Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.
PODER JUDICIÁRIO
             TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

                                 ariSunio       ...
1


Voto n° 3.021
Apelação Cível com Revisão n° 105.318-4/1
ApteJAIROBEREZIN
Apdo CONDOMÍNIO DE CONSTRUÇÃO DO EDIFÍCIO VAN...
2


Outubro de 1989 cláusulas a permitir leilão extrajudicial para os
condôminos inadimplentes, tal fato toma-se irrelevan...
3


nome do condômino inadimplente, praticar os atos necessários, fixar
condições e preço, outorgar escrituras, celebrar c...
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×

Ceu Incorporacao Estudo De Caso 090811 Acordao Apelacao

390 Aufrufe

Veröffentlicht am

Veröffentlicht in: Reisen
  • Als Erste(r) kommentieren

  • Gehören Sie zu den Ersten, denen das gefällt!

Ceu Incorporacao Estudo De Caso 090811 Acordao Apelacao

  1. 1. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ariSunio ™9iáSMfcPE JUSTIÇA DE SAO PAULO , , AUURDAU ACORDAO/DECtSAÜMONCXJRATICA U ....,, •K?JST.FiAD9íAl soe N° i Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL n° 105.318-4/1-00, da Comarca de SÃO PAULO, em que é apelante JAIRO BEREZIN, sendo apelado CONDOMÍNIO DE CONSTRUÇÃO DO EDIFÍCIO VANESSA: ACORDAM, em Sétima Câmara Direito Privado de Férias "Julho/2000" do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, proferir a seguinte decisão: "negaram provimento ao recurso, v.u.", de conformidade com o relatório e voto do Relator, que integram este acórdão. O julgamento teve a participação dos Desembargadores LEITE CINTRA (Presidente) e ARTHUR DEL GUÉRCIO. / São Paulo, 31 de Julho de 2000^/ / / JÚLIO VIDAL // Relator
  2. 2. 1 Voto n° 3.021 Apelação Cível com Revisão n° 105.318-4/1 ApteJAIROBEREZIN Apdo CONDOMÍNIO DE CONSTRUÇÃO DO EDIFÍCIO VANESSA Seção Direito Privado (7 a Câmara ) Cidade SÃO PAULO Condomínio - Incorporação - Condômino inadimplente. Ausência de cumprimento de obrigações. Alienação de unidade condominial ou de tração ideal correspondente ao prédio em construção. Admissibilidade. Desnecessidade de previsão expressa em contrato a possibilitar a venda da unidade por parte da Comissão de Representante do condomínio em leilão público ante expressa previsão legal. Inteligência do disposto no artigo 63 da Lei 4.59I/64,exigindo apenas mencionado diploma legal para os contratos de construção observem os interessados a mora ex persona. Recurso desprovido. Vistos Trata-se de apelação interposta contra a decisão (fls.55) que julgou improcedente a ação ordinária de Incorporação de Condomínio aforada por JAIRO BEREZIN contra CONDOMÍNIO DE CONSTRUÇÃO DO EDIFÍCIO VANESSA julgada improcedente. Apela o vencido no prazo (fls. 58v°,59), buscando a reforma do julgado. Argumenta que o terreno onde seria construído ao apelante foi repassado à construtora ( uma das condôminas) para que procedesse a incorporação e construção de um prédio de apartamento de oito andares ( Um apartamento por andar). O contrato pactuado pelas partes (fls. 24) não previu nenhuma espécie de penalidade por força de inadimplemento contratual. Prossegue, o prédio encontra-se com a obra parada desde 1990 por problemas criados pelo Plano Coltor, porque, faltaram recursos para os condôminos continuarem financiando a obra. Revela que os contatos entre o apelante e os demais interessados eram feito pelo pai do autor antes de seu falecimento. Foi o recorrente notificado para pagar uma dívida monstruosa sob pena de ter seus direitos a metade do empreendimento alienados em leilão extrajudicial (fls. 61). Não foi ele convocado para comparecer em assembléia, nem fornecido cronogramas físicos e financeiros do empreendimento a violar o disposto no artigo 58 a 62 da Lei 4.591/64. Conclui que só é possível a teor do disposto no art. 63 da Lei 4.591 leiloar os direitos do inadimplente quando contiver o contrato regras estabelecendo essa possibilidade e fixando a forma do anúncio do leilão. A decisão viola literal disposição de lei. Requer venha ser declarada a inviabilidade do leilão com inversão do ônus processual. Contra-arrazoado (fls.67). Requer o apelado o desprovimento do recurso. Anotado o preparo (fls. 71), subiram os autos. RELATÓRIO A decisão de primeiro grau não merece reparo. Deu a correta solução a demanda. Não violou literal disposição de lei como sustenta o recorrente. O fato de não constar do Instrumento Particular de Contratação de Serviços firmados pelas partes em 26 de Apelaçã Cível n° 105.318-4/1 CO v/3.021
