SlideShare ist ein Scribd-Unternehmen logo
1 von 96
Downloaden Sie, um offline zu lesen
O Complexo do Ombro
Cinesiologia
A região do Ombro
• O ombro é um complexo
de:
• 20 músculos
• 3 articulações ósseas
• 3 superfícies móveis de
tecidos moles
(articulações funcionais)
• Tem a maior mobilidade
do corpo (180°)
Áreas móveis do ombro
1. Articulações ósseas
• a. Esternoclavicular
• b. Acromioclavicular
• c. Glenoumeral
2. Articulações funcionais
• a. Escapulotorácica
• b.Supra-umeral (ou
subacromial)
• c.Sulco bicipital
Fixação do Ombro
• A única fixação da extremidade do tronco é
na articulação esternoclavicular.
• O suporte e estabilização do ombro
dependem dos músculos e ligamentos.
Ossos que compõem o ombro
• Esterno (grego esternon,
peito)
• Costelas (latim costa,
costela)
• Clavícula (latim clavícula,
diminutivo de clavus,
chave)
• Escápula (latim scapula,
espádua)
• Úmero (latim umerus,
ombro)
Estruturas palpáveis do ombro
• Esterno – pode ser
palpado no tórax do
processo xifóide ao
manúbio esternal ( grego
syphos, espada, e eidos,
aspecto; latim
manubrium, cabo).
Estruturas palpáveis do ombro
• Clavícula – palpável da articulação
esternoclavicular até a extremidade
acromial
• Convexo medialmente e côncavo
lateralmente
Estruturas palpáveis do ombro
• Escápula – são palpáveis:
• Acrômio
• Espinha da escápula
• Bordo medial
• Bordo lateral
• Ângulo inferior
• Processo coracóide
• Não palpáveis: fossa supra-
espinhosa, fossa infra-
espinhosa, ângulo superior,
cavidade glenoide, tubérculo
supraglenóideo, tubérculo
infraglenóideo e incisura
escapular
Estruturas palpáveis do ombro
• Úmero – pode ser palpado:
• Tubérculo maior, com rotação interna do úmero
• Tubérculo menor, com rotação externa
• Não pode ser palpado o sulco intertubercular
(bicipital), apenas o tendão da porção longa do
bíceps no sulco.
Articulações do ombro
• Articulação Escapulotorácica – são chamadas
articulações falsas ou funcionais.
• É essencial para a mobilidade do ombro
• Fornece base móvel para o úmero, favorece o
comprimento-tensão do deltóide
• Fornece estabilidade glenoumeral para
trabalhos acima da cabeça
• Permite marcha com muletas ou elevações
sentadas para transferências.
Articulação Escapulotorácica
Articulação Esternoclavicular
• É a única que conecta a
extremidade superior ao
tórax.
• A posição do membro se
deve a ação da gravidade e
pela clavícula.
• A clavícula dá 50% de
torque isocinético aos
flexores, abdutores e
adutores do ombro.
Articulação Esternoclavicular
• É do tipo selar/plana, com três graus de
liberdade.
• Os movimentos ocorrem entre clavícula e
o disco, e o disco com o esterno.
• O disco age como uma dobradiça.
• Os ligamentos esternoclaviculares limitam
os moimentos e previnem a luxação.
Eixos e movimentos claviculares
• A elevação da cintura escapular ocorre em
direção para cima e para trás.
• A depressão é para frente e para baixo.
• O movimento é limitado pelos ligamentos
costoclavicular e interclavicular e músculo
subclávio.
• A protração e retração esternoclavicular é de
15°
Rotação Transversa da Clavícula
• A clavícula roda 40°/50 em seu eixo
longitudinal depois que o ombro é
abduzido ou fletido a 90°, essencial para
rotação para cima completa da escápula e
flexão ou abdução do ombro.
• Os ligamentos acromioclaviculares
limitam a separação da clavícula e
escápula.
• Cápsula Articular - Circunda a articulação e varia em
espessura e resistência.
• Disco articular.
• Ligamento Esternoclavicular Anterior - é um amplo feixe
de fibras cobrindo a face anterior da articulação.
• Ligamento Esternoclavicular Posterior - é um análogo
feixe de fibras que recobre a face posterior da
articulação.
• Ligamento Interclavicular - é um feixe achatado que une
as faces superiores das extremidades esternais das
clavículas.
• Ligamento Costoclavicular - é pequeno, achatado e
resistente. Está fixado na parte superior e medial da
cartilagem da primeira costela e face inferior da
clavícula.
Articulação Acromioclavicular
• Liga a escápula a clavícula
• Possui três eixos e três graus de liberdade, refletidos
nos movimentos escapulares: elevação, depressão e
rotação
• Contribui com 20% de rotação durante a elevação do
braço
• Cápsula Articular - Envolve toda a articulação acromio-
clavicular.
• Ligamento Acrômioclavicular - é constituido por fibras
paralelas que estendem-se da extremidade acromial da
clavícula até o acrômio.
• Ligamento Coracoclavicular - une a clavícula ao
processo coracóide da escápula. É formado por dois
ligamentos: ligamento trapezóide e ligamento conóide.
• Ligamento Coracoacromial - é um forte feixe triangular
estendido entre o processo coracóide e o acromio. É um
ligamento importante para estabilização da cabeça do
úmero na cavidade glenóide, pois evita a elevação da
mesma nos movimentos de abdução acima dos 90
graus.
• Ligamento Transverso Superior - é um fino fascículo
