Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.
Aluna: Juliana
                  Curso de Letras Vernáculas e Clássicas – Módulo 4

Considerações sobre o artigo:

FIORIN,...
se o curso de letras tornar-se um curso de língua estrangeira, seria igualá-lo aos cursos
ministrados por outras escolas c...
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×

Resumo texto fiorin

  • Loggen Sie sich ein, um Kommentare anzuzeigen.

  • Gehören Sie zu den Ersten, denen das gefällt!

Resumo texto fiorin

  1. 1. Aluna: Juliana Curso de Letras Vernáculas e Clássicas – Módulo 4 Considerações sobre o artigo: FIORIN, J.L.. Curso de letras: desafios e perspectivas para o próximo milênio. In: Anais do IV Seminário Nacional de Literatura e Crítica e II Seminário Nacional de Linguística e Língua Portuguesa. Goiânia: Vieira, 2001. O excesso de informação desorganiza a compreensão, e a escola tem o papel de fornecer os meios para essa organização de compreensão das informações e não somente ser o fornecedor de informações aos alunos, assim o processo educacional deveria ser formativo e não informativo. A pós-gradação é o nível de ensino mais bem sucedido do Brasil, porque é um processo formativo de pesquisadores e grupos de pesquisas e não somente informativo, como os outros níveis de ensino (pré escola, médio, fundamental, graduação e atingindo seu auge no cursinho pré-vestibular). Na pós-graduação é utilizado o método científico, onde a ação investigativa leva à obtenção de dados próprios para suas pesquisas e também porque acoplou o ensino à pesquisa e à orientação. O Que é diferente na graduação, onde prevalece o ensino informativo, disciplinas rígidas e obrigatórias sem relações entre si, falta de relação entre ensino e pesquisa dentre outros problemas.”Não se nega a importância das informações, mas que esta deve estar direcionada para a compreensão”(p.14). É preciso formar o aluno para que ele construa seu conhecimento e não sejam passivos nesta aquisição. O português no ensino médio e fundamental tem o predomínio de ser ensinado pela metalinguagem ao invés da linguagem. Por exemplo, são ensinados as categorias linguística sem compreensão de seu papel na compreensão de sentido ou análise sintática para classificar períodos e não para montar períodos bem articulados. “Na década de 60 houve processo de hierarquização das carreiras” (p.14) por diversos fatores, entre eles a estrutura social, o do mercado de trabalho e a do sistema educacional. As carreiras de maior prestígio recrutam estudantes que são oriundas de famílias com maior renda e maior prestígio social e maior conhecimento intelectual, enquanto as carreiras de menor prestígio, recrutam estudantes de menor rendimento escolar, oriundas de famílias com menor renda e são os cursos que possuem as maiores taxas de evasão (são os cursos cujo mercado de trabalho é o ensino médio e fundamental) (p.14). Diante desses problemas o que cabe à universidade é reformular seus currículos do ensino de graduação,o que não significa aumentar as horas-aula. O Currículo da graduação em letras O curso de letras deve ter a perspectiva de ser uma graduação com aspecto formativo e não somente informativo. “É um lugar onde se aprende a refletir sobre os fatos linguísticos e literários, analisando-os descrevendo-os e explicando-os”(p.16). O curso superior de letras não é um curso que visa ao aprendizado da norma culta, nem ao aprendizado de compreensão de textos, nem à aquisição de uma nova língua, pois espera-se que o aluno já tenha a capacidade de ser um leitor eficiente e produtor de textos competente, pois essa é a finalidade do ensino fundamental e médio; e
  2. 2. se o curso de letras tornar-se um curso de língua estrangeira, seria igualá-lo aos cursos ministrados por outras escolas como a Cultura Inglesa, Aliança Francesa entre outras. A linguagem somente pode ser analisada utilizando a própria linguagem, e que pode ser dividida em dois níveis: a linguagem-objeto, que é o objeto da análise (objetivo do ensino médio e fundamental) e a metalinguagem, que é a “ferramenta de análise” (objetivo do curso de graduação em letras). Um curso de letras tem basicamente dois módulos: a) estudo dos mecanismos da linguagem humana e b) compreensão de um fato linguístico singular, a literatura. E eles tem a finalidade de fornecer o arcabouço teórico para o estudo da Linguística e da Teoria da Literatura. “Um literato não pode voltar as costas para os estudos linguísticos, porque a literatura é um fato de linguagem; de outro, não pode o linguísta ignorar a literatura, porque a literatura é o campo da linguagem em que se trabalha a língua em todas suas possibilidades e em que se condensam as maneiras de ver, de pensar e de sentir de uma dada formação social numa determinada época”. (p.16) “O aluno chega ao curso superior sem ser capaz de usar, de maneira competente, a norma culta da Língua Portuguesa em sua modalidade escrita. No que tange às línguas estrangeiras, o aluno não consegue sequer ler, com proficiência, textos”. (p.18) Para resolver esse problema, o aluno poderia fazer um primeiro ano básico , além de conteúdos curriculares de um curso de letras, com conteúdos introdutórios. Um curso de letras não forma somente linguístas e literatos, mas também professores, e portanto precisa ter um componente pedagógico específico para esta área (precisam aprender a transformar os conteúdos aprendidos em prática pedagógica). Hoje diz-se que é necessário dar uma formação geral ao estudante, para que o aluno possa se dedicar a várias áreas do conhecimento, com pinceladas de cada área, porém dessa forma o estudante não sabe nada. “Na verdade é a partir de sólidos conhecimentos num domínio específico do conhecimento que se pode abrir para íntimas relações dos diversos campos do saber” (p.20). A interdisciplinaridade não é significa diluição de teorias, mas exige um profundo conhecimento da disciplina e do tratamento da questão que está sendo proposta, surge como exigência interna ao trabalho que está sendo realizado A forma de avaliação não deveria ser realidado sobre elementos que pudessem ser memorizados, mas sim na verificação da capacidade do aluno refletir sobre fatos de linguagem, analisando-os, descrevendo-os e interpretando-os. No artigo original o autor refere ao ensino escolar como era denominado anteriormente (1o grau e 2o grau), porém nestas considerações eu troquei para ensino fundamental e ensino médio, respectivamente.

×