Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Acordo MPF

14.212 Aufrufe

Veröffentlicht am

Petrobrás

Veröffentlicht in: Internet
  • Als Erste(r) kommentieren

  • Gehören Sie zu den Ersten, denen das gefällt!

Acordo MPF

  1. 1. e MPF PR.P HP'.�N'CO.2i..J.gz.J20.�IHi�ist� rio P�blica Federal Procuradoria da Rep�blicano Parnn� FO�tC�-TAREFA wwwPfPfi !)f.gav.br www. la va)uto. lnpf. mp. br ACORDO DE ASSUN��O DE COMPROMISSOS, Remado entre MINIST�RIOPtIBLICO FEDERAL e a Petr�leo Brasileiro S.A. PETROBRAS, relacionadoao Non Prosecutfan .4greemenfentre Petrobras e DoJ e � ceava-an(#-desisf Ollderda SEC Pelo presente Instrumento. o MINISTERIO PUBLICO FEDERAL - MPF, por Interm�diodos Procuradores Regionais da Repi)blica e Procuradores da Rep�blica signat�rios, com designa��o para ofIcIar na Opera��o Lava data, e a PETR�LEO BRASILEIRO S.A. -- PETROBRA$, sociedade de economia mista,inscritano CNPJ sob Ro33.000.167/0001-01.comsede na Av. Rep�blicado Chile, n' 65, na cidadedo Rio de Janeiro, RJ, neste ata representada por sua Gerente Executiva do Jur�dico, Taipa Oliveira Maciel, CONSIDERANDOque l O MINIST�RIO P�BLICO FEDERAL. por interm�dioda For�a Tarefa Lava Jato, conduz investiga��es que t�m por escapo apurar a pr�tica de il�citosde natureza criminal ("Il�citos"), a exemplo da pr�tica de aros de corrup��o, fraude a licita��es, forma��o de caRel, organiza��o criminosa e lavagem de dinheiro, praticados por agentes p�blicos e privadosl 2 Segundo decis�es judiciais proferidaspelo Judici�ria brasileira,a Petr�leo Brasileira S.A. -- Petrobras {"P[TROBRAS") fo� v�tima e diretamente lesada por il�citos praticados em seu desfavor, tendo recebido. em raz�o deste reconhecimento e dos ACORDOS celebrados, com empresas e colaboradores,como ressarcimentopelos preju�zos que Ihe foram diretamente causados, mais de 3,24 bilh�es de reaisl 3 A PETROBRA$, embora v�tima dos fitos il�citosrevelados atrav�s de um amplo trabalho de diversas autoridades brasileiras com modernas t�cnicas de investiga��o, reconheceu fragilidades em seus controles Internos que. no seu enterldimento, foram reviradas adequadamente, devendo ser perenizados o$ avan�os j� realizados; 4. A PETROBRAS respondia a procedimentos administrativosnos Estados Unidos da Am�rica e, por conta de singularidades e particularidades do respectivo ordenamentojur�dico, a PETROBRAS optou por celebrar,p ACORDO com a Secud/es and ExchangeCommfsslbn("SEC") e como Departamento de Justi�a norte-americano ("DoJ") - doravante denominados em conjunto "Autoridades Norte-Americanas" -. em raz�o de certas condutas praticadas em funcion�rios: �SEUS eX.$eu desfavor
  2. 2. � MPF Mimis��riof'�b�ic� Federal Procuradoria da R !)�b ic m� P fai � H'w'h'.prpr.i?lF$gav.�r www.tuvajato.mpf.mp.br 5. Ex-funcion�rios que vitimaram a PETROBRAS responderam e ainda respondem a mais de uma dezena de processos perante a 't3' Vara Federal Criminal em Curitiba/PRI, o que, embora seja um n1lmero reduzido diantedo totalde colaboradores da companhia, recomendou o aperfei�oamentode controles internos frentea fragilidadesidentificadas; 6. As Autoridades norte-americanasreconheceram nos referidosacordos que a PETROBRAS obteve�xitoem adotara��es significativasde remedia��o em rela��o �s fragilidadesem seus controles internosl 7 PorIniciativado MINIST�RIOP�BLICO FEDERAL e da PETROBRAS. as Autoridades Norte-Americanas consentiram com que at� 8Q% (oitenta por cento) do valor previsto nos ACORDOS com as autoridades dos Estados Unidosda Am�rica sejam satisfeitoscom base no que for pago no Brasll pela PETROBRAS, conforme acordado com o MINIST�RIO PUBLICOFEDERAL; 8 Conforme previsto no ACORt)O com a $EC e DOJ. ACORDO com o MINIST�RIOP(JBLICO FEDERAL acordado com a$ Autoridades Nome-Americanas integralmente para o Tesouro norte-americano; na aus�ncia d� 100% do valor ser� revertido +Dentre 15.2017 46.2018 06.20{8 78.20{7 70.2D{7 73.2016 90.2018 73.2046 35.2016 78.2017 34.2a18 59.2014 93.2a17 82.2a14 89.2014 67.2�15 59.2016 a4.2015 67.2015 80*2016 32.2a16 46.2018 90*2018 eles. os processos distribu�dosparaa 13' Vara Federalsob n' 5035263- 404.700a. 5Q14{70'93.2017.4G4.70QO,50550G8-78.2�17.404.7000.5023942� 4Q4,7000*50550D8-78.20i7.404.70�o. 50344$3-06.20i 8.404.700a, 5034453- 404.7000. 5036528.23.2Q15,4Q4.70QO,5054697-58.20i 5.4.Q4,70ao. 5055008- 4Q4.700a. 5014170-93.2Q17.4D4.70co. 5Q17409-71.20i 8.4a4.700a. 5024266- 404.70�0. 50134Q5.59.2016.4D4,?000.5054932-88.2016,404.7Q00,505B568- 404.7000. 5039475-50,2015.4Q4.7GD0. , 5017409-7q .20{8.4Q4.700a, 5a23952 4Q4.7000. 5a]34Q5-59,2016.4D4.7000, 5054932-88.2016,404.7000, 5050568- 404.700Q. 5039475-50.20i 5.404.7000. 501209q-78,2a16.4a4.7Doo. 5027685- 4CM.7000, 5054186.89.2D1 7.404.7000. 501417Q-93.2a{7.4a4.70QQ, 5055008- 404.7000. 5a34453-Q6.20i8.404.7000. 