achatado inserido no processo coracóide e na incisura
da escápula
Articulação Glenoumeral
• É do tipo esferóide, possui três graus de
liberdade mas pouca estabilidade óssea.
O reforço capsular
• Ligamentos e tendões dão reforço capsular.
• Ligamentos: coracoumeral glenoumerais superior, médio
e inferior, limitam rotação externa e suportam o braço
pendente.
• Os músculos profundos reforçam a cápsula articular
• O tendão da cabeça longa do bíceps braquial tem
grande importância na depressão da cabeça do úmero.
• Cápsula Articular - Envolve toda a
cavidade glenóide e a cabeça do úmero.
• Ligamento Córaco-umeral - é um amplo
feixe que fortalece a parte superior da
cápsula.
• Ligamentos Glenoumerais - são robustos
espessamentos da cápsula articular sobre
a parte ventral da articulação. É
constituído por três ligamentos:
• Ligamento Glenoumeral Superior
• Ligamento Glenoumeral Médio
• Ligamento Glenoumeral Inferior
• Ligamento Transverso do Úmero - é uma
estreita lâmina de fibras curtas e
transversais que unem o tubérculo maior
e o menor, mantendo o tendão longo do
bíceps braquial no sulco intertubercular.
• Lábio (Labrum) Glenoidal - é uma orla
fibrocartilagínea inserida ao redor da
cavidade glenóide. Tem importante
função na estabilização glenoumeral e
quando rompido proporciona uma
instabilidade articular facilitando o
deslocamento anterior ou posterior do
úmero (luxação).
O Manguito Rotador
• Anteriormente: subescapular, considerado
estabilizador passivo para impedir
subluxação anterior do úmero. Limitam a
rotação externa.
Manguito Rotador
• Superiormente – subra-espinhoso.
• Posteriormente – infra-espinhoso e redondo
menor.
• Limitam a rotação interna na primeira metade da
abdução.
• Podem ser lesados por impacto com processos
do acrômio ou coracóide e ligamento conector
coracoacromial.
Movimentos Acessórios
• Permitem 1 a 2cm de movimentos de jogo
articular em:
• Separação medial e lateral da cabeça umeral
• Deslizamentos translatórios anteriores e
posteriores.
• Posição de ajuste máximo é em abdução e
rotação externa
Articulação Supra-umeral ou subacromial
• Também conhecida por desfiladeiro do supra-
espinhoso
• Área propensa a lesão dos tecidos moles por
compressão (manguito rotador-supra-
espinhoso, cabeça longa do bíceps braquial,
cápsula, ligamentos capsulares e bolsas
subdeltóidea e subacromial)
Sulco Bicipital
• O tendão da cabeça longa do bíceps
braquial é retido pelo ligamento umeral
transverso
Movimentos da cintura escapular
• Elevação
• Depressão
• Protração
• Retração
Ritmo Escapuloumeral
• É uma série precisamente coordenada de
movimentos sincronizados durante a
elevação do ombro.
• Após 30° de abdução a cada 15°, 10°
ocorrem na glenoumeral e 5° na
escapulotorácica.
• Os movimentos escapulotorácicas na
elevação do braço são: elevação,
abdução e rotação para cima.
Elevação do Braço
• É relatada em torno de 180°
• De 90° a 110° ocorrem na glenoumeral
• 60° a 70° adicionais ocorrem nas
articulações esternoclavicular e
acromioclavicular
• A amplitude glenoumeral exige rotação
externa do ombro em abdução e rotação
interna para flexão.
Flexão - Extensão
Os três tempos da flexão
1. De 0 a 50º:
O feixe anterior, clevicular do deltóide
O córacobraquial
O feixe superior, clavicular, do peitoral
maior.
2. De 60 a 120º:
Entra em atividade a cintura escapular,
rotação da escápula em 60º (orientação da
cavidade glenóide para o alto e para a
frente) e das articulações restantes em 30º
cada uma.
O trapézio
O serrátil anterior
3. De 120 a 180º:
Se a flexão é unilateral é possível
terminar o movimento em abdução máxima,
depois inclinando lateralmente a coluna
Se a flexão é bilateral, o final do
movimento é igual ao da abdução, com
hiperlordose lombar pela ação dos
músculos lombares.
Adução
A adução
• Os músculos adutores:
Redondo maior
Grande dorsal
Peitoral maior
Rombóides
Abdução
Os três tempos da abdução
1. Primeiro tempo:
•0 a 90º(60)
Deltóide, fibras acromiais
Supraespinhoso
2. Segundo tempo:
•60º (90) a 120º (150)
Trapézio
Serrátil
3. Terceiro tempo:
•120º (150) a 180º
Para se atingir a abdução máxima, necessária
a participação dos rotadores laterais:
Infraespinhoso
Redondo menor
Flexo-extensão horizontal
• Posição de referência:
Ms. em abdução de 90º, acionando:
1.Deltóide, feixe acromial
2.Supraespinhoso
3.Trapézio fibras superiores e inferior
4.Serrátil anterior
Flexão horizontal
• A execução do movimento combina a
flexão e a adução de 140º de amplitude
com os seguintes mm.:
1.Deltóide, fibras anteriores
2.Subescapular
3.Peitoral maior
4.Serrátil anterior
Extensão horizontal
• A execução do movimento combina
extensão e adução de 30 – 40º, com os
mm.:
• Deltóide posteriores
• Supraespinhoso
• Infraespinhoso
• Redondo menor e maior
• Rombóide
• Trapézio, fibras médias e
• Grande dorsal
• A amplitude global desse movimento de
