Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Die SlideShare-Präsentation wird heruntergeladen. ×

Interações on line no ensino semipresencial

Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Nächste SlideShare
ABED
ABED
Wird geladen in …3
×

Hier ansehen

1 von 26 Anzeige

Interações on line no ensino semipresencial

Herunterladen, um offline zu lesen

A presente comunicação é um recorte da dissertação de mestrado intitulada “Interação e engajamento em ambiente virtual de aprendizagem: um estudo de caso” elaborada sob a orientação da Professora Kátia Tavares (VITER, 2013).

A pesquisa investigou os diferentes tipos de interação (aluno-aluno, aluno-professor e aluno-conteúdo) em um ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de um curso semipresencial, assim como o engajamento dos alunos nessas interações sob o ponto de vista dos participantes.

A presente comunicação é um recorte da dissertação de mestrado intitulada “Interação e engajamento em ambiente virtual de aprendizagem: um estudo de caso” elaborada sob a orientação da Professora Kátia Tavares (VITER, 2013).

A pesquisa investigou os diferentes tipos de interação (aluno-aluno, aluno-professor e aluno-conteúdo) em um ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de um curso semipresencial, assim como o engajamento dos alunos nessas interações sob o ponto de vista dos participantes.

Anzeige
Anzeige

Weitere Verwandte Inhalte

Diashows für Sie (16)

Ähnlich wie Interações on line no ensino semipresencial (20)

Anzeige

Weitere von Luciana Viter (20)

Aktuellste (20)

