Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.
As visões de mundo dos eleitores das
classes C & D
PESQ. Nº 001/2017
RECIFE
“Quando esta confusão toda vai acabar?”
Especificações da pesquisa
Objetivo: Identificar as percepções dos eleitores com mais de 16 anos e
residentes em bairros d...
Especificações da pesquisa
Perfil dos grupos
Grupos Faixa etária Renda familiar
Grupo 1 16 a 23 anos 1 a 2 salários mínimo...
Especificações da pesquisa
LOCAIS DE MORADA DOS PESQUISADOS
Bairro Bairro Bairro Bairro
Alto SantaIsabel - CasaAmarela Car...
FAMÍLIA, AMIGOS & INSTITUIÇÕES
ANÁLISE
 Os eleitores, independente da renda e faixa etária, valorizam a família. Para eles, a
família é “tudo”, “é a est...
ANÁLISE
 No debate sobre a família é nítido a confiança dos participantes da pesquisa para com
os familiares. A confiança...
SENTIMENTOS DE PERTENCIMENTO &
DISCRIMINAÇÃO
ANÁLISE
 Todos declaram que vivem bem em seu local de morada. Mostram sentimento de
pertencimento. Afirmam que “moram lá ...
ANÁLISE
 Eles, inclusive os entrevistados mais jovens, não revelam intenção de irem morar em
outro bairro. Todos eles ver...
SENTIMENTOS DE INSEGURANÇA &
INSATISFAÇÃO COM A POLÍCIA
ANÁLISE
 Apesar de detectamos satisfação dos entrevistados com o seu bairro, eles relatam, ao
serem questionados, que o p...
ANÁLISE
 “Os policiais passam. Ver o tráfico e não faz nada”. “Ficam parados. Vendo o
movimento”. Os entrevistados sugere...
VENCER NA VIDA – SONHOS, FÉ &
DINHEIRO
ANÁLISE
 Para os inquiridos, vencer na vida é realizar sonhos. Jovens e maduros ressaltam
sempre a realização dos sonhos ...
ANÁLISE
 Os jovens ainda estão sonhando. Desejam emprego e conforto. Eles ainda,
aparentemente, não sofreram, passaram, o...
ANÁLISE
 Para vencer na vida é necessário, esforço, estudo, e trabalho. Ou esforço e trabalho.
Indagamos se a fé em deus,...
VALORIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO
ANÁLISE
 Os entrevistados valorizam a educação. Alguns eleitores maduros mostram
arrependimento por não terem estudado. N...
ANÁLISE
 Ressaltamos que diversos entrevistados maduros fizeram cursos técnicos com o
objetivo de aumentar as chances de ...
CONSUMO, STATUS SOCIAL &
DISCRIMINAÇÃO
ANÁLISE
 Os entrevistados, jovens ou maduros, mostram o desejo de consumir. Os maduros
desejam comprar “casa”, “feira”, “...
ANÁLISE
 Perguntamos a todos os entrevistados, se o consumo revela a posição social da pessoa.
Todos afirmam que sim. Seg...
ANÁLISE
 Os eleitores maduros também relatam discriminação. E repetem a frase verbalizada
pelos jovens: “Você é o que tem...
ANÁLISE
 Constatamos que os eleitores maduros sofrem discriminação e também desconfiança.
Discriminação por não terem alg...
O ESTADO É O GOVERNO?
ANÁLISE
 Os eleitores, maduros ou jovens, não sabem definir o que é Estado. Eles sabem o que
é governo. E para eles, o go...
ANÁLISE
 Entre os eleitores maduros está presente forte descrédito para com os governos. Entre
os jovens, não encontramos...
EMPREENDEDORISMO & ESTABILIDADE
ANÁLISE
 Os eleitores não sabem, ao serem provocados, opinar sobre o papel do Estado na
economia. O que eles repetem semp...
ANÁLISE
 Os entrevistados maduros mostram vontade e desejo de ser empreendedores. Mas falta capital
para abrir o “negócio...
POLÍTICAS PÚBLICAS
ANÁLISE
 Os entrevistados mostram desconhecimento sobre políticas públicas. Insistirmos na
indagação, e alguns deles resp...
O QUE É IDEOLOGIA?
ANÁLISE
 Os eleitores, em sua maioria, independente da faixa etária e renda, são claros a dizer
que não sabem o que é ide...
ANÁLISE
 Os eleitores mostram desprezo pela discussão ideológica. Entretanto, de modo
incipiente, detectamos que existem ...
A CLASSE POLÍTICA
ANÁLISE
 Os eleitores, jovens e maduros, rejeitam a classe política. Classificam-na como
egoísta, ladrona, “só querem par...
ANÁLISE
 Os eleitores jovens são silenciosos quanto aos políticos. Não mostram intensa revolta.