flexão – extensão horizontal chega a
aproximadamente 180º.
• Da posição extrema anterior à extrema
posterior vê-se entrar em ação,
sucessivamente todas as fibras do
deltóide, que é o principal músculo desse
movimento.
Rotação
medial e
lateral
Rotação medial
• Grande dorsal;
• Redondo maior;
• Subescapular;
• Peitoral maior;
• 30º
Rotação lateral
• Supra - espinhal
• Infra – espinhal;
• Redondo menor;
• 80º
Circundução
A circundução
combina os
movimentos
elementares ao
redor de três eixos.
O braço desenha
um cone irregular.
Esse cone delimita
um setor esférico de
acessibilidade, no
interior do qual a
pessoa pode pegar
objetos sem
deslocamento do
trondo
Músculos da Região do ombro
• Músculos do tronco à cintura escapular:
• Serrátil Anterior (denteado anterior)
• Ações anatômicas: abdução e rotação
para cima da escápula.
• Quando paralisado observa-se escapula
alada.
Trapézio
• Chamado músculo ‘xale’
• Ações: efetua elevação e rotação para
cima da escápula, extensão, flexão lateral
e rotação contralateral do pescoço,
rotação para cima e abdução escápula.
Rombóides Maior e Menor
• Conectam a escápula com a coluna
vertebral.
• Ações: rotação para baixo, adução e
elevação da escápula.
Peitoral Menor
• Origem: da 2ª a 5ª costelas
• Inserção: processo coracóide da escápula
• Ações: depressão e inclinação ventral da
escápula bem como elevação das
costelas 2 a 5.
Elevador da Escápula
• Origem: processos transversos das vértebras
cervicais superiores
• Inserção: bordo medial da escápula, acima da
espinha
• Ação: elevação e rotação para baixo da
escápula, flexão lateral e rotação ipsilateral da
coluna cervical
Músculos da Cintura Escapular ao úmero
• Deltóide
• Supra-espinhoso
• Infra-espinhoso e
redondo menor
• Subescapular
• Redondo maior
• Coracobraquial
• Bíceps do Braço e
Tríceps do Braço
Deltóide
• Compreende 40% da massa dos músculos
escapuloumerais
• Ações: abdução da articulação glenoumeral.
• Anterior – efetua flexão e adução horizontal
• Posterior – efetua extensão e abdução
horizontal
Supra-espinhoso
• É ocultado pelo trapézio e deltóide.
• Ações: abdução da articulação
glenonoumeral. Contribui com 50% do
torque isocinético.
Infra-espinhoso e Redondo Menor
• São músculos estreitamente relacionados
em localização e ação.
• Ações: rotação externa e abdução
horizontal da articulação glenoumeral
Subescapular
• Ações: rotação interna do ombro. Pode também
flexionar, estender, aduzir ou abduzir o ombro
dependendo da posição do braço.
Redondo Maior
• Tem como ação a rotação lateral, adução
e extensão da articulação glenoumeral.
• O redondo maior atua na maioria das
atividades de tração quando o ombro é
estendido ou aduzido contra resistência.
Coracobraquial
• Origem-processo coracóide
• Inserção-superfície medial do úmero.
• Ação-motor primário da flexão e adução
horizontal do ombro.
Bíceps Braquial
• Não pertence ao grupo
escapuloumeral, porque
a inserção não é no
úmero, assim como o
tríceps braquial.
• É um flexor umeral e
pode elevar o braço sem
o deltóide e o supra-
espinhoso, mas sem
força.
Tríceps Braquial
• Atua como extensor
e adutor do úmero
devido a cabeça
longa que se insere
na escápula.
Músculos do Tronco ao úmero
• Grande Dorsal
• Peitoral Maior
Grande Dorsal
• É o músculo mais largo do dorso
• Ação – rotação interna, extensão e
adução do úmero, depressão escapular e
elevação da pelve.
Peitoral Maior
• Ação: adução e rotação interna do úmero.
A cabeça clavicular efetua flexão do
úmero.
Suporte e Estabilização Dinâmica do ombro
• Os movimentos nas articulações
estenoclavicular e acromioclavicular são
limitados por ligamentos e configuração
óssea.
• Já a glenoumeral e escapulotorácica
possuem pouca estabilidade ligamentar.
• A cabeça do úmero é mantida na fossa
glenóide pelos ligamentos horizontais
coracoumeral e glenoumeral superior e
pela pressão negativa intracapsular.
Estabilização do Manguito Rotador
• Durante o carregamento de carga é o
manguito rotador que atua para manter a
cabeça do umeral apertadamente de
encontro a glenóide o que previne a
subluxação.
Ações Musculares Sinérgicas
• A maioria dos músculos do ombro
contraem-se durante qualquer movimento
do braço.
• No ombro ocorre um conjunto de forças
que são duas forças aplicadas opostas
em um eixo para produção de rotação do
corpo.
• Exemplo: O trapézio e Serrátil anterior
combinam forças para produzir abdução e
rotação para cima da escápula.
Forças e Torques Musculares
• As medições de torque isométrico máximo
no ombro demonstraram que a força
máxima ocorre quando os músculos
contraem na posição alongada e que o
torque diminui à medida que os músculos
encurtam.
• Pequenas alterações nos comprimentos
dos braços de alavanca podem exercer
grandes efeitos sobre a força e função
dos movimentos do ombro.
Complexo do ombro   2013 - 2
Complexo do ombro   2013 - 2
Complexo do ombro   2013 - 2

