Anzeige
Resumo fenicia
Resumo fenicia
Nächste SlideShare
Os feníciosOs fenícios
Wird geladen in ... 3
1 von 2
Anzeige

Más contenido relacionado

Anzeige

Resumo fenicia

  1. COLÉGIO MILITAR DE CAMPO GRANDE DISCIPLINA DE HISTÓRIA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO PROFª VANIA OS FENICIOS 1. País da atualidade: Líbano e parte da Síria. 2. Localização: era uma estreita faixa de terra localizada entre o Mar Mediterrâneo, as montanhas do Líbano, o Monte Carmelo e o Rio Orontes. 3. Origem: a origem dos fenícios ainda é desconhecida. Os documentos originais dos próprios fenícios não deixaram pistas, pois falavam apenas do endereço para o qual haviam mudado, Canaã. 4. História do povo: por volta de 2000 anos a C. conheceram os gregos, quando já haviam mudado para a região onde se desenvolveram, que passaram a chamá-los de Phoinix (vermelho), o que mais tarde passou a ser fenício. Existem duas razões possíveis para que fossem chamados de vermelhos pelos gregos: Ou por possuírem pele bronzeada. Uma homenagem ao produto dos fenícios mais requisitados, a púrpura, substância usada para tingir tecidos extraído do molusco múrex. Essa substância fazia sucesso naquela época porque só existiam roupas com cores entre o preto, o branco e o cinza. Sair de vermelho dava mostra de poder e nobreza. Os fenícios transformaram pequenas aldeias em grandes cidades devido ao comércio fervilhante. O Estado: A Fenícia não era um Estado unificado, era formada por cidades-Estado que tinham seu governo próprio. As cidades fenícias mais importantes eram Biblos, Sídon, Tiro, Ugarit e Cartago (colônia do Norte da África). Elas eram comandadas por um rei. O rei comandava com o apoio dos comerciantes (Talassocracia) e sacerdotes. Era comum as cidades brigarem pela disputa de mercados comerciais, embora nenhuma delas tenha sido suficientemente forte para dominar as outras. 4. Economia: A agricultura e a pecuária eram importantes para a sobrevivência dos fenícios, mas suas principais atividades econômicas se concentravam no comércio marítimo e no artesanato. a. Comércio marítimo: realizam intercâmbio com as cidades gregas, egípcias e as tribos litorâneas da África e Ibéria, no Mediterrâneo. Através do mar Vermelho e de caravanas terrestres, atingiram a Mesopotâmia e a Índia. À medida que colonizavam regiões litorâneas, introduziram a servidão e a vassalagem das tribos, utilizando trabalho escravo. Possuíam uma forte classe de comerciantes ricos e importavam metais, pedras preciosa, perfumes, cavalos, cereais, marfim e escravos e os vendiam do Mar Negro ao Mar Egeu. a. 1. Fatores que transformaram a Fenícia numa potência marítima da Antigüidade: posição geográfica: ficava próxima de civilizações destacadas; o pequeno território de que dispunha para a agricultura; a costa acidentada; e a presença de grande quantidade de madeira, o cedro, na região montanhosa; Esses fatores determinaram, em parte, o rumo tomado pelo seu desenvolvimento histórico – voltado para o mar, sujeito às dominações políticas de grandes potências, sem unificação política e economicamente baseado no comércio e na indústria. a. 2. Embarcações fenícias: possuíam casco arredondado, o que aumentavam o espaço interno e permitia maior volume de carga. Inventaram os trilemos, barcos que possuíam 3 fileiras superpostas de remos, que poderia seguir com velocidade independente da condição dos ventos. Já as embarcações de guerra possuíam um espigão metálico para por a pique os navios inimigos. No entanto, pouco utilizavam da força, esse artifício era mais para afugentar os piratas que tentassem roubá-los.