E nem admiração. Ao contr...
ROUBA, MAS FAZ
ANÁLISE
 O que é melhor, um político que faz e rouba; ou um político que não faz e nem rouba?
Em sua maioria, independent...
ANÁLISE
 Para os entrevistados, a corrupção faz parte da política. Não existe político honesto.
“Todos estão no mesmo sac...
OPERAÇÃO LAVA JATO
ANÁLISE
 Todos os entrevistados apoiam a Operação Lava Jato. Entre os eleitores maduros
observamos intensa alegria com a ...
ANÁLISE
 O principal problema do Brasil para os entrevistados é a corrupção. Não falam com
indignação, ao contrário, suge...
O FUTURO DO BRASIL
ANÁLISE
 Todos os eleitores estão céticos, desconfiados, com o futuro do Brasil. Os jovens
revelam pouca esperança, mas a...
CONCLUSÃO
ANÁLISE
 A família é a instituição que os eleitores mais confiam. Eles mostram desprezo às instituições do
Estado. Não as...
ANÁLISE
 Realizar sonhos. Esta frase resume para os entrevistados o que é vencer na vida. Sonhos são
realizáveis com dinh...
ANÁLISE
 Os eleitores jovens não mostram responsabilidade e seletividade para o consumo. Apenas o
desejo de consumir cert...
ANÁLISE
 Não existe ideologia para os eleitores. Eles não orientam as suas escolhas eleitorais pela
ideologia. Os inquiri...
ANÁLISE
 Os políticos não servem para nada. Só desejam extrair vantagens da população. Políticos e
governos estão associa...
ANÁLISE
 Os eleitores estão pessimistas com o futuro do Brasil em razão da crise econômica, da descrença
com os políticos...
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×

O que pensa os eleitores das classes C e D no Recife

6.573 Aufrufe

Veröffentlicht am

Pesquisa qualitativa do Instituto Uninassau com eleitores das classes C e D do Recife

Veröffentlicht in: News & Politik
  • Senti falta de gráficos, raça, números, muti texto. Mas queria parabenizar a pesquisa, muito direto ao ponto, já era o que eu imaginava, serviu para ratificar meu sentimento sobre a cidade do Recife onde existem várias realidades e a sociedade civil com o governo público têm muito o que fazer nesta cidade.
       Antworten 
    Sind Sie sicher, dass Sie …  Ja  Nein
    Ihre Nachricht erscheint hier
  • Gehören Sie zu den Ersten, denen das gefällt!

O que pensa os eleitores das classes C e D no Recife

  1. 1. As visões de mundo dos eleitores das classes C & D PESQ. Nº 001/2017 RECIFE
  2. 2. “Quando esta confusão toda vai acabar?”
  3. 3. Especificações da pesquisa Objetivo: Identificar as percepções dos eleitores com mais de 16 anos e residentes em bairros da periferia do Recife sobre diversos temas. A percepção sobre determinado tema sugere a visão de mundo do eleitor sobre ele. Tal visão pode ser condicionada e motivada pelo ambiente em que o individuo mora, pela sua renda, faixa etária, raça, religião e posição na economia. Metodologia: Método qualitativo. Realização de quatro grupos focais. Os grupos serão segmentados por faixa etária e renda. Os entrevistados residem em diversos bairros da cidade do Recife. Data da realização da pesquisa: 24 de maio de 2017.
  4. 4. Especificações da pesquisa Perfil dos grupos Grupos Faixa etária Renda familiar Grupo 1 16 a 23 anos 1 a 2 salários mínimos Grupo 2 24 a 64 anos 1 a 2 salários mínimos Grupo 3 16 a 23 anos Acima de 2 a 5 salários mínimos Grupo 4 24 a 64 anos Acima de 2 a 5 salários mínimos
  5. 5. Especificações da pesquisa LOCAIS DE MORADA DOS PESQUISADOS Bairro Bairro Bairro Bairro Alto SantaIsabel - CasaAmarela Cardoso BeiraRio Campo Grande (Canal do Arruda) Morro daConceição Campo do Elite Vasco daGama Beberibe Campo Grande Córrego do Jenipapo Ilhade Joaneiro Alto do Mandú Cabanga Afogados Santo Amaro Várzea Afogados Ibura Arruda Córrego do Jenipapo Corrego do Jenipapo Lagoado Araça Av. Norte ÁguaFria Mangueira Beberibe Alto do Refúgio Arruda ÁguaFria(Córrego Deodato) Sítio do Cardoso NovaDescoberta Campo do Cabanga Afogados Cohab Ibura BrasíliaTeimosa Campo Grande Bombado Hemeterio Arruda Campo Grande Hab. ViaMangue Pina Afogados VilaSantaLuzia Canal do Arruda Beberibe Mustardinha Jardim São Paulo Mangueira Dois Unidos
  6. 6. FAMÍLIA, AMIGOS & INSTITUIÇÕES
  7. 7. ANÁLISE  Os eleitores, independente da renda e faixa etária, valorizam a família. Para eles, a família é “tudo”, “é a estrutura”, a “base”, a “fortaleza”, “carinho”, “proteção”. Procuramos extrair dos entrevistados a confiança deles para com as instituições. Neste momento, os participantes, mais uma vez, ressaltam que a “família é o mais importante” e revelam desprezo para com as instituições do Estado. Nenhuma instituição do Estado aparece como detentora da confiança e a admiração deles. Mesmo tendo sido provocados.  Inserirmos os eleitores na seguinte situação hipotética: “Vocês, ao saírem daqui, sofrem um assalto, ou acidente, o que vocês fazem, ligam para quem?” Eles respondem com ênfase: “Ligamos para a família, para algum parente”. Diante desta resposta, questionamos: “E vocês não confiam em amigos?” Alguns entrevistados afirmam que sim, outros não. Eles sugerem, em sua totalidade, que “existem parentes confiáveis, outros não”. Assim como existem amigos que merecem a confiança.