Weitere ähnliche Inhalte

Was ist angesagt?

Escoliose e método klapp.
Escoliose e método klapp.Escoliose e método klapp.
Escoliose e método klapp.Paulo Bueno
 
Slides dos Curso de Avaliação em Fisioterapia
Slides dos Curso de Avaliação em FisioterapiaSlides dos Curso de Avaliação em Fisioterapia
Slides dos Curso de Avaliação em Fisioterapiaphpalacio
 
Princípios físicos da água
Princípios físicos da águaPrincípios físicos da água
Princípios físicos da águaFUAD HAZIME
 
Origem, inserção e ação dos músculos
Origem, inserção e ação dos músculosOrigem, inserção e ação dos músculos
Origem, inserção e ação dos músculosMarcelo Cordeiro Souza
 
Aula 05 sistema muscular esquelético
Aula 05   sistema muscular esqueléticoAula 05   sistema muscular esquelético
Aula 05 sistema muscular esqueléticoHamilton Nobrega
 
Anatomia do membro superior
Anatomia do membro superiorAnatomia do membro superior
Anatomia do membro superiorCaio Maximino
 
15 -amplitude_de_movimento
15  -amplitude_de_movimento15  -amplitude_de_movimento
15 -amplitude_de_movimentoJohnny Martins
 
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkraisWilliams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkraisThalita Tassiani
 
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em FisioterapiaTestes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em FisioterapiaFisioterapeuta
 
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David SadigurskyAula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David SadigurskyDavid Sadigursky
 
Cotovelo e antebraço
Cotovelo e antebraçoCotovelo e antebraço
Cotovelo e antebraçoparaiba1974
 
Atlas prático de miologia
Atlas prático de miologiaAtlas prático de miologia
Atlas prático de miologiaDanyllo Lucas
 
Apostila cinesiologia e biomecânica
Apostila cinesiologia e biomecânicaApostila cinesiologia e biomecânica
Apostila cinesiologia e biomecânicaMarcus Prof
 

Was ist angesagt? (20)

Escoliose e método klapp.
Escoliose e método klapp.Escoliose e método klapp.
Escoliose e método klapp.
 
Slides dos Curso de Avaliação em Fisioterapia
Slides dos Curso de Avaliação em FisioterapiaSlides dos Curso de Avaliação em Fisioterapia
Slides dos Curso de Avaliação em Fisioterapia
 
Joelho
JoelhoJoelho
Joelho
 
Princípios físicos da água
Princípios físicos da águaPrincípios físicos da água
Princípios físicos da água
 
Modulo 06
Modulo 06Modulo 06
Modulo 06
 
Origem, inserção e ação dos músculos
Origem, inserção e ação dos músculosOrigem, inserção e ação dos músculos
Origem, inserção e ação dos músculos
 
Manual de goniometria
Manual de goniometriaManual de goniometria
Manual de goniometria
 
Aula 05 sistema muscular esquelético
Aula 05   sistema muscular esqueléticoAula 05   sistema muscular esquelético
Aula 05 sistema muscular esquelético
 
Anatomia do membro superior
Anatomia do membro superiorAnatomia do membro superior
Anatomia do membro superior
 
15 -amplitude_de_movimento
15  -amplitude_de_movimento15  -amplitude_de_movimento
15 -amplitude_de_movimento
 
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkraisWilliams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
 
Marcha
MarchaMarcha
Marcha
 
Reflexos
ReflexosReflexos
Reflexos
 
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em FisioterapiaTestes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
 
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David SadigurskyAula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
 
Postura
PosturaPostura
Postura
 
Cotovelo e antebraço
Cotovelo e antebraçoCotovelo e antebraço
Cotovelo e antebraço
 
Atlas prático de miologia
Atlas prático de miologiaAtlas prático de miologia
Atlas prático de miologia
 
Apostila cinesiologia e biomecânica
Apostila cinesiologia e biomecânicaApostila cinesiologia e biomecânica
Apostila cinesiologia e biomecânica
 
Anatomia Coluna Vertebral
Anatomia Coluna VertebralAnatomia Coluna Vertebral
Anatomia Coluna Vertebral
 

Ähnlich wie Complexo do ombro 2013 - 2

Aula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdf
Aula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdfAula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdf
Aula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdfssuser7da808
 
Cinesiologia e biomecânica do Ombro
Cinesiologia e biomecânica do OmbroCinesiologia e biomecânica do Ombro
Cinesiologia e biomecânica do OmbroJoão Luiz Pandolphi
 
ANATOMIA E CINESIOLOGIA DO OMBRO.pptx
ANATOMIA E CINESIOLOGIA DO OMBRO.pptxANATOMIA E CINESIOLOGIA DO OMBRO.pptx
ANATOMIA E CINESIOLOGIA DO OMBRO.pptxSergioTeixeiradeSouz
 
Aula ombro [modo de compatibilidade]
Aula ombro [modo de compatibilidade]Aula ombro [modo de compatibilidade]
Aula ombro [modo de compatibilidade]Natha Fisioterapia
 
01 monitoria da cintura escapular
01   monitoria da cintura escapular01   monitoria da cintura escapular
01 monitoria da cintura escapularRafael Rezende
 
2014827 111116 lesao+ligamentar+joelho
2014827 111116 lesao+ligamentar+joelho2014827 111116 lesao+ligamentar+joelho
2014827 111116 lesao+ligamentar+joelhoIsabel Amarante
 
Articulação - Joelho e Ombro (Básico)
Articulação -  Joelho e Ombro (Básico)Articulação -  Joelho e Ombro (Básico)
Articulação - Joelho e Ombro (Básico)Gustavo Oliveira
 
Apostila cinesiologia do ombro
Apostila   cinesiologia do ombroApostila   cinesiologia do ombro
Apostila cinesiologia do ombroLeonardo Santos
 
Artrologia nova.ppt
Artrologia nova.pptArtrologia nova.ppt
Artrologia nova.pptMedUema19
 
