Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Financas solidarias na recuperacao economica

Documento elaborado pelo GT de Finanças Solidárias ligado ao Forum Baiana de Economia Solidária

  • Als Erste(r) kommentieren

  • Gehören Sie zu den Ersten, denen das gefällt!

Financas solidarias na recuperacao economica

  1. 1. O PAPEL DAS FINANÇAS SOLIDÁRIAS NA RECUPERAÇÃO ECONÔMICA E SUPERAÇÃO DA POBREZA PÓS PANDEMIA NA BAHIA
  2. 2. A Bahia vive uma das piores crises de sua história Situação da Bahia em 2020: • Taxa de desemprego mais alta do Brasil, 19,8%; • 1,3 milhão de baianos em busca de emprego, 623.000 mais que 2019; • Dezenas de milhares de trabalhadores informais perderam seu sustento: fechamento de praias, cancelamento do Carnaval, etc.; • 6 milhões de baianos vivendo em situação de pobreza; • 1,8 milhão de baianos vivendo em extrema pobreza; • 40% de baianos sobrevivem com renda domiciliar per capita abaixo de R$446 por mês.
  3. 3. Três enormes desafios para superar esta crise: (1) Promover políticas públicas para acelerar a recuperação econômica, diminuindo o desemprego; (2) Fortalecer as políticas públicas de combate à pobreza e inclusão produtiva dos segmentos mais vulneráveis, minimizando o retrocesso nos avanços obtidos antes da crise e (3) Promover políticas públicas que contribuam para aumentar a resiliência das comunidades mais vulneráveis para enfrentar e sobreviver outras crises que virão.
  4. 4. Proposta na mesa: Bahia Solidária Até hoje, só escutamos propostas sobre acesso ao crédito. E as finanças solidárias??
  5. 5. A população mais vulnerável não acessa o microcrédito: Acesso ao microcrédito da população mais vulnerável vem diminuindo. • Somente 12% dos clientes de microcrédito tem renda até 1 salário mínimo; • Menos de 40% dos clientes de microcrédito tem renda até 2 salários mínimo; • Menos de 30% do volume de microcrédito vai para esses segmentos.
  6. 6. Ampliar a oferta de microcrédito: importante mas não suficiente para superar os três desafios! ➢ A população mais vulnerável já teve que renegociar dívidas anteriores que começam vencer agora ou contratou novas dívidas para garantir necessidades de sobrevivência → não tem capacidade de contratar novos empréstimos; ➢ Precisamos de investimentos adicionais para fortalecer as finanças solidárias: não reembolsáveis para a fonte, mas reembolsáveis para os Fundos Rotativos ou Bancos Comunitários locais → um investimento que vai se multiplicando.
  7. 7. Finanças Solidárias Programas de transferência de renda, ex. Bolsa Família Programas de Inclusão produ- tiva, ex. Microcrédito • Fundos Rotativos Solidários (FRS): poupança coletiva e auto gestionada; mais de 40 na Bahia, em mais de 80 municípios, envolvendo mais de 50.000 pessoas. • Bancos Comunitários de Desenvolv- imento (BCD): crédito para produção e consumo, moeda social; 10 na Bahia • Cooperativas de Crédito solidário. Regulamentada pelo Banco Central, oferece serviços bancários. Rede ASCOOB, 16 cooperativas, 50.000 cooperados, 30 municípios. Economia solidária e finanças solidárias: ativar o potencial das comunidades excluídas para superar a pobreza e promover a resiliência
  8. 8. Fortalecer as finanças solidárias e promover o primeiro acesso ao microcrédito a um público até então exclúido ➢ Investimento de novos recursos para fortelecer FRS e BCDs; ➢ FRS e BCDs se comprometem a destinar parte desse recurso (ex. 20%) a um fundo de aval. ➢ Recurso do fundo de aval é aplicado em “financiamentos híbridos” que combinam microcrédito e finanças solidárias para viabilizar o primeiro acesso ao microcrédito para empreendedor@s da economia solidária. ➢ Cooperativa de crédito ou CrediBahia oferece condições diferenciadas (ex. juro mais baixo) para esses microcréditos, já que implicam risco mais baixo por conta da garantia do fundo de aval solidário. ➢ Já existe experiência com fundo de aval no COGEFUR e na ASCOOB.
  9. 9. Exemplos de financiamentos híbridos: ➢ O FRS/BCD ajuda no primiro acesso ao cartão de crédito. Com o cartão de crédito, a empreendedora consegue comprar a matéria-prima para seu empreendimento e parcelar o pagamento no cartão sem juros. Caso a empreendedora não conseguir fazer um pagamento do cartão na data certa, o Fundo Rotativo cobre e é ressarcido depois. ➢ O FRS/BCD ajuda com a intermedição para que um grupo de seus sócios consiga um microcrédito. Recursos do FRS são utilizados para cobrir eventuais prestações que o sócio não conseguir pagar na data de vencimento. FR ajuda para estender prazo de carência ou prazo de devolução. ➢ O FRS/BCD empresta o capital para compra de equipamentos do EES, e a compra de matéria-prima e capital de giro é financiada através de um microcrédito.
  10. 10. Vantagens de financiamentos híbridos: 1. Para os FRS/BCD, porque lhes permite alavancar parte de seus recursos, beneficiando mais pessoas; 2. Para a(o)s associada(o)s dos FRS/BCD, porque ganham acesso ao crédito e começam criar uma trajetória para serem incluídos no Cadastro Positivo e 3. Para os programas de crédito porque conseguem ampliar sua clientela.
  11. 11. Recursos necessários e como financiar: ➢ Investimento mínimo necessário, por território: R$310.000. → R$150.000 investimento + R$160.000 custo de um(a) agente por 24 meses, inclusive despesas com deslocamento e apoio administrativo. Lembrando que os R$150.000 voltam para o FRS e vão se multiplicando. ➢ Realizar piloto em 11 territórios → onde já existe CESOL com FRS existente ou previsto + outros territórios com experiências de finanças solidárias bem consolidadas. Investimento total: aproximadamente R$3,8 milhões para 24 meses. Parte desses recursos já está no orçamento atual. ➢ Trata-se do desenvolvimento de uma nova tecnologia social de inclusão financeira. Portanto, existe possibilidade de acessar recursos de pesquisa e desenvolvimento para essa finalidade (Fundação Banco do Brasil? BNB/ETENE? BNDES/Fundo Social? Sebrae? FEBRABAN?)
  12. 12. A Bahia precisa de uma estratégia de finanças solidárias! • Finanças solidárias e CESOL: qual o papel do CESOL no fortalecimento das finanças solidárias? ; • Finanças solidárias nos demais territórios: como fortalecer as iniciativas de finanças solidárias nos territórios sem CESOL? ; • Moedas sociais: Quais e quantos municípios da Bahia têm potencial e interesse para adotar a moeda social, seja o E-dinheiro e/ou uma moeda social local como parte de sua política de promoção do desenvolvimento local? ; • Finanças solidárias e microcrédito: Promover condições diferenciadas de microcrédito para a(o)s usuários das finanças solidárias por meio de oferta de financiamentos híbridos ; • Parcerias estratégicas: bancos públicos, setor privado, Fundo Nordeste Solidário, Sebrae, incubadoras; etc.
  13. 13. OBRIGADA! Barbara Schmidt Rahmer barbara@vencerjuntos.org.br (71) 98336 9110

×