  8. 8. ANÁLISE  No debate sobre a família é nítido a confiança dos participantes da pesquisa para com os familiares. A confiança é forte. Com os amigos, detectamos, também, a confiança. Mas não do tamanho da confiança que eles têm com a família. Ressaltamos que os entrevistados não confiam no todo da família, assim como nos amigos. A confiança está presente em alguns membros da família, os mais próximos, como pais, irmãos, avós e tios. Detectamos desprezo dos entrevistados para com as instituições do Estado, independente da renda ou da idade.
  9. 9. SENTIMENTOS DE PERTENCIMENTO & DISCRIMINAÇÃO
  10. 10. ANÁLISE  Todos declaram que vivem bem em seu local de morada. Mostram sentimento de pertencimento. Afirmam que “moram lá desde cedo”, “conhecem todo mundo”, “falam com todos”, e que “é bom lá viver”. Os entrevistados mostram que pertencer ao bairro, por “terem sido criados lá”, ou “por viverem por muito tempo”, fazem com que tenham confiança com o local em que vivem. Mas não só confiança, também gostem, “se sintam à vontade”, tenham o prazer de viverem no local em que possuem raízes.
  11. 11. ANÁLISE  Eles, inclusive os entrevistados mais jovens, não revelam intenção de irem morar em outro bairro. Todos eles verbalizam a satisfação com o local de morada em razão da história que tem no bairro. Neste ponto, observamos desconfiança com outros locais entre os eleitores jovens. Estes afirmam que existem “rixas”, “disputas”, entre os bairros, e que estas são provocadas pelo tráfico de drogas, ou, simplesmente, por você pertencer ao bairro X e não ao bairro Y. Segundo eles, moradores do bairro Y frisam que “ele”, é morador do bairro Y, e em razão disto, “já olham para gente diferente”.  A disputa entre bairros existem por razão do tráfico de drogas (variável causal 1) e por sentimentos de pertencimento, o qual gera identidade com o bairro (variável causal 2). Você ser de outro bairro sugere que você é um estranho no bairro.  Nenhum entrevistado jovem admite discriminação a pessoas de outros bairros.
  12. 12. SENTIMENTOS DE INSEGURANÇA & INSATISFAÇÃO COM A POLÍCIA
  13. 13. ANÁLISE  Apesar de detectamos satisfação dos entrevistados com o seu bairro, eles relatam, ao serem questionados, que o principal problema presente no local de morada é a violência. “Hoje é muito perigoso ficar na porta”. “Quem assalta são os próprios moradores do bairro”. “Tem ladrões que vêm de fora”. “Eles roubam celular”.  O sentimento de insegurança é intenso. Indagamos se a polícia faz alguma coisa. Eles afirmam que “a polícia não tá nem ai”, “passa e não diz nada”. Os eleitores mostram costume com os atos de violência, já que ela é corriqueira. Portanto, eles reconhecem a intensa violência e que ela faz parte do cotidiano. Destacamos que eles não reconhecem a Polícia como instrumento para combater a criminalidade. Eles mostram sentimento de desprezo para com a Polícia, em razão “dela não fazer nada” para enfrentar a criminalidade.
  14. 14. ANÁLISE  “Os policiais passam. Ver o tráfico e não faz nada”. “Ficam parados. Vendo o movimento”. Os entrevistados sugerem que a Polícia vive em estado de inércia. Os entrevistados jovens aproveitam para dizer que já foram vitimas de discriminação por parte de policiais em outros bairros. E que são abordados em alguns locais por não terem as características para estar em dado bairro.
