Perigos na família moderna
Perigos na família modernaPerigos na família moderna
Perigos na família moderna
 
PROJETO DISCIPULADO PARA O BRASIL
PROJETO DISCIPULADO PARA O BRASILPROJETO DISCIPULADO PARA O BRASIL
PROJETO DISCIPULADO PARA O BRASIL
 
Como posso ser liberto do desânimo # Celso do Rosário Brasil Gonçalves
Como posso ser liberto do desânimo # Celso do Rosário Brasil GonçalvesComo posso ser liberto do desânimo # Celso do Rosário Brasil Gonçalves
Como posso ser liberto do desânimo # Celso do Rosário Brasil Gonçalves
 
O cristão e o namoro
O cristão e o namoroO cristão e o namoro
O cristão e o namoro
 
Purê de batata
Purê de batataPurê de batata
Purê de batata
 
O diaconato
O diaconatoO diaconato
O diaconato
 
apostila_pregacao-material formador-oficial (1).doc
apostila_pregacao-material formador-oficial (1).docapostila_pregacao-material formador-oficial (1).doc
apostila_pregacao-material formador-oficial (1).doc
 
Planejamento Estratégico PIB
Planejamento Estratégico PIBPlanejamento Estratégico PIB
Planejamento Estratégico PIB
 
Palestras o serviço e o discipulado & missão do cristão
Palestras o serviço e o discipulado &  missão do cristãoPalestras o serviço e o discipulado &  missão do cristão
Palestras o serviço e o discipulado & missão do cristão
 
1 apresentação de uma igreja em celulas
1 apresentação de uma igreja em celulas1 apresentação de uma igreja em celulas
1 apresentação de uma igreja em celulas
 
Melhorando as dinâmicas pr george
Melhorando as dinâmicas pr georgeMelhorando as dinâmicas pr george
Melhorando as dinâmicas pr george
 
2013 1 tri - lição 4 - a família sob ataque
2013   1 tri - lição 4 - a família sob ataque2013   1 tri - lição 4 - a família sob ataque
2013 1 tri - lição 4 - a família sob ataque
 
Modelo carta de transferência
Modelo   carta de transferênciaModelo   carta de transferência
Modelo carta de transferência
 
Visão Celular
Visão CelularVisão Celular
Visão Celular
 
DISCIPULADO UM A UM.-phpapp02
DISCIPULADO UM A UM.-phpapp02DISCIPULADO UM A UM.-phpapp02
DISCIPULADO UM A UM.-phpapp02
 

Andere mochten auch

LIÇÃO 11 – NÃO DARÁS FALSO TESTEMUNHO
LIÇÃO 11 – NÃO DARÁS FALSO TESTEMUNHOLIÇÃO 11 – NÃO DARÁS FALSO TESTEMUNHO
LIÇÃO 11 – NÃO DARÁS FALSO TESTEMUNHOLourinaldo Serafim
 
Ananias E Safira
Ananias E SafiraAnanias E Safira
Ananias E Safirakakantunes
 
Mentira é sempre mentira
Mentira é sempre mentiraMentira é sempre mentira
Mentira é sempre mentiraLuzia Gabriele
 
Verdade é ou Mentira
Verdade é ou MentiraVerdade é ou Mentira
Verdade é ou MentiraCarla Viola
 
Ananias e safira o perigo da mentira
Ananias e safira   o perigo da mentiraAnanias e safira   o perigo da mentira
Ananias e safira o perigo da mentiraJairosoliveira
 
MENTIRAS NA INFÂNCIA
MENTIRAS NA INFÂNCIAMENTIRAS NA INFÂNCIA
MENTIRAS NA INFÂNCIACassia Dias
 
Verdade ou mentira, qual a sua escolha?
Verdade ou mentira, qual a sua escolha?Verdade ou mentira, qual a sua escolha?
Verdade ou mentira, qual a sua escolha?Vanderlei Ricken
 
Mentira e suas artimanhas
Mentira e suas artimanhasMentira e suas artimanhas
Mentira e suas artimanhasAlmy Alves
 
