Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Cultura em Maraã

1.199 Aufrufe

Veröffentlicht am

A secretária de educação de Maraã é apaixonada pelo que faz e desenvolve vários projetos interessantes, mesmo sem verbas garantidas para execução. Veja alguns destes projetos, como a escola de luthiers (lutiês), nome dos artesãos que fabricam violão e violino. Belo projeto cultural que está ensinando 12 alunos carentes nesta arte. Veja o artesanato local; o bonito prédio da SEMED e o telecentro mais encantador do país. Dá uma olha e veja se é mentira. Carlos Elson L. da Cunha - elsonbrasil@hotmail.com

Veröffentlicht in: Bildung
  • Als Erste(r) kommentieren

  • Gehören Sie zu den Ersten, denen das gefällt!

Cultura em Maraã

  1. 1. A NAÇÃO DAS ÁGUAS IMENSAS<br />MARAÃ – Cultura<br />AMAZÔNIA<br />
  2. 2.
  3. 3. francivalnicesouza silva<br />A secretária municipal da educação é uma mulher dinâmica, inteligente, agradável e entusiasmada com o que faz.<br />Quando visitei a Escola Municipal de Música Palitó, ela veio, do outro lado da rua até mim, cumprimentou-me alegremente e perguntou algo que me soou assim:<br />- O senhor já viu nossa loteria?<br />Respondi, já passei duas vezes lá na frente e estava fechada. Mas o que pode haver de tão interessante numa loteria? Pensei cá com meus botões. Depois ela me esclareceu:<br />- Não falei da loteria, mas da luthieria. Maraã é um dos únicos 3 lugares do Brasil onde existem luthieria de violão! <br />Cruzando com ela, casualmente, noutro dia ela repetiu a pergunta. <br />- Já conhece nossa luthieria? Não deixe de ir lá!<br />Percebi que tinha de fazer essa visita, pois ela iria me cobrar toda vez que eu a encontrasse! Assim acionei meu moto-táxi amigo, o Rinão, e fomos até lá. Valeu à pena, como você pode conferir!<br />
  4. 4. Edson Silva <br />Luthier<br />Ensina a 12 jovens carentes a arte da <br />fabricação do bom violão.<br />
  5. 5. Um galpão anexo à marcenaria municipal foi cedido para a Escola de Luthiers.<br />6 alunos de manhã, 6 à tarde, aprendem e constroém um violão cada, <br />e o revendem a um padrinho, que é um patrocinador. <br />O violão custa R$ 1.200,00 e é pago em 6 x de R$ 200,00.<br />Metade do valor vai para o aluno artesão, outra metade para custos do material.<br />
  6. 6.
  7. 7. Edson veio de Manaus com a esposa, que também leciona música.<br />Seu empenho é para convencer o mercado de que a madeira da amazônia é ótima para se fazer o violão. Outras madeiras tradicionais ocupam este espaço, mas Edson está convencido de que, tratando-se com cuidado a madeira nativa, é possível, sim, fazer algo de primeira linha.<br />
  8. 8. Três anos é o prazo mínimo pra se curar a madeira.<br />O centro nacional de luthieria está no Espírito Santo, mas ali o forte é a construção de violinos, algo que Edson deseja implantar em Maraã.<br />
  9. 9. Faltam alguns equipamentos na oficina, mas a turma labuta com o que tem à mão.<br />Uma verba de R$ 100.000,00 seria o ideal para se atingir o nível de excelência de padrão internacional.<br />Pode parecer muito, mas não para uma empresa que se interesse na parceria, a fim de aplicar sua verba de fundo sócio-cultural em projeto relevante para a cultura nacional.<br />
  10. 10.
  11. 11.
  12. 12.
  13. 13.
  14. 14.
  15. 15. Esse já está quase pronto.<br />
  16. 16. Como se faz a madeira se encurvar na cintura do violão?.<br />
  17. 17. Resposta: usando este molde aquecido.<br />
  18. 18.
  19. 19.
  20. 20.
  21. 21.