5024266-70.2017,404.7000, 5D58533- 4D4.7�oD. 50242$6-7Q.20i 7.4c4.7aoo, 50i 7409-71.2�18.4a4.7000, 5a83838- 4Q4.70aD. 5007326�98.2G15,4Q4.7000* 501209] -78.201$.404.7Q00, 50$4170- 4Q4.700Q.5�17409-71.2018.404.7000., $0256?6-71.2014,4D4,7000.5026212 4G4.7aaD. 5083376-Q5.2014.4Q4.70DO.5a83360-51 .2014.404.7000, 50833$1- 404.7000. 5083401-18.2014.404.7000, 5083258-29.2014.404.7000, 5051379- 4.04.7aoo. 5024879-90,2D17.404.7000, 5051379-67.20i5.4.04.7000. 50i 3405 404.7000. 5050568-73.2016.4D4.7000.5055008-78.2017.404.7000, 50]2331- 404.7000. 5019501-27.2C15.4.04.7000, 5037093-84.201 5.4.04.7000. 5051379 4.04.7000. 5001 580-21.2016.4.04.7000, 5013405-59.2016.404.7000. 5030883 404.7000. 503780�-18.2016.404.70QO. 5054932�88.2016,404.7000, 5056533- 404.7000. 5050568-73.2D16.404.7000,5015608-57.2017.404.7000. 5023942- 404.7000. 5054787-95.2017.404.7000, 502394246.2018 404.700Q, $023@246.20i 8.4G4.700a.
  3. 3. � MPF !U�nist�ri� P�blica federal Procuradoria da Rep�blican� Paran� 41�4:TAREFA wvw prof.wp#.g v.br w}pw.lavajuto. mpf. mp. br 9. No entendimentoda PETROBRASe do MPF,a possibilidadede investimento dos recursos em territ�rio nacional � medida consent�nea com a preserva��o do patrim�nionacionale dos interesses sociais da sociedade brasileira; lO.De ACORDO com a Lei 13.303/2016, a realiza��o do interesse coletlvo de uma sociedade de economia mista dever� ser orientadapara o alcance do bem-estar ecan�mico e para a alocu��o socialmente eficientedos recursos geridos por ela; 'll.A PETR08RAS � r� em processos judiciais e arbitrais {"Processos Judiciais e Arbitrais") iniciados por acionistas ("Acionistas") que pleiteiam a sua responsabilidade pelos il�citos, processos esses que seguir�o seu curso independentementedeste acordo. e, na vis�o da PETROBRA$. eventual condena��o a indenizar nos Processos Judiciais e Arbitrais em raz�o dos il�citos que a vitimaram implicaria novo dano ao patrim�nio pilbi�co, em raz�o da natureza da PETROBRAS como sociedade de economiamista, controladapela Uni�o e, em �ltimaan�lise, pela sociedade brasileira; 12.0 MLAT - ACORDO de Assist�ncia Jur�dica em Mat�ria Penal entre Brasil e Estados Unidos da Am�rlca -, promulgadopelo Decreto 3.810/2001.estabelece que "a assist�ncia ser� prestada ainda que o fato sujeito a investiga��o, inqu�rito ou a��o penal n�o seja pun�vel na legisla��ode ambos os Estados"; 13.Tramitam no caso Lava Jato pelo menos 25 pedidos de coopera��o brasileiros ativos e 3 passivos com os Estados Unidos. relacionados � 13' Vara Federalem Curitibaz,do que decorreuamplacoopera��ono caso Lava Jato na investiga��ode diversaspessoas f�sicas e jur�dicas desde 2014, que agiram em desfavor, dentre outros. inclusiveda PETROBRAS; 14.A necessidade de prevenir naves infra��es penais similares no Brasll e a possibilidade do tratamento c�vel de quest�es penais (tendo em Gania que a repara��o de danos � objeto de acordos penais na pr�tica processual brasileira -- p. ex., transi��o, suspens�o condicional do processo colabora��o premiada --e ainda uma poss�vel analogia ao art. 387. incisaIV. do C�digode Processa Penal. autorizadapeloart. 3odo mesmo diploma legal)l 2Cite-se. a titulode exemplo. a coopera��o que foijuntado aos au 59.2014.404.7Q00 e 50t)7326-98.2015.404.7000 os 5083$38-
  4. 4. � MPF Minist�r] P�blico Federal Procuradoria dit Rep�blica n� llar�n� PARCA-TAREFA w'w'h'-P/px,#wBW#aw.br www.$avixj�li}.mp$.nlp.bi' MINIST�RIOP�BLICO FEDERAL e PETROBRAS seguinte: resolvem acordar o CL�USULA PRIMEIRA - OBJETO 1.1. 0 presente ACORDO tem por objeto o compromisso da PETROBRAS, acima identificada, de manter e. quando for o caso, aprimorar um conjunto de medidas. j� devidamenteImplementadas.com vistas a evitar nova ocorr�ncia de fraquezas materiais em seus controles internos, anteriormente reconhecidas pelaPETROBRAS. 1.2. A PETROBRAS reconhece que alguns de seus ex-executivos. envolvidos no esquema e que eram respons�veis, em parte.por Implementaros controles financeiros e cont�beis internos da Companhia, deliberada e conscientemente. deixaram de faze-lo para continuara facilitarpagamentos de propinaa pol�ticos e partidos pol�ticos. Esses ex-executivosdeixaram de implementarcontroles internos relativos aos grandes projetos de investimentos da Companhia nos segmentos de E&P, G�s e Energia, RefIRo, Transporte e Comercializa��o e Internacional.Durante o per�odo de 2004 a 2012. esses ex-executivos e outros, deliberada e conscientemente. tamb�m deixaram de Implementar um sistema de controlescont�beis internosprojetados para detectar e prevenir a facilita��o de propinas a pol�ticose a partidos pol�ticos brasileiros. e a executivos da Companhia. 1.3. A PETROBRA$ declara que adotou medidas de saneamento eficazes em rela��o �s fragilidades em seus contratei internos, acima identificadas, assumindo o compromisso de �evisar. periodicamente, os seus controles Intemos, assim como suas pol�ticase procedimentosde combate � fraude e corrup��o. 1.4. A assinatura do presente ACORDO n�o implica, � luz do ordenamento jur�dico brasileiro, por parte da PETROBRAS. confiss�o ou reconhecimento de responsabilidadepor dolo ou culpa, tampouco nexo de causalidade, com qualquer alega��o de dano individuala terceiro sofrido po� quem quer seja com base nas falhas apontadas acima. 1.5. O presenteacordoser� submetido� homologa��oda 13' Vara Federal Criminal de Curitiba, em que tramitaram e tramitam os processos criminais e pedidos de coopera��o internacionalreferidas nos considerandos. CL�USULASEGUNDA DQ$ COMPROMISSOS DA PETROBK�$ 2.1. A PETROBRAS. por ter reconhecido a exist�ncia de fra�t�ezas materiais em seus controles internos.que j� foram devidamenterern�%das. Inclu?ive (.x�. 4
