Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa

92.532 Aufrufe

Veröffentlicht am

  • Login to see the comments

Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa

  1. 1. A ERA DAS REVOLUÇÕES Iluminismo conceito, teóricos e características
  2. 2. <ul><li>Movimento cultural responsável por criticar o Estado Absolutista ou Antigo Regime, também conhecido como “Filosofia das Luzes” ou “Ilustração”. </li></ul><ul><li>Movimento que arquitetou as idéias que derrubaram o Antigo Regime. </li></ul>Iluminismo
  3. 3. Fim da Idade Média Séculos XIII e XIV Rei + Burguesia Unificação Política Aspirava o comércio Desenvolvimento comercial Aumento de Lucros Ascensão econômica da burguesia Séculos XV e XVI Grandes navegações Representam a ascensão econômica
  4. 4. Séculos XVII e XVIII Burguesia Passa a aspirar o Poder político Crítica ao Antigo Regime <ul><li>Antigo Regime ou Absolutismo Monárquico  </li></ul><ul><li>Política: Poder absoluto dos reis. </li></ul><ul><li>   Social: Sociedade dividida em estamentos (clero, nobreza e povo). </li></ul><ul><li> Economia: Mercantilismo. Intervenção do Estado na economia. </li></ul><ul><li>   Cultural: intolerância religiosa e filosófica. </li></ul>Ao criticar o antigo regime a burguesia criou a sua própria ideologia . “ O Estado só é poderoso se for rico. Para enriquecer deve haver capitalismo. Para haver capitalismo a burguesia deve estar no poder”. Surge então o ILUMINISMO
  5. 5. <ul><li>Características do Iluminismo:   </li></ul><ul><li>Igualdade: Perante a lei, economicamente desigual. </li></ul><ul><li>Tolerância religiosa ou filosófica: Não interessava ou era, mas sim o que tinha. </li></ul><ul><li>Liberdade: Pessoas livres = a Mercado consumidor. </li></ul><ul><li>Propriedade Privada: Não a estatização e sim a privatização. </li></ul>Lema Iluminista: LIBERDADE, IGUALDADE E PROPRIEDADE . <ul><li>Combatia: </li></ul><ul><li>Absolutismo: Impedia a participação política da burguesia, impedindo a realização dos seus ideais. </li></ul><ul><li>Mercantilismo: Prejudicial a Livre iniciativa (o mercantilismo controla a economia) </li></ul><ul><li>Poder da Igreja: Não permitia a liberdade de pensamento. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Teóricos: </li></ul><ul><li>Montesquieu: Separação dos poderes (legislativo, Executivo e Judiciário). </li></ul><ul><li>Voltaire: Campeão da liberdade individual. </li></ul><ul><li>Diderot e D’Alembert: A Enciclopédia. </li></ul><ul><li>Rousseau: Contrato Social (O povo elege para o bem comum) e o Bom selvagem (a pessoa é boa por natureza, à sociedade a corrompe). </li></ul><ul><li>Quesnay: A terra é a maior fonte de riqueza. Fisiocracia. </li></ul><ul><li>Adam Smith: Liberalismo econômico. Livre jogo da oferta e da procura. </li></ul><ul><li>Laissez – Faire . Deixe fazer deixe passar. </li></ul>
  7. 7. Despotismo Esclarecido <ul><li>No final do XVIII alguns monarcas absolutos realizaram reformas em seus Estados influenciados pelo Iluminismo. </li></ul><ul><li>Modernização das estruturas administrativas, educação e atividades científicas foram as grandes modificações. </li></ul><ul><li>Marques de Pombal – Portugal, estimulou as exportações e produção manufatureira, além de reforçar o monopólio comercial sobre o Brasil </li></ul><ul><li>Frederico II – Prússia, fim da tortura, educação e produção agrícola e industrial </li></ul><ul><li>Catarina II – Rússia, escolas, hospitais e tomou terras da Igreja </li></ul><ul><li>José II – Áustria, confiscou terras da Igreja, aperfeiçoou o exército e aboliu obrigações feudais </li></ul>
  8. 8. A ERA DAS REVOLUÇÕES Revolução Industrial Antecedentes, desenvolvimento e expansão