  2. a. 3.Técnicas de navegação:navegavam utilizando a técnica de orientação pelas estrelas, pelas correntes marinhas e pela direção dos ventos. Seguindo esses indícios seus capitães cobriam vastas distâncias com precisão. Em suas viagens, orientavam-se durante o dia pelo sol e durante a noite pela Ursa Maior. Utilizavam, como já foi dito, a combinação de remos e velas, o que lhes proporcionava maior velocidade. a. 4. Colônias: para estimular o comércio fundaram colônias desde a Sicília até o estreito de Gibraltar, destacando-se Cartago. Adotavam três sistemas para o estabelecimento de bases comerciais: simples entrepostos, associação com outros povos e colônias de dominação. b. Artesanato: a maior parte dos produtos exportados era feito nas oficinas dos próprios artesãos que se dedicavam à: Metalurgia: armas de bronze, ferro e pela produção de um artesanato de luxo -- jóias, estatuetas, caixas de marfim etc. Fabricação de vidro: colar com contas de vidro, vasos, figuras de animais. Tinturas de tecidos de lã: utilizavam a púrpura, tinta vermelha extraída do molusco múrice. 7. Sociedade: desenvolveram uma sociedade mercantil, não estratificada, que permitia a mobilidade social. Possuíam uma renda per capita muito alta para os povos da antigüidade. 8. Cultura: eram ótimos comerciantes e habilidosos artesãos, mas estavam longe de serem originais. Em suas obras, copiavam traços de escritos das pirâmides e da cultura egípcia. E quando foram dominados pelos gregos, adotaram o estilo à grega. Foram influenciados, portanto, por várias culturas e se não ficaram famosos por deixarem sua própria marca registrada, foram importantes por expandir a cultura pelos diversos lugares por onde passaram. a. Religião: Eram politeístas e seus deuses representavam fenômenos da natureza: El dagon representavam os rios e anunciava as chuvas: Baal era o deus das alturas, tempestades e raios: Ayan e Anat, filhos de Baal, representavam as águas subterrâneas e a guerra, respectivamente. Os fenícios tinham deuses comuns, embora com nomes diferentes em cada local; por exemplo, na cidade de Tiro Baal era denominado Melgart. Os fenícios erguiam altares nas partes mais altas de suas cidades para sacrificar pequenos animais e crianças a céu aberto para garantir o fluir das estações em oferenda aos deuses. As mulheres tinham de oferecer a virgindade aos sacerdotes do templo de Ashtart, a deusa da fertilidade. b. O alfabeto: a grande contribuição cultural dos fenícios foi o alfabeto, criado a partir da necessidade comercial de achar um modo prático para facilitasse o registro escrito das compras e vendas. Criaram um sistema de escrita, muito simples e prático, composto por 22letras, todas consoantes e que serviu de base para o alfabeto grego, sendo que os mesmos acrescentaram as vogais. 9. Decadência: A condição de potência econômica, de cujo comércio as demais dependiam, deu à Fenícia uma certa estabilidade que lhe permitiu existir tanto tempo sem possuir fortes exércitos. Sobreviveram à hegemonia egípcia, síria e assíria, e depois também ao domínio persa. Com a chegada de um elemento racialmente estranho a Fenícia finalmente baqueou. Primeiro com a invasão dos gregos de Alexandre Magno e depois, Roma. Com a guerra, interrompeu-se o comércio, e as colônias e entrepostos distantes ficaram abandonados à própria sorte, começaram a ser destruídos pelas populações locais. 10. Legado: Alfabeto: a importância desse alfabeto reside justamente no fato de se constituir na base dos alfabetos grego e, posteriormente, o latino. Outro fato que convém lembrarmos é que não trata-se apenas de um alfabeto, mas de idioma possível de ser aprendido e pronunciado por outros povos. Transmissores de culturas de umas regiões para outras: com o comércio levavam elementos da cultura de uma sociedade para outra, que por via direta, talvez só muito mais tarde tivessem estado em contato. Desenvolvimento de diversas técnicas de navegação: desenvolvidas pelos Fenícios, incluindo-se aí as noções de latitude e longitude (inventadas pelo sábio Marino, de Tiro). Eles foram os primeiros grandes viajantes do mundo, até onde se conhece.
Anzeige