Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.
Trabalho realizado pelas posgraduandas Josiane S. Martins Carvalho e Maria Teresita F. Bendicho, sob orientação dos Profes...
Os  testes sorológicos  são assim chamados porque  buscam detectar a presença de anticorpos existentes  no soro, produzido...
<ul><li>Veja a grande utilidade dos </li></ul><ul><li>testes sorológicos. Eles são correntemente usados para: </li></ul><u...
<ul><li>Um teste sorológico pode ser qualitativo,  </li></ul><ul><li>semi-quantitativo ou quantitativo: </li></ul><ul><li>...
A placa abaixo apresenta o resultado de um teste “ELISA” (você conhecerá este teste com detalhes adiante). Observe  os poç...
Agora veja um teste  semi-quantitativo , que você também conhecerá adiante (hemaglutinação passiva): Soros testes controle...
Um teste quantitativo fornece resultados precisos, com valores absolutos. Estes valores podem ser  expressos em massa por ...
<ul><li>A segura interpretação dos testes sorológicos depende de algumas </li></ul><ul><li>características e parâmetros qu...
<ul><li>O teste, quando  semi-quantitativo ou quantitativo, deve ter um valor conhecido, acima do qual seja considerado  p...
A seguir você será apresentado aos  significados e quando for o caso, às maneiras de calcular os parâmetros mencionados. V...
REPRODUTIBILIDADE  =  confiabilidade, fidedignidade, ou precisão  Capacidade de obter resultados com valores muito próximo...
  VALIDADE  =  acuidade, acurácia ou exatidão  Grau em que o exame é apropriado para medir o verdadeiro valor daquilo que ...
SENSIBILIDADE  – é a capacidade de detectar amostras verdadeiramente positivas. É, portanto, a relação entre:   S =  AP  X...
VALOR PREDITIVO            Valor preditivo positivo (VPP) - probabilidade de que um resultado positivo ser verdadeirament...
  PONTO DE CORTE PARA DELIMITAR RESULTADOS POSITIVOS   O ponto de corte para um teste sorológico (“cut off”) ou limiar de ...
A curva ROC ( “receiver operating curve” ), representada abaixo, tem sido bastante utilizada para definição de valores de ...
UTILIZAÇÃO DOS TESTES SOROLÓGICOS A maior ou menor sensibilidade e especificidade de um teste sorológico depende de qual a...
FIM
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×