Mentira, um mal desnecessário
Mentira, um mal desnecessárioMentira, um mal desnecessário
Mentira, um mal desnecessárioGraça Maciel
 
O Cristão e os perigos das "Redes" Sociais
O Cristão e os perigos das "Redes" Sociais O Cristão e os perigos das "Redes" Sociais
O Cristão e os perigos das "Redes" Sociais Paulo Roberto
 
Redes Sociais Slide.
Redes Sociais   Slide.Redes Sociais   Slide.
Redes Sociais Slide.eeriick
 
Lição 8 A natureza do caráter cristão
Lição 8   A natureza do caráter cristãoLição 8   A natureza do caráter cristão
Lição 8 A natureza do caráter cristãoWander Sousa
 
O jovem cristão e o uso da internet
O jovem cristão e o uso da internetO jovem cristão e o uso da internet
O jovem cristão e o uso da internetValdinar Viana
 
Encontros de catequese
Encontros de catequeseEncontros de catequese
Encontros de catequesesheilajo
 
Apresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardo
Apresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardoApresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardo
Apresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardoProf. Robson Santos
 

Andere mochten auch (18)

LIÇÃO 11 – NÃO DARÁS FALSO TESTEMUNHO
LIÇÃO 11 – NÃO DARÁS FALSO TESTEMUNHOLIÇÃO 11 – NÃO DARÁS FALSO TESTEMUNHO
LIÇÃO 11 – NÃO DARÁS FALSO TESTEMUNHO
 
Ananias E Safira
Ananias E SafiraAnanias E Safira
Ananias E Safira
 
Mentira é sempre mentira
Mentira é sempre mentiraMentira é sempre mentira
Mentira é sempre mentira
 
Mentira!
Mentira!Mentira!
Mentira!
 
Verdade é ou Mentira
Verdade é ou MentiraVerdade é ou Mentira
Verdade é ou Mentira
 
Ananias e safira o perigo da mentira
Ananias e safira   o perigo da mentiraAnanias e safira   o perigo da mentira
Ananias e safira o perigo da mentira
 
Frases de mentira
Frases de mentiraFrases de mentira
Frases de mentira
 
MENTIRAS NA INFÂNCIA
MENTIRAS NA INFÂNCIAMENTIRAS NA INFÂNCIA
MENTIRAS NA INFÂNCIA
 
Verdade ou mentira, qual a sua escolha?
Verdade ou mentira, qual a sua escolha?Verdade ou mentira, qual a sua escolha?
Verdade ou mentira, qual a sua escolha?
 
Mentira e suas artimanhas
Mentira e suas artimanhasMentira e suas artimanhas
Mentira e suas artimanhas
 
Mentira, um mal desnecessário
Mentira, um mal desnecessárioMentira, um mal desnecessário
Mentira, um mal desnecessário
 
O Cristão e os perigos das "Redes" Sociais
O Cristão e os perigos das "Redes" Sociais O Cristão e os perigos das "Redes" Sociais
O Cristão e os perigos das "Redes" Sociais
 
Redes Sociais Slide.
Redes Sociais   Slide.Redes Sociais   Slide.
Redes Sociais Slide.
 
Lição 8 A natureza do caráter cristão
Lição 8   A natureza do caráter cristãoLição 8   A natureza do caráter cristão
Lição 8 A natureza do caráter cristão
 
O jovem cristão e o uso da internet
O jovem cristão e o uso da internetO jovem cristão e o uso da internet
O jovem cristão e o uso da internet
 
Encontros de catequese
Encontros de catequeseEncontros de catequese
Encontros de catequese
 
Jesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiroJesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiro
 
Apresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardo
Apresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardoApresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardo
Apresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardo
 

Ähnlich wie Não darás falso testemunho

A importância da sabedoria humilde
A importância da sabedoria humildeA importância da sabedoria humilde
A importância da sabedoria humildeMoisés Sampaio
 
O cuidado ao falar e a religião pura
O cuidado ao falar e a religião puraO cuidado ao falar e a religião pura
O cuidado ao falar e a religião puraMoisés Sampaio
 
Não farás imagens de esculturas
Não farás imagens de esculturasNão farás imagens de esculturas
Não farás imagens de esculturasMoisés Sampaio
 
Boletim CBL Limeira - Nº 51 - 30/03/14 - Verso
Boletim CBL Limeira - Nº 51 - 30/03/14 - VersoBoletim CBL Limeira - Nº 51 - 30/03/14 - Verso
Boletim CBL Limeira - Nº 51 - 30/03/14 - VersoWalter Almeida Jr.
 
