Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Enf.

20.877 Aufrufe

Veröffentlicht am

Veröffentlicht in: Reisen, Business

Enf.

  1. 1. CATETERES VENOSOS Disciplina: Fundamentos Enfermagem - TRM
  2. 2. CATETERES VENOSOS A escolha do CV mais adequado constitui uma decisão multidisciplinar baseada em características clínicas do paciente, no tipo de terapia a ser instituída e no custo do dispositivo.
  3. 3. TIPOS DE CATETERES VENOSOS
  4. 4. CATETERES DE CURTA PERMANÊNCIA PERIFÉRICOS: Íntima – nylon Gelco – abbocath – teflon Scalpe – baterffly – agulhado
  5. 5. TIPOS DE CATETERES VENOSOS Íntima – nylon Gelco–abbocath – teflon
  6. 6. CATETERES DE CURTA PERMANÊNCIA CENTRAIS: Intra-cath – poliuretano Duplo-lúmen – (dois ou mais lúmens) poliuretano Swan- gans Shilley
  7. 7. Técnica de Seldinger Canulação do vaso com guia - técnica de Seldinger
  8. 8. TIPOS DE CATETERES VENOSOS
  9. 9. TIPOS DE CATETERES VENOSOS
  10. 10. CATETERES DE LONGA PERMANÊNCIA CENTRAIS: Port-a-cath – totalmente implantado – siliconizado – reservatório de plástico ou metal Hickman – 2 vias acesso – semi-implantado – silicone/ anel de dacron Broviac – 1 via de acesso – silicone – dacron Perm-cath – 2 vias de acesso – poliuretano
  11. 11. CATETERES DE LONGA PERMANÊNCIA CENTRAIS DE INSEÇAO PERIFÉRICA: PICC ou CCIP – semi implantado – silicone – 1 ou vias de acesso.
  12. 12. Risco da utilização de dispositivos venosos: 1. Infecção do sítio de inserção; 2. Infecção sistêmica; 3. Endocardite e infecções metastáticas – abcesso pulmonar e cerebral, ostiomielite e endoftalmites
  13. 13. Risco da utilização de dispositivos venosos: 4. Tromboflebite séptica incidência em torno de 30% após o uso do cateter periférico. 5. Infusões contaminas; 6. Contaminação do cateter; 7. Fonte hematogênica – a partir de focos infecciosos de outros sítios.
  14. 14. Risco da utilização de dispositivos venosos:
  15. 15. CUIDADOS COM CV
  16. 16. CUIDADOS COM CV obedecer técnicas de assepsia e antissepsia durante a inserção do cateter na pele designar profissional treinado para a inserção e manutenção dos cateteres avaliar o dispositivo de segurança com EPI (Equipamento De Proteção Individual) evitando acidentes ocupacionais; lavagem das mão com sabonete – suficiente para retirada da flora transitória. usar luvas de procedimento – PRECAUÇÃO PADRÃO (PP); Não puncionar membros que possuam: FAV; mastectomia (+); ou hemiplegia
  17. 17. RISCO PARA INFECÇÃO Fator relacionado: USO DE DISPOSITIVO VENOSO Precaução padrão Uso de cateteres biocompatíveis POLIURETANO
  18. 18. EXTRAVASAMENTO Incidência 0,035% e 1,3% Sinais e sintomas: queimação dor edema eritema bolhas na pele processo inflamatório – após 6h pico 24 e 48h
  19. 19. EXTRAVASAMENTO MEIO EXTRAVASCULAR drogas (hiperosmolalidade ) - EV leito vascular => interstício => processo inflamatório compressão mecânica das estruturas adjacentes: 1. vasos 2. nervos deformidades de extremidades parestesia limitação dos movimentos => fibrose tendão e músculo perda de força muscular redução de perfusão distal
  20. 20. CUIDADOS COM CATETERES VENOSOS CENTRAIS CVC Risco da utilização de dispositivos venosos centrais: Tromboflebite séptica- pode ser resultado de: − lesão na parede da veia por causas mecânicas; − no ato da passagem do cateter; − devido à irritação causada por substâncias químicas; − ação de bactérias; − fluxo inadequado.

×