  15. 15. VENCER NA VIDA – SONHOS, FÉ & DINHEIRO
  16. 16. ANÁLISE  Para os inquiridos, vencer na vida é realizar sonhos. Jovens e maduros ressaltam sempre a realização dos sonhos como indicador de sucesso na vida. Mas quais sonhos? “Adquirir uma casa”, “Saúde”, “Dinheiro”, “Ter a feirinha”, “Emprego”, “Conforto”. Estes itens representam os sonhos dos eleitores maduros. Para os jovens, a conquista do emprego e conforto são os sonhos dos eleitores jovens.  Existem diferenças quanto ao que é vencer na vida. Entre os eleitores maduros, estão presentes sonhos “básicos”, os quais sugiram em virtude de sonhos não realizados e da necessidade presente. No caso, conquista da moradia, emprego e conforto. Destacamos a menção “ter a feirinha”, pois isto significa que muitos entrevistados reconhecem o desafio que é fazer a feira, ou melhor, se alimentar.
  17. 17. ANÁLISE  Os jovens ainda estão sonhando. Desejam emprego e conforto. Eles ainda, aparentemente, não sofreram, passaram, obviamente, pelas experiências de vida dos maduros. Por isto, os sonhos são diferentes. Eles vão além dos sonhos “básicos”, ou, ainda, não os tiveram. Os sonhos dos jovens é o sonho “esperança”, isto é, eles acreditam que podem ter dinheiro e conforto. Os maduros têm sonhos “básicos”, porque descobriram que não foi possível, até o instante, realizar os sonhos “esperança”, isto é, adquirir dinheiro e conforto.  Indagamos se para vencer na vida, o dinheiro é necessário. Todos os entrevistados responderam que sim. E responderam com entusiasmo. Para eles, saúde “é importante, assim como o dinheiro”. “Sem dinheiro não se faz nada”. “Dinheiro é bom, quem não gosta”. Portanto, vencer na vida para os participantes da pesquisa é, também, ter dinheiro para realizar sonhos.
  18. 18. ANÁLISE  Para vencer na vida é necessário, esforço, estudo, e trabalho. Ou esforço e trabalho. Indagamos se a fé em deus, não contribui para vencer na vida. Eles frisam que sim. Mas não adianta ter fé, “se nós não nos esforçamos, trabalhamos”. Independente da faixa etária, os inquiridos atrelam a fé, ao esforço, trabalho e estudo para que eles possam vencer na vida. Solitariamente, a fé não é suficiente para fazerem com que eles vençam na vida.
  19. 19. VALORIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO
  20. 20. ANÁLISE  Os entrevistados valorizam a educação. Alguns eleitores maduros mostram arrependimento por não terem estudado. Não estudaram em razão da ausência de oportunidades. Muitos dos inquiridos relatam que começaram a trabalhar cedo, em casa de família, ou precisaram ajudar os pais. Por isto, não estudaram. Outros relataram que tiveram oportunidades, mas não aproveitaram. Os eleitores maduros valorizam o estudo, e os que têm filhos, verbalizam com ênfase que querem que “os filhos estudem”.  Independente da renda, os eleitores maduros não têm curso superior. Indagamos a razão. Respondem: “Não tivemos oportunidade”, “Não temos dinheiro”. Eles dizem que não podem estudar numa faculdade “grátis”, pois não tem “estudo”, isto é, não estão preparados. E estudar numa “paga”, não é possível, “pois não temos dinheiro”. Parte deles revela a esperança de um dia obter o diploma de nível superior.
  21. 21. ANÁLISE  Ressaltamos que diversos entrevistados maduros fizeram cursos técnicos com o objetivo de aumentar as chances de conquistarem um emprego, um emprego melhor, ou conquistar melhor posto no atual emprego. A educação é considerada pelos eleitores maduros como instrumento de mobilidade social. Ou seja: Com mais estudo, eles podem melhorar de vida.  Os entrevistados jovens também valorizam a educação. Entretanto, salientamos: Não fazem com tanta ênfase, como foi observado entre os eleitores maduros. Eles mostram o desejo de realizar um curso superior. Alguns revelam que é “difícil estudar em uma universidade pública, pois é muito concorrido”. Os eleitores jovens associam oportunidade com estudo. Isto é: “O diploma serve muito”, “Só com eles podemos ganhar dinheiro”, “Se com diploma emprego é difícil, imagine sem diploma”. Tanto jovens e maduros valorizam a educação e a veem como instrumento de mobilidade social, isto é, melhoria de vida.
