Universidade Federal da Bahia     Faculdade de Direito           Sociologia jurídicaProf. Dr. Julio Cesar de Sá da RochaSo...
Nova racionalidade jurídica que contemple apresença da pluralidade, de outros saberes naconstrução        do      conhecim...
Essa nova racionalidade cosmopolita propõeexpandir o presente e contrair o futuro porqueassim será possível o surgimento d...
A tarefa de expandir o presente será deresponsabilidade da Sociologia das Ausências e ade contrair o futuro fica a cargo d...
• Aliada  a sociologia das ausências, está o trabalho de tradução, que visa a criação de uma “inteligibilidade recíproca e...
Com a sociologia das ausências o que não existe é histórico-socialmente produzido como não existente. É a invisibilidade p...
• E com isso, nos impõe o dever de “transformar objetos impossíveis em possíveis e com base neles    transformar   as   au...
• Porque uma sociologia das ausências é aquilo que não há. Ora, aquilo que não há, se não for possível transformá-lo numa ...
sociologia   das      ausências   consiste    narecuperação e valorização dos sistemasalternativos de produção, das organi...
• O objetivo da sociologia das ausências é revelar a diversidade e multiplicidade das práticas sociais e credibilizar esse...
• Sociologia das Emergências procura valorizar as mais variadas gamas de experiências humanas, contrapondo-se   a   uma   ...
• A sociologia das emergências visa romper com o vazio de futuro, nos fazendo enxergar um novo horizonte utópico, capaz de...
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×

Apresentaçãosocdir6

1.416 Aufrufe

Veröffentlicht am

  • Als Erste(r) kommentieren

Apresentaçãosocdir6

  1. 1. Universidade Federal da Bahia Faculdade de Direito Sociologia jurídicaProf. Dr. Julio Cesar de Sá da RochaSociologia do Direito: ausências e emergências
  2. 2. Nova racionalidade jurídica que contemple apresença da pluralidade, de outros saberes naconstrução do conhecimento e,consequentemente, de uma hermenêutica“diatópica” capaz de fazer a tradução das“ausências” e das “emergências”.
  3. 3. Essa nova racionalidade cosmopolita propõeexpandir o presente e contrair o futuro porqueassim será possível o surgimento de um novoespaço-tempo para conhecer e valorizar aexperiência social em construção, no planetamundo.
  4. 4. A tarefa de expandir o presente será deresponsabilidade da Sociologia das Ausências e ade contrair o futuro fica a cargo da Sociologia dasEmergências.
  5. 5. • Aliada a sociologia das ausências, está o trabalho de tradução, que visa a criação de uma “inteligibilidade recíproca entre as experiências do mundo, tanto as disponíveis quanto as possíveis [...]. Trata-se de um procedimento que não atribui a nenhum conjunto de experiências nem o estatuto de totalidade exclusiva nem o estatuto de parte homogênea”
  6. 6. Com a sociologia das ausências o que não existe é histórico-socialmente produzido como não existente. É a invisibilidade proposital a determinados grupos, segmentos, aos socialmente descartáveis.
  7. 7. • E com isso, nos impõe o dever de “transformar objetos impossíveis em possíveis e com base neles transformar as ausências em presenças”.
  8. 8. • Porque uma sociologia das ausências é aquilo que não há. Ora, aquilo que não há, se não for possível transformá-lo numa agenda, significa fracasso
  9. 9. sociologia das ausências consiste narecuperação e valorização dos sistemasalternativos de produção, das organizaçõeseconómicas populares, das cooperativasoperárias, das empresas autogeridas, daeconomia solidária, etc.
  10. 10. • O objetivo da sociologia das ausências é revelar a diversidade e multiplicidade das práticas sociais e credibilizar esse conjunto por contraposição à credibilidade exclusivista das práticas hegemónicas.
  11. 11. • Sociologia das Emergências procura valorizar as mais variadas gamas de experiências humanas, contrapondo-se a uma "Sociologia das Ausências", responsável pelo desperdício da experiência
  12. 12. • A sociologia das emergências visa romper com o vazio de futuro, nos fazendo enxergar um novo horizonte utópico, capaz de nos fazer ver outras possibilidades ricas, plurais e concretas. É a enunciação do novo, do possível, do ainda-não em gestação

×