  9. 9. A Nova Ordem Econômica: o Liberalismo <ul><li>No séc. XVIII as práticas mercantilistas não atendiam as necessidades da burguesia. A fim de combater antigas formas da economia, surgiu o Liberalismo que criticava o Mercantilismo por que suas práticas prejudicavam a livre expansão do Capitalismo. Suas principais críticas eram: </li></ul><ul><li>Intervenção do Estado na economia; </li></ul><ul><li>Monopólio do comércio; </li></ul><ul><li>Protecionismo alfandegário; </li></ul><ul><li>Controle sobre o mercado; </li></ul><ul><li>Identificação com as monarquias absolutistas. </li></ul>
  10. 10. Liberalismo – características: <ul><li>Condenação da intervenção do Estado na economia; </li></ul><ul><li>A economia se auto-regula através de leis naturais; </li></ul><ul><li>Defesa da livre concorrência; </li></ul><ul><li>Liberdade cambial; </li></ul><ul><li>Defesa da liberdade na realização de contratos; </li></ul><ul><li>Defesa da propriedade privada; </li></ul><ul><li>Combate ao Mercantilismo; </li></ul><ul><li>Estímulo à expansão demográfica para criar um vasto mercado de mão-de-obra. </li></ul>
  11. 11. Os teóricos do Liberalismo <ul><li>Adam Smith (1723-1790) </li></ul><ul><li>Obra: Riqueza das Nações </li></ul><ul><li>Abandono das práticas mercantilistas que empobreciam as nações; propunha o estabelecimento do comércio livre e o fim da presença do Estado na economia; apontava o trabalho como a fonte principal de geração de riqueza. </li></ul>
  12. 12. <ul><li>David Ricardo (1772 – 1823) </li></ul><ul><li>Economista britânico cuja principal contribuição foi o estudo sobre a distribuição de renda. Afirmava que havia três fatores que podiam desestabilizar a economia: salário, lucro e renda da terra. Quando qualquer um desses fatores aumentava demais, provocava um desequilíbrio na economia toda. Empresários e governantes ainda usam essa teoria como justificativa para políticas de arrocho salarial. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>John Stuart Mill (1806 – 1873) </li></ul><ul><li>Filosofo e economista britânico, defensor entusiasmado do Laissez-faire , mas acrescentava a necessidade de promover uma distribuição equilibrada dos benefícios gerados pela economia liberal. Ele defendia a criação de um sistema político que permitisse a participação popular e garantisse os direitos das minorias. </li></ul>
  14. 14. Condições para a decolagem inglesa <ul><li>Acumulação de capital – oriundo do comércio colonial; </li></ul><ul><li>Existência de matéria-prima – grande reservas de minério de ferro e carvão, o algodão foi essencial nesse momento; </li></ul><ul><li>Abundância de mão-de-obra barata – desde a Lei dos Cercamentos de terras </li></ul><ul><li>Mercados consumidores - seu poderio naval permitiu a construção de um imenso império colonial e o domínio do comércio mundial. </li></ul><ul><li>Revolução Gloriosa </li></ul>
  15. 15. Monopólios industriais (K financeiro) Livre concorrência (K industrial) Mercado: Direção = profissionais especializados Proprietário = diretor Org. empresarial: Aço, ligas mais leves, química e automação Ferro e processos mecânicos de produção Tecnologia: Eletricidade, combustão interna, derivados do petróleo Vapor Energia: Outras regiões Inglaterra Região: 1860 em diante 1760 - 1860 Período: II revolução Industrial I Revolução Industrial Características
  16. 16. Modo de Produção Capitalista <ul><li>O que caracteriza o modo de produção capitalista são as relações assalariadas de produção (trabalho assalariado). As relações de produção capitalistas baseiam-se na propriedade privada dos meios de produção pela burguesia, que substituiu a propriedade feudal, e no trabalho assalariado, que substituiu o trabalho servil do feudalismo. O capitalismo é movido por lucros, portanto temos duas classes sociais: a burguesia e os trabalhadores assalariados. </li></ul>