  22. 22. CONSUMO, STATUS SOCIAL & DISCRIMINAÇÃO
  23. 23. ANÁLISE  Os entrevistados, jovens ou maduros, mostram o desejo de consumir. Os maduros desejam comprar “casa”, “feira”, “sapatos”, “roupas”, “carro”, “moto”. Os jovens desejam comprar “celular”, “roupas”, “ingresso para o cinema”, “vestido para a festa de sábado”. Todos eles verbalizam que adoram consumir. E não consomem por não ter dinheiro.  Destacamos que os eleitores maduros mostram preocupação com o necessário. Isto é: é importante comprar, mas o necessário, pois o “dinheiro tá curto”. As diversas responsabilidades financeiras dos maduros fazem com que eles, apesar de gostarem de consumir, sejam mais criteriosos/seletivos com o que consumir. Já os jovens não mostram disposição em serem seletivos no momento de consumir.
  24. 24. ANÁLISE  Perguntamos a todos os entrevistados, se o consumo revela a posição social da pessoa. Todos afirmam que sim. Segundo os jovens, ter um celular bom ou tênis de marca “já faz com que alguém lhe olhe diferente”. Os maduros relatam que ter moto ou carro possibilita que as pessoas, inclusive do próprio bairro, especulem de onde está vindo o dinheiro.  Os jovens relatam que em determinados bairros e locais, se você não estiver bem vestido, o outro lhe olhará com indiferença, discrimina. Por isto, é necessário estar bem vestido para não ser discriminado. Perguntamos se eles já foram discriminados. Todos eles afirmam que sim. Aliás, eles revelam que a discriminação faz parte do cotidiano deles. A discriminação parte das pessoas e também da Polícia. Para os jovens, “você é o que tem”.
  25. 25. ANÁLISE  Os eleitores maduros também relatam discriminação. E repetem a frase verbalizada pelos jovens: “Você é o que tem”. Estes eleitores apontam discriminação em lojas, locais públicos. “Chego na loja, as pessoas não me atendem, pois sou pobre”. “Tem lugar que chego, alguns pensam que sou ladrão”. “Nos olham diferente nos shoppings”. “Fui discriminada numa clínica de dermatologia. Pobre não pode ir ao dermatologista?”.  Os eleitores maduros relatam que os vizinhos não o discriminam. Mas ficam curiosos em saber de onde “está vindo o dinheiro da comprar do carro, da moto, da roupa”. “Os vizinhos, e até os parentes, ficam logo desconfiados, pensam que a gente tá fazendo alguma coisa errada”.
  26. 26. ANÁLISE  Constatamos que os eleitores maduros sofrem discriminação e também desconfiança. Discriminação por não terem algo que é exigido em específico ambiente. E sofrem com a desconfiança, pelos seus vizinhos, amigos e parentes, quanto à capacidade financeira de conquistarem bens materiais de maneira lícita.
  27. 27. O ESTADO É O GOVERNO?
  28. 28. ANÁLISE  Os eleitores, maduros ou jovens, não sabem definir o que é Estado. Eles sabem o que é governo. E para eles, o governo tem a obrigação de fazer “por nós, mas não faz”. Eles culpam todos os governos, Federal, Estadual e Municipal. Para eles, os governos “não fazem nada por eles”. Os eleitores maduros mostram revolta intensa com os governos. Os jovens criticam os governos, mas não são tão revoltados.  Os eleitores maduros ao falaram mal dos governos frisam que falta “tudo no Brasil”. Pois os governos só querem para eles. “Mentem”. E “só aparecem no dia da eleição”. Constatamos que existe na mente dos eleitores confusão entre governo e políticos. Neste caso, quem faz os governos são os políticos. E os governos, ou melhor, os políticos, não fazem “nada por nós”. Eles não concebem o governo como uma instituição impessoal e perene.
  29. 29. ANÁLISE  Entre os eleitores maduros está presente forte descrédito para com os governos. Entre os jovens, não encontramos forte descrédito. Mas apatia para com os governos. É como se os governos não existissem, pois eles não reconhecem as ações dos governos.  Os entrevistados consideram que os governos têm responsabilidade em provê segurança pública, saúde e educação. Transporte público é outra obrigação do governo. Esta presente na mente dos eleitores as obrigações dos governos para com eles.
  30. 30. EMPREENDEDORISMO & ESTABILIDADE
  31. 31. ANÁLISE  Os eleitores não sabem, ao serem provocados, opinar sobre o papel do Estado na economia. O que eles repetem sempre é que “os governos não fazem nada”. Insistimos quanto ao papel do Estado na economia. Então, indagamos, se eles desejam ser empreendedores, abrir o próprio negócio. Majoritariamente, os eleitores maduros mostram desejo de abrir o próprio negócio, mas não abrem por “ausência de verba”. Verba é o capital necessário para abrir o “negócio”.  “Tenho vontade de abrir um mercadinho”. “Eu gostaria de vender batata frita”. “Eu já tenho meu negócio, vendo roupa. Queria ampliar”. Durante as assertivas, os eleitores reclamam dos governos, afirmam que estes “roubam o povo e cobram muito imposto”. Por cobrarem muito imposto, é difícil manter “o negócio ou abrir um”.