Musculatura membro superior e inferior
Musculatura membro superior e inferiorMusculatura membro superior e inferior
Musculatura membro superior e inferiorIvy Nora
 
sistemamuscular[2696].pdfsistemamuscular[2696].pdf
sistemamuscular[2696].pdfsistemamuscular[2696].pdfsistemamuscular[2696].pdfsistemamuscular[2696].pdf
sistemamuscular[2696].pdfsistemamuscular[2696].pdfAyrttonAnacleto3
 
140387356 esternocleidomastoideo
140387356 esternocleidomastoideo140387356 esternocleidomastoideo
140387356 esternocleidomastoideoMíriam Ferreira
 
Sebenta de miologia jvm 2011
Sebenta de miologia jvm 2011Sebenta de miologia jvm 2011
Sebenta de miologia jvm 2011sandrinaj
 
Ombro hemiplégico
Ombro hemiplégicoOmbro hemiplégico
Ombro hemiplégicoRenan Nalin
 

Ähnlich wie Complexo do ombro 2013 - 2 (20)

Aula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdf
Aula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdfAula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdf
Aula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdf
 
Cinesiologia e biomecânica do Ombro
Cinesiologia e biomecânica do OmbroCinesiologia e biomecânica do Ombro
Cinesiologia e biomecânica do Ombro
 
ANATOMIA E CINESIOLOGIA DO OMBRO.pptx
ANATOMIA E CINESIOLOGIA DO OMBRO.pptxANATOMIA E CINESIOLOGIA DO OMBRO.pptx
ANATOMIA E CINESIOLOGIA DO OMBRO.pptx
 
Aula ombro [modo de compatibilidade]
Aula ombro [modo de compatibilidade]Aula ombro [modo de compatibilidade]
Aula ombro [modo de compatibilidade]
 
01 monitoria da cintura escapular
01   monitoria da cintura escapular01   monitoria da cintura escapular
01 monitoria da cintura escapular
 
2014827 111116 lesao+ligamentar+joelho
2014827 111116 lesao+ligamentar+joelho2014827 111116 lesao+ligamentar+joelho
2014827 111116 lesao+ligamentar+joelho
 
Articulação - Joelho e Ombro (Básico)
Articulação -  Joelho e Ombro (Básico)Articulação -  Joelho e Ombro (Básico)
Articulação - Joelho e Ombro (Básico)
 
Apostila cinesiologia do ombro
Apostila   cinesiologia do ombroApostila   cinesiologia do ombro
Apostila cinesiologia do ombro
 
Ultrassom do ombro
Ultrassom do ombroUltrassom do ombro
Ultrassom do ombro
 
Ombro
OmbroOmbro
Ombro
 
Lesao manguito e impacto
Lesao manguito e impactoLesao manguito e impacto
Lesao manguito e impacto
 
Artrologia nova.ppt
Artrologia nova.pptArtrologia nova.ppt
Artrologia nova.ppt
 
A coluna cervical
A coluna cervicalA coluna cervical
A coluna cervical
 
Musculatura membro superior e inferior
Musculatura membro superior e inferiorMusculatura membro superior e inferior
Musculatura membro superior e inferior
 
sistemamuscular[2696].pdfsistemamuscular[2696].pdf
sistemamuscular[2696].pdfsistemamuscular[2696].pdfsistemamuscular[2696].pdfsistemamuscular[2696].pdf
sistemamuscular[2696].pdfsistemamuscular[2696].pdf
 
140387356 esternocleidomastoideo
140387356 esternocleidomastoideo140387356 esternocleidomastoideo
140387356 esternocleidomastoideo
 
FRONTAL
FRONTALFRONTAL
FRONTAL
 
RPG nas Escolioses
RPG nas Escolioses RPG nas Escolioses
RPG nas Escolioses
 
Sebenta de miologia jvm 2011
Sebenta de miologia jvm 2011Sebenta de miologia jvm 2011
Sebenta de miologia jvm 2011
 
Ombro hemiplégico
Ombro hemiplégicoOmbro hemiplégico
Ombro hemiplégico
 

Mehr von paraiba1974

Aula cinesio coluna 2013
Aula cinesio coluna 2013Aula cinesio coluna 2013
Aula cinesio coluna 2013paraiba1974
 
antropologia filosofica a origem do homem
 antropologia filosofica  a origem do homem antropologia filosofica  a origem do homem
antropologia filosofica a origem do homemparaiba1974
 
Historia do basquete
Historia do basqueteHistoria do basquete
Historia do basqueteparaiba1974
 
13 legislacao estruturante do sus
13   legislacao estruturante do sus13   legislacao estruturante do sus
13 legislacao estruturante do susparaiba1974
 
4 assistencia de media e alta complexidade
4   assistencia de media e alta complexidade4   assistencia de media e alta complexidade
4 assistencia de media e alta complexidadeparaiba1974
 
3 atencao primaria e promocao da saude
3   atencao primaria e promocao da saude3   atencao primaria e promocao da saude
3 atencao primaria e promocao da saudeparaiba1974
 
1 sistema unico de saude
1   sistema unico de saude1   sistema unico de saude
1 sistema unico de saudeparaiba1974
 

Mehr von paraiba1974 (7)

Aula cinesio coluna 2013
Aula cinesio coluna 2013Aula cinesio coluna 2013
Aula cinesio coluna 2013
 
antropologia filosofica a origem do homem
 antropologia filosofica  a origem do homem antropologia filosofica  a origem do homem
antropologia filosofica a origem do homem
 
Historia do basquete
Historia do basqueteHistoria do basquete
Historia do basquete
 