Anzeige

Interações on line no ensino semipresencial

  1. 1. INTERAÇÕES ON-LINE NO ENSINO SEMIPRESENCIAL Luciana Nunes Viter (FAETEC/UFRJ)
  2. 2. Introdução A presente comunicação é um recorte da dissertação de mestrado intitulada “Interação e engajamento em ambiente virtual de aprendizagem: um estudo de caso” elaborada sob a orientação da Professora Kátia Tavares (VITER, 2013). A pesquisa investigou os diferentes tipos de interação (aluno-aluno, aluno-professor e alunoconteúdo) em um ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de um curso semipresencial, assim como o engajamento dos alunos nessas interações sob o ponto de vista dos participantes.
  3. 3. • Contribuir para a identificação dos elementos que influenciem na interação e no engajamento em atividades em ambientes virtuais de aprendizagem; OBJETIVOS • Colaborar para o aprimoramento dos formatos desses ambientes e dos resultados de sua utilização; • Promover reflexões para as áreas do ensino a distância e do desenho instrucional de ambientes virtuais de aprendizagem.
  4. 4. Questões de Pesquisa Primeira Pergunta Segunda Pergunta Os participantes (alunos, professor e monitor) consideram que os diferentes tipos de interação (alunoaluno, aluno-professor e alunoconteúdo) proporcionados pelo ambiente virtual de aprendizagem do curso semipresencial investigado foram suficientes e adequados ao curso? Por quê? Na perspectiva dos participantes, quais fatores e aspectos dificultaram e quais favoreceram o engajamento dos alunos nas interações propostas no ambiente virtual de aprendizagem desse curso semipresencial?
  5. 5. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA
  6. 6. INTERAÇÕES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Aluno-Aluno Professor-Conteúdo MOORE, 1989; ANDERSON, 2008.
  7. 7. Ensino semipresencial O ensino semipresencial permite integrar as vantagens do ensino face a face com as vantagens do ensino on-line e ao mesmo tempo minimizar as desvantagens de ambos (GARRISON; VAUGHAN, 2011). Porém, alguns obstáculos são comumente constatados na modalidade como a expectativa por parte do estudante, quase sempre frustrada, de que menos aulas presenciais signifiquem menos esforço, e a sua dificuldade em exercitar autonomia em sua aprendizagem e em administrar seu tempo adequadamente. (GERBIC; STACEY, 2009; VAUGHAN, 2010)
  8. 8. MODELOS DE ENSINO SEMIPRESENCIAL MODELO Suplementar Substituto “Bufê” (livre escolha) “Empório” (on-line com tutoria presencial) Totalmente on-line DESCRIÇÃO Volume de aulas presenciais permanece intato Espaço on-line é usado para disponibilizar material suplementar Atividades e testes on-line são oferecidos em caráter adicional Redução de aulas presenciais Substituição de atividades face a face por atividades on-line Atividades podem ocorrer em laboratório de informática ou em casa Os estudantes escolhem suas opções de aprendizagem: aulas presenciais ou on-line, projetos individuais, atividades em grupo, experiências práticas e assim por diante. Não há aulas presenciais Os conteúdos são disponibilizados de modo on-line O aluno tem acesso à tutoria presencial personalizada Todas as atividades são on-line Não é previsto nenhum encontro presencial A tutoria presencial é opcional, apenas se necessária
  9. 9. Plataforma Moodle do Projeto Letras2.0
  10. 10. Participantes Alunos do curso de Inglês Instrumental I Professora e monitora da disciplina Assessora do Projeto Letras2.0
  11. 11. METODOLOGIA Estudo de Caso Instrumentos de Pesquisa Geração e análise dos dados • Natureza etnográfica, que permite privilegiar as perspectivas dos participantes. • • • • Fóruns de discussão; Questionário; Grupo focal on-line; Entrevistas. • A partir dos elementos dos discursos dos participantes;
  12. 12. ANÁLISE E DISCUSSÃO As categorias utilizadas para investigar os dados gerados foram construídas a partir de percursos circulares de análise e interpretação dos dados, nos quais os resultados eram verificados e comparados entre si.
  13. 13. INTERAÇÕES ALUNO-ALUNO Pontos positivos • Consideradas suficientes e adequadas; • Inovadora em relação às práticas habituais dos estudantes; Restrições apontadas • Caráter compulsório das interações; • Falta de objetividade de algumas discussões; • Impacto discutível quanto • Contribuiu para o entrosamento do grupo. à aprendizagem.
  14. 14. INTERAÇÕES ALUNO-PROFESSOR Pontos positivos • Disponibilidade da professora e da monitora no AVA; Restrições apontadas • Interações presenciais com a professora foram consideradas insuficientes. • Agilidade na comunicação on-line; • Atuação das docentes para mediar a relação dos estudantes com os recursos da plataforma. • Carga horária on-line foi superior ao inicialmente previsto;
  15. 15. INTERAÇÕES ALUNO-CONTEÚDO Pontos positivos Restrições apontadas • Volume de conteúdos proposto foi excessivo para o contexto do curso; • Relevância, variedade e adequação dos conteúdos utilizados; • Dificuldades de ordem técnica na interação com os conteúdos; • Atividades complexas com instruções que nem sempre eram suficientemente claras.