  5. 5. � MPF lqinist�r$� p'�bi�ca I'eder�! Procuradoria da Rep�blica no Parara www-prpr,m!$gav.bi' www. lavada ta. tnpJ. ntp. br com o reconhecimento de auditores externos. por meio de um extensivo programa de integridade,assume a obriga��o de manter esse conjunto de medidas, CQmbase na Lei 12.846/2013e o Decreto Ro8.420/2015.bemcomo revis�-losperiodicamentea fim de atestar a sua efetividade. 2.1.1 . A revis�o dos controles internos existentes na PETROBRAS assim como suas pol�ticase procedimentosde combate� corrup��ose dar� nos termosdo ANEXO 1--Programa da Comp#ance. ' 2.2. Adicionalmente. tendo em conta os ACORDOS celebrados com as Autoridades norte-americanas (/Von-Prosecufion '4gneemenf e Cesse-�nd- Desist), as quais consentiramcom que a pagamentode at� 80% (oitentapor cento) do valor previsto nesses ACORDOS seja satisfeito com base no que for pago no Brasil pela PETROBRAS a Autoridadesbrasileiras.a PETROBRAS assume a obriga��o de depositar o montante que corresponder em reais � quantiade US$682.560.000.00,que constituem80%do valorde US$ 853.200.000.00, estabelecido nos ACORDOS perante as Autoridades norte- americana$. 2.2.'1. O dep�sito ser� feito dentro do prazo de 30 dias contados da data da homologa��o, em contavinculada ao respectivo Ju�zo Federal. 2.2.2. A convers�opara reais tomar�por base a m�diaaritm�ticaentreas taxas de c�mbio PTAX tantode compra quantode venda do d�laramericano, divulgadas pelo Banco-:Central -do Brasil no , endere�o eletr�nico http://wxn/w.bcb.gov.br,c�digoda moeda220,do dla da homologa��odo ACORDO. 2.3. A destina��o do valor depositado no Brasii ser� a seguinte 2.3.1. 50% (cinquenta por cento) para o investimento social em projetos. Iniciativas e desenvolvimento institucional de entidades e redes de entidades id�neas. educativasou n�o, que reforcema lutada sociedade brasileiracontra a corrup��o com os seguintes fins: (i) aHirma��ode uma cultura republicanade respeito � legalidadee aos valores democr�ticos,de modo apartid�rio,por meia da promo��o da cidadania, da forma��o de lideran�as e do aperfei�oamentodas pr�ticas pol�ticasl promover a conscientiza��o da popula��o brasileira import�ncia da integridade no ambiente p�blico e privado; sobre (�i) fortalecimentoda saciedadecivilbrasileirae fomento� participativa, rtapreven��o e controle social da,corrup��gl cidadania �/ / / S
  6. 6. � MPF Minist�rio P�blico Federal Procuradoria dii Rep�biicano I'ar n� PORCA.TAREFA www.pfPr.mp.f:gov.br www.{�v� {}.nt1l$.WP.}if (iv) desenvolvimentodo controlesocial,da culturade estudos sobrecorrup��o, Impunidadee suas causasl como/lance e de (v) repara��o, prote��o e promo��o de direitos civis, pol�ticos. sociais e econ�micos, especialmente por meio da educa��o, treinamento e profissionaliza��o, de comunidades direta ou indiretamente afetadas pelaparalisa��ode obrase prqetosda PETROBRAS, noscasosem que a paralisa��o guarde alguma rela��o com a corrup��o descoberta pela Lava Jato. peloprazode at� 15 (quinze)anos contadosdo in�cio das ativldadesda entidade a que se refere o item2.4.1l e (vi) a repara��o. prote��o e promo��o de direitos (civis. pol�ticos. sociais. econ�micos e culturais.entre outros direitosfundamentais assegurados pela Constitui��o). que s�o afetados peia corrup��o. coma os direitos� sa�de. � educa��o, ao meio ambiente, � prote��o daqueles em situa��o de vulnerabilidadesocial e � seguran�a, em montanteanual n�o superior a 25% de todos os investimentos sociais da entidade a que se refere o item2.4.1 aplicados no mesmo ano, respeitadoo disposto no art. 62. par�grafo �nico, do C�digo Civil. 2.3.2. 50% (cinquentapor centospara a satisfa��o de eventuais condena��es ou acordos com acionistas que investiram no mercado acion�rlo brasileiro (B3) e ajuizarama��o de repara��o.inclusivearbitragens,at�a datade 08 de outubrode 2017, sendo certoque a reserva desse montantepara tal finalidade n�o limitaa eventual responsabilidade da PETROBRAS em demandas judiciais e arbitraisdecorrentes de poss�veis preju�zos ocasionados a seus acionistas; 2.4. O valor previstono item 2.3.1. dever� constituirum endowmenf (um "fundo patrimonial")para que os rendimentos sejam utilizados para os mencionados fins, garantindoa perenidade deste investimentosocial. 2.4.1. A administra��o do fundo patrimonial (endowmenf). referido no item anterior, ser� feita por entidade a ser constitu�da no prazo m�ximo de t8 meses ap�s a homologa��odesteACORDO. na forma de uma funda��ode direito privado mantenedora, que: (i) busque um desenho instituciona!que leve em considera��oa autonomia jur�dica, administrativa, financeira, institucional e program�tica da entidade a ser constitu�da para a finalidade especifica de administrar o fundo patrimonial e veicular o investimento social. em rela��o � PETROBRAS, ou mesmo em rela��o a grupos ou pessoas ligados � pol�tica partid�ria; ,,,=; }' reforce a legitimidade dos projetos sociais pg�' meio da pluralidade institucionalde sua curadoria,da t�anspar�ny�quantoaos crit�riose procedimentos para tomada de decis�es de investimgqto, da ampla ' X 6 R