  17. 17. Fases do Capitalismo <ul><li>Pré-capitalismo : o modo de produção feudal ainda predomina, mas já se desenvolvem relações capitalistas. </li></ul><ul><li>Capitalismo comercial : a maior parte dos lucros concentra-se nas mãos dos comerciantes, que constituem a camada hegemônica da sociedade; o trabalho assalariado torna-se mais comum. </li></ul><ul><li>Capitalismo industrial : com a revolução industrial, o capital passa a ser investido basicamente nas industrias, que se tornam à atividade econômica mais importante; o trabalho assalariado firma-se definitivamente. </li></ul><ul><li>Capitalismo financeiro : os bancos e outras instituições financeiras passam a controlar as demais atividades econômicas, através de financiamentos à agricultura, a industria, à pecuária, e ao comercio.   </li></ul>
  18. 18. Conseqüências da Revolução Industrial <ul><li>Estabelecimento do K como sistema econômico; </li></ul><ul><li>1ª fase – desenvolvimento do Liberalismo econômico; </li></ul><ul><li>2ª fase – formação dos conglomerados econômicos (Trustes, Cartéis); </li></ul><ul><li>Abriu caminho para a produção em série, produtividade e massificação dos produtos; </li></ul><ul><li>O K financeiro deu origem ao Imperialismo; </li></ul><ul><li>Burguesia K tornou-se a camada politicamente dominante; </li></ul><ul><li>Ocorrência do Êxodo Rural e crescimento acelerado das cidades; </li></ul><ul><li>Formação das camadas operárias e suas primeiras reações contra a sua situação: </li></ul><ul><ul><li>Luddita: quebra das máquinas. </li></ul></ul><ul><ul><li>Cartismo: propostas definidas (sufrágio universal e secreto, imunidade parlamentar, eleições anuais, ...) </li></ul></ul><ul><ul><li>Trade Unions:primeiras organizações de operários, atuavam como assembléias, publicavam jornais, protestos e greves. </li></ul></ul>
  19. 19. Doutrinas sociais do Séc. XIX <ul><li>Socialismo Utópico: tentativa de atender às necessidades dos trabalhadores em meio ao desenvolvimento K da época. </li></ul><ul><ul><li>Principais teóricos: Saint-Simon, Louis Blanc e Charles Fourier. </li></ul></ul><ul><li>Socialismo Científico:defendia a apropriação coletiva dos meios de produção, pela via revolucionária e pela ditadura do proletariado, uma etapa provisória para o Comunismo. </li></ul><ul><ul><li>Principal teórico: Karl Marx. </li></ul></ul>
  20. 20. <ul><li>Anarquismo: a origem das desigualdades esta no Estado, sempre corruptor. Defende a eliminação do Estado e a organização em pequenas comunidades sob o regime de auto-gestão, sem classes sociais e sem forças coercitivas. </li></ul><ul><ul><li>Principais teóricos: Bakunin, Proudhon. </li></ul></ul><ul><li>A Igreja católica e a questão social: em 1891, o papa Leão XIII lançou a Encíclica Rerum Novarum que afirmava que a religião iria transformar a sociedade e trazer a justiça. A Igreja defendia a conciliação entre K e trabalho e o fim da luta de classes. </li></ul>
  21. 21. A ERA DAS REVOLUÇÕES Revolução Francesa Antecedentes, fases e conseqüências
  22. 22. Antecedentes da Revolução Francesa <ul><li>Antes da Revolução a França vivia o Antigo Regime; </li></ul><ul><li>Principais classes sociais: Clero (1° estado), Nobreza (2° estado), Burguesia e povo (3° estado). </li></ul><ul><li>Principais causas: péssimo governo dos Bourbons; guerras catastróficas; fome e o desejo da burguesia (que vai liderar o movimento) de alcançar o poder. </li></ul><ul><li>Novas idéias filosóficas – Iluminismo. </li></ul>
  23. 23. Movimentos que antecedem a Revolução <ul><li>A revolta aristocrática: o agravamento do quadro econômico leva a convocação da Assembléia dos Notáveis (1787). </li></ul><ul><li>O problema da votação na reunião dos Estados Gerais foi o estopim do movimento (voto por cabeça X voto de classe). </li></ul>
  24. 24. Assembléia Nacional Constituinte (1789 – 1791) <ul><li>Tomada da Bastilha (14/07/1789) </li></ul><ul><li>Supressão dos privilégios feudais </li></ul><ul><li>Declaração dos Direitos dos Homens e dos Cidadãos = Liberdade, Igualdade e Fraternidade </li></ul><ul><li>Os bens do clero passaram a ser administrados pelo Estado </li></ul><ul><li>Promulgação da constituição de 1791 </li></ul>
