Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Acordos Bilaterais das Pescas na UE

Trabalho de Geografia sobre a Política Comum das Pescas elaborado pela Catarina e Diana, alunas do 10ºD do Agrupamento de Escolas de Moimenta da Beira no ano lectivo 2013/2014

Ähnliche Bücher

Kostenlos mit einer 30-tägigen Testversion von Scribd

Alle anzeigen

Ähnliche Hörbücher

Kostenlos mit einer 30-tägigen Testversion von Scribd

Alle anzeigen
  • Als Erste(r) kommentieren

Acordos Bilaterais das Pescas na UE

  1. 1. Acordos Bilaterais Trabalho realizado por: • Catarina nº4 • Diana nº7 União Europeia
  2. 2. A UE, juntamente com países que dela não fazem parte, tem dois tipos de acordos:  Acordos de parceria no domínio da pesca- nos quais a UE dá apoio financeiro e técnico em troca de direitos de pesca para os navios da UE, em geral concluídos com os países parceiros do Sul;  Acordos do Norte - gestão conjunta de unidades populacionais partilhadas com a Noruega, a Islândia e as Ilhas Faroé.
  3. 3. Acordos de parceria no domínio da pesca A comissão negoceia com o país em causa acordos de pesca sustentáveis, por sua vez esse país tem que autorizar os navios da UE a capturar peixes na sua ZEE. Dentro deste acordo englobam-se outros dois: • Os acordos relativos ao atum- que facilitam aos navios da UE seguir as migrações de cardumes de atum ao longo da costa africana e do Oceano Índico. • Os acordos mistos- que facilitam o acesso a uma grande variedade de espécies de peixes na ZEE do país parceiro.
  4. 4. Em compensação, a UE atribui aos países parceiros uma contribuição financeira, repartida em duas partes: • direitos de acesso à ZEE • apoio financeiro  Estes acordos também incentivam a conservação dos recursos e a sustentabilidade ambiental.
  5. 5. Impacto da reforma da política europeia das pescas nos acordos: Parte da reforma da política europeia das pescas visa:  Melhorar o conhecimento científico subentendido aos direitos de pesca;  Oferecer mais informações sobre o valor de pesca global exercido nas noutras águas;  Reforçar o aspecto da boa governação dos acordos e incluir uma condição de protecção dos direitos humanos  Incentivar a pesca sustentável nas águas dos países parceiros definindo melhor os objetivos de apoio sectorial da UE;.
  6. 6. Acordos do Norte As actividades de pesca da UE no Mar do Norte e no nordeste do Atlântico estão profundamente dependentes da Noruega, da Islândia e das Ilhas Faroé. A maior parte das espécies apontadas estendem-se além fronteiras, pelo que deve haver uma coordenação entre os países. Porquê?  As várias frotas nem sempre estão interessadas nas mesmas unidades populacionais.
  7. 7. Consequentemente é feita uma gestão conjunta de muitas das espécies de peixes e recorre-se ao intercâmbio das quotas para evitar desperdícios. Algumas destas espécies são geridas através da Convenção Intergovernamental das Pescas do Atlântico Nordeste, especificamente criada para o efeito, e outras no âmbito de acordos entre os estados costeiros. Trata-se de acordos extremamente importantes para uma parte significativa da frota da UE, destacando-se em especial o acordo com a Noruega.

    Als Erste(r) kommentieren

    Loggen Sie sich ein, um Kommentare anzuzeigen.

  • JooPauloSousa14

    Sep. 30, 2016

Trabalho de Geografia sobre a Política Comum das Pescas elaborado pela Catarina e Diana, alunas do 10ºD do Agrupamento de Escolas de Moimenta da Beira no ano lectivo 2013/2014

Aufrufe

Aufrufe insgesamt

3.584

Auf Slideshare

0

Aus Einbettungen

0

Anzahl der Einbettungen

1.678

Befehle

Downloads

0

Geteilt

0

Kommentare

0

Likes

1

×