  16. 16. FATORES E ASPECTOS FAVORÁVEIS ÀS INTERAÇÕES • Funcionalidades oferecidas pela mediação digital; • Interações entre estudantes e docentes; • Interações entre os estudantes; • Diversidade de formatos e de temas abordados; • Avaliação contínua das atividades.
  17. 17. FATORES E ASPECTOS DESFAVORÁVEIS ÀS INTERAÇÕES • Limitações decorrentes da mediação digital; • Desequilíbrio entre on-line e presencial; • Interações sem mediação docente; • Grande volume e complexidade das atividades on-line; • Dificuldade de gerenciamento do tempo disponível.
  18. 18. ENGAJAMENTO EM CONTEXTOS EDUCACIONAIS Tipos de engajamento Engajamento comportamental Associado a comportamentos mais facilmente observáveis; Tradicionalmente medido através de aspectos quantitativos (frequência, notas, etc); Isoladamente, não necessariamente avaliará de forma efetiva os níveis de aprendizagem alcançados. Engajamento cognitivo Relaciona-se de modo mais próximo com a aprendizagem; Mobiliza habilidades cognitivas mais complexas (analisar, comparar, avaliar, etc); Costuma ser mais valorizado que os demais tipos de engajamento; É propiciado no contexto de atividades estimulantes e desafiadoras sob o ponto de vista intelectual. Engajamento emocional Associado à percepção de pertencimento a um grupo e aceitação de seus valores; Exteriorizado a partir de atitudes e reações positivas do estudante em relação aos diversos elementos do contexto educacional; Difícil de ser medido ou avaliado por envolver processos internalizados e pessoais. FREDRICKS; BLUMENFELD; PARIS, 2004
  19. 19. Ambiente à luz da Teoria da Atividade ENGËSTROM, 2008
  20. 20. A divisão de trabalho demandou posturas mais autônomas por parte dos estudantes Desenvolvimento pessoal Resultados na aprendizagem Elevado comprometimento de tempo e esforço
  21. 21. A participação nas interações on-line foi proposta como sendo de caráter obrigatório Engajamento cognitivo Engajamento comportamental Engajamento emocional
  22. 22. Percepções dos estudantes sobre o uso do componente on-line do curso Flexibilidade de tempo Limitações intrínsecas ao meio digital Praticidade de uso Comunicação ágil Predomínio da interação on-line em relação à presencial
  23. 23. Comentários finais (I) Embora condições consideradas comuns para o engajamento, como relevância das atividades, participação ativa dos estudantes e variedade de recursos disponíveis estivessem presentes, o engajamento dos estudantes nas interações on-line, principalmente no aspecto emocional, foi prejudicado pelo volume de atividades, considerado excessivo e mais complexo do que necessário pelos participantes.
  24. 24. Comentários finais (II) Ao se planejar o desenho instrucional do componente on-line de um curso semipresencial, é necessário atentar com especial cuidado para a adequada dosagem do componente on-line, em si mesmo, e em relação ao seu equilíbrio com a carga presencial no contexto geral do curso.
  25. 25. PESQUISAS FUTURAS • Crenças e pressupostos dos estudantes a respeito do ensino semipresencial e da educação a distância no contexto do ensino superior. • Relacionamento entre o ambiente on-line e o presencial, abordando ambos de forma mais abrangente do que foi possível no contexto da presente investigação. • Engajamento sob a perspectiva discente na modalidade semipresencial e totalmente a distância, em especial no que se refere aos papéis dos diversos aspectos e fatores envolvidos no engajamento em interações on-line em AVAs.
  26. 26. REFERÊNCIAS ANDERSON, T. Theory and practice of online learning. Canada: AU Press, Athabasca University, 2008. FREDRICKS, J. A.; BLUMENFELD, P. C.; PARIS, A. H. School Engagement: Potential of the Concept, State of the Evidence. Review of Educational Research, v. 74, n. 1, p. 59–109, 2004. Disponível em: <http://rer.sagepub.com/content/74/1/59>. Acesso em: 12 set. 2012. GARRISON, D. R.; VAUGHAN, N. D. Blended Learning in Higher Education: Framework, Principles, and Guidelines. U.S.: John Wiley & Sons, 2011. GERBIC, P.; STACEY, E. Conclusion. In: Effective blended learning practices: evidence-based perspectives in ICT-facilitated education. Hershey, PA: Information Science Reference, 2009, p. 298–311. MOORE, M. G. Three types of interaction. American Journal of Distance Education, v. 3, n. 2, p. 17, 1989. TAVARES, K. C. DO A.; Projeto LingNet - Letras2.0. Disponível em: <http://www.lingnet.pro.br/pages/letras2.0.php#axzz2ODJOw24x>. Acesso em 22 dez. 2012. VAUGHAN, N. D. A blended community of inquiry approach: Linking student engagement and course redesign. The Internet and Higher Education, v. 13, n. 1–2, p. 60–65, 2010. Disponível em: <http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1096751609000645>. Acesso em: 6 jun. 2013. VITER, Luciana Nunes. Interação e engajamento em ambiente virtual de aprendizagem: um estudo de caso. Dissertação de mestrado do Programa Interdisciplinar em Linguística Aplicada., Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: <http://www.lingnet.pro.br/media/dissertacoes/katia/2013-lucianaviter.pdf>.

×