  7. 7. � MPF M$tlisf�t�� P�blico Fedefa! Procuradoria da Rep�blicano I'arara www.prpr. mlif.Bov. bt www. la cujato.mp/. mp. br consultae participa��osociale da rela��oisentade conflitode Interessesentre as pessoas vinculadas � funda��o e os proletose entidades que recebem os recursasl (�i) promova a sustentabilidade e o efeito multiplicador do investimento social acordado,cuidandopara que ele se projeteno tempode forma duradouras (iv) valorize a gest�o profissionaldos recursos Investidos, dirigida a alcan�aras metastra�adas, com resultadospass�veis de avalia��oe monltoramento segunda crit�rios objetivos; (v) prime pela transpar�nciae presta��o de cantas p�blica peri�dicana administra��oe aplica��odos recursosl (vi) promova a cultura da Integridade assim como busque implementare difundir boas pr�ticas e experi�ncias nacionais e internacionais de investimento sociall (vii) empreenda esfor�os para tra�ar um plano de custeio e investimento que assegure uma propor��o justa. eficiente e equilibrada entre a destila��o de recursos para atender aos fins da funda��o e aquela para a manuten��o da pr�pria entidades (viii)valorize a atua��o harm�nicae coordenada entre os diversos �rg�os da estruturade governan�a,de modoa construirumplanode investimentoracional. que minimize tanto a concentra��o de recursos em uma mesma �rea de atua��o, cama a dispers�o, a faltade foco. a descontinuidadeou a pulveriza��odos investimentosem outras �reas de atua��o previstas no presente ACORDO; (ix) institucionaliza procedimentos. estruturas e Instrumentos de governan�a e conformidade (como/lance). bem como de planejamento. gest�o e avalia��o profissional de investimentos sociais, entre outras boas pr�ticasl (x) garanta a realiza��o de auditorias independentes e peri�dicas sobre os investimentose rendimentos do endowment ("fundo patrimonial"), cujo resultadodeve ser p�blicoe disponibilizadona p�gina da funda��o na .,/ # (xi) garanta a realiza��o de auditorias independentes/e peri�dicas sobrgd execu��o de projetos e de iniciativas e sobre o desenvolvimento Institucional que foram objeto de investimento social par parte da funda��o, as quais devem apreciar n�o apenas a execu��o financeira mas tamb�m os resultados sociais alcan�ado#l � 3
  8. 8. � MPF Mi ist�ria p'�biic$Federal I'rocuradoria da Rep�blicano Parada WWW prof. +Milf.gQV. br www.llwajato.mpf.mpbr (xii) realize a presta��o de contas para a sociedade sobre a administra��o e a aplica��o dos recursos, mensalmentena p�gina da funda��o na fnfemef e em audi�ncia p�blica anual, promovendo-se 'ampla publicidade etranspar�ncia. 2.4.2. O MINIST�RIOP�BLICO FEDERAL ficar� respons�velpor buscar meios para a constitui��ode funda��o privada(Inclusivea reda��� de sua documenta��oestatut�ria),com sede em Curltiba/PR, e poder� cantar com a aux�lio.de entidade(s) respeitada(s) da sociedade civil.do poder p�blico,ou do Minist�rioP�blco (p ex.. para os finsdo art. 65, par�grafo�nico,da C�digo Civil.e do aR. 764,1}.do C�digode Processo Civil)para conferiro m�ximode efetividade�s finalidadesdo acordo. 2.4.3. O MINIST�RIOP�BLICO FEDERAL constituir�,ou zelar�paraque seja constitu�do. um Comit� de Curador�a Social (CCS). at� 90 (noventa) dias ap�s a assinatura deste ACORDO. composto por at� 5 (cinco) membros, com reputa��o ilibadae trajet�ria reconhecida em organiza��es da sociedade civil, no investimentosocial e/ou �reas tem�ticas cobertas na dest�na��o deste recurso. o qual supervlsionar� a constitui��oda funda��o. 2.4.3.1. O MINIST�RIO p(JBLECO FEDERAL solicitar� a pelo menos 5 entidades reconhecidasda sociedade civil a indica��o de nomes para comporem o CCS, acompanhados de descritivo breve do curr�culo ou experi�nciaque embala a indica��o. ; - -- 2.4.3.2. O MINIST�RIOP�BLICO FEDERAL submetef�os nomes.escolhidos dentre os indicadose outros que atendam os crit�riossupramencionados, para que a composi��o final do CCS seja aprovada pelo Ju�zo que homologareste ACORDO. 2.4.3.3. A participa��ono CCS honor�fico. n�o dever�ser remuneradae ter� car�ter 2.4.3.4. Ap�s finalizadaa redu��odo estatutoda funda��oe antesde sua formal constitui��o,os membros do CCS dever�o apresentar, ao Ju�zo que homologar este ACORDO, relat�rio de supervis�o da processo de institui��o da funda��o mantenedora. 2.4.3.5. O estaturada funda��o n�o alterar� os fins ou termos deste ACORDO. 2.4.3.6.O trabalhode supewis�odo CCS se encerrar�ap�sa entregada ., relat�rio e ele dever� ser dissolvido. podendo seus memb���, se assimg" desejarem. passar a integrar a primeira composi��o do �rg�de delibera��o superior da funda��o mantenedora. ,/ ,/' .,& 'q. 8
