Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Avaliação de Língua Portuguesa Ensino Médio

II BIMESTRE

  • Loggen Sie sich ein, um Kommentare anzuzeigen.

Avaliação de Língua Portuguesa Ensino Médio

  1. 1. Gameleira, ____ de ____________ de 2015 Aluno(a):__________________________________________________ Professora: Márcia Oliveira da Silva Série: 3ºB AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA – II BIMESTRE Leia os textos abaixo. TEXTO 1 TEXTO 2 Ajuntei todas as pedras que vieram sobre mim. Levantei uma escada muito alta e no alto subi. Teci um tapete floreado no sonho me perdi. Uma estrada, uma casa, um companheiro. Tudo de pedra. Entre pedras cresceu a minha poesia. Minha vida... Quebrando pedras e plantando flores. Entre pedras que me esmagavam Levantei a pedra rude dos meus versos. Cora Coralina No meio do caminho tinha uma pedra tinha uma pedra no meio do caminho tinha uma pedra no meio do caminho tinha uma pedra. Nunca me esquecerei desse acontecimento na vida de minhas retinas tão fatigadas. Nunca me esquecerei que no meio do caminho tinha uma pedra. Tinha uma pedra no meio do caminho no meio do caminho tinha uma pedra. Carlos Drummond de Andrade: 01. Se compararmos esses versos de Drummond aos de Cora Coralina, veremos que, nos dois poemas, foi usada a imagem da pedra para simbolizar (A) afetividade (B) comodidade. (C) simplicidade (D) fidelidade (E) dificuldade. Analise o texto ao lado. 02. O cartum faz uma crítica social. A figura destacada está em oposição às outras e representa a (A) reação ao controle do pensamento coletivo (B) carência de recursos tecnológicos. (C) falta de liberdade de expressão. (D) defesa da qualificação profissional. (E) a opressão das minorias sociais. GABARITO 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10
  2. 2. 03. O quadro Les Demoiselles d’Avignon (1907), de Pablo Picasso, expressa a sua revolta contra toda a arte Ocidental com gênese na Renascença. A obra representa o rompimento com a estética clássica e a revolução da arte no início do século XX. Com essa obra, teve início na França (1907) o movimento denominado (A) Surrealismo. (B) Expressionismo. (C) Cubismo. (D) Futurismo. (E) Dadaísmo 04. Assinale a opção em que o emprego do acento grave está CORRETO. (A) Fui à Lisboa receber o prêmio. (B) Pouco à pouco, a praça central se esvaziava. (C) Nas férias de julho, vou aprender andar à cavalo. (D) O astronauta brasileiro voltou à terra de seus pais. (E) Paulo começou à falar em voz alta. 05.Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas da frases abaixo. I. A ______________ tem prejudicado o comércio em todo o país. II. Os cartões de crédito cobram __________ altíssimas. III. O réu foi ______________. (A) INFLAÇÃO – TACHAS – ABSOLVIDO. (B) INFLAÇÃO – TAXAS – ABSOLVIDO (C) INFRAÇÃO – TAXAS – ABSORVIDO. (D) INFRAÇÃO – TACHAS – ABSORVIDO. (E) INFLAÇÃO – TAXAS – ABSORVIDO. 06. Não há erro de regência em (A) Devemos respeitar os mais velhos. (B) Thiago namora Débora. (C) Assim como nós perdoamos os que nos ofendem. (D) Assistimos o show, apesar da chuva. (E) Queremos a um país melhor. 07. Certas marcas lingüísticas permitem identificar o gênero de texto usado. Com base na afirmação, faça a correspondência da primeira coluna com a segunda. (1) “Era uma vez…” ( ) É um texto instrucional, com finalidade específica. (2) “Prezado amigo…” ( ) Introduz um texto de caráter lúdico, humorístico. (3) “Conhece aquela do português…?” ( ) É característica dos vocativos em texto epistolar. (4) “Tome três xícaras de açúcar e adicione…” ( ) É próprio para iniciar informações científicas ou didáticas. (5) “O tema de hoje vai ser…” ( ) É recurso linguístico para marcar a temporalidade em textos narrativos. A sequência correta é: (A) 4, 3, 2, 5, 1. (B) 4, 1, 5, 2, 3. (C) 1, 5, 4, 2, 3. (D) 1, 5, 2, 4, 3. (E) 5, 2, 1, 4, 3. Leia o texto para responder à questão.