13 legislacao estruturante do sus
13   legislacao estruturante do sus13   legislacao estruturante do sus
13 legislacao estruturante do sus
 
4 assistencia de media e alta complexidade
4   assistencia de media e alta complexidade4   assistencia de media e alta complexidade
4 assistencia de media e alta complexidade
 
3 atencao primaria e promocao da saude
3   atencao primaria e promocao da saude3   atencao primaria e promocao da saude
3 atencao primaria e promocao da saude
 
1 sistema unico de saude
1   sistema unico de saude1   sistema unico de saude
1 sistema unico de saude
 

Complexo do ombro 2013 - 2

  • 1. O Complexo do Ombro Cinesiologia
  • 2. A região do Ombro • O ombro é um complexo de: • 20 músculos • 3 articulações ósseas • 3 superfícies móveis de tecidos moles (articulações funcionais) • Tem a maior mobilidade do corpo (180°)
  • 3. Áreas móveis do ombro 1. Articulações ósseas • a. Esternoclavicular • b. Acromioclavicular • c. Glenoumeral 2. Articulações funcionais • a. Escapulotorácica • b.Supra-umeral (ou subacromial) • c.Sulco bicipital
  • 4. Fixação do Ombro • A única fixação da extremidade do tronco é na articulação esternoclavicular. • O suporte e estabilização do ombro dependem dos músculos e ligamentos.
  • 5. Ossos que compõem o ombro • Esterno (grego esternon, peito) • Costelas (latim costa, costela) • Clavícula (latim clavícula, diminutivo de clavus, chave) • Escápula (latim scapula, espádua) • Úmero (latim umerus, ombro)
  • 6. Estruturas palpáveis do ombro • Esterno – pode ser palpado no tórax do processo xifóide ao manúbio esternal ( grego syphos, espada, e eidos, aspecto; latim manubrium, cabo).
  • 7. Estruturas palpáveis do ombro • Clavícula – palpável da articulação esternoclavicular até a extremidade acromial • Convexo medialmente e côncavo lateralmente
  • 8. Estruturas palpáveis do ombro • Escápula – são palpáveis: • Acrômio • Espinha da escápula • Bordo medial • Bordo lateral • Ângulo inferior • Processo coracóide • Não palpáveis: fossa supra- espinhosa, fossa infra- espinhosa, ângulo superior, cavidade glenoide, tubérculo supraglenóideo, tubérculo infraglenóideo e incisura escapular
  • 9. Estruturas palpáveis do ombro • Úmero – pode ser palpado: • Tubérculo maior, com rotação interna do úmero • Tubérculo menor, com rotação externa • Não pode ser palpado o sulco intertubercular (bicipital), apenas o tendão da porção longa do bíceps no sulco.
  • 10. Articulações do ombro • Articulação Escapulotorácica – são chamadas articulações falsas ou funcionais. • É essencial para a mobilidade do ombro • Fornece base móvel para o úmero, favorece o comprimento-tensão do deltóide • Fornece estabilidade glenoumeral para trabalhos acima da cabeça • Permite marcha com muletas ou elevações sentadas para transferências.
  • 12. Articulação Esternoclavicular • É a única que conecta a extremidade superior ao tórax. • A posição do membro se deve a ação da gravidade e pela clavícula. • A clavícula dá 50% de torque isocinético aos flexores, abdutores e adutores do ombro.
  • 13.
  • 14. Articulação Esternoclavicular • É do tipo selar/plana, com três graus de liberdade. • Os movimentos ocorrem entre clavícula e o disco, e o disco com o esterno. • O disco age como uma dobradiça. • Os ligamentos esternoclaviculares limitam os moimentos e previnem a luxação.
  • 15. Eixos e movimentos claviculares • A elevação da cintura escapular ocorre em direção para cima e para trás. • A depressão é para frente e para baixo. • O movimento é limitado pelos ligamentos costoclavicular e interclavicular e músculo subclávio. • A protração e retração esternoclavicular é de 15°
  • 16. Rotação Transversa da Clavícula • A clavícula roda 40°/50 em seu eixo longitudinal depois que o ombro é abduzido ou fletido a 90°, essencial para rotação para cima completa da escápula e flexão ou abdução do ombro. • Os ligamentos acromioclaviculares limitam a separação da clavícula e escápula.
  • 17. • Cápsula Articular - Circunda a articulação e varia em espessura e resistência. • Disco articular. • Ligamento Esternoclavicular Anterior - é um amplo feixe de fibras cobrindo a face anterior da articulação. • Ligamento Esternoclavicular Posterior - é um análogo feixe de fibras que recobre a face posterior da articulação. • Ligamento Interclavicular - é um feixe achatado que une as faces superiores das extremidades esternais das clavículas. • Ligamento Costoclavicular - é pequeno, achatado e resistente. Está fixado na parte superior e medial da cartilagem da primeira costela e face inferior da clavícula.
  • 18. Articulação Acromioclavicular • Liga a escápula a clavícula • Possui três eixos e três graus de liberdade, refletidos nos movimentos escapulares: elevação, depressão e rotação • Contribui com 20% de rotação durante a elevação do braço
  • 19.
  • 20.
  • 21. • Cápsula Articular - Envolve toda a articulação acromio- clavicular. • Ligamento Acrômioclavicular - é constituido por fibras paralelas que estendem-se da extremidade acromial da clavícula até o acrômio. • Ligamento Coracoclavicular - une a clavícula ao processo coracóide da escápula. É formado por dois ligamentos: ligamento trapezóide e ligamento conóide. • Ligamento Coracoacromial - é um forte feixe triangular estendido entre o processo coracóide e o acromio. É um ligamento importante para estabilização da cabeça do úmero na cavidade glenóide, pois evita a elevação da mesma nos movimentos de abdução acima dos 90 graus. • Ligamento Transverso Superior - é um fino fascículo achatado inserido no processo coracóide e na incisura da escápula