  9. 9. e MPF M inist�i'�o?�blico Federal Procuradoria da Rep�blicano Parara www.ptpr.mpf.gov.br www.Invujaio.mp$.nlp-br 2.4.4. O MINIST�RIOPUBLICO FEDERAL no Paran�e o Minist�rioP�blicodo Paran� ter�o a prerrogativa,em assim desmando. de ocupar um assento cada no �rg�o de delibera��o superior da funda��o mantenedora, que ser�o preenchidos por indica��o. respectivamente,do Procurador da 'Rep�blica Chefe e do Procurador-Geral de Justi�a. ' '' 2.4.5. A PETROBRAS n�o ter� qualquerresponsabilidade,inger�nciaau prerrogativa na constitui��o, manuten��o ou composi��o da funda��o. desonerando-se de sua obriga��o pecuni�ria com $eu pagamento. 2.4.6. N�o poder� aduarna funda��o, em qualquerfun��o, pessoa filiadaa partido pol�tico ou que tenha sido $1iadanos �ltimos 5 (cinco) anos. podendo o estatuto ampliar esta restri��o. 2.4.7. A funda��o ter� um Conselho Curador com poder de deliberarsobre as linhas mestras da entidade e de indicar quais projetos e entidades que devem ser beneficiadascom os repasses. 2.4.8. A funda��oter� um ConselhoFiscalcompostopor integrantescom conhecimentot�cnico nas �reas cont�bil,financeira e de investimentos 2.4.9. O estatuto da entidade ser� submetido pelo MINIST�RIO P�BLIco FEDERAL � aprova��odoJu�zo que homologaro ACORDO, o qualpoder� determinar adequa��es e, em seguida � sua formal constitui��o, destinar� os recursos para afunda��o. 2,4.tO. Os valores ser�o transferidos para a funda��o com gravame Impenhorabilidade e inalienabilidade, que n�o atingir� os seus rendimentos. de 2.4.11. A escolha pela fuflda��o da(s) institui��o(�es)financeira(s) que custodiar�(�o) os recursos ser� feita de modo transparente, atendendo aos princ�piosdoitem2.4.1. 2.5. Os valores mencionados no Item 2.3.2. permanecer�o depositados em contajudicialremunerada e. decorrido a prazo de 2 (dois) anos, como forma de proporcionardesde logo um beneficio social por meio da utiliza��odos recursos, os acr�scimos a t�tulode corre��omonet�riae rendimentospassar�o a ser destinados para a finalidadeprevista no item2.3.1 . 2.5.1. Caso n�o sejam plenamente utilizados esses valores para a finalidade prevista, no preza de 5 (cinco) anos, eventualsa�do existente ser� destinado na formado item2.3.1. y 2.5.2. O prazo referido na Item anterior poder� ser prorrogado. a pedido da PETROBRAS, por decis�o discric�an�r�a do Minist�rioP�bllcb. por t (um) ano. mnov�vel em car�ter excepcional.//'� .,'"��/ LLn W
  10. 10. � MPF IWinist�rio P�blico Federal Procui'aderiada Rep�blicano Paran� FORCA-TAREFA WWWpFP?.I�I$gQV.bF www. l�v�jafo.ntli$. ittp. br 2.5.3. Os valores utilizados para esse flm n�o implicar�o, em nenhuma hip�tese: reconhecimento de responsabilidade por dolo ou culpa, nos termos do Item1.4. 2.6. Em nenhuma hip�tese, os valores destinados pela PETROBRA$ em decorr�nciado dispostonesta Cl�usulapermanecer�osob a sua responsabilidade, ou ser�o a ela restitu�dos. 2.7. Para a execu��o deste ACORDO, cada pare se responsabilizar� por obter os bens materiais e equipamentos necess�rios ao desempenho de suas obrlga��e3,au usar� aqueles pr�prios, n�o sendo devido nenhum reembolso entre as partes. CLAUSULATERCEIRA DAFISCALIZA��O 3.1. Fica assegurado ao MINIST�RIO P�BLICO FEDERAL. por meios pr�prios, o direito de fiscalizar a cumprimento das obriga��es assumidas na cl�usula segunda, sem preju�zo das atribui��es pr�prias do MINIST�RIO PUBLICO a serem por ele exercidas,como decorr�nciada aplica��oda legisla��o vigente. 3.2. Sem preju�zoda disposi��o supra, a PETROBRAS se comprometea (i) manter -o "MINIST�RIO -P�BLICO "FEDERAL sempre atualizado dos andamentos dos Processos Judiciais e Arbitrais de que tratam as destina��es do item 2.3.21 (�) encaminhar ao MINIST�RIO P�BLICO FEDERAL. sempre que solicitado,c�pia integraldos autos dos Processos Judiciais e Arbitrais; (i�) n�o se opor a eventualpedido de ingresso do MINIST�RIO P�BLICO FEDERAL nos Processos Judiciais e Arbitraisl (iv) fornecer documentos e informa��es solicitados pelo MINIST�RIO PUBLICO FEDERAL em conex�ocomo objetodo presenteACORDEI CL�USULAQUARTA DODE$CUMPR$MENTODOACORDO 4.1. Nos casos em que a PETROBRAS n�ocumpriras obriga��esassumidas neste ACORDO, ressalvadas as exce��es previstas, o MINIST�RIO PUBLICO FEDERAL a notificar� por meio de of�cio pr�prio, com aviso,#e recebimento. kL � �
  11. 11. � MPF M$nise�ri�p'�b�icoFedcra! Procuradoria da Rep�blican� Parara gQ&�A-VAKKPA www.Fpp{.ntil$.gav.br www.[uvaltito.nlpf.mp.])r 4.2. A PETROBRAS ter� prazo de 5 (cinco) dias. a contar do recebimento da Notifica��o, para apresentar de manifesta��o justificada e fundamentada. 4.3, N�o sendo acolhidasas justificativasapresentadaspeia PETROBRAS. .u.:er-he-� concedido prazo de 90 {noventa) dias para regulariza��o da obriga��o n�o cumprida, prorrog�vei por igualper�odo. 4.4. N�o correr�o contra a PETROBRAS eventuais atrasos ou omiss�es atribu�das �nica e exclusivamente ao MfNiST�Rlo P�BLICO FEDERAL. 4.5. N�o constituir�descumprimento de prazos previstos neste ACORDO o fato que resultarde caso fortuitoou for�a maior. na formaprevistano art. 393 do C�digo Civil. CL�USULAQUINTA-DAVIG�NCIA 5.1. Este ACORDO passa a vigefna datade $ua homologa��operantea Justi�a Federal. 5.2. O presente ACORDO ter� vig�ncia de 03 (tr�s) anos, contados a partir de sua homolaga��a, salvo em rela��o �s obriga��es pecuni�rias. que viver�o at� $euexau��mento. GLAUSULASEXTA-DAPUBLICIDADE 6.1. Os termos do presente ACORDO ser�o p�blicos a partir de sua homologa��o judicial. CL�USULAS�TIMA-DOFORO 7.1. Para dirimiras d�vidas e conflitosoriundas deste ACORDO. fica eleitoo Foro da Justi�a Federalda Subse��o de Cur�tiba,especificamenteo Ju�zo da homologa��o, com ren�ncia de qualquer outro por mais privilegiado que seja ou venha a ser. E, por estarem assim celtas e ajustados. assinam o presente Termo, em 03 (tr�s) vias de igual teor, forma e Id�nticoconte�dojur�dico, na presen�a das testemunhas abaixo assinadas e Identificadas,para um s� efeitc5. Curitiba, 23 de janeiro de 2019. /// n ] l
  12. 12. �, Minist�rio ?'�bli Q Federa! Procuradoria da Rep�blica �to Parali� wwwppPt.w!!f.g v*bf wwp.lavajaftl.ml)$.mp.br PETR�LEO B4ASILEIR6 S-A. - PETROBRA$ Pelo MPF Deltan Martinazzo Dallagno] Procurador da Rep�blica + Janu�rio P d�rRed+ Antonio Garfos Welter ProcuradorRegionaida Rep�blica lsabel Cristlna Groba Viei�a Procuradora Regional da Rel:Pblica Rep�blica 'h OrlandclMadello / ProcuradorjReg�onal/da Rep�blica ' ./" Felipe D'Ell�:�amargo Procurador da Rep�blica Diog + i:�cdrador da Rep�blica Roberson Henrique Pozzoban Procurador da Rep�blica J�lio Carlog' Matta Nora/�ha Procuf?dornaRep�blica a Jerusa BurmannVlecili Procuradora da Rep�blica PautaRobertoG. de Canalha Procuradorda Rep�blica AtfjayiWiRibe�ro Costa ProqutgU�r da Rep�blica Laura Gon�alvesTessler Procuradora da Rep�blica Teste n CP 061..4?1.�,�,'{- aG R 2 GPF/MF .2g�. 'z3{. a.,,( - d.o {2
  13. 13. e MPF Minist�rio p'�bi�ca F�dera} Procuradoria da Rep�blica noParara PORCA TAREFA ww'w.prpi'.!#ip$gov. br w,wlv. !a v�}ttta.lnllf. mp. br ANEXOS Programa da Comp#ance Para abordar quaisquer defici�ncias nos seus controles internose nas pollilcas e procedimentosreferentes a comp#ance, nos termos da Lei federal no 12.846/20'13e seu decreto regulamentadorn' 8.420/2015.al�mde outras leis anticorrup��o eventualmente aplic�veis, a Petr�leo Brasileiro S.A. - Petrobras (a "Companhia") acorda em continuara conduzir, de modo consistente com todas as suas obriga��es sob este ACORDO, an�lises apropriadasdos seus atuais controles internos,pol�ticase procedimentos. Quando necess�rio e apropriado,a Companhia concorda em adequar seu programa de como//anca, Incluindo os seus controles Internas. e as suas pol�ticase procedimentos, para assegurar que eles mantenham: (a) um sistema efetiva de controles cant�bels internos desenhados para garantir a elabora��o e a manuten��o de livros e registros justos e carretos; e (b) um rigoroso programa de como/lance ant�corrup��o que incorpore os relevantes controles cont�beis internos, assim como as politicas e proced�mentasprojetados para detectar e efet�vamenteprevert�r viola��es da Lei n' 12.846/2013,de seu decreto regulamentador, e de outras leis anticorrup��o eventualmente aplic�veis. A um m�nimo, isto deve incluir, por�m sem a isso se limitar.os seguintes elementos, na medida em que eles j� n�o sejam parte dos atua�s controles internos da Companhia e de suas pol�ticas e procedimentosde compliance. Compromisso da Alta Administra��o 1. A CompanhiaIr� assegurar que a sua Alta Administra��oforne�a suportee compromisso fortes. expl�citase vis�veis com sua pol�tica corporativacontra viola��es das leis anticorrup��o e cam seu programa de como/lance. Pol�ticas �Pracedifnentos 2. A Companhia ir� desenvolver e promulgar urna politica corporativa claramente articulada e vis�vel contra viola��es das leis anticarrup��o aplic�veis, incluindo a Lei 12,846/20't3, a qual ser� materializada em um programa de comp#ance escrito. / N 3. A Companhia ir� desenvolver e promulgar pol�ticas e procedimentosde como/lance desenhados para reduzir o prospecto de viola��es das leis anticorrup��o e de seu pr�prio programa de comp#ance. al�m de tomar as medidas apropriadas para incentivar e apoiar a observ�ncia das �ol�tlcase procedimentos de �tica e como/lance, contra a viola��o das leis adicorrup��o por pane do pessoal em todas os ri�vels da Companhia. Essagl pol�ticas procedimentos anticorrup��o dever�o se aplicar a todos as �onselhelro#, diretores e funcion�rios e, quando necess�rio e apropriado, p#r�es externa.si g h .../