Não tomarás o nome do Senhor em vão
Não tomarás o nome do Senhor em vãoNão tomarás o nome do Senhor em vão
Não tomarás o nome do Senhor em vãoMoisés Sampaio
 
Os pecados de omissão e de opressão
Os pecados de omissão e de opressãoOs pecados de omissão e de opressão
Os pecados de omissão e de opressãoMoisés Sampaio
 
Ospecadosdeomissoedeopresso 140912144139-phpapp02
Ospecadosdeomissoedeopresso 140912144139-phpapp02Ospecadosdeomissoedeopresso 140912144139-phpapp02
Ospecadosdeomissoedeopresso 140912144139-phpapp02Thiago Oliveira Gomes
 
Cumprindo as obrigações diante de deus
Cumprindo as obrigações diante de deusCumprindo as obrigações diante de deus
Cumprindo as obrigações diante de deusMoisés Sampaio
 
3º trimestre 2015 juvenis lição 04
3º trimestre 2015 juvenis lição 043º trimestre 2015 juvenis lição 04
3º trimestre 2015 juvenis lição 04Joel Silva
 
Juvenis lição 04 - 3° trimestre 2015
Juvenis   lição 04 - 3° trimestre 2015Juvenis   lição 04 - 3° trimestre 2015
Juvenis lição 04 - 3° trimestre 2015Joel Oliveira
 
O tempo para todas as coisas
O tempo para todas as coisasO tempo para todas as coisas
O tempo para todas as coisasMoisés Sampaio
 
34 Os Pregadores do Movimento da Fé (Neopentecostalismo) (Parte 1)
34   Os Pregadores do Movimento da Fé (Neopentecostalismo) (Parte 1)34   Os Pregadores do Movimento da Fé (Neopentecostalismo) (Parte 1)
34 Os Pregadores do Movimento da Fé (Neopentecostalismo) (Parte 1)Robson Tavares Fernandes
 

Ähnlich wie Não darás falso testemunho (20)

Lição 11 - Não darás falso testemunho
Lição 11 - Não darás falso testemunhoLição 11 - Não darás falso testemunho
Lição 11 - Não darás falso testemunho
 
A importância da sabedoria humilde
A importância da sabedoria humildeA importância da sabedoria humilde
A importância da sabedoria humilde
 
Deuteronomio 7
Deuteronomio 7Deuteronomio 7
Deuteronomio 7
 
Deuteronomio 8
Deuteronomio 8Deuteronomio 8
Deuteronomio 8
 
Deuteronomio 6
Deuteronomio 6Deuteronomio 6
Deuteronomio 6
 
O cuidado ao falar e a religião pura
O cuidado ao falar e a religião puraO cuidado ao falar e a religião pura
O cuidado ao falar e a religião pura
 
Lição 05
Lição 05Lição 05
Lição 05
 
Não darás falso testemunho
Não darás falso testemunhoNão darás falso testemunho
Não darás falso testemunho
 
Não farás imagens de esculturas
Não farás imagens de esculturasNão farás imagens de esculturas
Não farás imagens de esculturas
 
Boletim CBL Limeira - Nº 51 - 30/03/14 - Verso
Boletim CBL Limeira - Nº 51 - 30/03/14 - VersoBoletim CBL Limeira - Nº 51 - 30/03/14 - Verso
Boletim CBL Limeira - Nº 51 - 30/03/14 - Verso
 
Evangelize do seu jeito 1990
Evangelize do seu jeito  1990Evangelize do seu jeito  1990
Evangelize do seu jeito 1990
 
Não tomarás o nome do Senhor em vão
Não tomarás o nome do Senhor em vãoNão tomarás o nome do Senhor em vão
Não tomarás o nome do Senhor em vão
 