  25. 25. Assembléia Legislativa (1791 – 1792) <ul><li>Fase curta e transitória. </li></ul><ul><li>Assembléia Legislativa composta na sua maioria por membros da Alta burguesia. </li></ul><ul><li>Parlamentares obrigam o rei a declarar guerra à Áustria. </li></ul><ul><li>Povo invade o palácio das Tulherias e aprisiona a família real. </li></ul><ul><li>Prússia invade a França. </li></ul><ul><li>Forças francesas vencem os prussianos. </li></ul>
  26. 26. Convenção Nacional (1792 – 1795) <ul><li>Fase popular da Revolução. </li></ul><ul><li>Jacobinos (PP burguesia – radicais) no poder – Período do Terror. </li></ul><ul><li>Pcp líderes: Danton, Marat e Robespierre. </li></ul><ul><li>Luis XVI é guilhotinado. </li></ul><ul><li>Proclamada a República e instaurado o sufrágio universal. </li></ul><ul><li>Poder concentrado em Juntas: de Salvação Pública, Comissão de Segurança Nacional e Tribunal Revolucionário. </li></ul><ul><li>Adoção do sistema métrico decimal. </li></ul><ul><li>Construção do Louvre. </li></ul><ul><li>Novo calendário. </li></ul><ul><li>Abolição da escravidão nas colônias. </li></ul><ul><li>Reforma agrária. </li></ul><ul><li>Golpe de 09 de Termidor – queda da PP burguesia e volta dos Girondinos no poder. </li></ul>
  27. 27. Diretório (1795 – 1799) <ul><li>Convenção vota nova constituição: do ano III (1795) – restabelece o voto censitário, implanta o Diretório. </li></ul><ul><li>Fase corrupta, alta inflação e instabilidade política. </li></ul><ul><li>Campanha na Itália com Napoleão Bonaparte. </li></ul><ul><li>Conjura dos Iguais: comandada por Graco Babeuf. </li></ul><ul><li>Golpe do 18 Brumário: Napoleão apoiado pelo exército e alta burguesia derruba o Diretório e chega ao poder. </li></ul>
  28. 28. A primeira lei da política deve ser conduzir o povo pela razão, e os inimigos do povo pelo terror. Não há outros cidadãos na República, a não ser os republicanos. Os monarquistas, os conspiradores, são estrangeiros dentro da República, ou, antes, inimigos. É necessário sufocar os inimigos internos e externos da República ou morrer com ela... O governo revolucionário é o despotismo (ditadura) da liberdade contra a tirania.&quot; (Discurso de Robespierre à Convenção)
  29. 29. Período Napoleônico (1799 – 1815) <ul><li>Consulado (1799 – 1804) </li></ul><ul><li>Saneamento financeiro. </li></ul><ul><li>Fundação do Banco da França. </li></ul><ul><li>Reorganização do ensino. </li></ul><ul><li>Concordata com a Igreja. </li></ul><ul><li>Código Napoleônico. </li></ul>
  30. 30. Império Napoleônico (1804 – 1814) <ul><li>1806 – Bloqueio Continental – com o objetivo de prejudicar a Inglaterra. </li></ul><ul><li>1812 – Desastrosa campanha na Rússia contra Alexandre I (czar). </li></ul><ul><li>1813 – Derrota na Batalha das Nações (Leipzig). </li></ul><ul><li>1814 – Exílio na Ilha de Elba, subindo ao poder na França a família Bourbon, com Luis XVIII. </li></ul><ul><li>1815 – Fuga de Elba, inaugurando na França o chamado governo dos Cem Dias. </li></ul><ul><li>Derrota final na Batalha de Waterloo e morte na Ilha de Santa Helena (1821). </li></ul>
  31. 31. Congresso de Viena (1814 – 1815) <ul><li>Formado pelos países que derrubaram Napoleão Bonaparte. </li></ul><ul><li>Áustria, Inglaterra, França, Rússia, Prússia. </li></ul><ul><li>Refazer o mapa europeu. </li></ul><ul><li>Defendia: a Restauração; a Legitimidade e a Solidariedade. </li></ul><ul><li>Reprimir revoluções liberais, portanto conservador. </li></ul><ul><li>Vale destacar que o Congresso de Viena foi interrompido momentaneamente devido a fuga de Napoleão de Elba, retomado após a derrota em Waterloo. </li></ul>
  32. 32. Santa Aliança <ul><li>Organização internacional que se comprometiam a se defender mutuamente e a combater movimentos liberais revolucionários. </li></ul><ul><li>Participaram os monarcas da Áustria, Prússia e Rússia. </li></ul><ul><li>Os monarcas da Santa Aliança assumiram o direito de intervir militarmente em qualquer país, onde despontassem movimentos inspirados no liberalismo democrático. </li></ul><ul><li>Em 1825 a Santa Aliança e o sistema conservador europeu começam a enfraquecer. </li></ul>

×