  • 22. Articulação Glenoumeral • É do tipo esferóide, possui três graus de liberdade mas pouca estabilidade óssea.
  • 23. O reforço capsular • Ligamentos e tendões dão reforço capsular. • Ligamentos: coracoumeral glenoumerais superior, médio e inferior, limitam rotação externa e suportam o braço pendente. • Os músculos profundos reforçam a cápsula articular • O tendão da cabeça longa do bíceps braquial tem grande importância na depressão da cabeça do úmero.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27. • Cápsula Articular - Envolve toda a cavidade glenóide e a cabeça do úmero. • Ligamento Córaco-umeral - é um amplo feixe que fortalece a parte superior da cápsula. • Ligamentos Glenoumerais - são robustos espessamentos da cápsula articular sobre a parte ventral da articulação. É constituído por três ligamentos: • Ligamento Glenoumeral Superior • Ligamento Glenoumeral Médio • Ligamento Glenoumeral Inferior
  • 28. • Ligamento Transverso do Úmero - é uma estreita lâmina de fibras curtas e transversais que unem o tubérculo maior e o menor, mantendo o tendão longo do bíceps braquial no sulco intertubercular. • Lábio (Labrum) Glenoidal - é uma orla fibrocartilagínea inserida ao redor da cavidade glenóide. Tem importante função na estabilização glenoumeral e quando rompido proporciona uma instabilidade articular facilitando o deslocamento anterior ou posterior do úmero (luxação).
  • 29. O Manguito Rotador • Anteriormente: subescapular, considerado estabilizador passivo para impedir subluxação anterior do úmero. Limitam a rotação externa.
  • 30. Manguito Rotador • Superiormente – subra-espinhoso. • Posteriormente – infra-espinhoso e redondo menor. • Limitam a rotação interna na primeira metade da abdução. • Podem ser lesados por impacto com processos do acrômio ou coracóide e ligamento conector coracoacromial.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34.
  • 35. Movimentos Acessórios • Permitem 1 a 2cm de movimentos de jogo articular em: • Separação medial e lateral da cabeça umeral • Deslizamentos translatórios anteriores e posteriores. • Posição de ajuste máximo é em abdução e rotação externa
  • 36. Articulação Supra-umeral ou subacromial • Também conhecida por desfiladeiro do supra- espinhoso • Área propensa a lesão dos tecidos moles por compressão (manguito rotador-supra- espinhoso, cabeça longa do bíceps braquial, cápsula, ligamentos capsulares e bolsas subdeltóidea e subacromial)
  • 37. Sulco Bicipital • O tendão da cabeça longa do bíceps braquial é retido pelo ligamento umeral transverso
  • 38. Movimentos da cintura escapular • Elevação • Depressão • Protração • Retração
  • 39. Ritmo Escapuloumeral • É uma série precisamente coordenada de movimentos sincronizados durante a elevação do ombro. • Após 30° de abdução a cada 15°, 10° ocorrem na glenoumeral e 5° na escapulotorácica. • Os movimentos escapulotorácicas na elevação do braço são: elevação, abdução e rotação para cima.
  • 40. Elevação do Braço • É relatada em torno de 180° • De 90° a 110° ocorrem na glenoumeral • 60° a 70° adicionais ocorrem nas articulações esternoclavicular e acromioclavicular • A amplitude glenoumeral exige rotação externa do ombro em abdução e rotação interna para flexão.
  • 42. Os três tempos da flexão 1. De 0 a 50º: O feixe anterior, clevicular do deltóide O córacobraquial O feixe superior, clavicular, do peitoral maior.
  • 43. 2. De 60 a 120º: Entra em atividade a cintura escapular, rotação da escápula em 60º (orientação da cavidade glenóide para o alto e para a frente) e das articulações restantes em 30º cada uma. O trapézio O serrátil anterior
  • 44. 3. De 120 a 180º: Se a flexão é unilateral é possível terminar o movimento em abdução máxima, depois inclinando lateralmente a coluna Se a flexão é bilateral, o final do movimento é igual ao da abdução, com hiperlordose lombar pela ação dos músculos lombares.
  • 46. A adução • Os músculos adutores: Redondo maior Grande dorsal Peitoral maior Rombóides
  • 48. Os três tempos da abdução 1. Primeiro tempo: •0 a 90º(60) Deltóide, fibras acromiais Supraespinhoso
  • 49. 2. Segundo tempo: •60º (90) a 120º (150) Trapézio Serrátil
  • 50. 3. Terceiro tempo: •120º (150) a 180º Para se atingir a abdução máxima, necessária a participação dos rotadores laterais: Infraespinhoso Redondo menor
  • 51. Flexo-extensão horizontal • Posição de referência: Ms. em abdução de 90º, acionando: 1.Deltóide, feixe acromial 2.Supraespinhoso 3.Trapézio fibras superiores e inferior 4.Serrátil anterior
  • 52. Flexão horizontal • A execução do movimento combina a flexão e a adução de 140º de amplitude com os seguintes mm.: 1.Deltóide, fibras anteriores 2.Subescapular 3.Peitoral maior 4.Serrátil anterior
  • 53.