  32. 32. ANÁLISE  Os entrevistados maduros mostram vontade e desejo de ser empreendedores. Mas falta capital para abrir o “negócio” e o governo cobra “muito imposto”. Entretanto, eles mostram o desejo de ser funcionários públicos. Segundo parte deles, trabalhar para o Estado possibilita que todo o mês, o “certo entre na conta”. Portanto, empreender traz incerteza, é inseguro. Ser funcionário público traz o “certo”. Eles desejam e elogiam a estabilidade do emprego público. Contudo, reconhecem que é “muito difícil passar num concurso público”.  Os jovens não mostram forte disposição para o empreendedorismo. Eles preferem a estabilidade, o “certo”. E onde está a estabilidade e o “certo”? Concurso público. Os jovens mostram o desejo da estabilidade, por consequência, desejo de realizar concurso público. Mas tal desejo não significa que eles são contrários ao empreendedorismo. Eles têm medo do empreender, se sentem inseguros de abrir um negócio, pois o futuro é incerto. O concurso público, ao contrário, traz a certeza, o “seguro”, a estabilidade.
  33. 33. POLÍTICAS PÚBLICAS
  34. 34. ANÁLISE  Os entrevistados mostram desconhecimento sobre políticas públicas. Insistirmos na indagação, e alguns deles respondem que conhecem algumas políticas públicas. Os inquiridos citam: Pacto pela Vida, Mãe Coruja, Chapéu de Palha. Citam com dificuldade. Diante dela, os estimulamos. E citamos o Minha Casa Minha Vida, Prouni, Fies. Todos os entrevistados mostram conhecimento, admiração e aprovação por estes programas.  Após estimularmos os entrevistados, eles citam o Bolsa Família. Alguns aprovam este programa. Outros não, pois segundo eles, “muitos fazem filhos para terem a Bolsa”. E de que existem “muitas pessoas que não precisam do Bolsa Família, mas têm”. Detectamos julgamentos positivos e negativos para com o Bolsa família. Ele não é unanimidade.
  35. 35. O QUE É IDEOLOGIA?
  36. 36. ANÁLISE  Os eleitores, em sua maioria, independente da faixa etária e renda, são claros a dizer que não sabem o que é ideologia ou questionam se ela existe. Para parte majoritária dos entrevistados não existe Esquerda e Direita. É “tudo uma coisa só”. Eles, em sua maioria, mostram desinteresse pela temática ideológica e diz que o que importa é a existência de um governo eficiente, um “governo que faça por nós”. Muitos riem, consideram engraçado o debate sobre ideologia. Eles mostram claramente que o debate sobre ideologia não é importante. O que é importante “é quem faz por nós”.  Aqueles que optaram por definir o que é ser de Esquerda, afirmam que “ser de Esquerda é defender o mais pobre”. Outro afirmou que ser de “Esquerda é ser contra quem está no poder”. Quem definiu ou disse ser de Esquerda, não definiu o que é ser de Direita.
  37. 37. ANÁLISE  Os eleitores mostram desprezo pela discussão ideológica. Entretanto, de modo incipiente, detectamos que existem eleitores maduros que sabem definir qual político está do lado dos pobres e o que está do lado dos ricos. A maioria dos entrevistados não tem interesse na ideologia do governo ou do candidato, mas se “ele faz ou não pelo povo”.
  38. 38. A CLASSE POLÍTICA
  39. 39. ANÁLISE  Os eleitores, jovens e maduros, rejeitam a classe política. Classificam-na como egoísta, ladrona, “só querem para si”, “não faz pelo povo”. Não mostram nenhum apreço aos políticos. E nem respeito. São incapazes de citarem um bom político. Ou um político em que admiram.  Entretanto, parte dos eleitores maduros frisa que “Lula fez pelo povo”. E “alguns vereadores ajudam o povo”. Ajudam como? “Na área de saúde”. Neste instante, alguns eleitores discordam e frisam que os vereadores “só querem comer também”. Os inquiridos são unânimes em reconhecerem os políticos como estorvo para a sociedade, pois “tem muitos benefícios e não fazem nada pelas pessoas”.
  40. 40. ANÁLISE  Os eleitores jovens são silenciosos quanto aos políticos. Não mostram intensa revolta. E nem admiração. Ao contrário dos eleitores maduros: mostram intensa revolta e nenhuma admiração pelos políticos. Para todos os entrevistados os políticos não merecem confiança. O forte descrédito com a classe política é nítido.