Os pecados de omissão e de opressão
Os pecados de omissão e de opressãoOs pecados de omissão e de opressão
Os pecados de omissão e de opressão
 
Ospecadosdeomissoedeopresso 140912144139-phpapp02
Ospecadosdeomissoedeopresso 140912144139-phpapp02Ospecadosdeomissoedeopresso 140912144139-phpapp02
Ospecadosdeomissoedeopresso 140912144139-phpapp02
 
Não adulterarás
Não adulterarásNão adulterarás
Não adulterarás
 
Cumprindo as obrigações diante de deus
Cumprindo as obrigações diante de deusCumprindo as obrigações diante de deus
Cumprindo as obrigações diante de deus
 
3º trimestre 2015 juvenis lição 04
3º trimestre 2015 juvenis lição 043º trimestre 2015 juvenis lição 04
3º trimestre 2015 juvenis lição 04
 
Juvenis lição 04 - 3° trimestre 2015
Juvenis   lição 04 - 3° trimestre 2015Juvenis   lição 04 - 3° trimestre 2015
Juvenis lição 04 - 3° trimestre 2015
 
O tempo para todas as coisas
O tempo para todas as coisasO tempo para todas as coisas
O tempo para todas as coisas
 
34 Os Pregadores do Movimento da Fé (Neopentecostalismo) (Parte 1)
34   Os Pregadores do Movimento da Fé (Neopentecostalismo) (Parte 1)34   Os Pregadores do Movimento da Fé (Neopentecostalismo) (Parte 1)
34 Os Pregadores do Movimento da Fé (Neopentecostalismo) (Parte 1)
 

Mehr von Moisés Sampaio

Mehr von Moisés Sampaio (20)

As limitações dos discípulos
As limitações dos discípulosAs limitações dos discípulos
As limitações dos discípulos
 
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demôniosO poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
 
Poder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e mortePoder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e morte
 
Mulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram JesusMulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram Jesus
 
Jesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulosJesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulos
 
A tentação de Jesus
A tentação de JesusA tentação de Jesus
A tentação de Jesus
 
A infância de Jesus
A infância de JesusA infância de Jesus
A infância de Jesus
 
O nascimento de Jesus
O nascimento de JesusO nascimento de Jesus
O nascimento de Jesus
 
O evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo LucasO evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo Lucas
 
A igreja e a lei de Deus
A igreja e a lei de DeusA igreja e a lei de Deus
A igreja e a lei de Deus
 
9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum
 
8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia
 
Não cobiçarás
Não cobiçarásNão cobiçarás
Não cobiçarás
 
7- Tiberíades
7- Tiberíades7- Tiberíades
7- Tiberíades
 
6 meggido
6   meggido6   meggido
6 meggido
 
5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo
 
4 - Haifa
4 - Haifa4 - Haifa
4 - Haifa
 
3 - Cesaréia Marítima
3 - Cesaréia Marítima3 - Cesaréia Marítima
3 - Cesaréia Marítima
 
2-Jaffa
2-Jaffa2-Jaffa
2-Jaffa
 
1 - Tel Aviv
1 - Tel Aviv1 - Tel Aviv
1 - Tel Aviv
 

Kürzlich hochgeladen

Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadodanieligomes4
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzAlexandrePereira818171
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimWashingtonSampaio5
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 

Kürzlich hochgeladen (20)

Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 

Não darás falso testemunho

  • 1. NÃO DARÁS FALSO TESTEMUNHO 1º Trimestre de 2015 Lição 11 Pr. Moisés Sampaio de Paula
  • 2. TEXTO ÁUREO Pr.MoisésSampaiodePaula 2 "Não admitirás falso rumor e não porás a tua mão com o ímpio, para seres testemunha falsa." (Êx 23.1)
  • 3. VERDADE PRÁTICA Pr.MoisésSampaiodePaula 3 O nono mandamento proíbe a mentira, o mexerico e o testemunho falso contra o próximo tanto no dia a dia como nos tribunais.
  • 4. OBJETIVO GERAL • Apresentar o nono mandamento, ressaltando que Deus proíbe a mentira, o mexerico e o testemunho falso contra o próximo, tanto no dia a dia como nos tribunais. Pr.MoisésSampaiodePaula 4
  • 5. OBJETIVOS Após esta aula, o aluno deverá estar apto a: • Tratar a abrangência e o objetivo do nono mandamento. • Mostrar o que a legislação mosaica diz a respeito do falso testemunho. • Ressaltar que o Deus verdadeiro deseja tão somente a verdade. • Enfatizar o cuidado que devemos ter com relação à mentira Pr.MoisésSampaiodePaula 5
  • 6. II. O PROCESSO 1. Responder em juízo. 2. Falso testemunho. 3. O próximo Esboço da Lição Pr.MoisésSampaiodePaula 6 I. O NONO MANDAMENTO 1. Abrangências 2. Objetivo 3. O contexto III. A VERDADE 1. O antigo testamento. 2. O novo testamento. 3. O que é a verdade? IV. O CUIDADO COM A MENTIRA 1. As testemunhas. 2. Os danos. 3. O pecado da mentira.
  • 7. PONTO CENTRAL •A mentira e a falsidade aborrecem a Deus e prejudicam o próximo. Pr.MoisésSampaiodePaula 7
  • 9. INTRODUÇÃO • O nono mandamento se aproxima do terceiro, pois envolve a questão da mentira. • "Não dirás falso testemunho contra o teu próximo" não se refere apenas ao depoimento num tribunal, mas também ao relacionamento diário com aqueles à nossa volta. Pr.MoisésSampaiodePaula 9
  • 10. INTRODUÇÃO • Aqui temos uma lição para os que agem, ainda que inconscientemente, como se o pecado se restringisse a assassinato, adultério e furto. • Ninguém deve pensar que a mentira e o falso testemunho são menos graves que os demais pecados citados no Decálogo. A Bíblia coloca no mesmo nível todo aquele que tem a mentira como estilo de vida. Pr.MoisésSampaiodePaula 10
  • 11. I. O NONO MANDAMENTO • 1. Abrangências • 2. Objetivo • 3. O contexto Pr.MoisésSampaiodePaula 11
  • 12. I. O NONO MANDAMENTO Pr.MoisésSampaiodePaula 12 1. Abrangências • O mandamento não se restringe apenas ao campo do processo legal; • Há implicações vinculadas às atividades da vida diária (Dt 17.13; Lv 19.16).
  • 13. I. O NONO MANDAMENTO Pr.MoisésSampaiodePaula 13 1. Abrangências • A ruptura desse mandamento podia solapar a característica básica da aliança, a fidelidade de Deus para com o homem, do homem para com Deus e do homem para com o seu próximo.
  • 14. I. O NONO MANDAMENTO Pr.MoisésSampaiodePaula 14 2. Objetivo • O objetivo é duplo, em defesa da honra e da fé. • Trata-se da proteção da honra e da boa reputação no campo social.
  • 15. I. O NONO MANDAMENTO Pr.MoisésSampaiodePaula 15 2. Objetivo • O propósito divino neste mandamento é erradicar a 1. Mentira, 2. A calúnia e 3. A falsidade do meio do povo (v.20; Dt 17.13). 4. promover o bem-estar social e a fraternidade entre os seres humanos.
  • 16. I. O NONO MANDAMENTO Pr.MoisésSampaiodePaula 16 2. Objetivo • No tocante à doutrina, o mandamento torna-se uma muralha de proteção contra os falsos ensinos teológicos (2 Co 13.9)