  • 54. Extensão horizontal • A execução do movimento combina extensão e adução de 30 – 40º, com os mm.: • Deltóide posteriores • Supraespinhoso • Infraespinhoso • Redondo menor e maior • Rombóide • Trapézio, fibras médias e • Grande dorsal
  • 55.
  • 56. • A amplitude global desse movimento de flexão – extensão horizontal chega a aproximadamente 180º. • Da posição extrema anterior à extrema posterior vê-se entrar em ação, sucessivamente todas as fibras do deltóide, que é o principal músculo desse movimento.
  • 58. Rotação medial • Grande dorsal; • Redondo maior; • Subescapular; • Peitoral maior; • 30º
  • 59.
  • 60. Rotação lateral • Supra - espinhal • Infra – espinhal; • Redondo menor; • 80º
  • 61.
  • 62. Circundução A circundução combina os movimentos elementares ao redor de três eixos. O braço desenha um cone irregular. Esse cone delimita um setor esférico de acessibilidade, no interior do qual a pessoa pode pegar objetos sem deslocamento do trondo
  • 63. Músculos da Região do ombro • Músculos do tronco à cintura escapular: • Serrátil Anterior (denteado anterior) • Ações anatômicas: abdução e rotação para cima da escápula. • Quando paralisado observa-se escapula alada.
  • 64.
  • 65. Trapézio • Chamado músculo ‘xale’ • Ações: efetua elevação e rotação para cima da escápula, extensão, flexão lateral e rotação contralateral do pescoço, rotação para cima e abdução escápula.
  • 66.
  • 67. Rombóides Maior e Menor • Conectam a escápula com a coluna vertebral. • Ações: rotação para baixo, adução e elevação da escápula.
  • 68.
  • 69. Peitoral Menor • Origem: da 2ª a 5ª costelas • Inserção: processo coracóide da escápula • Ações: depressão e inclinação ventral da escápula bem como elevação das costelas 2 a 5.
  • 70.
  • 71. Elevador da Escápula • Origem: processos transversos das vértebras cervicais superiores • Inserção: bordo medial da escápula, acima da espinha • Ação: elevação e rotação para baixo da escápula, flexão lateral e rotação ipsilateral da coluna cervical
  • 72.
  • 73. Músculos da Cintura Escapular ao úmero • Deltóide • Supra-espinhoso • Infra-espinhoso e redondo menor • Subescapular • Redondo maior • Coracobraquial • Bíceps do Braço e Tríceps do Braço
  • 74. Deltóide • Compreende 40% da massa dos músculos escapuloumerais • Ações: abdução da articulação glenoumeral. • Anterior – efetua flexão e adução horizontal • Posterior – efetua extensão e abdução horizontal
  • 75.
  • 76. Supra-espinhoso • É ocultado pelo trapézio e deltóide. • Ações: abdução da articulação glenonoumeral. Contribui com 50% do torque isocinético.
  • 77.
  • 78. Infra-espinhoso e Redondo Menor • São músculos estreitamente relacionados em localização e ação. • Ações: rotação externa e abdução horizontal da articulação glenoumeral
  • 79.
  • 80. Subescapular • Ações: rotação interna do ombro. Pode também flexionar, estender, aduzir ou abduzir o ombro dependendo da posição do braço.
  • 81.
  • 82. Redondo Maior • Tem como ação a rotação lateral, adução e extensão da articulação glenoumeral. • O redondo maior atua na maioria das atividades de tração quando o ombro é estendido ou aduzido contra resistência.
  • 83.
  • 84. Coracobraquial • Origem-processo coracóide • Inserção-superfície medial do úmero. • Ação-motor primário da flexão e adução horizontal do ombro.
  • 85. Bíceps Braquial • Não pertence ao grupo escapuloumeral, porque a inserção não é no úmero, assim como o tríceps braquial. • É um flexor umeral e pode elevar o braço sem o deltóide e o supra- espinhoso, mas sem força.
  • 86. Tríceps Braquial • Atua como extensor e adutor do úmero devido a cabeça longa que se insere na escápula.
  • 87. Músculos do Tronco ao úmero • Grande Dorsal • Peitoral Maior
  • 88. Grande Dorsal • É o músculo mais largo do dorso • Ação – rotação interna, extensão e adução do úmero, depressão escapular e elevação da pelve.
  • 89. Peitoral Maior • Ação: adução e rotação interna do úmero. A cabeça clavicular efetua flexão do úmero.
  • 90. Suporte e Estabilização Dinâmica do ombro • Os movimentos nas articulações estenoclavicular e acromioclavicular são limitados por ligamentos e configuração óssea. • Já a glenoumeral e escapulotorácica possuem pouca estabilidade ligamentar. • A cabeça do úmero é mantida na fossa glenóide pelos ligamentos horizontais coracoumeral e glenoumeral superior e pela pressão negativa intracapsular.
  • 91. Estabilização do Manguito Rotador • Durante o carregamento de carga é o manguito rotador que atua para manter a cabeça do umeral apertadamente de encontro a glenóide o que previne a subluxação.
  • 92. Ações Musculares Sinérgicas • A maioria dos músculos do ombro contraem-se durante qualquer movimento do braço. • No ombro ocorre um conjunto de forças que são duas forças aplicadas opostas em um eixo para produção de rotação do corpo. • Exemplo: O trapézio e Serrátil anterior combinam forças para produzir abdução e rotação para cima da escápula.
  • 93. Forças e Torques Musculares • As medições de torque isométrico máximo no ombro demonstraram que a força máxima ocorre quando os músculos contraem na posição alongada e que o torque diminui à medida que os músculos encurtam. • Pequenas alterações nos comprimentos dos braços de alavanca podem exercer grandes efeitos sobre a força e função dos movimentos do ombro.