  41. 41. ROUBA, MAS FAZ
  42. 42. ANÁLISE  O que é melhor, um político que faz e rouba; ou um político que não faz e nem rouba? Em sua maioria, independente do grupo, respondem que preferem o que faz e rouba. “Pois pior, é o político não fazer nada”. Outros membros dos grupos discordam. Mostram profunda intolerância com a corrupção pública. Vários destes afirmam que político corrupto tem que ir para cadeia.  Os que preferem o político que rouba, revelam carência, pois segundo eles, o governo “não faz nada. Então, quando aparece um que faz, não quero nem saber se rouba”. Portanto, a carência de um governo eficiente para atender as demandas da população possibilita que os eleitores sejam tolerantes com a corrupção pública.
  43. 43. ANÁLISE  Para os entrevistados, a corrupção faz parte da política. Não existe político honesto. “Todos estão no mesmo saco”. Pedimos para falarem de um político honesto, mas não frisam. Alguns entrevistados citam o ex-presidente Lula, como um político que é acusado, mas que fez muito pelo povo. Outros asseveram não confiar mais no ex- presidente. Mais uma vez detectamos tolerância/reflexão com a corrupção, caso o político faça pelo povo, trabalhe.
  44. 44. OPERAÇÃO LAVA JATO
  45. 45. ANÁLISE  Todos os entrevistados apoiam a Operação Lava Jato. Entre os eleitores maduros observamos intensa alegria com a Operação. Eles dizem que adoram assistir o noticiário. Gostam de ver cada denúncia, as prisões. Os jovens aprovam a Lava Jato, mas não são tão entusiastas. Para parte dos eleitores maduros, a referida Operação é uma novela. Onde cada dia, eles assistem um capítulo. Já para os jovens é uma Operação que está combatendo a corrupção.  Os inquiridos associam a Operação Lava Jato ao sentimento de justiça. De que, com a Lava Jato, “político está indo para a cadeia, assim como ricos”. Vem dai a forte satisfação com a Lava Jato e não necessariamente com o combate a corrupção. Reconhecem que a Lava Jato está demorando: “E não acabam mais não?”. E alguns, neste instante, associam a crise econômica a Lava Jato. Isto é: Se ela não parar, o Brasil não volta a crescer.
  46. 46. ANÁLISE  O principal problema do Brasil para os entrevistados é a corrupção. Não falam com indignação, ao contrário, sugerem que a corrupção é corriqueira, diária, faz parte do cotidiano. A ausência de indignação não é porque a corrupção não é problema. E sim, porque é corriqueira. Já estão acostumados. A corrupção é associada à classe política. E não a qualquer indivíduo. Alguns entrevistados associam à corrupção a ineficiência dos governos, como a oferta de saúde e educação.
  47. 47. O FUTURO DO BRASIL
  48. 48. ANÁLISE  Todos os eleitores estão céticos, desconfiados, com o futuro do Brasil. Os jovens revelam pouca esperança, mas acreditam em um futuro melhor. Para eles, é tanta confusão que não sabem quando o Brasil sairá dela. Mas continuarão tentando. Os eleitores maduros reconhecem as crises, “a tanta confusão”, mas tem esperança, pois esta “nunca morre”. Vão continuar “trabalhando, acreditando”.  O pessimismo está presente nos olhares e verbalizações dos participantes da pesquisa. Eles estão descrentes com o futuro. Mostram ignorância quanto a ele, isto é, não sabem o que vai acontecer. Atrelado ao pessimismo está a esperança de que algum dia “as coisas vão melhorar”. Alguns eleitores maduros falam que perderam renda, “venderam carro”. Estão desempregados. Mas que continuam acreditando que o futuro melhor surgirá, pois sempre acreditaram e assim continuarão.
  49. 49. CONCLUSÃO
  50. 50. ANÁLISE  A família é a instituição que os eleitores mais confiam. Eles mostram desprezo às instituições do Estado. Não as citam, mesmo sendo provocados. Tal realidade mostra a falência das instituições estatais para os pesquisados. Esta falência é observada também nas fortes críticas que os eleitores fazem ao governo. Para eles, governos funcionam mal. Não atendem as demandas da população.  Morar no bairro desde a infância ou ter história no bairro cria nos entrevistados sentimento de pertencimento. Este sentimento gera satisfação por morar no bairro. O pertencimento facilita a vida dos moradores. Pois, em razão dele, eles conhecem todo mundo, se sentem à vontade em conviver com as pessoas.  O sentimento de pertencimento também gera, segundo os eleitores jovens, sentimento de diferenças. Os que moram em dado bairro são diferentes dos de outros bairros. A diferença proporciona discriminação. Os jovens não admitem que discriminam moradores de outros bairros. Eles reconhecem a discriminação no outro. A discriminação tem o poder de gerar conflitos entre moradores de bairros diferentes, assim como o tráfico de drogas.