  • 17. I. O NONO MANDAMENTO Pr.MoisésSampaiodePaula 17 3. Contexto • O nono mandamento com suas normas na legislação mosaica mostra a administração da justiça em israel.
  • 18. I. O NONO MANDAMENTO Pr.MoisésSampaiodePaula 18 3. Contexto • O termo “juizes”, em hebraico, shophet, “juiz, árbitro, conselheiro jurídico, governante” (Dt 19.17), é há-Elohim, literalmente, “Deus”, na passagem paralela (Ex 22.8,9).
  • 19. I. O NONO MANDAMENTO Pr.MoisésSampaiodePaula 19 3. Contexto • A tradução literal seria “perante Deus” como parece na Septuaginta e na Vulgata latina. • Este uso é padrão para o verdadeiro Deus no antigo testamento e não deve ser traduzido como “deuses” por causa do artigo.
  • 20. I. O NONO MANDAMENTO Pr.MoisésSampaiodePaula 20 3. Contexto • O emprego de juízes aqui é legitimo e ninguém questiona essa tradução. • As versões rabínicas empregam “perante a corte”. • Os juízes respeitavam o Deus de Israel nos julgamentos.
  • 21. SINOPSE DO TÓPICO (1) Pr.MoisésSampaiodePaula 21 A finalidade do nono mandamento é erradicar a mentira, a calúnia e a falsidade.
  • 22. SUBSÍDIO DIDÁTICO • Professor, faça a seguinte indagação: "O que significa reputação?" Incentive a participação de todos e ouça os alunos. Explique que reputação é "o conceito, estima, renome que alguém tem num determinado grupo". Diga que a finalidade do nono mandamento era justamente proteger a reputação do próximo. Em seguida, faça outra indagação: "Como podemos cuidar da reputação do nosso próximo?" Ouça os alunos e diga que uma das maneiras é não mentir ou fazer comentários maldosos a respeito dos irmãos.. Pr.MoisésSampaiodePaula 22
  • 23. Uma pergunta •"O que significa reputação?" Pr.MoisésSampaiodePaula 23
  • 24. Uma pergunta •"Como podemos cuidar da reputação do nosso próximo?" Pr.MoisésSampaiodePaula 24
  • 25. II. O PROCESSO • 1. Responder em juízo. • 2. Falso testemunho. • 3. O próximo Pr.MoisésSampaiodePaula 25
  • 26. II. O PROCESSO • O mandamento "Não dirás falso testemunho contra o teu próximo" (Êx 20.16; Dt 5.20) reflete o aspecto legal e isso é conhecido pelos termos usados e por sua regulamentação na lei. Pr.MoisésSampaiodePaula 26 1. Responder em juízo.
  • 27. II. O PROCESSO • O verbo "dizer", anah, em hebraico, "responder", abrange amplo significado. • É usado para indicar o ato de declarar solenemente (Gn 41.16; Dt 27.14), de testemunhar a favor (Gn 30.33) ou contra (2 Sm 1.16). Pr.MoisésSampaiodePaula 27 1. Responder em juízo.
  • 28. II. O PROCESSO • A resposta, aqui, diz respeito aos interrogatórios na corte. Essa característica forense aparece na legislação sobre o tema (Êx 23.2; Dt 19.16- 19). Pr.MoisésSampaiodePaula 28 1. Responder em juízo.
  • 29. II. O PROCESSO • O termo hebraico ed, "testemunho", emedshaw, literalmente "testemunho vão" (Dt 5.20), ou edshaqer, "falso testemunho" (Êx 20.16), diz respeito a uma mentira, a uma declaração conscientemente falsificada. Pr.MoisésSampaiodePaula 29 2. Falso testemunho.
  • 30. II. O PROCESSO • O termo hebraico shaw, "vão, inutilmente, à toa" (veja lição 5), indica algo sem valor, irreal no aspecto material e moral. • Aqui se trata de alguém que fala em vão, sem fundamento, que faz acusação sem validade e sem consistência, portanto falso. Pr.MoisésSampaiodePaula 30 2. Falso testemunho.
  • 31. II. O PROCESSO • A tradução de Deuteronômio 5.20, na Septuaginta, acrescenta "com testemunho falso", assim: "Não testemunharás falsamente contra o teu próximo com testemunho falso". Pr.MoisésSampaiodePaula 31 2. Falso testemunho.