  3. 3. Não somos tão especiais Todas as características tidas como exclusivas dos humanos são compartilhadas por outros animais, ainda que em menor grau. INTELIGÊNCIA A ideia de que somos os únicos animais racionais tem sido destruída desde os anos 40. A maioria das aves e mamíferos tem algum tipo de raciocínio. AMOR O amor, tido como o mais elevado dos sentimentos, é parecido em várias espécies, como os corvos, que também criam laços duradouros, se preocupam com o ente querido e ficam de luto depois de sua morte. CONSCIÊNCIA Chimpanzés se reconhecem no espelho. Orangotangos observam e enganam humanos distraídos. Sinais de que sabem quem são e se distinguem dos outros. Ou seja, são conscientes. CULTURA O primatologista Frans de Waal juntou vários exemplos de cetáceos e primatas que são capazes de aprender novos hábitos e de transmiti-los para as gerações seguintes. O que é cultura se não isso? BURGIERMAN, D. Superinteressante, n. 190, jul. 2003. 08. O título do texto traz o ponto de vista do autor sobre a suposta supremacia dos humanos em relação aos outros animais. As estratégias argumentativas utilizadas para sustentar esse ponto de vista são (A) definição e alusão histórica. (B) finalidade e meios. (C) exemplificação e comparação. (D) causa e consequência. (E) autoridade e comparação. Leia os textos abaixo. TEXTO I Antigamente Antigamente, os pirralhos dobravam a língua diante dos pais e se um se esquecia de arear os dentes antes de cair nos braços de Morfeu, era capaz de entrar no couro. Não devia também se esquecer de lavar os pés, sem tugir nem mugir. Nada de bater na cacunda do padrinho, nem de debicar os mais velhos, pois levava tunda. Ainda cedinho, aguava as plantas, ia ao corte e logo voltava aos penates. Não ficava mangando na rua, nem escapulia do mestre, mesmo que não entendesse patavina da instrução moral e cívica. O verdadeiro smart calçava botina de botões para comparecer todo liró ao copo d’água, se bem que no convescote apenas lambiscasse, para evitar flatos. Os bilontras é que eram um precipício, jogando com pau de dois bicos, pelo que carecia muita cautela e caldo de galinha. O melhor era pôr as barbas de molho diante de um treteiro de topete, depois de fintar e engambelar os coiós, e antes que se pusesse tudo em pratos limpos, ele abria o arco. ANDRADE, C. D. Poesia e prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1983 (fragmento).
  4. 4. TEXTO II FIORIN, J. L. As línguas mudam. In: Revista Língua Portuguesa, n. 24, out. 2007 (adaptado) Leia o texto para responder a questão. 10. O texto acima (adaptado) apresenta alguns desvios da norma culta e apresenta uma explicação para cada um deles. Identifique a alternativa que apresenta uma explicação INADEQUADA para a correção feita. (A) Houve algumas dificuldades: o verbo “haver”, no sentido de “existir” é impessoal e não admite flexão. (B) O chefe bloqueou meu último pagamento: deve-se empregar um sinônimo, pois o verbo “reter” é defectivo, isto é, não pode ser conjugado em todas as pessoas. (C) Seguem anexos dois trabalhos: é preciso estar atento à concordância verbal e nominal. (D) Já faz cinco anos: quando indica tempo decorrido, o verbo “fazer” deve permanecer no singular. (E) Se eu dispuser de uma boa equipe: o verbo “dispor” deve seguir a conjugação do verbo “pôr”. 09. Na leitura do fragmento do texto Antigamente constata-se, pelo emprego de palavras obsoletas, que itens lexicais outrora produtivos não mais o são no português brasileiro atual. Esse fenômeno revela que (A) a língua portuguesa de antigamente carecia de termos para se referir a fatos e coisas do cotidiano. (B) o português brasileiro se constitui evitando a ampliação do léxico proveniente do português europeu. (C) a heterogeneidade do português leva a uma estabilidade do seu léxico no eixo temporal. (D) o português brasileiro apoia-se no léxico inglês para ser reconhecido como língua independente. (E) o léxico do português representa uma realidade linguística variável e diversificada.

×