  51. 51. ANÁLISE  Realizar sonhos. Esta frase resume para os entrevistados o que é vencer na vida. Sonhos são realizáveis com dinheiro. Portanto, vencer na vida é realizar sonhos e também ter dinheiro. Os inquiridos valorizam a obtenção, o ganho do dinheiro.  A educação é instrumento de mobilidade social. Estudar significa ampliar as oportunidades. O diploma de nível superior é valorizado, pois através dele é possível conquistar e manter o emprego. Os eleitores maduros mostram tristeza por não ter conquistado o diploma. Os jovens revelam esperança para conquistar o diploma.  Todos desejam consumir. Para eles, o consumo sugere a posição social do indivíduo na sociedade. O sentimento do que você é pelo que tem é expresso pelos inquiridos. Isto significa que eles reconhecem que para serem reconhecidos precisam consumir determinados objetos. Estar com roupas adequadas para dado ambiente. Ter carro, celular. Como eles não possuem condição financeira para obter determinados objetos, sofrem discriminação em dados ambientes. Os entrevistados relatam casos de discriminação. E expressam que sabem que são diferentes em alguns locais. Portanto, a discriminação social, advinda do consumo, expressa conflito de classes.
  52. 52. ANÁLISE  Os eleitores jovens não mostram responsabilidade e seletividade para o consumo. Apenas o desejo de consumir certos bens. Os maduros mostram desejo de consumir certos bens, mas sabem que precisam ter responsabilidade, definir prioridades, pois o dinheiro é escasso.  O Estado é governo. E o governo são os políticos. O governo não atende as demandas da sociedade. Os políticos não estão nem ai para a população. Eles só querem saber deles. Governo e classe política são categorias rejeitadas pelos eleitores.  A impressão negativa dos governos e a existência de demandas que não são solucionadas por eles, fazem com que os eleitores não reconheçam/citem políticas públicas espontaneamente. Após serem estimulados, eles conseguem enumerar políticas públicas que para eles são importantes.  O Bolsa Família é uma política pública elogiada e criticada. Ela não é unanimidade. Parte dos entrevistados entendem que muitos pessoas se aproveitam do Bolsa Família, isto é, obtém vantagens ou têm acesso a ele, sem precisar.
  53. 53. ANÁLISE  Não existe ideologia para os eleitores. Eles não orientam as suas escolhas eleitorais pela ideologia. Os inquiridos não sabem conceituar o que é Esquerda e Direita. A minoria associa Esquerda a cuidar dos pobres ou ser contra algo. A ideologia é substituída pelo desejo de que governos façam alguma coisa por eles. Esta é a ideologia deles. Os eleitores são pragmáticos e não ideológicos.  Os eleitores preferem, mas isto não significa que eles aprovem ou admirem, os políticos/governos que roubam mais faz. Outros mostram indignação com este tipo de políticos. Contudo, o relevante é que parte dos eleitores, diante das demandas que eles têm, as quais os governos não são eficientes para atendê-las, passam a tolerar gestores que roubam mais faz.  A totalidade dos entrevistados reprova a corrupção pública. Eles consideram que a corrupção pública faz parte do cotidiano da política e que todos os políticos estão no mesmo saco. Eles não fazem menção à corrupção realizada por outros indivíduos, mas apenas por políticos.
  54. 54. ANÁLISE  Os políticos não servem para nada. Só desejam extrair vantagens da população. Políticos e governos estão associados. Para os eleitores, ambos não atendem as demandas da sociedade. Eles mostram intensa insatisfação com eles. Mostram indignação e se sentem abandonados.  Os eleitores têm vontade de ser empreendedores. Tal desejo é observado entre os eleitores maduros. Entretanto, eles reconhecem que impostos e ausência de capital para abrir um negócio os impedem de empreender. Concorre ao desejo de ser empreendedor, o desejo da estabilidade, do certo. Jovens e maduros revelam opção pela segurança, estabilidade. Por isto, elogiam o emprego estatal e mostram desejo de conquistarem emprego público.  A insatisfação com a classe política e o reconhecimento da existência da corrupção pública fazem com que, inicialmente, os eleitores aplaudam a Operação Lava Jato. Porém, destacamos que a prisão de empresários e políticos são, hoje, motivos que conduzem a satisfação dos entrevistados para com a referida Operação.
  55. 55. ANÁLISE  Os eleitores estão pessimistas com o futuro do Brasil em razão da crise econômica, da descrença com os políticos e governos. E da “confusão toda” que atinge o Brasil. “Confusão toda” significa para eles crise econômica, corrupção, Lava Jato, perdas do emprego e renda. Eles não sabem quando a “confusão toda” findará. Mas o não saber, não os fazem desesperançosos. Os eleitores têm sentimentos aparentemente contraditórios. Estão pessimistas, mas esperançosos. Pois, segundo eles, a esperança, mesmo em ambiente pessimista, é a última que morre. .

×