  • 32. II. O PROCESSO • É a primeira vez que o termo aparece no Decálogo. • O próximo, em hebraico, rea, indica outra pessoa, vizinho, amigo, parceiro. • Essa palavra se refere aos israelitas (Lv 19.18). Pr.MoisésSampaiodePaula 32 3. O próximo.
  • 33. II. O PROCESSO • O Senhor Jesus a aplicou a todas as pessoas em seu pronunciamento sobre o segundo e grande mandamento (Mt 22.39). • Todavia, a lei já contemplava nessa palavra os estrangeiros (Lv 19.34). Pr.MoisésSampaiodePaula 33 3. O próximo.
  • 34. II. O PROCESSO • Assim, nosso próximo é qualquer pessoa ou eu mesmo, pois devo também ser um próximo, isso está claro quando Jesus manda o judeu e doutor da lei imitar o samaritano (Lc 10.36,37). Pr.MoisésSampaiodePaula 34 3. O próximo.
  • 35. SINOPSE DO TÓPICO (2) Pr.MoisésSampaiodePaula 35 O falso testemunho fere não somente o próximo mas principalmente a Deus.
  • 36. III. A VERDADE • 1. O antigo testamento. • 2. O novo testamento. • 3. O que é a verdade? Pr.MoisésSampaiodePaula 36
  • 37. III. A VERDADE • Verdade é aquilo que corresponde aos fatos, em contraste com qualquer coisa enganosa, a mentira (Dt13.14; 17.4; Is 43.9). • O termo hebraico, emet, significa “verdade, fidelidade, firmeza, veracidade”. Pr.MoisésSampaiodePaula 37 1. O antigo testamento.
  • 38. III. A VERDADE • Daí derivam as palavras emunah. “fé, fidelidade, firmeza” (Hc 2.4). • E amen, “ amén, verdadeiramente, de fato, assim seja”. Pr.MoisésSampaiodePaula 38 1. O antigo testamento.
  • 39. III. A VERDADE • É também um atributo divino: o “Deus da verdade” (Sl 31.5). • O próprio Deus é a verdade absoluta (Dt 32.4). O Deus verdadeiro espera que seu povo também o seja, pois a ética é a imitação de Deus (Mt 5.48; 1 Co 11.1). Pr.MoisésSampaiodePaula 39 1. O antigo testamento.
  • 40. III. A VERDADE • Emprega aletheia, “verdade”, e seus derivados. O termo vem do grego, lanthano/letho, “ocultar ou encobrir algo a alguém”. • O prefixo “a” indica negação. Assim, para os gregos, aletheia significa “não oculto, não escondido”. Pr.MoisésSampaiodePaula 40 2. O novo testamento.
  • 41. III. A VERDADE • É aquilo que corresponde aos fatos e permanece em oposição à falsidade (At 26.24; Rm 1.25;9.1). • Nisto se alinha com as Escrituras hebraicas. Esta é a verdade como parte da ética. Pr.MoisésSampaiodePaula 41 2. O novo testamento.
  • 42. III. A VERDADE • Mas as palavras “como está a verdade em Cristo” (Ef 4.21), dizem respeito a “toda plenitude e extensão, encarnada nele; Ele é a perfeita expressão da verdade”. Isso está de acordo com sua própria afirmação (Jo 14.6). Pr.MoisésSampaiodePaula 42 2. O novo testamento.
  • 43. III. A VERDADE • Foi a pergunta que Pilatos fez a Jesus, mas não esperou pela resposta (Jo 18.37,38). • Será que ele estava convencido de que não havia resposta, ou não se interessou de modo algum pelo retorno que Jesus poderia dar? Pr.MoisésSampaiodePaula 43 3. O que é a verdade?
  • 44. III. A VERDADE • Para os romanos, “verdade”, veritas em latim, significa “precisão, rigor, exatidão em um relato”. • Talvez Pilatos estivesse destoado do contexto. Pr.MoisésSampaiodePaula 44 3. O que é a verdade?
  • 45. SINOPSE DO TÓPICO (3) Pr.MoisésSampaiodePaula 45 O Deus da verdade exige tão somente a verdade.
  • 46. IV. O CUIDADO COM A MENTIRA • 1. As testemunhas. • 2. Os danos. • 3. O pecado da mentira. Pr.MoisésSampaiodePaula 46