  14. 14. MPF IWinist�l'ia }'�blieo f'ederai Procuradoria da Rep�blica noP�ran� 119.K��1lARKPA ww }.prpr. itipJ. go v. br www.lavnjalo. lnp$.ml}.br agindo em nome da Companhia em uma jurisdi��o estrangeira, incluindo, por�m sem a isso se limitar, agentes e intermedi�rios. consultores. representantes. distribuidores. parceiros, contratadas e fornecedores. cons�rcios e membros de jo�f uenfum (coletivamente."agentes e parceiros comerciais"). A Companhia dever� notificar todos os funcion�rios que a conformidadecom a$ pol�ticase procedimentos constituio dever e a abrlga��o de individuos em todos os n�veis da Companhia. Essas pol�ticas procedimentos dever�o abordar: a) Presentes e brlndesl b) Hospitalidade.entretenimentoe despesas c) Viagens de clientesl d) Contribui��espol�ticas; e) Doa��es e patroc�niosbeneficentesl f} Pagamentosde facilita��ole g) Solicita��o e extors�o. 4. A Companhia ir� garantir que ela possui um sistema de procedimentos financeiros e cont�beis, incluindo um sistema de controles internos. razoavelmente desenhado para garantir a manuten��o de livros e registros cont�belsjustos e carretos. Esse sistemadeve ser elaboradopara fornecer garantiasrazo�vels de quem a) As transi��es sejam assinadas em conformidade com as autoriza��es gerais ouespec�fj�as da administra��ol b) As transa��essejam reglstradascomo necess�riopara permitira prepara��o de demonstrativosfinanceiros em conformidadecom princ�pioscont�beis geralmenteaceitas ou outros crit�rios aplic�veis 80s demonstrativos, e manter a responsabilidade por presta��o de contas de c) O acesso aos ativos � permitido somente em conformidade com a autoriza��o geral ou espec�fica da administra��ol e d) A contabilidadereglstradapela presta��ode contasde ativos� comparada com os ativos existentes, a intervalos razo�veis, e � tomada uma medida apropriada com respeitoa quaisquer diferen�as. ativos Revis�o Peri�dicabaseada em Risco 5. A Companhia ir� elaborar estas pol�ticas e procedimentos de comp#ance na base de uma avalia��o de risca peri�dica abordando as circunst�ncias individuais da Companhia, particularmente o$ riscos de pagamento Indevido enfrentadosno passado e no presente pela Companhia. incluindo,por�m sem a isso se limitar,sua organiza��o geogr�fica, intera��es com v�rioVtipos e. n�veis de oficiais do governo, setores industriaisde opera��o, envolvimentoer joinf venfunes. import�ncia de licen�as e alvar�s nas opera��es da C�$mpanhi�> L g 14 J U
  15. 15. � MPF Minist�l'i� p'�biic� F�d�ra} Procuradoria da Rel)�biica noParara FORCA-TAREFA tvww.prol? nt:$gav.bf H'wlp./ y rn.f/�H$� i/).�r graus de supervis�o e Inspe��o governamental,e volume e Import�nciade bens e de pessoalsendo desembara�ados na aduana e na imigra��o. 6. A Companhia dever� revlsar suas pol�ticas e procedimentos de como//anca anticorrup��o,no m�nimo. anualmente,e atuaiiz�-los, como apropriado para garantir sua efetividade continuada, levando em conta os relevantes desenvolvimentosno campo e os padr�es evolutivos Internacionaise do seior. Supewis�o e Independ�ncia Apropriadas 7. A Companhia ir� atribuir responsabilidade a um ou mais executivos pela implanta��o e supervis�o do programa. das pol�ticas e dos procedimentos antlcorrup��oda Companhia. Esses executivos ter�o autoridade para se reportar diretamente a �rg�os de monitoramentoindependentes, incluindo auditoria interna, a Conselho de Administra��o da Companhia. ou qualquer comit� apropriado do Conselho de Administra��o, e ter�o um n�vel adequado de autonomiada administra��o,assim como recursose autoridadesuficiente para manter essa autonomia. Treinamento e Orienta��o 8. A Companhiair� implantarmecanismosdesenhados para garantirque seu programa de como//anca.pol�ticas e procedimentosanticorrup��osejam comunicados, de modo eficaz, a todos os conselheiras. diretores. funcion�rios. e, quando necess�rio: e .apropriado, agentes .e parceiros comerciais., Esses mecanismos dever�o incluir: (a) trelnamentoperi�dico para todos os conselheiros e diretores, todos os funcion�rios em cargos de confian�a ou de lideran�a. cargos que exijam trelnamento{par exemplo, auditoria Interna, vendas, jur�dico, como//anca, finan�as) ou cargos que. de outro modo, apresentem um risco de corrup��o para a Companhia, e, quando necess�rio e apropriado, agentes e parceiros comerciais; e (b) as correspondentes certifica��es por todos os conselheiros, diretores, agentes e parceiras comerciais, certificandoa conformidade com o$ requisitos de treinamento. 9. A Companhia ir� manter. ou quando necess�rio, estabelecer, um sistema eficiente para fornecer orienta��o e assessoria a conselheiros. dlretores..,= funcion�rios, e, quando necess�rio e apropriado. agentes e parcelrcn comerciais, na cumprimentodo programa de como/lance.politicas e procedimentosanticorrup��oda Companhia. Incluindoquando precisarem de aconselhamento urgente e em qualquer jurisdi��o estrangeira na qual a Companhiaopera. Den�ncias Internas e investiga��o JI '10.A Companhiair� manter, ou, quando necess�rio. estabelecer um sistema' eficaz para den�ncias internas e, quando poss�vel, confidencial. / A R