Ap5 - Critérios de validação dos testes sorológicos

44.964 Aufrufe

Veröffentlicht am

Aula prática: Critérios de validação dos testes sorológicos

Veröffentlicht in: Geräte & Hardware
  • Als Erste(r) kommentieren

Ap5 - Critérios de validação dos testes sorológicos

  1. 1. Trabalho realizado pelas posgraduandas Josiane S. Martins Carvalho e Maria Teresita F. Bendicho, sob orientação dos Professores Roberto Meyer, Ivana Nascimento, Robert Schaer, Cláudia Brodskyn, Songelí Freire e Denise Lemaire, do Laboratório de Imunologia do Instituto de Ciências da Saúde da UFBA. Atualizado em junho de 2003 Aula 5 CRITÉRIOS DE VALIDAÇÃO DOS TESTES SOROLÓGICOS
  2. 2. Os testes sorológicos são assim chamados porque buscam detectar a presença de anticorpos existentes no soro, produzidos pelo indivíduo contra um an- tígeno específico. Por exemplo: um indivíduo que tenha sido infectado com o Trypanossoma cruzi , vai apresentar no seu soro, anticorpos contra este para- sita – estes anticorpos podem então ser detectados por um teste sorológico, o que poderá confirmar, no caso, ser o referido indivíduo um portador da Doença de Chagas. Por extensão, a detecção de um antígeno também se enquadra neste tipo de teste.
  3. 3. <ul><li>Veja a grande utilidade dos </li></ul><ul><li>testes sorológicos. Eles são correntemente usados para: </li></ul><ul><li>Definição da suspeita clínica </li></ul><ul><li>Diferenciação de fases da doença </li></ul><ul><li>Diagnóstico de doença congênita </li></ul><ul><li>Triagem sorológica em banco de sangue </li></ul><ul><li>Seleção de doadores e receptores de órgãos para transplante </li></ul><ul><li>Prognóstico da doença </li></ul><ul><li>Critérios de cura </li></ul><ul><li>Avaliação / monitoramento da terapêutica </li></ul><ul><li>Diferenciação da imunidade naturalmente adquirida ou artificialmente </li></ul><ul><li>induzida </li></ul><ul><li>Estabelecimento da prevalência da doença </li></ul><ul><li>Verificação de erradicação da doença </li></ul><ul><li>Verificação de reintrodução de novos casos em áreas consolidadas </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Um teste sorológico pode ser qualitativo, </li></ul><ul><li>semi-quantitativo ou quantitativo: </li></ul><ul><li>- qualitativo , se os seus resultados informam apenas se </li></ul><ul><li>houve ou não reação / detecção ( positivo ou negativo ). </li></ul><ul><li>Veja um laudo imaginário: </li></ul><ul><li>Teste – detecção por ELISA de anticorpos IgM contra rubéola </li></ul><ul><li>Resultado: positivo </li></ul><ul><li>semi-quantitativo , se a amostra testada (soro) foi diluída – </li></ul><ul><li>a maior diluição a apresentar reação é o seu título. </li></ul><ul><li>Veja um laudo imaginário: </li></ul><ul><li>Teste – detecção por imunofluorescência de anticorpos IgG contra o T. cruzi </li></ul><ul><li>Resultado: positivo até a diluição de 1:320 </li></ul><ul><li>quantitativo, se é capaz de informar a quantidade absoluta do material detectado. </li></ul><ul><li>Veja um laudo imaginário: </li></ul><ul><li>Teste – detecção por ELISA de anticorpos IgM contra o T. gondii </li></ul><ul><li>Resultado: 63 UI/ml </li></ul>
  5. 5. A placa abaixo apresenta o resultado de um teste “ELISA” (você conhecerá este teste com detalhes adiante). Observe os poços com soros controle positivo, controle negativo e o “cut-off” (ponto de corte). Note que as cores são nitidamente diferentes. Esta placa será lida por um fotocolorímetro, que informará os valores de den- sidade ótica. Todos os outros poços contem soros que estão sendo testados. Todos aqueles que apresentarem resultados abaixo do “ cut-off” serão considerados negativos, enquanto que os que mos- trarem valores maiores, serão positivos. Trata-se portanto de um teste qualitativo Cont. negativo Cut-off Cont. positivo
  6. 6. Agora veja um teste semi-quantitativo , que você também conhecerá adiante (hemaglutinação passiva): Soros testes controle positivo controle negativo diluições seriadas dos soros testes de 1: 2 a .................. 1:1024 Veja que na primeira fileira (de cima para baixo), a reação foi positiva até a diluição de 1:32 . Já na segunda fileira o resultado foi negativo em todas as diluições. O resultado do primeiro soro teste acima referido é: reagente até a diluição de 1:32 (ou título:1:32 ). O segundo soro teste é não reagente .
  7. 7. Um teste quantitativo fornece resultados precisos, com valores absolutos. Estes valores podem ser expressos em massa por volume (por exemplo, mg/ml) ou em unidades internacionais também por volume (por exemplo, UI/ml). Você aprenderá adiante que estes valores são encontrados por inter- polação do valor da análise obtido com o soro teste (por exemplo, o valor de densidade ótica) em curvas construídas com valores padrões. valores basais variação linear platô Abscissa: valores padrões conhecidos (por exemplo, mg/ml.) Ordenada: valores obtidos pelo instrumento de medida (por exemplo, D.O.) Você também aprenderá que a interpolação para a dosagem dos soros testes só pode ser feita para valores que se encaixem na zona de variação linear, vista acima. Veja:
  8. 8. <ul><li>A segura interpretação dos testes sorológicos depende de algumas </li></ul><ul><li>características e parâmetros que </li></ul><ul><li>o definem, como por exemplo: </li></ul><ul><li>- A sua reprodutibilidade </li></ul><ul><li>- A sua validade </li></ul><ul><li>A sua especificidade </li></ul><ul><li>- A sua sensibilidade </li></ul><ul><li>- O seu valor preditivo </li></ul>
  9. 9. <ul><li>O teste, quando semi-quantitativo ou quantitativo, deve ter um valor conhecido, acima do qual seja considerado positivo e abaixo do qual seja negativo. </li></ul><ul><li>este valor é o seu ponto de corte (“cut-off”) </li></ul><ul><li>É importante também ter em </li></ul><ul><li>mente o objetivo de sua utilização, </li></ul><ul><li>por exemplo, </li></ul><ul><li>- se é para diagnóstico </li></ul><ul><li>- se é para triagem </li></ul>
  10. 10. A seguir você será apresentado aos significados e quando for o caso, às maneiras de calcular os parâmetros mencionados. Você está também recebendo impressos contendo situações concretas com exemplos e exer- cícios para os cálculos mencionados.
  11. 11. REPRODUTIBILIDADE = confiabilidade, fidedignidade, ou precisão Capacidade de obter resultados com valores muito próximos entre si, quando analisadas uma mesma amostra em um mesmo ou em diferentes ensaios.   Reprodutibilidade – termo usado para testes qualitativos. Precisão - testes quantitativos (determina-se o coeficiente de variação).   Reprodutibilidade (%) = Número de resultados concordantes X 100 Número total de resultados   Testes quantitativos: cv = s X cv- coeficiente de variação s= desvio padrão X = média dos resultados 
  12. 12.   VALIDADE = acuidade, acurácia ou exatidão Grau em que o exame é apropriado para medir o verdadeiro valor daquilo que é medido, observado ou interpretado. Capacidade de produzir valores muito próximos aos obtidos num ensaio de referência (padrão ouro). O cálculo é feito pela expressão:  Número de resultados corretos X 100 Número total de resultados      
  13. 13. SENSIBILIDADE – é a capacidade de detectar amostras verdadeiramente positivas. É, portanto, a relação entre:   S = AP X 100 AP + FN     ESPECIFICIDADE – é a capacidade em detectar amostras verdadeiramente negativas. O seu valor é obtido pela expressão:   E = AN X 100 AN + FP ________________________ AP = amostras verdadeiramente positivas AN = amostras verdadeiramente negativas FP = amostras falso-positivas FN = amostras falso-negativas   Um teste será mais sensível quando apresentar menos resultados falso-negativos, e mais específico quando apresentar menos resultados falso-positivos.
  14. 14. VALOR PREDITIVO         Valor preditivo positivo (VPP) - probabilidade de que um resultado positivo ser verdadeiramente positivo.         Valor preditivo negativo (VPN) - probabilidade de que um resultado negativo ser verdadeiramente negativo .   Veja as expressões para VPP e VPN   VPP = AP X 100 AP + FP   VPN = AN X 100 FN + AN    Os valores preditivos de um teste variam de acordo com a prevalência da doença ou infecção. PREVALÊNCIA – corresponde ao número total de casos de uma doença ou infecção numa determinada população, num período de tempo.  
  15. 15.   PONTO DE CORTE PARA DELIMITAR RESULTADOS POSITIVOS   O ponto de corte para um teste sorológico (“cut off”) ou limiar de reatividade, é o valor que define o limite entre um teste negativo e um teste positivo. A definição do ponto de corte leva em conta a distribuição das frequências dos resultados observados na população, bem como os valores requeridos para a especificidade e a sensibilidade do teste em questão. Veja os gráficos abaixo:
  16. 16. A curva ROC ( “receiver operating curve” ), representada abaixo, tem sido bastante utilizada para definição de valores de “cut-off”. Veja abaixo, como exemplo, a curva ROC de um teste ELISA (“ELISA BHI”), desen- volvido pelo Laboratório de Imunologia, para uma doença caprina (linfadenite caseosa). Neste caso, o “cut-off” foi determinado em 0,25, pois tal valor combina os melhores percentuais de sensibilidade e especificidade requeridos para o teste.
  17. 17. UTILIZAÇÃO DOS TESTES SOROLÓGICOS A maior ou menor sensibilidade e especificidade de um teste sorológico depende de qual a sua finalidade. - Para diagnóstico - é necessário a utilização de testes mais específicos. Nestes casos, é importante que sejam evitados os testes falso-positivos. - Para triagem em Banco de Sangue (ou outras finalidades similares)– os testes são usados com fins preventivos, ou seja, a função é prevenir a contaminação do receptor. Aqui busca-se evitar os testes falso-negativos (a repetição de um teste com resultado falso-positivo custa pouco, entretanto, a disseminação da doença em consequência de um resultado falso-negativo, tem que ser impedida a todo custo).
  18. 18. FIM

×