  22. 22. francivalnicesouza silva<br />Pena eu não ter tirado uma foto dela. <br />Pense numa galega, baixinha, loira, bonita, e sempre correndo prá algum lugar.<br />Essa é FranciValnice, a gestora da educação apaixonada pelo que faz. <br />Todos a chamam de professora. <br />Uma das coisas que a estava deixando feliz é a expectativa de inaugurar a Escola Municipal Nhonho. Lembrei então que meu amigo, editor e intelectual, Osório Barbosa, filho de Maraã, há muitos anos atrás fez um curso de teatro por correspondência com o Instituto Universal Brasileiro ou Instituto Monitor. Como é possível alguém estudar teatro por correspondência é algo que nunca entendi perfeitamente. O fato é que, doravante, os Maraãnenses (será este o termo correto?) poderão estudar teatro presencialmente! <br />Franci me explicou que tanto a Escola de Música Palitó, como a Luthieria e a Escola Municipal de Teatro Nhonho são projetos que caminham sem reserva orçamentária, de modo que sua luta agora é para institucionalizar estas ações a fim de se perenizem. <br />
  23. 23.
  24. 24. eja<br />Meu amigo, editor e escritor, Osório Barbosa, fez o supletivo, atual EJA.<br />Eu também. Cursei 6 meses. <br />Veja a seguir que no prédio da Secretaria da Educação tudo é muito organizado e limpo.<br />
  25. 25.
  26. 26.
  27. 27. Advertência <br />. <br />No saguão da entrada pode se ver publicada o alerta a dois funcionários que relutam em trabalhar com a frequência devida.<br />FranciValnice não está para brincadeiras!<br />
  28. 28.
  29. 29.
  30. 30.
  31. 31. Tudo muito limpo e organizado.<br />
  32. 32.
  33. 33. Constatei uma coisa: no Amazonas não existe mulher feia! Pode conferir.<br />Então perguntei a várias delas:<br /><ul><li>Será por isso que os homens aqui
  34. 34. não se contentam de ter uma só? </li></li></ul><li>Resposta que eu mais ouvi:<br />Não moço, é porque são sem-vergonhas mesmo!<br />
  35. 35. Eu e uma anta.<br />
  36. 36. Repare com atenção: eu sou o de óculos. <br />Note, também, que as antas, normalmente<br />não sorriem.<br />
  37. 37.
  38. 38. Francinete.<br />Mas pode chamar de Netinha.<br />
  39. 39.
  40. 40.
  41. 41.
  42. 42. Feitas do talo do açaí.<br />
  43. 43.
  44. 44.
  45. 45.
  46. 46.
  47. 47. Cortiça. Bem levinho.<br />
  48. 48. Encomendado por um Banco.<br />
  49. 49.
  50. 50.
  51. 51. A decoração interna <br />já é uma graça. <br />
  52. 52.
  53. 53. Todos os prédios municipais tem um padrão de cor igual. <br />Esse vaso aparece na sede da secretaria da educação e em todos eles há o nome de um<br />funcionário. É a pessoa designada, naquela semana para zelar pelo vaso.<br />Resultado: todos muito limpos, sem lixo nem bitucas! <br />
  54. 54. Escola Municipal de Música Chico Palitó<br />
  55. 55.
  56. 56.
  57. 57.
  58. 58.
  59. 59. O ginásio da praça de alimentação.<br />É aqui que ocorrem as principais festas populares, <br />como a do Boto Vermelho e do Boto Azul.<br />
  60. 60.
  61. 61.
  62. 62.
  63. 63.
  64. 64.
  65. 65.
  66. 66.
  67. 67.
  68. 68. Praça da alimentação.<br />Curioso empreendimento municipal, unindo cultura com gastronomia.<br />
  69. 69.
  70. 70. Esta é a Socorro.<br />
  71. 71.
  72. 72.
  73. 73.
  74. 74.
  75. 75.
  76. 76.
  77. 77.
  78. 78. Biblioteca + Telecentro. <br />Aqui eu ia todo dia atualizar os <br />contatos com meu o editor, Osório Barbosa.<br />
  79. 79.
  80. 80.
  81. 81.
  82. 82.
  83. 83.
  84. 84.
  85. 85. Tatiana.<br />
  86. 86. Francilionete, a responsável.<br />
  87. 87.
  88. 88. A NAÇÃO DAS ÁGUAS IMENSAS<br />MARAÃ – Cultura<br />AMAZÔNIA<br />

×