  • 47. IV. O CUIDADO COM A MENTIRA • Ninguém podia ser acusado por uma só testemunha, pois a lei exige duas ou três testemunhas (Dt 19.15-20). • Era a garantia de um julgamento justo. Mas nem sempre isso era possível. Pr.MoisésSampaiodePaula 47 1. As testemunhas.
  • 48. IV. O CUIDADO COM A MENTIRA • Nabote foi acusado, julgado e condenado conforme a lei, mas era inocente, pois as testemunhas eram falsas (1 Rs 21.13). • O Senhor Jesus foi vítima de testemunhas falsas (Mc 14.56), da mesma forma que Estêvão (At 6.13). • Mesmo com todo o rigor da lei, nunca faltou na história quem se dispusesse a testemunhar falsamente. Pr.MoisésSampaiodePaula 48 1. As testemunhas.
  • 49. IV. O CUIDADO COM A MENTIRA • A violação do nono mandamento é um atentado contra a honra e pode destruir a reputação e o bom nome que alguém levou uma vida inteira para construir. Pr.MoisésSampaiodePaula 49 2. Os danos.
  • 50. IV. O CUIDADO COM A MENTIRA • Seus efeitos maléficos podem ainda levar a pessoa à morte ou à prisão, destruir casamentos e arruinar famílias. • É um pecado grave do qual muitos ainda não se deram conta. Pr.MoisésSampaiodePaula 50 2. Os danos.
  • 51. IV. O CUIDADO COM A MENTIRA • A pena contra a falsa testemunha em Israel era a morte; tal pessoa receberá o mesmo que ela tentou fazer ao seu próximo: "será condenado, e o castigo dele será o mesmo que ele queria para o outro" (Dt 19.19, NTLH). Será aplicada a lei de talião (Êx 21.23- 25). Pr.MoisésSampaiodePaula 51 2. Os danos.
  • 52. IV. O CUIDADO COM A MENTIRA • A Bíblia trata o assunto com seriedade, pois quem se converteu a Cristo precisa deixar a mentira e falar a verdade (Ef 4.25; Cl 3.9). Pr.MoisésSampaiodePaula 52 3. O pecado da mentira. Quem já viu um irmão ser disciplinado ou cortado da comunhão da Igreja pelo pecado de mentira?
  • 53. IV. O CUIDADO COM A MENTIRA • Os mentirosos constam da lista dos incrédulos, homicidas, fornicadores, feiticeiros, idólatras, dentre outros (Ap 21.8; 22.15). Pr.MoisésSampaiodePaula 53 3. O pecado da mentira.
  • 54. IV. O CUIDADO COM A MENTIRA • Na graça, o tema é tratado com profundidade implicando a vida eterna, e não envolvendo tribunais como no sistema mosaico. • É desejo, portanto, de todo cristão se parecer com Jesus e é isso o que Deus espera de todos nós (1 Pe 1.15,16). Pr.MoisésSampaiodePaula 54 3. O pecado da mentira.
  • 55. SINOPSE DO TÓPICO (4) Pr.MoisésSampaiodePaula 55 O cristão verdadeiro não coaduna com a fofoca ou mentira.
  • 56. Conclusão • Deus se interessa pelo bem-estar de todos os seus filhos e filhas. • O desrespeito pelo próximo afronta a Deus. O Senhor Jesus nos ensinou a tratar as pessoas da mesma maneira que gostaríamos de ser tratados (Mt 7.12). • Que Deus nos ajude e nos guarde para que possamos viver uma vida irrepreensível. Pr.MoisésSampaiodePaula 56
  • 57. Sobre o nono mandamento: • Contra quem eu não devo mentir? • Não devemos mentir contra ninguém. A Bíblia declara que a mentira é pecado e que o Diabo é o pai da mentira. • Quais prejuízos um falso testemunho acarretará contra uma pessoa? • Os prejuízos são incontáveis. A reputação de uma pessoa pode ser destruída, lares desfeitos, carreira profissional arruinada, devido a um falso testemunho. • O que é a verdade para você? Pr.MoisésSampaiodePaula 57
  • 58. Pr. Moisés Sampaio Pr.MoisésSampaiodePaula 58 • Pastor auxiliar da Igreja Assembleia de Deus em Rio Branco, AC, Brasil. • Palestrante de seminários e pregador no Brasil e exterior. • Contato