  16. 16. � MPF R4inist�r$� p'�blit Fedci'a} Procuradoritldn Rep�blica nu Paran� gaR�A-TAREFA wlpw prpf ii$gov.bp ww w.Itlvajato.nlp$. }np. br conselheiros, diretores, funcion�rios e para a sua prote��o e, quando apropriado, por agentes e parceiros comerciais, referentes a viola��es das leis anticorrup��o, do programa de compra/7cee das pol�ticas e procedimentos de anticorrup��o da Companhia. 11. A Companhia ir� manter, ou, quando necess�rio. estabelecer um processa eficaz e confi�vel com recursos suficientes para responder, investigar e documentar alega��es de viola��es das leis anticarrup��o ou do programa de como/lancee das pol�ticase procedimentos anticorrup��a da Companhia. Apilca��o e Disciplina 12. A Companhia ir� Implementarmecanismos elaborados para efetlvamente dar concretudeao seu programade como//anca,suas politicase procedimentos,incluindoincentivar, de medo apropriado, o campor�amenta �tico e aplicaras devidas san��es pelas viola��es. 13. A Companhia Ir� instituirprocedimentos disclpi�nares apropriados para abordar, entre outras cal�as, as viola��es das leis anticorrup��o, o programa de comp#ancee as pol�ticas e procedimentos anticorrup��o da Companhia, por parte dos conselheiros. diretores e funcion�rios da Companhia. Esses procedimentosdevem ser aplicados,de modo consistentee justo, independentemente do cargo ocupado. ou da Import�ncia percebida pelo conselheiro, pelo diretor ou pelo funcion�rio. A Companhia dever� implementar procedimentos ..para. garantir que, .quando. uma conduta impr�pria.. .for descoberta.sejamtomadas medidas razo�veis para remediaro dano resultante dessa conduta, e assegurar que medidas apropriadas sejam tomadas para preveniroutra conduta Impr�priasemelhante,incluindoa avalia��o dos controles internos, do programa de como//anca, das pol�ticas e dos procedimentos e a realiza��o das modifica��esnecess�rias para garantirque o programade como/lanceanticorrup��oseja eficiente. Rela��es com Terceiros 14. A Companhiair� instituirrequisitosapropriadosde due d/#gerlcee como//ancabaseados em risco. pertinentes � reten��o e supervis�o de todos os agentes e parceiros comerciais. Incluindo: a) Due dH/gentedevidamente documentada pertinente � contrata��o e supervis�o apropriada e regularde agentes e parceiros comercialsl b) Informaros agentes e os parceiros comerciais sobre o compromi Companhia em obedecer �s leis anticorrup��o, ao seu p�ogra como//ande e �s pol�ticas e procedimentos antlcorrup��o da Coma e 16 <
  17. 17. MPF Mi ist�ria }'�blico F�deriki p'rociiradoria dgi Rep�b�ica me}p'ariim� PARCA-TAREFA www*pfp}.wl$1$.gav.bf www:i;apa � �.tmPf.ntP.br c) Buscar um compromisso m�tuode agentes e parceiros comerciais 15. Quando necess�rio e apropriado. a Companhia ir� incluirdisposi��es padr�o em ACORDOS. contratose renova��esdos mesmos, com todos os agentes e parceiros comerciais. com o objetivo de prevenir viola��es das leis ant�corrup��o.que poder�o, dependendo das circunst�ncias, Incluir; (a) declara��es e compromissos anticorrup��orelativos � conformidadecom as leis anticorrup��ol (b) direitos de conduzir auditorias dos livros e reglstros do agente ou do parceiro comercial para assegurar o cumprimentoda disposi��o acima; e {c) direitosde terminaruma rela��o comercialcom um agente ou parceiro comercial, como resultado de qualquer viola��o das leis anticorrup��o. do programa,das pol�ticasou procedimentosda Companhia,ou das declara��es e compromissos relacionados a esses assuntos. Fus�es e Aquisi��es 16.A Companhiair�elaborare implantarpol�ticase procedimentosparafus�es e aquisi��es exigindoque a Companhia conduza due df/vence apropriada baseada em risco, tendo em vista poss�veis novas entidades comerciais. 17. A Companhia ir� garantir que o programa de comp#ance da Companhia, suas pol�ticas e procedimentos com rela��o �$ reis anticorrup��o se apliquem com a maior brevidade poss�vel a neg�cios rec�m-adquiridos ou a entidades fundidas com a Companhia, e ir� prontamente: a) Treinar as conselheiros, os diretores. os funcion�rios. os agentes e parceiros comerciais, de modo consistente com o Par�grafo 8 acima, nas leis anticorrup��o e no programa de como/farlce da Companhia, suas pol�ticase procedimentos relativos�s leis antlcorrup��ole b) Quando necess�rio, conduzir uma auditoriaespec�fica de todos os neg�cios rec�m-adquiridos ou fundidos. Monitoramento e Testes 18. A Companhia ir� submeter o seu programa de comp#ance a uma avalia��o e revis�o peri�dicas, assim como suas pol�ticase procedimentos anticorrup��o, com o intuitode verificar sua efetividadena preven��o e detec��o de viola��es das leis anticorrup��o e sua conformidade �s demais leis, a fim de identificz# oportunidades de aprimoramento. X�S W a 17

×