  3. 3. 2 Outubro de 1989 cláusulas a permitir leilão extrajudicial para os condôminos inadimplentes, tal fato toma-se irrelevante em razão das regras estabelecidas pela Lei 4.591/64 que estabelece normas a serem observadas por todos os interessados em razão de incorporação e construção de edifícios a impedir desordens e irresponsabilidade como acontecia antes da existência do mencionado diploma legal que passou a definir a figura do incorporados bem como a definir direitos e deveres não só do incorporador mas também dos condôminos adimplentes ou inadimplentes a evitar prejuízo aos adquirentes de imóveis em construção. O regime da lei 4.591/64 adotou para os contratos de construção, a regra da mora ex persona. O autor foi intimado a emendar a mora no prazo de quinze dias após a notificação e quedou-se inerte(fls.15/16). A contra notificação (fls. 27) não fornece elementos a demonstrar qualquer irregularidade no procedimento utilizado pela apelada a constituir em mora o condômino inadimplente, nem socorre os interesses do autor deduzidos na peça vestibular já que o artigo 63 § 1° da Lei especial autoriza em caso de inadimplemento do condômino a Comissão de Representantes a proceder a venda da unidade em publico leilão ou a cessão da quota de terreno correspondente a parte construída e direitos, bem como a sub rogação do contrato de construção cujo objetivo é o de interesse dos demais condôminos que seriam prejudicados com o atraso do adquirente remisso. No escólio de Caio Mário da Silva Pereira, Condomínio e Incorporações 10a Edição, Editora Forense, pg. 325 uma vez verificada a mora, ex persona, por não ter o adquirente acudido à intimação para que venha emendá-la, a Comissão de Representantes ficará autorizada, desde logo e de pleno direito, a efetuar a publica venda em leilão anunciado na forma do contrato, dos direitos do adquirente, assim da parte construída, como da fração ideal, caso em que o arrematante se sub-rogará nos direitos e nas obrigações, quanto ao contrato de construção. Se o maior lanço encontrado no leilão for inferior ao desembolso efetuado pelo inadimplente, para a quota do terreno e construção, bem como despesas efetuadas, percentagens correspondentes à comissão (5%), multa (10%), honorários advocatícios e anúncios, considerar-se-á não realizada a venda, e a novo leilão se procederá, com prévio anúncio. Feita a arrematação, caberá à Assembléia Geral dos Condôminos, por votação unânime, direito de preferência para adjudicar, em benefício do condomínio, os direitos leiloados, pelo mesmo preço e nas mesmas condições da arrecadação efetuada pelo terceiro. Fato é que observadas as formalidades legais, apurado o preço da arrematação ou adjudicação deduzindo as verbas permitidas por lei, o remanescente eventual será, então restituído ao adquirente faltoso. Em nenhum momento exige a lei especial conste do contrato cláusulas expressa a permitir a alienação da fração ideal pertencente ao autor para a venda em leilão extrajudicial da parte cabente ao condômino faltoso. Para os fins e as medidas prescritos como sanção ao contratante infiel, a Comissão de Representantes ficará investida de poderes irrevogáveis, na vigência do contrato de construção, para, em Apelaçã Cível n° 105.318-4/1 CO v/3.021
  4. 4. 3 nome do condômino inadimplente, praticar os atos necessários, fixar condições e preço, outorgar escrituras, celebrar contratos, receber importâncias, dar quitação, sub rogar o arremantante em direitos e obrigações e emiti-lo na posse, transmitir o domínio, responder pela evicção, receber citação, propor ações, constituir advogados ( art 63 § 5o). Tudo isso independente da outorga de mandato especial, porque, neste caso, os poderes vêm de lei" (Obra citada pg. 326). A rigor, a mora dos adquirentes desequilibra a caixa e, consequentemente, altera o plano financeiro da obra. Assim, estando em jogo afora o interesse do construtor e do adquirente em mora, todo o conjunto dos candidatos às demais unidades autônomas, a lei instituiu, então, este sistema que é peculiar ao caso, e criou técnica das vendas em leilão, por autoridade da Comissão de Representantes, investindo-a dos necessários poderes irrevogáveis para levar a efeito a operação, em todas as suas fases. Nota-se que não estar em jogo apenas os interesses do apelante mas também das demais pessoas que adquiriram a unidade habitacional em um prédio de oito andares correspondente a um apartamento por unidade (fls. 61) como confessa o recorrente neste procedimento. A ação proposta peto autor tem por objetivo ver declarada a impossibilidade do leilão extrajudicial de suas frações ideais do imóvel em construção por ausência de previsão contratual. A prova produzida no curso do processo revela não merecer procedência os argumentos ofertados pelo autor, porquanto a realização do leilão encontra-se previsão expressa no artigo 63 da Lei 4.591/64, tornando-se desnecessária previsão no contrato ante a expressa previsão legal. Lembra o magistrado com muita propriedade (flsl 56) julgado que se ajusta perfeitamente a matéria posta em discussão nesse procedimento cuja ementa encontra-se transcrita da seguinte forma: P de Construção - Ausência ndôminos - Alienação de sibilidade - Prevalência do bre o Código de Processo 8/89). e provimento ao recurso. Apelaçâ Cível n° 105.318-4/1 COv/3.021

×